Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
APRESENTAÇÃO
A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador chega à sua
quinta edição, consolidada como uma referênci...
ÍNDICE
Dados técnicos........................................................................................................
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
4
DADOS TÉCNICOS
Sond...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
5
INTRODUÇÃO
O transp...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
6
PRODUTO INTERNO BRU...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
7
INFLAÇÃO
TRANSPORTA...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
8
CARGA TRIBUTÁRIA DO...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
9
Reduzirá a carga tr...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
10
JUROS
TRANSPORTADO...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
11
30,1
47,2
12,2
3,8...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
12
TAXA DE CÂMBIO
TRA...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
13
12,9
17,0
0,0
5,0
...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
14
DESEMPENHO ECONÔMI...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
15
42,1
52,8
0,0
53,5...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
16
INVESTIMENTO NO PA...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
17
41,5
49,0
40,0
29,...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
18
INVESTIMENTO EM IN...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
19
0,2 1,9 0,03,5 0,0...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
20
63,3
30,6
22,1
22,...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
21
AÇÕES EMERGENCIAIS...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
22
PARTICIPAÇÃO DA IN...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
23
Sim
80,6%
Não sabe...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
24
NOVO MODELO DE CON...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
25
Será mais eficient...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
26
ATIVIDADE DE TRANS...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
27
42,6
35,8
0,0
40,2...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
28
CUSTO DOS INSUMOS
...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
29
12,6 15,1
0,0
85,6...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
30
INVESTIMENTOS DO S...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
31
73,4 73,6
80,0
21,...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
32
AQUISIÇÃO DE VEÍCU...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
33
36,9
52,8
0,0 1,3 ...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
34
FORMA COMO PRETEND...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
35
MÃO DE OBRA
ESCASS...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
36
PRINCIPAIS MOTIVOS...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
37
CONCLUSÃO
A Sondag...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
38
Aparentemente, a i...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
39
APÊNDICE
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
40
APÊNDICE 1
PERFIL ...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
41
APÊNDICE 2
COMPARA...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
42
100,0
80,0
60,0
40...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
43
100,0
80,0
60,0
40...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
44
100,0
80,0
60,0
40...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
45
100,0
80,0
60,0
40...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
46
100,0
80,0
60,0
40...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
47
100,0
80,0
60,0
40...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
48
42,3
47,2
7,7
15,1...
Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1
Rodoviário, aquaviário e ferroviário
49
32,2
69,3
54,3
60,...
Transportadores brasileiros estão menos otimistas
Transportadores brasileiros estão menos otimistas
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Transportadores brasileiros estão menos otimistas

382 visualizações

Publicada em

http://www.transvias.com.br/6830/noticias/Segundo-CNT,-transportadores-brasileiros-estao-menos-otimistas - Os transportadores brasileiros – nos modais rodoviário, aquaviário e ferroviário – estão menos otimistas com os rumos da economia neste ano, segundo anuncia o presidente da CNT, senador Clésio Andrade. “A expectativa de baixo crescimento e a alta da inflação impactam os planos de investimentos.”

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
382
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
74
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Transportadores brasileiros estão menos otimistas

  1. 1. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário
  2. 2. APRESENTAÇÃO A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador chega à sua quinta edição, consolidada como uma referência para a compreensão das perspectivas dos empresários do setor de transporte. Com a importância que esta avaliação vem assumindo, ampliamos sua abrangência. Mais de 500 empresários do transporte rodoviário de cargas e de passageiros, das empresas de navegação marítima e interior e também representantes de concessionárias de transporte ferroviário de cargas foram ouvidos. Essa foi a primeira vez que os ferroviários participaram do levantamento. Nesta edição da sondagem realizada pela Confederação Nacional do Transporte, é possível conhecer o que os transportadores esperam da economia e das obras de infraestrutura. Eles também indicam alguns dos principais problemas que atingem o setor e avaliam aspectos como inflação, investimentos e custos, bem como o impacto sobre a atividade transportadora. Ao conhecer as necessidades apontadas para o ano de 2014, nosso objetivo é desenvolver um trabalho mais direcionado, com foco nas ações que fortaleçam o setor. Esta é mais uma contribuição para que a CNT possa cumprir o papel de incentivar o desenvolvimento do transporte no Brasil. Senador Clésio Andrade Presidente da CNT
  3. 3. ÍNDICE Dados técnicos............................................................................................................................................... 04 Introdução ...................................................................................................................................................... 05 Análise dos Resultados Temas Macroeconômicos .......................................................................................................... 06 Investimentos ............................................................................................................................... 16 Atividade empresarial ................................................................................................................ 26 Conclusão ........................................................................................................................................................ 37 Apêndices Perfil dos entrevistados ............................................................................................................ 40 Comparativo entre as fases da Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador......................................................................................................................... 41
  4. 4. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 4 DADOS TÉCNICOS Sondagem: Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 (rodoviário, aquaviário e ferroviário) Público-alvo: empresas de transporte rodoviário de cargas e passageiros, empresas de navegação marítima e interior e concessionárias de transporte ferroviário de cargas. Abrangência geográfica: nacional Método de coleta de dados: contato telefônico Respostas válidas1 : 516 Período de coleta: 11 de janeiro a 24 de fevereiro de 2014. 1 - O perfil dos entrevistados, quanto ao porte, encontra-se no Apêndice 1. RODOVIÁRIO Atividade principal Entrevistas Percentual (%) Transporte de cargas 351 76,6 Transporte de passageiros 107 23,4 Total 458 100 AQUAVIÁRIO Atividade principal Entrevistas Percentual (%) Navegação interior 36 67,9 Transporte marítimo 17 32,1 Total 53 100 FERROVIÁRIO Atividade principal Entrevistas Percentual (%) Ferroviário de cargas 5 100 Total 5 100
  5. 5. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 5 INTRODUÇÃO O transporte cumpre um papel fundamental na qualidade de vida da população e no crescimento nacional devido às nossas diversas atividades - seja a locomoção, a entrega de um produto que adquirimos ou a produção e distribuição de nossos alimentos –. Diante disso, compreender a percepção dos transportadores quanto ao desempenho da economia, suas perspectivas quanto à sua atividade, bem como as dificuldades enfrentadas pelo setor, é necessário para que medidas sejam tomadas de forma a aumentar a eficiência do serviço de transporte. Nesse sentido, o objetivo desse estudo é disponibilizar informações a respeito das expectativas dos transportadores sobre suas atividades empresariais, investimentos no Brasil e temas macroeconômicos. Além das questões tradicionalmente apresentadas aos transportadores, outras foram inseridas de forma a identificar: (i) as ações tidas como emergenciais para a dinamização do sistema de transporte; (ii) a avaliação dos empresários sobre as novas concessões; (iii) a opinião do setor sobre os possíveis motivos que dificultam a realização dos investimentos em infraestrutura de transporte; e (iv) a oferta de mão de obra qualificada no setor. Nesse contexto, é possível desenvolver o planejamento estratégico setorial, tal como a estruturação de ações pela CNT em prol dos interesses do setor de transporte. Essa quinta edição do estudo incluiu, pela primeira vez, o transporte ferroviário. As entrevistas que deram origem a este relatório foram realizadas com 516 empresas de transporte. Dessas, 458 são do modal rodoviário (cargas e passageiros), 53 do aquaviário (marítimo e navegação interior), além de 5 das 6 concessionárias ferroviárias que atuam em território nacional. Os resultados obtidos nesta Sondagem demonstram que os empresários do setor de transporte estão menos otimistas do que em períodos anteriores. Vislumbrando um cenário de baixo crescimento econômico, pressão inflacionária e altas taxas de juros, em meio a um ambiente de baixa confiança na gestão econômica do governo, os transportadores estão cautelosos em seus planos de investimento. As expectativas dos transportadores são apresentadas nesse relatório-síntese na seguinte ordem: temas macroeconômicos, investimentos e atividade empresarial. O perfil dos entrevistados e o histórico comparativo das fases da Sondagem estão disponibilizados nos apêndices. A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador é realizada em duas fases. A Fase 1, realizada no início de cada ano, tem como objetivo identificar as projeções e as perspectivas dos empresários do setor de transporte. Já a Fase 2, realizada no segundo semestre do ano, tem por finalidade reavaliar as expectativas dos transportadores considerando os eventos econômicos do primeiro semestre do ano.
