SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 14
Baixar para ler offline
220




           8. Os alunos egressos de Classes de Aceleração

           Apesar de não ser a intenção deste estudo avaliar os resultados
do projeto de Aceleração, julgou-se oportuno analisar as opiniões de um
grupo de antigos alunos sobre a experiência vivida nessas classes e a sua
percepção sobre o regresso às séries regulares, de forma a se compor um
quadro mais abrangente das concepções da maioria dos envolvidos nesse
contexto, como também possibilitar que o leitor tenha acesso à opinião
desses alunos sobre a sua passagem pelas Classes de Aceleração e a
avaliação de sua situação acadêmica atual.
           O acesso às respostas desses alunos surgiu durante uma das
visitas à Diretoria Regional de Ensino, na qual a pesquisadora recebeu de
uma das especialistas educacionais um conjunto de 61 questionários que
haviam sido respondidos por alunos egressos de Classes de Aceleração no
início do ano de 2000, quando já estavam cursando as 5as e 6as séries do
Ensino Fundamental, os quais foram aplicados como parte do processo de
avaliação dos resultados do projeto na região (Anexos 3a e 3b).
           O questionário constava de uma parte introdutória, explicando ao
aluno o seu objetivo, um campo para a sua identificação (nome e série que
estava cursando) e era composto por quatro perguntas:
           -   Como se sentiu na Classe de Aceleração?
           -   O que foi mais importante?
           -   Quais as diferenças que percebe agora?
           -   Neste ano, em qual (ou quais) disciplinas sente dificuldade e
por quê?
           Dos 61 questionários, os questionários de três alunos de 5 as séries
e o questionário de um aluno de 6a série não puderam ser analisados, pois as
respostas dadas por esses alunos estavam praticamente ilegíveis,
impossibilitando a compreensão de seus conteúdos.
221




          Apesar da quantidade de questionários ilegíveis ser pequena
quando comparado à quantidade de questionários legíveis, a dificuldade de
expressão escrita desses alunos parece confirmar a colocação dos
professores participantes do estudo de PLACCO, ANDRÉ & ALMEIDA
(1999) sobre a condição de semi - alfabetização em que estariam recebendo
uma parcela de alunos egressos de Classes de Aceleração.
          Com relação à apresentação das respostas dos 57 questionários
restantes, pode-se afirmar que a maioria dos alunos apresentou erros
gramaticais e ortográficos em suas produções escritas, quando comparadas
ao padrão culto de linguagem. Algumas respostas de alunos mostraram-se
mais difíceis de serem compreendidas; porém, a partir de uma leitura
acurada foi possível apreender-se completamente os seus significados.
          Em suas respostas à primeira questão “Como se sentiu na Classe
de Aceleração?”, alguns alunos limitaram-se a expressar o seu sentimento
positivo, sem se referir a uma causa específica, como por exemplo, aqueles
que apenas responderam que se sentiram “muito bem” na Classe de
Aceleração.
          No entanto, a maior parte dos alunos atribuíram o seu sentimento
positivo quanto às Classes de Aceleração a aspectos específicos.
          Dentre esses aspectos, destacam-se:
          -   a professora e/ou colegas das Classes de Aceleração:
                Eu me senti muito bem porque se não fosse a professora eu não era
                nada sem ela, porque ela me ensinou muito;
                Eu senti que lá era muito bom de estudar. Eu gostava muito de lá, a
                professora tinha muita paciência com a gente. Todos nós gostamos de
                lá;
                Eu me senti muito bem, apesar da bagunça a professora explicava
                muito bem conosco. Eu adorei a Aceleração porque a professora
                trabalhava diferente conosco;
                Eu me senti na Classe de Aceleração que as coisas era de uma forma
                que era uma professora só e que ela ensinava e ia na carteira
                ensinar;
                Eu me senti muito bem. Porque a professora era muito boazinha e
                atendia quando a gente chamava;
222




              Eu me sentia bem porque a professora explicava tudo o que a gente
              tinha dúvidas;
              Eu me senti muito bem na Classe de Aceleração porque a professora
              ensinou muitas coisas para nós e por isso eu gostei muito da classe e
              principalmente da professora;
              Eu me senti muito bem. Porque a professora era muito boazinha e
              atendia quando a gente chamava;
              Eu me senti muito bem porque ela era uma ótima professora e
              ensinava muitas coisas;
              Eu me senti muito bem, porque ela ensinou muito para nós, tudo o
              que ela sabia, por isso eu passei de ano;
              Eu me senti muito bem. Porque a professora era muito boazinha e
              atendia quando a gente chamava;
              Eu me senti muito bem com a professora e com os meus amigos;
              Muito bem, eu me dava bem com todos os meus colegas e a
              professora muito boa;
              Eu senti na Classe de Aceleração que as crianças eram educadas e a
              professora legal;
              A Classe de Aceleração foi muito bom, crianças educadas, nós
              gostamos muito da professora, ela era muito boa com a gente;
              Na Classe de Aceleração é muito bom, porque tem menos alunos e dá
              para a professora explicar a matéria;
              Muito segura porque até eu sabia que estava aprendendo com os
              meus colegas o que eu não sabia antes;
              Era bom porque lá a gente aprendia bem e a classe era quieta
              demais.


         -   a possibilidade de superação da defasagem idade/série, de
aprender ou ambos:
              Me senti muito bem e muito feliz por ter tido uma chance de passar
              para a quinta série mais rápido;
              Eu me senti muito bem por poder recuperar os anos que eu perdi na
              escola;
              Eu senti que na Classe de Aceleração era muito bom para nós
              aprender;
              Eu me senti um aluno muito bom porque eu aprendi mais rápido;
              Muito bem, porque lá eu aprendi muitas coisas que se eu não tivesse
              feito aceleração não poderia aprender e os professores são muito
              legais;
              Eu me senti muito bem. Porque se eu não fosse para a Aceleração eu
              não tinha aprendido a ler e escrever;
              Muito bem. Aprendi muitas coisas e me senti muito bem. Quase não
              sabia mais nada;
              Eu me senti muito bem porque não sabia quase nada. Entrei lá e Eu
              me senti muito bem porque eu participei de toda a aula e eu mudei
              muito.
223




          -   a valorização de si mesmo:
                Eu me senti uma pessoa importante;
                Mais inteligente;
                Eu me sentia um aluno muito importante porque só nós estudamos
                naquela classe naquela escola;
                Eu me senti uma pessoa inteligente na sala. Eu aprendi muitas coisas
                novas. Eu gostei muito e eu era muito comportado com os amigos.


          -   o sentimento de pertença ao grupo:
                Eu achei bom porque eu não estava perto dos pequenos;
                Me senti comum, como nas outras classes;
                Bom, porque lá tinha alunos que tinham o mesmo problema que eu
                tinha.

          Ainda com relação à primeira questão, quatro alunos apontaram
sentimentos de inadaptação ou medo diante das Classes de Aceleração, mas
que parecem ter sido superados:
                Um pouco assustada;
                Eu achei muito diferente as salas de Aceleração, mas eu me
                acostumei e achei muito importante;
                Eu me senti muito chato. Porque eu não tinha colega para conversar
                e aí eu conheci a S. para eu conversar;
                No começo meio sozinho, mas depois eu me adaptei com a classe e a
                professora também.

