SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 30
Agrupamento Vertical de Escolas E.B 2,3 Dr. Garcia Domingues “O Hinduísmo” Raquel Sequeira Silves 2009
Agrupamento Vertical de Escolas Dr. Garcia Domingues O Hinduísmo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
Índice ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
O Hinduísmo ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
A origem do Hinduísmo e os escritos Vedas ,[object Object],[object Object]
Ravana, o Demónio Ravana, rei dos rakshasas, ou demónios, e governanate de Lanka, combate Rama que, por fim, o mata com uma flecha sagrada. Trata-se do culminar do conflito entre deuses e demónios, em que Ravana rapta Sita, mulher de Rama. Fez isto para vingar a irmã, Surpa-nakha, que se apaixonou por Rama, foi rejeitada e, ao atacar Sita por ciúme, o seu meio-irmão, Lakshamana, feriu-a. Hanuman Hamunan, o Deus-Macaco e general do exército dos símios, é altruísta e fiel, o ideal indiano do servo perfeito. Já era venerado quando o Ramayana apareceu - um vestígio de um antigo culto da natureza. É capaz de mudar de forma e diz-se que é filho de Vayu, o deus dos ventos. O Príncipe Rama Rama, príncipe de Ayodhya, é o epítome de tudo o que é nobre, encantador e talentoso. Com os seus três irmãos, dos quais ele é o mais velho e o mais nobre, encarna o Vixnu, um deus cuja cor da pele é também azul, a cor do infinito. O Príncipe Rama nasceu a pedido dos deuses que estavam a ser oprimidos por Ravana. Anos antes o deus Brama prometera a Ravana imunidade contra o ataque de todos os deuses e criaturas, exceptuando os homens, Assim, Rama nasceu para pôr fim à tirania de Ravana. Lakshmana Lakshmana, meio irmão de Rama, é um seu adepto fiel que compartilhou do exílio fraterno. Sita foi raptada enquanto estava à sua guarda. Enganada – supondo que Rama estava em perigo -, obrigou Lakshamana a deixá-la, após o que Ravana a levou. O  Ramayana   foi escrito em sânscrito pelo poeta Valmiki e inspirou versões tardias. A história do rapto de Sita pode simbolizar as tensões entre raças indo-arianas, representadas por Rama, que entraram na Índia por volta de 1500 a.C., e as populações indígenas dos Drávidas, representadas por Ravana.
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],Agni, deus védico do fogo, que preside à Terra, fez a transição para o ponteão hindu dos deuses sem perder a sua importância, sendo declarado o elo entre Céu e Terra. Está associado ao sacrifício védico, transportando ofertas para além do fogo. O seu veículo é o carneiro. A Crença nos Deuses
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
Hanuman ,[object Object]
[object Object],[object Object]
Os poderes de conservação, recuperação e protecção de Vixnu têm-se manifestado no mundo numa sucessão de nove encarnações eternas, conhecidas por avatares. Os avatares chegam para evitar um grande mal, ou para fazer o bem. Já foram avistados nove: três com forma não humana, um com forma híbrida e cinco com forma humana.  Os 9 avatares são: Matsya,  o peixe, salvou da inundação a humanidade e os sagrados textos dos Veda. Vamana,  o anão que venceu o rei Bali, um poderoso demónio.
Hurma,  a tartaruga, ajudou a criar o mundo sustentando-o no dorso. Varaba,  o javali, ergueu o mundo das águas com as suas presas. Narasimba,  semi-homem, semileão, destruiu um rei-demónio. Parashurama,  o sacerdote, destruiu a casta dos guerreiros.
Rama,  salvou a mulher, Sita, e matou o demónio Ravana. Krishna,  contou ao guerreiro Arjuna o poema épico Bagavaguita. Buda,  o iluminado. O avatar final de Vixnu é esperado quando a terra estiver no fim do seu actual ciclo, com o objectivo de destruir o mundo e de o recriar  a seguir. O último avatar, aparecerá sob a forma de um cavalo, o  Kalki.
Lakshmi,   a Deusa da Sorte Lakshmi é a deusa da sorte e, também, parceira de Vixnu, aparecida em cada uma das suas encarnações. Quando Vixnu desceu à terra como Vamana, o anão, Lakshmi apareceu com um lótus; quando Vixnu foi Rama, ela veio como Sita, e quando ele surgiu como Krishna, ela veio como Radha. Lakshmi nasceu quando os deuses e os demónios incentivaram a criação ao baterem o cósmico mar de leite com a montanha sagrada, Mandara, instalada na carapaça de Kurma, a tartaruga encarnação de Vixnu. As batidas criaram Lakshmi, juntamente com um néctar celestial que tornou os deuses imortais. Quando é venerada sozinha, então é Lokamata, Mão do Mundo.
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
A  Lua em Crescente  rodeando o terceiro olho de Xiva é um símbolo de Nandi, o Toiro, que também representa a fecundidade e muitas vezes acompanha Xiva.  O pé esquerdo de Xivam erguido, indica  libertação. A quarta mão de Xiva, aponta o seu próprio pé, debaixo do qual o fiel se pode refugiar. Representação do fogo Xiva é muitas vezes representado a dançar sobre o corpo do demónio- Apasmara-  que matou e, neste papel, chama-se-lhe Natesa,  simbolizando a ignorância do ensinamento. Xiva segura na mão a chama da destruição e controla-a, assim como controla a re-criação do mundo, logo que a destruição tenha acabado. Esta estatueta do século XI mostra Xiva a executar Tandava – uma dança- que simboliza, simultaneamente, a sua glória e o movimento do Universo, quando ela aniquila o mundo no fim de um ciclo. A dança representa a destruição do Maia, o mundo ilusório. No papel de Bhairava, a natureza violenta de Xiva intensifica-se porque se diz que, então, sente prazer em destruir.
[object Object],[object Object]
[object Object],[object Object]
[object Object],As Festividades Hinduístas
[object Object]
[object Object],[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]
 
