APRESENTAÇÃO BRADESCO NEXT
Octavio de Barros
Diretor e Economista-chefe do Bradesco
SÃO PAULO, 11 DE DEZEMBRO DE 2014
O CR...
2
Octavio de Barros
Economista-chefe
4968.octavio@bradesco.com.br
WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BR
O DEPEC – BRADESCO não se respo...
“O otimista é um
tolo. O pessimista,
um chato. Bom
mesmo é ser um
realista
esperançoso.”
Ariano Suassuna
PROBLEMÕES
DE 2015
GRAVE CRISE DA
ÁGUA (PIOR QUE A
DE ENERGIA) PODE
RETIRAR ALGUNS
P.P. DO PIB EM 2015
E AFETAR BEM
ALGUMAS
SEGMENTOS
RACIONAMENTO
DE ENERGIA E SEU
ENCARECIMENTO
PARECEM
PRÓXIMOS. PEPINO
PARA RESOLVER
EPISÓDIO DA
PETROBRAS TERÁ
SEQUELAS
INEVITÁVEIS NOS
INVESTIMENTOS
DA EMPRESA.
OBRAS PÚBLICAS EM
GERAL SOB NOVO
ESCRUTÍNIO DE
FISCALIZAÇÃO DE
LICITAÇÕES
ATRASARÃO
PROCESSOS
LICITATÓRIOS EM
GERAL.
CONGRESSO
FRAGMENTADO E
INCONTROLÁVEL
POLITICAMENTE
DEVERÁ DIFICULTAR
REFORMAS
URGENTES.
CENÁRIO EXTERNO
MUITO RUIM
(COMÉRCIO
MUNDIAL
CRESCENDO ABAIXO
DO PIB MUNDIAL
DEPOIS DE
DÉCADAS).
QUEDA FORTE DE
PREÇOS DAS
COMMODITIES,
PREJUDICANDO
MUITO OS TERMOS
DE TROCA
BRASILEIROS.
INÍCIO DO FIM
DE TODA UMA
ERA DE
PUJANÇA
PUXADA PELA
CHINA.
CASO SE MANTENHA,
A QUEDA DO PREÇO
DO PETRÓLEO EM
MAIS DE 30%
REDUZIRÁ EM US$ 30
BILHÕES POR ANO DE
EXPORTAÇÕES
BRASILEIRA...
MOEDA MAIS
DEPRECIADA
AUMENTANDO
CUSTOS IMPORTADOS
AFETAM
INVESTIMENTOS NO
CURTO PRAZO.
AJUSTE FISCAL
BEM MAIS FORTE
DO QUE 1999 E
2003 TERÁ
IMPACTO CERTO
SOBRE ATIVIDADE.
APERTO
MONETÁRIO
ADICIONAL JÁ
CONTRATADO
ENCARECERÁ O
INVESTIMENTO E O
CONSUMO.
DESEMPREGO MAIOR,
AINDA QUE NÃO MUITO
MAIOR, GERA
COMPORTAMENTOS
CAUTELOSOS DOS
CONSUMIDORES COM
CRESCIMENTO MENOR
DOS SAL...
CRÉDITO MAIS
SELETIVO E
APETITE POR
CRÉDITO MENOR.
JUROS MAIS
ELEVADOS (EFEITO
SELIC)
INDÚSTRIA EM
SITUAÇÃO
DRAMÁTICA DE 12
TRIMESTRES DE
RECESSÃO.
MAIOR PROBLEMA
BRASILEIRO
ARGENTINA
AGRAVANDO SUA
SITUAÇÃO E
PREJUDICANDO
EXPORTAÇÕES
BRASILEIRAS DE
MANUFATURADOS
INÍCIO PREVISTO DA
NORMALIZAÇÃO
MONETÁRIA NOS
ESTADOS UNIDOS, QUE
TENDE A AFETAR
FLUXOS DE CAPITAIS
PARA PAÍSES
EMERGENTES...
OU SEJA, É ALTAMENTE
PROVÁVEL QUE HAVERÁ
ALGUM DESGASTE POLÍTICO EM
MEIO A TANTAS NOTÍCIAS
NEGATIVAS REVERBERANDO NA
MÍDIA...
SERÁ DE FATO UMA TAREFA
POLITICAMENTE DELICADA NA MEDIDA
EM QUE A INFLAÇÃO TENDE A
AUMENTAR NO INÍCIO DO ANO GRAÇAS
À VOLT...
O PAPEL DO GOVERNANTE É O
DE SEGURAR O TRANCO E
RESISTIR À TENTAÇÃO DE
ABANDONAR OS ESFORÇOS NA
MEDIDA EM QUE OS RESULTADO...
TAMBÉM HÁ UMA
BOA NOTÍCIA
BOA NOTÍCIA:
BRASIL NÃO SERÁ
REBAIXADO PELA
S&P
COM AS
DEFINIÇÕES NA
ÁREA
ECONÔMICA, JÁ
SABEMOS QUAL
CAMINHO O
BRASIL
TRILHARÁ
Dowgrading
Outlook
positivo
SÓ NOS RESTA
APOSTAR NA
RECUPERAÇÃO DA
CONFIANÇA.
NENHUM PROBLEMA
BRASILEIRO MERECE
SER CLASSIFICADO
COMO INSOLÚVEL
“CONFIANÇA
É A FORMA
MAIS BARATA
DE ESTÍMULO
ECONÔMICO”LARRY SUMMERS
For Brazil, it's not the end of the world
3030
MAS NESTE MOMENTO,
NÃO EXISTEM VETORES
(DRIVERS) PARA O
CRESCIMENTO
BRASILEIRO
NÃO SERÁ O CONSUMO
DAS FAMÍLIAS, EM
DESACELERAÇÃO
DEVIDO AO COMBATE À
INFLAÇÃO
NÃO SERÁ O CONSUMO
(GASTO) DO GOVERNO
DEVIDO AO
IMPERATIVO DO
AJUSTE FISCAL
NÃO SERÁ A
AGRICULTURA QUE
SOFRERÁ BEM EM 2015
(MENOS RECURSOS DE
FINANCIAMENTO) E QUEDA
DE PREÇOS
NÃO SERÁ A CONSTRUÇÃO
CIVIL RESIDENCIAL,
COMERCIAL OU INDUSTRIAL.
MUITA VACÂNCIA E
DESACELERAÇÃO DE
VENDAS
NÃO SERÃO AS
EXPORTAÇÕES, DEVIDO À
FRAQUÍSSIMA DEMANDA
GLOBAL (CÂMBIO NÃO
RESOLVE NO CURTO
PRAZO)
NÃO SERÃO OS BANCOS
PÚBLICOS QUE
PODERÃO IMPULSIONAR
O FINANCIAMENTO DO
CRESCIMENTO
NÃO SERÃO OS
INVESTIMENTOS
PRIVADOS AFETADOS
PELOS JUROS E POR
MENOS BNDES E PELA
INCERTEZA REINANTE
OS INVESTIMENTOS EM
PETRÓLEO E GÁS
(AFETADOS PELO BAIXO
PREÇO DO PETRÓLEO) E
PELA FALTA CAIXA E
FINANCIABILIDADE DA
PETROB...
NÃO SERÃO OS
INVESTIMENTOS DE
INFRAESTRUTURA
ENQUANTO O
DENUNCISMO ESTIVER
PRESENTE
PORTANTO, SÓ HÁ O
CAMINHO DA CONFIANÇA
MACRO E DE UMA AGENDA
MICRO PAUTADA PELA
PRODUTIVIDADE E
CONCESSÕES
TEMOS QUE MUDAR
DE CANAL PARA
FAZER AS PREVISÕES:
NOVO MINDSET NO
RADAR
HOUVE ALGUM ERRO DE
DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA
BRASILEIRA NOS ÚLTIMOS
ANOS.