          Analisando-se as respostas à primeira pergunta do questionário,
pode-se dizer que a maioria dos alunos egressos, especialmente os das 6 as
séries, afirmou ter um sentimento positivo em relação à sua passagem pelas
Classes de Aceleração e que as figuras mais freqüentemente associadas a
esse sentimento foram as professoras dessas classes, elogiadas pela sua
competência e atenção dispensada aos alunos.
          Com relação à segunda pergunta “O que foi mais importante?”,
as respostas variaram das mais genéricas até as mais detalhadas.
          Dentre as respostas mais genéricas, tem-se, por exemplo:
                A educação;
                As aulas foram muito importantes para mim;
                O mais importante foi tudo.
224




          No conjunto de respostas mais detalhadas, os seguintes aspectos
foram destacados:
          -   possibilidade de superação da defasagem idade/série, de
aprender ou ambos:
               Foi que nós fizemos duas séries em uma. Se não fosse a Aceleração
               nós ainda estaríamos na 3a série;
               Foi o primeiro dia que eu conheci as classes, as professoras e eu
               comecei aprender coisas de duas classes juntas em um lugar só;
               Foi quando eu estava na terceira série e a professora disse quem quer
               fazer aceleração e eu quis, aí eu fui para a classe de aceleração e de
               repente acabou o ano e eu passei para a quinta, foi a coisa mais
               importante;
               Eu passar de ano e ganhar muitas notas boas;
               Foi que a gente aprendeu muitas coisas;
               Que eu aprendi mais as matérias que eu tinha dificuldade;
               Foi mais importante na hora que eu aprendi a ler e escrever. Aquele
               foi o dia mais importante da minha vida;
               Foi importante na hora que a professora me ensinou a ler, eu
               agradeço todos os dias porque eu aprendi a ler;
               Foi mais importante que eu aprendi a ler e escrever correto. E
               também os nossos livros que a nossa professora deu para nós;
               Foi mais importante que eu aprendi a escrever e ler, aprendi mais
               coisas, super legal;
               Aprender o que eu não sabia e agora eu sei;
               Eu aprendi a ler, escrever lições que a professora passava;
               Que eu aprendi a ler e aprendi muitas coisas boas;
               O mais importante foi que eu fui para a Aceleração para aprender a
               ler e para passar para a outra série.
               O que foi mais importante na Classe de Aceleração é que eu aprendi
               mais.


          -   a professora e/ou colegas das Classes de Aceleração:
               Foi mais importante que ela sempre ajudava todos nós muito e ela
               ensinou tudo o que ela sabia;
               Tudo pois a professora explicava todas as matérias com muita
               atenção;
               Tudo, porque eu tinha uma professora que sabia ensinar;
               Foi mais importante porque a professora explicava as lições e
               ensinava os alunos a fazer a lição;
               Estudar com os livros e a minha professora nos ensinava muito bem.
               O mais importante foi que os colegas ajudavam uns aos outros;
225




                   O mais importante é que a professora era um amor de pessoa e
                   compreensiva e isto fez dela o mais importante;
                   É que a professora era uma pessoa que sabia compreender os alunos,
                   era uma pessoa com paciência e supervisora legal;
                   O jeito que a professora tratava a gente e o jeito dos alunos na sala
                   de aula;
                   Foi o jeito de estudar mais um pouco com pessoas diferentes, que
                   tudo mudou entre nós agora.


              -   a metodologia de ensino, os conteúdos curriculares ou as
atividades:
                   O mais importante é que eu pude aprender muitas coisas. Nós
                   trabalhávamos em grupos, nós trabalhávamos com coisas diferentes
                   das outras séries, eu achava isso uma coisa muito importante;
                   O mais importante é que a gente trabalhou com os livros de
                   aceleração e eu aprendi muitas coisas na aceleração;
                   Para mim o que foi mais importante foi as contas de divisão porque
                   eu não sabia nada. Mas com a minha capacidade de força eu me
                   recuperei e passei de ano;
                   Foi importante as aulas que nós tínhamos com ela, aula de fração e
                   até de sexo ela dava para nós;
                   O filme que ela passou e depois nós fizemos uma redação;
                   Quando nós fomos visitar o tratamento de água. Nós ficamos sabendo
                   como é que tratava água;
                   Foi o jeito de estudar, a professora trabalhava junto com os alunos,
                   apesar de ter sido um pouco difícil de conviver com alguns.



              Quanto a “O que foi mais importante?”, os alunos referiram-se à
possibilidade de retomar o fluxo escolar, como quando se referiram a
passar de ano, aprender coisas de duas classes juntas em um lugar só e à
importância de terem se apropriado de conhecimentos e desenvolvido
habilidades para o acompanhamento do processo ensino - aprendizagem,
como no caso do aluno que se referiu ao dia em que aprendeu a ler e
escrever como o mais importante de sua vida, assim como do aluno que
disse agradecer todos os dias por ter aprendido a ler
              Para a pergunta “Quais as diferenças que percebe agora?”, os
alunos identificaram diferenças que, à primeira vista, parecem estar
relacionadas a alguns fatores explicativos.
226




Dentre esses fatores explicativos destacam-se:
-   possíveis características das séries regulares:
      Que eu estou fazendo uma classe só;
      Que agora é tudo mais puxado. É tudo mais rigoroso;
      As tarefas eu acho mais difícil porque as de lá era mais fácil;
      Muitas coisas: número decimais e muitas coisas;
      Eu acho que agora tem mais professores e matérias novas e às vezes é
      mais gostoso porque a gente aprende mais.
      Eu percebi que agora não é a mesma coisa de antes, porque agora
      nós temos vários professores;
      Que agora tem muitos professores, que ensinam de forma diferente da
      aceleração, que os livros são diferentes da aceleração das classes
      normais;
      As coisas agora são tudo diferente, as professoras ensina mais e é
      mais que a Classe de Aceleração;
      Bom, a única diferença é que agora é bem mais difícil, porque tem
      sete professores;
      A diferença é que na 5a tem cinco professores e não um e na 5 a os
      professores não tem muito tempo;
      Eu percebo que as professoras não pode ensinar todos ao mesmo
      tempo porque tem muito aluno;
      Na Classe de Aceleração todos os alunos ficavam quietos, mas agora
      nem todos ficam quietos e as professoras não conseguem dar conta
      deles;
      As diferenças são os modos de trabalhar com a gente, tem muita
      diferença hoje na 6a, as coisas mudaram e eu não sei como explicar
      para vocês;
      Bem. Na Classe de Aceleração todos os alunos ficavam quietos, mas
      agora nem todos ficam quietos e as professoras não conseguem dar
      conta deles.


-   melhor rendimento ou comportamento escolar:
      Que eu estou ótima. Quase aprendendo a lição mas eu queria e quero
      passar de ano;
      Eu estou aprendendo melhor as lições;
      Porque eu sei muito mais do que antes;
      Agora que eu posso ler mudou tudo para mim;
      Eu agora converso menos do que o ano passado;
      Muitas coisas mudaram, eu aprendi mais, ela ensinou bastante
      coisas.
227




          -   características das Classes de Aceleração:
                A diferença é que no lugar de eu estar na 4 a série eu já estou na 5 a
                série;
                Agora minha diferença é que eu estou na quinta série. Porque se não
                fosse a Aceleração eu não tinha passado para a quinta série;
                Que eu aprendi muito com a professora, com ela eu aprendi a ler e
                escrever;
                As diferenças que eu percebi foi que a Aceleração foi muito bom para
                mim;
                Quando nós entramos na escola nós tomávamos leite com bolacha e
                aqui não dá leite e é muito chato, nós chegamos no frio e não tem
                nada para comer;
                As diferenças é que trabalhávamos muito com livros. Durante o ano
                todo estudamos só com livros, fazíamos muitas pesquisas etc. Na
                classe não havia tanta bagunça, como é agora;
                As diferenças que eu percebo é que não temos livro de Aceleração e
                hoje a gente não faz o que a gente fazia e era muito gostosa a Classe
                de Aceleração;
                As diferenças que eu percebo foi o jeito de estudar porque antes eu
                aprendia mais, agora eu não aprendo quase nada;
                As minhas diferenças agora é porque mudou tudo, ficou diferente as
                coisas para mim, não tem Classe de Aceleração mais.


