“Lean” na Saúde




Projecto:




        “Lean” na Saúde




     Implementação da metodologia “Lean” em instituições do ...
“Lean” na Saúde

                            Sumário executivo
Tema
Projecto académico de base prática, que pretende ident...
“Lean” na Saúde
Por outro lado, a evolução da sociedade, traz um poder de decisão ao consumidor, que
relativamente ao sect...
“Lean” na Saúde
Mais do que um conjunto de ferramentas é uma cultura de exigência sustentada pela
disciplina e método cien...
“Lean” na Saúde
                                   Projecto
Nota inicial
Como referido anteriormente, pretende-se com este...
“Lean” na Saúde

Agora adaptado ao sector da Saúde, consideramos 8 tipos de “desperdício” na análise
“Lean”:




O que é o...
“Lean” na Saúde
    5. Perfeição – nunca atingível no seu todo mas sempre possível de melhorar da
        situação actual....
“Lean” na Saúde



  Aplicação prática do “Lean” em instituições de Saúde
Processo de implementação e comunicação
Após a d...
“Lean” na Saúde

Consoante o acordado, haverá apresentação regular do andamento do projecto e uma
apresentação final – esq...
“Lean” na Saúde
contactos em folha de CV) ou através de apresentação mais formal e profunda, com
recurso a pequenas introd...
“Lean” na Saúde




                           Anexos



De seguida são apresentados alguns anexos informativos ou represe...
“Lean” na Saúde

1. Roadmap do projecto

O “Roadmap” é uma esquematização do projecto a desenvolver. Pretende-se que de mo...
“Lean” na Saúde

2. Quadro de indicadores
O quadro de indicadores é uma referência visual. Os indicadores terão de ser rel...
“Lean” na Saúde

3. Value Stream Mapping (VSM)

Pretende-se relatar de modo visual a progressão do cliente (utente) ao lon...
“Lean” na Saúde




Tiago Lopes
                967572101       Página 15
“Lean” na Saúde
4. CEM (Customer Expectation Management)

É um método visual de análise de processos, assente no estudo da...
“Lean” na Saúde


                        Curriculum Vitae
                                (reduzido)

1970 – Nascimento
1...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Proposta De Projecto Lean Na SaúDe

2.572 visualizações

Publicada em

Publicada em: Tecnologia, Negócios
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.572
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
28
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Proposta De Projecto Lean Na SaúDe

