SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 20
Baixar para ler offline
81




4. A trajetória da pesquisa

           Foi dito, anteriormente, que o objetivo geral definido para este
estudo foi analisar de que forma se dá a tradução de um projeto educacional
de superação do fracasso escolar para a prática escolar, na visão de
professores e especialistas educacionais inseridos nesse contexto.
           A fim de que o objetivo traçado pudesse ser alcançado de forma
coerente e consistente, optou-se pela utilização da pesquisa de tipo
qualitativo, pois essa modalidade de investigação científica dirige-se a um
universo composto por significados, motivos, aspirações, crenças e atitudes,
o qual corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos
e dos fenômenos. No entanto, na visão de pesquisa qualitativa adotada
nesse trabalho não existe, necessariamente, um continuum entre qualitativo
e quantitativo, nem uma oposição entre essas duas dimensões, as quais
podem ser, até mesmo, complementares entre si (MINAYO, 1994).
           Segundo BOGDAN & BIKLEN (1982, citados por LÜDKE &
ANDRÉ, 1986) a pesquisa qualitativa envolve a obtenção de dados
predominantemente descritivos, obtidos através do contato direto do
pesquisador com o contexto de investigação e da utilização de
procedimentos de pesquisa como entrevistas, questionários e extratos de
documentos; a ênfase é maior no processo do que no produto, além da
preocupação em se retratar a perspectiva que os participantes possuem
sobre a situação investigada.
           De acordo com esses autores, na modalidade qualitativa, não há
a preocupação de se buscar evidências que venham a comprovar hipóteses
definidas a priori, pois as abstrações são construídas a partir do contato
com os dados e amparadas pelo referencial teórico adotado.
82




           4.1. O caminho percorrido
           No início de 1998, foi dado o primeiro passo da trajetória de
pesquisa, quando a pesquisadora visitou a Diretoria Regional de Ensino do
município de São Carlos, Estado de São Paulo, a fim de conversar com uma
das supervisora de ensino e se obter uma visão geral a respeito da proposta
de Classes de Aceleração e de sua implementação na região.
           Nesse primeiro contato, procurou-se obter informações mais
detalhadas sobre o processo de atribuição de Classes de Aceleração e a
formação inicial e continuada dos professores responsáveis por essas
classes.
           A supervisora de ensino colocou que a experiência prévia do
professor era extremamente importante e muitíssimo aproveitada na
tradução do projeto de Aceleração para a prática pedagógica. Entretanto,
segundo ela, a exigência de experiência prévia do professor a ser designado
para as Classes de Aceleração nem sempre tinha sido observada nas escolas
do município de São Carlos, já que alguns diretores não atribuíram essas
classes antes das regulares, tal como é o previsto pela proposta. Dessa
maneira, professores não tão experientes tiveram a oportunidade de lecionar
em Classes de Aceleração.
           Um programa de capacitação docente foi oferecido aos
professores e coordenadores pedagógicos das escolas participantes e
realizado por uma equipe de supervisores previamente capacitados;
segundo a supervisora entrevistada, tal processo de capacitação continha
uma pauta intensiva, concentrada e bem aprofundada para analisar os
aspectos teórico - metodológicos da proposta de Classes de Aceleração.
           A supervisora colocou que existiam, até aquele momento, seis
escolas participantes do projeto. Dessas escolas, quatro foram selecionadas
para dar iniciar-se a coleta de dados. Os critérios de seleção dessas escolas
foram a sua localização tanto em bairros centrais, como de periferia e por
possuírem classes em ambos os períodos (manhã e tarde).
83




          O segundo passo foi a visita a cada uma das quatro escolas
amostradas, a fim de se obter a permissão da direção, coordenação
pedagógica e docentes para adentrar à instituição e dar início à coleta de
dados.
          No entanto, surpreendentemente, essa etapa da pesquisa revelou-
se muito diferente do que se imaginava a princípio, pois foi marcada por
obstáculos e contratempos.
          Nas duas primeiras escolas visitadas, houve severa rejeição à
realização da pesquisa.
          Na primeira escola, a negação veio logo no primeiro contato com
a diretora, que usou o argumento de que as professoras da escola não se
sentiriam à vontade com a presença de uma pesquisadora nas salas de aula.
Quanto à possibilidade de se realizarem entrevistas com as professoras, a
diretora alegou que o projeto de Aceleração era muito novo e que o corpo
docente da escola ainda não tinha uma opinião formada sobre ele.
          Porém, durante a conversa, a diretora acabou revelando o que
parecia ser a verdadeira razão de sua rejeição à realização da pesquisa: a
escola apenas aceitava a realização de pesquisas de longa duração e que
tivessem como objetivo realizar intervenções que auxiliassem, efetiva e
imediatamente, professores e alunos. Como exemplo, descreveu o estudo de
uma pesquisadora da área de Enfermagem, que realizava um trabalho de
educação em saúde com os alunos, com previsão de atuação de, pelo
menos, dois anos.
          Argumentou-se com essa diretora que era compreensível essa
atitude da escola, já que as dificuldades existentes nas escolas públicas
eram muito graves e que os professores e alunos realmente necessitavam de
auxílio externo. No entanto, do ponto de vista da pesquisa educacional, nem
sempre seria possível que as pesquisas realizadas dentro das escolas
tivessem como objetivo atender às necessidades específicas dos docentes e
alunos ou mesmo apresentarem resultados imediatos. Mesmo diante dessa
84