          -   Deficiências das Classes de Aceleração:
                Muitas, porque eu acho que a Classe de Aceleração não ensina muito
                bem;
                Na Aceleração nós fazíamos o livro que não tinha quase nada de
                Português. A minha dificuldade é de Português.

          Há um aluno que disse perceber agora a sua própria diferença em
relação aos seus colegas de turma: a diferença que eu percebo é que eu, um
cavalão e velho que nem eu estou na 5 a série perto de crianças menores
que eu e mais novas que eu. A resposta desse aluno ilustra o sentimento de
inadequação que muitos alunos multirrepentes parecem sentir ao retomarem
a sua vida acadêmica nas séries regulares.
          As diferenças percebidas pelos alunos egressos de Classes de
Aceleração ao retomarem as séries regulares parecem residir, com maior
freqüência, no aumento do número de professores e disciplinas nessas
séries, na metodologia de trabalho do professores, assim como no tipo de
relação existente entre os professores e os alunos, evidenciado pela
228




expressão falta de paciência dos atuais docentes a que os alunos egressos
freqüentemente se referem.
             Algumas dessas diferenças parecem ser inerentes à transição
entre a 4a e a 5a série do Ensino Fundamental, a qual tem sido apontada por
algumas pesquisas22 como um período escolar muito complexo, tanto para
alunos como para professores e que pode causar conseqüências desastrosas,
como por exemplo, o aumento da evasão escolar.
             Por outro lado, alguns alunos atribuíram as diferenças
especificamente às deficiências nas Classes de Aceleração, o que evidencia
que, nesses casos, parece não ter havido a necessária apropriação do
conhecimento escolar, por parte desses alunos, para a retomada das séries
regulares.
             Quanto a quarta e última questão, “Neste ano, em qual (ou em
quais) disciplinas sente dificuldades e por quê?”, alguns alunos apenas
responderam à primeira parte da pergunta, mas não identificaram as causas
das dificuldades, como no caso do aluno que afirmou ter dificuldades em
Matemática, Ciências, Geografia, Português, Inglês e Educação Artística.
             No entanto, a maior parte dos alunos responderam às duas partes
da questão. Essas respostas podem ser classificadas de acordo com a causas
atribuídas pelos alunos às dificuldades identificadas:
             -   dificuldades atribuídas à falta de pré - requisitos:
                    Na de Matemática, porque eu não sei direito as contas de divisões.
                    Geografia, eu não sei latitude e longitude;
                    O ensino agora é muito avançado para nós e não entendemos tudo o
                    que ela ensina, principalmente Ciências e Português;
                    Eu tenho dificuldade só na matéria de História, porque eu não gosto
                    de falar dos antepassados;
                    Eu sinto dificuldade de ler, eu fico nervosa e começo a gaguejar;
                    Português. Porque eu tenho dificuldade de escrever as tarefas de
                    Português;
                    Inglês, porque eu tenho dificuldade de escrever as tarefas de Inglês;

22
  A esse respeito ver SILVA, M. H. F. da. O professor como sujeito do fazer docente: a prática
pedagógica nas 5as séries. SÃO PAULO: USP - Faculdade de Educação, 1992. Tese de
Doutorado. 262p. Mimeo.
229




                 Na Matemática, eu não sei um pouco de fração;
                 Em Matemática porque às vezes tem umas contas de raiz quadrada e
                 equivalente etc;
                 Neste ano eu tenho dificuldade em Matemática, porque eu não sei
                 nada;
                 Na aula de História, de Inglês porque eu não sei ler esta língua e na
                 matéria de História ela passa matéria importante;
                 Eu estou com dificuldades em Ciências, porque lá vinha na carteira
                 ensinar;
                 Eu era muito bom em Matemática, só que agora tenho dificuldade;
                 Em Matemática porque eu acho mais difíceis as continhas e na quarta
                 série é mais fácil.


           -   dificuldades atribuídas aos professores ou às condições de
trabalho nas séries atuais:
                 Neste ano foi História e Ciências que eu tenho mais dificuldade para
                 aprender porque o professor não tem tanta paciência para ensinar;
                 Algumas dificuldades de aprender Ciências, Inglês e Matemática
                 porque os professores não tem tanta paciência para ensinar;
                 Matemática. Ela não ensina nada direito;
                 Matemática, porque tem muitos alunos na classe e não dá para a
                 professora explicar e a matéria é muito difícil;
                 As matérias que eu sinto dificuldades são Matemática e História. A
                 Matemática eu acho dificuldade porque às vezes eu não consigo
                 raciocinar com aquela barulheira. História eu acho a mesma coisa
                 porque se você trabalha pensando que vai conseguir, consegue, mas
                 se você trabalha com uma classe que não quer nada com nada não
                 consegue, você não pode se concentrar com muito barulho.


           -   dificuldades atribuídas ao grau de exigência das disciplinas:
                 Em Geografia, Matemática e Ciências, porque estão muito mais
                 difíceis;
                 Português. Eu acho que é muito difícil, as outras matérias são fáceis;
                 Eu tenho dificuldades em Inglês, porque é muito difícil de fazer;
                 Matemática, porque está sendo mais difícil;.
                 Sinto dificuldade na lição porque às vezes eu não entendo a lição que
                 é difícil, por isso sinto dificuldade na matéria de Matemática;
                 Em Matemática, porque eu achei mais difíceis as continhas e na 4a
                 série era mais fácil;
                 Sim, eu tenho em Matemática porque é uma matéria meio complicada
                 pelo menos para mim.
           -   não identificaram dificuldades:
                 Em nada, estou ótima;
                 Nenhuma, porque presto atenção nas explicações da professora.
230




                Eu não tenho reclamação de nenhuma matéria porque eu acho que
                tem que pensar para depois fazer e eu penso muito, está é minha
                opinião;
                Eu não tenho dificuldades em nenhuma disciplina. Às vezes em
                Matemática, mas só quando é matéria nova e também só nos
                primeiros dias. Caso contrário, vou super bem em todas as matérias;
                Em nenhuma e porque eu ando do mesmo jeito, faço tudo do mesmo
                jeito. Eu só aprendi mais.

