Reciclagem eletrônica Isabella - 4B
Segundo pesquisas, os usuários brasileiros trocam de celular a cada 18 meses. Este giro ocorre, principalmente, devido aos...
E o lixo eletrônico? Qual o destino das incontáveis placas de circuito impresso? Onde vão parar as baterias compostas de m...
Enquanto nosso país ainda discute a política de resíduos sólidos, operadoras e fabricantes de equipamentos vão ensaiando o...
A Vivo, dona de uma carteira com 33,7 milhões de clientes, recolheu no ano passado cerca de 130 mil aparelhos e 105 mil ba...
Felizmente, além dessas operadoras, o Brasil também conta com empresas que desenvolvem um belo trabalho em respeito ao mei...
Coletou 20 toneladas e até abril pretende exportar 10. De acordo com Ricardo Rodrigues, gerente de desenvolvimento de negó...
Fonte do site:www.vivasem fio.com
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sucata Eletrônica

526 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
526
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sucata Eletrônica

  1. 1. Reciclagem eletrônica Isabella - 4B
  2. 2. Segundo pesquisas, os usuários brasileiros trocam de celular a cada 18 meses. Este giro ocorre, principalmente, devido aos lançamentos de apare lhos mais sofisticados e aos apelos das operadoras. Afinal, com o ob jetivo de reter seus clientes, algumas chegam a dar terminais. Além do curto “tempo de vida” dum celular por aqui, o Brasil está perto de ultrapassar os 123 milhões de linhas móveis. Fato que deixa nosso país na quinta posição mundial e todo este alvoroço sequer está perto da calmaria. A Abine (Associação Brasileira da Indústria Elétrica e Eletrônica), por exemplo, estima que o mercado interno absorverá cerca de 62% dos 78 milhões de aparelhos que serão produzidos apenas em território nacional em 2008. É mole?
  3. 3. E o lixo eletrônico? Qual o destino das incontáveis placas de circuito impresso? Onde vão parar as baterias compostas de metais tóxicos como cádmio, chumbo, níquel, óxido de mercúrio, etc…?
  4. 4. Enquanto nosso país ainda discute a política de resíduos sólidos, operadoras e fabricantes de equipamentos vão ensaiando os primeiros passos. A partir deste ano, a Claro passa a se responsabilizar não só pelo recebimento dos aparelhos, mas também pela destinação dos componentes às recicladoras credenciadas por órgãos ambientais. Hoje, as lojas próprias da Claro possuem urnas coletoras. A empresa garante que, até junho, todos os pontos-de-venda, inclusive os 3,3 mil agentes autorizados da operadora, estarão equipados com a urna coletora.
  5. 5. A Vivo, dona de uma carteira com 33,7 milhões de clientes, recolheu no ano passado cerca de 130 mil aparelhos e 105 mil baterias pelo projeto Vivo Recicle seu Celular, programa que também recolhe acessórios. Com esta atividade, a empresa recebeu quase R$ 50 mil, dinheiro que foi doado à Audiometria Sal & Luz, que produz e empresta livros em áudio para pessoas com deficiência visual.
  6. 6. Felizmente, além dessas operadoras, o Brasil também conta com empresas que desenvolvem um belo trabalho em respeito ao meio ambiente. É o caso da Umicore Brasil. Ano passado ela enviou para a Suécia 30 toneladas de baterias recarregáveis, o que representa 3% da coleta que o grupo fez em 29 países. Em 2008 o grupo já
  7. 7. Coletou 20 toneladas e até abril pretende exportar 10. De acordo com Ricardo Rodrigues, gerente de desenvolvimento de negócios da Icoremia, o aumento no volume é uma conseqüência do acordo fechado entre a empresa e a Motorola. Já nas refinarias do grupo no exterior, os produtos são reciclados e posteriormente são utilizados na fabricação de catalisadores automotivos e componentes para a indústria eletrônica.
  8. 8. Fonte do site:www.vivasem fio.com

×