Pnaic 8ª aula organizacao e planejamento pedagogico para o blog 1

3.055 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.055
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
489
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
46
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Pnaic 8ª aula organizacao e planejamento pedagogico para o blog 1

  1. 1. Sistematização dos pontos principais da discussão O Planejamento antecipa mentalmente uma ação para que esta seja realizada de acordo com o previsto (Vasconcelos, 2006). O planejamento escolar está inserido dentro do plano global da escola e inclui necessariamente o papel social da escola, suas metas e seus objetivos. Assim, ele direciona o que e o para quê fazer. Ele torna consciente a intencionalidade que orientará a intervenção pedagógica adequada para assegurar a coerência entre o que se pretende alcançar com os alunos e o trabalho pedagógico em sala de aula.
  2. 2. O que está subjacente ao planejamento? • para sua realização é preciso conhecer a realidade do aluno, como ele vê a escola, para, a partir daí definir o ponto de partida e as metas para o trabalho; • o planejamento escolar é contínuo, um processo permanente de reflexão e de tomada de decisões, portanto passível de reajustes e reformulações à medida que a interação professor/aluno aumenta; • o planejamento envolve uma ação coletiva, de toda equipe escola e não isolada; • o planejamento deve romper com a fragmentação do conhecimento e priorizar a interdisciplinaridade, sem negar as especificidades e objetivos de cada componente curricular.
  3. 3. Formas de organização do trabalho pedagógico • há diferentes formas de organizar o trabalho pedagógico para contemplar os grupos de alunos que são heterogêneos e que por isso expressam-se de diferentes modos e possuem diferentes ritmos de aprender, assim como diferentes interesses; • um trabalho que contemple a todos os alunos, requer variadas atividades (coletivas, em duplas, individuais)
  4. 4. Formas de Organização do Trabalho Pedagógico • Atividades Permanentes • Projetos Pedagógicos • Sequências Didáticas
  5. 5. PROJETOS DIDÁTICOS ATIVIDADES SEQUENCIADAS SEQUÊNCIA DIDÁTICA ATIVIDADES PERMANENTES -São situações didáticas que: - Se articulam em função de uma finalidade e de um produto final compartilhado. -Contextualizam as atividades -podem ser interdisciplinares. São situações didáticas articuladas em torno de um conhecimento específico Possuem uma sequência crescente de desafios -não tem um produto final São situações didáticas cujo objetivo é constituir atitudes, desenvolver comportamentos etc. PERIODICIDADE: depende dos objetivos propostos - um projeto pode ser de dias ou meses. PERIODICIDADE: variável PERIODICIDADE: semanal, quinzenal, diária - as atividades se repetem de forma sistemática e previsível. Obs.: Podem ocorrer também atividades ocasionais
  6. 6. Atividades Permanentes Elas devem envolver os eixos da alfabetização: • Leitura; • Produção de Textos; • Análise linguística; • Oralidade.
  7. 7. Exemplos de Atividades Permanentes Produção de Textos Escritos (individualmente, coletivo, em duplas): • produção de textos de gêneros variados (bilhete, convite, regras, lista com nomes de colegas etc); • reescrita; • texto oral com destino escrito (entrevista?
  8. 8. Exemplos de Atividades Permanentes Leitura: • leitura realizada pelo professor (deleite, preferencialmente com textos literários); • leitura realizada pelos alunos (silenciosa, compartilhada de gêneros diversos); • leitura na biblioteca (A Hora do Conto).
  9. 9. Exemplos de Atividades Permanentes Análise linguística: • atividades para comprender as diferenças entre escrita e outras formas gráficas (outros sistemas de representação) • atividades para conhecer o alfabeto; • atividades para reconhecer unidades fonológicas como sílabas, rimas terminações de palavras; • atividades para dominar as relações entre grafemas e fonemas (regularidades e irregularidades ortográficas
  10. 10. Exemplos de Atividades Permanentes Oralidade: • Jornal falado; • Seminários; • Reconto de textos; • Assembleia; • Debates sobre temas estudados.
  11. 11. Atividade Final em Grupos Com base nas Diretrizes Curriculares da Educação Básica para o Ensino Fundamental de Campinas, dos quadros de referência, dos direitos de aprendizagem de Língua Portuguesa contemplados na unidade 1 e do seu plano anual de ensino, escrevam o plano e os saberes para o 2º trimestre. Procurem contemplar nos planos os eixos do ensino de Língua Portuguesa: leitura, produção de textos, análise linguística e oralidade. Enquanto modos de organização do trabalho considerem as atividades permanentes, os projetos didáticos e as sequências didáticas. Considerem também a avaliação diagnóstica realizada no início do ano e a descrição de saberes já realizada.
  12. 12. Sugestão de Leitura Complementar • Leitura de 5 relatos de professores sobre a organização do trabalho com a leitura e a escrita no fascículo “A Organização do Tempo Pedagógico e o Planejamento do Ensino” no material Pró-Letramento “Alfabetização e Linguagem”
