Uma História Difícil                           Por                         Ton GilCopyright 2011 todos osdireitos reservad...
1. INT. TEATRO-ESCOLA (DIA)O professor THOMAS está sentado na beira do palco italianocom uma LANTERNA na BOCA analisando p...
2.PORTA TEATROOs alunos começam a chegar. Vão descendo o corredor doteatro e se acomodando nas poltronas. DINIZ e CAMERONs...
3.PALCOThomas que está sentado no canto do palco com as mãos nacabeça levanta abruptamente.                    THOMAS     ...
CONTINUED:                                             4.                       DINIZ             Putz, boa idéia hein? Po...
CONTINUED:                                             5.                       CAPRIO             Tá dizendo que não sei ...
CONTINUED:                                              6.Cameron parte para cima de Caprio.                       THOMAS ...
CONTINUED:                                             7.                        TORNADO             Racista!Tornado desce...
CONTINUED:                                             8.Pereio bate com as mãos espalmadas no chão.                      ...
CONTINUED:                                             9.                       BEAUVOIR (cont’d)             nosso própri...
CONTINUED:                                             10.                       NARRADOR             Guerra, guerreiro ve...
CONTINUED:                                            11.                       THOMAS             Porra! Briga de novo?Th...
CONTINUED:                                             12.                       TORNADO             Tá sim. Não gosto de ...
CONTINUED:                                            13.                       THOMAS             Inacreditável.         ...
CONTINUED:                                            14.                       THOMAS             Mas o final cacete? Não...
CONTINUED:                                           15.                       TODOS             Ooooooohhhhhhhhh!!!!     ...
CONTINUED:                                          16.CameronTornadoBeauvoirDieselGuerraPasoliniNarrador MalaDireção:MOOR...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Uma história difícil

326 visualizações

Publicada em

Roteiro feito de sacanagem para a Escola de Cinema Darcy Ribeiro.

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
326
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
4
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Uma história difícil

  1. 1. Uma História Difícil Por Ton GilCopyright 2011 todos osdireitos reservados.Registrado na BibliotecaNacional, FNBC 189990.003/23
  2. 2. 1. INT. TEATRO-ESCOLA (DIA)O professor THOMAS está sentado na beira do palco italianocom uma LANTERNA na BOCA analisando papéis. Conforme oNARRADOR fala vamos nos aproximando dele. NARRADOR Este é Thomas. Um pacato professor de teatro da cidade de Piranópolis da Batatinha do Sul. Ele é casado com a linda Torres e tem como amantes Gabi e Gianni seus amigos celebridades do showtime da tv. Mas não se enganem meus amigos, ele é uma boa pessoa, para entendermos seu comportamento temos que nos aproximar de seu coração, temos que nos aproximar de sua mente...Batemos na cabeça de Thomas que se assusta e coloca a mãona cabeça esfregando-a. THOMAS Porra! NARRADOR Foi mal...Nos afastamos rapidamente de Thomas. Por trás de Thomasaparece CAPRIO com seus cabelos loiros levemente compridosolhando seriamente para ele. Thomas toma outro susto. THOMAS Cacete! O que você está fazendo aí? CAPRIO Nada, só vendo esta cena de exposição ridícula. THOMAS É hoje...Caprio num movimento lentíssimo, balança seus cabelos aovento sensualmente, jogando-os de um lado para o outro: CAPRIO A minha voz continua a mesma, mas meus cabelos, aaaahhhhh... Perucas Caprio, tá?
  3. 3. 2.PORTA TEATROOs alunos começam a chegar. Vão descendo o corredor doteatro e se acomodando nas poltronas. DINIZ e CAMERONsobem ao palco e começam a recitar algum trecho da peçaRomeu e Julieta de Shakespeare. CAMERON Quisera eu ser seu passarinho... DINIZ O mesmo eu queria, mas de tanto te acariciar acabaria por te matar.Conversas paralelas acontecem. O barulho no ambientecomeça a ficar insuportável.PALCO THOMAS Aí galerinha, vamos fazer silêncio para começar a aula?Ninguém responde. As conversas continuam. THOMAS Ok, ok. Mais cinco minutinhos para vocês se acomodarem.RELÓGIOO tempo passa rapidamente e os ponteiros marcam a passagemde 20 minutos.PLATÉIAPEREIO com os pés em cima da poltrana da frente reclama. PEREIO Ô caralho, esta merda não começa não, porra?2 mulatas aparecem dançando ao lado de Pereio que com alíngua de fora olha para ambos os lados babando. NARRADOR Pereio, este gosta muito!!!