  6. 6. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 6 PRODUTO INTERNO BRUTO - PIB CENÁRIO PESSIMISTA EM RELAÇÃO AO DESEMPENHO ECONÔMICO PREDOMINA ENTRE OS TRANSPORTADORES 70,9% dos transportadores entrevistados não acreditam em um aumento de dinamismo na economia brasileira em 2014. 29,8% dos entrevistados acreditam que, em 2014, a taxa de crescimento do PIB brasileiro deverá ser inferior aos 2,3% registrados em 2013 e 41,1% dizem que a taxa irá manter-se. Apenas 26,6% esperam por uma melhora desse indicador de atividade econômica. Cabe destacar que, no mesmo período de 2013, 42,9% dos entrevistados acreditavam no aumento do crescimento econômico. Já no segundo semestre do ano passado, a proporção era de 30,3%. O cenário revela o pessimismo do setor em um período que, historicamente, os empresários estão mais otimistas com as possibilidades crescimento no ano. O ceticismo pode estar relacionado, entre outros, à elevação da taxa de juros doméstica, à expectativa de elevação dopreçodosinsumoseàdificuldadedeoGovernoFederalrealizarinvestimentosnecessários. 41,7 37,7 20,0 25,6 35,9 20,0 2,6 1,9 0,0 Reduzirá 29,8% Mantém-se 41,1% Aumentará 26,6% Não sabe 2,5% 100,0 80,0 60,0 40,0 30,1 24,5 60,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para o crescimento do PIB (%) Expectativa para o crescimento do PIB por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe
  7. 7. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 7 INFLAÇÃO TRANSPORTADORES ESPERAM POR ELEVAÇÃO DA INFLAÇÃO EM 2014 Apenas 7,2% dos transportadores acreditam que a taxa de inflação, em 2014, será inferior à registrada em 2013 (5,9% a.a.) e, para 63,2%, o índice superará a do ano anterior. A expectativa do setor de transporte está alinhada à do mercado que, segundo o Relatório Focus2 de 07 de março de 2014, acredita que o IPCA do ano será de 6,12%. Os transportadores rodoviários são os mais pessimistas e os ferroviários os mais otimistas quanto à elevação dos preços no ano. Deve-se considerar nesse ponto o impacto da inflação para o setor. Para 49,8% dos transportadores entrevistados, a inflação tem elevado impacto em sua atividade. Assim, a elevaçãodainflaçãopoderepresentarpressãosobreoscustosecomprometerodesempenho do setor no ano. Os resultados, entretanto, são semelhantes aos registrados na Fase 1 da Sondagem 2013 e apresentam redução de 9 pontos percentuais em relação à Fase 2 daquele ano, o que pode indicar uma redução no pessimismo do setor quanto ao índice e uma interrupção da tendência de crescimento linear da expectativa de alta inflacionária. 37,10 50,9 20,0 12,0 3,8 0,0 0,90 0,0 0,0 Baixo 11,0% Moderado 38,4% Elevado 49,8% Não sabe 0,8% 100,0 80,0 60,0 40,0 50,0 45,3 80,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Impacto da inflação na atividade (%) Impacto da inflação na atividade por modal (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe 27,5 34,0 40,0 64,4 54,7 40,0 1,3 1,9 00,0 Reduzirá 7,2% Mantém-se 28,3% Aumentará 63,2% Não sabe 1,3% 100,0 80,0 60,0 40,0 6,8 9,4 20,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para a taxa da inflação (%) Expectativa para a taxa de inflação por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 2 - Relatório divulgado pelo Banco Central do Brasil sobre as expectativas de mercado.
  8. 8. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 8 CARGA TRIBUTÁRIA DO SETOR DIFERENTES PERCEPÇÕES SOBRE A CARGA TRIBUTÁRIA DIVIDEM O SETOR DE TRANSPORTE 53,5% dos transportadores rodoviários acreditam no aumento do custo com pagamento de tributos em 2014. Entretanto, para os empresários que operam na navegação e nas concessionárias ferroviárias a expectativa é de manutenção para 52,8% e 80,0% dos empresários, respectivamente. QuandoquestionadossobreosbenéficosdasLeisnº12.715/2012e12.788/2013,quedesoneraram a contribuição previdenciária sobre a folha de pagamentos, os transportadores revelaram que, dos 56,2% que conhecem a nova legislação vigente, 52,8% esperam redução da carga tributária referente às obrigações previdenciárias das empresas. O fato mostra que as empresas esperam por elevação de outros tributos que incidem sobre a atividade de transporte de cargas e passageiros como, por exemplo, o ICMS e o Imposto de Renda. Isso se torna um fator de risco para a gestão das empresas, uma vez que, para 74,6% delas, a carga tributária tem um impacto elevado em sua atividade e pode, se comprovada a expectativa, gerar aumento no preço da prestação do serviço. 39,3 52,8 80,0 53,5 43,4 20,0 0,9 0,0 0,0 Reduzirá 6,0% Mantém-se 41,1% Aumentará 52,1% Não sabe 0,8% 100,0 80,0 60,0 40,0 6,3 3,8 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para carga tributária (%) Expectativa para carga tributária por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 44,1 45,3 0,0 Sim 56,2% Não 43,8% 100,0 80,0 60,0 40,0 55,9 54,7 100,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Conhece as Leis de desoneração da folha de pagamentos? Conhece as Leis de desoneração da folha de pagamentos? - Por modal (%) Sim Não
  9. 9. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 9 Reduzirá a carga tributária 52,8% A carga tributária será mantida 14,8% O processo de recolhimentocontinuará complexo 10,0% Não sabe 3,8% Sim, simplificará o recolhimento do tributo 18,4% Benefício da desoneração da folha de pagamentos (%) Benefícios da desoneração da folha de pagamentos por modal (%) 18,0 27,6 3,1 10,3 0,00,0 100,0 80,0 60,0 40,0 53,9 60,0 41,4 20,0 0,0 Reduzirá a carga tributária Simplicará o recolhimento do tributo A carga tributária será mantida O processo de recolhimento continuará complexo Não sabe 14,8 13,8 20,0 20,0 10,2 6,9 Rodoviário Aquaviário Ferroviário 15,5 9,4 0,0 10,9 1,9 0,0 0,9 0,0 0,0 Baixo 9,9% Moderado 14,7% Elevado 74,6% Não sabe 0,8% 100,0 80,0 60,0 40,0 72,7 88,7 100,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Impacto da carga tributária na atividade (%) Impacto da carga tributária na atividade por modal (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe
  10. 10. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 10 JUROS TRANSPORTADORES ACREDITAM NA CONTINUAÇÃO DO PROCESSO DE ELEVAÇÃO DA TAXA DE JUROS Após sucessivos aumentos, desde abril de 2013, a taxa básica de juros – Selic – chegou a 10,75% a.a. em fevereiro de 20143 e a expectativa dos empresários do setor de transporte é de que ela ultrapasse esse valor até o final do ano. Para 70,7% dos entrevistados os juros praticados no país terão patamar superior ao registrado em 2013. Apesar disso e da expectativa do mercado, que prevê a Selic para o ano em 11%4 , 5,6% dos empresários acreditam na possibilidade de redução do custo do capital no país. A taxa de juros é uma variável de grande impacto para o setor de transporte segundo 55,2% dos entrevistados. A importância atribuída a essa variável é mais evidente no segmento ferroviário, onde 60,0% dos concessionários concordam que os juros têm elevado impacto sobre a atividade. De uma forma geral, os reflexos da elevação da taxa de juros no país já afetaram o setor. Em janeiro de 2014, o Banco Nacional de Desenvolvimento Econômico e Social – BNDES - modificou a taxa de juros praticada no âmbito do Programa de Sustentação do Investimento – PSI – de 4% a.a. para 6% a.a.. Com a mudança na taxa para financiamento, 72,7% dos entrevistados que têm conhecimento da modificação, afirmaram que alteraram suas previsões de investimento para 2014. Entre os modais, o ferroviário foi o que sofreu menor impacto no planejamento devido à elevação da taxa PSI. 3 - Na reunião 181, realizada em 25 e 26 de fevereiro, o Copom elevou a Selic em 0,25% p.p redefinindo a taxa em 10,75% a.a.. Em ata o Comitê de Política Monetária não divulgou viés. 4 - Relatório Focus do Banco Central do Brasil de 07 de março de 2014. 21,8 28,3 20,0 71,6 64,1 60,0 1,1 1,9 0,0 Reduzirá 5,6% Mantém-se 22,5% Aumentará 70,7% Não sabe 1,2% 100,0 80,0 60,0 40,0 5,5 5,7 20,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para taxa de juros (%) Expectativa para taxa de juros por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe -
  11. 11. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 11 30,1 47,2 12,2 3,8 0,0 1,8 0,0 0,0 Baixo 11,2% Moderado 32,0% Elevado 55,2% Não sabe 1,6% 100,0 80,0 60,0 40,0 55,9 49,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Impacto da taxa de juros na atividade (%) Impacto da taxa de juros na atividade por modal (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe 64,2 34,0 60,0 35,8 66,0 40,0 Sim 61,0% Não 39,0% 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Sim Não Tem conhecimento da elevação da taxa de juros PSI? Tem conhecimento da elevação da taxa de juros PSI? - Por modal (%) 27,2 16,7 66,7 0,3 0,0 0,0 Sim 72,7% Não 27,0% Não sabe 0,3% 100,0 80,0 60,0 40,0 72,5 83,3 33,3 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Planejamento foi afetado pela nova taxa do PSI? Planejamento foi afetado pela nova taxa do PSI? - Por modal (%) Sim Não Não sabe
  12. 12. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 12 TAXA DE CÂMBIO TRANSPORTADORES NÃO ESPERAM POR REDUÇÃO DA TAXA DE CÂMBIO EM 2014 Para 45,8% dos transportadores entrevistados, a taxa de câmbio deverá se elevar em 2014. Já outros 39,7% acreditam na manutenção da taxa registrada em dezembro de 2013. O incremento na taxa de câmbio significa perda de valor do Real frente às moedas estrangeiras, o que , para o setor de transporte, afeta o custo de aquisição de insumos importados. Contudo, os empresários revelam que o impacto sobre a atividade não é tão expressivo. 27,7% dos participantes declararam que a variável tem impacto elevado em sua atividade, o resultado é 9,8 pontos percentuais menor que o revelado em setembro de 2013. Atualmente 62,2% acreditam que o impacto é moderado ou baixo. Em relação à elevação da taxa de câmbio, 80,6% acreditam que esse aumento poderá afetar a economia brasileira em 2014, enquanto que 13,2% acreditam que não. Os concessionários ferroviários são os mais pessimistas, 100% dos entrevistados prevêem um impacto do câmbio sobre a economia brasileira em 2014. 40,4 33,9 40,0 45,4 47,2 60,0 8,5 15,1 0,0 Reduzirá 5,4% Mantém-se 39,7% Aumentará 45,8% Não sabe 9,1% 100,0 80,0 60,0 40,0 5,7 3,8 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para taxa de câmbio Expectativa para taxa de câmbio por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 38,0 43,4 40,0 23,6 24,5 20,0 10,5 7,6 0,0 Baixo 23,6% Moderado 38,6% Elevado 27,7% Não sabe 10,1% 100,0 80,0 60,0 40,0 27,9 24,5 40,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Impacto da taxa de câmbio na atividade (%) Impacto da taxa de câmbio na atividade por modal (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe
  13. 13. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 13 12,9 17,0 0,0 5,0 17,0 0,0 Sim 80,6% Não 13,2% Não sabe 6,2% 100,0 80,0 60,0 40,0 82,1 66,0 100,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário A taxa de câmbio tem impacto na economia? A taxa de câmbio tem impacto na economia? - Por modal (%) Sim Não Não sabe
  14. 14. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 14 DESEMPENHO ECONÔMICO E CONFIANÇA NA POLÍTICA ECONÔMICA CRESCE A DESCONFIANÇA NA GESTÃO ECONÔMICA DO GOVERNO FEDERAL 52,3% dos transportadores revelaram baixo grau de confiança na gestão econômica. O resultado é 4,5 pontos percentuais superior ao registrado em setembro de 2013, o que indica um agravamento da crise de credibilidade do Governo Federal junto aos empresários do setor de transporte. Paraostransportadores,obaixodesempenhodaeconomiaéconsequênciadapolíticaeconômica adotada no país (78,9%) e não reflexo de crises internacionais (20,1%). A dificuldade de gestão e a opção pelo crescimento baseado no consumo, entre outros, são apontados por 100% dos concessionários ferroviários como responsáveis pelo atual cenário econômico brasileiro. Apesar de não acreditarem que crises internacionais sejam responsáveis pelo reduzido dinamismo econômico, 69,4% dos empresários entrevistados acreditam que ainda há a possibilidade de uma crise internacional afetar a economia brasileira em 2014. No que se refere às implicações de tal crise sobre a economia brasileira, 43,6% crêem que o impacto será moderado e 13,8% que será elevado. 19,7 26,4 0,0 79,5 71,7 100,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Política econômica adotada pelo governo brasileiro 78,9% Não sabe 1,0% Reflexos das crises econômicas internacionais 20,1% Qual o principal fator para a perda de dinamismo econômico? Qual o principal fator para a perda de dinamismo econômico? - Por modal (%) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Política econômica adotada pelo governo brasileiro Reflexos das crises econômicas internacionais Não sabe 0,9 1,9 0,0
  15. 15. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 15 42,1 52,8 0,0 53,5 37,7 100,0 0,0 1,9 0,0 Baixo 52,3% Moderado 42,8% Elevado 4,7% Não sabe 0,2% 100,0 80,0 60,0 40,0 4,4 7,6 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Qual seu grau de confiança no governo em relação à gestão econômica? Qual seu grau de confiança no governo em relação à gestão econômica? - Por modal (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe Rodoviário Aquaviário Ferroviário Sim, com impacto moderado sobre a economia brasileira 43,6% Sim, com impacto elevado sobre a economia brasileira 13,8% Sim, com impacto baixo sobre a economia brasileira 12,0% Não sabe 0,6% Não 30,0 Existe uma crise internacional capaz de afetar a economia brasileira? Existe uma crise internacional capaz de afetar a economia brasileira? - Por modal (%) 28,6 45,3 0,0 14,0 11,3 20,0 12,0 9,4 40,0 0,4 0,01,9 100,0 80,0 60,0 40,0 45,0 32,1 40,0 20,0 0,0 Sim, com impacto moderado sobre a economia brasileira Não Sim, com impacto elevado sobre a economia brasileira Sim, com impacto baixo sobre a economia brasileira Não sabe
  16. 16. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 16 INVESTIMENTO NO PAÍS MANUTENÇÃO DO NÍVEL DE INVESTIMENTOS PARA 2014 Apesar dos diversos anúncios de investimentos feitos pelo Governo Federal desde 2012, o setor de transporte revela-se cético no que se refere à sua efetiva realização em 2014. Os empresários estão menos otimistas quanto ao volume de investimento total no país, quando comparado com o primeiro semestre de 2013. 41,3% dos entrevistados acreditam que os investimentos (públicos e privados) serão mantidos no mesmo patamar de 2013 e 33,9% esperam por uma redução. Quando questionados sobre o investimento público em infraestrutura geral, apenas 29,8% dos transportadores esperam por elevação dos dispêndios em obras de infraestrutura. O pessimismo é o maior já revelado pela Sondagem. Nesta edição, 27,5% declararam que o investimento será reduzido. Já na primeira Sondagem, em 2012, apenas 15,9% previam tal cenário. Em substituição a uma situação de grande otimismo em fevereiro de 2013, atualmente os usuários revelam-se cautelosos quando o tema é investimento público em infraestrutura de transporte rodoviário, aquaviário e ferroviário. Para 47,9% dos entrevistados, haverá manutenção dos recursos destinados ao setor e, para 23,4%, o investimento poderá reduzir-se. Paraaexpectativadeinvestimentosprivados,observa-seumequilíbrioentreotimismoecautela. Para 44,0% dos empresários, o volume de recursos privados empregados em infraestrutura de transporte se elevará, mas para outros 45,5% o investimento será mantido, mesmo com a previsão de investimentos das novas concessionárias rodoviárias previstos para 2014. Ainda sobre infraestrutura de transporte, em harmonia com a expectativa quanto ao volume de investimento, os entrevistados não esperam por melhoria na qualidade das rodovias, portos, hidrovias e terminais hidroviários. Para 49,7% deles a qualidade atual será mantida e, para 21,7%, haverá piora das condições da infraestrutura disponível. 40,6 47,2 40,0 22,7 37,7 40,0 0,4 0,00,0 Reduzirá 33,9% Mantém-se 41,3% Aumentará 24,4% Não sabe 0,4% 100,0 80,0 60,0 40,0 36,3 15,1 20,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para investimentos total no país Expectativa para investimentos total no país por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe
  17. 17. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 17 41,5 49,0 40,0 29,7 30,2 40,0 0,2 0,01,9 Reduzirá 27,5% Mantém-se 42,3% Aumentará 29,8% Não sabe 0,4% 100,0 80,0 60,0 40,0 28,6 18,9 20,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para investimento em infraestrutura geral Expectativa para investimento em infraestrutura geral por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 47,4 33,9 0,0 41,3 62,3 100,0 1,1 0,00,0 Reduzirá 9,5% Mantém-se 45,5% Aumentará 44,0% Não sabe 1,0% 100,0 80,0 60,0 40,0 10,2 3,8 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para investimento privado em infraestrutura de transporte Expectativa para investimento privado em infraestrutura de transporte por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 47,6 51,0 40,0 27,1 37,7 40,0 0,4 0,00,0 Reduzirá 23,4% Mantém-se 47,9% Aumentará 28,3% Não sabe 0,4% 100,0 80,0 60,0 40,0 24,9 11,3 20,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para investimento público em infraestrutura de transporte Expectativa para investimento público em infraestrutura de transporte Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 49,6 51,0 26,2 39,6 1,1 0,0 Melhorar 27,6% Manter-se 49,7% Piorar 21,7% Não sabe 1,0% 100,0 80,0 60,0 40,0 23,1 9,420,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Expectativa para a condição das rodovias/ portos/ hidrovias Expectativa para a condição das rodovias/ portos/ hidrovias por modal (%) Piorar Manter-se Melhorar Não sabe
  18. 18. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 18 INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA: EXECUÇÃO ORÇAMENTÁRIA INEFICIÊNCIA: FALTA TRANSPARÊNCIA NA DIVULGAÇÃO DOS GASTOS E FALTA PLANEJAMENTO NA REALIZAÇÃO DOS INVESTIMENTOS Os recursos são públicos e a Lei da Transparência garante acesso amplo aos dados de execução orçamentária do governo. Apesar disso, a complexidade de acesso aos dados e a demora em sua divulgação faz com que apenas 5,2% dos transportadores tenham conhecimento de quanto foi investido, em 2013, pelo Governo Federal em infraestrutura de transporte. Em 2013, dos R$ 15,4 bilhões autorizados para investimento em transporte, apenas R$ 10,4 bilhões foram pagos, incluindo restos a pagar pagos de anos anteriores. Diante dessa informação, os transportadores foram questionados se o volume investido foi capaz de solucionar os entraves logísticos do país e 96,5% avaliaram que não. Os transportadores (95,3%) também declararam não ter conhecimento do volume de recursos destinados à infraestrutura de transporte em 2014. Segundo dados do Siga Brasil5 , foram disponibilizados R$ 15,7 bilhões para investimentos em intervenções no setor. Entretanto, quando informados desse volume, os entrevistados (89,3%) revelaram não acreditar na capacidade de o Governo Federal realizar integralmente o investimento durante o ano. A falta de planejamento é, segundo os entrevistados (63,3%), o principal motivo para que o investimento autorizado não seja realizado no Brasil6 . Outros fatores também afetam a capacidade de gestão dos recursos e impactarão na realização das obras de transporte em 2014: eleições, Copa do Mundo e realocação de recursos do transporte para outras áreas de interesse do Governo Federal. 5 - Sistema para acompanhamento da execução orçamentária disponibilizado pelo Senado Federal. 6 - Nesta questão os entrevistados puderam apontar mais de um item. 5,5 0,0 40,0 94,5 100,0 60,0 Sim 5,2% Não 94,8% 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Conhece o montante que foi investido em transportes pelo governo 2013? Conhece o montante que foi investido em transportes pelo governo 2013? - Por modal (%) Sim Não
  19. 19. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 19 0,2 1,9 0,03,5 0,0 0,0 96,3 98,1 100,0 Não foram capazes de solucionar os problemas de logística do país 96,5% Foram capazes de solucionar os problemas de logístiva no país 3,1% Não sabe 0,4% Rodoviário Aquaviário Ferroviário Os recursos investidos em 2013 foram capazes de solucionar os problemas do transporte? Os recursos investidos em 2013 foram capazes de solucionar os problemas do transporte? - Por modal (%) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Não sabeForam capazes de solucionarNão foram capazes de solucionar 4,4 1,9 60,0 95,6 98,1 40,0 Sim 4,7% Não 95,3% 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Conhece o valor autorizado para investimento em transporte em 2014? Conhece o valor autorizado para investimento em transporte em 2014? - Por modal (%) Sim Não 89,5 88,7 80,0 1,1 0,0 0,0 Sim 9,7% Não 89,3% Não sabe 1,0% 100,0 80,0 60,0 40,0 9,4 11,3 20,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário O governo será capaz de executar todas as obras de transporte autorizadas para 2014? O governo será capaz de executar todas as obras de transporte autorizadas para 2014? - Por modal (%) Sim Não Não sabe
  20. 20. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 20 63,3 30,6 22,1 22,1 2,0 1,7 Falta de planejmaneto Eleições 2014 Realocação de recursos para outras áreas Copa do mundo 2014 Outros motivos Não sabe 0 10080604020 Qual o motivo de o governo não conseguir realizar os investimentos autorizados? Nota: Nesta questão, o entrevistado poderia responder mais de um ítem
  21. 21. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 21 AÇÕES EMERGENCIAIS PARA O DESENVOLVIMENTO DO TRANSPORTE INVESTIMENTO EM INFRAESTRUTURA E DESBUROCRATIZAÇÃO SÃO FUNDAMENTAIS Questionados sobre qual seria a principal medida a ser implementada pelo Governo Federal para solucionar os atuais entraves e desenvolver o setor de transporte no país, os empresários revelaram que investimento em infraestrutura, redução da carga tributária e desburocratização são urgentes. Ressalte-se que algumas das medidas necessárias para dinamizar o setor não necessitam de grandes desembolsos por parte do ente público e nem dependem de um longo prazo de implementação. Melhorias na qualidade das rodovias 41,7% Desoneração do combustível 10,0% Outras medidas 21,4% Redução da carga tributária 26,9% Rodoviário Redução da burocracia para operar nos postos e terminais 28,3% Melhorias na acessibilidade aos pontos 17,0% Outras medidas 30,2% Redução da carga tributária 24,5% Aquaviário Aplicação dos recursos provenientes dos arrendamentos pagos pelas concessionárias no próprio setor 80,0% Melhoria na acessibilidade aos portos 20,0% Ferroviário
  22. 22. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 22 PARTICIPAÇÃO DA INICIATIVA PRIVADA CONCESSÕES SÃO APROVADAS PELO SETOR 80,2% dos transportadores aprovam a participação do setor privado no provimento de infraestrutura de transporte. Os transportadores acreditam que o investimento realizado e a operação pela iniciativa privada é uma forma eficiente de viabilizar as intervenções necessárias para o setor. Quando questionados sobre as concessões rodoviárias, 80,6% dos transportadores rodoviáriosafirmaramaprová-las. Sobreasrodoviasconcessionadasem2013peloGoverno Federal7 , 61,6% dos entrevistados as utilizam atualmente. Destes, 41,5% continuarão utilizando, pois preferem transitar em uma rodovia conservada e outros 58,2% o farão porque esta é a única alternativa. 7 - BR-050 GO/MG, BR-163 MT, BR-060-153-262 DF/GO/MG, BR-163 MS, BR-040 DF/GO/MG 20,1 3,8 0,0 1,5 1,9 0,0 Aprova 80,2% Desaprova 18,2% Não sabe 1,6% 100,0 80,0 60,0 40,0 78,4 94,3 100,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Opinião sobre a participação da iniciativa privada nos investimentos em infraestrutura de transporte Opinião sobre a participação da iniciativa privada nos investimentos em infraestrutura de transporte - Por modal (%) Aprova Desaprova Não sabe
  23. 23. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 23 Sim 80,6% Não sabe 2,4% Não 17,0% Aprova as novas concessões das rodovias brasileiras? Não, utilizarei uma rota alternativa com um menor custo 0,3% Sim 61,6% Não sabe 3,0% Não 35,4% Utiliza alguma rodovia que foi concessionada em 2013? Sim, pois é a única alternativa 58,2% Sim, pois prefiro transitar em rodovia conservada 41,5% Continuará utilizando essa rota?
