SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 13
Baixar para ler offline
- 17 - 17




          2.    SAÚDE       E    EDUCAÇÃO:           UMA       INTEGRAÇÃO
          POSSÍVEL?


          Segundo estimativa realizada pela Secretaria de Estado da Saúde de
São Paulo, o atendimento de alunos da rede pública de ensino – considerados
como portadores de distúrbios de aprendizagem e, na maioria das vezes, multi -
repetentes – constitui-se em uma das maiores demandas dos serviços de Saúde
Mental, nos quais se inserem os serviços de Psicologia (SÃO PAULO, 1992).
          É oportuno colocar aqui que a preocupação dos órgãos oficiais,
responsáveis pelo planejamento e supervisão das ações em Saúde Mental, não se
dirige à questão do encaminhamentos de escolares aos serviços de saúde em si,
mas sim ao caráter indiscriminado e abusivo que tem caracterizado tais
encaminhamentos. É evidente que, em muitos casos, o envio do escolar, por seus
pais e/ou professores, a um profissional ou serviço de saúde é um procedimento
necessário, adequado e motivado por legítimas preocupações.
          Várias são as atividades destinadas à busca de soluções para o
atendimento ao excessivo número de alunos das escolas públicas encaminhados
aos psicólogos de serviços de saúde.
          Nesse sentido, o plano de trabalho sugerido pelos técnicos da
Secretaria de Estado da Saúde para o atendimento específico à clientela de
escolares (Programa de Saúde Escolar), prevê a agilização do trabalho integrado
entre técnicos de educação e saúde, com a finalidade de somar qualificações
específicas na compreensão e abordagem da criança como um todo (SÃO
PAULO, 1992).



          A integração possibilitaria, de acordo com a proposta oficial, o contato
sistemático do profissional de saúde com a escola, pois acredita-se que nessas
- 18 - 18




ocasiões seriam fornecidas informações essenciais para a atuação da equipe de
saúde o que, segundo o documento:
                “além de favorecer um melhor conhecimento de sua clientela
                e a finalidade de seu trabalho, que deve orientar de imediato
                a vida escolar, aumentam-se as probabilidades de acerto,
                tanto na exploração diagnóstica quanto no atendimento
                terapêutico”. (SÃO PAULO, 1992, p.18)
          O contato sistemático do profissional de saúde com a escola
implicaria, no entanto, um certo distanciamento de um modelo de atuação muito
valorizado em instituições de saúde, o qual poderíamos denominar de modelo
clínico de atendimento. O termo “clínico” refere-se à orientação do especialista
na utilização de procedimentos individualizados, sejam esses de caráter
diagnóstico ou terapêutico. Refere-se também à realização de diagnósticos de
tipo estrutural, isto é, quando se adota o procedimento de se agrupar uma série de
fenômenos segundo sua semelhança formal e atribuir-lhes rótulos agregando-se a
esses uma etiologia ou causa orgânica (RIBES IÑESTA, 1980).
          Um dos fatores determinantes do baixo índice de resolutividade dos
problemas de aprendizagem, de acordo com essa perspectiva, poderia ser a falta
de contato entre profissionais de saúde e educação ou, quando existente, sua
superficialidade, desde o momento de encaminhamento do aluno ao serviço
especializado até a maneira como são devolvidos aos interessados (por exemplo,
a família) os dados obtidos pelos especialistas após a realização da avaliação
diagnóstica.
          Recorrendo-se à literatura a respeito da vinculação entre setores de
saúde e educação no combate ao fracasso escolar, encontram-se subsídios para
crêr que, um dos maiores obstáculos à superação do modelo clínico de
atendimento aos distúrbios de aprendizagem, seja o chamado processo de
“medicalização” do fracasso escolar.
- 19 - 19




          Nesse sentido, o estudo realizado por PESSOTTI (1984), sobre a
evolução do conceito de deficiência mental, da Antigüidade até os dias de hoje, é
bastante esclarecedor. O autor, através da análise histórica do conceito de
deficiência mental (onde estão incluídos os conceitos de distúrbio ou dificuldade
de aprendizagem), demonstra como o tratamento dos deficientes passou,
gradativamente, do âmbito religioso ao campo exclusivo da medicina, devido à
crença de que as anormalidades físicas e mentais seriam causadas por lesões ou
disfunções no sistema nervoso central. A concepção relativa à deficiência mental
chega ao nosso século baseada em uma etiologia orgânica, no poder do
diagnóstico clínico e na freqüência dos sintomas apresentados.
          Um outro aspecto a ser considerado como impeditivo à superação do
modelo exclusivamente clínico no atendimento aos distúrbios ou dificuldades na
aprendizagem, principalmente no contexto de atuação do psicólogo, diz respeito
à formação específica desse profissional.
          Especificamente em relação à área clínica, a Psicologia absorveu
muitos dos procedimentos e posições próprias da Medicina. De acordo com
PATTO (1993) há forte influência da Medicina na formação dos primeiros cursos
de psicologia brasileiros, enquanto que MIRANDA JR., (1993), afirma que a
própria inserção do psicólogo em instituições de saúde deveu-se à possibilidade
de trabalho desse profissional no âmbito clínico e a uma providencial
colaboração com a prática médica.
          Portanto, mesmo que não atue em instituições de saúde, o psicólogo
que norteia o planejamento de suas atividades de acordo com o modelo clínico,
poderá estar contribuindo para o fortalecimento da medicalização do fracasso
escolar e, em vez de auxiliar em sua superação, poderá ainda estimular e facilitar
a instalação de um processo de rejeição das crianças consideradas portadoras de
dificuldades de aprendizagem, isentando a escola e o professor da
responsabilidade em relação ao ensino do aluno.
- 20 - 20