argumentação, a diretora continuou negando o pedido da pesquisadora e se
decidiu não mais investir esforços naquela escola.
             Na segunda escola visitada, novamente houve rejeição do pedido
de entrada na instituição para a realização da pesquisa. Dessa vez, a decisão
ficou a cargo da coordenadora pedagógica, que negou o pedido partindo da
alegação de que não poderia permitir que mais pesquisadores adentrassem à
escola, pois muitos outros já estavam realizando observações tanto nas
classes regulares como nas de Aceleração.
             Quanto à possibilidade de entrevistar as professoras, isso
também não poderia acontecer, pois as mesmas se negavam a responder a
qualquer tipo de pergunta. Segundo a coordenadora, as professoras dessa
escola estavam cansadas de participar de pesquisas científicas e,
principalmente, de não ter o retorno do resultados dessas pesquisas.
             Diante dessas negativas, extremamente frustrantes para a
pesquisadora, partiu-se para a visitação das duas últimas escolas que
constavam da amostra, as quais serão denominadas, a partir de agora, como
Escola I e Escola II.
             Na Escola I, felizmente, a direção foi receptiva à presença desta
pesquisadora, aceitando que se realizasse o estudo na instituição, mas com a
condição de que fosse feita uma apresentação prévia do projeto de pesquisa
para a coordenadora pedagógica. Feita essa apresentação, a coordenadora
consultou as quatro professoras das Classes de Aceleração, mas apenas duas
das quatro professoras aceitaram conceder entrevista (desde que pudessem
ser entrevistadas juntas) e, das duas professoras, apenas uma concordou
com a realização de observação de aulas em sua classe.
             No entanto, ainda havia uma última escola a ser visitada, a
Escola II.
             Nessa escola houve uma intensa rejeição por parte da diretora
quanto ao ingresso da pesquisadora. Questionada sobre a sua reação, ela
85




colocou que a rejeição não era específica à pesquisadora mas, à
pesquisadores em geral.
           O motivo dessa atitude estava relacionado a uma pesquisa
anteriormente realizada naquela escola, o qual teria chegado a conclusões
questionáveis, do ponto de vista da diretora, e que teria criado um intenso
mal estar entre toda a equipe escolar.
           Diante de mais uma negativa, recorremos à coordenadora
pedagógica mesma escola, conhecida da pesquisadora de outras ocasiões.
Foram explicados à coordenadora os objetivos do trabalho de pesquisa e
ela, compreendendo a importância do estudo, disse que iria conseguir que
fossem realizadas, pelo menos, as entrevistas com as professoras da escola.
Assim, a coordenadora, além de conseguir convencer a diretora sobre a
necessidade de se realizarem as entrevistas com o corpo docente das
Classes de Aceleração, mediou o contato inicial entre a pesquisadora e três
das quatro professoras, que aceitaram conceder uma entrevista em grupo. A
quarta professora foi entrevistada individualmente em outra ocasião, por
estar ausente da escola na data combinada para a entrevista em grupo.
           Um fato interessante ocorrido na Escola II é que uma das
professoras de Classes de Aceleração, ao saber da intenção da pesquisadora
em realizar observações nessas classes, aceitou a presença da pesquisadora
em sua sala de aula, apesar de sua decisão ter sido vetada pela diretora.
           Além das professoras das Escolas I e II, duas especialistas
educacionais da Diretoria Regional de Ensino foram convidadas para
participar do estudo, por serem as principais responsáveis pelo processo de
capacitação dos professores e coordenadores pedagógicos envolvidos no
projeto e pela supervisão direta das Classes de Aceleração na região.
           O acesso à Diretoria Regional de Ensino (D.R.E) deu-se sem
maiores dificuldades, pois as especialistas procuradas foram solícitas e o
processo de coleta de dados realizou-se sem maiores problemas; além disso,
a especialista responsável pelo processo de capacitação docente do projeto
86




de Aceleração ofereceu vários documentos à pesquisadora, os quais
forneceram dados valiosos que foram analisados e incorporados ao
trabalho.

            4.2. O processo de coleta de dados
            Nesta seção, serão descritos os aspectos relacionados ao
processo de coleta de dados, partindo-se da caracterização dos participantes
e dos instrumentos de pesquisa utilizados.
            A seguir, explicitamos quais foram os participantes, a que
instituições pertenciam, seus nomes fictícios, profissões ou cargos e
atribuições gerais
            Do corpo docente da Escola I participaram duas professoras:
ANA, responsável pela Classe de Aceleração II e BIANCA, responsável
pela Classe de Aceleração I. Uma ex- professora de Classe de Aceleração I
dessa mesma escola, chamada CÉLIA, apesar de não estar em exercício na
época da coleta de dados, também foi considerada como participante desse
estudo. A inclusão dessa ex - professora como participante do estudo,
mesmo estando afastada da Escola I, deveu-se ao fato dela ter atuado no
ano primeiro ano de implementação do projeto Classes de Aceleração nessa
escola e de ter sido considerada, pela professora Ana, como uma importante
interlocutora nesse processo.
            Na Escola II houve a participação de todo o corpo docente das
Classes de Aceleração, composto por quatros professoras: GRAÇA E
FERNANDA, das Classes de Aceleração I e ELAINE e HELOÍSA, das
Classes de Aceleração II.
            Além das professoras, também houve a participação da
coordenadora pedagógica da Escola II, IRENE que, no decorrer do processo
de coleta de dados foi nomeada vice - diretora.
            As duas especialistas da D.R.E., JÚLIA e LUCIANA,
respectivamente Supervisora de Ensino e Auxiliar Técnico - Pedagógica,
87




foram as responsáveis pela implementação do projeto de Aceleração na
região e pelo processo de capacitação dos envolvidos nas Classes de
Aceleração.
           Em síntese, participaram desse estudo um total de dez
participantes, dentre esses sete professoras de Classes de Aceleração de
duas escolas, uma coordenadora pedagógica de uma escola e duas
especialistas educacionais da D.R.E.
           Os principais procedimentos de coleta de dados utilizados neste
estudo foram a entrevista, nas modalidades individual e em grupo, a
observação participante, o questionário, as conversas informais, além da
análise documental.
           A seguir, serão descritas as principais características de cada
procedimento, assim como a maneira pela qual foram escolhidos para serem
utilizados no processo de coleta de dados.
           De acordo com FONTANA & FREY (1994), a entrevista é um
dos procedimentos mais comuns e poderosos que podem ser utilizados na
tentativa de se compreender o ser humano. Possui uma ampla variedade de
formas e uma multiplicidade de usos. O tipo mais comum de entrevista é a
individual, que se dá por meio de uma interação verbal face - a - face entre
entrevistador e entrevistado e, no caso de pesquisas científicas, entre
pesquisador e participante.
           Segundo os autores, outra modalidade de entrevista, não tão
conhecida e freqüente, é a realizada em grupo. Apesar de não ser muito
utilizada em pesquisas científicas, as entrevistas em grupo vem ganhando
popularidade entre os pesquisadores da área de Ciências Humanas.
Carateriza-se pelo questionamento sistemático e simultâneo de vários
indivíduos em uma situação formal ou informal e sua utilização substitui o
uso das entrevistas individuais; é uma opção que merece consideração, pois
oferece ao pesquisador um outro nível de coleta de dados e uma nova
perspectiva de análise dos problemas de pesquisa.
88




