A filosofia da arte em
Schopenhauer e
Nietzsche
Prof. Dr. Marcos Ramon
Arthur Schopenhauer: conhecimento e Vontade
• O corpo pode ser percebido como:
1. Um objeto entre os outros;
2. Princípio ...
Schopenhauer
• O corpo é a condição de
conhecimento da Vontade.

• Conhecendo nosso próprio
corpo, conhecemos
analogamente...
Schopenhauer (1788-1860)
• Podemos rejeitar o jugo da Vontade momentaneamente
(pela Arte) ou permanentemente (pelo ascetis...
A metafísica do belo
• A fruição do belo permite a neutralização do sofrimento, um
apaziguamento do querer.
• Metafísica d...
Nietzsche (1844-1900)
• A filosofia tradicional (decorrente de Sócrates e Platão) aponta
para um predomínio da razão, do con...
Apolo e Dionísio
• Dionísio, deus do vinho e da
sensualidade, representa nossa
existência primária.

• A verdade de Sileno...
A afirmação da vida
• Filosofia: predomínio do
apolíneo, da racionalidade, da
ordem e equilíbrio.

• A filosofia é "retrocesso...
Nietzsche
• Cristianismo: reforço do apolíneo. Incentivo para uma cultura
fraca e decadente, com predomínio de forças reat...
Arte e vida
• É o corpo mais que a mente
que interpreta o mundo.

• A verdade se identifica com
o mundo e não com o
supramu...
O Nascimento da tragédia
• Existe uma dicotomia entre o discurso filosófico racional e
a expressão artística criativa.
• A f...
O eterno retorno e o Amor fati
A vida como arte
• A Arte e a Vontade de Potência são os caminhos para a
transmutação dos Valores
• "O homem não é apenas ...
Nietzsche
• "Aos que desprezam o
corpo quero dar o meu
parecer. O que devem
fazer não é mudar de
preceito, mas
simplesment...
Obrigado!
Prof. Dr. Marcos Ramon

Email: marcosramon@gmail.com

Twitter: @mrtollens

Site: www.marcosramon.net

Link para ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

A Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche

3.022 visualizações

Publicada em

A Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

A Filosofia da Arte em Schopenhauer e Nietzsche

  1. 1. A filosofia da arte em Schopenhauer e Nietzsche Prof. Dr. Marcos Ramon
  2. 2. Arthur Schopenhauer: conhecimento e Vontade • O corpo pode ser percebido como: 1. Um objeto entre os outros; 2. Princípio imediato da Vontade. • O ato voluntário e a ação do corpo não estão ligados pela causalidade: são a mesma coisa. • Reflexão: separa o querer do fazer. Todo ato efetivo da Vontade é um ato corporal. Quando a ação vai contra a Vontade chama- se dor. Quando vai a conforme a Vontade chama-se prazer.
  3. 3. Schopenhauer • O corpo é a condição de conhecimento da Vontade. • Conhecendo nosso próprio corpo, conhecemos analogamente todos os outros. • A Vontade pode ser acompanhada de conhecimento, mas isso não é algo necessário. • O conhecimento racional, assim como o intuitivo, pertence à Vontade.
  4. 4. Schopenhauer (1788-1860) • Podemos rejeitar o jugo da Vontade momentaneamente (pela Arte) ou permanentemente (pelo ascetismo). • A Vontade é um esforço sem fim, sem limites ou propósitos. Esse esforço nunca é realizado ou satisfeito. • A realização dos desejos é uma ilusão. • A Arte nos coloca diante da Verdade do universo e nos livra momentaneamente do ciclo incessante do sofrimento.
  5. 5. A metafísica do belo • A fruição do belo permite a neutralização do sofrimento, um apaziguamento do querer. • Metafísica do belo, não da arte. • A beleza está no mundo, mas nem todo mundo consegue contemplá-la por conta própria. • O artista empresta seus olhos à humanidade. • A verdade acessada pela arte não pode ser comunicada por conceitos.
  6. 6. Nietzsche (1844-1900) • A filosofia tradicional (decorrente de Sócrates e Platão) aponta para um predomínio da razão, do conhecimento lógico-científico. • Com isso nos afastamos da natureza e dos nossos impulsos vitais, que eram celebrados na antiguidade através dos rituais dionisíacos, da dança e da embriaguez. • Tragédia: síntese da vitalidade e contradição humanas. Embate entre a vida e o destino. • Dionísio não habita o Olimpo, mas a natureza. Ele representa a força vital, a alegria de viver, algo próprio da humanidade.
  7. 7. Apolo e Dionísio • Dionísio, deus do vinho e da sensualidade, representa nossa existência primária. • A verdade de Sileno: o melhor para o homem seria não ter nascido, não ser, se nada; a segunda melhor coisa é morrer cedo. • Apolo, deus da ordem e da razão, representa o homem civilizado.
  8. 8. A afirmação da vida • Filosofia: predomínio do apolíneo, da racionalidade, da ordem e equilíbrio. • A filosofia é "retrocesso". • O apolíneo e dionisíaco se contrabalançavam dialeticamente. A escolha por um lado da balança gera um desequilíbrio extremo. • Ausência de Dionísio: repressão do desejo, do corpo, da afirmação da vida. Martha Graham. Lamentation.
  9. 9. Nietzsche • Cristianismo: reforço do apolíneo. Incentivo para uma cultura fraca e decadente, com predomínio de forças reativas. A ideia de verdade e as determinações morais são os instrumentos dessa ideologia. • Três metamorfoses necessárias à vida: 1. Camelo (reverência à tradição) 2. Leão (fragmentação da fé, espírito livre, niilismo) 3. Criança (afirmação da vida, Vontade de Potência)
  10. 10. Arte e vida • É o corpo mais que a mente que interpreta o mundo. • A verdade se identifica com o mundo e não com o supramundano. Egon Schiele - Autorretrato
  11. 11. O Nascimento da tragédia • Existe uma dicotomia entre o discurso filosófico racional e a expressão artística criativa. • A forma de vida estética e fundamental e a forma de vida racional é secundária. • Por conta da inversão de valores a cultura moderna está doente.
  12. 12. O eterno retorno e o Amor fati
  13. 13. A vida como arte • A Arte e a Vontade de Potência são os caminhos para a transmutação dos Valores • "O homem não é apenas um artista, ele mesmo é uma obra de Arte" (Origem da Tragédia) • A música e a dança são elogios ao corpo e à vida. Por isso, estas artes são tão agressivas para o homem ressentido da vida. • O artista impõe o caos. A arte autêntica deve deslocar os valores.
  14. 14. Nietzsche • "Aos que desprezam o corpo quero dar o meu parecer. O que devem fazer não é mudar de preceito, mas simplesmente despedirem- se dos seus próprios corpos, e por conseguinte, ficarem mudos (...) Tudo é corpo e nada mais; a alma é apenas o nome de qualquer coisa do corpo" (Assim Falou Zaratustra) Caspar David Friedrich. O viajante sobre o mar de névoa, 1818.
  15. 15. Obrigado! Prof. Dr. Marcos Ramon Email: marcosramon@gmail.com Twitter: @mrtollens Site: www.marcosramon.net Link para baixar o slide e materiais relacionados: bit.ly/minicurso-marcosramon

×