  24. 24. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 24 NOVO MODELO DE CONCESSÃO DE FERROVIAS TRANSPORTADORES FERROVIÁRIOS TÊM DÚVIDAS SOBRE A EFICIÊNCIA DO NOVO MODELO DE CONCESSÕES DO GOVERNO Anunciado pelo Governo Federal, em 2012, como parte do Programa de Investimento em Logística – PIL-, o Novo Modelo de Concessão de Ferrovias – NMCF– é conhecido por 100% das atuais concessionárias de ferrovias entrevistadas. Com o objetivo de elevar a participação da iniciativa privada nos serviços de infraestrutura de transporte, o NMCF prevê a possibilidade da participação da iniciativa privada de duas formas: gestão da infraestrutura ou prestação do serviço de transporte ferroviário de cargas. No que se refere à infraestrutura e operação da malha ferroviária, no âmbito do NMCF, haverá uma série licitações para a construção de novos trechos ferroviários que serão operados por agentes privados8 , mas que não realizarão o transporte de mercadorias, como ocorre no modelo atual. Esse concessionário deverá vender toda a sua capacidade de transporte para a Valec9 que realizará ofertas públicas dessa capacidade. Para a realização do transporte, foi instituída a figura do Operador Ferroviário Independente10 – OFI – que comprará da estatal a capacidade necessária para realizar suas movimentações. Diante disso, 80,0% dos transportadores ferroviários avaliam que o novo modelo de operação do sistema ferroviário nacional será menos eficiente do que o atual. Para a maioria (60,0%), a ausência de garantias de que o Governo Federal será capaz de comprar toda a capacidade de transporte é o principal problema do NMCF. Além da questão financiamento, a falta de informações sobre os investimentos necessários para a construção das ferrovias foi apontada por 20% dos entrevistados, enquanto outros 20% declararam que o modelo não está bem formulado. A complexidade do NMCF e as lacunas existentes na normatização apresentada fizeram com que, apenas depois de um ano de seu anúncio, as novas regras fossem aprovadas pelo Tribunal de Contas da União – TCU – e a primeira concessão autorizada. Entretanto, até o momento, existem dúvidas acerca da implementação e operação das novas normas do setor. 8 - As atuais concessionárias de ferrovias não poderão participar dessas licitações. 9 - No que se refere à Valec, existe a possibilidade de ela ser substituída por outra empresa pública. Nesse caso, a nova Estatal será a responsável pela compra de toda a capacidade de transporte da nova malha de ferrovias. 10 - Esse depende de autorização para sua operação.
  25. 25. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 25 Será mais eficiente que o modelo atual 20,0% Será menos eficiente que o modelo atual 80,0% Eficiência do Novo Modelo de Concessão de Ferrovias O novo modelo de concessão de ferrovias não está bem formulado 20,0% Pouca informação sobre os investimentos necessários para a construção das novas ferrovias 20,0% Ausência de garantias do Governo Federal para a compra de capacidade de transporte 60,0% Problemas do Novo Modelo de Concessão de Ferrovias
  26. 26. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 26 ATIVIDADE DE TRANSPORTE TRANSPORTADORES ESTÃO MENOS OTIMISTAS QUANTO AO DESEMPENHO DE SUA ATIVIDADE 43,2% dos empresários esperam por aumento na receita bruta em 2014, o resultado é 19,3 pontos percentuais menor que o registrado no mesmo período de 2013. Apenas o modal ferroviário declara-se otimista. O ceticismo sobre o crescimento econômico do país se refletenasprojeçõesdosetoreindicamenordinamismonaatividade.Esseposicionamento já havia sido identificado na Sondagem imediatamente anterior, de setembro de 2013, e ele se manteve estável nesse início de ano. O número de viagens deve manter-se semelhante ao registrado, em 2013, para 41,7% dos entrevistados, enquanto que 18,2% temem pela redução da demanda no setor. Para a expectativa sobre o volume de cargas e passageiros transportados, não há uma definição clara para o setor: 41,5% acreditam na manutenção e 41,6% na elevação da movimentação. Diante da expectativa de manutenção do ritmo de atividade das empresas, apenas 33,3% dos empresários planejam contratar empregados em 2014. O resultado das expectativas sobre a atividade é preocupante, pois indica um ano pouco dinâmico e sem grandes oportunidades de expansão para o setor que é fundamental para o funcionamento adequado dos demais setores produtivos da economia. 41,1 35,9 0,0 41,7 50,9 100,0 1,5 0,0 0,0 Reduzirá 15,3% Mantém-se 40,1% Aumentará 43,2% Não sabe 1,4% 100,0 80,0 60,0 40,0 15,7 13,2 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para receita bruta Expectativa para receita bruta - Por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 42,6 37,7 0,0 37,8 47,2 100,0 0,6 1,9 0,0 Reduzirá 18,2% Mantém-se 41,7% Aumentará 39,3% Não sabe 0,8% 100,0 80,0 60,0 40,0 19,0 13,2 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para número de viagens Expectativa para número de viagens - Por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe
  27. 27. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 27 42,6 35,8 0,0 40,2 49,1 100,0 0,9 1,9 0,0 Reduzirá 15,9% Mantém-se 41,5% Aumentará 41,6% Não sabe 1,0% 100,0 80,0 60,0 40,0 16,4 13,2 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para o volume de cargas e passageiros transportados Expectativa para o volume de cargas e passageiros transportados - Por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 53,5 41,5 80,0 32,3 45,3 0,0 1,7 1,9 20,0 Reduzirá 12,2% Mantém-se 52,5% Aumentará 33,3% Não sabe 2,0% 100,0 80,0 60,0 40,0 12,5 11,3 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para contratação formal Expectativa para contratação formal - Por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe
  28. 28. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 28 CUSTO DOS INSUMOS INFLAÇÃO: PRESSÃO SOBRE CUSTO DOS INSUMOS DO TRANSPORTE Combustíveis, lubrificantes e pneus devem apresentar inflação, em 2014, para mais de 80% dos transportadores. A Sondagem indica que 85,1% dos entrevistados acreditam que o preço do diesel/bunker11 irá aumentar, ante 79,3% em setembro de 2013. Deve-se considerar que a elevação do preço de combustível tem um impacto elevado no custo operacional do transporte, por ser o principal insumo. Além disso, o IPCA indicou, em 2013, inflação de 15,62% para o diesel ao mesmo tempo em que a economia brasileira apresentou alta de 5,9%. Os dados apontam uma inflação de custos no setor de transporte superior à observada nos demais setores da economia. 84,8% dos entrevistados prevêem também elevação no preço dos óleos lubrificantes, apenas 1,2% dos transportadores acreditam na possibilidade de redução do preço do insumo este ano. Para os transportadores rodoviários de cargas e passageiros (86,4%), os pneus apresentarão elevação no preço. O setor aquaviário revela-se menos pessimista sobre a elevação do preço de taxas portuárias e o serviço de praticagem. Dos entrevistados, 45,3% esperam por elevação no valor pago em taxas portuárias e outros 39,6% avaliam que as taxas se manterão em 2014. Sobre a praticagem a situação é semelhante: 47,2% projetam elevação do custo e 33,9%, manutenção. Quando questionados sobre o impacto da Nova Lei dos Portos sobre a prestação do serviço de praticagem, os transportadores revelaram que, até o momento, a Lei não foi capaz de promover o aumento da oferta do serviço, o que tem impacto direto sobre o preço. 46,7% afirmaram que não houve aumento na oferta de práticos e outros 33,3% declararam perceber elevação da oferta nas regiões em que operam. 11 -Bunker é o combustível utilizado no motor de um navio. Ele é formado por uma mistura entre óleo combustível e óleo diesel. 9,8 24,5 0,0 86,9 69,8 80,0 1,1 3,8 20,0 Reduzirá 2,1% Mantém-se 11,2% Aumentará 85,1% Não sabe 1,6% 100,0 80,0 60,0 40,0 2,2 1,9 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para o preço do diesel / bunker Expectativa para o preço do diesel / bunker por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe
  29. 29. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 29 12,6 15,1 0,0 85,6 79,2 80,0 0,7 3,8 20,0 Reduzirá 1,2% Mantém-se 12,8% Aumentará 84,8% Não sabe 1,2% 100,0 80,0 60,0 40,0 1,1 1,9 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para o preço de lubrificantes Expectativa para o preço de lubrificantes - Por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe Reduzirá 2,0% Mantém-se 10,7% Aumentará 86,4% Não sabe 0,9% Expectativa para o preço de pneus Não sabe Reduzirá 3,8% Mantém-se 33,9% Aumentará 47,2% 15,1% Praticagem Reduzirá 11,3% Mantém-se 39,6% Aumentará Não sabe 45,3% 3,8% Taxas portuárias Sim, aumentou oferta 33,3% Não, não houve aumento da oferta nem melhora na qualidade do serviço 26,7% Não, não houve aumento da oferta 20,0% Não sabe 20,0% A Nova Lei dos Portos afetou a oferta de práticos?