           Para FONTANA & FREY (1994), as habilidades requeridas das
entrevistadas para realizar uma entrevista em grupo não são muito
diferentes das necessárias para empreender a entrevista individual:
flexibilidade, objetividade, empatia, persuasão e capacidade de ouvir. No
entanto, a entrevista em grupo requer do entrevistador pelo menos três
habilidades específicas: cuidar para que uma pessoa ou um pequeno grupo
de pessoas não dominem o grupo maior; encorajar os indivíduos mais
calados e resistentes a se expressarem e procurar sempre obter respostas da
totalidade do grupo, de forma a assegurar a abordagem mais completa
possível sobre determinados tópicos abordados.
           Os autores apontam as vantagens metodológicas do uso da
entrevista em grupo: ser flexível, estimular a comunicação e a participação
dos participantes; possibilitar a observação da dinâmica do grupo de
entrevistados, o que pode auxiliar na compreensão dos dados. Quanto às
desvantagens, essas basicamente se referem à interferência que a cultura do
grupo pode ter sobre a expressão individual, pois aqueles que apresentam
menos facilidade em se expressar oralmente têm a tendência de concordar
com a resposta daqueles atuam como lideranças grupais.
           Neste estudo as entrevistas em grupo ocorreram em momentos
diferentes, com os seguintes participantes:
           -   duas professoras da Escola I: Ana da Classe de Aceleração II
e Bianca da Classe de Aceleração I;
           -   três professoras da Escola II: Elaine e Heloísa das Classes de
Aceleração II, Graça da Classe de Aceleração I;
           -   duas especialistas da D.R.E.: Júlia, Supervisora de Ensino e
Luciana, Assistente Técnico - Pedagógico.
           Além das entrevistas em grupo também foram realizadas duas
entrevistas individuais: a primeira com a ex - professora da Escola I, Célia e
segunda com a professora Fernanda, da Escola II, ambas responsáveis por
Classes de Aceleração I.
89




           É necessário enfatizar que, no decorrer do processo de análise de
dados decidiu-se realizar uma nova entrevista coletiva, para uma
complementação dos dados já coletados nas primeiras entrevistas, com as
professoras ELAINE (Classe de Aceleração II) e FERNANDA (Classe de
Aceleração I), da Escola II, tanto por terem sido consideradas, pela
pesquisadora e pelos seus próprios pares, como bem - sucedidas em sua
prática docente, como pela sua disponibilidade em participar do estudo.
           As entrevistas realizadas, individualmente ou em grupo, foram
semi - estruturadas. Dessa forma, apesar da existência de roteiros
específicos para cada tipo de entrevista (ver Anexos 1a e 1b), que outras
questões puderam ser realizadas no decorrer das entrevistas, de modo a
complementar ou elucidar assuntos importantes que emergiam no discurso
dos participantes.
           É necessário ressaltar que a elaboração de roteiros para as
entrevistas com os participantes foram subsidiadas pela leitura e pela
análise dos dados que já estavam sendo coletados. Dessa maneira, os dados
obtidos junto às professoras auxiliaram a elaboração do roteiro de entrevista
com as especialistas da D.R.E.
           No roteiro de entrevista com as professoras, os seguintes
aspectos foram elencados:
           -   trajetória acadêmica e profissional da professora;
           -   interesse pela Classe de Aceleração;
           -   avaliação da classe daquele ano;
           -   avaliação do processo de capacitação recebido;
           -   dificuldades para atuar nas Classes de Aceleração;
           -   avaliação da reação dos outros professores da escola, os
alunos e os pais sobre o projeto;
           -   avaliação do projeto de Aceleração;
           -   críticas e sugestões para melhorar o projeto.
90




            O roteiro da segunda entrevista realizada com as professoras
Elaine e Fernanda da Escola II versou, basicamente, sobre:
            -   as razões pelos quais as suas práticas pedagógicas nas
Classes de Aceleração haviam sido consideradas bem - sucedidas;
            -   as mudanças que haviam percebido em sua atuação após a
experiência nessas classes;
            -   o conceito de sucesso de uma política educacional de
superação ao fracasso escolar e os critérios que deveriam ser observados
para que uma política educacional de combate ao fracasso escolar obtivesse
sucesso na prática docente.
            O roteiro elaborado para a entrevista com as especialistas
abordou, como temas principais:
            -   o processo de implantação do programa de Classes de
Aceleração na região e no município e as reações dos envolvidos no
processo;
            -   os critérios utilizados para a escolha das escolas, a
composição das Classes de Aceleração e a seleção do corpo docente;
            -   o processo de capacitação dos envolvidos no projeto;
            -   as dificuldades encontradas em relação à capacitação dos
participantes e à observância das diretrizes pedagógicas e metodológicas na
prática docente;
            -   a avaliação sobre o projeto de Aceleração;
            -   o conceito de sucesso e os critérios a serem observados para
que um projeto educacional de superação do fracasso escolar seja
considerado bem - sucedido na prática docente.
            Além da realização das entrevistas, foi realizada a observação da
prática pedagógica da professora ANA, da Classe de Aceleração II, da
Escola I. As observações ocorreram praticamente, todos os dias da semana,
por um período de dois meses letivos.
91




