Relevo brasileiro

4.437 visualizações

Publicada em

0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.437
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2.722
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Relevo brasileiro

  1. 1. Relevo Brasileiro Capítulo 6 geocontexto.blogspot.com
  2. 2. No último capítulo... Escudos cristalinos (crátons) abrangem áreas formadas por rochas magmáticas, remontam à gênese da Terra Uma segunda estrutura são as bacias sedimentares, formadas pela deposição sedimentos que preencheram áreas mais baixas
  3. 3. Escudo das Guianas e Escudo Brasileiro Compõem a base atual dos planaltos e depressões Depósitos de minerais metálicos (ferro, granito)
  4. 4. Várias bacias sedimentares Algumas bacias continuam em formação, como a do Pantanal Na cheia dos rios que cortam a região, grandes quantidades de sedimentos são depositados anualmente Exploração do carvão, petróleo, xisto, gás
  5. 5. Relevo do Brasil O desnivelamento é originado: Internas ou endógenas Originam no interior da crosta, vindas do manto. Principais agentes são o tectonismo e o vulcanismo Externas ou exógenas Desgastam, modificam e modelam o relevo. Principais agentes são o intemperismo e a erosão Processo pelo qual as rochas são desgastadas Erosão antrópica
  6. 6. Dentro do relevo brasileiro, podemos destacar alguns pontos de elevada altitude que ocorrem de modo isolado pelo território Pico da Neblina – AM / 2.993 m Pico 31 de Março – AM / 2.972 m Pedra da Mina – SP / 2.798 m Pico das Agulhas Negras – RJ / 2.791 m
  7. 7. Relevo Formas ou feições apresentadas pela superfície terrestre e que podem ser visualizadas Três tipos básicos Planaltos, planícies e depressões
  8. 8. Planalto Processo de desgaste é superior ao de acúmulo de sedimentos Maior parte do território brasileiro Planície Superfícies relativamente planas Processo de sedimentação é superior ao de desgate Brasil: costeiras e continentais (planície do Pantanal) Depressão Apresentam altitudes menores que outras ao redor Depressão absoluta – abaixo do nível do mar (não há no Brasil) Depressão relativa – acima do nível do mar
  9. 9. Classificação do relevo brasileiro Aroldo de Azevedo Década de 1940 Relevo formado por Planaltos ( + 200m) e planícies (até 200m) Ênfase no processo altimétrico
  10. 10. Aziz N. Ab’Saber Proposta na década de 1960 Discípulo de Aroldo de Azevedo Levou em conta os processos erosivos e de deposição de sedimentos Ênfase no processo geomorfológico Planalto – superfície que predomina o processo de desgaste Planície – processo de sedimentação
  11. 11. Jurandyr Ross Proposta atual (1989), baseou-se nos trabalhos anteriores Produziu seu trabalho com os dados do projeto Radam Brasil Técnicas mais modernas Conseguiu identificar os diferentes tipos e as verdadeiras dimensões das unidades de relevo Esse projeto, que restringia-se ao mapeamento por radar da Amazônia, foi ampliado para todo o Brasil entre 1970 e 1985
  12. 12. 11 planaltos, 6 planícies e 11 depressões
  13. 13. Algumas formas de relevo intermediárias Chapadas Superfície aplainada, origem sedimentar, declive quase vertical
  14. 14. Cuestas Forma assimétrica, com uma porção frontal côncava e inclinada e uma porção posterior de declive suave
  15. 15. Inselbergs saliência encontradas em regiões planas de clima árido e semiárido
  16. 16. Responder atividades para sala (62): 1, 2, 4 Caderno 1. Quais são os agentes internos e externos que dão forma e modelam nosso relevo? 2. Quais as contribuições de Aroldo de Azevedo, Ab’Saber e Jurandyr Ross para a classificação do nosso relevo?

×