           Apenas um aluno atribuiu as suas dificuldades à ausência de
conteúdo de Ciências no material das Classes de Aceleração: Ciências. Não
tinha nada no livro de Aceleração.
           Outro aluno atribuiu as suas dificuldades às várias mudanças de
escolas, as quais ocasionaram a perda do ano letivo: Eu sinto dificuldade de
um pouco de tudo. Por que? Sempre quando eu estou indo bem minha mãe
muda e eu perco o ano.
           De modo geral, as dificuldades sentidas pelos alunos no decorrer
das séries regulares foram atribuídas à problemas de aprendizagem ou à
falta de pré - requisitos para o acompanhamento das disciplinas atuais.
           A esse respeito, acredita-se que seriam necessárias novas
investigações a fim de avaliar a verdadeira origem dessa falta de pré -
requisitos, ou seja, se estão relacionadas à problemas de aprendizagem
individuais ou à deficiências específicas das Classes de Aceleração em
oferecer um ensino de qualidade a esses alunos.
           No tocante às dificuldades, os alunos apontaram com maior
freqüência a Matemática, a Língua Portuguesa, História e Inglês, seja pela
complexidade do conteúdo específico ou pela falta de paciência do
professor em ensiná-los.
           Também atribuíram as suas dificuldades ao clima de trabalho
existente nas séries atuais (bagunça e classes superlotadas), o que estaria
dificultando a sua plena capacidade de concentração e de raciocínio.
           Por meio das respostas fornecidas ao questionário, os alunos
sinalizam claramente o que parece facilitar e dificultar o seu aprendizado
231




(de um lado, a atenção do professor de outro o barulho e a superlotação das
classes), além de apontarem os conteúdos ou habilidades acadêmicas que
mais valorizam, como por exemplo, a capacidade de ler.
           Concluindo, dois pontos merecem destaque na análise da
resposta dos egressos: a importância dada ao aprendizado obtido nas
Classes de Aceleração e as dificuldades sentidas pelos mesmos nas séries
atuais.
           A boa aceitação dos alunos em relação às Classes de Aceleração
foi ressaltada pelas professoras das Escolas I e II e pelas especialistas
educacionais da D.R.E., mas a leitura das respostas dos alunos permite uma
melhor visualização e compreensão da importância dessa experiência nas
suas vidas e o papel fundamental do professor das Classes de Aceleração
nesse contexto. Por outro lado, é importante destacar novamente que três
alunos, ao se referirem às diferenças e às dificuldades percebidas, fizeram
críticas específicas às Classes de Aceleração.
           As dificuldades no relacionamento entre os professores das
séries regulares e os alunos egressos, apontadas como um dos maiores
problemas para a retomada do fluxo e para o aproveitamento acadêmico,
denuncia a falta de um trabalho docente integrado, a qual pode gerar a falta
de discussão sobre os alunos e suas dificuldades, assim como sobre os
compromissos a serem assumidos pela escola e o corpo docente em relação
a esses alunos e à educação como um todo (PLACCO, ANDRÉ &
ALMEIDA, 1999).
231




(de um lado, a atenção do professor de outro o barulho e a superlotação das
classes), além de apontarem os conteúdos ou habilidades acadêmicas que
mais valorizam, como por exemplo, a capacidade de ler.
           Concluindo, dois pontos merecem destaque na análise da
resposta dos egressos: a importância dada ao aprendizado obtido nas
Classes de Aceleração e as dificuldades sentidas pelos mesmos nas séries
atuais.
           A boa aceitação dos alunos em relação às Classes de Aceleração
foi ressaltada pelas professoras das Escolas I e II e pelas especialistas
educacionais da D.R.E., mas a leitura das respostas dos alunos permite uma
melhor visualização e compreensão da importância dessa experiência nas
suas vidas e o papel fundamental do professor das Classes de Aceleração
nesse contexto. Por outro lado, é importante destacar novamente que três
alunos, ao se referirem às diferenças e às dificuldades percebidas, fizeram
críticas específicas às Classes de Aceleração.
           As dificuldades no relacionamento entre os professores das
séries regulares e os alunos egressos, apontadas como um dos maiores
problemas para a retomada do fluxo e para o aproveitamento acadêmico,
denuncia a falta de um trabalho docente integrado, a qual pode gerar a falta
de discussão sobre os alunos e suas dificuldades, assim como sobre os
compromissos a serem assumidos pela escola e o corpo docente em relação
a esses alunos e à educação como um todo (PLACCO, ANDRÉ &
ALMEIDA, 1999).
231




(de um lado, a atenção do professor de outro o barulho e a superlotação das
classes), além de apontarem os conteúdos ou habilidades acadêmicas que
mais valorizam, como por exemplo, a capacidade de ler.
           Concluindo, dois pontos merecem destaque na análise da
resposta dos egressos: a importância dada ao aprendizado obtido nas
Classes de Aceleração e as dificuldades sentidas pelos mesmos nas séries
atuais.
           A boa aceitação dos alunos em relação às Classes de Aceleração
foi ressaltada pelas professoras das Escolas I e II e pelas especialistas
educacionais da D.R.E., mas a leitura das respostas dos alunos permite uma
melhor visualização e compreensão da importância dessa experiência nas
suas vidas e o papel fundamental do professor das Classes de Aceleração
nesse contexto. Por outro lado, é importante destacar novamente que três
alunos, ao se referirem às diferenças e às dificuldades percebidas, fizeram
críticas específicas às Classes de Aceleração.
           As dificuldades no relacionamento entre os professores das
séries regulares e os alunos egressos, apontadas como um dos maiores
problemas para a retomada do fluxo e para o aproveitamento acadêmico,
denuncia a falta de um trabalho docente integrado, a qual pode gerar a falta
de discussão sobre os alunos e suas dificuldades, assim como sobre os
compromissos a serem assumidos pela escola e o corpo docente em relação
a esses alunos e à educação como um todo (PLACCO, ANDRÉ &
ALMEIDA, 1999).

Mais conteúdo relacionado

Destaque (20)

Protocolo
ProtocoloProtocolo
Protocolo
 
Planejamento estratégico - Francisco das Chagas Alves
Planejamento estratégico   - Francisco das Chagas AlvesPlanejamento estratégico   - Francisco das Chagas Alves
Planejamento estratégico - Francisco das Chagas Alves
 
David paredes
David paredesDavid paredes
David paredes
 
Ativ1 4marialucia
Ativ1 4marialuciaAtiv1 4marialucia
Ativ1 4marialucia
 
Ios.s7
Ios.s7Ios.s7
Ios.s7
 
Presentacion educoris
Presentacion educorisPresentacion educoris
Presentacion educoris
 
Resúmenes Ciber Plagio y Plagio Académico
Resúmenes Ciber Plagio y Plagio AcadémicoResúmenes Ciber Plagio y Plagio Académico
Resúmenes Ciber Plagio y Plagio Académico
 
Exposição do azeite
Exposição do azeiteExposição do azeite
Exposição do azeite
 
Webquest
WebquestWebquest
Webquest
 
Reseña Ciber plagio y Plagio académico
Reseña Ciber plagio y Plagio académicoReseña Ciber plagio y Plagio académico
Reseña Ciber plagio y Plagio académico
 
Apresentação TDI
Apresentação TDIApresentação TDI
Apresentação TDI
 
Planejamento da Utilização de Vagões - MRS
Planejamento da Utilização de Vagões - MRSPlanejamento da Utilização de Vagões - MRS
Planejamento da Utilização de Vagões - MRS
 
Ativ1 6gorettisoares-lucia
Ativ1 6gorettisoares-luciaAtiv1 6gorettisoares-lucia
Ativ1 6gorettisoares-lucia
 
Ativi1 6andiaraesalete
Ativi1 6andiaraesaleteAtivi1 6andiaraesalete
Ativi1 6andiaraesalete
 
Projeto a dona aranha
Projeto a dona aranhaProjeto a dona aranha
Projeto a dona aranha
 
Los lentes
Los lentesLos lentes
Los lentes
 
Portfólio (1) - Miguel Palma
Portfólio (1) - Miguel PalmaPortfólio (1) - Miguel Palma
Portfólio (1) - Miguel Palma
 
Pseudocodigos maria
Pseudocodigos mariaPseudocodigos maria
Pseudocodigos maria
 
Reseña Mapas mentales y conceptuales
Reseña Mapas mentales y conceptualesReseña Mapas mentales y conceptuales
Reseña Mapas mentales y conceptuales
 
São valentim no 1º ciclo
São valentim no 1º cicloSão valentim no 1º ciclo
São valentim no 1º ciclo
 

