SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 42
Baixar para ler offline
A INVEJA X REFORMA ÍNTIMA
A inveja é um processo doloroso
e perturbador a nível psicológico.
As virtudes, êxitos e felicidade dos outros
são para o invejoso uma força que ameaça
o seu equilíbrio emocional, enfraquecendo
terrivelmente o seu amor-próprio e a
confiança.
Sente-se irredutivelmente inferiorizado
perante a vida, recalcando sucessivos
fracassos e frustrações.
Tal como uma criatura ferida, reage por
instinto, destilando o veneno da
maledicência e do desprezo, que usa para
esconder a raiva que sente, a insegurança
em que vive e a inferioridade que o
martiriza.
Na idade média sentir inveja era considerado um
PECADO Capital que merecia castigo e penitencia.
Através dos bons e maus exemplos, vamos filtrando o
que é bom e nos sentimos a vontade para reproduzir
resultados semelhantes aos das pessoas que admiramos
(MOLDAMOS).
É a inveja positiva guiando nossos pensamentos,
comportamentos e ações.
LEMBRAR- que ao invés de sentirmos vergonha de sentir
inveja, que possamos RESSIGNIFICAR este conceito e,
ao observar as vitorias e conquistas do outro, tenhamos
MOTIVAÇÃO para reconhecer nossas próprias
capacidade de transformamos nosso sonho em realidade
e realiza-los.
SEMPRE É POSSIVEL REALIZAR UM
SONHO ATRAVÉS DO EXEMPLO ALHEIO,
mesmo que ele nos cause o sentimento de
INVEJA.
RESSIGNIFICANDO A INVEJA.
Você já ouvir falar do olhar de secar pimenteira?
Devemos lembrar que bons pensamentos e boa
conduta nos tornam praticamente imunes a
qualquer má intenção direcionada a nós.
É o mesmo caso da obsessão, com raras exceções,
só é obsidiado quem não policia suficientemente seus
pensamentos, quem não dirige adequadamente sua
conduta, quem não controla eficientemente seu
comportamento.
A maioria dos espíritos desencarnados a que
chamamos “obsessores” é atraída por nós graças às
nossas próprias falhas de caráter, é atraída por nossos
vícios e pensamentos baixos.
Semelhante atrai semelhante, lembra?
Jesus nos deu um conselho simples e sucinto:
“Orai e vigiai”.
Segundo a Doutrina Espírita- LE – 926 e 933: devemos manter o nossa
sintonia no bem, controlando os pensamentos, sentimentos, atitudes
e comportamentos.
Para isso precisamos ter consciência; visando exercer o controle sobre
nossos pensamentos, palavras e ações. Só depende de nós.
- uma pessoa que sente inveja pertinaz de alguém também é uma
obsessora – o melhor a fazer é não se deixar contaminar pelo receio.
- Não importa se alguém sente inveja de nós, o importante é que devemos
Cuidar é de nós mesmos, de nossos sentimentos e atitudes; o que os
outros pensam ou sentem é problema deles.
Mas quando sentir que está sendo vítima de inveja, pergunte a si mesmo
se não é você que está descontente consigo mesmo e está
procurando subterfúgios para seus fracassos.
Isso é mais comum do que se pensa…
A pessoa ciumenta julga sem muita base que não é correspondida e começa a
desenvolver uma serie de sentimentos torturantes que o levam a sentir raiva sem
poder manifestá-la, temor e não poder fugir, a querer se impor e ter medo de
perder, a querer não sentir e ficar mais confuso.
A pessoa vive um processo de autotortura = deseja amar e se não consegue
passa a agredir-se e agredir seu companheiro sem racionalizar.
O ciúme é um exercício enlouquecido de
poder, de dominação e de aprisionamento do
outro.
A pessoa ciumenta não sabe diferenciar
imaginação e realidade, não sabe distinguir
fantasia e certeza.
Qualquer dúvida em sua cabeça logo se
transforma em delírio. A vítima do ciumento se
sujeita a ter seus pertences revistados em
busca de vestígios que nem imagina do que
seja.
O ciumento tem ciúme do passado do outro,
dos seus relacionamentos anteriores, e vive
imaginando detalhes sobre fatos verdadeiros
ou não.
O que o ciumento quer é o
controle total e absoluto dos
sentimentos, da atenção e do
comportamento em geral do
outro.
O outro passa por situações
vexatórias e bizarras, isso quando
não impera a violência.
