SlideShare uma empresa Scribd logo

O modelo estrutural de freud e o cerebro

UNICEP
UNICEP
1 de 11
Baixar para ler offline
O modelo estrutural de Freud e o cérebro:
   uma proposta de integração entre a
     psicanálise e a neurofisiologia



                SÍNTESE
 Freud empregou a palavra “aparelho” para definir uma
  organização psíquica dividida em sistemas, ou instâncias
  psíquicas, com funções específicas, que estão interligadas
  entre si, ocupando certo lugar na mente. Assim, o modelo
  tópico designa um “modelo de lugares”;
 Freud formulou primeiramente a primeira
  tópica, conhecida como Teoria Topográfica, e
  posteriormente apresentou a segunda tópica, conhecida
  como Teoria Estrutural ou Dinâmica.
 Na primeira tópica de Freud, o aparelho psíquico é
  composto por três sistemas: o inconsciente, o pré-
  consciente e o consciente.
 Na segunda tópica, Freud estabeleceu a sua clássica
 concepção do aparelho psíquico, conhecido como
 “modelo estrutural” ou “dinâmico”, tendo em vista
 que a palavra “estrutura” significa um conjunto de
 elementos que têm funções específicas, porém que
 interagem permanentemente e se influenciam
 reciprocamente. Essa concepção estruturalista ficou
 cristalizada em “O ego e o id”, de 1923, e consiste em
 uma divisão da mente em três instâncias psíquicas: o
 id, o ego e o superego.
O id segundo Freud

 O id foi concebido como um conjunto de conteúdos de natureza
  pulsional e de ordem inconsciente, constituindo o polo
  psicobiológico da personalidade. É considerado a reserva
  inconsciente dos desejos e impulsos de origem genética, voltados
  para a preservação e propagação da vida.
 Contém tudo o que é herdado, que se acha presente no
  nascimento, acima de tudo os elementos instintivos que se originam
  da organização somática. Do ponto de vista “topográfico”, o
  inconsciente, como instância psíquica, virtualmente coincide com o
  id.
 Portanto, os conteúdos do id, expressão psíquica das pulsões, são
  inconscientes, por um lado hereditários e inatos e, por outro
  lado, adquiridos e recalcados. Do ponto de vista “econômico”, o id
  é, para Freud, a fonte e o reservatório de toda a energia psíquica do
  indivíduo, que anima a operação dos outros dois sistemas (ego e
  superego).
O ego segundo Freud

 O ego se desenvolve a partir da diferenciação das capacidades
  psíquicas em contato com a realidade exterior. Sua atividade
  é, em parte, consciente (percepção e processos intelectuais) e,
  em parte, pré-consciente e também inconsciente. É regido
  pelo princípio da realidade, que é o fator que se incumbe do
  ajustamento ao ambiente e da solução dos conflitos entre o
  organismo e a realidade.
 O ego lida com a estimulação que vem tanto da própria mente
  como do mundo exterior. Desempenha a função de obter
  controle sobre as exigências das pulsões, decidindo se elas
  devem ou não ser satisfeitas, adiando essa satisfação para
  ocasiões e circunstâncias mais favoráveis ou reprimindo
  parcial ou inteiramente as excitações pulsionais.
O superego segundo Freud

 O superego desenvolve-se a partir do ego, em um período que Freud
  designa como período de latência, situado entre a infância e o início
  da adolescência. Nesse período, forma-se nossa personalidade
  moral e social. O superego atua como um juiz ou um censor
  relativamente ao ego. Freud vê na consciência moral, na auto-
  observação, na formação de ideais, funções do superego.
 Classicamente, o superego constitui-se por interiorização das
  exigências e das interdições parentais. Num primeiro momento, o
  superego é representado pela autoridade parental que molda o
  desenvolvimento infantil, alternando as provas de amor com as
  punições, geradoras de angústia. Num segundo tempo, quando a
  criança renuncia à satisfação edipiana, as proibições externas são
  internalizadas.
 Esse é o momento em que o superego vem substituir a instância
  parental por intermédio de uma identificação da criança com os
  pais.