Semelhante a Alunos egressos avaliam Classes de Aceleração

História 2º bimestre - semana 1
História   2º bimestre - semana 1História   2º bimestre - semana 1
História 2º bimestre - semana 1dicasdubr
 
Ensino Especial - um relato de experiência na Sala de Recursos
Ensino Especial - um relato de experiência na Sala de RecursosEnsino Especial - um relato de experiência na Sala de Recursos
Ensino Especial - um relato de experiência na Sala de RecursosValéria Poubell
 
História atividade 01
História atividade 01História atividade 01
História atividade 01dicasdubr
 
Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12
Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12
Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12j_sdias
 
Portfólio vânia est.sup.ii
Portfólio vânia est.sup.iiPortfólio vânia est.sup.ii
Portfólio vânia est.sup.iifamiliaestagio
 
Portifólio marcília
 Portifólio   marcília Portifólio   marcília
Portifólio marcíliafamiliaestagio
 
Incentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.docIncentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.docAna Esteves
 
Portfólio ana carine o
Portfólio ana carine oPortfólio ana carine o
Portfólio ana carine ofamiliaestagio
 
Projecto T Mais1
Projecto T Mais1Projecto T Mais1
Projecto T Mais1oitavo
 
Estágio supervisionado ii
Estágio supervisionado iiEstágio supervisionado ii
Estágio supervisionado iifamiliaestagio
 
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.renatalguterres
 
Apresentação lisliê
Apresentação lisliêApresentação lisliê
Apresentação lisliêlislieribeiro
 
Apresentação vivências do estagio ii
Apresentação vivências do estagio iiApresentação vivências do estagio ii
Apresentação vivências do estagio iifamiliaestagio
 
Como planejar com eficácia sua aula de EBD
Como planejar com eficácia sua aula de EBDComo planejar com eficácia sua aula de EBD
Como planejar com eficácia sua aula de EBDAmor pela EBD
 

Semelhante a Alunos egressos avaliam Classes de Aceleração (20)

Portifólio
 Portifólio Portifólio
Portifólio
 
Portfólio
  Portfólio  Portfólio
Portfólio
 
Portfólio tais
Portfólio taisPortfólio tais
Portfólio tais
 
História 2º bimestre - semana 1
História   2º bimestre - semana 1História   2º bimestre - semana 1
História 2º bimestre - semana 1
 
Ensino Especial - um relato de experiência na Sala de Recursos
Ensino Especial - um relato de experiência na Sala de RecursosEnsino Especial - um relato de experiência na Sala de Recursos
Ensino Especial - um relato de experiência na Sala de Recursos
 
História atividade 01
História atividade 01História atividade 01
História atividade 01
 
Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12
Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12
Reflexão crítica sobre as regências números 11 e 12
 
Portfólio vânia est.sup.ii
Portfólio vânia est.sup.iiPortfólio vânia est.sup.ii
Portfólio vânia est.sup.ii
 
Portifólio marcília
 Portifólio   marcília Portifólio   marcília
Portifólio marcília
 
Incentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.docIncentivar~... doc mt import.doc
Incentivar~... doc mt import.doc
 
Portfólio ana carine o
Portfólio ana carine oPortfólio ana carine o
Portfólio ana carine o
 
Projecto T Mais1
Projecto T Mais1Projecto T Mais1
Projecto T Mais1
 
Portifolio
PortifolioPortifolio
Portifolio
 
Estágio supervisionado ii
Estágio supervisionado iiEstágio supervisionado ii
Estágio supervisionado ii
 
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
Artigo Relatório de estágio nos anos iniciais.
 
Relatorio EJA
Relatorio  EJARelatorio  EJA
Relatorio EJA
 
Apresentação lisliê
Apresentação lisliêApresentação lisliê
Apresentação lisliê
 
Apresentação vivências do estagio ii
Apresentação vivências do estagio iiApresentação vivências do estagio ii
Apresentação vivências do estagio ii
 
Como planejar com eficácia sua aula de EBD
Como planejar com eficácia sua aula de EBDComo planejar com eficácia sua aula de EBD
Como planejar com eficácia sua aula de EBD
 
15 anos EJA E.E.E.M. Adolfo Fetter
15 anos EJA E.E.E.M. Adolfo Fetter15 anos EJA E.E.E.M. Adolfo Fetter
15 anos EJA E.E.E.M. Adolfo Fetter
 

Mais de UNICEP

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoyUNICEP
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128UNICEP
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarUNICEP
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaUNICEP
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaUNICEP
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educaUNICEP
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11UNICEP
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eUNICEP
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeUNICEP
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagemUNICEP
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoUNICEP
 
Resumo
ResumoResumo
ResumoUNICEP
 
Indice
IndiceIndice
IndiceUNICEP
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2UNICEP
 

Mais de UNICEP (20)