          Para realizar a observação da prática da professora foi utilizada a
observação participante, definida como um processo onde o observador é
mantido numa determinada situação social, na qual estabelece uma relação
face a face com os observados e, como parte integrante do contexto sob
observação, pode modificá-lo e ser modificado por ele. Para que a
observação participante seja realizada, é necessário que o pesquisador:
coloque-se no mundo do participante da pesquisa, procurando compreender
os mecanismos gerais que regem suas experiências cotidianas; mantenha
uma visão dinâmica considerando tanto as relevâncias dos atores sociais
como as do referencial teórico do pesquisador, permitindo interação com o
campo de pesquisa; abandone o papel de “cientista” e se comporte como
uma pessoa comum, que partilha do cotidiano e fala a mesma língua dos
participantes do contexto pesquisado (MINAYO, 1993).
          É importante enfatizar que a observação das aulas da professora
Ana foi realizada como uma forma de complementar os dados coletados por
meio das entrevistas, já que não foi objetivo desse estudo analisar,
exclusivamente, a prática docente dos professores de Classes de
Aceleração.
          Na observação da prática pedagógica da professora Ana
procurou-se atentar, dentre outros aspectos, à maneira como as atividades
pedagógicas eram realizadas, como se dava a abordagem do conteúdo
curricular e a utilização do material didático, que procedimentos de
avaliação do rendimento dos alunos eram utilizados; as interações entre
professora e alunos, além da forma como eram administradas as situações
conflituosas e/ou inesperadas que ocorriam em sala de aula.
          Os dados obtidos a partir das conversas informais com a
professora sobre a aula do dia, problemas dos alunos e suas dificuldades e o
programa de aceleração da aprendizagem em si, foram considerados. Esses
“bate - papos” ocorriam nos intervalos das atividades, no horário do recreio
e no final das aulas. Mas essas conversas informais não aconteceram muitas
92




vezes, pois a professora estava sempre com pressa para sair ou, no horário
do recreio, preferia ir tomar o seu lanche e com as outras professoras.
           Quanto ao questionário, a princípio não se previa a sua
utilização, mas houve a necessidade de incluí-lo como procedimento de
coleta de dados devido à impossibilidade da coordenadora pedagógica Irene
(no período da primeira entrevista) da Escola II, conceder uma entrevista.
Devido a uma série de afazeres e compromissos (naquele momento ela já
ocupava o cargo de vice - diretora), não havia tempo disponível para
realizar a entrevista e a própria coordenadora sugeriu à pesquisadora que
fosse elaborado um questionário, o qual ela responderia em casa, nos seus
momentos livres.
           O questionário aplicado (ver Anexo 1c) versou sobre:
           -   a trajetória acadêmica e profissional da coordenadora
pedagógica;
           -   a caracterização da escola (clientela atendida, perfil do corpo
docente e aspectos gerias do projeto político – pedagógico da escola);
           -   o processo de implementação do projeto Classes de
Aceleração, aos critérios utilizados para a composição das Classes de
Aceleração e para a seleção do corpo docente na Escola II;
           -   a avaliação da coordenadora pedagógica sobre o processo de
capacitação dos envolvidos no projeto;
           -   as dificuldades para se colocar em prática as diretrizes
pedagógicas e metodológicas do projeto;
           -   a avaliação sobre o projeto Classes de Aceleração;
           -   o conceito de sucesso e os critérios a serem observados para
que uma política educacional de superação do fracasso escolar possa ser
bem - sucedida na prática docente.
93




                  Para melhor visualização da relação entre participantes,
   instituições a que pertencem e procedimentos de pesquisa a que foram
   submetidos, pode-se recorrer ao quadro explicativo abaixo:
                                       Quadro 2:
            Instituições, participantes e procedimentos de coleta de dados


                                                                         Procedimentos
                        Participantes
Instituição                                             Entrevista                           Observação
                     (nomes e funções)                                        Questionário
                                                Individual   Em grupo                        Participante

              • Ana, professora da Classe de                         X                            X
                Aceleração II;
              • Bianca, professora da Classe                         X
 Escola I
                de Aceleração I;
              • Célia, ex - professora da           X

                Classe de Aceleração I
              • Elaine, professora da Classe                         X
                de Aceleração II,
                posteriormente coordenadora         X                X
                pedagógica;
              • Fernanda, professora da                              X
Escola II
                Classe de Aceleração I;
              • Graça, professora da Classe                          X

                de Aceleração I;
                                                                                   X
              • Heloísa, professora da Classe
                de Aceleração II;
              • Irene, coordenadora
                pedagógica, posteriormente
                vice - diretora
              • Júlia, Supervisora de Ensino;                        X
Diretoria
              • Luciana, Assistente Técnico -
Regional
                Pedagógico                                           X
de Ensino
94




             Além das entrevistas e do questionário, utilizou-se a análise
documental para que os dados obtidos, a partir de uma série de publicações
oficiais relativas ao projeto de Aceleração , fossem analisadas.
                                                 15




             Além dos documentos oficiais citados também foi possível ter
acesso a questionários aplicados pela especialista Luciana da D.R.E, no
decorrer do primeiro semestre de 2000, junto a 61 alunos egressos de
Classes de Aceleração I e II de escolas da região. Da totalidade de
respondentes, 44 alunos (72,13%) estavam cursando as 5 as séries e 17
alunos (27,87%) as 6as séries do Ensino Fundamental.
             A elaboração e aplicação desses questionários fez parte do
processo de avaliação do projeto pela D.R.E. e as respostas dos alunos
foram incluídas no conjunto de dados desta pesquisa como resultados do
processo de análise documental.
             O questionário elaborado pela D.R.E. continha as seguintes
perguntas:
             -   Como se sentiu na Classe de Aceleração?
             -   O que foi mais importante?
             -   Quais as diferenças que percebe agora?
             -   Neste ano, em qual (ou quais) disciplinas sente dificuldade e
             por quê?