CLARAMENTE, FOI
MAPEADO O MUNDO
ERRADO (PRE-
GLOB...
DAÍ, ESPERA-SE A VOLTA
DO TRIPÉ
MACROECONÔMICO COM O
RETORNO DO
PRAGMATISMO, DEPOIS DE
ANOS DE EXPERIMENTOS.
RESSURGE A
PO...
RESULTADO
SETOR PÚBLICO
SOFRÍVEL
SUPERÁVIT PRIMÁRIO DO SETOR PÚBLICO YTD – EM % DO PIB YTD
4,19% 4,12% 4,20%
4,54%
4,81%
4,18% 4,19%
4,99%
1,99%
2,81%
3,47...
DÍVIDA BRUTA DO GOVERNO GERAL EM P.P. DO PIB (SEM PETROBRÁS E
ELETROBRÁS)
58,0
55,9
59,1
63,1
61,5
56,5
53,4
54,8
59,9
59,...
47
SE É VERDADE QUE AJUSTE
FISCAL POSSA GERAR
ALGUM DESEMPREGO, A
EVENTUAL MELHORA DA
CONFIANÇA SERÁ O MELHOR
CAMINHO PARA...
TAXA MÉDIA DE DESEMPREGO NAS 6 MAIORES REGIÕES
METROPOLITANAS DO PAÍS (*) - %
FONTE: IBGE (PME) (*) São Paulo, Rio, BH, Po...
49
CONSTRUIR UMA
PLATAFORMA PARA
UM CRESCIMENTO
FUTURO
É ISSO QUE IMPORTA
CONHECENDO O PLANO
DE VOO DA NOVA
EQUIPE ECONÔMICA,
BRADESCO REVISA
CENÁRIO PARA 2015
2015 TENDE A SER SEMELHANTE A
2003, APESAR DE OUTRO CONTEXTO
HISTÓRICO:
UM PRIMEIRO SEMESTRE DE AJUSTES
E REFORMAS E UM SE...
BRASIL VAI CRESCER
MEIO (0,5%) :
MEIO BOM? OU MEIO
RUIM?
FONTE: IBGE, IPEA
ELABORAÇÃO: BRADESCO
VARIAÇÃO DO PIB DO BRASIL (%) – CENÁRIO REVISADO
5.4
7.8
7.5
3.5
-0.1
3.2
-4.3
1.0
...
54
BRASIL NÃO TERÁ UM 2015
RECESSIVO.
CRESCIMENTO SERÁ
BAIXO MAS NÃO HAVERÁ
RECESSÃO GRAÇAS À
MAIOR CONFIANÇA
55
NENHUM ECONOMISTA SÉRIO
PODE AFIRMAR QUAL VAI SER
DE FATO O EFEITO DA MAIOR
CONFIANÇA NA ATIVIDADE
ECONÔMICA E NAS DECI...
56
INFLAÇÃO
ABAIXO DO TETO
IPCA MENSAL – 2011-2014*
0,37%
0,52%
0,64%
0,43%
0,86%
0,55%
0,24%
0,54%
0,92%
0,40%
0,25%
0,42%
0,51%
0,75%
0,0%
0,1%
0,2...
CENÁRIO IPCA 2015 – HIPÓTESES ADMINISTRADOS
NOME PESO 2014 2015 Diferença
Gasolina 3,74% 0,38% 0,80% 0,42%
Produtos farmac...
IPCA ANUAL – 2003-2015*
9,30%
7,60%
5,69%
3,14%
4,46%
5,90%
4,31%
5,91%
6,50%
5,84% 5,91%
6,35%
6,70%
5,20%
0,0%
1,0%
2,0%...
LIVRES ANUAL - 2001 – 2016*
6,56%
11,49%
7,79%
6,55%
4,32%
2,57%
5,73%
7,05%
4,14%
7,08%
6,29% 6,54%
7,30%
6,58%
6,30%
5,2...
ADMINISTRADOS ANUAL - 2001 – 2016*
10,76%
15,32%
13,20%
10,19%
8,96%
4,27%
1,65%
3,27%
4,73%
3,13%
8,01%
3,67%
1,52%
5,31%...
SERVIÇOS ANUAL - 2001 – 2016*
4,86%
5,54%
7,32%
6,66% 6,77%
5,72% 5,79%
8,10%
6,73%
8,02%
9,79%
8,74% 8,73%
8,08%
6,88%
0,...
25,3%
8,7%
12,4%
1,2%
3,8%
7,8%
9,8%
-1,7%
11,3%
5,1%
7,8%
5,5%
3,5%
5,4% 5,0%
-4,0%
1,0%
6,0%
11,0%
16,0%
21,0%
26,0%
200...
JUROS:O CICLO DE
APERTO DEVERÁ
TERMINAR EM
12,50%
11,75%
13,00%
13,75%
12,75%
11,25%
10,25%
8,75%8,75%
9,50%
10,25%
10,75%
11,25%
12,00%
12,50%
11,00%
10,50%
9,75%
9,00%
8,...
6666
TAXA DE CÂMBIO
A MAIOR PREOCUPAÇÃO
DO INVESTIDOR EXTERNO
TANTO DE RENDA FIXA
COMO DE AÇÕES REFERE-
SE AO QUE ACONTECERÁ
COM A TAXA DE CÂM...
SE DE UM LADO A QUEDA DE
PREÇOS DE MATÉRIAS PRIMAS
DEPRECIA O REAL, POR OUTRO A
MAIOR CONFIANÇA, O FIM DO RISCO
DE REBAIXA...
ÍNDICE DE TERMOS DE TROCA 1999 - 2014
FONTE: FUNCEX
ELABORAÇÃO: BRADESCO
1996 = 100
88,2
98,1
90,0
96,0
86,9
95,1
88,0
96,...
20.481
15.288
10.076
14.601
5.050
25.448
31.513
36.000
0
5.000
10.000
15.000
20.000
25.000
30.000
35.000
40.000
2007
2008
...
O QUE SERÁ MAIS
RELEVANTE NA
DEFINIÇÃO DA
TRAJETÓRIA DO CÂMBIO?
FUNDAMENTO OU
CONFIANÇA?
TAXA DE CÂMBIO (FINAL DE ANO) - R$/US$
2000 – 2015
1,96
2,32
3,53
2,89
2,65
2,34
2,14
1,77
2,34
1,74
1,67
1,88
2,04
2,35
2...
73
TODAS AS MOEDAS-
COMMODITIES
ESTÃO APANHANDO
MUITO COM DÓLAR
FORTE
99,45
103,25 103,24
100,23
102,20
103,61
102,05
102,70
101,73
103,17
106,48
105,74
109,96
98
100
102
104
106
108
110
03/04...
75
COROA NORUEGUESA X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
5,95
6,29
6,15
6,32
6,87
6,73
7,16
7,17
5,70
5,90
6,10
6,...
76
NOVO SOL PERUANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
2,81
2,77
2,79
2,85
2,91
2,93
2,91
2,96
2,75
2,80
2,85
2,...
77
RAND SUL-AFRICANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
10,84
10,59
10,76
10,51
10,61
11,34
10,85
11,27
10,95
11...
78
DÓLAR NEOZELANDÊS X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
1,19
1,13
1,15
1,18
1,23
1,29
1,28
1,30
1,26
1,27
1,30
1...
79
DÓLAR AUSTRALIANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
1,08
1,05
1,07
1,07
1,15
1,13
1,17
1,14
1,18
1,21
1,05
1...
80
PESO COLOMBIANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
1.902
1.846
1.921
1.997 2.045
2.146
2.217
2.280
2.397
1.80...
81
PESO CHILENO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
560,03
548,71
563,06
576,69
593,52
602,22
575,22
594,53
615,8...
82
DÓLAR CANADENSE X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
1,09
1,06
1,08
1,10
1,09
1,11
1,13
1,12
1,14
1,12
1,13
1,1...