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 

Alunos egressos avaliam Classes de Aceleração

  • 1. 220 8. Os alunos egressos de Classes de Aceleração Apesar de não ser a intenção deste estudo avaliar os resultados do projeto de Aceleração, julgou-se oportuno analisar as opiniões de um grupo de antigos alunos sobre a experiência vivida nessas classes e a sua percepção sobre o regresso às séries regulares, de forma a se compor um quadro mais abrangente das concepções da maioria dos envolvidos nesse contexto, como também possibilitar que o leitor tenha acesso à opinião desses alunos sobre a sua passagem pelas Classes de Aceleração e a avaliação de sua situação acadêmica atual. O acesso às respostas desses alunos surgiu durante uma das visitas à Diretoria Regional de Ensino, na qual a pesquisadora recebeu de uma das especialistas educacionais um conjunto de 61 questionários que haviam sido respondidos por alunos egressos de Classes de Aceleração no início do ano de 2000, quando já estavam cursando as 5as e 6as séries do Ensino Fundamental, os quais foram aplicados como parte do processo de avaliação dos resultados do projeto na região (Anexos 3a e 3b). O questionário constava de uma parte introdutória, explicando ao aluno o seu objetivo, um campo para a sua identificação (nome e série que estava cursando) e era composto por quatro perguntas: - Como se sentiu na Classe de Aceleração? - O que foi mais importante? - Quais as diferenças que percebe agora? - Neste ano, em qual (ou quais) disciplinas sente dificuldade e por quê? Dos 61 questionários, os questionários de três alunos de 5 as séries e o questionário de um aluno de 6a série não puderam ser analisados, pois as respostas dadas por esses alunos estavam praticamente ilegíveis, impossibilitando a compreensão de seus conteúdos.
  • 2. 221 Apesar da quantidade de questionários ilegíveis ser pequena quando comparado à quantidade de questionários legíveis, a dificuldade de expressão escrita desses alunos parece confirmar a colocação dos professores participantes do estudo de PLACCO, ANDRÉ & ALMEIDA (1999) sobre a condição de semi - alfabetização em que estariam recebendo uma parcela de alunos egressos de Classes de Aceleração. Com relação à apresentação das respostas dos 57 questionários restantes, pode-se afirmar que a maioria dos alunos apresentou erros gramaticais e ortográficos em suas produções escritas, quando comparadas ao padrão culto de linguagem. Algumas respostas de alunos mostraram-se mais difíceis de serem compreendidas; porém, a partir de uma leitura acurada foi possível apreender-se completamente os seus significados. Em suas respostas à primeira questão “Como se sentiu na Classe de Aceleração?”, alguns alunos limitaram-se a expressar o seu sentimento positivo, sem se referir a uma causa específica, como por exemplo, aqueles que apenas responderam que se sentiram “muito bem” na Classe de Aceleração. No entanto, a maior parte dos alunos atribuíram o seu sentimento positivo quanto às Classes de Aceleração a aspectos específicos. Dentre esses aspectos, destacam-se: - a professora e/ou colegas das Classes de Aceleração: Eu me senti muito bem porque se não fosse a professora eu não era nada sem ela, porque ela me ensinou muito; Eu senti que lá era muito bom de estudar. Eu gostava muito de lá, a professora tinha muita paciência com a gente. Todos nós gostamos de lá; Eu me senti muito bem, apesar da bagunça a professora explicava muito bem conosco. Eu adorei a Aceleração porque a professora trabalhava diferente conosco; Eu me senti na Classe de Aceleração que as coisas era de uma forma que era uma professora só e que ela ensinava e ia na carteira ensinar; Eu me senti muito bem. Porque a professora era muito boazinha e atendia quando a gente chamava;
  • 3. 222 Eu me sentia bem porque a professora explicava tudo o que a gente tinha dúvidas; Eu me senti muito bem na Classe de Aceleração porque a professora ensinou muitas coisas para nós e por isso eu gostei muito da classe e principalmente da professora; Eu me senti muito bem. Porque a professora era muito boazinha e atendia quando a gente chamava; Eu me senti muito bem porque ela era uma ótima professora e ensinava muitas coisas; Eu me senti muito bem, porque ela ensinou muito para nós, tudo o que ela sabia, por isso eu passei de ano; Eu me senti muito bem. Porque a professora era muito boazinha e atendia quando a gente chamava; Eu me senti muito bem com a professora e com os meus amigos; Muito bem, eu me dava bem com todos os meus colegas e a professora muito boa; Eu senti na Classe de Aceleração que as crianças eram educadas e a professora legal; A Classe de Aceleração foi muito bom, crianças educadas, nós gostamos muito da professora, ela era muito boa com a gente; Na Classe de Aceleração é muito bom, porque tem menos alunos e dá para a professora explicar a matéria; Muito segura porque até eu sabia que estava aprendendo com os meus colegas o que eu não sabia antes; Era bom porque lá a gente aprendia bem e a classe era quieta demais. - a possibilidade de superação da defasagem idade/série, de aprender ou ambos: Me senti muito bem e muito feliz por ter tido uma chance de passar para a quinta série mais rápido; Eu me senti muito bem por poder recuperar os anos que eu perdi na escola; Eu senti que na Classe de Aceleração era muito bom para nós aprender; Eu me senti um aluno muito bom porque eu aprendi mais rápido; Muito bem, porque lá eu aprendi muitas coisas que se eu não tivesse feito aceleração não poderia aprender e os professores são muito legais; Eu me senti muito bem. Porque se eu não fosse para a Aceleração eu não tinha aprendido a ler e escrever; Muito bem. Aprendi muitas coisas e me senti muito bem. Quase não sabia mais nada; Eu me senti muito bem porque não sabia quase nada. Entrei lá e Eu me senti muito bem porque eu participei de toda a aula e eu mudei muito.
  • 4. 223 - a valorização de si mesmo: Eu me senti uma pessoa importante; Mais inteligente; Eu me sentia um aluno muito importante porque só nós estudamos naquela classe naquela escola; Eu me senti uma pessoa inteligente na sala. Eu aprendi muitas coisas novas. Eu gostei muito e eu era muito comportado com os amigos. - o sentimento de pertença ao grupo: Eu achei bom porque eu não estava perto dos pequenos; Me senti comum, como nas outras classes; Bom, porque lá tinha alunos que tinham o mesmo problema que eu tinha. Ainda com relação à primeira questão, quatro alunos apontaram sentimentos de inadaptação ou medo diante das Classes de Aceleração, mas que parecem ter sido superados: Um pouco assustada; Eu achei muito diferente as salas de Aceleração, mas eu me acostumei e achei muito importante; Eu me senti muito chato. Porque eu não tinha colega para conversar e aí eu conheci a S. para eu conversar; No começo meio sozinho, mas depois eu me adaptei com a classe e a professora também. Analisando-se as respostas à primeira pergunta do questionário, pode-se dizer que a maioria dos alunos egressos, especialmente os das 6 as séries, afirmou ter um sentimento positivo em relação à sua passagem pelas Classes de Aceleração e que as figuras mais freqüentemente associadas a esse sentimento foram as professoras dessas classes, elogiadas pela sua competência e atenção dispensada aos alunos. Com relação à segunda pergunta “O que foi mais importante?”, as respostas variaram das mais genéricas até as mais detalhadas. Dentre as respostas mais genéricas, tem-se, por exemplo: A educação; As aulas foram muito importantes para mim; O mais importante foi tudo.
  • 5. 224 No conjunto de respostas mais detalhadas, os seguintes aspectos foram destacados: - possibilidade de superação da defasagem idade/série, de aprender ou ambos: Foi que nós fizemos duas séries em uma. Se não fosse a Aceleração nós ainda estaríamos na 3a série; Foi o primeiro dia que eu conheci as classes, as professoras e eu comecei aprender coisas de duas classes juntas em um lugar só; Foi quando eu estava na terceira série e a professora disse quem quer fazer aceleração e eu quis, aí eu fui para a classe de aceleração e de repente acabou o ano e eu passei para a quinta, foi a coisa mais importante; Eu passar de ano e ganhar muitas notas boas; Foi que a gente aprendeu muitas coisas; Que eu aprendi mais as matérias que eu tinha dificuldade; Foi mais importante na hora que eu aprendi a ler e escrever. Aquele foi o dia mais importante da minha vida; Foi importante na hora que a professora me ensinou a ler, eu agradeço todos os dias porque eu aprendi a ler; Foi mais importante que eu aprendi a ler e escrever correto. E também os nossos livros que a nossa professora deu para nós; Foi mais importante que eu aprendi a escrever e ler, aprendi mais coisas, super legal; Aprender o que eu não sabia e agora eu sei; Eu aprendi a ler, escrever lições que a professora passava; Que eu aprendi a ler e aprendi muitas coisas boas; O mais importante foi que eu fui para a Aceleração para aprender a ler e para passar para a outra série. O que foi mais importante na Classe de Aceleração é que eu aprendi mais. - a professora e/ou colegas das Classes de Aceleração: Foi mais importante que ela sempre ajudava todos nós muito e ela ensinou tudo o que ela sabia; Tudo pois a professora explicava todas as matérias com muita atenção; Tudo, porque eu tinha uma professora que sabia ensinar; Foi mais importante porque a professora explicava as lições e ensinava os alunos a fazer a lição; Estudar com os livros e a minha professora nos ensinava muito bem. O mais importante foi que os colegas ajudavam uns aos outros;