Quantos crimes passionais devem
sua origem ao ciúme doentio?
Quantos casos de mulheres que
se sujeitam à violência doméstica
por depender emocionalmente ou
economicamente do parceiro?
RELACIONAMENTO AFETIVO e O CÍUME
Os suplícios ou tormentos muitas vezes
são criados voluntariamente, quando
começamos a exigir, a cobrar do outro, o
que achamos ser de sua obrigação:
o ciúme impõe condições.
É assim que quase sempre se origina a
inconformação, o desespero, o
desentendimento entre casais.
Respeito e liberdade, de ambas as
partes, na confiança que edifica e
fortalece, aprofunda a amizade para
muito além dos limites de uma paixão,
tudo isso pela admiração construtiva,
mutua, que estimula o bem proceder e
amplia o reconhecimento dos valores
individuais dos dois.
Quantos ciúmes doentios não
geram desconfianças e
desarmonia desnecessárias?
CIUMENTO QUEIXOSO- Aquele que implora, falando ou em silencio o amor que pensa não receber – usa da
agressividade com pitadas de covardia, pois se esmera em ofender de forma dissimulada.
SENTE-SE OFENDIDO e frustrado e é capaz de interpretar um papel, com cena e tudo para demonstrar sua
insatisfação.
CIUMENTO TROMBUDO- Introvertido e desconfiado por natureza, demonstra grande imaturidade afetiva,
ficando de tromba quando o companheiro não corresponde. Usa o silencio e a frieza para REVIDAR quando não é
correspondido – faz greves intermináveis.
CIUMENTO RECRIMINANTE – com o dedo em riste este ciumento, meio maníaco e paranoico, explica
minuciosamente os motivos de sua desconfiança. Sente-se prejudicado por não ser amado o suficiente.
Acusa e faz vexame em publico, usando de agressividade. Não aceita que o parceiro seja daquele jeito.
CIUMENTO AUTOPUNITIVO – é o ciumento que se sente infeliz por amar. Inflige-se a própria tortura e
desconfiança e se PUNE, afastando-se de quem gosta. Dispõe-se a desaparecer se for preciso. Deixa de comer e
tenta o suicídio de maneira que NÃO MORRA. Cria todas as facilidade para que o outro o traia, para dizer: A CULPA
É SUA, criando armadilhas para o outro.
- CIUMENTO VINGATIVO/DESTRUIDOR – esta é da época de Moises – “ olho por olho ,dente por dente “.
Pensa: me traiu – me aguarde. SENTE-SE ABANDONADO e restitui o sofrimento que se julga vitima, compete com
o par e imagina represálias para punir a quem julga amar. A frase para este ciumento: “aqui jaz o cadáver do amor”.
Por que vamos, então, transformar
nossa vida num verdadeiro inferno?
Procuremos serenamente indagar o
porque dos nossos ciúmes.
Com que sentido nos deixamos envolver
por eles? Será por carência, ou por
insegurança? Por apego ou desespero?
Localizemos as causas do aparecimento
desse fantasma que é o ciúme.
Fantasma criado pela nossa imaginação,
que pode estar mal informada ou até
deformada, e que precisa ser
realimentada com a confiança, a fé, o
otimismo, a esperança, a alegria, a
dedicação e o desprendimento, para
sermos felizes em profundidade, gerando
felicidade e bem-estar em volta de nós.
Como nos desfazer desse mal estar que sentimos cada vez que nosso companheiro está
falando com outra pessoa que julgamos como um possível inimigo? O que fazer cada vez
que nos sentimos enciumados?
É possível encontrar um olhar construtivo para nossos ciúmes e inseguranças?
= EXISTEM OPORTUNIDADES POR TRÁS DOS CÍUMES?
A liberdade de escolher caminhar ao lado de alguém
e ser consciente de que um casal é composto por
duas pessoas separadas que tomam uma decisão
de caminhar de mãos dadas supõe estar de acordo
com o fato que um não pertence ao outro.
Desse modo, quando os ciúmes despontam será
mais fácil percebê-los como um dos disfarces de
nossos medos. Medo de estar sozinho, medo de
perder o nosso amor, medo de imaginar que possa
haver outra pessoa melhor do que nós.
Somente a segurança e a confiança em nós
mesmos e no nosso parceiro, além de uma boa
autoestima, contribuirão para perceber que a outra
pessoa escolheu estar ao nosso lado.
Se em algum momento isso deixar de ser assim,