  4. 4. 3.PALCOThomas que está sentado no canto do palco com as mãos nacabeça levanta abruptamente. THOMAS Isso! Isso! Isso! Vamos começar a aula! Silêncio! S-I-L-Ê-N-C-I-O!!!!Todos se calam. Diniz e Cameron continuam no palcorecitando. Thomas vai atrás do palco e pega um extintor deincêndio e borrifa o gás em Diniz e Cameron que seassustam e descem do palco resmungando.PLATÉIACapprio que está com as mãos por dentro da blusa deBEAUVOIR apalpando seus seios toma um susto. CAPRIO Pô professa! Não precisa gritar cacete! Por que não pediu antes?Thomas suspira.PALCO/PLATÉIAThomas andando de um lado para o outro do palco egesticulando com as mãos começa a aula. THOMAS Bem rapaziada, estamos no final do curso. Como todos sabem precisamos de um projeto final. Eu queria aproveitar o festival de cinema deste ano e fazer um filme... O que vocês acham? CAPRIO Mas professa, o curso não é de teatro? Como vamos fazer um filme? THOMAS Teatro, cinema, tv, publicidade, tudo a mesma merda, quero dizer, coisa...Thomas resmunga um "merda" baixinho. THOMAS E ainda de quebra se vencermos o festival isso iria contar no currículo de vocês. (CONTINUED)
  5. 5. CONTINUED: 4. DINIZ Putz, boa idéia hein? Por mim está fechado! Rumo a Hollywood!Luzes de polícia (giroscópio) cintilam alucinadamente.Sons de sirenes ecoam. Um fog londrino se levanta. Dinizaparece de máscara anti-gás. Folhas de maconha e símbolosde paz & amor digitam o seu nome.Todos entram em alvoroço. THOMAS Então que tal começar a história, hein?MOORE, um aluno gordinho, de barba mal-feita e de boné selevanta e pede a palavra. MOORE Professor, será que eu podia filmar o processo de criação? Fazer um making of?Um carimbo aparece na tela com os dizeres: "Moore: Averdade doa a quem doer!". THOMAS Opa! Maravilha! Ótima idéia!Moore sobe ao palco com sua câmera digital e some por trásdas sombras. CAPRIO Seja lá qual for a história eu serei o personagem principal. PEREIO Porque caralho? CAPRIO Ué? Porque sou o mais bonito desta joça aqui... CAMERON Isso é verdade! Concordo plenamente. Nem precisa saber atuar, o lance é ser bonito. Assim fica mais fácil de arranjar dinheiro para a produção.Chovem CÉDULAS de DINHEIRO.Um AVATAR AZUL passa dançando na nossa frente carregandouma placa escrita: "CAMERON". (CONTINUED)
  6. 6. CONTINUED: 5. CAPRIO Tá dizendo que não sei atuar? Como acha que estou me formando nesta porra? THOMAS Ô! Vamos parar por aí. Cameron, ninguém vai precisar arranjar dinheiro nenhum. A escola vai bancar tudo. CAMERON Cambada de caipiras. Nunca vão chegar a Hollywood... CAPRIO Caipira é você ô mané! CAMERON Você que é mané! CAPRIO E você é um bobão! CAMERON Cara de boi! CAPRIO Cara de boi é a sua mãe! CAMERON Cara de queijo! CAPRIO Cara de queijo é quem chama, abre a porta e cai na cama! CAMERON Debaixo da sua cama tem um bicho que te ama! CAPRIO Cara de paçoca torta! CAMERON Paçoca torta é quem se importa e o rabo da porca entorta! CAPRIO Cara de queijo! CAMERON Cara de queijo já falou mané! CAPRIO Ah é? Então levanta o rabo do gato e dá um beijo! (CONTINUED)
