O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
HELTON DOS SANTOS SILVA
TIAGO MABONI DERLAN

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA

BARRA DO BUGRES
2013
HELTON DOS SANTOS SILVA1
TIAGO MABONI DERLAN2

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA

Relatório de pesquisa apresentado a Universidad...
SÚMARIO

1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA ......................................................................... 4
Exemplo ...
1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA

A distribuição de frequências é um agrupamento de dados em classes, de
tal forma que contabi...
5

Tabela 1: Frequência de idade da população brasileira em 1970.

Grupos de Idade
0|----1
1|----5
5|----10
10|----15
15|-...
6

Gráfico 2: Frequência Simples em relação às Idades.

Frequencia simples
1
0,9
0,8
0,7
0,6
0,5
0,4
0,3
0,2
0,1
0

Fonte:...
7

Neste exemplo temos como classes a quantidade de gramas e como
frequência o numero de pessoas entrevistadas. Assim pode...
8

Gráfico 4: Gráfico de frequência.

Frequencia simples
1
0,8
0,6
0,4
0,2
0
1

2

3

4

5

6

7

Fonte: DERLAN, 2013.

Pa...
CONCLUSÃO

Conclui-se, que a distribuição de frequência é usada em diversas pesquisas
e em varias áreas, onde são disposto...
REFERÊNCIAS

REVISTA DE SAÚDE PÚBLICA. Projeção da população brasileira: 1970-2000.
2012. São Paulo - SP. Disponível em:
<...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICA

24.539 visualizações

Publicada em

A distribuição de frequências é um agrupamento de dados em classes, de tal forma que contabilizamos o número de ocorrências em cada classe. O número de ocorrências de uma determinada classe recebe o nome de frequência absoluta. O objetivo é apresentar os dados de uma maneira mais concisa e que nos permita extrair informação sobre seu comportamento. A seguir, apresentamos algumas definições necessárias à construção da distribuição de frequências.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA - ESTATÍSTICA

