Universidade Catolica de Pelotas Escola de Informática Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Inteligência Co...
Inteligência Competitiva A  Inteligência Competitiva busca identificar tendências do mercado, desenvolver análises estraté...
O conceito de IC já existe nas empresas, mesmo que de uma forma incipiente. Não só as grandes corporações como também as m...
Alguns trechos da Entrevista de Leonard Fuld Leonard Fuld, presidente da Fuld & Company, líder nas áreas de pesquisa e con...
O senhor escreveu que a inteligência competitiva (IC) não está ligada à internet, mas sim à disputa entre duas ou mais com...
No livro  The Secret Language of Competitive Intelligence  , o senhor descreve os cinco passos para uma companhia ser bem-...
A tecnologia tem o poder. Você acredita que tecnologias, como as ERPs (  Enterprise Resource Planning  ) , podem ajudar as...
Então, basicamente, seria necessário alguém para gerenciar a intranet?   Certo. E isso não está acontecendo do jeito que d...
E não pode haver um sistema de informações que reúna todos esses dados ?   Acho que a melhor maneira de fazer isso é como ...
Qual o seu conselho para as companhias que têm inteligência, mas ainda não agem?   Eu acho que elas ainda não aprenderam a...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Inteligencia Competitiva Ic

2.391 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.391
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
45
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
78
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Inteligencia Competitiva Ic

  1. 1. Universidade Catolica de Pelotas Escola de Informática Tecnologia em Análise e Desenvolvimento de Sistemas Inteligência Competitiva Aluno: Tiago Tessmann Oliveira Professor: Christiano Otero Avila
  2. 2. Inteligência Competitiva A Inteligência Competitiva busca identificar tendências do mercado, desenvolver análises estratégicas, descobrir oportunidades e mapear riscos através de metodologias científicas. Nas últimas 2 décadas foram criados os conceitos de armazém de dados ( data warehouse ), mineração de dados ( data mining ), CRM ( customer relationship management ) e outros visando a obtenção, extração e análise de dados. Todos estes conceitos, de uma forma ou de outra, são focados quase que exclusivamente no tratamento ao cliente. Entretanto, o conhecimento dos concorrentes e do ambiente externo também é fundamental para o negócio e necessita ser mapeado, analisado e tratado. Esta é a base da inteligência competitiva: obter informações e utilizá-la de forma adequada para produzir um diferencial estratégico.
  3. 3. O conceito de IC já existe nas empresas, mesmo que de uma forma incipiente. Não só as grandes corporações como também as micros e pequenas empresas já realizam, no dia-a-dia, a busca de informações referentes aos concorrentes a fim de tomarem decisões importantes para os seus negócios. Entretanto, poucas conhecem ou utilizam de uma metodologia apropriada. A ciência possui vários conceitos, métodos e algoritmos que aplicados adequadamente às informações podem produzir melhorias nos negócios. Existem algoritmos para se realizar previsões de séries de vendas, do comportamento da rentabilidade ou, até mesmo, descobrir o perfil dos clientes da empresa, assim como dos concorrentes, que navegam na internet. O uso correto e sistematizado das técnicas de aquisição, tratamento e análise dos dados com o foco no ambiente externo é a base da IC
  4. 4. Alguns trechos da Entrevista de Leonard Fuld Leonard Fuld, presidente da Fuld & Company, líder nas áreas de pesquisa e consultoria em inteligência competitiva, fala nesta entrevista sobre como adequar da melhor forma a inteligência competitiva nas empresas às muitas tecnologias que invadiram nosso ambiente de trabalho ao longo dos anos. Segundo Fuld, a inteligência competitiva (IC) é um elemento que vai muito além da competência corporativa. “ Primeiro de tudo, a IC é uma arte. Você não deve achar que se trata de números científicos ou uma fórmula. Na maioria das vezes, a informação essencial vem de lugares surpreendentes. Você deve gostar disso e ter flexibilidade”, diz.
  5. 5. O senhor escreveu que a inteligência competitiva (IC) não está ligada à internet, mas sim à disputa entre duas ou mais companhias. Mas atualmente a internet tem alguma influência sobre a IC? Segundo ele não é somente a internet, ele não considera a internet ponto chave para a companhia utilizar-se de inteligencia compentitiva, se da ao fato que a internet auxilia no processo de aprimoramento de recursos para a IC agir, sempre prestando atenção que todo o material colhido da internet não é exclusivamente para aquela companhia podendo o concorrete ter acesso ao mesmo conteúdo.
  6. 6. No livro The Secret Language of Competitive Intelligence , o senhor descreve os cinco passos para uma companhia ser bem-sucedida em IC. Poderia resumi-los brevemente? IC é uma arte. Você não deve achar que se trata de números científicos ou uma fórmula. Na maioria das vezes, a informação essencial vem de lugares surpreendentes. Você deve gostar disso e ter flexibilidade. Você deve estar apto a apresentar às pessoas toda uma gama de inteligência que vê o mundo de outra forma. Inteligência é uma arte.
  7. 7. A tecnologia tem o poder. Você acredita que tecnologias, como as ERPs ( Enterprise Resource Planning ) , podem ajudar as empresas a melhorar seu conhecimento? É essencial para as empresas possuírem esse tipo de sistemas para implementar a IC ou não? Muitas dessas tecnologias estão bastante difundidas. A tecnologia sempre será vista como algo muito poderoso. Vamos usar como exemplo o CRM ( Customer Relationship Management ) . O que você pode fazer por si mesmo é acrescentar elementos de IC no CRM. Como? Por exemplo, acrescentar os cinco pontos-chave da IC no CRM, que não é uma plataforma de inteligência, mas sim uma plataforma de vendas. Portanto, acrescentando esses dados, essas tecnologias podem funcionar como recursos para a IC.
  8. 8. Então, basicamente, seria necessário alguém para gerenciar a intranet? Certo. E isso não está acontecendo do jeito que devia. Acho que o desafio é fazer com que a IC atue na home page das empresas. É a este espaço que ela pertence. Porque é lá que está a competição propriamente dita. Se, por exemplo, a pessoa tiver de clicar muito para chegar onde ela quer, ela vai embora... É uma perda de tempo.
  9. 9. E não pode haver um sistema de informações que reúna todos esses dados ? Acho que a melhor maneira de fazer isso é como era feito há alguns anos, criar um diretório com os empregados da empresa e classificá-los pela sua expertise . E a partir daí, fazer as perguntas certas às pessoas certas. Você não tem de escrever tudo que você sabe.
  10. 10. Qual o seu conselho para as companhias que têm inteligência, mas ainda não agem? Eu acho que elas ainda não aprenderam a lição. Mas não agir é algo que você pode culpar os outros, como o competidor que trapaceou, a recessão, o marketing etc. Minha teoria para isso é que algumas empresas têm antes de levar alguns socos no estômago para poderem se “olhar no espelho” e verem o que está acontecendo de errado. Este é um desafio da IC, o de ver se alguém voltou com notas ruins da escola e pensar: “se você fez isso comigo, eu também fiz isso comigo”.

×