  1. 1. “Lean” na Saúde Projecto: “Lean” na Saúde Implementação da metodologia “Lean” em instituições do sector da Saúde Tiago Lopes 967572101 Página 1
  2. 2. “Lean” na Saúde Sumário executivo Tema Projecto académico de base prática, que pretende identificar o potencial e a aplicabilidade dos sistemas de eficiência da indústria automóvel (sistema de produção Toyota ou Lean) no sector da Saúde em Portugal. Proponho-me analisar os processos de trabalho correntes em instituições ligadas ao sector da Saúde, identificando áreas de melhoria pela utilização das ferramentas e da cultura de excelência denominada “Lean”. É também pretendido o desenvolvimento de materiais de formação, com base na metodologia “Lean” mas específicos à área de Saúde, que seriam aplicados na instituição e pertença dos intervenientes do projecto. Desenvolvimento O sector público da Saúde tem vindo a degradar a sua capacidade de resposta e no sector privado os resultados deste tipo de empreendimentos são muitas vezes incompatíveis com a evolução de custos previsíveis. Tiago Lopes 967572101 Página 2
  3. 3. “Lean” na Saúde Por outro lado, a evolução da sociedade, traz um poder de decisão ao consumidor, que relativamente ao sector da Saúde resulta num novo paradigma de consumo e de valorização do serviço proposto. O “Lean” – que tem por base o sistema de produção Toyota – é uma metodologia de gestão que se aplica a todos os processos que criem valor para o seu cliente (ou comunidade), sendo por isso independente da área ou sector económico em questão. Tiago Lopes 967572101 Página 3
  4. 4. “Lean” na Saúde Mais do que um conjunto de ferramentas é uma cultura de exigência sustentada pela disciplina e método científico de análise de problemas. Pretende-se melhorar a comunicação, tornando-a visual para escrutínio universal, anular variações e manter uma dinâmica de melhoria contínua ininterrupta, levando à eliminação de desperdícios, mantendo o processo fluido. O enfoque não está tanto nas operações em si – muitas vezes utilizado o “black box approach” – mas na articulação entre elas e nos processos de apoio, concentrando-se na experiência do processo para o cliente. Um processo sobre-eficiente, por si só, não é garante de um maior valor acrescentado para o cliente. Experiências piloto têm vindo a ser desenvolvidas nos EUA – Virginia Mason e Thedacare – e no UK – Royal Bolton Hospital e Portsmouth Hospital. O que estas experiências demonstram é que o Lean pode ser aplicado e compensa. No entanto é uma nova disciplina de gestão, que tem ainda dificuldades na aplicação e reconhecimento – até na criação de vocabulário próprio! Proposta Desenvolvimento de um trabalho académico que poderá ser utilizado como um “caso para estudo” com vários elementos pedagógicos e materiais de formação específicos nas áreas da Saúde, gestão, operações com base na metedologia “Lean”. Projecto feito de acordo com plano consertado e com administração ou o seu representante. O âmbito e a profundidade dependerão de constrangimentos temporais e operacionais, mas com uma duração previsível de 6 meses. Prevê e oferece formação básica nas ferramentas “Lean”, assim como a organização e facilitação de trabalhos de grupo, orientados para resultados práticos, reais e objectivos. Os procedimentos do projecto, assim como os resultados terão legitimação académica através de estreita colaboração com a Profª Beatriz Muñoz-Seca, que entre outros cargos é Profª de Direcção de Produção, Tecnologia e Operações da Escola de Negócios IESE em Espanha e Profª convidada da AESE em Portugal para a mesma área temática. Tiago Lopes 967572101 Página 4
