SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 17
Na visão Médica, a dor é a
sensação desagradável e penosa,
resultante de uma lesão, ferimento
ou funcionamento anômalo de um
órgão.Por extensão, o termo se
aplica a sentimentos de tristeza,
mágoa, aflição, pesar, causando
mal-estar.
A DOR  é um alerta da natureza que
anuncia algum mal que está nos atingindo e
que precisamos enfrentar.
Se não fosse a dor sucumbiríamos a
muitas doenças sem sequer nos darmos
conta.
SOFRIMENTO é um meio poderoso de
educação para as Almas, pois desenvolve a
sensibilidade, que já é, por si mesma, um
acréscimo de vida.
Segundo “Emmanuel” ,
-Toda dor física, é passageira, a que
extirpa, que queima, que paralisa, que
adoece, porque ela é da carne, que sendo
transitória, um dia entrega-se a exaustão
natural da matéria.
Ela por si só não é instrumento direto da
evolução, mas meio pelo qual o espírito
vivencia o sofrimento compatível ao seu
grau de entendimento.
Algumas pessoas atravessam a vida quase que
inteiramente tomadas pelo SOFRIMENTO, ENQUANTO
OUTRAS PASSAM POR ELE EM ALGUMAS
SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM, relações familiares e
amorosas, lesões físicas ou emocionais, perdas do
passado, ou abandono,etc.
QUALQUER COISA PODE ATIVÁ-LA, especialmente se
encontrar RESSONÂNCIA em um padrão de sofrimento
que a pessoa tenha experenciado em sua
infância/passado.
Quando o sofrimento esta pronto despertar do estágio
de inativo, ate mesmo uma observação inocente feita
por um amigo ou um pensamento é capaz de ativá-lo.
Algumas vezes, levamos um choque ao descobrir uma
FACETA DETESTÁVEL em alguém que pensávamos
conhecer bem.
Entretanto, é mais importante OBSERVAR essa
situação em NÓS MESMOS do que NOS OUTROS.
Preste atenção a qualquer sinal de INFELICIDADE em
você, qualquer que seja a forma, pois talvez seja o
despertar do sofrimento.
Ele pode se manifestar como uma IRRITAÇÃO, um
sinal de IMPACIÊNCIA, um AR SOMBRIO , um desejo
DE FERIR, sentimentos de RAIVA, IRA, DEPRESSÃO
ou uma necessidade de criar algum tipo de
problema em seus relacionamentos.
 PARA NOS REEQUILIBRARMOS É NECESSÁRIO
NOS REAJUSTARMOS COM AS LEIS.
ESSE REAJUSTE PODE SE DAR PELO AMOR OU
PELA DOR.
COMO NOSSA CAPACIDADE DE AMAR AINDA É
MUITO LIMITADA, ACABAMOS POR NOS
REAJUSTAR ATRAVÉS DA DOR, QUE PORTANTO,
TEM UMA FUNÇÃO EDUCATIVA E NÃO PUNITIVA.
“ Transforma as pedras que você tropeça nas pedras
da sua escada” (Sócrates).
Mas, você poderá perguntar: Quando estamos passando por
dificuldades, como uma doença prolongada, ou quando a
prova parece dura demais, essa pessoa não está sofrendo
No senso comum, chamamos a isso sofrimento ou dor.
No sentido psicológico ou emocional, o que temos, é
alguém com muito medo, ansiedade, angústia, Baixa
Autoestima , depressão e outros termos para designar
que, emocionalmente a pessoa está mal ou com problemas.
Do ponto de vista espiritual, temos alguém que não está
transcendendo a dor, e então perde a fé, duvida,
desespera-se, e desesperar-se é, literalmente,
desesperançar-se, onde surge: a revolta ou a
procura de um culpado. Geralmente é nesse momento
que Deus é visto como vilão, por não acudir aquela alma em