                 Reafirmando essa idéia, VIAL (1972, in BRANDÃO, 1983)
acrescenta:
                        “... a patologização do fracasso escolar, categorização dos
                        ‘inadaptados’   escolares   e   explicações         unívocas    pelo
                        ‘desvio’...são todos alibis para a escola e servem, de fato,
                        conscientemente ou não, de caução e fundamento para uma
                        política escolar de seleção e de segregação”.   ∗




                 Dessa forma, a patologização da aprendizagem e categorização dos
problemas escolares determinam “... a triagem e a exclusão do circuito escolar
destinado às elites dos que não respondem às exigências do sistema”. (VIAL,
op. cit.)
                 Mesmo quando o eixo dos debates acerca do fracasso escolar desloca-
se, do indivíduo e sua problemática para a realidade pedagógica, através de
discussões de temas como as relações professor-aluno, adequação dos métodos
de ensino-aprendizagem e condições de trabalho docente, não se atinge o aspecto
fundamental dos processos de seleção e segregação da clientela escolar. Em
outras palavras, mesmo nas discussões sobre teorias e técnicas pedagógicas, o
tema da significativa “exclusão” de uma parcela de alunos do sistema
educacional não parece estar sendo efetivamente focalizado.

                 O conjunto de considerações feitas até o presente momento têm como
objetivo sinalizar, de um lado, alguns dos fatores que parecem reforçar o uso
exclusivo do modelo clínico no atendimento aos problemas de aprendizagem e,
de outro, apontar alguns obstáculos existentes à implementação de outros
modelos ou procedimentos que possibilitem maior integração entre os
profissionais de saúde e os de educação, particularmente, psicólogos e
professores.

   Grifos da autora.
- 21 - 21




             A reflexão crítica referente ao uso exclusivo do modelo clínico em
relação ao atendimento de escolares, a necessidade de repensá-lo e de buscar
alternativas para a atuação frente à problemática do fracasso escolar, também
vem sendo realizada pelos órgãos oficiais.

             O Grupo de Atenção à Saúde da Criança e Adolescente (GASCA),
órgão pertencente ao Centro de Apoio ao Desenvolvimento de Assistência
Integral à Saúde (CADAIS) da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo,
elaborou, em julho de 1992, o Programa de Saúde Escolar , o qual pode ser     ∗




definido, sinteticamente, como:

                    “... um conjunto de procedimentos e atividades destinadas a
                    atender, de forma individual ou coletiva, a uma população
                    com características próprias de morbidade e mortalidade e
                    que, está cativa em uma instituição fechada, a qual freqüenta
                    por boa parte do dia e por um período mais ou menos longo
                    de sua vida”. (SÃO PAULO, 1992, p.1)
             A criação e as tentativas de implantação desse programa devem-se à
necessidade de prevenir e tratar precocemente doenças específicas da idade
escolar, evitando assim complicações futuras, tratamentos complexos e onerosos
e tem como meta o desenvolvimento de ações de prevenção e recuperação da
saúde escolar, na pré escola e nas escolas públicas de todas as regiões do estado
de São Paulo, através da ação integrada das Secretarias de Estado de Saúde e da
Educação.
             A partir dos objetivos de prevenção e tratamento precoce de
enfermidades próprias à idade escolar, definem-se algumas das atividades do
Programa de Saúde Escolar, que devem ser implantadas nas instituições de saúde
estaduais para o atendimento dos escolares: a implantação do prontuário e
carteira do escolar, o teste de triagem de visão, a consulta médica, observações de
Não é objetivo deste trabalho discutir as políticas de saúde escolar existentes atualmente, nem suas
implicações ideológicas. Para os interessados por este tipo de discussão, recomenda-se a obra de Gerson
Zanetta de Lima, Saúde Escolar e Educação. São Paulo: Cortez, 1985.
- 22 - 22




aspectos de saúde do escolar pelo professor e a atenção à saúde mental dos
escolares.
                Dentre as atividades prioritárias do Programa de Saúde Escolar, a que
interessa ao presente estudo é a relativa à saúde mental dos alunos.
                O sistema de atendimento à saúde mental do escolar estabelece, de
maneira global, a realização de ações primárias de prevenção e promoção de
saúde as quais, adverte o Programa, devem se iniciar na escola. No caso de ser
necessário um atendimento secundário ou terciário do setor de saúde, isto é,
quando já existem problemas instalados, acarretando conseqüências danosas aos
escolares, esse atendimento deverá ser feito sem superposição ou perda de
informação entre a instituição de saúde e as escolas.
                O plano de atenção à saúde mental preconiza ainda que técnicos da
educação e saúde atuem de maneira integrada possibilitando, inclusive, através
desse trabalho integrado, maior abrangência na realização de ações coletivas no
âmbito educacional, procurando atingir a todos os escolares, de acordo com o
objetivo de universalidade que orienta a rede pública de saúde. Somente por meio
das ações de caráter preventivo, segundo o Programa, poderá ocorrer a
racionalização da demanda ou clientela nas unidades de atenção secundária, que
por sua vez, poderão atender às necessidades terapêuticas cumprindo o objetivo
de resolutividade, também proposto pela rede pública de saúde.
     A proposta de trabalho integrada implicaria, segundo o documento:
                        “numa nova atitude e disposição dos técnicos da educação e
                        também num melhor aparelhamento da equipe de saúde
                        mental quanto ao desenvolvimento de ações na escola ,      ∗




                        segundo uma nova metodologia de trabalho, que não segue o
                        modelo clínico mas sim educacional e de ação institucional.”
                        (SÃO PAULO, 1992, p.18)