  5. 5. “Lean” na Saúde Projecto Nota inicial Como referido anteriormente, pretende-se com este projecto que seja um estudo de valor prático para a instituição colaborante. Apresento por isso de seguida os conceitos mais concretos sobre o “Lean” e alguns exemplos, para que em coordenação com os desejos da administração da instituição, possam ser considerados no plano de implementação do projecto. Introdução O conceito “Lean” é uma metodologia de melhoria de desempenho que está a ter um grande desenvolvimento nos Estados Unidos da América no sector da Saúde, devido sobretudo ao desafio colocado pela administração Obama em querer ter um sistema de Saúde com cobertura universal. É uma necessidade moral, poder dar uma solução aos milhões de Americanos que são excluídos do sistema de Saúde por razões de financiamento. É certo que como diz o ditado “a saúde não tem preço”. No entanto, a organização de processos e recursos, independentemente do sector, tem necessariamente um valor quantificável e o sector da Saúde não é excepção. O “Lean” tem precisamente o seu campo de actuação na análise de processos, organização de recursos (quer sejam pessoas ou equipamentos), na optimização dos mesmos e na procura incessante de um estado de optimização superior (melhoria continua), nunca esquecendo o essencial: as pessoas! O “Lean” O que é o “Lean”? O “Lean” é uma filosofia de gestão que fazendo uso de ferramentas que actuam sobre processos, podem ser utilizados em qualquer tipo de organização e actividade. O “Lean” é orientado por princípios que visam: • Definir o modo como os processos são realizados; • Definir o modo como gerimos a melhoria; • Modelar o que consideramos como possível. O “Lean” é baseado em dois temas principais: • Processo contínuo de identificação e remoção de desperdícios; • Respeito pelas pessoas e pela sociedade. O que é o “Desperdiço”? O conceito de “desperdício” foi a ferramenta essencial para a revolução exercida na Toyota, criando uma linguagem e cultura comum, assim como um sentido de foco e de urgência. Na Toyota eram identificados 7 desperdícios fundamentais, mas como qualquer outra ferramenta houve necessidade de evoluir para se adaptar às necessidades de diferentes meios ou áreas funcionais. Tiago Lopes 967572101 Página 5
  6. 6. “Lean” na Saúde Agora adaptado ao sector da Saúde, consideramos 8 tipos de “desperdício” na análise “Lean”: O que é o “Respeito pelas pessoas e pela Sociedade”? É um “soft-skill” difícil de dominar. Provavelmente a lição da Toyota menos compreendida e por isso representa a maior barreira à implementação e sustentabilidade do “Lean”. Tem a ver com o envolvimento das pessoas no trabalho e como este as afecta, ouvi-las e às suas ideias, dando-lhes confiança e capacidade para que possam ser os motores da transformação. Investir tempo nas pessoas, pois elas são o agente diferenciador e transcendental. Este tema é baseado em 5 princípios “soft” fundamentais: 1. Valor – compreender o que é o “valor” do ponto de vista do cliente, tanto a nível de “produto/serviço” como de “experiência”; 2. Cadeia de valor – como é que o “valor” é criado e entregue ao cliente; 3. Fluxo – Que deve de ser “fluido” sem barreiras nem interrupções para entregar o “valor” ao cliente; 4. Pull (Puxar “valor”) – A entrega de “valor” é desencadeada pela necessidade do cliente, e não necessariamente focada para optimizar o processo de produção; Tiago Lopes 967572101 Página 6
  7. 7. “Lean” na Saúde 5. Perfeição – nunca atingível no seu todo mas sempre possível de melhorar da situação actual. O método “Lean” Se bem que o termo “Lean” tenha sido de autoria de uma equipa de pesquisa do MIT em programas ligados à indústria automóvel no final dos anos 80, os seus princípios podem ser tão remotos quanto os processos de construção dos estaleiros Venezianos do séc.XIV. Para além dos conhecidos sistema Toyota e do ciclo PDCA (Plan-Do-Check-Act) de Deming, é importante referir os estudos de Frank e Lillian Gilbreth do inicio do séc.XX que trouxeram métodos de engenharia industrial para a medicina. A eles são atribuídos a autoria de certos métodos “Lean” na Saúde, que hoje consideramos como práticas generalizadas, como por exemplo, ter uma enfermeira a entregar na mão do cirurgião, o utensílio necessário para a operação. O método “Lean” é resumidamente, a observação dos processos e actividades de trabalho, que após validação científica (analise de dados, planeamento de experiências e provas práticas) são propostas e implementadas novas práticas com um ganho de eficiência associado. Para além da disciplina e rigor científico, apresento de seguida as ferramentas, que não sendo um fim em si próprias são muito importantes para fazer progredir o método. As Ferramentas do “Lean” As ferramentas do “Lean” são a imagem da sua própria filosofia: simples, eficientes