  • 6. 225 O mais importante é que a professora era um amor de pessoa e compreensiva e isto fez dela o mais importante; É que a professora era uma pessoa que sabia compreender os alunos, era uma pessoa com paciência e supervisora legal; O jeito que a professora tratava a gente e o jeito dos alunos na sala de aula; Foi o jeito de estudar mais um pouco com pessoas diferentes, que tudo mudou entre nós agora. - a metodologia de ensino, os conteúdos curriculares ou as atividades: O mais importante é que eu pude aprender muitas coisas. Nós trabalhávamos em grupos, nós trabalhávamos com coisas diferentes das outras séries, eu achava isso uma coisa muito importante; O mais importante é que a gente trabalhou com os livros de aceleração e eu aprendi muitas coisas na aceleração; Para mim o que foi mais importante foi as contas de divisão porque eu não sabia nada. Mas com a minha capacidade de força eu me recuperei e passei de ano; Foi importante as aulas que nós tínhamos com ela, aula de fração e até de sexo ela dava para nós; O filme que ela passou e depois nós fizemos uma redação; Quando nós fomos visitar o tratamento de água. Nós ficamos sabendo como é que tratava água; Foi o jeito de estudar, a professora trabalhava junto com os alunos, apesar de ter sido um pouco difícil de conviver com alguns. Quanto a “O que foi mais importante?”, os alunos referiram-se à possibilidade de retomar o fluxo escolar, como quando se referiram a passar de ano, aprender coisas de duas classes juntas em um lugar só e à importância de terem se apropriado de conhecimentos e desenvolvido habilidades para o acompanhamento do processo ensino - aprendizagem, como no caso do aluno que se referiu ao dia em que aprendeu a ler e escrever como o mais importante de sua vida, assim como do aluno que disse agradecer todos os dias por ter aprendido a ler Para a pergunta “Quais as diferenças que percebe agora?”, os alunos identificaram diferenças que, à primeira vista, parecem estar relacionadas a alguns fatores explicativos.
  • 7. 226 Dentre esses fatores explicativos destacam-se: - possíveis características das séries regulares: Que eu estou fazendo uma classe só; Que agora é tudo mais puxado. É tudo mais rigoroso; As tarefas eu acho mais difícil porque as de lá era mais fácil; Muitas coisas: número decimais e muitas coisas; Eu acho que agora tem mais professores e matérias novas e às vezes é mais gostoso porque a gente aprende mais. Eu percebi que agora não é a mesma coisa de antes, porque agora nós temos vários professores; Que agora tem muitos professores, que ensinam de forma diferente da aceleração, que os livros são diferentes da aceleração das classes normais; As coisas agora são tudo diferente, as professoras ensina mais e é mais que a Classe de Aceleração; Bom, a única diferença é que agora é bem mais difícil, porque tem sete professores; A diferença é que na 5a tem cinco professores e não um e na 5 a os professores não tem muito tempo; Eu percebo que as professoras não pode ensinar todos ao mesmo tempo porque tem muito aluno; Na Classe de Aceleração todos os alunos ficavam quietos, mas agora nem todos ficam quietos e as professoras não conseguem dar conta deles; As diferenças são os modos de trabalhar com a gente, tem muita diferença hoje na 6a, as coisas mudaram e eu não sei como explicar para vocês; Bem. Na Classe de Aceleração todos os alunos ficavam quietos, mas agora nem todos ficam quietos e as professoras não conseguem dar conta deles. - melhor rendimento ou comportamento escolar: Que eu estou ótima. Quase aprendendo a lição mas eu queria e quero passar de ano; Eu estou aprendendo melhor as lições; Porque eu sei muito mais do que antes; Agora que eu posso ler mudou tudo para mim; Eu agora converso menos do que o ano passado; Muitas coisas mudaram, eu aprendi mais, ela ensinou bastante coisas.
  • 8. 227 - características das Classes de Aceleração: A diferença é que no lugar de eu estar na 4 a série eu já estou na 5 a série; Agora minha diferença é que eu estou na quinta série. Porque se não fosse a Aceleração eu não tinha passado para a quinta série; Que eu aprendi muito com a professora, com ela eu aprendi a ler e escrever; As diferenças que eu percebi foi que a Aceleração foi muito bom para mim; Quando nós entramos na escola nós tomávamos leite com bolacha e aqui não dá leite e é muito chato, nós chegamos no frio e não tem nada para comer; As diferenças é que trabalhávamos muito com livros. Durante o ano todo estudamos só com livros, fazíamos muitas pesquisas etc. Na classe não havia tanta bagunça, como é agora; As diferenças que eu percebo é que não temos livro de Aceleração e hoje a gente não faz o que a gente fazia e era muito gostosa a Classe de Aceleração; As diferenças que eu percebo foi o jeito de estudar porque antes eu aprendia mais, agora eu não aprendo quase nada; As minhas diferenças agora é porque mudou tudo, ficou diferente as coisas para mim, não tem Classe de Aceleração mais. - Deficiências das Classes de Aceleração: Muitas, porque eu acho que a Classe de Aceleração não ensina muito bem; Na Aceleração nós fazíamos o livro que não tinha quase nada de Português. A minha dificuldade é de Português. Há um aluno que disse perceber agora a sua própria diferença em relação aos seus colegas de turma: a diferença que eu percebo é que eu, um cavalão e velho que nem eu estou na 5 a série perto de crianças menores que eu e mais novas que eu. A resposta desse aluno ilustra o sentimento de inadequação que muitos alunos multirrepentes parecem sentir ao retomarem a sua vida acadêmica nas séries regulares. As diferenças percebidas pelos alunos egressos de Classes de Aceleração ao retomarem as séries regulares parecem residir, com maior freqüência, no aumento do número de professores e disciplinas nessas séries, na metodologia de trabalho do professores, assim como no tipo de relação existente entre os professores e os alunos, evidenciado pela
  • 9. 228 expressão falta de paciência dos atuais docentes a que os alunos egressos freqüentemente se referem. Algumas dessas diferenças parecem ser inerentes à transição entre a 4a e a 5a série do Ensino Fundamental, a qual tem sido apontada por algumas pesquisas22 como um período escolar muito complexo, tanto para alunos como para professores e que pode causar conseqüências desastrosas, como por exemplo, o aumento da evasão escolar. Por outro lado, alguns alunos atribuíram as diferenças especificamente às deficiências nas Classes de Aceleração, o que evidencia que, nesses casos, parece não ter havido a necessária apropriação do conhecimento escolar, por parte desses alunos, para a retomada das séries regulares. Quanto a quarta e última questão, “Neste ano, em qual (ou em quais) disciplinas sente dificuldades e por quê?”, alguns alunos apenas responderam à primeira parte da pergunta, mas não identificaram as causas das dificuldades, como no caso do aluno que afirmou ter dificuldades em Matemática, Ciências, Geografia, Português, Inglês e Educação Artística. No entanto, a maior parte dos alunos responderam às duas partes da questão. Essas respostas podem ser classificadas de acordo com a causas atribuídas pelos alunos às dificuldades identificadas: - dificuldades atribuídas à falta de pré - requisitos: Na de Matemática, porque eu não sei direito as contas de divisões. Geografia, eu não sei latitude e longitude; O ensino agora é muito avançado para nós e não entendemos tudo o que ela ensina, principalmente Ciências e Português; Eu tenho dificuldade só na matéria de História, porque eu não gosto de falar dos antepassados; Eu sinto dificuldade de ler, eu fico nervosa e começo a gaguejar; Português. Porque eu tenho dificuldade de escrever as tarefas de Português; Inglês, porque eu tenho dificuldade de escrever as tarefas de Inglês; 22 A esse respeito ver SILVA, M. H. F. da. O professor como sujeito do fazer docente: a prática pedagógica nas 5as séries. SÃO PAULO: USP - Faculdade de Educação, 1992. Tese de Doutorado. 262p. Mimeo.
