SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 35
Pedologia
formação e tipos de solos
geocontexto.blogspot.com
3º
SOLO
Camada superficial da crosta terrestre que
resulta da decomposição das rochas do
subsolo e contém substâncias orgânicas
derivadas da decomposição de vegetais e de
animais
Minerais
determinam a textura de um solo e sua composição físico -
química, determinando a fertilidade
Matéria orgânica
materiais decompostos constituem o húmus, essencial à
liberação de nutrientes, como o nitrogênio e o fósforo
Ar
para o crescimento da vegetação, raízes precisam de
oxigênio
Água
desenvolvimento dos vegetais devido ao gás
carbônico, oxigênio e sais minerais
Elementosformadoresdeumsolo
Clima
 Determina a morfologia dos solos, temperatura e umidade
determinam o grau de intemperismo
Presença de organismos vivos
 Determina a presença de húmus e sua consequente fertilidade
Relevo
 Condiciona o movimento superficial da água
Tempo
 Evolução da rocha ligada a decomposição da rocha-matriz
Material de origem
 Determina a velocidade da decomposição e a coloração do
solo
Fatoresdeinfluêncianaformaçãodosolo
Perfildeumsolo
Dividido em camadas
horizontais
 Textura, cor, consistência, estrut
ura, atividade biológica tipo de
superfície
O que diferencia os
horizontes?
Horizonte O
Camada superficial
Constituído por húmus (restos vegetais e animais)
Escuro, rico em nutrientes
Horizonte A
Mistura de húmus e matéria mineral (argila, areia)
Rico em nutrientes
Utilizado com o horizonte O para agricultura
Horizonte E
Perda de argilas, matéria orgânica e alumínio
Matriz mais arenosa
Horizonte B
Decréscimo de matéria orgânica
Coloração vermelha (alta concentração de ferro)
Ou amarela (baixa concentração)
Minerais lixiviados das camadas superiores
Horizonte C
Ausência da matéria orgânica
Material mineral da erosão da rocha-mãe
Horizonte D ou R
Rocha-mãe que está em processo de alteração
Formaçãodosolo
Um vez formado o solo apresenta
profundidade e propriedades
diferenciadas
Solo eluvial
Proveniente da desagregação e da decomposição de rochas
existentes na região de formação
Solo aluvial
Acúmulo de material transportado por meio da ação
da água e do vento
CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS
Origem:
Solo aluvial
Acúmulo de material transportado por meio da ação da água e do vento
Solo eluvial
Proveniente da desagregação e da decomposição de rochas existentes na região de
formação
Influencia da vegetação, relevo e do clima:
Zonais
Solos maduros, horizontes bem diferenciados
Intrazonais
Parcialmente desenvolvido
Azonais
Pouco desenvolvido, rasos
Principais solos férteis do Brasil e do Mundo
Tchernozion (orgânico) - mais fértil, estepes
da Ucrânia, Europa Central, pradarias do
Canadá e EUA, pampas argentinos
Loess (azonal) – Europa e China, acúmulo
de sedimentos pela ação eólica, constituído
basicamente de argila e calcário
Principais solos férteis do Brasil e do Mundo
Massapê– composto por
gnaisse e calcário, litoral
nordestino, cana-de-açúcar
Terra roxa– formado da
decomposição
basáltica, material
magmático, norte do
PR, oeste de SP, café
Classificação e características dos principais
solos do Brasil
Latossolos
Profundos, porosos
bem drenados
ricos em ferro e alumínio
pouco fértil
Culturas anuais, perenes, pastagem
Cerrado eAmazônia
Argissolos
fértil
sofrem erosão, devido a grande
diferença de textura nos
horizontesAe B
Cambissolos
pouco profundo
Solos jovens
Alto teor de silte (material
sedimentar, menor que areia
fina e maior que argila)
Pouca permeabilidade
10% da área do cerrado
Litossolos
Sertão nordestino e norte de MG
Semiárido
Rasos e duros, ricos em minerais
em função da baixa lixiviação
Requer técnicas de irrigação
Vertissolos
Massapé, 30% de argila
Zona da mata
Lixiviação – varredura dos nutrientes minerais leves pela ação da
água, empobrecimento do solo
Desmatamento – retirada da vegetação natural, favorece a erosão
Processos que contribuem para o empobrecimento do
solo
Queimadas
Provoca a perda dos nutrientes
minerais, orgânicos e gasosos que
compõem o solo
Exploração intensiva
monocultura, sem técnicas de manejo
adequadas tende a perder nutrientes, pois
os vegetais consomem do solo esses