meio a tanto sofrimento..
A dor e o sofrimento fazem para da
nossa vida, tanto quanto o prazer e a
alegria.
Enquanto não aceitarmos esta
realidade, como poderemos aceitar a
VIDA?
 Todos, precisamos da dor para
expandirmos nossa compreensão,
nossa compaixão, nossa consciência.
Existe um velho ditado espírita que diz:
"Quando não se aprende através do Amor,
aprende-se através da Dor".
-Sempre temos nosso LIVRE ARBÍTRIO e suas
consequências.
Podemos escolher o caminho do aprendizado e do
esforço próprio - mais difícil, porem, meritório e
com consequências felizes; ou, o caminho mais
fácil - o das paixões, que com certeza nos trarão
consequências dolorosas.
A Doutrina Espírita tem como maior objetivo nos
fazer adquirir uma fé racional, ajudando-nos a
compreender sobre a questão da DOR.
- A doença sempre tem, basicamente, uma origem
espiritual, sendo que a causa poderá ter se dado na
existência atual ou em encarnação anterior.
- Kardec: "As doenças fazem parte das provas e
vicissitudes da vida terrena e são inerentes à grosseria
da nossa natureza material e à inferioridade do mundo
que habitamos.
- As paixões e excessos de toda ordem semeiam em nós
germens malsãos, às vezes hereditários.
Dentro da visão ESPIRITUALISTA, DOENÇA pode
ser oportunidade de REAVALIAÇÃO DE ATITUDES E
MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO.
Muitos passam a AUTOCONHECER-SE diante de
experiências dolorosas e sofridas.
Quantas criaturas não se transformam
radicalmente depois de uma grave enfermidade ?
Quantos não descobrem dentro de si os valores
eternos do Espírito, após terem sofrido longos
períodos de tratamento ou perdas irreparáveis de
ENTES QUERIDOS, após padecerem com dores
morais, desilusões de caráter afetivo ou
dificuldades materiais, que nos ensinam a
VALORIZAR as coisas simples da vida?
QUANTOS QUE, ESTANDO À BEIRA DA MORTE , HOJE
VALORIZAM A VIDA, PRATICANDO CARIDADES E
DISTRIBUINDO CARINHO AO PRÓXIMO ?
As dores, sob qualquer forma, ensinam-nos profundamente a
nos CONHECER, a nos TRANSFORMAR, e, por mais que
soframos, precisamos ter a disposição intima de
AGRADECER, porque no mundo de facilidades e de atrativos
para os IMPULSOS do ser imediatista e físico que abrigamos,
são as oportunidades que a dor nos proporciona, algumas
das maneiras mais eficazes de transformação desse homem
animalizado e insensível.
VALORIZEMOS A NOSSA DOR, TOMEMOS A NOSSA CRUZ E
COM ELA CAMINHEMOS PARA NOSSA REDENÇÃO.
Ter consciência de que somos os RESPONSAVEIS
pelos acontecimentos de nossa vida, é reconhecer
em si mesmo o referencial manifestador que cria a
realidade, atraindo para si tudo de bom ou ruim que
lhe acontece na vida.
- NOSSOS FATORES INTERNOS DETERMINAM A SAÚDE
DO NOSSO CORPO, BEM COMO , AS DOENÇAS.
- A FORMA MAIS INTELIGENTE DE SUPERARMOS OS
MOMENTOS DE AFLIÇÕES, SERA SEMPRE A
SERENIDADE !
AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Palestra a reencarnacao
Palestra   a reencarnacaoPalestra   a reencarnacao
Palestra a reencarnacaoVictor Passos
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASRodrigo Leite
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteDenise Aguiar
 