Conclusão ,[object Object]
Bibliografia ,[object Object],[object Object],[object Object],[object Object]

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados (20)

Slides hinduismo
Slides hinduismoSlides hinduismo
Slides hinduismo
 
Filosofia Védica
Filosofia VédicaFilosofia Védica
Filosofia Védica
 
Religioes
ReligioesReligioes
Religioes
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Trabalho de Hinduísmo
Trabalho de HinduísmoTrabalho de Hinduísmo
Trabalho de Hinduísmo
 
Hínduismo
HínduismoHínduismo
Hínduismo
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
IBADEP MÉDIO - RELIGIÕES E SEITAS AULA 2
IBADEP MÉDIO - RELIGIÕES E SEITAS AULA 2 IBADEP MÉDIO - RELIGIÕES E SEITAS AULA 2
IBADEP MÉDIO - RELIGIÕES E SEITAS AULA 2
 
Os habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astralOs habitantes do plano astral
Os habitantes do plano astral
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Catolicismo
CatolicismoCatolicismo
Catolicismo
 
A Doutrina Secreta - Conceitos Básicos
A Doutrina Secreta  - Conceitos BásicosA Doutrina Secreta  - Conceitos Básicos
A Doutrina Secreta - Conceitos Básicos
 
Budismo | ¡Descarga el ppt =D!
Budismo |  ¡Descarga el ppt =D!Budismo |  ¡Descarga el ppt =D!
Budismo | ¡Descarga el ppt =D!
 