elementos
Salinização (sais solúveis de sódio, magnésio e cálcio)
Irrigação malsucedida
os solos apresentam sais em níveis diferenciados. Quando este nível eleva-se
chegando a uma concentração muito alta
Ocorre quando há excesso de evaporação da água do solo, traz para cima sais
das camadas mais profundas
Exploração excessiva de águas subterrâneas em zonas costeiras
Diminui nível de lençóis freáticos e aumenta a intrusão da água do mar
Desertificação
transformação de uma área em
deserto, resultante de variações climáticas
(redução de chuvas), atividades humanas (uso
inapropriado do solo)
Intensa seca no sul do Saara (Sahel) e no
nordeste
Arenização
Aumento de areia, provocado pelo desmatamento
Não é verificada uma redução das chuvas
Compactação
Solo sujeito a uma pressão mecânica (máquinas, pisoteio do gado)
Reduz o espaço poroso, deteriora sua estrutura, dificulta a penetração
de raízes, fertilidade
EROSÃO
Fenômeno de desgaste da superfície do solo que modifica
suas formas
Pode ser natural ou antrópico
Processoerosivoenglobatrêsetapas:
Desgaste
Retirada dos materiais de rochas preexistentes
Transporte
Arrastamento dos materiais arrancados, recebem o
nome de sedimentos
Acumulação
Deposição dos materiais transportados em áreas de
baixas altitudes
EROSÃO HÍDRICA (pluvial, fluvial, marinha e glacial)
Erosão fluvial
Rios escavam os leitos, ao longo de seu curso, os
rios formam vales, destroem rochas, transportam
sedimentos
Erosãopluvial
Retirada e transporte de material da superfície pelas águas da chuva
Subdivide:
Erosão laminar
Agua corre uniformemente pela superfície, transportando partículas
Forma amena de erosão e causa prejuízo nas atividades
agrícolas, coloração mais clara do solo
Assoreia rios
Erosão de ravinamento
Concentração do escoamento
superficial, processo que marca a degradação
do solo iniciada pela erosão laminar gerando as
ravinas
Voçoroca
Estagio avançado de degradação dos solos, ocorrem
em regiões de encostas
Pode ser formado por processos erosivos
superficiais e subperficiais
Erosãomarinha
Movimento constante das ondas, provoca a abrasão dos paredões
rochosos do litoral
Forma falésias
Erosãomarinha
Transporte e aacumulação de sedimentos pela ação das águas do mar
formam as praias (deposito de areia ou cascalho)
Erosãoglacialouglaciária
Degelo executa um processo erosivo de transporte e acumulação de
sedimentos
Formam vales profundos em forma de U ouV
IMAGEM PG. 14
Erosãoeólica
Provocada pela ação do vento pode ocorrer:
Destruição
Vento retira e transporte as partículas mais finas das rochas e, ao lançá-la, com
violência, contra outras rochas, acaba escavando-as, em um trabalho denominado
corrasão ou abrasão eólica
Acumulação
Deposito de materiais
Dá origem a formas de relevo, esculpe arcos naturais ou forma desertos pedregosos
Resulta as dunas
Curva de nível – plantio em curvas, infiltração
da água favorecida, escoamento superficial
dificultado, evita o desgaste prematura
Preservação, conservação e correção dos solos
Terraceamento
Construção de terraços, evitar processo
erosivo, sul e sudeste da Ásia, rizicultura
Rotação de culturas
Evitar uso de adubação química e exaustão do solo
Troca de cultura a cada novo plantio
Adubação orgânica
Resíduos de origem vegetal, animal, com elevado teor de
componentes orgânicos
Esterco de curral, de galinha, suínos, compostos orgânicos
Consórcio de culturas
Policultura, plantio de diversas espécies vegetais ao mesmo tempo
em um terreno
Diminui ricos de pragas, doenças e mantém o ambiente em
equilíbrio
Calagem
Adicionar calcário a solos ácidos para torná-los propensos à
agricultura
Essencial para a expansão das fronteiras agrícolas no Cerrado
Prática da policultura
Cultivo de várias plantas numa mesma área provoca a diminuição
de praga, evitando assim a utilização de agrotóxicos em excesso
Plantio direto
Consiste em plantar diretamente sobre os restos da colheita anterior
Controle biológico de pragas
Técnica em que se utiliza organismos benéficos contra os
organismos prejudiciais
introdução no ambiente de seus inimigos naturais
(insetos, pássaros, ácaros, vírus, etc.).
Não prejudica a qualidade dos alimentos, nem outros seres
vivos, como fazem os agrotóxicos