Influência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no ProgressoInfluência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no Progressoigmateus
 
Instintos, sensações, emoções, sentimentos
Instintos, sensações, emoções, sentimentosInstintos, sensações, emoções, sentimentos
Instintos, sensações, emoções, sentimentosDr. Walter Cury
 
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.Graça Maciel
 
2.7.5 Idiotismo e loucura
2.7.5   Idiotismo e loucura2.7.5   Idiotismo e loucura
2.7.5 Idiotismo e loucuraMarta Gomes
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosEduardo Ottonelli Pithan
 
Ciência e espiritismo
Ciência e espiritismoCiência e espiritismo
Ciência e espiritismoMarcos Accioly
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro iiDeborah Oliver
 
Felicidade E Infelicidade Relativa
Felicidade E  Infelicidade  RelativaFelicidade E  Infelicidade  Relativa
Felicidade E Infelicidade RelativaSergio Menezes
 
A reencarnação visão geral
A reencarnação visão geralA reencarnação visão geral
A reencarnação visão geralAnderson Dias
 

Mais procurados (20)

Palestra a reencarnacao
Palestra   a reencarnacaoPalestra   a reencarnacao
Palestra a reencarnacao
 
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrerPalestra Espírita - Bem e mal sofrer
Palestra Espírita - Bem e mal sofrer
 
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDASINFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
INFLUENCIA DOS ESPIRITOS EM NOSSAS VIDAS
 
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª ParteProgressão dos Espíritos - 1ª Parte
Progressão dos Espíritos - 1ª Parte
 
Influência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no ProgressoInfluência do Espiritismo no Progresso
Influência do Espiritismo no Progresso
 
Palestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bemPalestra 29 o homem de bem
Palestra 29 o homem de bem
 
Instintos, sensações, emoções, sentimentos
Instintos, sensações, emoções, sentimentosInstintos, sensações, emoções, sentimentos
Instintos, sensações, emoções, sentimentos
 
Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)Esperança (Palestra Espirita)
Esperança (Palestra Espirita)
 
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.Questões de o livro dos espíritos que  abordam lições referentes à obsessão.
Questões de o livro dos espíritos que abordam lições referentes à obsessão.
 
2.7.5 Idiotismo e loucura
2.7.5   Idiotismo e loucura2.7.5   Idiotismo e loucura
2.7.5 Idiotismo e loucura
 
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitosCap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
Cap 5 do Evangelho Segundo o Espiritismo, bem aventurados os aflitos aflitos
 
Ante Os Pequeninos
Ante Os PequeninosAnte Os Pequeninos
Ante Os Pequeninos
 
Ciência e espiritismo
Ciência e espiritismoCiência e espiritismo
Ciência e espiritismo
 
APRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITA
APRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITAAPRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITA
APRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITA
 
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
Esde x  lei de liberdade - roteiro iiEsde x  lei de liberdade - roteiro ii
Esde x lei de liberdade - roteiro ii
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Livre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espíritaLivre arbítrio na ótica espírita
Livre arbítrio na ótica espírita
 
Felicidade E Infelicidade Relativa
Felicidade E  Infelicidade  RelativaFelicidade E  Infelicidade  Relativa
Felicidade E Infelicidade Relativa
 
Os sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntariosOs sofrimentos voluntarios
Os sofrimentos voluntarios
 
A reencarnação visão geral
A reencarnação visão geralA reencarnação visão geral
A reencarnação visão geral
 

Semelhante a AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR

A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptxM.R.L
 
Dor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De RosaDor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De RosaRosana De Rosa
 
Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7Fatoze
 
A relação emoção corpo
A relação emoção corpoA relação emoção corpo
A relação emoção corpoDalila Melo
 
Corpos, superação e degraus evolutivos
Corpos, superação e degraus evolutivosCorpos, superação e degraus evolutivos
Corpos, superação e degraus evolutivosDr. Walter Cury
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )PatiSousa1
 
Plenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimentoPlenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimentoLeonardo Pereira
 
Muitas vidas, muitos mestres.
Muitas vidas, muitos mestres.Muitas vidas, muitos mestres.
Muitas vidas, muitos mestres.elizacouto
 
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e ProgressoO Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e ProgressoCeile Bernardo
 

Semelhante a AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR (20)

A dor.pptx
A dor.pptxA dor.pptx
A dor.pptx
 
Dor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De RosaDor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
Dor vs Sofrimento - Rosana De Rosa
 