             Vale enfatizar que os alunos respondentes são provenientes de
diferentes escolas da região e estão identificados apenas pelo seus nomes,
pelo nome da escola que freqüentam e pela série a que pertencem. Como
não há menção ao nome da escola de onde os alunos são egressos, não é

15 Ensinar pra Valer!, Aprender pra Valer!; Reorganização da Trajetória Escolar no Ensino
Fundamental: Classes de Aceleração - proposta pedagógica curricular (SÃO PAULO - Estado,
1997a), Reorganização da Trajetória Escolar no Ensino Fundamental: Classes de Aceleração:
documento de implementação (SÃO PAULO - Estado, 1997b), Classes de Aceleração:
orientações para capacitação de professores. (SÃO PAULO - Estado, 1999).
95




possível saber se nessa amostra existem alunos oriundos das Classes de
Aceleração das Escolas I e II.
            O acesso às respostas dos alunos foi considerado valioso e a sua
inclusão na análise dos dados deve ser considerada como uma oportunidade
de se apresentar ao leitor uma visão do tipo de avaliação que alunos
egressos de Classes de Aceleração fazem sobre a sua experiência nesse
contexto.

            4.3. A organização e a análise dos dados
            De acordo com LÜDKE e ANDRÉ (1986), a análise dos dados
implica “trabalhar-se” todo o material obtido no decorrer da pesquisa. Num
primeiro momento, todo o material deve ser dividido em partes, que são
relacionadas entre si a partir de tendências e padrões relevantes e, num
segundo momento, essas tendências e padrões são reavaliados, buscando-se
possíveis relações e inferências em um nível de abstração cada vez mais
elevado.
            Dessa forma, a totalidade dos dados, obtidos através das
entrevistas e do questionário, das conversas informais e análise documental,
foi submetida a um processo de organização e classificação de acordo com
focos gerais de análise, os quais foram definidos no início do trabalho, mas
que foram sendo complementados por focos mais específicos no decorrer
do processo de pesquisa, sempre relacionados aos objetivos e problemas de
pesquisa e baseados no referencial teórico.
            É necessário alertar ao leitor que, na apresentação e análise dos
dados coletados por meio de entrevistas, não há a resposta de todas
professoras em alguns focos de análise pois, como as entrevistas foram
semi - estruturadas, alguns temas surgiram em um entrevista e não
necessariamente em outras; no caso das entrevistas em grupo, a
interferência da liderança grupal foi observada e também pode explicar o
96




fato de que na descrição e análise das entrevistas, alguns participantes
sejam mais citados do que outros.
          Todas as respostas obtidas por meio das entrevistas junto às
professoras das Escolas I e II e às especialistas da D.R.E., além do
questionário aplicado à coordenadora da Escola II foram submetidas à
Análise de Conteúdo, a qual pressupõe o aprofundamento da leitura dos
dados de forma a ultrapassar os significados manifestos através da relação
das estruturas semânticas (significantes) com as estruturas sociológicas
(significados) dos enunciados (MINAYO, 1993).
          Nesse sentido, todas as respostas foram analisadas com o
cuidado de não se limitar a análise apenas ao que estava aparente ou
explícito no material, procurando-se o aprofundamento e o desvelamento
das mensagens, das idéias implícitas e dimensões contraditórias dos
assuntos discutidos. Foram considerados os termos, conceitos ou expressões
mais freqüentemente utilizados.
          Com relação à observação da prática pedagógica da professora
Ana, a determinação dos focos de análise basearam-se no referencial teórico
e na classificação utilizada no estudo de SOUZA, VIÉGAS & BONADIO
(1999) sobre a prática pedagógica de uma professora de Classe de
Aceleração. Em síntese, os dados coletados durante a observação das aulas
foram classificados de acordo com os seguintes focos:
          -   caracterização da classe;
          -   organização da rotina diária de trabalho;
          -   metodologia de ensino e abordagem dos conteúdos;
          -   avaliação da aprendizagem dos alunos;
          -   incentivo à participação dos alunos;
          -   clima de trabalho em sala de aula;
          -   resgate da auto - estima dos alunos.
97




           As respostas dos alunos egressos de Classes de Aceleração
foram inicialmente organizadas a partir das questões originais e da classe a
que o alunos pertenciam (ver Anexos 3a e 3b), mas no processo de análise
foram consideradas em sua totalidade, sem separação por classes;
posteriormente, foram submetidas aos preceitos da Análise de Conteúdo.
           Os resultados do processo de análise de dados serão
apresentados nos próximos capítulos obedecendo-se à ordem em que foram
coletados. Em primeiro lugar serão apresentados os resultados de análise de
dados relativos às professoras da Escola I (capítulo 5); em seguida, os
relativos às professoras e coordenadora pedagógica da Escola II (capítulo 6)
e, logo após, os relativos às especialistas da Diretoria Regional de Ensino
(capítulo 7).
           A análise das respostas dos questionários dos alunos egressos de
Classes de Aceleração (capítulo 8) vêm em último lugar na ordem de
apresentação, fechando o ciclo iniciado a partir da apresentação dos dados
relativos às professoras da Escola I.
           Como é inerente à realização de pesquisas qualitativas, cada uma
das etapas descritas não ocorreu de forma linear pois, além da necessidade
de reformulação do planejamento inicial diante das situações imprevistas
que surgiram ao longo do caminho, assim como “idas e vindas” constantes
entre a coleta e a organização e análise dos dados.
           Ao longo deste capítulo deve ter sido possível perceber que o
desenvolvimento desse estudo foi marcado por vários contratempos e
percalços e que, nem sempre, foi possível realizar-se aquilo que se havia
planejado a princípio. Alguns desses contratempos e imprevistos podem e
devem ser considerados perfeitamente naturais e inerentes ao processo de
desenvolvimento de uma pesquisa qualitativa, a qual envolve seres
humanos e relações sociais complexas.
           No entanto, na opinião da pesquisadora, outros problemas
surgiram devido a um possível desgaste existente nas relações entre
98




algumas escolas públicas e determinadas instituições de pesquisa, desgaste
esse relacionado, em parte, a uma cultura escolar que busca resultados de
curto prazo, o que vêm gerando graves conflitos ou mal – entendidos entre
o que lhe interessa, em relação ao desenvolvimento de pesquisas
educacionais, e o que efetivamente se pode oferecer, em termos dos
achados dessas pesquisas.
          Mesmo diante de todas as dificuldades encontradas, a
pesquisadora procurou-se manter uma atitude favorável à negociação e ao
entendimento mútuo e, a todo momento, ponderava sobre aquilo que seria
necessário e desejável para a realização da pesquisa nos moldes em que
havia sido delineada e o que realmente seria possível realizar-se, em vista
dos limites impostos pelas circunstâncias.
98