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Origem e formação do solo
Origem e formação do soloOrigem e formação do solo
Origem e formação do solo
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃOSOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
SOLO, ORIGEM E FORMAÇÃO
 
Aula Introdução a Geomorfologia
Aula   Introdução a GeomorfologiaAula   Introdução a Geomorfologia
Aula Introdução a Geomorfologia
 
Estrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasilEstrutura geológica do brasil
Estrutura geológica do brasil
 
Fatores de formação do solo
Fatores de formação do soloFatores de formação do solo
Fatores de formação do solo
 
Relevo
RelevoRelevo
Relevo
 
Tipos de solos
Tipos de solosTipos de solos
Tipos de solos
 
Relevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivosRelevo agentes formadores e erosivos
Relevo agentes formadores e erosivos
 
Hidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas ContinentaisHidrosfera: as Águas Continentais
Hidrosfera: as Águas Continentais
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
 
Rochas e minerais
Rochas e mineraisRochas e minerais
Rochas e minerais
 
TERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura GeologicaTERRA - Estrutura Geologica
TERRA - Estrutura Geologica
 
Minerais e rochas
Minerais e rochas Minerais e rochas
Minerais e rochas
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Intemperismo
IntemperismoIntemperismo
Intemperismo
 
Climas do-brasil
Climas do-brasilClimas do-brasil
Climas do-brasil
 
A formação da terra
A formação da terraA formação da terra
A formação da terra
 
Relevo brasileiro
Relevo brasileiroRelevo brasileiro
Relevo brasileiro
 

Semelhante a Pedologia

Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoProfMario De Mori
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoelonvila
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011UFES
 
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01Sabrina Motta
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solodaianeagricola
 
ppt geografia 2010 - vegetacao e solo
ppt geografia 2010 - vegetacao e soloppt geografia 2010 - vegetacao e solo
ppt geografia 2010 - vegetacao e soloGustavo Tannus
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aCezar Manzini
 
Ciências da natureza
Ciências da naturezaCiências da natureza
Ciências da naturezaElisa Dias
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxssuser51d27c1
 

Semelhante a Pedologia (20)

Solos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No MundoSolos E Ocupação Rural No Mundo
Solos E Ocupação Rural No Mundo
 
Formação dos solos.docx
Formação dos solos.docxFormação dos solos.docx
Formação dos solos.docx
 
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluiçãoCiências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
Ciências do Ambiente - Cap 4 - Meio terrestre: características e poluição
 
Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011Solo e erosão 2011
Solo e erosão 2011
 
GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO GÊNESE DO SOLO
GÊNESE DO SOLO
 
Solo
SoloSolo
Solo
 
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
Soloeeroso2011 110219130321-phpapp01
 
Slides ciência do solo
Slides   ciência do soloSlides   ciência do solo
Slides ciência do solo
 
ppt geografia 2010 - vegetacao e solo
ppt geografia 2010 - vegetacao e soloppt geografia 2010 - vegetacao e solo
ppt geografia 2010 - vegetacao e solo
 
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1aAula 5-quimica da-litosfera_1a
Aula 5-quimica da-litosfera_1a
 