Motivos de Resignação
Motivos de ResignaçãoMotivos de Resignação
Motivos de Resignação
 
Coragem para mudar 2019
Coragem para mudar 2019Coragem para mudar 2019
Coragem para mudar 2019
 
Saude integral aula 4
Saude integral aula 4Saude integral aula 4
Saude integral aula 4
 
Cansaço e Desânimo
Cansaço e DesânimoCansaço e Desânimo
Cansaço e Desânimo
 
Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7Desenvolvimento da autoconsciência 7
Desenvolvimento da autoconsciência 7
 
As fases do perdão
As fases do perdãoAs fases do perdão
As fases do perdão
 
A relação emoção corpo
A relação emoção corpoA relação emoção corpo
A relação emoção corpo
 
Objetivo da vida
Objetivo da vidaObjetivo da vida
Objetivo da vida
 
Objetivo da vida
Objetivo da vidaObjetivo da vida
Objetivo da vida
 
Coragem para mudar
Coragem para mudarCoragem para mudar
Coragem para mudar
 
O porque da dor!!!
O porque da dor!!!O porque da dor!!!
O porque da dor!!!
 
Sob dores extenuantes
 Sob dores extenuantes Sob dores extenuantes
Sob dores extenuantes
 
Corpos, superação e degraus evolutivos
Corpos, superação e degraus evolutivosCorpos, superação e degraus evolutivos
Corpos, superação e degraus evolutivos
 
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
Eae 105 Regras para a educação. Conduta e aperfeiçoamento dos seres ( III )
 
Plenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimentoPlenitude libertando do sofrimento
Plenitude libertando do sofrimento
 
Muitas vidas, muitos mestres.
Muitas vidas, muitos mestres.Muitas vidas, muitos mestres.
Muitas vidas, muitos mestres.
 
Muitas vidas, muitos mestres.
Muitas vidas, muitos mestres.Muitas vidas, muitos mestres.
Muitas vidas, muitos mestres.
 
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e ProgressoO Perdão,lei de Evolução e Progresso
O Perdão,lei de Evolução e Progresso
 

Mais de ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ

Mais de ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ (20)

ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
 
AS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMAAS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMA
 
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdfAUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
 
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docxA PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
 
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITASONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
 
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docxIMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
 
DROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITADROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITA
 
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
 BUDA  - HERMANN HESSE.pptx BUDA  - HERMANN HESSE.pptx
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
 
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃOO FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
 
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docxNOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
 
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO . PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
 
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMADEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
 
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
 
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptxNIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
 
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADEAUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
 
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um  uma pedra preciosa adormecida. Somos como um  uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
 
REFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIORREFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIOR
 
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTADEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
 

Último

avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdfHELLEN CRISTINA
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfMarceloMonteiro213738
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemCarlosLinsJr
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfLviaParanaguNevesdeL
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALCarlosLinsJr
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfEduardoSilva185439
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obrasosnikobus1
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999vanessa270433
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdfHELLEN CRISTINA
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxEnfaVivianeCampos
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoPamelaMariaMoreiraFo
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOvilcielepazebem
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinajarlianezootecnista
 

Último (14)

avaliação pratica. pdf
avaliação pratica.                           pdfavaliação pratica.                           pdf
avaliação pratica. pdf
 
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdfA HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
A HISTÓRIA DA AVALIAÇÃO PSICOLÓGICA..pdf
 
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdfAULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
AULA_08 SAÚDE E ALIMENTAÇÃO DO IDOSO.pdf
 
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de EnfermagemAula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
Aula sobre ANSIEDADE & Cuidados de Enfermagem
 
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdfAULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
AULA_11 PRINCIPAIS DOENÇAS DO ENVELHECIMENTO.pdf
 
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTALDEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
DEPRESSÃO E CUIDADOS DE ENFERMAGEM - SAÚDE MENTAL
 
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdfDengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
Dengue aspectos clinicos sintomas e forma de prevenir.pdf
 
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
1. 2 PLACAS DE SINALIAÇÃO - (1).pptx Material de obras
 