seremos livres para tomar outras decisões.
Ninguém pertence a ninguém, e não
podemos nos esquecer disso.
O espírito imortal traz consigo, ao
reencarnar, suas características
adquiridas no curso de muitas
vidas.
Essas características desabrocham
logo na infância na forma de
tendências.
Se a educação e o
acompanhamento familiar não
souberem detectar e modificar
essas tendências desde cedo,
essas características se
desenvolverão livremente.
O ciúme atenaza quem o experimenta e aquele que se lhe torna alvo preferencial.
O ciumento, inseguro dos próprios valores, descarrega a fúria do estágio primitivista em
manifestações ridículas, quão perturbadoras, em que se consome. Ateia incêndios em
ocorrências imaginárias, com a mente exacerbada pela suspeita infeliz, e envenena-se
com os vapores da revolta em que se rebolca, insanamente.
Desviando-se das pessoas e ampliando o círculo de prevalência, o ciúme envolve objetos
e posições, posses e valores que assumem uma importância alucinada, isolando o
paciente nos sítios da angústia ou armando-o com instrumentos de agressão contra todos
e tudo.
O ciúme tende a levar sua vítima à loucura.
Liberando-se da compressão do ciúme, a pouco e pouco, o eu profundo respira, alcança
as praias largas da existência e desfruta de paz com alguém ou não, com algo ou nada,
porém com harmonia, com amor, com a vida.
JOANA DE ANGELIS
CIÊNCIA E SAÚDE – 2014
Pesquisa feita com pessoas de diferentes regiões e
cultura mostra através de “MAPA” temperatura do corpo
físico de acordo com o sentimento.
“Um estudo finlandês publicado nesta semana desenhou
um “mapa das sensações corporais”.
O esquema trás varias figuras humanas destacando a
temperatura de cada parte do corpo, de acordo com a
emoção que a pessoa esta sentindo no momento.
O esquema é o resultado de cinco experiências feitas
com 701 participantes de diferentes regiões e culturas
do mundo que, apontaram as alterações fisiológicas
associadas a cada sentimento.
Para a equipe de Lauri Nummenmoa, da Universidade de
Aalto, a pesquisa sugere que as emoções são
culturalmente universais, e mudanças neste mapa
poderiam indicar DISTÚRBIOS EMOCIONAIS.
A imagem mostra que as partes em amarelo são as mais
quentes, e as em azul as mais frias ( Revista Ciências do
EUA)
Como problemas emocionais se transformam em doenças?
A CIÊNCIA revela diariamente que o nosso corpo é reflexo do que pensamos
e de como agimos.
Por que alimentar a nossa mente com esses sentimentos negativos como:
inveja, ciúme e orgulho?
A cada passo que assim fazemos, o sistema imunológico prontamente
responde.
E aos poucos cada célula vai se manifestando e recebendo estas vibrações e
órgãos do nosso corpo vão gritando com essas energias de inveja, ciúme e
orgulho, resultado de tudo isto, são as dores e doenças.
Podendo ser verdadeiras ou falsas enfermidades.
A nossa mente tem o poder de criar essas doenças.
Gandhi afirma: “As doenças são os resultados não só dos nossos atos, mas
também dos nossos pensamentos.”
Cap. I - DAS PENAS E GOZOS TERRESTRES
Felicidade e infelicidade relativas
926. Criando novas necessidades, a civilização não
constitui uma fonte de novas aflições?
“Os males deste mundo estão na razão das
necessidades factícias que vos criais.
A muitos desenganos se poupa nesta vida aquele que
sabe restringir seus desejos e olha sem inveja para o
que esteja acima de si. O que menos necessidades
tem, esse o mais rico. “Invejais os gozos dos que vos
parecem os felizes do mundo. Sabeis, porventura, o
que lhes está reservado? Se os seus gozos são todos
pessoais, pertencem eles ao número dos egoístas: o
reverso então virá. Deveis, de preferência, lastimá-los.
Deus algumas vezes permite que o mau prospere, mas
a sua felicidade não é de causar inveja, porque com
lágrimas amargas a pagará. Quando um justo é infeliz,
isso representa uma prova que lhe será levada em
conta, se a suportar com coragem. Lembrai-vos destas
palavras de Jesus: Bem-aventurados os que sofrem,
pois que serão consolados.”