EROSÃO.ppt
EROSÃO.pptEROSÃO.ppt
EROSÃO.ppt
 
Pedologia do Brasil.ppt
Pedologia do Brasil.pptPedologia do Brasil.ppt
Pedologia do Brasil.ppt
 
Pedologia 2008
Pedologia 2008Pedologia 2008
Pedologia 2008
 
Ciências da natureza
Ciências da naturezaCiências da natureza
Ciências da natureza
 
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptxDEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
DEGRADAÇÃO DO SOLO.pptx
 
O solo
O soloO solo
O solo
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 
Solos
SolosSolos
Solos
 

Mais de João José Ferreira Tojal

Mais de João José Ferreira Tojal (20)

Oriente Medio
Oriente MedioOriente Medio
Oriente Medio
 
China e Índia - os dois gigantes asiáticos
China e Índia -  os dois gigantes asiáticosChina e Índia -  os dois gigantes asiáticos
China e Índia - os dois gigantes asiáticos
 
Africa Subsaariana
Africa SubsaarianaAfrica Subsaariana
Africa Subsaariana
 
Industria
IndustriaIndustria
Industria
 
Energia
EnergiaEnergia
Energia
 
Agricultura
AgriculturaAgricultura
Agricultura
 
Transportes
TransportesTransportes
Transportes
 
Teorias demograficas geo
Teorias demograficas geoTeorias demograficas geo
Teorias demograficas geo
 
Formação e desmembramento da urss
Formação e desmembramento da urssFormação e desmembramento da urss
Formação e desmembramento da urss
 
Europa - localização e aspectos naturais I
Europa - localização e aspectos naturais IEuropa - localização e aspectos naturais I
Europa - localização e aspectos naturais I
 
Asia - aspectos naturais
Asia - aspectos naturaisAsia - aspectos naturais
Asia - aspectos naturais
 
Africa - um continente pobre e cobiçado
Africa - um continente pobre e cobiçadoAfrica - um continente pobre e cobiçado
Africa - um continente pobre e cobiçado
 
Recursos minerais do brasil - I
Recursos minerais do brasil - IRecursos minerais do brasil - I
Recursos minerais do brasil - I
 
Coberturas vegetais do planeta e do brasil
Coberturas vegetais do planeta e do brasilCoberturas vegetais do planeta e do brasil
Coberturas vegetais do planeta e do brasil
 
Massas de Ar e Climas do Brasil
Massas de Ar e Climas do BrasilMassas de Ar e Climas do Brasil
Massas de Ar e Climas do Brasil
 
Globalização e blocos econômicos
Globalização e blocos econômicosGlobalização e blocos econômicos
Globalização e blocos econômicos
 
Estrutura geológica
Estrutura geológicaEstrutura geológica
Estrutura geológica
 
Climatologia - Atmosfera e sua dinamica
Climatologia - Atmosfera e sua dinamicaClimatologia - Atmosfera e sua dinamica
Climatologia - Atmosfera e sua dinamica
 
Relevo do brasil
Relevo do brasilRelevo do brasil
Relevo do brasil
 
Os meios de orientação e os fusos horários
Os meios de orientação e os fusos horáriosOs meios de orientação e os fusos horários
Os meios de orientação e os fusos horários
 