e dinâmicas. Tendo sofrido melhorias com o passar dos anos e com inclusão das melhores práticas operacionais independentemente do sector de proveniência, elas têm como propósito o de melhorar condições de trabalho, eliminar desperdícios, socializar os membros de equipa e tornar clara e visível a comunicação. A disseminação e apropriação das ferramentas pelos colaboradores são um “subproduto” desta actividade, tão importante como a melhoria de eficiência dos processos que seria o objectivo principal do “Lean”. Apresento algumas das ferramentas que podem ser utilizadas sozinhas ou em conjunto para a resolução de determinada situação. Tiago Lopes 967572101 Página 7
  8. 8. “Lean” na Saúde Aplicação prática do “Lean” em instituições de Saúde Processo de implementação e comunicação Após a decisão de implementação deste tipo de projecto pela Direcção, a melhor maneira de começar é a identificação de um membro Sénior da Instituição, que possa servir de Mentor ao projecto que sirva de elo de ligação à Direcção e de facilitador nas decisões práticas de funcionamento. Não se deverá cair na tentação de fazer incluir todos os colaboradores. Por isso uma equipa piloto multidisciplinar, um tema chave e os seus intervenientes deverão ser a escolha para o inicio do processo. Os sucessos do projecto-piloto, serão sem dúvida o melhor cartão-de-visita para o introdução dos conceitos e boas práticas nos restantes processos da instituição e os colaboradores iniciais os melhores “evangelizadores” na passagem do método a outras equipas. Forma-se a equipa no método e ferramentas “Lean”, aproveita-se a sessão para se analisar o potencial e a exequibilidade de possíveis propostas de trabalho. Após decisão, esta deverá ser apresentada à Direcção em forma de projecto, incluindo método de avaliação mensurável de desempenho através de indicadores relevantes. Para além das ferramentas básicas “Lean” poderão ser utilizadas outras que facilitem a compreensão, procura de eficiência, alinhamento ou inovação com por exemplo o método CEM (Costumer Expectation Management). O projecto de melhoria (Kaizen) poderá ser um projecto complexo ou vários projectos de menor dimensão – ver seguinte quadro para referência: Tiago Lopes 967572101 Página 8
  9. 9. “Lean” na Saúde Consoante o acordado, haverá apresentação regular do andamento do projecto e uma apresentação final – esquema possível para a comunicação de resultados Por onde começar? Existem duas restrições fundamentais: tempo do projecto e elevada complexidade de situações possíveis. Como anteriormente descrito o “Lean” promove os “processos deficientes (ou partidos) ” e o desperdício como causa dos problemas e as “pessoas” como sua solução. Proponho por isso a aplicação da seguinte regra de prioridade: • Processos onde possam existir problemas de segurança; • Onde existam mais reclamações de utentes; • Temas recorrentes dos colaboradores (Médicos, enfermeiros, auxiliares, etc.) trazidos à Direcção; • Departamentos com faltas de pessoal, equipamentos ou outros recursos como por exemplo espaço físico. No entanto e de acordo com o apresentado anteriormente qualquer tipo de processo é susceptível de melhoria, cabendo à gestão ou Direcção a decisão final onde pretende aplicar recursos que melhorem a eficiência. Considerações finais Este projecto será fundamental em Instituições que aspirem obter resultados sustentáveis através da gestão do conhecimento. Para tal têm de aceitar que a verdadeira sustentabilidade advém da inclusão de todos os colaboradores e que o longo prazo não pode ser comprometido por acções rápidas, causadoras de instabilidade e de desconfiança. A divulgação de resultados será feita de acordo com a supervisão da Direcção da Instituição onde se realizará o estudo. Muito mais haveria para falar (desde o fluxo continuo à “autonomação”), mas não quis que esta apresentação se tornasse demasiado extensa. Estou à inteira disposição para responder a qualquer tipo de questões ou dúvidas de modo informal (ver os meus Tiago Lopes 967572101 Página 9
  10. 10. “Lean” na Saúde contactos em folha de CV) ou através de apresentação mais formal e profunda, com recurso a pequenas introduções de conceitos e de ferramentas. Tiago Lopes 967572101 Página 10