Religiões chinesas
Religiões chinesasReligiões chinesas
Religiões chinesas
 
HINDUÍSMO
HINDUÍSMOHINDUÍSMO
HINDUÍSMO
 
EL BUDISMO
EL BUDISMO EL BUDISMO
EL BUDISMO
 
SEITAS E HERESIAS - TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
SEITAS E HERESIAS - TESTEMUNHAS DE JEOVÁSEITAS E HERESIAS - TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
SEITAS E HERESIAS - TESTEMUNHAS DE JEOVÁ
 
Buddhism Diversity Presentation
Buddhism Diversity PresentationBuddhism Diversity Presentation
Buddhism Diversity Presentation
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Carnaval suas origens e causa na sociedade brasileira
Carnaval  suas origens e causa na sociedade brasileiraCarnaval  suas origens e causa na sociedade brasileira
Carnaval suas origens e causa na sociedade brasileira
 

Destaque (20)

Hinduísmo..
Hinduísmo..Hinduísmo..
Hinduísmo..
 
Hinduismo
HinduismoHinduismo
Hinduismo
 
HinduíSmo
HinduíSmoHinduíSmo
HinduíSmo
 
Hinduísmo
HinduísmoHinduísmo
Hinduísmo
 
Budismo e hinduismo
Budismo e hinduismoBudismo e hinduismo
Budismo e hinduismo
 
HinduíSmo Madalena E Rute
HinduíSmo  Madalena E  RuteHinduíSmo  Madalena E  Rute
HinduíSmo Madalena E Rute
 
Hinduismo 120321063319-phpapp01
Hinduismo 120321063319-phpapp01Hinduismo 120321063319-phpapp01
Hinduismo 120321063319-phpapp01
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Confucionismo
ConfucionismoConfucionismo
Confucionismo
 
O budismo
O budismoO budismo
O budismo
 
Microsoft Power Point Grandes ReligiõEs
Microsoft Power Point   Grandes ReligiõEsMicrosoft Power Point   Grandes ReligiõEs
Microsoft Power Point Grandes ReligiõEs
 
Budismo slide
Budismo slideBudismo slide
Budismo slide
 
Aspectos demográficos
Aspectos demográficosAspectos demográficos
Aspectos demográficos
 
Judaismo
JudaismoJudaismo
Judaismo
 
O Fantastico Mundo Da India
O Fantastico Mundo Da IndiaO Fantastico Mundo Da India
O Fantastico Mundo Da India
 
Origem Das Religiões
Origem Das ReligiõesOrigem Das Religiões
Origem Das Religiões
 
Budismo
BudismoBudismo
Budismo
 
Grandes religiones laura 6ºC
Grandes religiones laura 6ºCGrandes religiones laura 6ºC
Grandes religiones laura 6ºC
 
Boris Petrovic - Tecnologias de Consciência - Centro Brasileiro de Estudos de...
Boris Petrovic - Tecnologias de Consciência - Centro Brasileiro de Estudos de...Boris Petrovic - Tecnologias de Consciência - Centro Brasileiro de Estudos de...
Boris Petrovic - Tecnologias de Consciência - Centro Brasileiro de Estudos de...
 
ARHAT
ARHATARHAT
ARHAT
 

Semelhante a Hinduismo Raquel

Mitologia hindu - Prof. Altair Aguilar
Mitologia hindu - Prof. Altair AguilarMitologia hindu - Prof. Altair Aguilar
Mitologia hindu - Prof. Altair AguilarAltair Moisés Aguilar
 
Hinduismo, Islamismo, Cristianismo
Hinduismo, Islamismo, Cristianismo Hinduismo, Islamismo, Cristianismo
Hinduismo, Islamismo, Cristianismo Gessica Chaves
 
Mitologia Hindu.pdf
Mitologia Hindu.pdfMitologia Hindu.pdf
Mitologia Hindu.pdfangiregi
 
Hiduismo duarte s 8º
Hiduismo  duarte s 8ºHiduismo  duarte s 8º
Hiduismo duarte s 8ºberenvaz
 
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e ChinaRafael Noronha
 
Hello Cbot! http://awaren.us/MphUVB
Hello Cbot! http://awaren.us/MphUVBHello Cbot! http://awaren.us/MphUVB
Hello Cbot! http://awaren.us/MphUVBnikhilawareness
 