Pedologia

  • 1. Pedologia formação e tipos de solos geocontexto.blogspot.com 3º
  • 2. SOLO Camada superficial da crosta terrestre que resulta da decomposição das rochas do subsolo e contém substâncias orgânicas derivadas da decomposição de vegetais e de animais
  • 3. Minerais determinam a textura de um solo e sua composição físico - química, determinando a fertilidade Matéria orgânica materiais decompostos constituem o húmus, essencial à liberação de nutrientes, como o nitrogênio e o fósforo Ar para o crescimento da vegetação, raízes precisam de oxigênio Água desenvolvimento dos vegetais devido ao gás carbônico, oxigênio e sais minerais Elementosformadoresdeumsolo
  • 4. Clima  Determina a morfologia dos solos, temperatura e umidade determinam o grau de intemperismo Presença de organismos vivos  Determina a presença de húmus e sua consequente fertilidade Relevo  Condiciona o movimento superficial da água Tempo  Evolução da rocha ligada a decomposição da rocha-matriz Material de origem  Determina a velocidade da decomposição e a coloração do solo Fatoresdeinfluêncianaformaçãodosolo
  • 5.
  • 6. Perfildeumsolo Dividido em camadas horizontais  Textura, cor, consistência, estrut ura, atividade biológica tipo de superfície O que diferencia os horizontes?
  • 7. Horizonte O Camada superficial Constituído por húmus (restos vegetais e animais) Escuro, rico em nutrientes Horizonte A Mistura de húmus e matéria mineral (argila, areia) Rico em nutrientes Utilizado com o horizonte O para agricultura Horizonte E Perda de argilas, matéria orgânica e alumínio Matriz mais arenosa Horizonte B Decréscimo de matéria orgânica Coloração vermelha (alta concentração de ferro) Ou amarela (baixa concentração) Minerais lixiviados das camadas superiores Horizonte C Ausência da matéria orgânica Material mineral da erosão da rocha-mãe Horizonte D ou R Rocha-mãe que está em processo de alteração
  • 8. Formaçãodosolo Um vez formado o solo apresenta profundidade e propriedades diferenciadas Solo eluvial Proveniente da desagregação e da decomposição de rochas existentes na região de formação Solo aluvial Acúmulo de material transportado por meio da ação da água e do vento
  • 9. CLASSIFICAÇÃO DOS SOLOS Origem: Solo aluvial Acúmulo de material transportado por meio da ação da água e do vento Solo eluvial Proveniente da desagregação e da decomposição de rochas existentes na região de formação Influencia da vegetação, relevo e do clima: Zonais Solos maduros, horizontes bem diferenciados Intrazonais Parcialmente desenvolvido Azonais Pouco desenvolvido, rasos
  • 10. Principais solos férteis do Brasil e do Mundo Tchernozion (orgânico) - mais fértil, estepes da Ucrânia, Europa Central, pradarias do Canadá e EUA, pampas argentinos Loess (azonal) – Europa e China, acúmulo de sedimentos pela ação eólica, constituído basicamente de argila e calcário
  • 11. Principais solos férteis do Brasil e do Mundo Massapê– composto por gnaisse e calcário, litoral nordestino, cana-de-açúcar Terra roxa– formado da decomposição basáltica, material magmático, norte do PR, oeste de SP, café
  • 12. Classificação e características dos principais solos do Brasil Latossolos Profundos, porosos bem drenados ricos em ferro e alumínio pouco fértil Culturas anuais, perenes, pastagem Cerrado eAmazônia
  • 13. Argissolos fértil sofrem erosão, devido a grande diferença de textura nos horizontesAe B Cambissolos pouco profundo Solos jovens Alto teor de silte (material sedimentar, menor que areia fina e maior que argila) Pouca permeabilidade 10% da área do cerrado
  • 14. Litossolos Sertão nordestino e norte de MG Semiárido Rasos e duros, ricos em minerais em função da baixa lixiviação Requer técnicas de irrigação Vertissolos Massapé, 30% de argila Zona da mata
  • 15. Lixiviação – varredura dos nutrientes minerais leves pela ação da água, empobrecimento do solo Desmatamento – retirada da vegetação natural, favorece a erosão Processos que contribuem para o empobrecimento do solo
  • 16. Queimadas Provoca a perda dos nutrientes minerais, orgânicos e gasosos que compõem o solo Exploração intensiva monocultura, sem técnicas de manejo adequadas tende a perder nutrientes, pois os vegetais consomem do solo esses elementos