∗   Grifo dos autores
- 23 - 23




  Nesse sentido, o Programa de Saúde Escolar recomenda que a equipe de saúde
  mental desenvolva, na escola, as seguintes atividades:
  a) orientação a pais, professores, diretores e demais funcionários quanto às
  etapas de desenvolvimento infantil e o papel da escola na vida da criança;
  b) oferecimento de instrumental teórico para que o professor possa identificar
  as situações em que é realmente necessária uma intervenção especializada,
  daquelas em que a sua capacidade e bom senso podem resolver.
  Quanto ao trabalho clínico, efetivamente realizado nas unidades de
  atendimento, a equipe de saúde mental, segundo a proposta oficial, deverá
  estar apta a:
  a) realizar diagnóstico interdisciplinar que reflita uma compreensão global da
  criança nos aspectos médicos, psicológicos, fonoaudiólogos e sociais;
  b) fazer a devolução do diagnóstico para a escola, esclarecendo o professor, a
  família e a própria criança sobre as suas necessidades globais, inclusive
  acadêmicas;
  c) identificar as reais necessidades de tratamento e proporcioná-lo, visando
  não só a resolução da problemática escolar imediata como também o bem -
  estar geral da criança.
          Especialmente no que diz respeito à atividade diagnóstica, as equipes
de saúde mental dos serviços de saúde defrontam-se com a importante questão da
solicitação de avaliações de escolares vistos como alunos elegíveis para a
educação especial, por se julgar não estarem correspondendo às expectativas da
escola.
          O ensino especial processado, de modo geral, em classes específicas
para deficientes mentais ou portadores de outras deficiências contempla, no caso
dos primeiros, a faixa de deficientes mentais educáveis, resultando num grande
número de encaminhamentos de alunos para os psicólogos das instituições de
saúde, já que apenas o profissional de psicologia é legalmente habilitado para
- 24 - 24




realizar a classificação exigida (quociente de inteligência na faixa de 50 a 70),
através da utilização de técnicas de exame psicológico.
          O Programa de Saúde Escolar igualmente manifesta sua preocupação
diante desse fato, por considerar que o processo de encaminhamento de alunos
para avaliação e classificação em educáveis e não - educáveis:
                “... além de não contribuir para a resolução das dificuldades
                da criança, uma vez que não ultrapassa o nível diagnóstico,
                tem sobrecarregado as unidades de saúde, limitando assim
                não só o número mas a qualidade dos atendimentos e
                mantendo esta questão mal - resolvida”. (SÃO PAULO,
                1992, p.20)
          Concorda-se totalmente com a consideração acima e, além disso,
acredita-se que, especialmente no contexto do serviço de Psicologia do
Ambulatório de Especialidades, é urgente a modificação do método de atuação
atualmente utilizado.
          O Ambulatório Regional de Especialidades, enquanto instituição
pertencente à rede de atenção secundária em saúde, objetiva a reabilitação de
patologias e distúrbios já instalados, no sentido de minimizar as seqüelas que
esses podem causar aos indivíduos.
          No tocante ao atendimento aos escolares considerados portadores de
dificuldades ou distúrbios de aprendizagem, a instituição tem atuado de acordo
com um modelo que privilegia o atendimento clínico individual ou grupal,
centralizado no aluno e com o objetivo de reabilitação de sua problemática
emergente, modelo esse que tem se mostrado incapaz de absorver uma grande
parte da clientela que procura o serviço gerando, em alguns setores, longas listas
de esperas para atendimento.
          No caso específico do serviço de Psicologia, ao qual a pesquisadora
está vinculada, há aproximadamente três anos criou-se uma lista de espera para o
atendimento de escolares de sete a doze anos, que cresce anualmente (Gráfico 1)
- 25 - 25




– noventa e cinco (95) inscrições em 1992, cento e noventa e três (193) em 1993,
trezentos e trinta e quatro (334) em 1994 – atingindo-se, em 1995, o total de
trezentos e oitenta (380) inscrições, situação que faz com que os alunos inscritos
tenham que esperar mais de quatro (04) meses para serem convocados.



                                                          GRÁFICO 1

                                  Inscrições em lista de espera para o setor de Psicologia do ARE



                                                                                          380
                            400
                                                                           334
                            350

                            300
     número de inscrições




                            250
                                                            193

                            200

                            150                95

                            100

                            50

                             0

                                        1992            1993           1994            1995




                              Compreende-se, todavia, que antes de dar início a qualquer tentativa
de mudança, é necessário conhecer-se melhor as concepções dos profissionais de
saúde a respeito de temas essenciais para o atendimento do escolar portador de
distúrbios de aprendizagem, considerando-se que as concepções existentes são
um dos aspectos fundamentais para que novas atitudes possam vir a ser adotadas.
                              Julga-se, ainda, necessário investigar, junto a pais e professores de
alunos encaminhados ao serviço de Psicologia do Ambulatório Regional de
- 26 - 26




Especialidades, aspectos que irão, sem dúvida, subsidiar alterações no método de
trabalho adotado pelo serviço de Psicologia, de modo a se adequar melhor às
expectativas dos usuários.
           Finalmente, deseja-se encontrar respostas para a questão da
possibilidade e viabilidade de integração entre profissionais da saúde e da
educação, de acordo com a proposta do Programa de Saúde Escolar.
           A partir do exposto nos parágrafos anteriores, o presente trabalho
pretende investigar as concepções dos profissionais de saúde e educação, assim
como dos usuários do serviço de Psicologia, sobre a viabilidade da
implementação de ações no plano educacional para o atendimento psico -
pedagógico aos alunos considerados como portadores de dificuldades de
aprendizagem.
           Pretende-se, também, levantar quais os modelos ou procedimentos
alternativos que possibilitariam ou favoreceriam uma maior integração entre os
profissionais da saúde e os da educação, em geral e especialmente, o psicólogo
do serviço de Psicologia do Ambulatório Regional de Especialidades e os
professores das escolas de 1o grau da rede estadual de ensino.
           Orientarão a investigação proposta as seguintes questões:
           - quais as concepções existentes entre os profissionais de saúde a
           respeito das dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso
           escolar? Quais são as suas concepções e expectativas em relação ao
           modelo de atendimento prestado aos distúrbios de aprendizagem e às
           formas ou os procedimentos para integrar saúde e educação?
           - quais as concepções dos professores a respeito das dificuldades de
           aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar? Quais as
           concepções e expectativas em relação ao modelo de atendimento
           prestado aos distúrbios de aprendizagem e às formas viáveis de
           integrar saúde e educação?
- 27 - 27




