JOGO DE CONTAR HISTÓRIAS

3.753 visualizações

Publicada em

Trabalho apresentado no XIX Ciclo de Palestras Novas Tecnologias na Educação, realizado de 10 a 13 de julho de 2012 - UFRGS - Porto Alegre.

O artigo resulta de um trabalho de pesquisa com mecânicas de jogos de contar histórias desenvolvido pelo Grupo de Estudos em Narrativas Interativas da Unisinos - GENI:

http://geniunisinos.wordpress.com

Publicada em: Educação
0 comentários
2 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
3.753
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
27
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
15
Comentários
0
Gostaram
2
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

JOGO DE CONTAR HISTÓRIAS

  1. 1. Jogo de contar histórias: o uso de técnicas de criação de narrativas colaborativas em sala de aula Tatiane Schuster – UNISINOS Tiago R. C. Lopes – UNISINOSTrabalho apresentado no XIX Ciclo de Palestras Novas Tecnologias na Educação10 a 13 de julho de 2012 – UFRGS – Porto Alegre, RS.
  2. 2. Jogo de contar histórias:o uso de técnicas de criação de narrativascolaborativas em sala de aula Parte 1 Uso de RPG em sala de aula Parte 2 Planejamento e mecânica do jogo de contar histórias Parte 3 Aplicação do jogo Parte 4 Ajustes e nova aplicação
  3. 3. 1. Uso de RPGs em sala de aula Anos 90 e início dos anos 2000 – período em que se observa maior produção sobre o tema / perspectiva construtivista. Dificuldade de transposição dos RPGs para contextos de ensino-aprendizagem à RPGs educacionais Diversas finalidades de uso dos RPGs em sala de aula: matemática, história, biologia, geografia, ensino de línguas etc.
  4. 4. 2. Planejamento e mecânica do jogo decontar histórias Grupo de Estudos em Narrativas Interativas + Estagiários PIBID – Letras (UNISINOS) Estudo comparativo a partir de relatos de uso de RPGs em sala de aula. Dificuldades na aplicação de RPGs em sala de aula: - Ensino do sistema de regras - Função do Mestre
  5. 5. Análise de técnicas de compartilhamento da funçãonarrativa a partir de RPGs indie e outras modalidades dejogos.
  6. 6. Preparaçãoa)  Escolha do temab)  Montagem da tabela de universo ficcional TEMA: ECOLOGIA PERSONAGEM OBJETO LUGAR ACONTECIMENTO caçador caminhão floresta explosão lenhador espingarda praia incêndio índio binóculo escola acidente de carro fiscal do IBAMA barril de aldeia manifestação/passeata petróleo estudante explosivos empresa de mineração tsunami empresário machado cidade vazamento de óleoc)  Divisão da turma em gruposd)  Escolha e apresentação de um personageme)  Escolha de um objeto, acontecimento e lugarf)  Escolha de um assunto principalg)  Escolha de um redator
  7. 7. Jogando:•  Escolha do aluno que inicia a narração.•  3 minutos por narrador.•  Quem narra deve ser respeitado, mas os outros podem ajudar.•  Todos os personagens podem integrar a narração – os participantes não são “donos” dos personagens.•  É permitido usar elementos da tabela que ainda não foram citados na história.
  8. 8. 3. Aplicação e avaliação: Contexto: 16 de abril de 2012 – turno manhã Escola Dr. Wolfram Metzler – Novo Hamburgo, RS. Atividade Sábado Letivo. 26 alunos – sétima série ao terceiro ano do ensino médio. Produção de uma redação ao final da atividade.
  9. 9. 3. Aplicação e avaliação: Avaliação: Boa aceitação da turma desde o momento da apresentação da proposta até o final da etapa de preenchimento da tabela de universo ficcional. Dificuldade de entendimento das regras. Escolha dos itens da tabela. Desrespeito em relação à função do narrador. Desrespeito em relação à forma de escrita através de tópicos. Dificuldade de integração dos alunos mais novos.
  10. 10. 4. Ajustes e nova aplicação: Contexto: 19 de abril de 2012 – turno tarde Escola Dr. Wolfram Metzler – Novo Hamburgo, RS. 26 alunos – primeiro ano do ensino médio. Produção de uma redação ao final da atividade.
  11. 11. 4. Ajustes e nova aplicação: Ajustes: Regras explicadas por etapa (e não todas de uma vez) Substituição da tabela por círculos separados Confecção de um cartão, indicando quem estava na função de narrador. Reforço da proposta de escrita através de tópicos.
  12. 12. Considerações finais Estímulo à criatividade, à capacidade de expressão verbal (oral e escrita) e ao espírito de colaboração (e não de competição). O “meta-jogo” como recurso para potencializar atividades de sala de aula. Abertura para criação de novas técnicas de criação de narrativas colaborativas.
  13. 13. Jogo de contar histórias: o uso de técnicas de criação de narrativas colaborativas em sala de aulaTatiane Schuster – UNISINOStatiane_schuster@hotmail.comTiago R. C. Lopes – UNISINOStiagorclopes@gmail.comhttp://geniunisinos.wordpress.comTrabalho apresentado no XIX Ciclo de Palestras Novas Tecnologias na Educação10 a 13 de julho de 2012 – UFRGS – Porto Alegre, RS.

×