  • 17. Salinização (sais solúveis de sódio, magnésio e cálcio) Irrigação malsucedida os solos apresentam sais em níveis diferenciados. Quando este nível eleva-se chegando a uma concentração muito alta Ocorre quando há excesso de evaporação da água do solo, traz para cima sais das camadas mais profundas Exploração excessiva de águas subterrâneas em zonas costeiras Diminui nível de lençóis freáticos e aumenta a intrusão da água do mar
  • 18. Desertificação transformação de uma área em deserto, resultante de variações climáticas (redução de chuvas), atividades humanas (uso inapropriado do solo) Intensa seca no sul do Saara (Sahel) e no nordeste
  • 19. Arenização Aumento de areia, provocado pelo desmatamento Não é verificada uma redução das chuvas
  • 20. Compactação Solo sujeito a uma pressão mecânica (máquinas, pisoteio do gado) Reduz o espaço poroso, deteriora sua estrutura, dificulta a penetração de raízes, fertilidade
  • 21. EROSÃO Fenômeno de desgaste da superfície do solo que modifica suas formas Pode ser natural ou antrópico
  • 22. Processoerosivoenglobatrêsetapas: Desgaste Retirada dos materiais de rochas preexistentes Transporte Arrastamento dos materiais arrancados, recebem o nome de sedimentos Acumulação Deposição dos materiais transportados em áreas de baixas altitudes
  • 23. EROSÃO HÍDRICA (pluvial, fluvial, marinha e glacial) Erosão fluvial Rios escavam os leitos, ao longo de seu curso, os rios formam vales, destroem rochas, transportam sedimentos
  • 24. Erosãopluvial Retirada e transporte de material da superfície pelas águas da chuva Subdivide: Erosão laminar Agua corre uniformemente pela superfície, transportando partículas Forma amena de erosão e causa prejuízo nas atividades agrícolas, coloração mais clara do solo Assoreia rios
  • 25. Erosão de ravinamento Concentração do escoamento superficial, processo que marca a degradação do solo iniciada pela erosão laminar gerando as ravinas Voçoroca Estagio avançado de degradação dos solos, ocorrem em regiões de encostas Pode ser formado por processos erosivos superficiais e subperficiais
  • 26. Erosãomarinha Movimento constante das ondas, provoca a abrasão dos paredões rochosos do litoral Forma falésias
  • 27. Erosãomarinha Transporte e aacumulação de sedimentos pela ação das águas do mar formam as praias (deposito de areia ou cascalho)
  • 28. Erosãoglacialouglaciária Degelo executa um processo erosivo de transporte e acumulação de sedimentos Formam vales profundos em forma de U ouV IMAGEM PG. 14
  • 29. Erosãoeólica Provocada pela ação do vento pode ocorrer: Destruição Vento retira e transporte as partículas mais finas das rochas e, ao lançá-la, com violência, contra outras rochas, acaba escavando-as, em um trabalho denominado corrasão ou abrasão eólica Acumulação Deposito de materiais Dá origem a formas de relevo, esculpe arcos naturais ou forma desertos pedregosos Resulta as dunas
  • 30. Curva de nível – plantio em curvas, infiltração da água favorecida, escoamento superficial dificultado, evita o desgaste prematura Preservação, conservação e correção dos solos
  • 31. Terraceamento Construção de terraços, evitar processo erosivo, sul e sudeste da Ásia, rizicultura
  • 32. Rotação de culturas Evitar uso de adubação química e exaustão do solo Troca de cultura a cada novo plantio Adubação orgânica Resíduos de origem vegetal, animal, com elevado teor de componentes orgânicos Esterco de curral, de galinha, suínos, compostos orgânicos
  • 33. Consórcio de culturas Policultura, plantio de diversas espécies vegetais ao mesmo tempo em um terreno Diminui ricos de pragas, doenças e mantém o ambiente em equilíbrio Calagem Adicionar calcário a solos ácidos para torná-los propensos à agricultura Essencial para a expansão das fronteiras agrícolas no Cerrado
  • 34. Prática da policultura Cultivo de várias plantas numa mesma área provoca a diminuição de praga, evitando assim a utilização de agrotóxicos em excesso Plantio direto Consiste em plantar diretamente sobre os restos da colheita anterior
  • 35. Controle biológico de pragas Técnica em que se utiliza organismos benéficos contra os organismos prejudiciais introdução no ambiente de seus inimigos naturais (insetos, pássaros, ácaros, vírus, etc.). Não prejudica a qualidade dos alimentos, nem outros seres vivos, como fazem os agrotóxicos