  • 10. 229 Na Matemática, eu não sei um pouco de fração; Em Matemática porque às vezes tem umas contas de raiz quadrada e equivalente etc; Neste ano eu tenho dificuldade em Matemática, porque eu não sei nada; Na aula de História, de Inglês porque eu não sei ler esta língua e na matéria de História ela passa matéria importante; Eu estou com dificuldades em Ciências, porque lá vinha na carteira ensinar; Eu era muito bom em Matemática, só que agora tenho dificuldade; Em Matemática porque eu acho mais difíceis as continhas e na quarta série é mais fácil. - dificuldades atribuídas aos professores ou às condições de trabalho nas séries atuais: Neste ano foi História e Ciências que eu tenho mais dificuldade para aprender porque o professor não tem tanta paciência para ensinar; Algumas dificuldades de aprender Ciências, Inglês e Matemática porque os professores não tem tanta paciência para ensinar; Matemática. Ela não ensina nada direito; Matemática, porque tem muitos alunos na classe e não dá para a professora explicar e a matéria é muito difícil; As matérias que eu sinto dificuldades são Matemática e História. A Matemática eu acho dificuldade porque às vezes eu não consigo raciocinar com aquela barulheira. História eu acho a mesma coisa porque se você trabalha pensando que vai conseguir, consegue, mas se você trabalha com uma classe que não quer nada com nada não consegue, você não pode se concentrar com muito barulho. - dificuldades atribuídas ao grau de exigência das disciplinas: Em Geografia, Matemática e Ciências, porque estão muito mais difíceis; Português. Eu acho que é muito difícil, as outras matérias são fáceis; Eu tenho dificuldades em Inglês, porque é muito difícil de fazer; Matemática, porque está sendo mais difícil;. Sinto dificuldade na lição porque às vezes eu não entendo a lição que é difícil, por isso sinto dificuldade na matéria de Matemática; Em Matemática, porque eu achei mais difíceis as continhas e na 4a série era mais fácil; Sim, eu tenho em Matemática porque é uma matéria meio complicada pelo menos para mim. - não identificaram dificuldades: Em nada, estou ótima; Nenhuma, porque presto atenção nas explicações da professora.
  • 11. 230 Eu não tenho reclamação de nenhuma matéria porque eu acho que tem que pensar para depois fazer e eu penso muito, está é minha opinião; Eu não tenho dificuldades em nenhuma disciplina. Às vezes em Matemática, mas só quando é matéria nova e também só nos primeiros dias. Caso contrário, vou super bem em todas as matérias; Em nenhuma e porque eu ando do mesmo jeito, faço tudo do mesmo jeito. Eu só aprendi mais. Apenas um aluno atribuiu as suas dificuldades à ausência de conteúdo de Ciências no material das Classes de Aceleração: Ciências. Não tinha nada no livro de Aceleração. Outro aluno atribuiu as suas dificuldades às várias mudanças de escolas, as quais ocasionaram a perda do ano letivo: Eu sinto dificuldade de um pouco de tudo. Por que? Sempre quando eu estou indo bem minha mãe muda e eu perco o ano. De modo geral, as dificuldades sentidas pelos alunos no decorrer das séries regulares foram atribuídas à problemas de aprendizagem ou à falta de pré - requisitos para o acompanhamento das disciplinas atuais. A esse respeito, acredita-se que seriam necessárias novas investigações a fim de avaliar a verdadeira origem dessa falta de pré - requisitos, ou seja, se estão relacionadas à problemas de aprendizagem individuais ou à deficiências específicas das Classes de Aceleração em oferecer um ensino de qualidade a esses alunos. No tocante às dificuldades, os alunos apontaram com maior freqüência a Matemática, a Língua Portuguesa, História e Inglês, seja pela complexidade do conteúdo específico ou pela falta de paciência do professor em ensiná-los. Também atribuíram as suas dificuldades ao clima de trabalho existente nas séries atuais (bagunça e classes superlotadas), o que estaria dificultando a sua plena capacidade de concentração e de raciocínio. Por meio das respostas fornecidas ao questionário, os alunos sinalizam claramente o que parece facilitar e dificultar o seu aprendizado
  • 12. 231 (de um lado, a atenção do professor de outro o barulho e a superlotação das classes), além de apontarem os conteúdos ou habilidades acadêmicas que mais valorizam, como por exemplo, a capacidade de ler. Concluindo, dois pontos merecem destaque na análise da resposta dos egressos: a importância dada ao aprendizado obtido nas Classes de Aceleração e as dificuldades sentidas pelos mesmos nas séries atuais. A boa aceitação dos alunos em relação às Classes de Aceleração foi ressaltada pelas professoras das Escolas I e II e pelas especialistas educacionais da D.R.E., mas a leitura das respostas dos alunos permite uma melhor visualização e compreensão da importância dessa experiência nas suas vidas e o papel fundamental do professor das Classes de Aceleração nesse contexto. Por outro lado, é importante destacar novamente que três alunos, ao se referirem às diferenças e às dificuldades percebidas, fizeram críticas específicas às Classes de Aceleração. As dificuldades no relacionamento entre os professores das séries regulares e os alunos egressos, apontadas como um dos maiores problemas para a retomada do fluxo e para o aproveitamento acadêmico, denuncia a falta de um trabalho docente integrado, a qual pode gerar a falta de discussão sobre os alunos e suas dificuldades, assim como sobre os compromissos a serem assumidos pela escola e o corpo docente em relação a esses alunos e à educação como um todo (PLACCO, ANDRÉ & ALMEIDA, 1999).
  • 13. 231 (de um lado, a atenção do professor de outro o barulho e a superlotação das classes), além de apontarem os conteúdos ou habilidades acadêmicas que mais valorizam, como por exemplo, a capacidade de ler. Concluindo, dois pontos merecem destaque na análise da resposta dos egressos: a importância dada ao aprendizado obtido nas Classes de Aceleração e as dificuldades sentidas pelos mesmos nas séries atuais. A boa aceitação dos alunos em relação às Classes de Aceleração foi ressaltada pelas professoras das Escolas I e II e pelas especialistas educacionais da D.R.E., mas a leitura das respostas dos alunos permite uma melhor visualização e compreensão da importância dessa experiência nas suas vidas e o papel fundamental do professor das Classes de Aceleração nesse contexto. Por outro lado, é importante destacar novamente que três alunos, ao se referirem às diferenças e às dificuldades percebidas, fizeram críticas específicas às Classes de Aceleração. As dificuldades no relacionamento entre os professores das séries regulares e os alunos egressos, apontadas como um dos maiores problemas para a retomada do fluxo e para o aproveitamento acadêmico, denuncia a falta de um trabalho docente integrado, a qual pode gerar a falta de discussão sobre os alunos e suas dificuldades, assim como sobre os compromissos a serem assumidos pela escola e o corpo docente em relação a esses alunos e à educação como um todo (PLACCO, ANDRÉ & ALMEIDA, 1999).
  • 14. 231 (de um lado, a atenção do professor de outro o barulho e a superlotação das classes), além de apontarem os conteúdos ou habilidades acadêmicas que mais valorizam, como por exemplo, a capacidade de ler. Concluindo, dois pontos merecem destaque na análise da resposta dos egressos: a importância dada ao aprendizado obtido nas Classes de Aceleração e as dificuldades sentidas pelos mesmos nas séries atuais. A boa aceitação dos alunos em relação às Classes de Aceleração foi ressaltada pelas professoras das Escolas I e II e pelas especialistas educacionais da D.R.E., mas a leitura das respostas dos alunos permite uma melhor visualização e compreensão da importância dessa experiência nas suas vidas e o papel fundamental do professor das Classes de Aceleração nesse contexto. Por outro lado, é importante destacar novamente que três alunos, ao se referirem às diferenças e às dificuldades percebidas, fizeram críticas específicas às Classes de Aceleração. As dificuldades no relacionamento entre os professores das séries regulares e os alunos egressos, apontadas como um dos maiores problemas para a retomada do fluxo e para o aproveitamento acadêmico, denuncia a falta de um trabalho docente integrado, a qual pode gerar a falta de discussão sobre os alunos e suas dificuldades, assim como sobre os compromissos a serem assumidos pela escola e o corpo docente em relação a esses alunos e à educação como um todo (PLACCO, ANDRÉ & ALMEIDA, 1999).