Inteligência emocional - Daniel Goleman

1.241 visualizações

Publicada em

A Psicologia das emoções, Liderança

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.241
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
289
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inteligência emocional - Daniel Goleman

  1. 1. INTELIGÊNCIA EMOCIONAL
  2. 2. O Desafio de Aristóteles Qualquer um pode zangar-se isso é fácil. Mas zangar-se com a pessoa certa, na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo e da maneira certa não é fácil. ARISTÓTELES, Ética a Nicômaco Era uma tarde de agosto insuportavelmente sufocante, na cidade de Nova Iorque, um daqueles dias calorentos, que deixam as pessoas mal-humoradas e desconfortáveis. Eu voltava para um hotel, e, ao entrar num ônibus na avenida Madison, fiquei surpreso com o motorista, um negro de meia- idade e largo sorriso, que me acolheu com um amistoso "Oi! Como vai?" saudação feita a todos os outros que entraram no ônibus, enquanto serpeávamos pelo denso tráfico do centro da cidade. Cada passageiro se surpreendia tanto quanto eu, mas, presos ao péssimo clima do dia, poucos Ihe retribuíam o cumprimento. À medida que o ônibus se arrastava pelo quadriculado traçado da cidade, porém, foi-se dando uma lenta, ou melhor, uma mágica transformação. O motorista monologava continuamente para nós um animado comentário sobre o cenário que passava à nossa volta: havia uma liquidação sensacional naquela loja, uma exposição maravilhosa naquele museu, já souberam do novo filme que acabou de estrear naquele cinema logo mais adiante na quadra? O prazer dele com a riqueza de possibilidades que a cidade oferecia era contagiante. Quando as pessoas desciam do ônibus, já se haviam livrado da concha de mau humor com que tinham entrado, e, quando o motorista Ihes dirigia um sonoro "Até logo, tenha um ótimo dia!", todas Ihe davam uma resposta sorridente. A lembrança desse encontro me acompanha há quase vinte anos. Quando viajei naquele ônibus da avenida Madison, acabara de concluir meu doutorado em psicologia mas pouca atenção se dedicava na psicologia da época a exatamente como podia se dar
  3. 3. uma tal transforrnação A ciência psicológica pouco ou nada conhecia dos mecanismos da emocão E, no entanto, ao imaginar a propagação do vírus de bem-estar que deve ter-se alastrado pela cidade começando pelos passageiros de seu ônibus, vi que aquele motorista era uma espécie de pacificador urbano, uma espécie de feiticeiro, em seu poder de transmutar a soturna irritabilidade que fervilhava nos passageiros, amolecer e abrir um pouco seus corações. Em gritante contraste, algumas matérias de jornal daquela semana: Numa escola local, um garoto de nove anos causa uma devastação derramando tinta nas carteiras, computadores e impressoras, e vandalizando um carro no estacionamento da escola. Motivo: alguns colegas da terceira série o haviam chamado de "boneca", e ele quis impressioná-los. Oito jovens saem feridos porque um encontrão involuntário, numa multidão de adolescentes diante de um clube de rap em Manhattan, leva a uma troca de empurrões que só terminam quando um dos garotos ofendidos passa a disparar uma pistola automática calibre 38 contra a multidão. A notícia observa que esses tiroteios por ofensas aparentemente menores, vistas como atos de desrespeito, se tornaram cada vez rnais comuns em todo o país nos últimos anos. Das vítimas de assassinato com menos de doze anos, diz uma notícia, 57 por cento dos assassinos são os próprios pais ou padrastos. Em quase metade dos casos, os pais dizem que estavam "apenas tentando disciplinar o filho". As surras fatais foram provocadas por "infrações" como a criança ficar na frente da TV, chorar ou sujar toalhas. Um jovem alemão é julgado pelo assassinato de cinco mulheres e meninas turcas, num incêndio que ateou quando elas dormiam Membro de um grupo neonazista, ele diz que não consegue manter
  4. 4. os _________ _ _ ___ __ ____ _ __ _______ _ empregos, que bebe e culpa os estrangeiros por sua má sorte. Numa voz mal aldível, implora: "Não paro de lamentar o que fizemos, e me sinto infinitamente enveronhado.” As notícias de todo dia nos chegam pejadas de informações sobre a desintegração da civilidade e da segurança, uma onda de impulso mesquinho que corre desenfreada. Mas as notícias apenas nos refletem de volta, em maior escala, um arrepiante senso de emoções descontroladas em nossas vidas e nas das pessoas que nos cercam. Ninguém está protegido dessa instável maré de descontrole e arrependimento, que alcança nossas vidas de uma maneira ou de outra. A última década viu um constante trombeteamento de informações como essas, retratando o aumento de inépcia emocional, desespero e inquietação em nossas famílias, comunidades, e em nossas vidas coletivas. Esses anos escreveram a crônica de uma raiva e desespero crescentes, seja na calma solidão das crianças trancadas com a TV em vez de uma babá, no sofrimento das crianças