  13. 13. “Final do período. As atividades do dia foram terminadas. Todos estão à espera de poder voltar para casa. Afinal, mais um dia de lições e exercícios já se completou. As crianças recebem orientação para arrumar o material, organizá-lo e guardá-lo na mochila. Depois disso, dirigem-se de forma organizada para sentar-se em roda. A professora, então, pega um livro de histórias e começa a leitura em voz alta para que todos possam ouvir. As crianças começam a prestar atenção. No entanto, o sinal está prestes a tocar, as crianças e a própria professora estão prontos para sair da sala. Junto a isso, em meio à leitura que se desenvolve, de tempos em tempos entra uma funcionária na sala para avisar que tal ônibus já chegou. Algumas crianças então se levantam e seguem a funcionária. A leitura é interrompida momentaneamente e depois é recomeçada. Algumas crianças viram-se para a porta, esperando que sejam chamadas a sair da classe. Nova agitação, nova chamada por causa da chegada de um outro ônibus... E a leitura?” RELATO I
  14. 14. “A menina que não se chamava Maria e o menino que não se chamava João” Essa foi uma história que eu contei para os meus alunos, em partes, porque era longa. Às vezes acontece isso, eu leio um livro que é surpresa para mim e surpresa para as crianças. Esse livro foi muito interessante, forte, mobilizou um monte de emoção. Tinha hora que eu tinha vontade de chorar. Eu falava: o que é que eu faço? Vamos dar uma respirada e amanhã a gente continua. Tem um outro livro de poesia que a gente leu há pouco tempo. Era um livro de cores: “A história das cores”. É um livro narrado em espanhol, tem as duas versões: português e espanhol. Eu li as duas versões para mim. Eles queriam, claro, que eu lesse em espanhol. Comecei a ler, eles não entenderam muito. Aí eu lia as duas versões, lia primeiro em português e depois espanhol, o espanhol depois em português. Foi essa brincadeira até o final do livro. O livro também era longo, durou sei lá quantos dias, mas teve essa brincadeira.” RELATO II
  15. 15. “Eu me lembro que esperei na maior ansiedade a hora de entrar na escola. Só que quando eu entrei na 1ª série, chorava muito e não queria ir mais. Eu queria escrever, não queria ficar copiando o alfabeto, um montão de vezes seguidas... Eu já sabia escrever o meu nome, que minha irmã tinha ensinado, sabia formar algumas palavras, mas a professora não me deixava escrevê-las. Lembro que escondido dela eu tentava copiar e ler palavras escritas nos cartazes feitos por alunos da turma que usava a mesma sala em outro período.” RELATO III
  16. 16. “O fato de eu ler, todos os dias um livro para minha sala, tem a ver com esse meu gosto pela leitura por que, se eu não gostasse de ler, eu não faria isso. Eu fui escrever hoje uma carta com eles para a D1 . Eu estava com as crianças escrevendo e eles tinham que contar algumas coisas que eles faziam na escola. A primeira coisa que eles lembraram foi assim: “A gente lê muita história”. Uma coisa que eu achei muito legal ter vindo deles é que eles disseram: “A gente lê”, não é a professora quem lê mas é: “A gente é quem lê”. Eles fizeram uma relação de um monte histórias que eu li, e que nem eu lembrava que tinha lido para essa turma. Para você ter idéia de como aquilo foi marcante para eles! Outro ponto: o cuidado que eles têm com o livro, por exemplo. Quando acontece o empréstimo de biblioteca, ao observar seus comportamentos em relação ao manuseio e conservação, percebo que foi uma coisa que eu passei para eles, principalmente em função do modo de me relacionar com a leitura, com os livros.” RELATO IV
  17. 17. A professora Luciana trabalha com crianças que estão em processo de aquisição da escrita e da leitura, em uma escola da Rede Municipal de Ensino da cidade de Campinas, no Estado de São Paulo. Ela propôs, no início do ano, um trabalho de registro (parcial) das histórias de vida das crianças de sua sala. Para isso, ela organiza diariamente com a turma uma roda que conta com a presença do responsável por uma das crianças (mãe, pai, avó, tia — necessariamente alguém que tenha disponibilidade e acompanhe a criança mais de perto). O responsável pela criança costuma levar alguns objetos que ajudam a lembrar a história dela, tais como roupas e sapatos, fotografias, e conta um pouco da história de quando a criança era ainda um bebê, a partir do roteiro elaborado coletivamente pela turma. O roteiro possui perguntas sobre como era a alimentação da criança, sobre suas travessuras, a escolha do nome etc. Algumas pessoas não levam objetos (por se tratar de crianças de camadas populares nem todos possuem fotografias, por exemplo), mas todas elas contam a história das crianças. A professora fez a opção por registrar a história de cada criança e organizar com elas um álbum com texto e fotografias das memórias da turma. Como escrever um texto (extenso) sobre sua história de vida pode tornar a tarefa demasiadamente penosa para a criança em processo de aquisição da escrita, a professora tem o papel de escriba da sala. Ou seja, ela mesma registra as informações e lê para os alunos os textos assim produzidos para que eles sugiram mudanças na sua organização e em seus modos de dizer. Como o projeto é registrar a história de todas as crianças da turma, ele vai sendo desenvolvido ao longo do ano, podendo durar até o seu final. RELATO V
  18. 18. Tarefa de Casa Trazer para dia 26/06 - Rotina Semanal - Leitura dos cadernos •Ano 1 (páginas 17 a 27), •Ano 2 (páginas16 a 26), •Ano 3 (páginas 15 a 22) Trazer para dia 03/07 Sondagem realizada com sua turma.

×