83
REAL X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
2,28
2,19
2,26
2,30
2,24
2,49
2,38
2,40
2,61
2,50
2,55
2,62
2,15
2,25...
84
RUBLO RUSSO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO)
FONTE: BLOOMBERG
34,90
33,72
36,32
38,19
41,50
47,31
44,84
52,89
54,85
32,15
37...
85
COTAÇÃO DO EURO (RELAÇÃO DÓLAR-EURO)
FONTE: BLOOMBERG
1,35
1,37
1,34
1,34
1,31
1,29
1,25
1,26
1,28
1,24
1,25
1,24
1,20
...
CENÁRIO
INTERNACIONAL
MUNDO SEM SINAIS
CLAROS PARA
ONDE CAMINHA A
ECONOMIA GLOBAL
JUROS DE 10 ANOS NOS ESTADOS UNIDOS E NA ALEMANHA
2011-2014
%
FONTE: BLOOMBERG, BRADESCO
2,36
1,87
2,06
1,63
2,74
2,99
2,5...
FORTE CRIAÇÃO DE
VAGAS NOS EUA VOLTA
A GERAR ENTUSIASMO,
MAS MERCADO SEGUE
CAUTELOSO
FONTE: BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
CRIAÇÃO DE VAGAS COM AJUSTE SAZONAL
-324
125
-210
332
67
315
118
-214
-798
-467
516
...
CRESCIMENTO
AMERICANO COM O
RESTO DO MUNDO EM
ESTAGNAÇÃO TEM
JEITO DE VOO DE
GALINHA
CHINA: PIB - VARIAÇÃO ANUAL
9.3
7.8 7.6
8.4 8.3
9.1
10.1
11.3
12.7
14.2
9.6
9.2
10.4
9.3
7.7 7.7
7.3
6.5
6.2
0.0
2.0
4.0
6...
93
COMMODITIES EM
MARÉ MUITO BAIXA
SEM PERSPECTIVAS
EM 2015
AMPLIA-SE O CONSENSO DE
QUE A ECONOMIA MUNDIAL
APRESENTA UM QUADRO DE
ESTAGNAÇÃO MAIS
PROLONGADA DO QUE O
MERCADO SUPUNHA
ÍNDICE MUNDIAL DE COMMODITIES - CRB FUTURO
FONTE: BLOOMBERG
ELABORAÇÃO: BRADESCO
305,2
312,9
310,8
307,1
296,0
298,3
292,5...
BAIXO PREÇO
DO PETRÓLEO É
UMA REAL
AMEAÇA DOS
ÁRABES AO
SHALE OIL DOS
ESTADOS
UNIDOS
E PRODUTORES
MARGINAIS DE SHALE
OIL NÃO SÃO
EFICIENTES AO PREÇO
ATUAL DE PETRÓLEO
PREÇO DE PETRÓLEO
PODERÁ SUBIR NO
MÉDIO PRAZO, POIS
POÇOS DE SHALE-OIL SE
EXAUREM RAPIDAMENTE
146,08
106,04
36,61
61,10
88,94
126,65 125,98
89,23
118,90
97,69
116,61
103,46
115,06
83,78
63,77
30
50
70
90
110
130
150
...
-4,314
-6,418
-3,964
-3,164
-2,653
-5,791
-4,586 -4,156
-6,289
-11,133
-3,985
-7,054
-10,949
-9,225
-23,398
-18,730
-9,401...
FONTE: SECEX/MDIC
ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
SALDO COMERCIAL 1995 - 2015
US$ MILHÕES
-3.466
-5.599
-6.753-6.575
-1.19...
EXPORTAÇÕES 1998 – 2015 – EM US$ MILHÕES
51.14048.011
55.08658.22360.439
73.203
96.677
118.530
137.807
160.649
197.943
152...
CORRENTE DE COMÉRCIO: BRASIL COM A CHINA
(US$ MILHÕES)
FONTE: MDIC
ELABORAÇÃO: BRADESCO
103
Dado de 2014 refere-se ao acum...
IMPORTAÇÕES 1998 – 2015 – EM US$ MILHÕES
57.730
49.248
55.83755.572
47.24048.291
62.835
73.606
91.351
120.621
173.184
127....
CORRENTE DE COMÉRCIO 1998 – 2015 – EM US$ MILHÕES
108,87097,259110,923
113,795107,679
121,494
159,512
192,136
229,158
281,...
CONTA CORRENTE EM MILHÕES E % PIB - 1994 - 2015
FONTE: BCB
PROJEÇÃO: BRADESCO
-1,811
-18,384
-23,502
-30,452
-33,416
-25,3...
INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO 1995 - 2015
FONTE: BCB
ELABORAÇÃO E (*) PROJEÇÃO: BRADESCO
US$ MILHÕES
28,856 28,578
32,77...
COM O NOVO MINDSET
(ATITUDE) NA POLÍTICA
ECONÔMICA, O MUNDO ESTARÁ
CONFORTAVELMENTE
DISPOSTO A FINANCIAR O
DÉFICIT EM CONT...
CARGA
TRIBUTÁRIA NÃO
TERÁ ALÍVIO TÃO
CEDO
RECEITA TRIBUTÁRIA (% PIB) - TOTAL
FONTE: RECEITA FEDERAL
ELABORAÇÃO: BRADESCO
27,8%
29,0%
30,4%
31,3%
31,9%
31,4%
32,2%
3...
EM RESUMO, SÓ HÁ O
CAMINHO DA CONFIANÇA
MACRO E DE UMA AGENDA
MICRO PAUTADA PELA
PRODUTIVIDADE E
CONCESSÕES
BRASIL É GRANDE
E DIVERSIFICADO E
OPORTUNIDADES
NÃO FALTAM
20 MAIORES ECONOMIAS DO MUNDO EM 2013 (EM TRILHÕES DE
DÓLARES)
16.80
9.25
4.90
3.64
2.74 2.52 2.24 2.09 1.74 1.83 1.50 1.4...
BRASIL PRECISA
CORRER COM OS
AJUSTES E
CORREÇÕES DE
ROTA NECESSÁRIOS
PORQUE OS
PRÓXIMOS 4 ANOS
SERÃO MUITO
DESAFIADORES
0,2%
0,5%
2,5%
3,0%
3,5%
0,0%
0,9%
1,8%
2,7%
3,6%
2014 2015 2016 2017 2018
CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO
116116
FIM
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Análise sobre o Brasil pelo Bradesco

1.231 visualizações

Publicada em

Análise sobre o Brasil pelo economista-chefe do Bradesco, Octavio de Barros

Publicada em: Economia e finanças
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.231
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
9
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
12
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Análise sobre o Brasil pelo Bradesco

  1. 1. APRESENTAÇÃO BRADESCO NEXT Octavio de Barros Diretor e Economista-chefe do Bradesco SÃO PAULO, 11 DE DEZEMBRO DE 2014 O CRESCIMENTO BRASILEIRO EM 2015 VAI SER MEIO BOM. MELHOR DO QUE MEIO RUIM. 2015: ANO DE CONSTRUÇÃO DE NOVA PLATAFORMA DE CRESCIMENTO FUTURO. DESAFIO QUE REQUER COESÃO
  2. 2. 2 Octavio de Barros Economista-chefe 4968.octavio@bradesco.com.br WWW.ECONOMIAEMDIA.COM.BR O DEPEC – BRADESCO não se responsabiliza por quaisquer atos/decisões tomadas com base nas informações disponibilizadas por suas publicações e projeções. Todos os dados ou opiniões dos informativos aqui presentes são rigorosamente apurados e elaborados por profissionais plenamente qualificados, mas não devem ser tomados, em nenhuma hipótese, como base, balizamento, guia ou norma para qualquer documento, avaliações, julgamentos ou tomadas de decisões, sejam de natureza formal ou informal. Desse modo, ressaltamos que todas as consequências ou responsabilidades pelo uso de quaisquer dados ou análises desta publicação são assumidas exclusivamente pelo usuário, eximindo o BRADESCO de todas as ações decorrentes do uso deste material. Lembramos ainda que o acesso a essas informações implica a total aceitação deste termo de responsabilidade e uso. A reprodução total ou parcial desta publicação é expressamente proibida, exceto com a autorização do Banco BRADESCO ou a citação por completo da fonte (nomes dos autores, da publicação e do Banco BRADESCO). APRESENTAÇÃO PREPARADA COM INFORMAÇÕES DISPONÍVEIS ATÉ DIA 10 DE DEZEMBRO DE 2014
  3. 3. “O otimista é um tolo. O pessimista, um chato. Bom mesmo é ser um realista esperançoso.” Ariano Suassuna
  4. 4. PROBLEMÕES DE 2015
  5. 5. GRAVE CRISE DA ÁGUA (PIOR QUE A DE ENERGIA) PODE RETIRAR ALGUNS P.P. DO PIB EM 2015 E AFETAR BEM ALGUMAS SEGMENTOS
  6. 6. RACIONAMENTO DE ENERGIA E SEU ENCARECIMENTO PARECEM PRÓXIMOS. PEPINO PARA RESOLVER
  7. 7. EPISÓDIO DA PETROBRAS TERÁ SEQUELAS INEVITÁVEIS NOS INVESTIMENTOS DA EMPRESA.