  30. 30. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 30 INVESTIMENTOS DO SETOR PESSIMISMO AFETA OS PLANOS DE INVESTIMENTO DO SETOR DE TRANSPORTE Frota, abrangência geográfica e instalações físicas não devem receber grande volume de investimento em 2014. O setor está cauteloso, diante das previsões de baixo crescimento econômico e sem expectativa de ampliação de faturamento e movimentação de cargas e passageiros, apenas 28,8% dos transportadores rodoviários e aquaviários pretendem aumentar a frota. A abrangência geográfica (área de atuação) será mantida para 66,1% dos transportadores. O resultado reforça o cenário de prudência dos empresários do setor, a manutenção da área de atuação das empresas é um indicativo de dificuldade de realização de negócios no ano. Assim, 73,4% dos transportadores manterão suas instalações físicas e não farão investimento em ativos imobiliários em 2014. As concessionárias ferroviárias foram questionadas a respeito do número de terminais e apenas 20,0% declararam pretender aumentar a quantidade em 2014. 62,0 43,4 26,2 50,9 0,4 0,0 Reduzirá 10,7% Mantém-se 60,1% Aumentará 28,8% Não sabe 0,4% 100,0 80,0 60,0 40,0 11,4 5,7 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Expectativa para tamanho da frota Expectativa para tamanho da frota - Por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe
  31. 31. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 31 73,4 73,6 80,0 21,8 24,5 20,0 0,7 0,0 0,0 Reduzirá 3,9% Mantém-se 73,4% Aumentará 22,1% Não sabe 0,6% 100,0 80,0 60,0 40,0 4,1 1,9 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para instalações físicas Expectativa para instalações físicas - Por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 67,0 58,5 60,0 26,0 35,8 40,0 0,9 1,9 0,0 Reduzirá 5,8% Mantém-se 66,1% Aumentará 27,1% Não sabe 1,0% 100,0 80,0 60,0 40,0 6,1 3,8 0,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Expectativa para abrangência geográfica Expectativa para abrangência geográfica por modal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe Não sabe 0,0% Reduzirá 0,0% Mantém-se 40,0% Aumentará 60,0% Expectativa para tamanho da frota - Vagões Não sabe 0,0% Reduzirá 0,0% Mantém-se 40,0% Aumentará 60,0% Expectativa para tamanho da frota - Locomotivas Expectativa para tamanho da frota (%) 100,0 80,0 60,0 40,0 0,0 0,0 20,0 0,0 Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 40,040,0 60,0 60,0 0,0 0,0 Vagões Locomotivas
  32. 32. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 32 AQUISIÇÃO DE VEÍCULOS EM 2013 E 2014 APESAR DA EXPECTATIVA DE BAIXO CRESCIMENTO ECONÔMICO, A MAIORIA DOS TRANSPORTADORES DEVE ADQUIRIR VEÍCULOS ESTE ANO 2013 foi um ano de muitas compras para o setor de transporte: 60,6% das empresas fizeram aquisição de veículos/ embarcações. Destaque para o fato de que todas as concessionárias de ferrovias declararam ter feito investimento em material rodante no ano passado. 56,8% das empresas respondentes pretendem realizar compra de veículos em 2014. Com os planos de investimentos já definidos, 80% das concessionárias ferroviárias devem adquirir vagões e locomotivas e 54,7% das Empresas Brasileiras de Navegação – EBN – encomendarão novas embarcações. Para viabilizar tais investimentos em suas frotas, os empresários do rodoviário (37,7%) pretendem utilizar o Leasing (incluindo o Finame Leasing do BNDES), outros 23,8%, o Programa de Sustentação do Investimento –PSI – do BNDES e apenas 2,3% tem a intenção de utilizar o Procaminhoneiro, também do BNDES. As EBNs pretendem utilizar os recursos do Finame BNDES (44,8%), adquirir embarcações com recursos próprios (24,1%) ou solicitar o financiamento com recursos do Fundo da Marinha Mercante – FMM – (17,2%). Já as ferrovias devem utilizar pagamentos à vista (50%) e financiamentos pelo Programa de Sustentação do Investimento – PSI – (50,0%). Atenta-se para uma pequena redução na participação do PSI no financiamento de veículos, quando comparamos as formas de pagamento utilizados em 2013 e as previstas para 2014. Um dos fatores que justificaria o fato é a modificação da taxa de juros praticada pelo BNDES. Como apresentado anteriormente nesta Sondagem, a instituição elevou a taxa de 4,0% a.a. para 6,0% a.a., o que afetou o planejamento das empresas de transporte. Apesar de não ter a intenção de expandir as frotas, os empresários do setor de transporte têm, em seus planejamentos para 2014, o objetivo de aquisição de veículos, embarcações e material rodante. O cenário indica, então, um movimento gradual em direção à renovação da frota do setor. Quando questionados sobre o tema, 63,0% dos transportadores entrevistados afirmaram ter interesse em renovar sua frota. O resultado revela a preocupação do empresário do setor em manter seus veículos modernos de forma a oferecer um serviço de melhor qualidade e reduzir seus custos de manutenção.
