Cacilhas

405 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
405
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
5
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Cacilhas

  1. 1. Cacilhas & Alvalade<br />Trabalho realizado por:<br />Cláudio Maia 1h<br />Filipe Adão 1h<br />Rui Seixas 1h<br />Tiago Alves 1h <br />
  2. 2. Introdução <br />Neste trabalho pretendemos mostrar a diferença regional entre Cacilhas e Alvalade, apresentando dados estatísticos sobre cada uma das freguesias.<br />
  3. 3. Cacilhas <br />Cacilhas é uma freguesia portuguesa do concelho de Almada, com 0,97 km² de área e 6 970 habitantes (2001). Densidade: 7 185,6 hab/km², e fica inserida na cidade de Almada.<br />Junto ao Tejo, Cacilhas tem um importante interface de transportes públicos: os cacilheiros da Transtejo, os autocarros dos TST e os metropolitanos ligeiros do MTS<br />
  4. 4. Órgãos Autárquicos daJunta de Freguesia de Cacilhas<br />Presidente Carlos Augusto Aurélio Alves Leal-<br />Secretário - Rui Ribeiro Perdigão<br />Tesoureiro - Amílcar de Sousa Almeida<br />Vogal- Elsa Maria Alves Dias<br />Vogal- Maria Teresa Ferreira do Vale Novais<br />
  5. 5. Localização<br />O território da actual freguesia de Cacilhas situa-se na margem esquerda do estuário do Tejo, no extremo Nordeste do concelho de Almada. O relevo é marcado pela arriba, que se levanta abruptamente virada a Norte e declina suavemente para Sul. A ocupação humana, patente desde a Pré-História, foi favorecida pela posição defensiva no topo da arriba, pela situação ribeirinha e pela abundância de recursos naturais, como peixe e marisco, mas também ouro, que se recolhia nas margens do Tejo. Igualmente importante era a produção agrícola, desde cedo associada à vinha, aos figos e hortaliças, produtos frescos que eram facilmente escoados para o mercado da capital por transporte fluvial.<br />
  6. 6. Brasão de Cacilhas<br />ONDEADO EM PRATA E AZUL: representando o Rio Tejo<br />FAROL DE OURO: no coração do campo, o farol de Cacilhas, referência e símbolo histórico do lugar. Luz que indica uma rota, um destino, um caminho. Porto de abrigo nos dias de tempestade e infortúnio. Luz de esperança para os milhares de migrantes que, vindos do sul, buscaram na grande Lisboa, um futuro diferente.<br />CAMPO VERMELHO: símbolo de alegria, calor e energia criadora das gentes de Cacilhas, centro de vida e pujança das actividades da comunidade.<br />DUAS ASAS DE OURO: símbolo das comunicações.<br />ENXÓS DE PRATA: representam as tradições de actividade naval. De prata por simbolizarem a humildade característica dos carpinteiros navais que usavam esta ferramenta como símbolo. <br />
  7. 7. Bombeiros Voluntários de Cacilhas<br />Os Bombeiros de Cacilhas é a corporação mais antiga de Almada, sido fundada em 1891. Actualmente conta com cerca de 340 operacionais, considerado um dos mais bem equipados corpos de bombeiros do País. Do Quadro de Auxiliares e Especialistas fazem parte profissionais de variadas áreas como médicos, psicólogos engenheiros, arquitectos, juristas entre outros. Dispõem ainda de equipas especialistas em salvamento marítimo, salvamento e resgate, mergulho, psicologia e intervenção em matérias perigosas.Além das actividades de socorro, os BVC tem em funcionamento uma fanfarra, banda de música, grupo benévolo de dadores de sangue e secção de cultura e desporto.<br />
  8. 8. Alvalade<br />Alvalade é uma freguesia portuguesa do concelho de Lisboa, com apenas 0,58 km² de área e 9 620 habitantes (2001). Densidade: 16 643,6 h/km². Esta freguesia foi formada em 1959 por cisão da freguesia de Campo Grande.<br />A designação de Alvalade parece ter origem na designação árabe "Al Balade", que significa lugar habitado e murado.<br />Aqui se travou, à roda de 1321, a batalha de Alvalade entre D.Dinis e o futuro Afonso IV de Portugal<br />
  9. 9. Arruamentos<br />Auto parque Sabugosa<br />Avenida Almirante Gago Coutinho<br />Avenida da República<br />Avenida de Roma<br />Avenida dos Estados Unidos da América<br />Avenida Frei Miguel Contreiras<br />Avenida São João de Deus<br />Largo Cristóvão Aires<br />Largo Fernandes Costa<br />Largo Machado de Assis<br />Largo Rodrigues Cordeiro<br />Praça Andrade Caminha<br />Praça Francisco de Morais<br />Praça Gonçalo Trancoso<br />Rua Alfredo Cortês<br />Rua Antero de Figueiredo<br />Rua António Andrade<br />Rua António Ferreira<br />Rua Bulhão Pato<br />Rua Conde de Sabugosa<br />Rua Coronel Bento Roma<br />Rua de Entrecampos<br />Rua Diogo Bernardes<br />Rua Dom Francisco de Sousa Coutinho<br />Rua dos Lagares D'El-Rei<br />Rua Doutor Gama Barros<br />Rua Fernão Álvares do Oriente<br />Rua Flores do Lima<br />Rua Francisco Andrade<br />Rua Frei Amador ArraisSantos<br />Rua José Pinheiro de Melo<br />Rua Moniz Barreto<br />Rua Moura Girão<br />Rua Pedro Ivo<br />Rua Teixeira de Pascoais<br />Rua Visconde de Seabra<br />Travessa Henrique Cardoso<br />
  10. 10. História<br />Alvalade é uma das mais recentes freguesias de Lisboa. No passado, apresentava um conjunto de quintas, solares e extensos campos verdes, onde a nobreza se deslocava para passar verões e passear numa atmosfera que promovia a reflexão e o romantismo. Como testemunho desses tempos, ficaram alguns dos mais belos exemplares arquitectónicos e históricos da cidade: a Quinta dos Lagares D´El Rei e o Chafariz de Entrecampos.<br />
  11. 11. História<br />QUATRO PERIODOS MARCANTES: <br />O primeiro que se estende até meados dos século XIX, é marcado pelo facto dos, então chamados, Campos de Alvalade funcionarem como uma zona a estratégica para a entrada na cidade e abastecimento dos habitantes. <br />O segundo, até meados do século XX, é caracterizado pela sua progressiva integração na cidade funcionando, agora, como um espaço de reserva e expansão da malha urbana. A reduzida ocupação de construções e proximidade do núcleo histórico da cidade, permite a sua utilização intensiva como um espaço de recreio e de desporto. <br />O terceiro período ocorre nos anos quarenta e cinquenta do século XX, quando se produz uma rápida urbanização que altera por completo a fisionomia da zona. Alvalade é, então, sinónimo de classe média e de elevados padrões de qualidade de vida no contexto lisboeta. <br />O quarto e último período, o vivido actualmente, são marcados por uma situação de encruzilhada: ou se prossegue no caminho da degradação urbana, ou se empreende a requalificação desta zona. <br />
  12. 12. Conclusão<br />Nós concluímos que neste trabalho ajudou-nos a saber mais sobre as freguesias de Cacilhas e de Alvalade, utilizando dados estatísticos com o numero de habitantes e a densidade populacional. <br />

×