abandonadas, esquecidas ou violentadas, ou na desagradável intimidade da violência conjugal. Pode-se ler a doença emocional alastrando-se em números que revelam um salto da depressão em todo o mundo, e nos lembretes da repentina onda de agressão adolescentes com armas nas escolas, infrações de trânsito na estrada, que terminam em tiros, ex-empregados descontentes que massacram antigos colegas de trabalho. Abuso emocional, drive-by shooting [rajadas de tiros disparadas de um carro em movimento] e tensão pós-traumática entraram no léxico comum americano da última década, enquanto o slogan do momento passou do alegre "Tenha um bom dia" para o petulante "Faça meu dia". Este livro é um guia para extrair sentido do que não tem. Como psicólogo e, na última década, jomalista de The New York Times,
  5. 5. venho acompanhando a evolução de nossa compreensão científica do campo do irracional. Dessa posição, chamaram-me a atenção duas tendências opostas, uma que retrata uma calamidade cada vez maior em nossa vida emocional comum, outra que oferece alguns remédios auspiciosos. POR QUE ESTE EXAME AGORA ? A última década, apesar das notícias ruins, também assistiu a uma explosão sem paralelos de estudos científicos da emoção. O mais sensacional são as visões do cérebro em funcionamento, possibilitadas por métodos inovadores como as novas tecnologias para obter imagens desse órgão. Elas tomaram visível, pela primeira vez na história humana, o que sempre foi uma fonte de profundo mistério: exatamente como age essa intricada massa de células, quando pensamos, imaginamos e sonhamos. Essa inundação de dados neurobiológicos permite-nos entender mais claramente que nunca como os centros nervosos nos levam à ira ou às lágrimas, e, como partes mais antigas do cérebro, que nos incitam a fazer a guerra e o amor, são canalizadas para o melhor ou o pior. Essa luz sem precedentes sobre os mecanismos das emoções e suas deficiências põe em foco alguns novos remédios para nossa crise emocional coletiva. Tive de esperar que a colheita científica estivesse suficientemente completa para escrever este livro. Essas intuições saem tão atrasadas em grande parte porque o lugar dos sentimentos na vida mental foi surpreendentemente desprezado pela pesquisa ao longo dos anos, deixando as emoções como um continente em grande parte inexplorado pela psicologia científica. Nesse vazio, despejou- se uma enxurrada de livros de auto-ajuda, conselhos bem- intencionados baseados, na melhor das hipóteses, em opiniões clínicas, mas sem muita base científica, se alguma existia. Hoje a ciência pode finalmente abordar com autoridade essas questões
  6. 6. urgentes e desorientadoras da psique, no que ela tem de mais irracional, para mapear com alguma precisão o coração humano. _________ _ _ ___ __ ____ _ __ _______ _ Esse mapeamento propõe um desafio aos que defendem uma visão estreita da inteligência, afirmando que o Ql é um dado genético que não se pode mudar com a experiência de vida, e que nosso destino é em grande parte detemminado por essas aptidões. Esse argumento ignora a questão mais desafiante: o que podemos mudar para ajudar nossos filhos a se darem melhor na vida? Que fatores entram em jogo, por exemplo, quando pessoas de alto QI malogram e as de QI modesto se saem surpreendentemente bem.? Eu diria que a diferença muitas vezes está nas aptidões aqui chamadas de inteligência emocional, que incluem autocontrole, zelo e persistência, e a capacidade de nos motivar a nós mesmos. E essas aptidões, como vamos ver, podem ser ensinadas às crianças, proporcionando-lhes uma melhor oportunidade de empregar qualquer potencial intelectual que Ihes tenha dado a loteria genética. Além dessa possibilidade, surge um premente imperativo moral. Estes são tempos em que o tecido social parece esgarçar-se com uma rapidez cada vez maior, em que o egoísmo, a violência e a mesquinhez de espírito parecem estar fazendo apodrecer a bondade de nossas vidas comunitárias. Aqui, a defesa da importância da inteligência emocional depende da ligação entre sentimento, caráter e instintos morais. Há crescentes indícios de que posições éticas fundamentais na vida vêm de aptidões emocionais subjacentes. Por exemplo, o impulso é o veículo da emoção; a semente de todo impulso é um sentimento explodindo para expressar-se em ação. Os que estão à mercê dos impulsos - os que não têm autocontrole sofrem de uma deficiência moral. A capacidade de controlar os impulsos é a base da força de vontade e do caráter. Justamente por isso, a raiz do altruísmo está na empatia,