          - quais as concepções dos alunos e de seus pais a respeito das
          dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar e
          suas expectativas em relação ao atendimento especializado prestado?
          - é possível e desejável para os profissionais de saúde e educação a
          integração entre as áreas? Sob quais condições e de que forma seria
          possível e desejável tal integração? Como viabilizá-la?
          Acredita-se que o levantamento das concepções dos principais atores
sociais envolvidos no processo de encaminhamento e avaliação de escolares a um
profissional de saúde, inserido em uma instituição pública, possa trazer subsídios
valiosos para a proposição e avaliação de propostas alternativas que possibilitem
um maior contato entre as áreas de saúde e educação e, conseqüentemente, um
redirecionamento das ações relativas à superação do chamado “fracasso escolar”.
- 27 - 27




          - quais as concepções dos alunos e de seus pais a respeito das
          dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar e
          suas expectativas em relação ao atendimento especializado prestado?
          - é possível e desejável para os profissionais de saúde e educação a
          integração entre as áreas? Sob quais condições e de que forma seria
          possível e desejável tal integração? Como viabilizá-la?
          Acredita-se que o levantamento das concepções dos principais atores
sociais envolvidos no processo de encaminhamento e avaliação de escolares a um
profissional de saúde, inserido em uma instituição pública, possa trazer subsídios
valiosos para a proposição e avaliação de propostas alternativas que possibilitem
um maior contato entre as áreas de saúde e educação e, conseqüentemente, um
redirecionamento das ações relativas à superação do chamado “fracasso escolar”.
- 27 - 27




          - quais as concepções dos alunos e de seus pais a respeito das
          dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar e
          suas expectativas em relação ao atendimento especializado prestado?
          - é possível e desejável para os profissionais de saúde e educação a
          integração entre as áreas? Sob quais condições e de que forma seria
          possível e desejável tal integração? Como viabilizá-la?
          Acredita-se que o levantamento das concepções dos principais atores
sociais envolvidos no processo de encaminhamento e avaliação de escolares a um
profissional de saúde, inserido em uma instituição pública, possa trazer subsídios
valiosos para a proposição e avaliação de propostas alternativas que possibilitem
um maior contato entre as áreas de saúde e educação e, conseqüentemente, um
redirecionamento das ações relativas à superação do chamado “fracasso escolar”.

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarLiteracia em Saúde
 
Manual das praticas_de_atencao_basica
Manual das praticas_de_atencao_basicaManual das praticas_de_atencao_basica
Manual das praticas_de_atencao_basicaPsandra
 
Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...
Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...
Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...EUROsociAL II
 
Educaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio Hubner
Educaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio HubnerEducaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio Hubner
Educaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio HubnerEUROsociAL II
 
Panorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no Brasil
Panorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no BrasilPanorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no Brasil
Panorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no BrasilMarcelo Castellanos
 
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...Albert Nilo
 
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado SimoneHelenDrumond
 
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da FamíliaA Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da FamíliaGutto Vieira
 
Cassiana turíbio amaral1
Cassiana turíbio amaral1Cassiana turíbio amaral1
Cassiana turíbio amaral1Indy Oliveira
 
Educação permanente e a aprendizagem significativa
Educação permanente e a aprendizagem significativaEducação permanente e a aprendizagem significativa
Educação permanente e a aprendizagem significativaMonica Oscalices
 
Artigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógicaArtigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógicaViviane Moreiras
 
11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschetto11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschettoloebens
 
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunesTeoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunesPROIDDBahiana
 
ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...
ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...
ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...ProfessorPrincipiante
 
Pedagogia Hospitalar
Pedagogia HospitalarPedagogia Hospitalar
Pedagogia Hospitalardanielastieh
 
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...EducaSaude1
 

Mais procurados (20)

Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolarSessão de Educação para a saúde - Idade escolar
Sessão de Educação para a saúde - Idade escolar
 
Manual das praticas_de_atencao_basica
Manual das praticas_de_atencao_basicaManual das praticas_de_atencao_basica
Manual das praticas_de_atencao_basica
 
Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...
Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...
Educação Fiscal na Universidade Estadual de Maringá – Paraná - Brasil / Marcí...
 
Educaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio Hubner
Educaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio HubnerEducaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio Hubner
Educaçao fiscal na Universidad Estadual de Maringá - Marcílio Hubner
 
Phc
PhcPhc
Phc
 
Panorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no Brasil
Panorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no BrasilPanorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no Brasil
Panorama dos cursos de graduação em saúde coletiva no Brasil
 
Metodologia da problematização
Metodologia da problematizaçãoMetodologia da problematização
Metodologia da problematização
 
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
Saúde Mental para Médicos que Atuam na Estratégia Saúde da Família: uma Contr...
 
Formação em mfc donato
Formação em mfc donatoFormação em mfc donato
Formação em mfc donato
 
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
Projeto inclusão simone helen drumond resgitrado
 
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da FamíliaA Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
A Contribuição do professor de Educação Física no Programa Saúde da Família
 
Cassiana turíbio amaral1
Cassiana turíbio amaral1Cassiana turíbio amaral1
Cassiana turíbio amaral1
 
Residecnia uerj donato
Residecnia uerj donatoResidecnia uerj donato
Residecnia uerj donato
 
Educação permanente e a aprendizagem significativa
Educação permanente e a aprendizagem significativaEducação permanente e a aprendizagem significativa
Educação permanente e a aprendizagem significativa
 
Artigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógicaArtigo maria de fátima reunião pedagógica
Artigo maria de fátima reunião pedagógica
 
11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschetto11 lajpe 893_andre_taschetto
11 lajpe 893_andre_taschetto
 
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunesTeoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
Teoria pesquisa-e-pratica-em-educacao-debora-r.p.-nunes
 
ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...
ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...
ENTRE A DOCÊNCIA E A INVESTIGAÇÃO: IMPACTO NO INGRESSO DA CARREIRA DOCENTE NA...
 