  1. 1. HELTON DOS SANTOS SILVA TIAGO MABONI DERLAN DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA BARRA DO BUGRES 2013
  2. 2. HELTON DOS SANTOS SILVA1 TIAGO MABONI DERLAN2 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA Relatório de pesquisa apresentado a Universidade do Estado de Mato Grosso, na disciplina de Gerenciamento de empresa rural no curso de Engenharia de Produção Agroindustrial, sob orientação do professo Hugo Rodrigo Macedo. BARRA DO BUGRES 2013 1 2 Acadêmico de Engenharia de Produção portador do Ra: 11.1.88.33 Acadêmico de Engenharia de Produção portador do Ra: 10.1.88.25
  3. 3. SÚMARIO 1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA ......................................................................... 4 Exemplo 1: calculo da frequência de grupos de idades da população brasileira ..... 4 Exemplo 2: Quantidade de proteína animal consumida por semana. ....................... 6 CONCLUSÕES ........................................................................................................... 9
  4. 4. 1 DISTRIBUIÇÃO DE FREQUÊNCIA A distribuição de frequências é um agrupamento de dados em classes, de tal forma que contabilizamos o número de ocorrências em cada classe. O número de ocorrências de uma determinada classe recebe o nome de frequência absoluta. O objetivo é apresentar os dados de uma maneira mais concisa e que nos permita extrair informação sobre seu comportamento. A seguir, apresentamos algumas definições necessárias à construção da distribuição de frequências.  Frequência absoluta ou simples (ƒi): É o número de observações correspondente a cada classe. A frequência absoluta é, geralmente, chamada apenas de frequência.  Frequência relativa (ƒri): É o quociente entre a frequência absoluta da classe correspondente e a soma das frequências (total observado), isto é, onde n representa o número total de observações. Exemplo 1: calculo da frequência de grupos de idades da população brasileira Nesse exemplo fizemos uma tabela de frequência entre grupos de idades da população brasileira, onde a tabela inicia-se com a idade Zero com respectivos intervalos e vai até mais de 70 anos. Nesta tabela calculamos a frequência simples e absoluta, logo depois foi feito um gráfico da frequência absoluta e da frequência simples, como mostrado no gráfico1:
  5. 5. 5 Tabela 1: Frequência de idade da população brasileira em 1970. Grupos de Idade 0|----1 1|----5 5|----10 10|----15 15|----20 20|----25 25|----30 30|----35 35|----40 40|----45 45|----50 50|----55 55|----60 60|----65 65|----70 70| e + TOTAL Qtd. por intervalo 2876245 11317753 13486153 11882592 10273570 8302190 6516939 5676151 5099383 4544572 3553707 2946178 2292906 1794673 1218918 1711950 93493880 fri 0,030763992 0,12105341 0,144246372 0,127094864 0,109884946 0,088799288 0,069704445 0,060711471 0,054542426 0,04860823 0,038010049 0,031511988 0,024524664 0,01919562 0,01303741 0,018310824 1 F 2876245 14193998 27680151 39562743 49836313 58138503 64655442 70331593 75430976 79975548 83529255 86475433 88768339 90563012 91781930 93493880 - Fonte: DERLAN, 2013. Gráfico 1: Frequência Absoluta em relação a Idade. Frequencia Absoluta 14000000 12000000 10000000 8000000 6000000 4000000 2000000 0 Fonte: DERLAN, 2013. Fri 0,030764 0,151817 0,296064 0,423159 0,533044 0,621843 0,691547 0,752259 0,806801 0,855409 0,893419 0,924931 0,949456 0,968652 0,981689 1 -
  6. 6. 6 Gráfico 2: Frequência Simples em relação às Idades. Frequencia simples 1 0,9 0,8 0,7 0,6 0,5 0,4 0,3 0,2 0,1 0 Fonte: DERLAN, 2013. Neste exemplo podemos concluir como mostra a tabela e o gráfico a maior população por idade está entre 5 e 10 anos que equivale em torno de 14,4% de toda a população brasileira, apontando também que o índice de mortalidade a partir de 10 anos até 25 e 30 anos é maior que do período a partir de 30 anos pois este intervalo possui uma menor variação. Exemplo 2: Quantidade de proteína animal consumida por semana. Simulação de pesquisa com 200 pessoas apontando a quantidade de proteína animal consumida em uma semana por pessoa, resultando nas quantidades que variam de 0 à 350g consumidos separados por intervalos de 50g.
  7. 7. 7 Neste exemplo temos como classes a quantidade de gramas e como frequência o numero de pessoas entrevistadas. Assim podemos calcular a frequência absoluta. Como mostra a tabela e os gráficos abaixo: Tabela 3: Frequência simples e absoluta do consumo de carne. Gramas de carne 0|----50 50|----100 100|----150 150|----200 200|----250 250|----300 300|----350 Total N° de pessoas 12 25 32 45 50 25 11 200 fri 0,06 0,125 0,16 0,225 0,25 0,125 0,055 1 F Fri 12 37 69 114 164 189 200 0,06 0,185 0,345 0,57 0,82 0,945 1 Fonte: DERLAN, 2013. Gráfico 3: Histograma do consumo de carne HISTOGRAMA Carne consumida 60 50 40 30 Total de pessoas consumidoras 20 10 0 Fonte: DERLAN, 2013.
  8. 8. 8 Gráfico 4: Gráfico de frequência. Frequencia simples 1 0,8 0,6 0,4 0,2 0 1 2 3 4 5 6 7 Fonte: DERLAN, 2013. Para chegarmos a frequência absoluta devemos fazer alguns cálculos. Com a tabela podemos observar que dentre 200 pessoas pesquisadas, 50 comem em torno de 200 á 250 gramas de carne, que equivale a 25% de todos os entrevistados. E no gráfico vimos que esse é o maior valor em consumo de carne, ou seja, grande parte dos pesquisados comem essa quantidade de carne.
  9. 9. CONCLUSÃO Conclui-se, que a distribuição de frequência é usada em diversas pesquisas e em varias áreas, onde são dispostos vários dados em uma tabela para a melhor visualização e a melhor compreensão. Essas tabelas e gráfico de frequência são de suma importância para pesquisas, relatórios, entre outros, por facilitar a observação de resultados, uma vez que se utilizado uma grande quantidade de dados ficaria difícil a observação do comportamento dos dados, então, se organizados em intervalos, é fácil traçar o gráfico e interpretar os resultados que são obtidos a partir dos dados iniciais com a utilização de fórmulas matemáticas e dispostos nas tabelas.
  10. 10. REFERÊNCIAS REVISTA DE SAÚDE PÚBLICA. Projeção da população brasileira: 1970-2000. 2012. São Paulo - SP. Disponível em: <http://www.scielosp.org/scielo.php?pid=S003489101974000500004&script=sci_artt ext>. Acesso em: 02 jun. 2013. UNIFRA. Distribuição de frequência. 2012. Disponível em: <http://www.unifra.br/professores/9011/Distribui%C3%A7%C3%A3o%20de%20Freq %C3%BC%C3%AAncias.pdf>. Acesso em 02 jun. 2013. O PRESENTE. Exportações do agronegócio atingem valor previsto para 2011. 2011. Disponível Em: <http://www.opresente.com.br/geral/exportacoes-doagronegocio-atingem-valor-previsto-para-2011-15640/>. Acesso em: 01 jun. 2013.

×