  7. 7. a capacidade de ler emoções nos outros; sem um senso da necessidade ou desespero do outro, não há envolvimento. E se há duas posições morais que nossos tempos exigem são precisamente estas, autocontrole e piedade. Neste livro, eu atuo como um guia numa viagem por essas intuições científicas das emoções, uma viagem que visa a levar maior compreensão a alguns dos mais intrigantes momentos de nossas vidas e do mundo que nos cerca. O fim da jornada é entender o que significa e como levar inteligência à emoção. Essa compreensão, em si mesma, pode ajudar em certa medida; o levar cognição ao campo do sentimento tem um efeito meio parecido com o impacto do observador no nível do quantum na física, que altera o que observa. Nossa viagem começa na Parte Um, com as novas descobertas sobre arquitetura emocional do cérebro, que oferecem uma explicação daqueles momentos mais desconcertantes de nossas vidas, quando o sentimento esmaga toda racionalidade. A compreensão da interação das estruturas do cérebro, que comandam nossos momentos de ira e medo ou paixão e alegria, revelam muita coisa sobre como aprendemos os hábitos emocionais, que solapam nossa melhores intenções, e também o que podemos fazer para dominar nossos impulsos emocionais mais destrutivos, ou que já trazem em si sua própria derrota. Mais importante ainda, os dados neurológicos sugerem uma janela de oportunidade para moldar os hábitos emocionais de nossos filhos. A grande parada seguinte em nossa viagem, a Parte Dois deste livro, mostra como os dados neurológicos atuam sobre o instinto básico para viver chamado inteligência emocional: poder, por exemplo, conter o impulso emocional; ler os sentimentos mais íntimos de outrem; lidar tranqüilamente com relacionamentos
  8. 8. como disse Aristóteles, a rara capacidade de "zangar-se com a pessoa certa na medida certa, na hora certa, pelo motivo certo, e da maneira certa". _________ _ _ ___ __ ____ _ __ _______ _ (Os leitores que não sentem atração por detalhes neurológicos talvez prefiram passar direto para essa parte.) Esse modelo ampliado do que significa ser "inteligente" põe as emoções no centro das aptidões para viver. A Parte Três examina algumas diferenças fundamentais que faz essa aptidão: como esses talentos preservam nossos relacionamentos mais valiosos, ou como a ausência deles os corrói; como a forças de mercado que estão remodelando nossa vida profissional dão um valor sem precedentes à nossa inteligência emocional para o êxito no emprego e como as emoções nocivas põem tanto em risco nossa saúde física quanto fumar um cigarro atrás do outro, assim como o equilíbrio emocional nos ajuda a ajuda a proteger nossa saúde e bem-estar. Nossa herança genética nos dota a cada um de uma série de pontos-chave que determinam nosso temperamento. Mas os circuitos cerebrais envolvidos são extraordinariamente maleáveis; temperamento não é destino. Como mostra Parte Quatro, as lições emocionais que aprendemos na infância, em casa e na escola, modelam circuitos emocionais, tornando-nos mais aptos ou inaptos nos fundamentos da inteligência emocional. Isso significa que a infância e adolescência são janelas críticas de oportunidade para determinar os hábitos emocionais básicos que irão governar nossas vidas. A Parte Cinco examina que riscos aguardam aqueles que, ao chegarem à maturidade, não dominam o campo emocional como as deficiências em inteligência emocional ampliam a gama de riscos, desde a depressão ou uma vida de violência até os problemas com
  9. 9. comida e o vício das drogas. E documenta como escolas pioneiras estão ensinando às crianças as aptidões emocionais e sociais que elas necessitam para manter a vida nos trilhos. Talvez o dado individual mais perturbador deste livro venha de uma maciça pesquisa com pais e professores, revelando uma tendência mundial da geração atual de crianças a ser mais emocionalmente perturbada que a última: mais solitária e deprimida, mais revoltada e rebelde, mais nervosa e propensa à preocupar-se, mais impulsiva e agressiva. Se há um remédio, acho que deve estar em como preparamos nossos jovens para a vida. No momento, deixamos a educação emocional de nossos filhos ao acaso, com conseqüências cada vez mais desastrosas. Uma das soluções é uma nova visão do que as escolas podem fazer para educar o aluno todo, juntando mente e coração na sala de aula. Nossa viagem termina com visitas a classes inovadoras, que visam a dar às crianças uma base dos fundamentos da inteligência emocional. Já antevejo um dia em que a educação incluirá como prática de rotina a instilação de aptidões humanas essenciais como autoconsciência, autocontrole e empatia, e das artes de ouvir, resolver conflitos e cooperar. Em Ética a Nicômano, inquirição filosófica de Aristóteles sobre virtude, caráter e uma vida justa, seu desafio é controlar nossa vida emocional com inteligência. Nossas paixões, quando. bem exercidas, têm sabedoria; orientam nosso pensamento, nossos valores, nossa sobrevivência. Mas podem facilmente cair em erro, e o fazem com demasiada freqüência. Como viu Aristóteles, o problema não está na emocionalidade, mas na adequação da emoção e sua manifestação. A questão é: como podemos levar inteligência às nossas emoções, civilidade às nossas ruas e envolvimento à nossa vida comunitária? _________ _ _ ___ __ ____ _ __ _______ _
  10. 10. PARTE UM - O CÉREBRO EMOCIOMAL Para que Servem as Emoções?

×