Pedagogia Hospitalar
Pedagogia HospitalarPedagogia Hospitalar
Pedagogia Hospitalar
 
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
Educação permanente e a regionalização do sistema estadual de saúde na Bahia:...
 

Semelhante a Saúde e Educação: integração possível

Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSSebástian Freire
 
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar   multiencontros ufcPedagogia hospitalar   multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar multiencontros ufcRosalina Moraes
 
PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...
PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...
PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...ssuser43ee6d2
 
Resumo
ResumoResumo
ResumoUNICEP
 
6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdf
6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdf6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdf
6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdfJulianoRibasignez1
 
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanPROIDDBahiana
 
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanPROIDDBahiana
 
Recomendação CNE - Educação Especial
Recomendação CNE - Educação EspecialRecomendação CNE - Educação Especial
Recomendação CNE - Educação Especialtozefonseca
 
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...PROIDDBahiana
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Leonardo Savassi
 
Autismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilAutismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilRosane Domingues
 
Autismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilAutismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilRosane Domingues
 
Artigo in..
Artigo in..Artigo in..
Artigo in..Jusemara
 
Produto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdf
Produto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdfProduto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdf
Produto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdfClaudioPereiradaSilv3
 
A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...
A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...
A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...Ricardo Gomes
 

Semelhante a Saúde e Educação: integração possível (20)

Pedagogia hospitalar formação e trabalho docente
Pedagogia hospitalar formação e trabalho docentePedagogia hospitalar formação e trabalho docente
Pedagogia hospitalar formação e trabalho docente
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
 
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUSEspecialização em Saúde da Família UNA - SUS
Especialização em Saúde da Família UNA - SUS
 
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar   multiencontros ufcPedagogia hospitalar   multiencontros ufc
Pedagogia hospitalar multiencontros ufc
 
PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...
PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...
PDF M1U1 - A identidade do preceptor no processo formativo da educação em saú...
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 
6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdf
6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdf6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdf
6_Estrategias-inovadoras-para-metodos-de-ensino-tradicionais-aspectos-gerais.pdf
 
1
11
1
 
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
 
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grossemanDesenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
Desenvolvimento curricular cbc-bollela-amaral-grosseman
 
Recomendação CNE - Educação Especial
Recomendação CNE - Educação EspecialRecomendação CNE - Educação Especial
Recomendação CNE - Educação Especial
 
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
A formacao-de-profissionais-da-saude-aprendizagem-significativa-a-luz-da-prom...
 
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
Facebook: estratégia pedagógica sobre evidências na disciplina “Medicina de F...
 
Artigo marcia cazal feito
Artigo marcia cazal feitoArtigo marcia cazal feito
Artigo marcia cazal feito
 
Autismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilAutismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantil
 
Autismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantilAutismo e inclusão na educação infantil
Autismo e inclusão na educação infantil
 
Artigo in..
Artigo in..Artigo in..
Artigo in..
 
Produto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdf
Produto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdfProduto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdf
Produto_Educacional_Luciana_ATUALIZADO.pdf
 
A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...
A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...
A inclusão de alunos deficientes intelectuais nas instituições regulares de e...
 

Mais de UNICEP

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoyUNICEP
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128UNICEP
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarUNICEP
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaUNICEP
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaUNICEP
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educaUNICEP
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11UNICEP
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eUNICEP
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeUNICEP
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagemUNICEP
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoUNICEP
 
Indice
IndiceIndice
IndiceUNICEP
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2UNICEP
 

Mais de UNICEP (20)