  8. 8. OBRAS PÚBLICAS EM GERAL SOB NOVO ESCRUTÍNIO DE FISCALIZAÇÃO DE LICITAÇÕES ATRASARÃO PROCESSOS LICITATÓRIOS EM GERAL.
  9. 9. CONGRESSO FRAGMENTADO E INCONTROLÁVEL POLITICAMENTE DEVERÁ DIFICULTAR REFORMAS URGENTES.
  10. 10. CENÁRIO EXTERNO MUITO RUIM (COMÉRCIO MUNDIAL CRESCENDO ABAIXO DO PIB MUNDIAL DEPOIS DE DÉCADAS).
  11. 11. QUEDA FORTE DE PREÇOS DAS COMMODITIES, PREJUDICANDO MUITO OS TERMOS DE TROCA BRASILEIROS.
  12. 12. INÍCIO DO FIM DE TODA UMA ERA DE PUJANÇA PUXADA PELA CHINA.
  13. 13. CASO SE MANTENHA, A QUEDA DO PREÇO DO PETRÓLEO EM MAIS DE 30% REDUZIRÁ EM US$ 30 BILHÕES POR ANO DE EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS A PARTIR DE 2018.
  14. 14. MOEDA MAIS DEPRECIADA AUMENTANDO CUSTOS IMPORTADOS AFETAM INVESTIMENTOS NO CURTO PRAZO.
  15. 15. AJUSTE FISCAL BEM MAIS FORTE DO QUE 1999 E 2003 TERÁ IMPACTO CERTO SOBRE ATIVIDADE.
  16. 16. APERTO MONETÁRIO ADICIONAL JÁ CONTRATADO ENCARECERÁ O INVESTIMENTO E O CONSUMO.
  17. 17. DESEMPREGO MAIOR, AINDA QUE NÃO MUITO MAIOR, GERA COMPORTAMENTOS CAUTELOSOS DOS CONSUMIDORES COM CRESCIMENTO MENOR DOS SALÁRIOS E DA RENDA DISPONÍVEL
  18. 18. CRÉDITO MAIS SELETIVO E APETITE POR CRÉDITO MENOR. JUROS MAIS ELEVADOS (EFEITO SELIC)
  19. 19. INDÚSTRIA EM SITUAÇÃO DRAMÁTICA DE 12 TRIMESTRES DE RECESSÃO. MAIOR PROBLEMA BRASILEIRO
  20. 20. ARGENTINA AGRAVANDO SUA SITUAÇÃO E PREJUDICANDO EXPORTAÇÕES BRASILEIRAS DE MANUFATURADOS
  21. 21. INÍCIO PREVISTO DA NORMALIZAÇÃO MONETÁRIA NOS ESTADOS UNIDOS, QUE TENDE A AFETAR FLUXOS DE CAPITAIS PARA PAÍSES EMERGENTES COMO O BRASIL.
  22. 22. OU SEJA, É ALTAMENTE PROVÁVEL QUE HAVERÁ ALGUM DESGASTE POLÍTICO EM MEIO A TANTAS NOTÍCIAS NEGATIVAS REVERBERANDO NA MÍDIA DESDE O INÍCIO DE 2015
  23. 23. SERÁ DE FATO UMA TAREFA POLITICAMENTE DELICADA NA MEDIDA EM QUE A INFLAÇÃO TENDE A AUMENTAR NO INÍCIO DO ANO GRAÇAS À VOLTA DO REALISMO TARIFÁRIO (ENERGIA, ÁGUA, TRANSPORTES, CIDE NA GASOLINA ETC) E DESEMPREGO SUBIRÁ.
  24. 24. O PAPEL DO GOVERNANTE É O DE SEGURAR O TRANCO E RESISTIR À TENTAÇÃO DE ABANDONAR OS ESFORÇOS NA MEDIDA EM QUE OS RESULTADOS TARDEM A APARECER. E ELES VÃO TARDAR!!!
  25. 25. TAMBÉM HÁ UMA BOA NOTÍCIA
  26. 26. BOA NOTÍCIA: BRASIL NÃO SERÁ REBAIXADO PELA S&P
  27. 27. COM AS DEFINIÇÕES NA ÁREA ECONÔMICA, JÁ SABEMOS QUAL CAMINHO O BRASIL TRILHARÁ Dowgrading Outlook positivo
  28. 28. SÓ NOS RESTA APOSTAR NA RECUPERAÇÃO DA CONFIANÇA. NENHUM PROBLEMA BRASILEIRO MERECE SER CLASSIFICADO COMO INSOLÚVEL
  29. 29. “CONFIANÇA É A FORMA MAIS BARATA DE ESTÍMULO ECONÔMICO”LARRY SUMMERS For Brazil, it's not the end of the world
  30. 30. 3030 MAS NESTE MOMENTO, NÃO EXISTEM VETORES (DRIVERS) PARA O CRESCIMENTO BRASILEIRO
  31. 31. NÃO SERÁ O CONSUMO DAS FAMÍLIAS, EM DESACELERAÇÃO DEVIDO AO COMBATE À INFLAÇÃO
  32. 32. NÃO SERÁ O CONSUMO (GASTO) DO GOVERNO DEVIDO AO IMPERATIVO DO AJUSTE FISCAL
  33. 33. NÃO SERÁ A AGRICULTURA QUE SOFRERÁ BEM EM 2015 (MENOS RECURSOS DE FINANCIAMENTO) E QUEDA DE PREÇOS
  34. 34. NÃO SERÁ A CONSTRUÇÃO CIVIL RESIDENCIAL, COMERCIAL OU INDUSTRIAL. MUITA VACÂNCIA E DESACELERAÇÃO DE VENDAS
  35. 35. NÃO SERÃO AS EXPORTAÇÕES, DEVIDO À FRAQUÍSSIMA DEMANDA GLOBAL (CÂMBIO NÃO RESOLVE NO CURTO PRAZO)
  36. 36. NÃO SERÃO OS BANCOS PÚBLICOS QUE PODERÃO IMPULSIONAR O FINANCIAMENTO DO CRESCIMENTO
  37. 37. NÃO SERÃO OS INVESTIMENTOS PRIVADOS AFETADOS PELOS JUROS E POR MENOS BNDES E PELA INCERTEZA REINANTE
  38. 38. OS INVESTIMENTOS EM PETRÓLEO E GÁS (AFETADOS PELO BAIXO PREÇO DO PETRÓLEO) E PELA FALTA CAIXA E FINANCIABILIDADE DA PETROBRAS
  39. 39. NÃO SERÃO OS INVESTIMENTOS DE INFRAESTRUTURA ENQUANTO O DENUNCISMO ESTIVER PRESENTE
  40. 40. PORTANTO, SÓ HÁ O CAMINHO DA CONFIANÇA MACRO E DE UMA AGENDA MICRO PAUTADA PELA PRODUTIVIDADE E CONCESSÕES
  41. 41. TEMOS QUE MUDAR DE CANAL PARA FAZER AS PREVISÕES: NOVO MINDSET NO RADAR
  42. 42. HOUVE ALGUM ERRO DE DIAGNÓSTICO DA ECONOMIA BRASILEIRA NOS ÚLTIMOS ANOS. CLARAMENTE, FOI MAPEADO O MUNDO ERRADO (PRE- GLOBALIZAÇÃO) E DESCONSIDERADO QUE O BRASIL MUDOU (“BELLE ÉPOQUE” É FENÔMENO DATADO)
  43. 43. DAÍ, ESPERA-SE A VOLTA DO TRIPÉ MACROECONÔMICO COM O RETORNO DO PRAGMATISMO, DEPOIS DE ANOS DE EXPERIMENTOS. RESSURGE A POSSIBILIDADE DE SE FAZER PLANOS E DE SE CONSTRUIR UMA PLATAFORMA DE CRESCIMENTO FUTURO
  44. 44. RESULTADO SETOR PÚBLICO SOFRÍVEL
  45. 45. SUPERÁVIT PRIMÁRIO DO SETOR PÚBLICO YTD – EM % DO PIB YTD 4,19% 4,12% 4,20% 4,54% 4,81% 4,18% 4,19% 4,99% 1,99% 2,81% 3,47% 2,45% 1,29% -0,27% -1,00% 0,00% 1,00% 2,00% 3,00% 4,00% 5,00% 6,00% Out/01 Out/02 Out/03 Out/04 Out/05 Out/06 Out/07 Out/08 Out/09 Out/10 Out/11 Out/12 Out/13 Out/14 FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO
  46. 46. DÍVIDA BRUTA DO GOVERNO GERAL EM P.P. DO PIB (SEM PETROBRÁS E ELETROBRÁS) 58,0 55,9 59,1 63,1 61,5 56,5 53,4 54,8 59,9 59,4 56,7 58,1 61,7 62,0 52,0 56,0 60,0 64,0 out/07 dez/07 fev/08 abr/08 jun/08 ago/08 out/08 dez/08 fev/09 abr/09 jun/09 ago/09 out/09 dez/09 fev/10 abr/10 jun/10 ago/10 out/10 dez/10 fev/11 abr/11 jun/11 ago/11 out/11 dez/11 fev/12 abr/12 jun/12 ago/12 out/12 dez/12 fev/13 abr/13 jun/13 ago/13 out/13 dez/13 fev/14 abr/14 jun/14 ago/14 out/14 FONTE: BACEN ELABORAÇÃO: BRADESCO
  47. 47. 47 SE É VERDADE QUE AJUSTE FISCAL POSSA GERAR ALGUM DESEMPREGO, A EVENTUAL MELHORA DA CONFIANÇA SERÁ O MELHOR CAMINHO PARA GERAR MAIS EMPREGOS
  48. 48. TAXA MÉDIA DE DESEMPREGO NAS 6 MAIORES REGIÕES METROPOLITANAS DO PAÍS (*) - % FONTE: IBGE (PME) (*) São Paulo, Rio, BH, Porto Alegre, Recife e Salvador ELABORAÇÃO: BRADESCO 12.3% 11.5% 9.9% 10.0% 9.3% 7.9% 8.1% 6.7% 6.0% 5.5% 5.4% 4.9% 5.7% 05% 06% 07% 08% 09% 10% 11% 12% 13% 14% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015
  49. 49. 49 CONSTRUIR UMA PLATAFORMA PARA UM CRESCIMENTO FUTURO É ISSO QUE IMPORTA
  50. 50. CONHECENDO O PLANO DE VOO DA NOVA EQUIPE ECONÔMICA, BRADESCO REVISA CENÁRIO PARA 2015
  51. 51. 2015 TENDE A SER SEMELHANTE A 2003, APESAR DE OUTRO CONTEXTO HISTÓRICO: UM PRIMEIRO SEMESTRE DE AJUSTES E REFORMAS E UM SEGUNDO SEMESTRE DE RECUPERAÇÃO GRADUAL DA CONFIANÇA
  52. 52. BRASIL VAI CRESCER MEIO (0,5%) : MEIO BOM? OU MEIO RUIM?
  53. 53. FONTE: IBGE, IPEA ELABORAÇÃO: BRADESCO VARIAÇÃO DO PIB DO BRASIL (%) – CENÁRIO REVISADO 5.4 7.8 7.5 3.5 -0.1 3.2 -4.3 1.0 -0.5 4.7 5.3 4.4 2.1 3.4 0.0 0.3 4.3 1.3 2.7 1.1 5.7 3.2 4.0 6.1 5.2 -0.3 7.5 2.7 1.0 2.5 0.2 0.5 -5.0 -3.0 -1.0 1.0 3.0 5.0 7.0 9.0 1984 1985 1986 1987 1988 1989 1990 1991 1992 1993 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 2015* Média 1984-2003: 2,7% Média 2004-2013: 3,8%
  54. 54. 54 BRASIL NÃO TERÁ UM 2015 RECESSIVO. CRESCIMENTO SERÁ BAIXO MAS NÃO HAVERÁ RECESSÃO GRAÇAS À MAIOR CONFIANÇA
  55. 55. 55 NENHUM ECONOMISTA SÉRIO PODE AFIRMAR QUAL VAI SER DE FATO O EFEITO DA MAIOR CONFIANÇA NA ATIVIDADE ECONÔMICA E NAS DECISÕES DOS AGENTES EM 2015
  56. 56. 56 INFLAÇÃO ABAIXO DO TETO
  57. 57. IPCA MENSAL – 2011-2014* 0,37% 0,52% 0,64% 0,43% 0,86% 0,55% 0,24% 0,54% 0,92% 0,40% 0,25% 0,42% 0,51% 0,75% 0,0% 0,1% 0,2% 0,3% 0,4% 0,5% 0,6% 0,7% 0,8% 0,9% 1,0% ago/11 set/11 out/11 nov/11 dez/11 jan/12 fev/12 mar/12 abr/12 mai/12 jun/12 jul/12 ago/12 set/12 out/12 nov/12 dez/12 jan/13 fev/13 mar/13 abr/13 mai/13 jun/13 jul/13 ago/13 set/13 out/13 nov/13 dez/13 jan/14 fev/14 mar/14 abr/14 mai/14 jun/14 jul/14 ago/14 set/14 out/14 nov/14 dez/14
  58. 58. CENÁRIO IPCA 2015 – HIPÓTESES ADMINISTRADOS NOME PESO 2014 2015 Diferença Gasolina 3,74% 0,38% 0,80% 0,42% Produtos farmacêuticos 3,38% 0,64% 0,58% -0,06% Plano de saúde 3,27% 1,25% 1,18% -0,07% Energia elétrica residencial 2,89% 2,05% 2,91% 0,86% Ônibus urbano 2,49% 0,38% 0,81% 0,43% Taxa de água e esgoto 1,41% -0,13% 0,63% 0,76% Telefone celular 1,40% 0,03% 0,14% 0,10% Telefone fixo 1,19% -0,31% -0,11% 0,20% Gás de botijão 1,10% 0,17% 0,13% -0,04% Emplacamento e licença 0,93% 0,12% 0,13% 0,01% Outros 3,01% 0,58% 0,58% 0,00% Administrados 24,81% 5,17% 7,79% 2,62% Contribuição
  59. 59. IPCA ANUAL – 2003-2015* 9,30% 7,60% 5,69% 3,14% 4,46% 5,90% 4,31% 5,91% 6,50% 5,84% 5,91% 6,35% 6,70% 5,20% 0,0% 1,0% 2,0% 3,0% 4,0% 5,0% 6,0% 7,0% 8,0% 9,0% 10,0% 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 2015* 2016*
  60. 60. LIVRES ANUAL - 2001 – 2016* 6,56% 11,49% 7,79% 6,55% 4,32% 2,57% 5,73% 7,05% 4,14% 7,08% 6,29% 6,54% 7,30% 6,58% 6,30% 5,25% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 14,0% 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 2015* 2016*
  61. 61. ADMINISTRADOS ANUAL - 2001 – 2016* 10,76% 15,32% 13,20% 10,19% 8,96% 4,27% 1,65% 3,27% 4,73% 3,13% 8,01% 3,67% 1,52% 5,31% 7,87% 4,72% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 14,0% 16,0% 18,0% 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 2015* 2016*
  62. 62. SERVIÇOS ANUAL - 2001 – 2016* 4,86% 5,54% 7,32% 6,66% 6,77% 5,72% 5,79% 8,10% 6,73% 8,02% 9,79% 8,74% 8,73% 8,08% 6,88% 0,0% 2,0% 4,0% 6,0% 8,0% 10,0% 12,0% 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 2015* 2016* 7,66%
  63. 63. 25,3% 8,7% 12,4% 1,2% 3,8% 7,8% 9,8% -1,7% 11,3% 5,1% 7,8% 5,5% 3,5% 5,4% 5,0% -4,0% 1,0% 6,0% 11,0% 16,0% 21,0% 26,0% 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 2015* 2016* VARIAÇÃO ANUAL DO IGP-M (2000-2016*) FONTE: FGV ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
  64. 64. JUROS:O CICLO DE APERTO DEVERÁ TERMINAR EM 12,50%