#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkx
#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkx#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkx
#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkxnikhilawareness
 
Ensino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso HinduísmoEnsino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso Hinduísmoiraciva
 
6º ano rafa história - india
6º ano   rafa história - india6º ano   rafa história - india
6º ano rafa história - indiaRafael Noronha
 
hDeusa suprema kali
hDeusa suprema kalihDeusa suprema kali
hDeusa suprema kaliOgun Deje
 
Brihadaranyaka e katha upanishads
Brihadaranyaka e katha upanishadsBrihadaranyaka e katha upanishads
Brihadaranyaka e katha upanishadsIvan Poli
 
Trabalho sobre a India
Trabalho sobre a IndiaTrabalho sobre a India
Trabalho sobre a IndiaCarine Lazaron
 
SHIVA E SHAKTI.pptx
SHIVA E SHAKTI.pptxSHIVA E SHAKTI.pptx
SHIVA E SHAKTI.pptxPauloShiva
 
Símbolos religiosos diversos.ppt
Símbolos religiosos diversos.pptSímbolos religiosos diversos.ppt
Símbolos religiosos diversos.pptGIEZEKARNOSKI1
 

Semelhante a Hinduismo Raquel (20)

Mitologia hindu - Prof. Altair Aguilar
Mitologia hindu - Prof. Altair AguilarMitologia hindu - Prof. Altair Aguilar
Mitologia hindu - Prof. Altair Aguilar
 
Bramanismo
BramanismoBramanismo
Bramanismo
 
Hinduismo, Islamismo, Cristianismo
Hinduismo, Islamismo, Cristianismo Hinduismo, Islamismo, Cristianismo
Hinduismo, Islamismo, Cristianismo
 
Mitologia Hindu.pdf
Mitologia Hindu.pdfMitologia Hindu.pdf
Mitologia Hindu.pdf
 
Hinduísmo
Hinduísmo  Hinduísmo
Hinduísmo
 
Hiduismo duarte s 8º
Hiduismo  duarte s 8ºHiduismo  duarte s 8º
Hiduismo duarte s 8º
 
Relig mund aula 2
Relig mund aula 2Relig mund aula 2
Relig mund aula 2
 
Hinduismo resumo
Hinduismo resumoHinduismo resumo
Hinduismo resumo
 
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China6º ano   rafa história - Um pouco de Índia e China
6º ano rafa história - Um pouco de Índia e China
 
SS Back?
SS Back?SS Back?
SS Back?
 
Hello Cbot! http://awaren.us/MphUVB
Hello Cbot! http://awaren.us/MphUVBHello Cbot! http://awaren.us/MphUVB
Hello Cbot! http://awaren.us/MphUVB
 
#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkx
#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkx#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkx
#SeptPush This is it http://4rd.ca/aabdkx
 
6 ano deuses hindus
6 ano deuses hindus6 ano deuses hindus
6 ano deuses hindus
 
Ensino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso HinduísmoEnsino Religioso Hinduísmo
Ensino Religioso Hinduísmo
 
6º ano rafa história - india
6º ano   rafa história - india6º ano   rafa história - india
6º ano rafa história - india
 
hDeusa suprema kali
hDeusa suprema kalihDeusa suprema kali
hDeusa suprema kali
 
Brihadaranyaka e katha upanishads
Brihadaranyaka e katha upanishadsBrihadaranyaka e katha upanishads
Brihadaranyaka e katha upanishads
 
Trabalho sobre a India
Trabalho sobre a IndiaTrabalho sobre a India
Trabalho sobre a India
 
SHIVA E SHAKTI.pptx
SHIVA E SHAKTI.pptxSHIVA E SHAKTI.pptx
SHIVA E SHAKTI.pptx
 
Símbolos religiosos diversos.ppt
Símbolos religiosos diversos.pptSímbolos religiosos diversos.ppt
Símbolos religiosos diversos.ppt
 