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
 
Cap4
Cap4Cap4
Cap4
 
Cap3
Cap3Cap3
Cap3
 
Cap1
Cap1Cap1
Cap1
 

Saúde e Educação: integração possível

  • 1. - 17 - 17 2. SAÚDE E EDUCAÇÃO: UMA INTEGRAÇÃO POSSÍVEL? Segundo estimativa realizada pela Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, o atendimento de alunos da rede pública de ensino – considerados como portadores de distúrbios de aprendizagem e, na maioria das vezes, multi - repetentes – constitui-se em uma das maiores demandas dos serviços de Saúde Mental, nos quais se inserem os serviços de Psicologia (SÃO PAULO, 1992). É oportuno colocar aqui que a preocupação dos órgãos oficiais, responsáveis pelo planejamento e supervisão das ações em Saúde Mental, não se dirige à questão do encaminhamentos de escolares aos serviços de saúde em si, mas sim ao caráter indiscriminado e abusivo que tem caracterizado tais encaminhamentos. É evidente que, em muitos casos, o envio do escolar, por seus pais e/ou professores, a um profissional ou serviço de saúde é um procedimento necessário, adequado e motivado por legítimas preocupações. Várias são as atividades destinadas à busca de soluções para o atendimento ao excessivo número de alunos das escolas públicas encaminhados aos psicólogos de serviços de saúde. Nesse sentido, o plano de trabalho sugerido pelos técnicos da Secretaria de Estado da Saúde para o atendimento específico à clientela de escolares (Programa de Saúde Escolar), prevê a agilização do trabalho integrado entre técnicos de educação e saúde, com a finalidade de somar qualificações específicas na compreensão e abordagem da criança como um todo (SÃO PAULO, 1992). A integração possibilitaria, de acordo com a proposta oficial, o contato sistemático do profissional de saúde com a escola, pois acredita-se que nessas
  • 2. - 18 - 18 ocasiões seriam fornecidas informações essenciais para a atuação da equipe de saúde o que, segundo o documento: “além de favorecer um melhor conhecimento de sua clientela e a finalidade de seu trabalho, que deve orientar de imediato a vida escolar, aumentam-se as probabilidades de acerto, tanto na exploração diagnóstica quanto no atendimento terapêutico”. (SÃO PAULO, 1992, p.18) O contato sistemático do profissional de saúde com a escola implicaria, no entanto, um certo distanciamento de um modelo de atuação muito valorizado em instituições de saúde, o qual poderíamos denominar de modelo clínico de atendimento. O termo “clínico” refere-se à orientação do especialista na utilização de procedimentos individualizados, sejam esses de caráter diagnóstico ou terapêutico. Refere-se também à realização de diagnósticos de tipo estrutural, isto é, quando se adota o procedimento de se agrupar uma série de fenômenos segundo sua semelhança formal e atribuir-lhes rótulos agregando-se a esses uma etiologia ou causa orgânica (RIBES IÑESTA, 1980). Um dos fatores determinantes do baixo índice de resolutividade dos problemas de aprendizagem, de acordo com essa perspectiva, poderia ser a falta de contato entre profissionais de saúde e educação ou, quando existente, sua superficialidade, desde o momento de encaminhamento do aluno ao serviço especializado até a maneira como são devolvidos aos interessados (por exemplo, a família) os dados obtidos pelos especialistas após a realização da avaliação diagnóstica. Recorrendo-se à literatura a respeito da vinculação entre setores de saúde e educação no combate ao fracasso escolar, encontram-se subsídios para crêr que, um dos maiores obstáculos à superação do modelo clínico de atendimento aos distúrbios de aprendizagem, seja o chamado processo de “medicalização” do fracasso escolar.
  • 3. - 19 - 19 Nesse sentido, o estudo realizado por PESSOTTI (1984), sobre a evolução do conceito de deficiência mental, da Antigüidade até os dias de hoje, é bastante esclarecedor. O autor, através da análise histórica do conceito de deficiência mental (onde estão incluídos os conceitos de distúrbio ou dificuldade de aprendizagem), demonstra como o tratamento dos deficientes passou, gradativamente, do âmbito religioso ao campo exclusivo da medicina, devido à crença de que as anormalidades físicas e mentais seriam causadas por lesões ou disfunções no sistema nervoso central. A concepção relativa à deficiência mental chega ao nosso século baseada em uma etiologia orgânica, no poder do diagnóstico clínico e na freqüência dos sintomas apresentados. Um outro aspecto a ser considerado como impeditivo à superação do modelo exclusivamente clínico no atendimento aos distúrbios ou dificuldades na aprendizagem, principalmente no contexto de atuação do psicólogo, diz respeito à formação específica desse profissional. Especificamente em relação à área clínica, a Psicologia absorveu muitos dos procedimentos e posições próprias da Medicina. De acordo com PATTO (1993) há forte influência da Medicina na formação dos primeiros cursos de psicologia brasileiros, enquanto que MIRANDA JR., (1993), afirma que a própria inserção do psicólogo em instituições de saúde deveu-se à possibilidade de trabalho desse profissional no âmbito clínico e a uma providencial colaboração com a prática médica. Portanto, mesmo que não atue em instituições de saúde, o psicólogo que norteia o planejamento de suas atividades de acordo com o modelo clínico, poderá estar contribuindo para o fortalecimento da medicalização do fracasso escolar e, em vez de auxiliar em sua superação, poderá ainda estimular e facilitar a instalação de um processo de rejeição das crianças consideradas portadoras de dificuldades de aprendizagem, isentando a escola e o professor da responsabilidade em relação ao ensino do aluno.
  • 4. - 20 - 20 Reafirmando essa idéia, VIAL (1972, in BRANDÃO, 1983) acrescenta: “... a patologização do fracasso escolar, categorização dos ‘inadaptados’ escolares e explicações unívocas pelo ‘desvio’...são todos alibis para a escola e servem, de fato, conscientemente ou não, de caução e fundamento para uma política escolar de seleção e de segregação”. ∗ Dessa forma, a patologização da aprendizagem e categorização dos problemas escolares determinam “... a triagem e a exclusão do circuito escolar destinado às elites dos que não respondem às exigências do sistema”. (VIAL, op. cit.) Mesmo quando o eixo dos debates acerca do fracasso escolar desloca- se, do indivíduo e sua problemática para a realidade pedagógica, através de discussões de temas como as relações professor-aluno, adequação dos métodos de ensino-aprendizagem e condições de trabalho docente, não se atinge o aspecto fundamental dos processos de seleção e segregação da clientela escolar. Em outras palavras, mesmo nas discussões sobre teorias e técnicas pedagógicas, o tema da significativa “exclusão” de uma parcela de alunos do sistema educacional não parece estar sendo efetivamente focalizado. O conjunto de considerações feitas até o presente momento têm como objetivo sinalizar, de um lado, alguns dos fatores que parecem reforçar o uso exclusivo do modelo clínico no atendimento aos problemas de aprendizagem e, de outro, apontar alguns obstáculos existentes à implementação de outros modelos ou procedimentos que possibilitem maior integração entre os profissionais de saúde e os de educação, particularmente, psicólogos e professores.  Grifos da autora.