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

ESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
ESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOSESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
ESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOSPatricia Farias
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIOJorge Luiz dos Santos
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráLisete B.
 
Conduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da CaridadeConduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da Caridadeigmateus
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososEduardo Ottonelli Pithan
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritosigmateus
 
CAP. XIV - Piedade filial
CAP. XIV - Piedade filial CAP. XIV - Piedade filial
CAP. XIV - Piedade filial Leonardo Mota
 
O Homem de Bem
O Homem de BemO Homem de Bem
O Homem de Bemigmateus
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direitagmo1973
 

Mais procurados (20)

ESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
ESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOSESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
ESE CAP. XI - AMAI OS VOSSOS INIMIGOS
 
Casamento na ótica espirita
Casamento na ótica espiritaCasamento na ótica espirita
Casamento na ótica espirita
 
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIODESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
DESTINO, FATALIDADE E LIVRE-ARBÍTRIO
 
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DORO CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
O CARÁTER EDUCATIVO DA DOR
 
Ajuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudaráAjuda te que o céu te ajudará
Ajuda te que o céu te ajudará
 
Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!Estudo sobre prece!
Estudo sobre prece!
 
Reencarnação
ReencarnaçãoReencarnação
Reencarnação
 
Conduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da CaridadeConduta Espírita na Prática da Caridade
Conduta Espírita na Prática da Caridade
 
Bem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiososBem aventurados os que são misericordiosos
Bem aventurados os que são misericordiosos
 
A vida futura
A vida futuraA vida futura
A vida futura
 
Comunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos EspíritosComunicabilidade dos Espíritos
Comunicabilidade dos Espíritos
 
APRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITA
APRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITAAPRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITA
APRENDENDO A LIDAR COM AS EMOÇÕES NA VISÃO ESPÍRITA
 
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMOMEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
MEDIUNIDADE E ESPIRITISMO
 
CAP. XIV - Piedade filial
CAP. XIV - Piedade filial CAP. XIV - Piedade filial
CAP. XIV - Piedade filial
 
O Homem de Bem
O Homem de BemO Homem de Bem
O Homem de Bem
 
Trabalhador espírita
Trabalhador espíritaTrabalhador espírita
Trabalhador espírita
 
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITAAUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
AUTOCONHECIMENTO X REFORMA INTIMA NA VISÃO ESPÍRITA
 
Honrar pai e mãe
Honrar pai e mãeHonrar pai e mãe
Honrar pai e mãe
 
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direitaCap 13 Não saiba a vossa mão esquerdao que dê a vossa mão direita
Cap 13 Não saiba a vossa mão esquerda o que dê a vossa mão direita
 
Perdão na visão espírita
Perdão na visão espíritaPerdão na visão espírita
Perdão na visão espírita
 

Semelhante a A inveja e o ciúme: compreendendo e superando sentimentos limitantes

0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptxMarta Gomes
 
Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020
Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020
Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020Daniela Hemesath
 
Sobre a inveja
Sobre a invejaSobre a inveja
Sobre a invejaHelio Cruz
 
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009gilfaca158
 
CURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de Luz
CURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de LuzCURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de Luz
CURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de LuzARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ
 
aautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfaautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfTelma Lima
 
Arrogância.pptx
Arrogância.pptxArrogância.pptx
Arrogância.pptxM.R.L
 
Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!Leonardo Pereira
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxMarta Gomes
 
Nos dominios da afetividade.2
Nos dominios da afetividade.2Nos dominios da afetividade.2
Nos dominios da afetividade.2Manoel Gamas
 
Ninguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no OutroNinguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no OutroAngelo Leandro
 
Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"Leonardo Pereira
 
Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).Leonardo Pereira
 
Nessahan alita aprofundamento
Nessahan alita   aprofundamentoNessahan alita   aprofundamento
Nessahan alita aprofundamentoAlex Amoedo
 
invigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptxinvigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptxM.R.L
 

Semelhante a A inveja e o ciúme: compreendendo e superando sentimentos limitantes (20)

ÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão EspíritaÓDIO na visão Espírita
ÓDIO na visão Espírita
 
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx0.5 - Inveja e ciúme.pptx
0.5 - Inveja e ciúme.pptx
 
Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020
Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020
Pw 195 aula intencionalidade negativa dh2020
 
Sobre a inveja
Sobre a invejaSobre a inveja
Sobre a inveja
 
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009Texto novo   a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
Texto novo a temática do ciúme - 14 - 08 - 2009
 
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMAAUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
AUTOCONHECIMENTO X AUTOESTIMA
 
CURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de Luz
CURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de LuzCURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de Luz
CURSO REFORMA INTIMA - Educandário Espirita Caminho de Luz
 
aautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdfaautoestima_Anderson.pdf
aautoestima_Anderson.pdf
 
A autoestima
A autoestimaA autoestima
A autoestima
 
Arrogância.pptx
Arrogância.pptxArrogância.pptx
Arrogância.pptx
 
Raiva
RaivaRaiva
Raiva
 
Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!Desenvolvendo sentimentos!
Desenvolvendo sentimentos!
 
Inveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docxInveja e Ciúme.docx
Inveja e Ciúme.docx
 
Nos dominios da afetividade.2
Nos dominios da afetividade.2Nos dominios da afetividade.2
Nos dominios da afetividade.2
 
Ninguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no OutroNinguém Causa Emoção no Outro
Ninguém Causa Emoção no Outro
 
Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"Escutando Sentimentos "O Seminário"
Escutando Sentimentos "O Seminário"
 
Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).Escutando sentimentos! ( seminário).
Escutando sentimentos! ( seminário).
 
Obsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessãoObsessão e desobsessão
Obsessão e desobsessão
 
Nessahan alita aprofundamento
Nessahan alita   aprofundamentoNessahan alita   aprofundamento
Nessahan alita aprofundamento
 
invigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptxinvigilanciaa.pptx
invigilanciaa.pptx
 

Mais de ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ

Mais de ARMAZÉM DE ARTES TANIA PAUPITZ (20)

ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
ESTUDAR A SI MESMO - A ARTE MAIS DIFICIL.
 
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICASDOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
DOENÇAS PSICOSSOMÁTICAS
 
AS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMAAS DOENÇAS DA ALMA
AS DOENÇAS DA ALMA
 
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdfAUTOCONHECIMENTO  - O CORPO FALA.pdf
AUTOCONHECIMENTO - O CORPO FALA.pdf
 
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docxA PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
A PAZ QUE VEM DE DENTRO.docx
 
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITASONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
SONO E SONHOS VISÃO ESPIRITA
 
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docxIMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
IMPORTANCIA DO SILENCIO JOANA DE ANGELIS.docx
 
DROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITADROGAS VISÃO ESPIRITA
DROGAS VISÃO ESPIRITA
 
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
 BUDA  - HERMANN HESSE.pptx BUDA  - HERMANN HESSE.pptx
BUDA - HERMANN HESSE.pptx
 
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃOO FENOMENO DA PROJEÇÃO
O FENOMENO DA PROJEÇÃO
 
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docxNOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
NOSSO DIAMANTE ADORMECIDO.docx
 
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO . PROJEÇÕES e a  LEI DO ESPELHO .
PROJEÇÕES e a LEI DO ESPELHO .
 
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMADEPRESSÃO -  A DOENÇA DA ALMA
DEPRESSÃO - A DOENÇA DA ALMA
 
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
PP ESTUDA-TE A TI MESMO!
 
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptxNIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
NIVEIS DE CONSCIENCIA HUMANA pptx
 
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptxREFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
REFORMA INTIMA DE QUE FORMA FAZE-LA.pptx
 
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADEAUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
AUTOCONSCIENCIA E AUTORRESPONSABILIDADE
 
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um  uma pedra preciosa adormecida. Somos como um  uma pedra preciosa adormecida.
Somos como um uma pedra preciosa adormecida.
 
REFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIORREFORMA INTERIOR
REFORMA INTERIOR
 
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTADEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
DEPRESSAO X ATUALIDADE VISÃO ESPIRITUALISTA
 

Último

Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoInsituto Propósitos de Ensino
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiamaysa997520
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxCelso Napoleon
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptxPIB Penha
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoNilson Almeida
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxCelso Napoleon
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoInsituto Propósitos de Ensino
 

Último (11)

Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - IntroduçãoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Introdução
 
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familiaRESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
RESOLVENDO CONFLITOS NO CASAMENTOe na familia
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 03
 
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptxLição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
Lição 2 - A Escolha entre a Porta Estreita e a Porta Larga.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 01
 
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdfO Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
O Livro dos Espiritos - Allan Kardec.pdf
 
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptxO concílio de Jerusalém  Cap 14 e 15.pptx
O concílio de Jerusalém Cap 14 e 15.pptx
 
Oração Alma De Cristo
Oração Alma De CristoOração Alma De Cristo
Oração Alma De Cristo
 