Recomendados

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagemCaio Maximino
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Edimar Sartoro
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a PsicanálisePaulo Gomes
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialpsicologiaazambuja
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Biblioteca FEAUSP
 
Metodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em PsicologiaMetodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em PsicologiaHilma Khoury
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aularosariasperotto
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologiaLaércio Góes
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Daniele Rubim
 
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicosCaracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicosLearn English
 
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean PiagetOs estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean PiagetTatati Semedo
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaIsabel Moura
 

Mais procurados (20)

O que é a psicologia
O que é a psicologiaO que é a psicologia
O que é a psicologia
 
Memória e aprendizagem
Memória e aprendizagemMemória e aprendizagem
Memória e aprendizagem
 
Behaviorismo
Behaviorismo Behaviorismo
Behaviorismo
 
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
Ciências, tipos de conhecimentos e espirito científico
 
Memória a longo prazo
Memória a longo prazoMemória a longo prazo
Memória a longo prazo
 
Freud e a Psicanálise
Freud e a PsicanáliseFreud e a Psicanálise
Freud e a Psicanálise
 
A memória
A memóriaA memória
A memória
 
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocialErikson e o desenvolvimento psicossocial
Erikson e o desenvolvimento psicossocial
 
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
Elaboração de trabalhos acadêmicos APA 6ª edição (atualizado 2015)
 
Metodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em PsicologiaMetodos de Pesquisa em Psicologia
Metodos de Pesquisa em Psicologia
 
Escolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. AulaEscolas da Psicologia 1a. Aula
Escolas da Psicologia 1a. Aula
 
Hereditariedade X Ambiente
Hereditariedade X AmbienteHereditariedade X Ambiente
Hereditariedade X Ambiente
 
Introdução à psicologia
Introdução à psicologiaIntrodução à psicologia
Introdução à psicologia
 
Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2Psicanalise- psicologia social2
Psicanalise- psicologia social2
 
Caracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicosCaracterização dos fenómenos psíquicos
Caracterização dos fenómenos psíquicos
 
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean PiagetOs estádios do desenvolvimento cognitivo segundo  Jean Piaget
Os estádios do desenvolvimento cognitivo segundo Jean Piaget
 
Lógica do conceito
Lógica do conceitoLógica do conceito
Lógica do conceito
 
Modelo de artigo de recensao critica
Modelo de artigo de recensao criticaModelo de artigo de recensao critica
Modelo de artigo de recensao critica
 
Memoria
MemoriaMemoria
Memoria
 
Ética deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológicaÉtica deontológica vs ética teleológica
Ética deontológica vs ética teleológica
 

Destaque

AnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica Coercitiva
AnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica CoercitivaAnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica Coercitiva
AnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica CoercitivaThiago de Almeida
 
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje ciacinco
 
Análise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do EgoAnálise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do EgoThiago Guimarães Peixoto
 
Semiologia do aparelho psíquico
Semiologia do aparelho psíquicoSemiologia do aparelho psíquico
Semiologia do aparelho psíquicogfolive
 
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise HojePsicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hojeciacinco
 
Psicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - BehaviorismoPsicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - BehaviorismoDiego Sampaio
 
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]Universidade Federal de Roraima
 
Consciente Inconsciente Id Ego Superego
Consciente Inconsciente Id Ego SuperegoConsciente Inconsciente Id Ego Superego
Consciente Inconsciente Id Ego Superegohamletcrs
 
Apresentação ego
Apresentação egoApresentação ego
Apresentação egopageslides
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)julilp10
 
Slide De Psicologia Id, Ego E Superego
Slide De Psicologia   Id, Ego E SuperegoSlide De Psicologia   Id, Ego E Superego
Slide De Psicologia Id, Ego E Superegoguest1993db
 

Destaque (20)

