Ofimunicipal7maio2008

381 visualizações

Publicada em

Oficina sobre captação de recursos para prefeituras.

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
381
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
4
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
14
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide
  • Século XIX
    O Estado nasce antes da nação
    Assistência social: mandado para a Igreja, organizações assistenciais confessionais: asilos, orfanatos, santas casas, obras de caridade
    Século XX
    O Estado brasileiro se envolve diretamente na assistência social
    Surgem as políticas de Getúlio Vargas, CLT, Ss, LBA, INPSs
    Militares
    Políticas compensatória e distributivista
  • Séculos 19 e 20 – entidades religiosas, confessionais, caritárias, existentes até hoje.
    Anos 50 – conceito de proteção do trabalhador – organizações sem fins lucrativos são os partidos, os sindicatos, os clubes, as fundações corporativas, as fundações de previdência
    TUDO FECHADO PARA GRUPOS, CLASSES –
    Anos 70 – abertura lenta e gradual – ongs não tinham apoio nem político nem financeiro nacional. Se valem do capital internacional e de seu apoio político para sua proteção e sustentabilidade
    Anos 80 – início da democratização – redes, associações, “nacionalização” das ongs, maior visibilidade
    anos 90 – surgimento de um maior número de organizações, dados redegife, conceito da causa pública, da responsabilidade coletiva
  • Ofimunicipal7maio2008