  • 5. - 21 - 21 A reflexão crítica referente ao uso exclusivo do modelo clínico em relação ao atendimento de escolares, a necessidade de repensá-lo e de buscar alternativas para a atuação frente à problemática do fracasso escolar, também vem sendo realizada pelos órgãos oficiais. O Grupo de Atenção à Saúde da Criança e Adolescente (GASCA), órgão pertencente ao Centro de Apoio ao Desenvolvimento de Assistência Integral à Saúde (CADAIS) da Secretaria de Estado da Saúde de São Paulo, elaborou, em julho de 1992, o Programa de Saúde Escolar , o qual pode ser ∗ definido, sinteticamente, como: “... um conjunto de procedimentos e atividades destinadas a atender, de forma individual ou coletiva, a uma população com características próprias de morbidade e mortalidade e que, está cativa em uma instituição fechada, a qual freqüenta por boa parte do dia e por um período mais ou menos longo de sua vida”. (SÃO PAULO, 1992, p.1) A criação e as tentativas de implantação desse programa devem-se à necessidade de prevenir e tratar precocemente doenças específicas da idade escolar, evitando assim complicações futuras, tratamentos complexos e onerosos e tem como meta o desenvolvimento de ações de prevenção e recuperação da saúde escolar, na pré escola e nas escolas públicas de todas as regiões do estado de São Paulo, através da ação integrada das Secretarias de Estado de Saúde e da Educação. A partir dos objetivos de prevenção e tratamento precoce de enfermidades próprias à idade escolar, definem-se algumas das atividades do Programa de Saúde Escolar, que devem ser implantadas nas instituições de saúde estaduais para o atendimento dos escolares: a implantação do prontuário e carteira do escolar, o teste de triagem de visão, a consulta médica, observações de Não é objetivo deste trabalho discutir as políticas de saúde escolar existentes atualmente, nem suas implicações ideológicas. Para os interessados por este tipo de discussão, recomenda-se a obra de Gerson Zanetta de Lima, Saúde Escolar e Educação. São Paulo: Cortez, 1985.
  • 6. - 22 - 22 aspectos de saúde do escolar pelo professor e a atenção à saúde mental dos escolares. Dentre as atividades prioritárias do Programa de Saúde Escolar, a que interessa ao presente estudo é a relativa à saúde mental dos alunos. O sistema de atendimento à saúde mental do escolar estabelece, de maneira global, a realização de ações primárias de prevenção e promoção de saúde as quais, adverte o Programa, devem se iniciar na escola. No caso de ser necessário um atendimento secundário ou terciário do setor de saúde, isto é, quando já existem problemas instalados, acarretando conseqüências danosas aos escolares, esse atendimento deverá ser feito sem superposição ou perda de informação entre a instituição de saúde e as escolas. O plano de atenção à saúde mental preconiza ainda que técnicos da educação e saúde atuem de maneira integrada possibilitando, inclusive, através desse trabalho integrado, maior abrangência na realização de ações coletivas no âmbito educacional, procurando atingir a todos os escolares, de acordo com o objetivo de universalidade que orienta a rede pública de saúde. Somente por meio das ações de caráter preventivo, segundo o Programa, poderá ocorrer a racionalização da demanda ou clientela nas unidades de atenção secundária, que por sua vez, poderão atender às necessidades terapêuticas cumprindo o objetivo de resolutividade, também proposto pela rede pública de saúde. A proposta de trabalho integrada implicaria, segundo o documento: “numa nova atitude e disposição dos técnicos da educação e também num melhor aparelhamento da equipe de saúde mental quanto ao desenvolvimento de ações na escola , ∗ segundo uma nova metodologia de trabalho, que não segue o modelo clínico mas sim educacional e de ação institucional.” (SÃO PAULO, 1992, p.18)  ∗ Grifo dos autores
  • 7. - 23 - 23 Nesse sentido, o Programa de Saúde Escolar recomenda que a equipe de saúde mental desenvolva, na escola, as seguintes atividades: a) orientação a pais, professores, diretores e demais funcionários quanto às etapas de desenvolvimento infantil e o papel da escola na vida da criança; b) oferecimento de instrumental teórico para que o professor possa identificar as situações em que é realmente necessária uma intervenção especializada, daquelas em que a sua capacidade e bom senso podem resolver. Quanto ao trabalho clínico, efetivamente realizado nas unidades de atendimento, a equipe de saúde mental, segundo a proposta oficial, deverá estar apta a: a) realizar diagnóstico interdisciplinar que reflita uma compreensão global da criança nos aspectos médicos, psicológicos, fonoaudiólogos e sociais; b) fazer a devolução do diagnóstico para a escola, esclarecendo o professor, a família e a própria criança sobre as suas necessidades globais, inclusive acadêmicas; c) identificar as reais necessidades de tratamento e proporcioná-lo, visando não só a resolução da problemática escolar imediata como também o bem - estar geral da criança. Especialmente no que diz respeito à atividade diagnóstica, as equipes de saúde mental dos serviços de saúde defrontam-se com a importante questão da solicitação de avaliações de escolares vistos como alunos elegíveis para a educação especial, por se julgar não estarem correspondendo às expectativas da escola. O ensino especial processado, de modo geral, em classes específicas para deficientes mentais ou portadores de outras deficiências contempla, no caso dos primeiros, a faixa de deficientes mentais educáveis, resultando num grande número de encaminhamentos de alunos para os psicólogos das instituições de saúde, já que apenas o profissional de psicologia é legalmente habilitado para