METAPSICOLOGIA FREUDIANA
METAPSICOLOGIA FREUDIANAMETAPSICOLOGIA FREUDIANA
METAPSICOLOGIA FREUDIANA
 
Freud e o inconsciente
Freud e o inconscienteFreud e o inconsciente
Freud e o inconsciente
 
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria PsicanalíticaVisão Geral Da Teoria Psicanalítica
Visão Geral Da Teoria Psicanalítica
 
Freud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise IFreud e a Psicanálise I
Freud e a Psicanálise I
 
Teoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTicaTeoria PsicanalíTica
Teoria PsicanalíTica
 
AnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica Coercitiva
AnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica CoercitivaAnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica Coercitiva
AnáLise Do Comportamento HomofóBico Enquanto Uma PráTica Coercitiva
 
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
 
Análise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do EgoAnálise transacional - parte 1 - Estados do Ego
Análise transacional - parte 1 - Estados do Ego
 
Semiologia do aparelho psíquico
Semiologia do aparelho psíquicoSemiologia do aparelho psíquico
Semiologia do aparelho psíquico
 
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise HojePsicanalise Ontem Psicanalise Hoje
Psicanalise Ontem Psicanalise Hoje
 
Fuga
FugaFuga
Fuga
 
Psicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - BehaviorismoPsicologia Geral - Behaviorismo
Psicologia Geral - Behaviorismo
 
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
O Behaviorismo - Corrente teórica da psicologia [Pavlov & Watson]
 
Consciente Inconsciente Id Ego Superego
Consciente Inconsciente Id Ego SuperegoConsciente Inconsciente Id Ego Superego
Consciente Inconsciente Id Ego Superego
 
Apresentação ego
Apresentação egoApresentação ego
Apresentação ego
 
Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)Psicologia Jurídica (Aula II)
Psicologia Jurídica (Aula II)
 
Surdez neurossensorial
Surdez neurossensorialSurdez neurossensorial
Surdez neurossensorial
 
Id.Ego.Super
Id.Ego.SuperId.Ego.Super
Id.Ego.Super
 
Anamnese e exame psíquico (Livia Castelo Branco)
Anamnese e exame psíquico (Livia Castelo Branco)Anamnese e exame psíquico (Livia Castelo Branco)
Anamnese e exame psíquico (Livia Castelo Branco)
 
Slide De Psicologia Id, Ego E Superego
Slide De Psicologia   Id, Ego E SuperegoSlide De Psicologia   Id, Ego E Superego
Slide De Psicologia Id, Ego E Superego
 

Semelhante a O modelo estrutural de freud e o cerebro

Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2guest83661f
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-227101992
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdfElionayFigueiredo1
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoThaisremo
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudIsabella Ruas
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoGeovanaRL
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slidesguest2e3f5d
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slidesguest2e3f5d
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar SlidesValdeck Oliveira
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freudDani Silva
 
Artigo afetos na neuropsicanalise
Artigo   afetos na neuropsicanaliseArtigo   afetos na neuropsicanalise
Artigo afetos na neuropsicanaliseelainegcgy
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemLuiz Maciel
 

Semelhante a O modelo estrutural de freud e o cerebro (20)

Minha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanáliseMinha primeira aula de psicanálise
Minha primeira aula de psicanálise
 
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
Freud E A Psicanlise 1204326364108510 2
 
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
Freud e-a-psicanlise-1204326364108510-2
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade  AULA 2.pdfPsicologia da personalidade  AULA 2.pdf
Psicologia da personalidade AULA 2.pdf
 
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao DireitoResumo Psicologia Aplicada ao Direito
Resumo Psicologia Aplicada ao Direito
 
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund FreudPsicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
Psicanálise - Estudo da Teoria de Sigmund Freud
 
Personalidade
PersonalidadePersonalidade
Personalidade
 
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / PsicoA CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
A CONSTRUÇÃO DA TEORIA DA PSICANALISE / Psico
 
PSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptxPSICANÁLISE.pptx
PSICANÁLISE.pptx
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   SlidesPsicologia Do Desenvolvimento Humano   Publicar   Slides
Psicologia Do Desenvolvimento Humano Publicar Slides
 
Freud. slide
Freud. slideFreud. slide
Freud. slide
 
Material para uso pedagógico
Material para uso pedagógicoMaterial para uso pedagógico
Material para uso pedagógico
 
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fasesFreud aprendizagem desenvolvimento e fases
Freud aprendizagem desenvolvimento e fases
 
Psicanalise freud
Psicanalise   freudPsicanalise   freud
Psicanalise freud
 
Artigo afetos na neuropsicanalise
Artigo   afetos na neuropsicanaliseArtigo   afetos na neuropsicanalise
Artigo afetos na neuropsicanalise
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 
Psicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagemPsicologia aplicada a enfermagem
Psicologia aplicada a enfermagem
 

Mais de UNICEP

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoyUNICEP
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128UNICEP
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarUNICEP
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaUNICEP
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaUNICEP
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educaUNICEP
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11UNICEP
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eUNICEP
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeUNICEP
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagemUNICEP
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoUNICEP
 
Resumo
ResumoResumo
ResumoUNICEP
 
Indice
IndiceIndice
IndiceUNICEP
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2UNICEP
 

Mais de UNICEP (20)