algumas escolas públicas e determinadas instituições de pesquisa, desgaste
esse relacionado, em parte, a uma cultura escolar que busca resultados de
curto prazo, o que vêm gerando graves conflitos ou mal – entendidos entre
o que lhe interessa, em relação ao desenvolvimento de pesquisas
educacionais, e o que efetivamente se pode oferecer, em termos dos
achados dessas pesquisas.
          Mesmo diante de todas as dificuldades encontradas, a
pesquisadora procurou-se manter uma atitude favorável à negociação e ao
entendimento mútuo e, a todo momento, ponderava sobre aquilo que seria
necessário e desejável para a realização da pesquisa nos moldes em que
havia sido delineada e o que realmente seria possível realizar-se, em vista
dos limites impostos pelas circunstâncias.
98




algumas escolas públicas e determinadas instituições de pesquisa, desgaste
esse relacionado, em parte, a uma cultura escolar que busca resultados de
curto prazo, o que vêm gerando graves conflitos ou mal – entendidos entre
o que lhe interessa, em relação ao desenvolvimento de pesquisas
educacionais, e o que efetivamente se pode oferecer, em termos dos
achados dessas pesquisas.
          Mesmo diante de todas as dificuldades encontradas, a
pesquisadora procurou-se manter uma atitude favorável à negociação e ao
entendimento mútuo e, a todo momento, ponderava sobre aquilo que seria
necessário e desejável para a realização da pesquisa nos moldes em que
havia sido delineada e o que realmente seria possível realizar-se, em vista
dos limites impostos pelas circunstâncias.

Mais conteúdo relacionado

Destaque (20)

Búsquedas En Internet
Búsquedas En InternetBúsquedas En Internet
Búsquedas En Internet
 
Paizão
PaizãoPaizão
Paizão
 
Projeto
ProjetoProjeto
Projeto
 
Plano de aula comunicação slides
Plano de aula comunicação slidesPlano de aula comunicação slides
Plano de aula comunicação slides
 
Clc5 tr..
Clc5   tr..Clc5   tr..
Clc5 tr..
 
Ambassador Certififcate
Ambassador CertififcateAmbassador Certififcate
Ambassador Certififcate
 
Glosario
GlosarioGlosario
Glosario
 
Varsóvia e cracóvia
Varsóvia e cracóviaVarsóvia e cracóvia
Varsóvia e cracóvia
 
Detroit
DetroitDetroit
Detroit
 
Revista brasileira de cirurgia craniomaxilofacial
Revista brasileira de cirurgia craniomaxilofacialRevista brasileira de cirurgia craniomaxilofacial
Revista brasileira de cirurgia craniomaxilofacial
 
Relações Públicas 2.0: Um olhar sobre o Twitter Corporativo
Relações Públicas 2.0: Um olhar sobre o Twitter CorporativoRelações Públicas 2.0: Um olhar sobre o Twitter Corporativo
Relações Públicas 2.0: Um olhar sobre o Twitter Corporativo
 
my resume
my resumemy resume
my resume
 
Mozart desenhos
Mozart desenhosMozart desenhos
Mozart desenhos
 
Oi
OiOi
Oi
 
AMA- ANDIROBA-Plano de trabalho de captação de recursos da ama 2013-2015
AMA- ANDIROBA-Plano de trabalho de captação de recursos da ama 2013-2015AMA- ANDIROBA-Plano de trabalho de captação de recursos da ama 2013-2015
AMA- ANDIROBA-Plano de trabalho de captação de recursos da ama 2013-2015
 
Atendimeno Educacional Especializado
Atendimeno Educacional EspecializadoAtendimeno Educacional Especializado
Atendimeno Educacional Especializado
 
Caminando por la vida
Caminando por la vidaCaminando por la vida
Caminando por la vida
 
Ativ1 4andreaeandiara
Ativ1 4andreaeandiaraAtiv1 4andreaeandiara
Ativ1 4andreaeandiara
 
Juegos en red 1 fernando femrin lopez
Juegos en red 1 fernando femrin lopezJuegos en red 1 fernando femrin lopez
Juegos en red 1 fernando femrin lopez
 
Modelo de exportación de manufacturas como modelo diapos
Modelo de exportación de manufacturas como modelo diaposModelo de exportación de manufacturas como modelo diapos
Modelo de exportación de manufacturas como modelo diapos
 

Semelhante a 4

Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorialConceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorialMarisa Correia
 
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorialConceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorialMarisa Correia
 
O INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDE
O INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDEO INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDE
O INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDEProfessorPrincipiante
 
Artigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superiorArtigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superiorR D
 
O caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitas
O caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitasO caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitas
O caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitasPROIDDBahiana
 
Telles ah é pesquisa
Telles ah é pesquisaTelles ah é pesquisa
Telles ah é pesquisaJuliana Alves
 
A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...
A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...
A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...Leilany Campos
 
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOSProfessorPrincipiante
 
Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalho
 Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalho Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalho
Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalhoMaria De Fátima Malta
 
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLARO PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLARProfessorPrincipiante
 
16573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_01
16573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_0116573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_01
16573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_01Miguel Zadoreski
 
Artigo experimentação larrissa
Artigo experimentação larrissaArtigo experimentação larrissa
Artigo experimentação larrissaaboutazevedo
 
Investigação dialógica como pesquisa-ação colaborativa
Investigação dialógica como pesquisa-ação colaborativaInvestigação dialógica como pesquisa-ação colaborativa
Investigação dialógica como pesquisa-ação colaborativaRaquel Salcedo Gomes
 

Semelhante a 4 (20)

Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorialConceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
 
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorialConceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
Conceções e Práticas de professores do 1.º Ciclo acerca do trabalho laboratorial
 