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptxLição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
Lição 1 - O início da caminhada - CPAD.pptx
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula 02
 
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivoEbook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
Ebook - Mentoria Ministério com Jovens - Aula ao vivo
 

A inveja e o ciúme: compreendendo e superando sentimentos limitantes

  • 1.
  • 2. A INVEJA X REFORMA ÍNTIMA
  • 3.
  • 4.
  • 5. A inveja é um processo doloroso e perturbador a nível psicológico. As virtudes, êxitos e felicidade dos outros são para o invejoso uma força que ameaça o seu equilíbrio emocional, enfraquecendo terrivelmente o seu amor-próprio e a confiança. Sente-se irredutivelmente inferiorizado perante a vida, recalcando sucessivos fracassos e frustrações. Tal como uma criatura ferida, reage por instinto, destilando o veneno da maledicência e do desprezo, que usa para esconder a raiva que sente, a insegurança em que vive e a inferioridade que o martiriza.
  • 6.
  • 7.
  • 8.
  • 9.
  • 10. Na idade média sentir inveja era considerado um PECADO Capital que merecia castigo e penitencia. Através dos bons e maus exemplos, vamos filtrando o que é bom e nos sentimos a vontade para reproduzir resultados semelhantes aos das pessoas que admiramos (MOLDAMOS). É a inveja positiva guiando nossos pensamentos, comportamentos e ações. LEMBRAR- que ao invés de sentirmos vergonha de sentir inveja, que possamos RESSIGNIFICAR este conceito e, ao observar as vitorias e conquistas do outro, tenhamos MOTIVAÇÃO para reconhecer nossas próprias capacidade de transformamos nosso sonho em realidade e realiza-los. SEMPRE É POSSIVEL REALIZAR UM SONHO ATRAVÉS DO EXEMPLO ALHEIO, mesmo que ele nos cause o sentimento de INVEJA. RESSIGNIFICANDO A INVEJA.
  • 11.
  • 12.
  • 13. Você já ouvir falar do olhar de secar pimenteira? Devemos lembrar que bons pensamentos e boa conduta nos tornam praticamente imunes a qualquer má intenção direcionada a nós. É o mesmo caso da obsessão, com raras exceções, só é obsidiado quem não policia suficientemente seus pensamentos, quem não dirige adequadamente sua conduta, quem não controla eficientemente seu comportamento. A maioria dos espíritos desencarnados a que chamamos “obsessores” é atraída por nós graças às nossas próprias falhas de caráter, é atraída por nossos vícios e pensamentos baixos. Semelhante atrai semelhante, lembra? Jesus nos deu um conselho simples e sucinto: “Orai e vigiai”.
  • 14.
  • 15.
  • 16. Segundo a Doutrina Espírita- LE – 926 e 933: devemos manter o nossa sintonia no bem, controlando os pensamentos, sentimentos, atitudes e comportamentos. Para isso precisamos ter consciência; visando exercer o controle sobre nossos pensamentos, palavras e ações. Só depende de nós. - uma pessoa que sente inveja pertinaz de alguém também é uma obsessora – o melhor a fazer é não se deixar contaminar pelo receio. - Não importa se alguém sente inveja de nós, o importante é que devemos Cuidar é de nós mesmos, de nossos sentimentos e atitudes; o que os outros pensam ou sentem é problema deles. Mas quando sentir que está sendo vítima de inveja, pergunte a si mesmo se não é você que está descontente consigo mesmo e está procurando subterfúgios para seus fracassos. Isso é mais comum do que se pensa…
  • 17.
  • 18.
  • 19.
  • 20. A pessoa ciumenta julga sem muita base que não é correspondida e começa a desenvolver uma serie de sentimentos torturantes que o levam a sentir raiva sem poder manifestá-la, temor e não poder fugir, a querer se impor e ter medo de perder, a querer não sentir e ficar mais confuso. A pessoa vive um processo de autotortura = deseja amar e se não consegue passa a agredir-se e agredir seu companheiro sem racionalizar.
  • 21. O ciúme é um exercício enlouquecido de poder, de dominação e de aprisionamento do outro. A pessoa ciumenta não sabe diferenciar imaginação e realidade, não sabe distinguir fantasia e certeza. Qualquer dúvida em sua cabeça logo se transforma em delírio. A vítima do ciumento se sujeita a ter seus pertences revistados em busca de vestígios que nem imagina do que seja. O ciumento tem ciúme do passado do outro, dos seus relacionamentos anteriores, e vive imaginando detalhes sobre fatos verdadeiros ou não.