  65. 65. 11,75% 13,00% 13,75% 12,75% 11,25% 10,25% 8,75%8,75% 9,50% 10,25% 10,75% 11,25% 12,00% 12,50% 11,00% 10,50% 9,75% 9,00% 8,50% 8,00% 7,25% 8,00% 8,50% 9,00% 9,50% 10,00% 10,50% 10,75%11,00% 11,25% 11,75% 12,50% 6,0% 7,0% 8,0% 9,0% 10,0% 11,0% 12,0% 13,0% 14,0% mar-08 jun-08 set-08 dez-08 mar-09 jun-09 set-09 dez-09 mar-10 jun-10 set-10 dez-10 mar-11 jun-11 set-11 dez-11 mar-12 jun-12 set-12 dez-12 mar-13 jun-13 set-13 dez-13 mar-14 jun-14 set-14 dez-14 mar-15 jun-15 set-15 dez-15 TAXA NOMINAL DE JUROS (SELIC) 2008-2015 FONTE: BCB ELABORAÇÃO: BRADESCO
  66. 66. 6666 TAXA DE CÂMBIO
  67. 67. A MAIOR PREOCUPAÇÃO DO INVESTIDOR EXTERNO TANTO DE RENDA FIXA COMO DE AÇÕES REFERE- SE AO QUE ACONTECERÁ COM A TAXA DE CÂMBIO
  68. 68. SE DE UM LADO A QUEDA DE PREÇOS DE MATÉRIAS PRIMAS DEPRECIA O REAL, POR OUTRO A MAIOR CONFIANÇA, O FIM DO RISCO DE REBAIXAMENTO, O DIFERENCIAL DE JUROS E REALISMO NA AÇÃO DO BACEN NO CÂMBIO PODEM APRECIAR O CÂMBIO
  69. 69. ÍNDICE DE TERMOS DE TROCA 1999 - 2014 FONTE: FUNCEX ELABORAÇÃO: BRADESCO 1996 = 100 88,2 98,1 90,0 96,0 86,9 95,1 88,0 96,0 101,8 97,7 102,7 96,8 108,4 93,6 110,0 125,6 129,1 117,2 116,4 117,5 111,7 109,0 102,6 98,80 112,26 106,03 82 87 92 97 102 107 112 117 122 127 132 jun/99 set/99 dez/99 mar/00 jun/00 set/00 dez/00 mar/01 jun/01 set/01 dez/01 mar/02 jun/02 set/02 dez/02 mar/03 jun/03 set/03 dez/03 mar/04 jun/04 set/04 dez/04 mar/05 jun/05 set/05 dez/05 mar/06 jun/06 set/06 dez/06 mar/07 jun/07 set/07 dez/07 mar/08 jun/08 set/08 dez/08 mar/09 jun/09 set/09 dez/09 mar/10 jun/10 set/10 dez/10 mar/11 jun/11 set/11 dez/11 mar/12 jun/12 set/12 dez/12 mar/13 jun/13 set/13 dez/13 mar/14 jun/14 set/14 dez/14 mar/15 jun/15 set/15 dez/15 Termos de Troca Média Móvel 12 Meses
  70. 70. 20.481 15.288 10.076 14.601 5.050 25.448 31.513 36.000 0 5.000 10.000 15.000 20.000 25.000 30.000 35.000 40.000 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 INGRESSO DE RENDA FIXA NO PAÍS 2007-2015- EM US$ MILHÕES FONTE: BCB ELABORAÇÃO: BRADESCO
  71. 71. O QUE SERÁ MAIS RELEVANTE NA DEFINIÇÃO DA TRAJETÓRIA DO CÂMBIO? FUNDAMENTO OU CONFIANÇA?
  72. 72. TAXA DE CÂMBIO (FINAL DE ANO) - R$/US$ 2000 – 2015 1,96 2,32 3,53 2,89 2,65 2,34 2,14 1,77 2,34 1,74 1,67 1,88 2,04 2,35 2,55 2,65 0,8 1,4 2 2,6 3,2 3,8 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
  73. 73. 73 TODAS AS MOEDAS- COMMODITIES ESTÃO APANHANDO MUITO COM DÓLAR FORTE
  74. 74. 99,45 103,25 103,24 100,23 102,20 103,61 102,05 102,70 101,73 103,17 106,48 105,74 109,96 98 100 102 104 106 108 110 03/04/2013 17/04/2013 01/05/2013 15/05/2013 29/05/2013 12/06/2013 26/06/2013 10/07/2013 24/07/2013 07/08/2013 21/08/2013 04/09/2013 18/09/2013 02/10/2013 16/10/2013 30/10/2013 13/11/2013 27/11/2013 11/12/2013 25/12/2013 08/01/2014 22/01/2014 05/02/2014 19/02/2014 05/03/2014 19/03/2014 02/04/2014 16/04/2014 30/04/2014 14/05/2014 28/05/2014 11/06/2014 25/06/2014 09/07/2014 23/07/2014 06/08/2014 20/08/2014 03/09/2014 17/09/2014 01/10/2014 15/10/2014 29/10/2014 12/11/2014 26/11/2014 10/12/2014 INCLUI EURO E MAIS 25 MOEDAS. MOVIMENTOS PARA CIMA INDICAM APRECIAÇÃO DO DÓLAR APRECIAÇÃO DE 6,9% DESDE 30/JUNHO/14 JAN1997=100 DÓLAR CONTRA CESTA DE MOEDAS (BROAD INDEX) MOVIMENTOS PARA CIMA INDICAM APRECIAÇÃO DO DÓLAR FONTE: FEDERAL RESERVE ELABORAÇÃO: BRADESCO
  75. 75. 75 COROA NORUEGUESA X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 5,95 6,29 6,15 6,32 6,87 6,73 7,16 7,17 5,70 5,90 6,10 6,30 6,50 6,70 6,90 7,10 7,30 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  76. 76. 76 NOVO SOL PERUANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 2,81 2,77 2,79 2,85 2,91 2,93 2,91 2,96 2,75 2,80 2,85 2,90 2,95 3,00 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  77. 77. 77 RAND SUL-AFRICANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 10,84 10,59 10,76 10,51 10,61 11,34 10,85 11,27 10,95 11,54 11,55 10,35 10,55 10,75 10,95 11,15 11,35 11,55 11,75 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  78. 78. 78 DÓLAR NEOZELANDÊS X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 1,19 1,13 1,15 1,18 1,23 1,29 1,28 1,30 1,26 1,27 1,30 1,10 1,15 1,20 1,25 1,30 1,35 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  79. 79. 79 DÓLAR AUSTRALIANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 1,08 1,05 1,07 1,07 1,15 1,13 1,17 1,14 1,18 1,21 1,05 1,07 1,09 1,11 1,13 1,15 1,17 1,19 1,21 1,23 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  80. 80. 80 PESO COLOMBIANO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 1.902 1.846 1.921 1.997 2.045 2.146 2.217 2.280 2.397 1.800,00 1.900,00 2.000,00 2.100,00 2.200,00 2.300,00 2.400,00 2.500,00 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  81. 81. 81 PESO CHILENO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 560,03 548,71 563,06 576,69 593,52 602,22 575,22 594,53 615,80 540,00 550,00 560,00 570,00 580,00 590,00 600,00 610,00 620,00 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  82. 