  33. 33. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 33 36,9 52,8 0,0 1,3 0,0 0,0 Sim 60,6% Não 38,2% Não sabe 1,2% 100,0 80,0 60,0 40,0 61,8 47,2 100,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Adquiriu veículos em 2013? Adquiriu veículos em 2013? - Por modal (%) Sim Não Não sabe 39,9 43,4 20,0 3,3 1,9 0,0 Sim 56,8% Não 40,1% Não sabe 3,1% 100,0 80,0 60,0 40,0 56,8 54,7 80,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Pretende adquirir veículos em 2014? Pretende adquirir veículos em 2014? - Por modal (%) Sim Não Não sabe 36,5 32,1 20,0 1,30 0,0 0,0 Sim 63,0% Não 35,8% Não sabe 1,2% 100,0 80,0 60,0 40,0 62,2 67,9 80,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Tem interesse em renovar sua frota? Tem interesse em renovar sua frota? - Por modal (%) Sim Não Não sabe
  34. 34. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 34 FORMA COMO PRETENDE ADQUIRIR VEÍCULO EM 2014 Rodoviário 2013 2014 Leasing (incluindo Finame Leasing) 35,7 37,7 PSI (BNDES) 29,0 23,8 Financiamento com banco privado 19,1 19,6 À vista 3,5 3,8 Consórcio 2,5 3,5 Outras formas de fnanciamento 2,1 0,8 Procaminhoneiro 1,4 2,3 Não sabe 6,7 8,5 Total 100,0 100,0 Aquaviário 2013 2014 À vista 32,0 24,1 Financiamento via FINAME - BNDES 28,0 44,8 Financiamento por banco privado 16,0 10,3 Financiamento pelo Fundo da Marinha Mercante 12,0 17,2 Outros financiamentos via BNDES 4,0 0,0 Outras formas de financiamento 4,0 3,4 Não sabe 4,0 0,0 Total 100,0 100,0 Ferroviário 2013 2014 À vista 40,0 50,0 PSI (BNDES) 40,0 50,0 Consórcio 20,0 0,0 Total 100,0 100,0
  35. 35. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 35 MÃO DE OBRA ESCASSEZ DE MÃO DE OBRA QUALIFICADA PREJUDICA DESENVOLVIMENTO DO SETOR 85,9% dos empresários entrevistados pela Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 revelaram que têm dificuldade em contratar mão de obra qualificada para atuar em suas empresas. O problema é comum aos três modais pesquisados e acomete diversas áreas das empresas. Os entrevistados apontaram os principais fatos que ocasionam essa situação12 . Para os transportadores rodoviários, a principal causa da dificuldade em contratar funcionários é a escassez de profissionais qualificados no setor (71,5%). Além disso, a falta de experiência (19,4%) e o elevado custo da mão de obra (17,9%) comprometem as contratações do setor. Para os empresários do modal aquaviário, a baixa oferta de profissionais qualificados (45,2%) e a falta de escolas destinadas à qualificação de profissionais (35,7%) são os dois maiores entraves que limitam a contratação de tripulação e equipe de apoio. São os mesmos problemas enfrentados pelas concessionárias ferroviárias: falta de cursos de qualificação (60,0%) e escassez de mão de obra (40,0%). Na oportunidade, os empresários revelaram os segmentos que apresentam maior carência de profissionais: motoristas de caminhão, oficiais13 para as embarcações e maquinistas. 12 - Para esta questão, o entrevistado pode identificar mais de uma causa. 13 - Existem apenas duas escolas de formação de oficiais da Marinha no Brasil: o Centro de Instrução Almirante Graça Aranha (Ciaga) no Rio de Janeiro e o Centro de Instrução Almirante Braz de Aguiar (Ciaga) no Pará. Estas são responsáveis pela formação de pessoal qualificado para atuar tanto na navegação interior e marítima, quanto nas operações do pré-sal. 86,5 79,2 100,0 13,5 20,8 0,0 Sim 85,9% Não 14,1% 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Rodoviário Aquaviário Ferroviário Existe dificuldade para a contratação de mão de obra qualificada? Existe dificuldade para a contratação de mão de obra qualificada? - Por modal (%) Sim Não
  36. 36. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 36 PRINCIPAIS MOTIVOS PARA A DIFICULDADE DE CONTRATAÇÃO DO SETOR Rodoviário (%) Aquaviário (%) Ferroviário (%) Escassez de profissionais qualificados / formados no mercado 71,5 45,2 40 Profissionais com pouco tempo de experiência na atividade 19,4 19 0 Elevado custo de mão de obra qualificada 17,9 14,3 20 Falta de cursos e treinamentos direcionados ao setor 13,9 35,7 60 Elevados encargos sociais 16,7 9,5 20 Concorrência com outras empresas 9,3 9,5 0 Outros 1 0 0 Não sabe 0,3 0 0 Nota: para esta questão o entrevistado pode apontar mais de uma alternativa CARÊNCIA DE PROFISSIONAIS QUALIFICADOS Rodoviário (%) Motoristas de caminhão / carreta 53,7 Motoristas de ônibus rodoviário e urbano 19,2 Profissionais de logística 8,7 Condutores de Veículos de Transportes de Produtos Perigosos - MOPP 7,2 Gerentes operacionais 4,4 Mecânico / manutenção 3,1 Operador de empilhadeira 0,9 Outros 1,3 Não sabe 1,5 Total 100 Aquaviário (%) Oficiais 52,8 Marinheiro Auxiliar de Máquinas (MAM) 24,5 Marinheiro Auxiliar de Convés (MAC) 7,5 Não sabe 1,9 Outros 13,3 Total 100 Ferroviário (%) Maquinista 40 Mecânico de manutenção ferroviária 40 Mantenedor de via permanente 20 Total 100
  37. 37. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 37 CONCLUSÃO A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1, realizada com 516 transportadores, evidenciou que o empresário está menos otimista do que em anos anteriores e mais receoso quanto a capacidade de o Governo Federal gerenciar a economia. Para a maioria dos entrevistados (70,9%), o crescimento da economia não será superior à taxa de crescimento do PIB, de 2,3%, registrada em 2013. Além disso, a expectativa é de elevação da inflação, da taxa de juros e da carga tributária. O baixo investimento em infraestrutura de transporte também preocupa os entrevistados e é apontado, em todos os modais, como uma das ações urgentes a ser tomadas pelo governo. A expectativa de ampliação do montante investido, em 2014, é baixa e 49,7% dos entrevistados esperam por manutenção na qualidade da infraestrutura disponível. A falta de planejamento das ações é, segundo os empresários, o principal motivo para que os investimentos previstos não sejam realizados. Nesse ponto, é relevante considerar que o Estado é o responsável por disponibilizar, direta ou indiretamente, a necessária infraestrutura de transporte. Entretanto, não só a quantidade de rodovias, portos, terminais e ferrovias deve ser observada pelo gestor público, mas, principalmente, sua qualidade. Isso porque segurança, eficiência e rentabilidade do transporte dependem das condições das vias disponibilizadas no país. Diante disso e cientes das dificuldades enfrentadas pelo governo para a realização dos investimentos, 80,2% dos transportadores apoiam a participação da iniciativa privada no provimento de infraestrutura por considerar esta uma forma eficiente de viabilizar os investimentos necessários de forma mais célere. Um bom exemplo disso pode ser dado pelos transportadores rodoviários entrevistados que revelaram que menos de 1% dos que atualmente utilizam as rodovias recém concessionadas buscarão rotas alternativas de menor custo. Ainda sobre a participação da iniciativa privada no setor de infraestrutura de transporte, as concessionárias alertam sobre os riscos do Novo Modelo de Concessão de Ferrovias. Segundo 80,0% dos atuais transportadores ferroviários, o novo modelo ferroviário será menos eficiente que o atual e, para eles, o principal problema é a falta de garantia de manutenção da possibilidade de compra da capacidade pelo governo no logo prazo. O setor ainda denuncia que os recursos pagos ao governo pelo arrendamento não estão sendo investidos no aprimoramento da malha ferroviária nacional. Ante a esse cenário esperado de reduzido crescimento econômico, alta inflação, elevada taxa de juros e baixo investimento em infraestrutura, apenas 43,2% dos transportadores têm esperança de ter sua receita bruta aumentada em 2014. Reflexo da provável tímida produção, 39,3% dos transportadores esperam por um aumento no número de viagens realizadas por seus veículos e apenas 33,3% planejam contratar novos funcionários. Com isso, o empresário está mais cauteloso no que se refere aos seus investimentos e a expectativa é de manutenção: da frota, de sua área de atuação e de suas instalações físicas.
  38. 38. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 38 Aparentemente, a inflação sobre os insumos é o principal temor dos transportadores. Para 85,1% deles haverá elevação do preço do diesel em 2014. Apesar de o combustível ter registrado inflação de 15,6% em 2013, ou seja, 9,7 pontos percentuais superior à taxa de inflação geral medida pelo IPCA, o preço continua defasado em relação ao mercado internacional, o que respalda a previsão dos empresários. Os óleos lubrificantes também têm expectativa de alta no preço para 84,8% dos empresários e 86,4% dos transportadores rodoviários acreditam na elevação do preço dos pneus. Um outro tipo de insumo, o capital humano, também é entrave ao desenvolvimento do transporte. 85,9% dos empresários têm dificuldade em contratar mão de obra qualificada para atuar em diversos segmentos do setor. Esse problema é um fator que limita a expansão e compromete o desenvolvimento do serviço de transporte. Para solucionar o fato, ampliar o número de centros de qualificação é necessário dado que, para os empresários, escassez de profissionais capacitados no mercado, falta de instituições formadoras e falta de experiência são as grandes causas desse obstáculo. Diante dos dados apresentados, é possível constatar que o setor de transporte prevê um ano de dificuldades no que se refere à economia. O resultado revela ainda a necessidade de se enfrentar uma série de problemas para viabilizar o crescimento econômico tais como: solucionar os entraves do transporte com destaque para o baixo investimento em infraestrutura de transporte e o ineficiente planejamento do sistema logístico; e equacionar a elevada carga tributária e o excesso de burocracia nas operações. Além disso, ações que incentivam a qualificação da população em idade economicamente ativa devem ser prioridade do governo. Este levantamento é parte das ações da CNT em busca do desenvolvimento do setor de transporte e subsídio ao crescimento econômico brasileiro. A Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1, em sua quinta edição, reafirma o compromisso desta confederação de apoiar a dinamização e o fortalecimento do transporte no país.