  • 22. O que o ciumento quer é o controle total e absoluto dos sentimentos, da atenção e do comportamento em geral do outro. O outro passa por situações vexatórias e bizarras, isso quando não impera a violência. Quantos crimes passionais devem sua origem ao ciúme doentio? Quantos casos de mulheres que se sujeitam à violência doméstica por depender emocionalmente ou economicamente do parceiro?
  • 23. RELACIONAMENTO AFETIVO e O CÍUME Os suplícios ou tormentos muitas vezes são criados voluntariamente, quando começamos a exigir, a cobrar do outro, o que achamos ser de sua obrigação: o ciúme impõe condições. É assim que quase sempre se origina a inconformação, o desespero, o desentendimento entre casais. Respeito e liberdade, de ambas as partes, na confiança que edifica e fortalece, aprofunda a amizade para muito além dos limites de uma paixão, tudo isso pela admiração construtiva, mutua, que estimula o bem proceder e amplia o reconhecimento dos valores individuais dos dois. Quantos ciúmes doentios não geram desconfianças e desarmonia desnecessárias?
  • 24. CIUMENTO QUEIXOSO- Aquele que implora, falando ou em silencio o amor que pensa não receber – usa da agressividade com pitadas de covardia, pois se esmera em ofender de forma dissimulada. SENTE-SE OFENDIDO e frustrado e é capaz de interpretar um papel, com cena e tudo para demonstrar sua insatisfação. CIUMENTO TROMBUDO- Introvertido e desconfiado por natureza, demonstra grande imaturidade afetiva, ficando de tromba quando o companheiro não corresponde. Usa o silencio e a frieza para REVIDAR quando não é correspondido – faz greves intermináveis. CIUMENTO RECRIMINANTE – com o dedo em riste este ciumento, meio maníaco e paranoico, explica minuciosamente os motivos de sua desconfiança. Sente-se prejudicado por não ser amado o suficiente. Acusa e faz vexame em publico, usando de agressividade. Não aceita que o parceiro seja daquele jeito. CIUMENTO AUTOPUNITIVO – é o ciumento que se sente infeliz por amar. Inflige-se a própria tortura e desconfiança e se PUNE, afastando-se de quem gosta. Dispõe-se a desaparecer se for preciso. Deixa de comer e tenta o suicídio de maneira que NÃO MORRA. Cria todas as facilidade para que o outro o traia, para dizer: A CULPA É SUA, criando armadilhas para o outro. - CIUMENTO VINGATIVO/DESTRUIDOR – esta é da época de Moises – “ olho por olho ,dente por dente “. Pensa: me traiu – me aguarde. SENTE-SE ABANDONADO e restitui o sofrimento que se julga vitima, compete com o par e imagina represálias para punir a quem julga amar. A frase para este ciumento: “aqui jaz o cadáver do amor”.
  • 25. Por que vamos, então, transformar nossa vida num verdadeiro inferno? Procuremos serenamente indagar o porque dos nossos ciúmes. Com que sentido nos deixamos envolver por eles? Será por carência, ou por insegurança? Por apego ou desespero? Localizemos as causas do aparecimento desse fantasma que é o ciúme. Fantasma criado pela nossa imaginação, que pode estar mal informada ou até deformada, e que precisa ser realimentada com a confiança, a fé, o otimismo, a esperança, a alegria, a dedicação e o desprendimento, para sermos felizes em profundidade, gerando felicidade e bem-estar em volta de nós.
  • 26. Como nos desfazer desse mal estar que sentimos cada vez que nosso companheiro está falando com outra pessoa que julgamos como um possível inimigo? O que fazer cada vez que nos sentimos enciumados? É possível encontrar um olhar construtivo para nossos ciúmes e inseguranças? = EXISTEM OPORTUNIDADES POR TRÁS DOS CÍUMES?
  • 27. A liberdade de escolher caminhar ao lado de alguém e ser consciente de que um casal é composto por duas pessoas separadas que tomam uma decisão de caminhar de mãos dadas supõe estar de acordo com o fato que um não pertence ao outro. Desse modo, quando os ciúmes despontam será mais fácil percebê-los como um dos disfarces de nossos medos. Medo de estar sozinho, medo de perder o nosso amor, medo de imaginar que possa haver outra pessoa melhor do que nós. Somente a segurança e a confiança em nós mesmos e no nosso parceiro, além de uma boa autoestima, contribuirão para perceber que a outra pessoa escolheu estar ao nosso lado. Se em algum momento isso deixar de ser assim, seremos livres para tomar outras decisões. Ninguém pertence a ninguém, e não podemos nos esquecer disso.