82. 82 DÓLAR CANADENSE X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 1,09 1,06 1,08 1,10 1,09 1,11 1,13 1,12 1,14 1,12 1,13 1,15 1,05 1,07 1,09 1,11 1,13 1,15 1,17 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  83. 83. 83 REAL X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 2,28 2,19 2,26 2,30 2,24 2,49 2,38 2,40 2,61 2,50 2,55 2,62 2,15 2,25 2,35 2,45 2,55 2,65 2,75 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  84. 84. 84 RUBLO RUSSO X US DÓLAR (EIXO INVERTIDO) FONTE: BLOOMBERG 34,90 33,72 36,32 38,19 41,50 47,31 44,84 52,89 54,85 32,15 37,15 42,15 47,15 52,15 57,15 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  85. 85. 85 COTAÇÃO DO EURO (RELAÇÃO DÓLAR-EURO) FONTE: BLOOMBERG 1,35 1,37 1,34 1,34 1,31 1,29 1,25 1,26 1,28 1,24 1,25 1,24 1,20 1,22 1,24 1,26 1,28 1,30 1,32 1,34 1,36 1,38 1,40 jun-14 jul-14 ago-14 set-14 out-14 nov-14 dez-14
  86. 86. CENÁRIO INTERNACIONAL
  87. 87. MUNDO SEM SINAIS CLAROS PARA ONDE CAMINHA A ECONOMIA GLOBAL
  88. 88. JUROS DE 10 ANOS NOS ESTADOS UNIDOS E NA ALEMANHA 2011-2014 % FONTE: BLOOMBERG, BRADESCO 2,36 1,87 2,06 1,63 2,74 2,99 2,50 3,03 2,58 2,46 2,64 2,34 2,61 2,14 2,39 2,17 1,17 1,30 1,17 1,52 2,04 1,69 1,96 1,69 1,43 1,16 0,88 1,08 0,76 0,67 0,60 1,10 1,60 2,10 2,60 3,10 11/02/12 11/03/12 11/04/12 11/05/12 11/06/12 11/07/12 11/08/12 11/09/12 11/10/12 11/11/12 11/12/12 11/01/13 11/02/13 11/03/13 11/04/13 11/05/13 11/06/13 11/07/13 11/08/13 11/09/13 11/10/13 11/11/13 11/12/13 11/01/14 11/02/14 11/03/14 11/04/14 11/05/14 11/06/14 11/07/14 11/08/14 11/09/14 11/10/14 11/11/14 11/12/14 Treasury 10 anos Juros 10 anos - Alemanha
  89. 89. FORTE CRIAÇÃO DE VAGAS NOS EUA VOLTA A GERAR ENTUSIASMO, MAS MERCADO SEGUE CAUTELOSO
  90. 90. FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO CRIAÇÃO DE VAGAS COM AJUSTE SAZONAL -324 125 -210 332 67 315 118 -214 -798 -467 516 -122 241 106 360 88 280 84 304 321 -900 -600 -300 0 300 600 set/01 nov/01 jan/02 mar/02 mai/02 jul/02 set/02 nov/02 jan/03 mar/03 mai/03 jul/03 set/03 nov/03 jan/04 mar/04 mai/04 jul/04 set/04 nov/04 jan/05 mar/05 mai/05 jul/05 set/05 nov/05 jan/06 mar/06 mai/06 jul/06 set/06 nov/06 jan/07 mar/07 mai/07 jul/07 set/07 nov/07 jan/08 mar/08 mai/08 jul/08 set/08 nov/08 jan/09 mar/09 mai/09 jul/09 set/09 nov/09 jan/10 mar/10 mai/10 jul/10 set/10 nov/10 jan/11 mar/11 mai/11 jul/11 set/11 nov/11 jan/12 mar/12 mai/12 jul/12 set/12 nov/12 jan/13 mar/13 mai/13 jul/13 set/13 nov/13 jan/14 mar/14 mai/14 jul/14 set/14 nov/14
  91. 91. CRESCIMENTO AMERICANO COM O RESTO DO MUNDO EM ESTAGNAÇÃO TEM JEITO DE VOO DE GALINHA
  92. 92. CHINA: PIB - VARIAÇÃO ANUAL 9.3 7.8 7.6 8.4 8.3 9.1 10.1 11.3 12.7 14.2 9.6 9.2 10.4 9.3 7.7 7.7 7.3 6.5 6.2 0.0 2.0 4.0 6.0 8.0 10.0 12.0 14.0 16.0 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 FONTE: CEIC ELABORAÇÃO: BRADESCO
  93. 93. 93 COMMODITIES EM MARÉ MUITO BAIXA SEM PERSPECTIVAS EM 2015
  94. 94. AMPLIA-SE O CONSENSO DE QUE A ECONOMIA MUNDIAL APRESENTA UM QUADRO DE ESTAGNAÇÃO MAIS PROLONGADA DO QUE O MERCADO SUPUNHA
  95. 95. ÍNDICE MUNDIAL DE COMMODITIES - CRB FUTURO FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO 305,2 312,9 310,8 307,1 296,0 298,3 292,5 293,8 287,0 292,8 277,7 283,1 275,6 274,9 266,7 258,8 251,1 246,2 240 250 260 270 280 290 300 310 320 10/06/14 14/06/14 18/06/14 22/06/14 26/06/14 30/06/14 04/07/14 08/07/14 12/07/14 16/07/14 20/07/14 24/07/14 28/07/14 01/08/14 05/08/14 09/08/14 13/08/14 17/08/14 21/08/14 25/08/14 29/08/14 02/09/14 06/09/14 10/09/14 14/09/14 18/09/14 22/09/14 26/09/14 30/09/14 04/10/14 08/10/14 12/10/14 16/10/14 20/10/14 24/10/14 28/10/14 01/11/14 05/11/14 09/11/14 13/11/14 17/11/14 21/11/14 25/11/14 29/11/14 03/12/14 07/12/14 11/12/14
  96. 96. BAIXO PREÇO DO PETRÓLEO É UMA REAL AMEAÇA DOS ÁRABES AO SHALE OIL DOS ESTADOS UNIDOS
  97. 97. E PRODUTORES MARGINAIS DE SHALE OIL NÃO SÃO EFICIENTES AO PREÇO ATUAL DE PETRÓLEO
  98. 98. PREÇO DE PETRÓLEO PODERÁ SUBIR NO MÉDIO PRAZO, POIS POÇOS DE SHALE-OIL SE EXAUREM RAPIDAMENTE
  99. 99. 146,08 106,04 36,61 61,10 88,94 126,65 125,98 89,23 118,90 97,69 116,61 103,46 115,06 83,78 63,77 30 50 70 90 110 130 150 16/04/2008 31/05/2008 15/07/2008 29/08/2008 13/10/2008 27/11/2008 11/01/2009 25/02/2009 11/04/2009 26/05/2009 10/07/2009 24/08/2009 08/10/2009 22/11/2009 06/01/2010 20/02/2010 06/04/2010 21/05/2010 05/07/2010 19/08/2010 03/10/2010 17/11/2010 01/01/2011 15/02/2011 01/04/2011 16/05/2011 30/06/2011 14/08/2011 28/09/2011 12/11/2011 27/12/2011 10/02/2012 26/03/2012 10/05/2012 24/06/2012 08/08/2012 22/09/2012 06/11/2012 21/12/2012 04/02/2013 21/03/2013 05/05/2013 19/06/2013 03/08/2013 17/09/2013 01/11/2013 16/12/2013 30/01/2014 16/03/2014 30/04/2014 14/06/2014 29/07/2014 12/09/2014 27/10/2014 11/12/2014 COTAÇOES DO PETRÓLEO TIPO BRENT - US$/BARRIL FONTE: BLOOMBERG ELABORAÇÃO: BRADESCO