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
AULA 12 Sistema urinário.pptx9999999999999
 
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdfPLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I  GESTaO.pdf
PLANO DE ENSINO Disciplina Projeto Integrado I GESTaO.pdf
 
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptxAULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
AULA 12 DESENVOLVIMENTO FETAL E MUDANÇAS NO CORPO DA MULHER.pptx
 
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamentoTécnica Shantala para bebês: relaxamento
Técnica Shantala para bebês: relaxamento
 
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTOPROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
PROCESSOS PSICOLOGICOS LINGUAGEM E PENSAMENTO
 
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteinaaula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
aula 7. proteínas.ppt. conceitos de proteina
 

AUTOCONHECER-SE ATRAVÉS DA DOR

  • 1.
  • 2. Na visão Médica, a dor é a sensação desagradável e penosa, resultante de uma lesão, ferimento ou funcionamento anômalo de um órgão.Por extensão, o termo se aplica a sentimentos de tristeza, mágoa, aflição, pesar, causando mal-estar.
  • 3. A DOR  é um alerta da natureza que anuncia algum mal que está nos atingindo e que precisamos enfrentar. Se não fosse a dor sucumbiríamos a muitas doenças sem sequer nos darmos conta. SOFRIMENTO é um meio poderoso de educação para as Almas, pois desenvolve a sensibilidade, que já é, por si mesma, um acréscimo de vida.
  • 4. Segundo “Emmanuel” , -Toda dor física, é passageira, a que extirpa, que queima, que paralisa, que adoece, porque ela é da carne, que sendo transitória, um dia entrega-se a exaustão natural da matéria. Ela por si só não é instrumento direto da evolução, mas meio pelo qual o espírito vivencia o sofrimento compatível ao seu grau de entendimento.
  • 5. Algumas pessoas atravessam a vida quase que inteiramente tomadas pelo SOFRIMENTO, ENQUANTO OUTRAS PASSAM POR ELE EM ALGUMAS SITUAÇÕES QUE ENVOLVEM, relações familiares e amorosas, lesões físicas ou emocionais, perdas do passado, ou abandono,etc. QUALQUER COISA PODE ATIVÁ-LA, especialmente se encontrar RESSONÂNCIA em um padrão de sofrimento que a pessoa tenha experenciado em sua infância/passado. Quando o sofrimento esta pronto despertar do estágio de inativo, ate mesmo uma observação inocente feita por um amigo ou um pensamento é capaz de ativá-lo.
  • 6. Algumas vezes, levamos um choque ao descobrir uma FACETA DETESTÁVEL em alguém que pensávamos conhecer bem. Entretanto, é mais importante OBSERVAR essa situação em NÓS MESMOS do que NOS OUTROS. Preste atenção a qualquer sinal de INFELICIDADE em você, qualquer que seja a forma, pois talvez seja o despertar do sofrimento. Ele pode se manifestar como uma IRRITAÇÃO, um sinal de IMPACIÊNCIA, um AR SOMBRIO , um desejo DE FERIR, sentimentos de RAIVA, IRA, DEPRESSÃO ou uma necessidade de criar algum tipo de problema em seus relacionamentos.
  • 7.  PARA NOS REEQUILIBRARMOS É NECESSÁRIO NOS REAJUSTARMOS COM AS LEIS. ESSE REAJUSTE PODE SE DAR PELO AMOR OU PELA DOR. COMO NOSSA CAPACIDADE DE AMAR AINDA É MUITO LIMITADA, ACABAMOS POR NOS REAJUSTAR ATRAVÉS DA DOR, QUE PORTANTO, TEM UMA FUNÇÃO EDUCATIVA E NÃO PUNITIVA. “ Transforma as pedras que você tropeça nas pedras da sua escada” (Sócrates).