  • 28. O espírito imortal traz consigo, ao reencarnar, suas características adquiridas no curso de muitas vidas. Essas características desabrocham logo na infância na forma de tendências. Se a educação e o acompanhamento familiar não souberem detectar e modificar essas tendências desde cedo, essas características se desenvolverão livremente.
  • 29.
  • 30.
  • 31.
  • 32.
  • 33.
  • 34.
  • 35.
  • 36. O ciúme atenaza quem o experimenta e aquele que se lhe torna alvo preferencial. O ciumento, inseguro dos próprios valores, descarrega a fúria do estágio primitivista em manifestações ridículas, quão perturbadoras, em que se consome. Ateia incêndios em ocorrências imaginárias, com a mente exacerbada pela suspeita infeliz, e envenena-se com os vapores da revolta em que se rebolca, insanamente. Desviando-se das pessoas e ampliando o círculo de prevalência, o ciúme envolve objetos e posições, posses e valores que assumem uma importância alucinada, isolando o paciente nos sítios da angústia ou armando-o com instrumentos de agressão contra todos e tudo. O ciúme tende a levar sua vítima à loucura. Liberando-se da compressão do ciúme, a pouco e pouco, o eu profundo respira, alcança as praias largas da existência e desfruta de paz com alguém ou não, com algo ou nada, porém com harmonia, com amor, com a vida. JOANA DE ANGELIS
  • 37.
  • 38.
  • 39.
  • 40. CIÊNCIA E SAÚDE – 2014 Pesquisa feita com pessoas de diferentes regiões e cultura mostra através de “MAPA” temperatura do corpo físico de acordo com o sentimento. “Um estudo finlandês publicado nesta semana desenhou um “mapa das sensações corporais”. O esquema trás varias figuras humanas destacando a temperatura de cada parte do corpo, de acordo com a emoção que a pessoa esta sentindo no momento. O esquema é o resultado de cinco experiências feitas com 701 participantes de diferentes regiões e culturas do mundo que, apontaram as alterações fisiológicas associadas a cada sentimento. Para a equipe de Lauri Nummenmoa, da Universidade de Aalto, a pesquisa sugere que as emoções são culturalmente universais, e mudanças neste mapa poderiam indicar DISTÚRBIOS EMOCIONAIS. A imagem mostra que as partes em amarelo são as mais quentes, e as em azul as mais frias ( Revista Ciências do EUA)
  • 41. Como problemas emocionais se transformam em doenças? A CIÊNCIA revela diariamente que o nosso corpo é reflexo do que pensamos e de como agimos. Por que alimentar a nossa mente com esses sentimentos negativos como: inveja, ciúme e orgulho? A cada passo que assim fazemos, o sistema imunológico prontamente responde. E aos poucos cada célula vai se manifestando e recebendo estas vibrações e órgãos do nosso corpo vão gritando com essas energias de inveja, ciúme e orgulho, resultado de tudo isto, são as dores e doenças. Podendo ser verdadeiras ou falsas enfermidades. A nossa mente tem o poder de criar essas doenças. Gandhi afirma: “As doenças são os resultados não só dos nossos atos, mas também dos nossos pensamentos.”
  • 42. Cap. I - DAS PENAS E GOZOS TERRESTRES Felicidade e infelicidade relativas 926. Criando novas necessidades, a civilização não constitui uma fonte de novas aflições? “Os males deste mundo estão na razão das necessidades factícias que vos criais. A muitos desenganos se poupa nesta vida aquele que sabe restringir seus desejos e olha sem inveja para o que esteja acima de si. O que menos necessidades tem, esse o mais rico. “Invejais os gozos dos que vos parecem os felizes do mundo. Sabeis, porventura, o que lhes está reservado? Se os seus gozos são todos pessoais, pertencem eles ao número dos egoístas: o reverso então virá. Deveis, de preferência, lastimá-los. Deus algumas vezes permite que o mau prospere, mas a sua felicidade não é de causar inveja, porque com lágrimas amargas a pagará. Quando um justo é infeliz, isso representa uma prova que lhe será levada em conta, se a suportar com coragem. Lembrai-vos destas palavras de Jesus: Bem-aventurados os que sofrem, pois que serão consolados.”