  100. 100. -4,314 -6,418 -3,964 -3,164 -2,653 -5,791 -4,586 -4,156 -6,289 -11,133 -3,985 -7,054 -10,949 -9,225 -23,398 -18,730 -9,401 -7,693 -2,736 11,388 -28,000 -21,000 -14,000 -7,000 0 7,000 14,000 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018 BALANÇA COMERCIAL PETRÓLEO E DERIVADOS 1999 - 2018 FONTE: SECEX/MDIC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO EM US$ MILHÕES
  101. 101. FONTE: SECEX/MDIC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO SALDO COMERCIAL 1995 - 2015 US$ MILHÕES -3.466 -5.599 -6.753-6.575 -1.199 -698 2.650 13.121 24.794 33.641 44.703 46.457 40.032 24.836 25.290 20.147 29.807 19.431 2.553 -3.591 -2.255 2.174 17.304 24.462 -14.000 -7.000 0 7.000 14.000 21.000 28.000 35.000 42.000 49.000 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 2016 2017 2018
  102. 102. EXPORTAÇÕES 1998 – 2015 – EM US$ MILHÕES 51.14048.011 55.08658.22360.439 73.203 96.677 118.530 137.807 160.649 197.943 152.995 201.918 256.048 242.179 226.104 213.318 0 50.000 100.000 150.000 200.000 250.000 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 FONTE: SECEX/MDIC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
  103. 103. CORRENTE DE COMÉRCIO: BRASIL COM A CHINA (US$ MILHÕES) FONTE: MDIC ELABORAÇÃO: BRADESCO 103 Dado de 2014 refere-se ao acumulado até nov14 2,307 3,231 4,075 6,681 9,152 12,190 16,393 23,370 36,447 36,915 56,381 77,105 75,479 83,330 79,303 0 10,000 20,000 30,000 40,000 50,000 60,000 70,000 80,000 90,000 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014
  104. 104. IMPORTAÇÕES 1998 – 2015 – EM US$ MILHÕES 57.730 49.248 55.83755.572 47.24048.291 62.835 73.606 91.351 120.621 173.184 127.637 181.594 226.214 223.143 239.626 229.696 215.573 0 50.000 100.000 150.000 200.000 250.000 300.000 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 F O N T E : S E C E X E L A B O R A Ç Ã O : B B V A B R A SI L FONTE: SECEX/MDIC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
  105. 105. CORRENTE DE COMÉRCIO 1998 – 2015 – EM US$ MILHÕES 108,87097,259110,923 113,795107,679 121,494 159,512 192,136 229,158 281,270 371,127 280,632 383,512 482,262 465,722 481,804 455,800 428,891 35,000 85,000 135,000 185,000 235,000 285,000 335,000 385,000 435,000 485,000 535,000 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 FONTE: SECEX/MDIC ELABORAÇÃO E PROJEÇÃO: BRADESCO
  106. 106. CONTA CORRENTE EM MILHÕES E % PIB - 1994 - 2015 FONTE: BCB PROJEÇÃO: BRADESCO -1,811 -18,384 -23,502 -30,452 -33,416 -25,335-24,225 -23,215 -7,637 4,177 11,679 13,985 13,643 1,551 -28,192 -24,302 -47,273 -52,480 -54,283 -81,379 -87,814-86,685 -98,000 -89,000 -80,000 -71,000 -62,000 -53,000 -44,000 -35,000 -26,000 -17,000 -8,000 1,000 10,000 19,000 1994 1995 1996 1997 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014 2015 -4,0% GDP -4,0% GDP
  107. 107. INVESTIMENTO DIRETO ESTRANGEIRO 1995 - 2015 FONTE: BCB ELABORAÇÃO E (*) PROJEÇÃO: BRADESCO US$ MILHÕES 28,856 28,578 32,779 22,457 16,590 10,144 18,146 15,066 18,822 34,585 45,058 25,949 48,506 66,660 65,272 63,996 61,500 64,000 0 10,000 20,000 30,000 40,000 50,000 60,000 70,000 80,000 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013 2014* 2015*
  108. 108. COM O NOVO MINDSET (ATITUDE) NA POLÍTICA ECONÔMICA, O MUNDO ESTARÁ CONFORTAVELMENTE DISPOSTO A FINANCIAR O DÉFICIT EM CONTA CORRENTE DO BRASIL
  109. 109. CARGA TRIBUTÁRIA NÃO TERÁ ALÍVIO TÃO CEDO
  110. 110. RECEITA TRIBUTÁRIA (% PIB) - TOTAL FONTE: RECEITA FEDERAL ELABORAÇÃO: BRADESCO 27,8% 29,0% 30,4% 31,3% 31,9% 31,4% 32,2% 33,4% 33,4% 34,5% 34,5% 33,3% 33,5% 35,3% 35,9% 36,4% 20,0% 22,0% 24,0% 26,0% 28,0% 30,0% 32,0% 34,0% 36,0% 38,0% 1998 1999 2000 2001 2002 2003 2004 2005 2006 2007 2008 2009 2010 2011 2012 2013
  111. 111. EM RESUMO, SÓ HÁ O CAMINHO DA CONFIANÇA MACRO E DE UMA AGENDA MICRO PAUTADA PELA PRODUTIVIDADE E CONCESSÕES
  112. 112. BRASIL É GRANDE E DIVERSIFICADO E OPORTUNIDADES NÃO FALTAM
  113. 113. 20 MAIORES ECONOMIAS DO MUNDO EM 2013 (EM TRILHÕES DE DÓLARES) 16.80 9.25 4.90 3.64 2.74 2.52 2.24 2.09 1.74 1.83 1.50 1.49 1.36 1.33 1.20 0.87 0.82 0.80 0.72 0.65 0.00 2.00 4.00 6.00 8.00 10.00 12.00 14.00 16.00 18.00 1EUA 2China 3Japão 4Alemanha 5França 6ReinoUnido 7Brasil 8Rússia 9Itália 10Canadá 11Índia 12Austrália 13Espanha 14México 15CoreiadoSul 16Indonésia 17Turquia 18Holanda 19ArábiaSaudita 20Suíça FONTE: FMI; IBGE ELABORAÇÃO: BRADESCO
  114. 114. BRASIL PRECISA CORRER COM OS AJUSTES E CORREÇÕES DE ROTA NECESSÁRIOS PORQUE OS PRÓXIMOS 4 ANOS SERÃO MUITO DESAFIADORES
  115. 115. 0,2% 0,5% 2,5% 3,0% 3,5% 0,0% 0,9% 1,8% 2,7% 3,6% 2014 2015 2016 2017 2018 CRESCIMENTO DO PIB BRASILEIRO
  116. 116. 116116 FIM

×