  7. 7. CONTINUED: 6.Cameron parte para cima de Caprio. THOMAS Vamos parar com isso!!!Thomas olha para os alunos. THOMAS Alguém aparta isso pelo amor de deus!Os alunos estão excitados e riem da briga.TORNADO um negro alto e gordo pega Cameron e Caprio peloscolarinhos joga-os cada um para um lado.Música da novela Escrava Isaura no trecho "Vida de negro édifícil..." começa a tocar.Placa de auto-estrada com a inscrição BR 3 aparece.Barulho de colisão de carros e fantasmas GASPARZINHOScomeçam a subir por trás da placa. TORNADO A história tinha que se passar num quilombo. THOMAS Como assim? TORNADO Quilombo porra! Sabe o que é não ô branquelo? THOMAS Sei. Não entendi a sugestão. TORNADO Para mostrar o sofrimento de meu povo durante os séculos. THOMAS Mas Tornado, como íamos fazer isso?Thomas fala com ar de cautela e certo medo em sua voz. THOMAS Você é o único aluno negro daqui...Tornado se levanta. Sobe ao palco com ar ameaçador ecaminha em direção a Thomas. Thomas dá alguns passos paratrás e sua feição é de medo. Tornado chega bem perto dorosto de Thomas. (CONTINUED)
  8. 8. CONTINUED: 7. TORNADO Racista!Tornado desce do palco e se encaminha a porta de saída. Nomeio caminho arranca uma poltrona e a arremesa no mezaninodo teatro. BEAUVOIR Liguem não. Já, já ele volta.Beauvoir limpa seus óculos fundo de garrafa. BEAUVOIR Ele é esquentado mas é um doce de pessoa. Um chocolate com pimenta...Música de Guerra na Estrelas. Sobre o letreiro na telacomo os créditos do filme Guerra nas Estrelas com osdizeres: " Aprincesa-socióloga-antropóloga-filosofa-feminista comgrande afeição por meninos e meninas Beauvoir é uma alunaque veio de uma galáxia muito, muito distante em que omalvado Hugo Dart Chaves impede as pessoas de falarem eexpressar suas opiniões. Em nosso planeta ela se livroudas correntes do imperialismo inter-galático e se tornouuma grande porta voz dos oprimidos. Ela fala, fala, fala enão diz nada..." THOMAS Vamos formar nosso círculo de debates?PALCOOs alunos sobem ao palco e sentam-se no chão formando umcírculo. Podemos ver seus rostos de bem de perto enquantofalam. PEREIO Esta porra tem que ter muito peito, bunda e buceta!Pereio está com a língua de fora e babando. PEREIO Muita sacanagem! Muita putaria! DINIZ Eu podia fazer uma dona de bordel que oferece chá de maconha aos seus clientes. PEREIO Que dona de bordel é o caralho, Diniz! (CONTINUED)
  9. 9. CONTINUED: 8.Pereio bate com as mãos espalmadas no chão. PEREIO Você tem que ser uma das putas sendo enrabada na tela! DINIZ Pode ser. Uma prostituta que aromatiza o seu quarto com a fumaça da maconha e leva os seus clientes ao orgasmo cósmico... PEREIO Contanto que você mostre o rabo, por mim tudo bem. THOMAS A escola não vai aceitar algo tão explícito... PEREIO Repressão do caralho!!! Puta-que-o-pariu, porra! THOMAS Vamos escolher a história primeiro? PEREIO Sacanagem, porra. Tava doido para ver o rabo da Diniz. THOMAS Mais alguma sugestão? BEAUVOIR Bem, eu queria aproveitar a deixa e sugerir que tenhamos uma personagem que tenha um lado psicológico afetado por algum trauma de infância. Ela poderia ser uma orfã abandonada e quando cresce se tornando adulta e achando ter se livrado do sofrimento descobre que seu marido a quem tanto ama a está traindo.Os alunos estão com a boca aberta, embasbacados. BEAUVOIR Assim causaríamos mais comoção nos espectadores. A tragédia humana nos leva a compreender melhor nossas próprias angústias pessoais. Ajudando assim a remendar as curáceas quebradas do (MORE) (CONTINUED)
  10. 10. CONTINUED: 9. BEAUVOIR (cont’d) nosso próprio eu divagante nas mazelas existênciais do sofrimento interperspectivo. PEREIO Caralho, não entendi porra nenhuma... CAMERON Nem eu, mas desgraça sempre dá ibope! DIESEL Que viagem!Diesel aparece transformado em Rambo, com uma metralhadoranas mãos, lenço na cabeça e mostrando os seus músculos. DIESEL Diesel, my name is Diesel.Diesel está visivelmente excitado. DIESEL Ela podia ter superpoderes! Uma mão de adamantium que corta as cabeças nos seus golpes de karatê... Que viagem! CAMERON Boa cara! Altamente comercial! THOMAS Isso não ta ficando meio absurdo não? CAMERON Que mané absurdo. Vai dar para usar altos efeitos especiais. THOMAS Mas e o conteúdo da história? O recheio? CAMERON Que mané recheio o que! Isso é um filme ou um sanduíche? GUERRA Não podemos esquecer que cinema é arte.Guerra aparece de boina, cachecol e fumando um charuto.Cara de intelectual francês. (CONTINUED)