Mais de Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes

Mais de Tito Romeu Gomes de Sousa Maia Mendes (20)

Trabalho de grupo 5ºa
Trabalho de grupo 5ºaTrabalho de grupo 5ºa
Trabalho de grupo 5ºa
 
Silves cristã
Silves cristãSilves cristã
Silves cristã
 
A importancia da água
A importancia da águaA importancia da água
A importancia da água
 
áGua
áGuaáGua
áGua
 
A importancia da água
A importancia da águaA importancia da água
A importancia da água
 
A arte religiosa na cidade de silves
A arte religiosa na cidade de silvesA arte religiosa na cidade de silves
A arte religiosa na cidade de silves
 
Arte cristã em silves 5ºa
Arte cristã em silves 5ºaArte cristã em silves 5ºa
Arte cristã em silves 5ºa
 
Joao arez e pedro
Joao arez e pedroJoao arez e pedro
Joao arez e pedro
 
Historia do rock
Historia do rockHistoria do rock
Historia do rock
 
O nosso planeta
O nosso planetaO nosso planeta
O nosso planeta
 
Apresentação joana...
Apresentação joana...Apresentação joana...
Apresentação joana...
 
Apresentação moral
Apresentação   moralApresentação   moral
Apresentação moral
 
Apresentação joana...
Apresentação joana...Apresentação joana...
Apresentação joana...
 
Religião
ReligiãoReligião
Religião
 
Monoteísmo e politeísmo
Monoteísmo e politeísmoMonoteísmo e politeísmo
Monoteísmo e politeísmo
 
Projecto vida
Projecto vidaProjecto vida
Projecto vida
 
Projecto de voluntariado..
Projecto de voluntariado..Projecto de voluntariado..
Projecto de voluntariado..
 
Projecto ines costa 9 a
Projecto  ines costa 9 aProjecto  ines costa 9 a
Projecto ines costa 9 a
 
Projecto de voluntariado..
Projecto de voluntariado..Projecto de voluntariado..
Projecto de voluntariado..
 