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 

O modelo estrutural de freud e o cerebro

  • 1. O modelo estrutural de Freud e o cérebro: uma proposta de integração entre a psicanálise e a neurofisiologia SÍNTESE
  • 2.  Freud empregou a palavra “aparelho” para definir uma organização psíquica dividida em sistemas, ou instâncias psíquicas, com funções específicas, que estão interligadas entre si, ocupando certo lugar na mente. Assim, o modelo tópico designa um “modelo de lugares”;  Freud formulou primeiramente a primeira tópica, conhecida como Teoria Topográfica, e posteriormente apresentou a segunda tópica, conhecida como Teoria Estrutural ou Dinâmica.  Na primeira tópica de Freud, o aparelho psíquico é composto por três sistemas: o inconsciente, o pré- consciente e o consciente.
  • 3.  Na segunda tópica, Freud estabeleceu a sua clássica concepção do aparelho psíquico, conhecido como “modelo estrutural” ou “dinâmico”, tendo em vista que a palavra “estrutura” significa um conjunto de elementos que têm funções específicas, porém que interagem permanentemente e se influenciam reciprocamente. Essa concepção estruturalista ficou cristalizada em “O ego e o id”, de 1923, e consiste em uma divisão da mente em três instâncias psíquicas: o id, o ego e o superego.
  • 4. O id segundo Freud  O id foi concebido como um conjunto de conteúdos de natureza pulsional e de ordem inconsciente, constituindo o polo psicobiológico da personalidade. É considerado a reserva inconsciente dos desejos e impulsos de origem genética, voltados para a preservação e propagação da vida.  Contém tudo o que é herdado, que se acha presente no nascimento, acima de tudo os elementos instintivos que se originam da organização somática. Do ponto de vista “topográfico”, o inconsciente, como instância psíquica, virtualmente coincide com o id.  Portanto, os conteúdos do id, expressão psíquica das pulsões, são inconscientes, por um lado hereditários e inatos e, por outro lado, adquiridos e recalcados. Do ponto de vista “econômico”, o id é, para Freud, a fonte e o reservatório de toda a energia psíquica do indivíduo, que anima a operação dos outros dois sistemas (ego e superego).
  • 5. O ego segundo Freud  O ego se desenvolve a partir da diferenciação das capacidades psíquicas em contato com a realidade exterior. Sua atividade é, em parte, consciente (percepção e processos intelectuais) e, em parte, pré-consciente e também inconsciente. É regido pelo princípio da realidade, que é o fator que se incumbe do ajustamento ao ambiente e da solução dos conflitos entre o organismo e a realidade.  O ego lida com a estimulação que vem tanto da própria mente como do mundo exterior. Desempenha a função de obter controle sobre as exigências das pulsões, decidindo se elas devem ou não ser satisfeitas, adiando essa satisfação para ocasiões e circunstâncias mais favoráveis ou reprimindo parcial ou inteiramente as excitações pulsionais.
  • 6. O superego segundo Freud  O superego desenvolve-se a partir do ego, em um período que Freud designa como período de latência, situado entre a infância e o início da adolescência. Nesse período, forma-se nossa personalidade moral e social. O superego atua como um juiz ou um censor relativamente ao ego. Freud vê na consciência moral, na auto- observação, na formação de ideais, funções do superego.  Classicamente, o superego constitui-se por interiorização das exigências e das interdições parentais. Num primeiro momento, o superego é representado pela autoridade parental que molda o desenvolvimento infantil, alternando as provas de amor com as punições, geradoras de angústia. Num segundo tempo, quando a criança renuncia à satisfação edipiana, as proibições externas são internalizadas.  Esse é o momento em que o superego vem substituir a instância parental por intermédio de uma identificação da criança com os pais.
  • 7. Freud e a neurobiologia  Há poucas décadas, muitos cientistas consideraram que a psicanálise não fornecia hipóteses confiáveis, merecedoras de crédito, por não ter, como método principal de pesquisa, a experimentação controlada de laboratório, mas somente o encontro clínico no consultório  Conquistas recentes da neurobiologia, relativas a questões como a consciência, a memória, a percepção, processos mentais inconscientes, a pulsão, o desejo, a sexualidade, entre outros, começam a estar disponíveis para melhor compreensão da psicanálise.  O autor vai além disso: ressalta que um diálogo genuíno entre a psicanálise e a biologia é necessário caso se pretenda alcançar uma compreensão profunda da mente4. O próprio Freud previa ser a biologia um campo de possibilidades ilimitadas que poderia embasar o edifício da teoria psicanalítica.
  • 8. O id segundo Freud e a neurofisiologia  O tronco encefálico contém circuitos neurais que podem controlar a ingestão de alimentos, e a área postrema, o núcleo do trato solitário do bulbo e a área parabraquial da ponte estão mais diretamente envolvidos no controle da ingestão de alimentos.  Além disso, toda a região em volta do terceiro ventrículo anterior parece ser uma parte do cérebro onde são integrados os sinais para o controle da sede e do apetite por sal.  A estimulação do hipotálamo lateral, particularmente, estimula o comportamento de beber e a ingestão de alimento. A estimulação do hipotálamo ventromedial, ao contrário, causa sensação de tranquilidade e saciedade, inibindo o comportamento de busca por alimento
  • 9. O ego segundo Freud e a neurofisiologia  A neuropsicanálise identificou nas funções do lobo frontal muitas das funções atribuídas ao ego.  O lobo frontal é a parte mais desenvolvida do cérebro, em especial o pré-frontal, que encontra no homem a sua expressão mais evoluída.  Dotado de função associativa, o lobo frontal recebe os estímulos de todas as demais estruturas do cérebro e os associa, integrando-os
  • 10.  O corte pré-frontal tem sido considerado a “sede da personalidade”. Essa estrutura parece ser importante para a tomada de decisões e para a adoção de estratégias comportamentais mais adequadas a determinada situação.  O córtex pré-frontal estabelece conexões recíprocas com praticamente todo o encéfalo: todas as áreas corticais, vários núcleos talâmicos, núcleos da base, o cerebelo, a amígdala, o hipocampo e o tronco encefálico.  Uma região que possui conexões tão variadas tem grandes possibilidades de exercer funções de controle e coordenação geral das funções mentais e do comportamento
  • 11. O superego segundo Freud e a neurofisiologia  O núcleo central da amígdala ou amígdala central.  Graças à amígdala central, podemos aprender que uma determinada situação é perigosa, ameaçadora ou simplesmente traz consequências ruins.  Traduzindo: se levamos palmadas na infância porque desobedecemos nossos pais, provavelmente não vamos nos esquecer disso.