  • 8. Mas, você poderá perguntar: Quando estamos passando por dificuldades, como uma doença prolongada, ou quando a prova parece dura demais, essa pessoa não está sofrendo No senso comum, chamamos a isso sofrimento ou dor. No sentido psicológico ou emocional, o que temos, é alguém com muito medo, ansiedade, angústia, Baixa Autoestima , depressão e outros termos para designar que, emocionalmente a pessoa está mal ou com problemas. Do ponto de vista espiritual, temos alguém que não está transcendendo a dor, e então perde a fé, duvida, desespera-se, e desesperar-se é, literalmente, desesperançar-se, onde surge: a revolta ou a procura de um culpado. Geralmente é nesse momento que Deus é visto como vilão, por não acudir aquela alma em meio a tanto sofrimento..
  • 9.
  • 10. A dor e o sofrimento fazem para da nossa vida, tanto quanto o prazer e a alegria. Enquanto não aceitarmos esta realidade, como poderemos aceitar a VIDA?  Todos, precisamos da dor para expandirmos nossa compreensão, nossa compaixão, nossa consciência.
  • 11. Existe um velho ditado espírita que diz: "Quando não se aprende através do Amor, aprende-se através da Dor". -Sempre temos nosso LIVRE ARBÍTRIO e suas consequências. Podemos escolher o caminho do aprendizado e do esforço próprio - mais difícil, porem, meritório e com consequências felizes; ou, o caminho mais fácil - o das paixões, que com certeza nos trarão consequências dolorosas. A Doutrina Espírita tem como maior objetivo nos fazer adquirir uma fé racional, ajudando-nos a compreender sobre a questão da DOR.
  • 12.
  • 13. - A doença sempre tem, basicamente, uma origem espiritual, sendo que a causa poderá ter se dado na existência atual ou em encarnação anterior. - Kardec: "As doenças fazem parte das provas e vicissitudes da vida terrena e são inerentes à grosseria da nossa natureza material e à inferioridade do mundo que habitamos. - As paixões e excessos de toda ordem semeiam em nós germens malsãos, às vezes hereditários.
  • 14. Dentro da visão ESPIRITUALISTA, DOENÇA pode ser oportunidade de REAVALIAÇÃO DE ATITUDES E MUDANÇAS DE COMPORTAMENTO. Muitos passam a AUTOCONHECER-SE diante de experiências dolorosas e sofridas. Quantas criaturas não se transformam radicalmente depois de uma grave enfermidade ? Quantos não descobrem dentro de si os valores eternos do Espírito, após terem sofrido longos períodos de tratamento ou perdas irreparáveis de ENTES QUERIDOS, após padecerem com dores morais, desilusões de caráter afetivo ou dificuldades materiais, que nos ensinam a VALORIZAR as coisas simples da vida?
  • 15. QUANTOS QUE, ESTANDO À BEIRA DA MORTE , HOJE VALORIZAM A VIDA, PRATICANDO CARIDADES E DISTRIBUINDO CARINHO AO PRÓXIMO ? As dores, sob qualquer forma, ensinam-nos profundamente a nos CONHECER, a nos TRANSFORMAR, e, por mais que soframos, precisamos ter a disposição intima de AGRADECER, porque no mundo de facilidades e de atrativos para os IMPULSOS do ser imediatista e físico que abrigamos, são as oportunidades que a dor nos proporciona, algumas das maneiras mais eficazes de transformação desse homem animalizado e insensível. VALORIZEMOS A NOSSA DOR, TOMEMOS A NOSSA CRUZ E COM ELA CAMINHEMOS PARA NOSSA REDENÇÃO.
  • 16. Ter consciência de que somos os RESPONSAVEIS pelos acontecimentos de nossa vida, é reconhecer em si mesmo o referencial manifestador que cria a realidade, atraindo para si tudo de bom ou ruim que lhe acontece na vida. - NOSSOS FATORES INTERNOS DETERMINAM A SAÚDE DO NOSSO CORPO, BEM COMO , AS DOENÇAS. - A FORMA MAIS INTELIGENTE DE SUPERARMOS OS MOMENTOS DE AFLIÇÕES, SERA SEMPRE A SERENIDADE !