  11. 11. “Lean” na Saúde Anexos De seguida são apresentados alguns anexos informativos ou representativos do tipo de plano ou seguimento a ser realizado. 1. Roadmap do projecto - proposta 2. Quadro de indicadores de seguimento - exemplo 3. Exemplo de um “Value Stream Mapping” (Mapeamento da cadeia de valor) 4. CEM (Customer Expectation Management) - exemplo 5. Curriculum Vitae resumido do promotor do projecto Tiago Lopes 967572101 Página 11
  12. 12. “Lean” na Saúde 1. Roadmap do projecto O “Roadmap” é uma esquematização do projecto a desenvolver. Pretende-se que de modo resumido sejam identificados os intervenientes (stakeholders), assim como processos chave, decisões, objectivos funcionais e responsabilidades. Tiago Lopes 967572101 Página 12
  13. 13. “Lean” na Saúde 2. Quadro de indicadores O quadro de indicadores é uma referência visual. Os indicadores terão de ser relevantes para o nível de intervenção (estratégico, operacional ou táctico) correspondente sendo possível o escrutínio e acção consequente. O exemplo indicado seria possivelmente indicado para um nível operacional, sendo o escrutínio feito pela Direcção. Tiago Lopes 967572101 Página 13
  14. 14. “Lean” na Saúde 3. Value Stream Mapping (VSM) Pretende-se relatar de modo visual a progressão do cliente (utente) ao longo do encadeamento de processos, que idealmente seriam todos de valor acrescentado. Ser apenas acrescentado valor não acontece mas pode ser melhorado e tornado mais eficiente. Todos os processos - quer sejam físicos ou de informação – e o relacionamentos dos mesmos, são assim descritos dentro da equipa encarregada da realização do mapeamento e as propostas, serão feitas sob a forma de um VSM objectivo. Tiago Lopes 967572101 Página 14
  15. 15. “Lean” na Saúde Tiago Lopes 967572101 Página 15
  16. 16. “Lean” na Saúde 4. CEM (Customer Expectation Management) É um método visual de análise de processos, assente no estudo das interacções com o cliente/utente (Moments of Truth – MOT) e entre processos internos (Break Points – BP), da sua relevância e da sua necessidade. É uma óptima ferramenta de representação, trabalho em grupo, de progresso e muito utilizada no sector de Serviços. Situação inicial: Situação melhorada: Tiago Lopes 967572101 Página 16
  17. 17. “Lean” na Saúde Curriculum Vitae (reduzido) 1970 – Nascimento 1988 – Entrada na Universidade Curso de Engenharia de Produção Industrial, Faculdade Ciências e Tecnologia, Universidade Nova de Lisboa 1991 – Campeão Nacional de Karaté (sub 21) 1992 – Erasmus - Projecto de Intercâmbio de Alunos 6 Meses de estudo na Universidade de Strathclyde, Glasgow, Escócia 1994 – Estágio Opel Portugal Desenvolvimento e implementação de linha piloto de camiões Isuzo 1995 – Engenheiro de Processos na Vanpro Industrialização e implementação de projectos 1997 – Especialista industrial Faurecia Stanford, Inglaterra Responsável de projectos económico-industriais 1997 – Casamento 1998 – Formação Open University – Foundations for Senior Management Primeiro ano de MBA 2000 – Responsável Programa Faurecia Brieres, França Responsável de projecto internacional (França/Brasil) 2001 – Director Unidade Industrial, Nelas, Portugal Chefe de projecto e Responsável por unidade autónoma de produção, com 100 colaboradores e 20 milhões de euros de vendas anuais 2001 – Nascimento da primeira filha 2003 – Nascimento da segunda filha 2004/6 – Executive MBA AESE/IESE, Escola de Negócios 2007/9 – Director 2ª Unidade Industrial, Nelas, Portugal Chefe de projecto e Responsável por nova unidade autónoma de produção (green-field), com 300 colaboradores e 50 milhões de euros de vendas anuais 2009 – Gerente e Director Geral da “Bem-me-estima” Micro-empresa e familiar de serviços de mobilidade e autonomia, predominantemente para idosos. 2010 – Projecto de aplicação de metodologia “Lean” no sector da Saúde Projecto académico de aplicação prática, transpondo os conceitos de melhoria de desempenho da indústria (automóvel) para o sector da Saúde. Fluente em Inglês e Francês, Espanhol de nível básico. Contactos: 967572101 Rua Carlos Pinhão Lote 55 Vendas de Azeitão Norte, 2925-036 Azeitão http://pt.linkedin.com/in/tiagosilvalopes Tiago Lopes 967572101 Página 17

×