Estados ansiosos, sintomas eorganização neurótica
Ansiedade e angústia   Ansiedade: estado afetivo penoso associado    a uma atitude de expectativa de um    acontecimento ...
Angústia pré-verbal da pequenalactente e bem pequena   A constatação desta angústia depende da observação    e da empatia...
   Ansiedade crônica ou hiperansiedade: A criança    hiperansiosa vive permanentemente com um sentimento    vago de apree...
   Quanto menor a criança, mais rico será o contexto    somático. A criança parece aterrorizada e não atende    à argumen...
Condutas fóbicas da criança   Fobias: temores não justificados de um objeto ou de uma    situação, cujo confronto é para ...
   Medos: constituem um acontecimento freqüente no decorrer do    crescimento – medo do escuro, de pequenos animais, de  ...
   Ajuriaguerra J.; Marcelli D. Manual de    Psicopatologia Infantil. 2ªed. Porto    Alegre: Artes Médicas; 1991.
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Estados ansiosos, sintomas e organização neurótica

2.398 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
2.398
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
84
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
13
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estados ansiosos, sintomas e organização neurótica

  1. 1. Estados ansiosos, sintomas eorganização neurótica
  2. 2. Ansiedade e angústia Ansiedade: estado afetivo penoso associado a uma atitude de expectativa de um acontecimento imprevisto, mas vivenciado como desagradável Angústia: sensação de extremo desconforto acompanhada de manifestações somáticas (sudorese, taquicardia, aumento da pressão arterial, etc) A ansiedade e angústia são as “portas de entrada” da maioria das condutas psicopatológicas relacionadas à neurose infantil
  3. 3. Angústia pré-verbal da pequenalactente e bem pequena A constatação desta angústia depende da observação e da empatia do adulto. O pânico da criança está relacionados aos seguintes comportamentos: Distúrbios do tônus muscular: hipertonia (rigidez muscular); Hipervigilância: semblante imóvel, como que “congelado”; Imobilidade ou gesticulação anárquica; Incapacidade de encontrar atitude confortável no colo de adulto Distúrbios do sono (terror noturno)
  4. 4.  Ansiedade crônica ou hiperansiedade: A criança hiperansiosa vive permanentemente com um sentimento vago de apreensão, como se algo terrível fosse acontecer Crise de angústia aguda – ataque de pânico: apresenta um início espontâneo e inesperado. Caracteriza-se por: Sinais somáticos: palpitação, taquicardia, sensação de sufocamento, dores torácicas, abdominais, náuseas... Sinais neurológicos: tremores, espasmos musculares, vertigens e mal – estares Sinais motores: agitação ou prostração Sinais vasomotores: suores, fogachos, calafrios Sinais psíquicos: sensação de estranhamento, de perda de referências, medo de morrer, de ficar louco
  5. 5.  Quanto menor a criança, mais rico será o contexto somático. A criança parece aterrorizada e não atende à argumentação, só se acalma na presença dos pais, principalmente antes dos 7-8 anos. À medida em que fica mais velha (11-12 anos), a criança exterioriza mais a sua angústia, não a exprimindo mas a demonstrando com crises de cólera, atitude de exigências insaciáveis, fugas, distúrbios diversos de comportamento Ainda que o início da angústia seja espontâneo, freqüentemente está associado a um acontecimento ou pensamento que precede a crise e que, geralmente, tem relação com a idéia de separação
  6. 6. Condutas fóbicas da criança Fobias: temores não justificados de um objeto ou de uma situação, cujo confronto é para a pessoa fonte de intensa reação de angústia Fobias sociais: as fobias sociais são os medos irracionais e persistentes de situações nas quais o sujeito está exposto à eventual observação de outrem. As primeiras manifestações das fobias sociais na criança podem ser o medo da interrogação oral na aula (medo de ir ao quadro), o medo de falar diante de estranhos. A forma mais elaborada de fobias social é a “fobia escolar”, quase sempre acompanhada de uma inibição (submissão excessiva, extremamente obedientes, isoladas socialmente, mas que podem mostrar-se autoritárias e dominadoras em outros ambientes, por exemplo, o lar)
  7. 7.  Medos: constituem um acontecimento freqüente no decorrer do crescimento – medo do escuro, de pequenos animais, de animais que mordem, de estranhos, de fantasmas ou “bicho- papão”, etc A partir de 8 anos, o medo existencial (o medo da morte) surge diretamente expresso ou sob formas indiretas (temor hipocondríaco) Fatores que intervém nos medos infantis: Sentimento de “eu” que precisa ser preservado (ausente em crianças psicóticas que se colocam em situações de perigo) Clima familiar: por exemplo, o medo de animais pode ser induzido por familiares que podem forçar a criança a se confrontar com o objeto do medo Aprendizagem: o comportamento de medo pode ser reforçado após a primeira experiência vivida e se tornar repetitivo
  8. 8.  Ajuriaguerra J.; Marcelli D. Manual de Psicopatologia Infantil. 2ªed. Porto Alegre: Artes Médicas; 1991.

×