Projecto vida
Projecto vidaProjecto vida
Projecto vida
 

Hinduismo Raquel

  • 1. Agrupamento Vertical de Escolas E.B 2,3 Dr. Garcia Domingues “O Hinduísmo” Raquel Sequeira Silves 2009
  • 2.
  • 3.
  • 4.
  • 5.  
  • 6.
  • 7. Ravana, o Demónio Ravana, rei dos rakshasas, ou demónios, e governanate de Lanka, combate Rama que, por fim, o mata com uma flecha sagrada. Trata-se do culminar do conflito entre deuses e demónios, em que Ravana rapta Sita, mulher de Rama. Fez isto para vingar a irmã, Surpa-nakha, que se apaixonou por Rama, foi rejeitada e, ao atacar Sita por ciúme, o seu meio-irmão, Lakshamana, feriu-a. Hanuman Hamunan, o Deus-Macaco e general do exército dos símios, é altruísta e fiel, o ideal indiano do servo perfeito. Já era venerado quando o Ramayana apareceu - um vestígio de um antigo culto da natureza. É capaz de mudar de forma e diz-se que é filho de Vayu, o deus dos ventos. O Príncipe Rama Rama, príncipe de Ayodhya, é o epítome de tudo o que é nobre, encantador e talentoso. Com os seus três irmãos, dos quais ele é o mais velho e o mais nobre, encarna o Vixnu, um deus cuja cor da pele é também azul, a cor do infinito. O Príncipe Rama nasceu a pedido dos deuses que estavam a ser oprimidos por Ravana. Anos antes o deus Brama prometera a Ravana imunidade contra o ataque de todos os deuses e criaturas, exceptuando os homens, Assim, Rama nasceu para pôr fim à tirania de Ravana. Lakshmana Lakshmana, meio irmão de Rama, é um seu adepto fiel que compartilhou do exílio fraterno. Sita foi raptada enquanto estava à sua guarda. Enganada – supondo que Rama estava em perigo -, obrigou Lakshamana a deixá-la, após o que Ravana a levou. O Ramayana foi escrito em sânscrito pelo poeta Valmiki e inspirou versões tardias. A história do rapto de Sita pode simbolizar as tensões entre raças indo-arianas, representadas por Rama, que entraram na Índia por volta de 1500 a.C., e as populações indígenas dos Drávidas, representadas por Ravana.
  • 8.
  • 9.
  • 10.
  • 11.
  • 12.
  • 13.
  • 14.
  • 15.
  • 16.
  • 17. Os poderes de conservação, recuperação e protecção de Vixnu têm-se manifestado no mundo numa sucessão de nove encarnações eternas, conhecidas por avatares. Os avatares chegam para evitar um grande mal, ou para fazer o bem. Já foram avistados nove: três com forma não humana, um com forma híbrida e cinco com forma humana. Os 9 avatares são: Matsya, o peixe, salvou da inundação a humanidade e os sagrados textos dos Veda. Vamana, o anão que venceu o rei Bali, um poderoso demónio.
  • 18. Hurma, a tartaruga, ajudou a criar o mundo sustentando-o no dorso. Varaba, o javali, ergueu o mundo das águas com as suas presas. Narasimba, semi-homem, semileão, destruiu um rei-demónio. Parashurama, o sacerdote, destruiu a casta dos guerreiros.
  • 19. Rama, salvou a mulher, Sita, e matou o demónio Ravana. Krishna, contou ao guerreiro Arjuna o poema épico Bagavaguita. Buda, o iluminado. O avatar final de Vixnu é esperado quando a terra estiver no fim do seu actual ciclo, com o objectivo de destruir o mundo e de o recriar a seguir. O último avatar, aparecerá sob a forma de um cavalo, o Kalki.
  • 20. Lakshmi, a Deusa da Sorte Lakshmi é a deusa da sorte e, também, parceira de Vixnu, aparecida em cada uma das suas encarnações. Quando Vixnu desceu à terra como Vamana, o anão, Lakshmi apareceu com um lótus; quando Vixnu foi Rama, ela veio como Sita, e quando ele surgiu como Krishna, ela veio como Radha. Lakshmi nasceu quando os deuses e os demónios incentivaram a criação ao baterem o cósmico mar de leite com a montanha sagrada, Mandara, instalada na carapaça de Kurma, a tartaruga encarnação de Vixnu. As batidas criaram Lakshmi, juntamente com um néctar celestial que tornou os deuses imortais. Quando é venerada sozinha, então é Lokamata, Mão do Mundo.
  • 21.
  • 22. A Lua em Crescente rodeando o terceiro olho de Xiva é um símbolo de Nandi, o Toiro, que também representa a fecundidade e muitas vezes acompanha Xiva. O pé esquerdo de Xivam erguido, indica libertação. A quarta mão de Xiva, aponta o seu próprio pé, debaixo do qual o fiel se pode refugiar. Representação do fogo Xiva é muitas vezes representado a dançar sobre o corpo do demónio- Apasmara- que matou e, neste papel, chama-se-lhe Natesa, simbolizando a ignorância do ensinamento. Xiva segura na mão a chama da destruição e controla-a, assim como controla a re-criação do mundo, logo que a destruição tenha acabado. Esta estatueta do século XI mostra Xiva a executar Tandava – uma dança- que simboliza, simultaneamente, a sua glória e o movimento do Universo, quando ela aniquila o mundo no fim de um ciclo. A dança representa a destruição do Maia, o mundo ilusório. No papel de Bhairava, a natureza violenta de Xiva intensifica-se porque se diz que, então, sente prazer em destruir.
  • 23.
  • 24.
  • 25.
  • 26.
  • 27.
  • 28.  
  • 29.
  • 30.