  11. 11. CONTINUED: 10. NARRADOR Guerra, guerreiro velha-guarda da imagem movimento.Corremos de um lado para o outro e Guerra sai de quadro.Guerra corre atrás de nós e sempre escapamos. GUERRA Menos movimento! Menos movimento!Guerra dá uma baforada em seu charuto. GUERRA Temos que retratar a angústia do verdadeiro brasileiro que atravessa o chão seco e amarelado em busca de uma vida melhor. CAMERON Ih! Roubou o fumo da Diniz, Guerra? GUERRA Temos que pincelar com nossa palheta de cores a arte e a realidade do cangaço brasileiro. PEREIO Isso tá me dando é vontade de dar um cagaço.Pereio ri sozinho. Todos olham para Pereio sem entender apiada. GUERRA Nossa protagonista poderia ser a Maria Bonita. CAPRIO Nossa? Como assim? Vou me vestir de mulher? PEREIO Não ô burro! Tu vai ser o o marido castrado! O cabra-sem-bolas! Hahahaha! GUERRA Isso é arte. A pobreza e o sofrimento do nordestino brasileiro... CAMERON Esse papo de arte para mim é coisa de viado.Guerra joga seu CHARUTO no chão e parte para cima deCameron. (CONTINUED)
  12. 12. CONTINUED: 11. THOMAS Porra! Briga de novo?Thomas coloca uma das mãos por cima de suas sobrancelhas eolha em volta. THOMAS Cadê o Tornado para apartar? Cacete..Thomas entra na briga tentando aparta-la. CAPRIO Deixa que eu te ajudo,professa!Caprio entra na briga, mas ao invés de ajudar a apartaraproveita para socar Cameron também. Os quatro rolam pelochão. Os alunos riem. DIESEL Sangue! Sangue! Quem voltar para casa sem sangue é porque é florzinha! Hahahaha!A briga está envolta por uma animação de nuvem de fumaça,como nas brigas da Turma da Mônica.Diniz acende um baseado.A cabeça de Thomas aparece por fora da nuvem de fumaça. THOMAS Apaga isso Diniz!PORTA TEATROTornado aparece na companhia de 10 RAPPERS negros. TORNADO Vocês não queriam crioulo? Aqui ó!PALCOA briga pára. Guerra está com as mãos no pescoço deThomas. Thomas com os olhos arregalados olha para a porta.Os quatro se recompõem. Thomas está com a camisa rasgada eum olho roxo. Os alunos formam um círculo novamente. Atrásdo circulo estão os 10 rappers de pé e de braços cruzados.Um dos rappers é um homem branco pintado de preto. THOMAS Esse cara aí tá pintado de preto ou é impressão minha? (CONTINUED)
  13. 13. CONTINUED: 12. TORNADO Tá sim. Não gosto de número ímpar. Ofereci uma garrafa de 51 para esse mendigo aí e pintei ele. Algum problema? THOMAS Não.Nenhum...Thomas suspira, leva as mãos a cabeça e faz sinal denegativo. DINIZ Porque não passamos a história a limpo? CAMERON Boa, deixa que eu leio.Cameron pega um caderno e começa a ler.O texto que é lido aparece em forma de imagens em tom desépia. Ao fundo vemos o rosto de Cameron transparente. CAMERON Maria Bonita é uma orfã abandonada no quilombo do rei Zulu Lampião e casada com o belo Jack Dawson, só que descobre que é traída por ele com uma sereia. Enfurecida ela mata Jack com um cajado e o empala na porta do quilombo. O rei Zulu diz que ela virou uma assassina mas que entende seus motivos, porém ela terá que abandonar o quilombo e ir viver na cidade dos homens brancos e que só poderia voltar quando encontrasse outro marido. Para ajudar na sua busca ele daria uma poção mágica-sexual. Maria Bonita parte então para a cidade. Lá conhece um bando de hippies e começa a pregar a paz mundial. Conhece Abdel Azis Camel por quem se apaixona, mas Abdel não quer nada com ela. Então Maria Bonita toma a poção mágica dada pelo rei Zulu em forma de baseado e consegue o super-poder-vaginal-magnético onde sua vagina toma a forma de um imã e prende o pênis de Abdel dentro dela. (CONTINUED)