    1. 1. Oficina Elaboração de Projetos eOficina Elaboração de Projetos e Parcerias para o DesenvolvimentoParcerias para o Desenvolvimento MunicipalMunicipal Marcelo Estraviz
    2. 2. Antes de começarmos, é bom saber queAntes de começarmos, é bom saber que vamos passar um dia juntos, então...vamos passar um dia juntos, então... *Quem são vocês?*Quem são vocês?*Não se trata aqui de instituições...
    3. 3. ENSINARENSINAR Estímulos para pensarEstímulos para pensar e desmistificar os monstrose desmistificar os monstros Consultoria Coletiva para sair diferente de como entrou ACORDOS:  Horário  Celulares  Silêncio  Perguntas VAMOS COMBINAR?VAMOS COMBINAR?
    4. 4. AGENDAAGENDA  9:30 as 11:00 Introdução a Captação de Recursos Introdução aos conceitos fundamentais da captação de recursos assim como a desmistificação de conceitos equivocados sobre o tema. Histórico brasileiro resumido e análise comparada com outros países.  11:30 as 12:30 Diversificação das Fontes de Financiamento Existem novas formas de obtenção de recursos mais além dos tradicionais repasses e cobrança de impostos? Como algumas cidades tem buscado formas alternativas para realizar ações de desenvolvimento? O que se poder aprender das experiências do terceiro setor na diversificação de fontes?  14:00 as 15:30 Recursos Federais e Internacionais para Municípios Destacaremos uma das formas de repasse federal aos municípios, que trata das transferências voluntárias. A operacionalização dessas transferências é, em regra, viabilizada por meio de convênios ou contrato de repasses.  16:00 as 17:00 Envolvimento Comunitário Pode-se optar por buscar recursos dentro do gabinete ou envolvendo a comunidade na busca de soluções sociais. Neste momento da Oficina, discutiremos sobre quais as características que permitem estabelecer um ciclo virtuoso de financiamentos e quais as experiências que se tornaram referência aqui no Brasil e lá fora.
    5. 5. município SOBREVIVENDO E APRENDENDO RECURSOS MUNDO FUTURO PARCEIROS
    6. 6. SUSTENTABILIDADE INSTITUCIONALSUSTENTABILIDADE INSTITUCIONAL MobilizarMobilizar RecursosRecursos prapra gerar frutosgerar frutos DESENVOLVIMENTO INSTITUCIONAL AÇÕES MISSÃO semente caule DESENVOLVIMENTO MUNICIPAL frutos
    7. 7. O QUE É CAPTAR?O QUE É CAPTAR? PEDIR DINHEIRO SUPRIR NECESSIDADES CONCILIAR INTERESSES OU OUTRAS COISAS
    8. 8. “Nunca pense que você precisa se desculpar por pedir a alguém que doe para uma causa de valor, é como se você estivesse dando a ele a oportunidade de participar de um investimento de alto nível. O dever dele em dar é igual ao seu em pedir” Rockfeller
    9. 9. QUANTOS ERROS TEM AQUI ?QUANTOS ERROS TEM AQUI ? SOCIEDADESOCIEDADE nós
    10. 10. SOCIEDADE O REAL TAMANHO DAS COISASO REAL TAMANHO DAS COISAS SOCIEDADE nós parceiros doadores governo “clientes” ONGs o vizinho tua prima mil etceteras
    11. 11. AQUI ESTÁ VOCÊ
    12. 12. OS ATIVOS COMUNITÁRIOSOS ATIVOS COMUNITÁRIOS Copo meio cheio ou meio vazio?Copo meio cheio ou meio vazio? Olhar o problema ou a solução?Olhar o problema ou a solução? Os “jovens” são alienados?Os “jovens” são alienados? Os “velhos” são incapazes?Os “velhos” são incapazes? Os “ricos” são egoístas?Os “ricos” são egoístas? O que a “comunidade” tem?O que a “comunidade” tem? Quem são essas pessoas?Quem são essas pessoas?
    13. 13. EXERCÍCIO #1EXERCÍCIO #1 – LISTA DOS ATIVOS– LISTA DOS ATIVOS
    14. 14. DIVERSIFICAÇÃO DE FONTESDIVERSIFICAÇÃO DE FONTES  Interdependência  Estabilidade  Legitimidade  Riqueza de experiências  Tem trabalho todo dia ““Não colocar todos os ovosNão colocar todos os ovos no mesmo cesto…”no mesmo cesto…”
    15. 15. 20% - 1 DOADOR 20% - 2 DOADORES 20% - 5 DOADORES 20% - 10 DOADORES 20% - 500 DOADORES    RECURSOS LEGITIMIDADE A IMPORTÂNCIA DAS PESSOASA IMPORTÂNCIA DAS PESSOAS
    16. 16. FONTES DE RECURSOSFONTES DE RECURSOS EMPRESASEMPRESAS FUNDAÇÕESFUNDAÇÕES GOVERNOSGOVERNOS PESSOASPESSOAS
    17. 17. Levantamento das fontes atuais e antigas Eventos realizados, contatos perdidos Similares  Pontos Fortes e Fracos para a captação Ameaças e Oportunidades MOMENTO DA ANÁLISEMOMENTO DA ANÁLISE
    18. 18. EXERCÍCIO #2EXERCÍCIO #2 - ANÁLISES- ANÁLISES PONTOSPONTOS FORTESFORTES PONTOSPONTOS FRACOSFRACOS AMEAÇASAMEAÇASOPORTUNIDADESOPORTUNIDADES  LISTAS: Pessoas Empresas Fundações Governos
    19. 19.  VIVEMOS EM REDEVIVEMOS EM REDE  RECURSOS SÃORECURSOS SÃO TROCASTROCAS  EXISTEM OS ATIVOSEXISTEM OS ATIVOS DA COMUNIDADEDA COMUNIDADE  EXISTEM NOSSOSEXISTEM NOSSOS CONHECIDOSCONHECIDOS  TEMOS UMA ANÁLISE…TEMOS UMA ANÁLISE… RECAPITULANDO…RECAPITULANDO…
    20. 20. 0% 10% 20% 30% 40% 50% 60% 70% 80% 90% 100% TRABALHO DE ESCALATRABALHO DE ESCALA LEGITIMIDADLEGITIMIDAD EE PROJETOS EPROJETOS E REUNIÕESREUNIÕES
    21. 21. EXERCÍCIO #3EXERCÍCIO #3 – O PLANO– O PLANO
    22. 22. REQUISITOS PARA CAPTARREQUISITOS PARA CAPTAR Internos Ótima causa Missão sem desvios Administração Interna Casa Arrumada Externos Documentação Reconhecimento da comunidade Comunicação Solicitar!
    23. 23. AS REUNIÕESAS REUNIÕES 1. Agendamento 2. Preparação, leituras e seleção das pessoas 3. Levar material institucional e projeto 4. Brilho nos olhos 5. Seja sucinto 6.6. SOLICITE!SOLICITE! 7. Escute bastante 8. Carta na manga 9. Agende e tchau
    24. 24. ÚLTIMOS TOQUESÚLTIMOS TOQUES Trabalhar com diversificação de fontes. Ampliar nossa rede de apoiadores diariamente. Trata-se de mobilizar recursos entre PESSOAS!
    25. 25. MOBILIZAÇÃO DE RECURSOSMOBILIZAÇÃO DE RECURSOS Marcelo Estraviz marcelo.estraviz@gmail.com ABCR www.captadores.org OFICINA MUNICIPAL – maio de 2008 MUITO OBRIGADO (mesmo!)MUITO OBRIGADO (mesmo!)

    ×