  39. 39. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 39 APÊNDICE
  40. 40. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 40 APÊNDICE 1 PERFIL DOS ENTREVISTADOS – PORTE DAS EMPRESAS GERAL (%) Rodoviário (n=436) (%) Aquaviário (n=52) (%) Ferroviário (n=5) Frequência (%) 1 a 49 empregados 229 44 45,6 35,1 0 50 a 99 empregados 51 9,8 9,4 14 0 100 a 499 empregados 146 28,1 27,3 35,1 20 Mais de 500 empregados 88 16,9 16,6 14 80 Nenhum 3 0,6 0,7 0 0 NS/NR 3 0,6 0,4 1,8 0 Total 520 100 100 100 100
  41. 41. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 41 APÊNDICE 2 COMPARATIVO ENTRE AS FASES DA SONDAGEM EXPECTATIVAS ECONÔMICAS DO TRANSPORTADOR 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para a taxa de inflação (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 15,9 8,9 5,0 6,1 7,2 41,9 38,9 30,1 20,1 28,3 38,4 50,0 62,6 72,2 63,2 3,8 2,2 2,3 1,6 1,3 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Expectativa para o crescimento do PIB (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 8,7 51,1 10,9 25,8 29,8 45,7 32,2 41,9 40,6 41,1 37,7 13,3 42,9 30,3 26,6 8,0 3,3 4,3 3,3 2,5 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Impacto da inflação na atividade (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe 39,8 41,1 49,9 56,0 49,8 50,2 52,2 44,3 38,7 38,4 8,3 4,4 5,0 4,1 11,0 1,7 2,2 0,8 1,2 0,8 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014)
  42. 42. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 42 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para carga tributária (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 5,9 8,9 17,3 9,8 6,0 40,1 43,3 35,0 42,4 41,1 51,2 46,7 44,8 46,2 52,1 2,8 1,1 2,9 1,6 0,8 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Impacto da carga tributária na atividade (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe 87,2 87,8 83,5 81,2 74,6 10,7 11,1 13,8 17,0 14,7 1,4 0,0 2,5 1,0 9,9 0,7 1,1 0,2 0,8 0,8 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para a taxa de juros (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 32,5 33,3 16,9 5,9 5,6 29,8 44,4 50,3 25,8 22,5 34,9 20,0 30,1 66,0 70,7 2,8 2,2 2,7 2,3 1,2 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Impacto da taxa de juros na atividade (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe 64,7 54,4 49,6 60,3 55,2 25,3 35,6 38,1 32,0 32,0 8,7 8,9 11,7 5,9 11,2 1,4 1,1 0,6 1,8 1,6 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014)
  43. 43. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 43 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Expectativa para taxa de câmbio (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 5,5 5,4 27,9 39,7 55,9 45,8 10,7 9,1 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Impacto da taxa de câmbio na atividade (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe 37,5 27,7 33,6 38,6 18,4 23,6 10,5 10,1 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) A taxa de câmbio tem impacto na economia? (%) Sim Não Não sabe 76,5 80,6 18,0 13,2 5,5 6,2 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Qual o principal fator para a perda de dinamismo econômico? (%) Política econômica Reflexos das crises Não sabe 71,3 78,9 26,0 20,1 2,7 1,0
  44. 44. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 44 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Qual seu grau de confiança no governo em relação à gestão econômica? (%) Elevado Moderado Baixo Não sabe 4,3 4,7 47,3 42,8 47,8 52,3 0,6 0,2 41,1 43,6 30,3 30,0 18,0 13,8 9,6 12,0 1,0 0,6 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Existe uma crise internacional capaz de afetar a economia brasileira? (%) Sim, com impacto moderado Não Sim, com impacto elevado Sim, com impacto baixo Não sabe 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para investimento total no país (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 10,4 25,6 7,8 23,2 33,9 39,1 42,2 41,0 49,6 41,3 45,3 27,8 48,3 26,0 24,4 5,2 4,4 2,9 1,2 0,4 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para investimento em infraestrutura geral (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 15,9 22,2 9,3 19,9 27,5 33,6 43,4 33,8 45,7 42,3 46,7 32,2 54,6 33,6 29,8 3,8 2,2 2,3 0,8 0,4 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014)
  45. 45. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 45 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para investimento público em infraestrutura de transporte (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 18,3 23,3 9,9 20,9 23,4 38,1 42,2 34,4 46,6 47,9 40,1 31,1 53,8 30,9 28,3 3,5 3,3 1,9 1,6 0,4 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para investimento privado em infraestrutura de transporte (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 9,7 14,4 6,6 15,4 9,5 37,4 38,9 32,8 43,0 45,5 46,7 42,2 56,5 38,7 44,0 6,2 4,4 4,1 2,9 1,0 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para a condição das rodovias/ portos/ hidrovias (%) Piorar Manter-se Melhorar Não sabe 24,9 28,9 19,4 30,5 21,7 35,3 43,3 40,6 48,6 49,7 38,8 26,7 38,8 20,5 27,6 1,0 1,1 1,2 0,4 1,0 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Opinião sobre a participação da iniciativa privada nos investimentos em infraestrutura de transporte (%) Aprova Desaprova Não sabe 78,7 80,2 71,7 25,4 19,4 18,2 1,9 2,9 1,6
  46. 46. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 46 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para receita bruta (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 11,8 41,1 6,6 16,0 15,3 28,4 33,3 29,7 40,0 40,1 57,8 24,4 62,7 43,0 43,2 2,1 1,1 1,0 1,0 1,4 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para número de viagens (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 14,5 44,4 14,4 21,7 18,2 27,0 30,0 28,7 38,3 41,7 57,8 24,4 55,7 39,6 39,3 0,7 1,1 1,2 0,4 0,8 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para o volume de cargas e passageiros transportados (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 13,8 38,9 10,9 17,8 15,9 26,6 31,1 28,3 37,9 41,5 54,0 27,8 59,8 43,1 41,6 5,5 2,2 1,0 1,2 1,0 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para contratação formal (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 16,6 31,1 6,6 10,7 12,2 38,8 46,7 40,0 55,5 52,5 42,6 21,1 52,6 33,2 33,3 2,1 1,1 0,8 0,6 2,0 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014)
  47. 47. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 47 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para o preço do diesel/ bunker (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 6,2 0,0 0,8 2,3 2,1 32,2 14,4 11,5 18,2 11,2 60,2 84,4 87,5 79,3 85,1 1,4 1,1 0,2 0,2 1,6 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para o preço de lubrificantes (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 5,9 0,0 1,0 1,8 1,2 24,6 13,3 9,9 18,2 12,8 68,5 85,6 88,5 79,0 84,8 1,0 1,1 0,6 1,0 1,2 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para o preço de pneus (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 5,9 0,0 0,9 1,4 2,0 20,1 21,1 9,3 17,0 10,7 73,4 77,8 89,6 80,9 86,4 0,7 1,1 0,2 0,7 0,9 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 30,8 45,3 44,2 3,8 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Expectativa para o preço de taxas portuárias (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 1,9 11,3 23,1 39,6
  48. 48. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 48 42,3 47,2 7,7 15,1 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Expectativa para o preço de praticagem (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 5,8 3,8 44,2 33,9 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para tamanho da frota (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 9,7 17,8 5,0 5,9 10,7 44,6 61,1 42,7 65,0 60,1 44,6 20,0 52,1 28,3 28,8 1,0 1,1 0,2 0,8 0,4 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para abrangência geográfica (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 4,8 14,4 3,3 2,3 5,8 62,3 64,4 63,9 75,2 66,1 31,1 17,8 32,0 22,3 27,1 1,7 3,3 0,8 0,2 1,0 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Expectativa para instalações físicas (%) Reduzirá Mantém-se Aumentará Não sabe 4,2 11,1 1,6 2,3 3,9 60,9 75,6 61,3 77,6 73,4 33,2 11,1 36,7 19,3 22,1 1,7 2,2 0,4 0,8 0,6 Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014)
  49. 49. Sondagem Expectativas Econômicas do Transportador 2014 - Fase 1 Rodoviário, aquaviário e ferroviário 49 32,2 69,3 54,3 60,6 65,6 30,3 45,3 38,2 2,2 0,4 0,4 1,2 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014) Adquiriu veículos no ano/período anterior? (%) Sim Não Não sabe 66,8 32,2 68,2 35,2 56,8 20,4 55,6 29,1 61,1 40,1 12,8 12,2 2,7 3,7 3,1 100,0 80,0 60,0 40,0 20,0 0,0 Pretende adquirir veículos neste ano? (%) Sim Não Não sabe Fase 1 (2012) Fase 2 (2012) Fase 1 (2013) Fase 2 (2013) Fase 1 (2014)

×