Viviani alves de_lima
Viviani alves de_limaViviani alves de_lima
Viviani alves de_lima
 
O INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDE
O INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDEO INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDE
O INÍCIO DA DOCÊNCIA EM UMA ESCOLA PRIVADA DE REDE
 
A07e1bd2dd88a3f904e957c129bfdce6
A07e1bd2dd88a3f904e957c129bfdce6A07e1bd2dd88a3f904e957c129bfdce6
A07e1bd2dd88a3f904e957c129bfdce6
 
Estudo de caso
Estudo de casoEstudo de caso
Estudo de caso
 
Artigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superiorArtigo metodologia no ensino da educação superior
Artigo metodologia no ensino da educação superior
 
O caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitas
O caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitasO caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitas
O caso-da-professora-flora-sudan-villani-freitas
 
Telles ah é pesquisa
Telles ah é pesquisaTelles ah é pesquisa
Telles ah é pesquisa
 
7
77
7
 
A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...
A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...
A EXPERIMENTAÇÃO COMO FERRAMENTA DIDÁTICA DE APRENDIZAGEM NO ENSINO FUNDAMENT...
 
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
~PROFESSORES INCIANTES: TEORIAS, PRÁTICAS, DILEMAS E DESAFIOS
 
Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalho
 Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalho Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalho
Ensinoexperimentaldefisi.urldotrabalho
 
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLARO PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
O PROFESSOR INICIANTE NA ORGANIZAÇÃO ESCOLAR
 
Dislexia última versão
Dislexia   última versãoDislexia   última versão
Dislexia última versão
 
Dislexia última versão
Dislexia   última versãoDislexia   última versão
Dislexia última versão
 
16573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_01
16573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_0116573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_01
16573219092012 didatica especial_para_o_ensino_de_ciencias_e_biologia_ii_aula_01
 
Artigo experimentação larrissa
Artigo experimentação larrissaArtigo experimentação larrissa
Artigo experimentação larrissa
 
Portifólio
 Portifólio Portifólio
Portifólio
 
Investigação dialógica como pesquisa-ação colaborativa
Investigação dialógica como pesquisa-ação colaborativaInvestigação dialógica como pesquisa-ação colaborativa
Investigação dialógica como pesquisa-ação colaborativa
 

Mais de UNICEP

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoyUNICEP
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128UNICEP
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarUNICEP
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoUNICEP
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaUNICEP
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaUNICEP
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educaUNICEP
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11UNICEP
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eUNICEP
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeUNICEP
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1UNICEP
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagemUNICEP
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoUNICEP
 
Resumo
ResumoResumo
ResumoUNICEP
 
Indice
IndiceIndice
IndiceUNICEP
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2UNICEP
 

Mais de UNICEP (20)

Tcc elba godoy
Tcc elba godoyTcc elba godoy
Tcc elba godoy
 
Tcc 172128
Tcc 172128Tcc 172128
Tcc 172128
 
Didática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolarDidática, currículo e cultura escolar
Didática, currículo e cultura escolar
 
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimentoAspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
Aspectos psiconeurológicos do desenvolvimento
 
Fundamentos da Didática
Fundamentos da DidáticaFundamentos da Didática
Fundamentos da Didática
 
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infânciaDesenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
Desenvolvimento físico e psicomotor na 1a infância
 
Freud e a educa
Freud e a educaFreud e a educa
Freud e a educa
 
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11Indivíduos e organizações   rh - aula 5-11
Indivíduos e organizações rh - aula 5-11
 
Modos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero eModos de educação, gênero e
Modos de educação, gênero e
 
A eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se medeA eficácia das escolas não se mede
A eficácia das escolas não se mede
 
Introduçao texto 1
Introduçao   texto 1Introduçao   texto 1
Introduçao texto 1
 
Concepções aprendizagem
Concepções aprendizagemConcepções aprendizagem
Concepções aprendizagem
 
Afetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmicoAfetividade e desempenho acadêmico
Afetividade e desempenho acadêmico
 