  • 8. - 24 - 24 realizar a classificação exigida (quociente de inteligência na faixa de 50 a 70), através da utilização de técnicas de exame psicológico. O Programa de Saúde Escolar igualmente manifesta sua preocupação diante desse fato, por considerar que o processo de encaminhamento de alunos para avaliação e classificação em educáveis e não - educáveis: “... além de não contribuir para a resolução das dificuldades da criança, uma vez que não ultrapassa o nível diagnóstico, tem sobrecarregado as unidades de saúde, limitando assim não só o número mas a qualidade dos atendimentos e mantendo esta questão mal - resolvida”. (SÃO PAULO, 1992, p.20) Concorda-se totalmente com a consideração acima e, além disso, acredita-se que, especialmente no contexto do serviço de Psicologia do Ambulatório de Especialidades, é urgente a modificação do método de atuação atualmente utilizado. O Ambulatório Regional de Especialidades, enquanto instituição pertencente à rede de atenção secundária em saúde, objetiva a reabilitação de patologias e distúrbios já instalados, no sentido de minimizar as seqüelas que esses podem causar aos indivíduos. No tocante ao atendimento aos escolares considerados portadores de dificuldades ou distúrbios de aprendizagem, a instituição tem atuado de acordo com um modelo que privilegia o atendimento clínico individual ou grupal, centralizado no aluno e com o objetivo de reabilitação de sua problemática emergente, modelo esse que tem se mostrado incapaz de absorver uma grande parte da clientela que procura o serviço gerando, em alguns setores, longas listas de esperas para atendimento. No caso específico do serviço de Psicologia, ao qual a pesquisadora está vinculada, há aproximadamente três anos criou-se uma lista de espera para o atendimento de escolares de sete a doze anos, que cresce anualmente (Gráfico 1)
  • 9. - 25 - 25 – noventa e cinco (95) inscrições em 1992, cento e noventa e três (193) em 1993, trezentos e trinta e quatro (334) em 1994 – atingindo-se, em 1995, o total de trezentos e oitenta (380) inscrições, situação que faz com que os alunos inscritos tenham que esperar mais de quatro (04) meses para serem convocados. GRÁFICO 1 Inscrições em lista de espera para o setor de Psicologia do ARE 380 400 334 350 300 número de inscrições 250 193 200 150 95 100 50 0 1992 1993 1994 1995 Compreende-se, todavia, que antes de dar início a qualquer tentativa de mudança, é necessário conhecer-se melhor as concepções dos profissionais de saúde a respeito de temas essenciais para o atendimento do escolar portador de distúrbios de aprendizagem, considerando-se que as concepções existentes são um dos aspectos fundamentais para que novas atitudes possam vir a ser adotadas. Julga-se, ainda, necessário investigar, junto a pais e professores de alunos encaminhados ao serviço de Psicologia do Ambulatório Regional de
  • 10. - 26 - 26 Especialidades, aspectos que irão, sem dúvida, subsidiar alterações no método de trabalho adotado pelo serviço de Psicologia, de modo a se adequar melhor às expectativas dos usuários. Finalmente, deseja-se encontrar respostas para a questão da possibilidade e viabilidade de integração entre profissionais da saúde e da educação, de acordo com a proposta do Programa de Saúde Escolar. A partir do exposto nos parágrafos anteriores, o presente trabalho pretende investigar as concepções dos profissionais de saúde e educação, assim como dos usuários do serviço de Psicologia, sobre a viabilidade da implementação de ações no plano educacional para o atendimento psico - pedagógico aos alunos considerados como portadores de dificuldades de aprendizagem. Pretende-se, também, levantar quais os modelos ou procedimentos alternativos que possibilitariam ou favoreceriam uma maior integração entre os profissionais da saúde e os da educação, em geral e especialmente, o psicólogo do serviço de Psicologia do Ambulatório Regional de Especialidades e os professores das escolas de 1o grau da rede estadual de ensino. Orientarão a investigação proposta as seguintes questões: - quais as concepções existentes entre os profissionais de saúde a respeito das dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar? Quais são as suas concepções e expectativas em relação ao modelo de atendimento prestado aos distúrbios de aprendizagem e às formas ou os procedimentos para integrar saúde e educação? - quais as concepções dos professores a respeito das dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar? Quais as concepções e expectativas em relação ao modelo de atendimento prestado aos distúrbios de aprendizagem e às formas viáveis de integrar saúde e educação?
  • 11. - 27 - 27 - quais as concepções dos alunos e de seus pais a respeito das dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar e suas expectativas em relação ao atendimento especializado prestado? - é possível e desejável para os profissionais de saúde e educação a integração entre as áreas? Sob quais condições e de que forma seria possível e desejável tal integração? Como viabilizá-la? Acredita-se que o levantamento das concepções dos principais atores sociais envolvidos no processo de encaminhamento e avaliação de escolares a um profissional de saúde, inserido em uma instituição pública, possa trazer subsídios valiosos para a proposição e avaliação de propostas alternativas que possibilitem um maior contato entre as áreas de saúde e educação e, conseqüentemente, um redirecionamento das ações relativas à superação do chamado “fracasso escolar”.
  • 12. - 27 - 27 - quais as concepções dos alunos e de seus pais a respeito das dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar e suas expectativas em relação ao atendimento especializado prestado? - é possível e desejável para os profissionais de saúde e educação a integração entre as áreas? Sob quais condições e de que forma seria possível e desejável tal integração? Como viabilizá-la? Acredita-se que o levantamento das concepções dos principais atores sociais envolvidos no processo de encaminhamento e avaliação de escolares a um profissional de saúde, inserido em uma instituição pública, possa trazer subsídios valiosos para a proposição e avaliação de propostas alternativas que possibilitem um maior contato entre as áreas de saúde e educação e, conseqüentemente, um redirecionamento das ações relativas à superação do chamado “fracasso escolar”.
  • 13. - 27 - 27 - quais as concepções dos alunos e de seus pais a respeito das dificuldades de aprendizagem e do fenômeno do fracasso escolar e suas expectativas em relação ao atendimento especializado prestado? - é possível e desejável para os profissionais de saúde e educação a integração entre as áreas? Sob quais condições e de que forma seria possível e desejável tal integração? Como viabilizá-la? Acredita-se que o levantamento das concepções dos principais atores sociais envolvidos no processo de encaminhamento e avaliação de escolares a um profissional de saúde, inserido em uma instituição pública, possa trazer subsídios valiosos para a proposição e avaliação de propostas alternativas que possibilitem um maior contato entre as áreas de saúde e educação e, conseqüentemente, um redirecionamento das ações relativas à superação do chamado “fracasso escolar”.