  14. 14. CONTINUED: 13. THOMAS Inacreditável. CAPRIO Bom né? THOMAS Ô! Maravilha. E como acaba? CAMERON Como assim? THOMAS O final da história cara. Como acaba esse festival de absurdos? CAMERON Final? Sei lá. Pensei nisso não.Cameron olha para os alunos. CAMERON Alguém pensou?Todos se olham e fazem sinal de negativo com a cabeça. THOMAS Gente. Morreu. BEAUVOIR Como assim? THOMAS Acabou. Deixa para lá. Vamos fazer uma adaptação de Nelson Rodrigues mesmo. PEREIO Nelson Rodrigues? Vou poder comer o rabo da Diniz? THOMAS Come o rabo de quem você quiser. THOMAS O que importa que não rola mais este filme. Fazemos a peça e chamamos seus pais, vocês recebem o diploma e c’est finis. PEREIO Porra, mas o meu caralho magnetizado dentro da Diniz? DINIZ Isso aí! O filme tá maneiro! Vamos filmar! (CONTINUED)
  15. 15. CONTINUED: 14. THOMAS Mas o final cacete? Não, não. Morreu, já disse! PEREIO Vá passar batom no cu para enganar caralho! Eu quero comer a Diniz porra! CAMERON Final é o de menos! A gente arranja um qualquer...Todos entram em rebuliço. Thomas se levanta. Os alunostambém. Os alunos viram de costas para Thomas e formam umnovo círculo. Ele tenta entrar no novo círculo criado, osrappers negros o repelem. Os alunos discutem entre si semdar atenção a Thomas.PORTA TEATROMúsica Carmina Burana de Carl Orff.Voando sob o teto do teatro está PASOLINI. Ele pousa naporta do teatro com os BRAÇOS e ASAS abertas. Tira o seuÓCULOS ESCUROS, e com seus VESGOS OLHOS faz cara decafetão anos 70.Letreiro em NÉON VIOLETA: Pasolini: Aluno atrasado e DeusEx Machina".Pasolini sobe ao palco.PALCOOs alunos abraçam Pasolini com grande alegria. O levantamcomo um campeão de futebol sobre os ombros. PEREIO Chegou a salvação! Vou poder comer o rabo da Diniz! PASOLINI Calma meus caros! Eu sou a luz e salvação do filme! CAMERON Mas como você sabe que estamos fazendo um filme? PASOLINI Você não leu o meu letreiro? (CONTINUED)
  16. 16. CONTINUED: 15. TODOS Ooooooohhhhhhhhh!!!! THOMAS É geniozinho? Diz aí então como acaba a história? PASOLINI Simples. Só precisamos de um final escatológico...Pasolini olha com cumplicidade para os alunos. Olhamalvadamente para Thomas. Todos começam a caminhar emdireção a Thomas esfregando suas mãos. Thomas recuaassustado. NARRADOR E agora meus amigos? O que acontecerá com nosso herói? Será que ele vai escapar das mãos dos ardilosos alunos? Será que ele vai...Todos olham para cima. TODOS Cala a boca! NARRADOR Pô, foi mal... THOMAS Opa! Pera lá! Que vocês vão fazer? PASOLINI Arranjar um final...Os alunos pegam Thomas e começam a puxa-lo pelos membros.Thomas grita de dor. Thomas é decepado em várias partes.Os alunos começam a devorar os membros decepados deThomas. FADE IN:A tela fica negra e começam a subir os créditos do filme:"UMA HISTÓRIA DIFÍCILEstrelando:Professor ThomasPereioCaprioDiniz (CONTINUED)
  17. 17. CONTINUED: 16.CameronTornadoBeauvoirDieselGuerraPasoliniNarrador MalaDireção:MOORE" FADE OUT:2. INT. SALÃO DE CONVENÇÕES FESTIVAL DE CINEMA (NOITE)O salão está lotado. As pessoas usam trajes de gala. Todosestão APLAUDINDO de PÉ.Mooore se levanta da poltrona e se dirige ao palco. Nopalco recebe a estatueta das mãos do apresentador e alevanta sobre a cabeça sorrindo.FIM

×