Resumo
ResumoResumo
Resumo
 
Indice
IndiceIndice
Indice
 
Capa
CapaCapa
Capa
 
Cap7
Cap7Cap7
Cap7
 
Cap6
Cap6Cap6
Cap6
 
Cap5 p2
Cap5 p2Cap5 p2
Cap5 p2
 
Cap5
Cap5Cap5
Cap5
 

4

  • 1. 81 4. A trajetória da pesquisa Foi dito, anteriormente, que o objetivo geral definido para este estudo foi analisar de que forma se dá a tradução de um projeto educacional de superação do fracasso escolar para a prática escolar, na visão de professores e especialistas educacionais inseridos nesse contexto. A fim de que o objetivo traçado pudesse ser alcançado de forma coerente e consistente, optou-se pela utilização da pesquisa de tipo qualitativo, pois essa modalidade de investigação científica dirige-se a um universo composto por significados, motivos, aspirações, crenças e atitudes, o qual corresponde a um espaço mais profundo das relações, dos processos e dos fenômenos. No entanto, na visão de pesquisa qualitativa adotada nesse trabalho não existe, necessariamente, um continuum entre qualitativo e quantitativo, nem uma oposição entre essas duas dimensões, as quais podem ser, até mesmo, complementares entre si (MINAYO, 1994). Segundo BOGDAN & BIKLEN (1982, citados por LÜDKE & ANDRÉ, 1986) a pesquisa qualitativa envolve a obtenção de dados predominantemente descritivos, obtidos através do contato direto do pesquisador com o contexto de investigação e da utilização de procedimentos de pesquisa como entrevistas, questionários e extratos de documentos; a ênfase é maior no processo do que no produto, além da preocupação em se retratar a perspectiva que os participantes possuem sobre a situação investigada. De acordo com esses autores, na modalidade qualitativa, não há a preocupação de se buscar evidências que venham a comprovar hipóteses definidas a priori, pois as abstrações são construídas a partir do contato com os dados e amparadas pelo referencial teórico adotado.
  • 2. 82 4.1. O caminho percorrido No início de 1998, foi dado o primeiro passo da trajetória de pesquisa, quando a pesquisadora visitou a Diretoria Regional de Ensino do município de São Carlos, Estado de São Paulo, a fim de conversar com uma das supervisora de ensino e se obter uma visão geral a respeito da proposta de Classes de Aceleração e de sua implementação na região. Nesse primeiro contato, procurou-se obter informações mais detalhadas sobre o processo de atribuição de Classes de Aceleração e a formação inicial e continuada dos professores responsáveis por essas classes. A supervisora de ensino colocou que a experiência prévia do professor era extremamente importante e muitíssimo aproveitada na tradução do projeto de Aceleração para a prática pedagógica. Entretanto, segundo ela, a exigência de experiência prévia do professor a ser designado para as Classes de Aceleração nem sempre tinha sido observada nas escolas do município de São Carlos, já que alguns diretores não atribuíram essas classes antes das regulares, tal como é o previsto pela proposta. Dessa maneira, professores não tão experientes tiveram a oportunidade de lecionar em Classes de Aceleração. Um programa de capacitação docente foi oferecido aos professores e coordenadores pedagógicos das escolas participantes e realizado por uma equipe de supervisores previamente capacitados; segundo a supervisora entrevistada, tal processo de capacitação continha uma pauta intensiva, concentrada e bem aprofundada para analisar os aspectos teórico - metodológicos da proposta de Classes de Aceleração. A supervisora colocou que existiam, até aquele momento, seis escolas participantes do projeto. Dessas escolas, quatro foram selecionadas para dar iniciar-se a coleta de dados. Os critérios de seleção dessas escolas foram a sua localização tanto em bairros centrais, como de periferia e por possuírem classes em ambos os períodos (manhã e tarde).
  • 3. 83 O segundo passo foi a visita a cada uma das quatro escolas amostradas, a fim de se obter a permissão da direção, coordenação pedagógica e docentes para adentrar à instituição e dar início à coleta de dados. No entanto, surpreendentemente, essa etapa da pesquisa revelou- se muito diferente do que se imaginava a princípio, pois foi marcada por obstáculos e contratempos. Nas duas primeiras escolas visitadas, houve severa rejeição à realização da pesquisa. Na primeira escola, a negação veio logo no primeiro contato com a diretora, que usou o argumento de que as professoras da escola não se sentiriam à vontade com a presença de uma pesquisadora nas salas de aula. Quanto à possibilidade de se realizarem entrevistas com as professoras, a diretora alegou que o projeto de Aceleração era muito novo e que o corpo docente da escola ainda não tinha uma opinião formada sobre ele. Porém, durante a conversa, a diretora acabou revelando o que parecia ser a verdadeira razão de sua rejeição à realização da pesquisa: a escola apenas aceitava a realização de pesquisas de longa duração e que tivessem como objetivo realizar intervenções que auxiliassem, efetiva e imediatamente, professores e alunos. Como exemplo, descreveu o estudo de uma pesquisadora da área de Enfermagem, que realizava um trabalho de educação em saúde com os alunos, com previsão de atuação de, pelo menos, dois anos. Argumentou-se com essa diretora que era compreensível essa atitude da escola, já que as dificuldades existentes nas escolas públicas eram muito graves e que os professores e alunos realmente necessitavam de auxílio externo. No entanto, do ponto de vista da pesquisa educacional, nem sempre seria possível que as pesquisas realizadas dentro das escolas tivessem como objetivo atender às necessidades específicas dos docentes e alunos ou mesmo apresentarem resultados imediatos. Mesmo diante dessa
  • 4. 84 argumentação, a diretora continuou negando o pedido da pesquisadora e se decidiu não mais investir esforços naquela escola. Na segunda escola visitada, novamente houve rejeição do pedido de entrada na instituição para a realização da pesquisa. Dessa vez, a decisão ficou a cargo da coordenadora pedagógica, que negou o pedido partindo da alegação de que não poderia permitir que mais pesquisadores adentrassem à escola, pois muitos outros já estavam realizando observações tanto nas classes regulares como nas de Aceleração. Quanto à possibilidade de entrevistar as professoras, isso também não poderia acontecer, pois as mesmas se negavam a responder a qualquer tipo de pergunta. Segundo a coordenadora, as professoras dessa escola estavam cansadas de participar de pesquisas científicas e, principalmente, de não ter o retorno do resultados dessas pesquisas. Diante dessas negativas, extremamente frustrantes para a pesquisadora, partiu-se para a visitação das duas últimas escolas que constavam da amostra, as quais serão denominadas, a partir de agora, como Escola I e Escola II. Na Escola I, felizmente, a direção foi receptiva à presença desta pesquisadora, aceitando que se realizasse o estudo na instituição, mas com a condição de que fosse feita uma apresentação prévia do projeto de pesquisa para a coordenadora pedagógica. Feita essa apresentação, a coordenadora consultou as quatro professoras das Classes de Aceleração, mas apenas duas das quatro professoras aceitaram conceder entrevista (desde que pudessem ser entrevistadas juntas) e, das duas professoras, apenas uma concordou com a realização de observação de aulas em sua classe. No entanto, ainda havia uma última escola a ser visitada, a Escola II. Nessa escola houve uma intensa rejeição por parte da diretora quanto ao ingresso da pesquisadora. Questionada sobre a sua reação, ela
  • 5. 85 colocou que a rejeição não era específica à pesquisadora mas, à pesquisadores em geral. O motivo dessa atitude estava relacionado a uma pesquisa anteriormente realizada naquela escola, o qual teria chegado a conclusões questionáveis, do ponto de vista da diretora, e que teria criado um intenso mal estar entre toda a equipe escolar. Diante de mais uma negativa, recorremos à coordenadora pedagógica mesma escola, conhecida da pesquisadora de outras ocasiões. Foram explicados à coordenadora os objetivos do trabalho de pesquisa e ela, compreendendo a importância do estudo, disse que iria conseguir que fossem realizadas, pelo menos, as entrevistas com as professoras da escola. Assim, a coordenadora, além de conseguir convencer a diretora sobre a necessidade de se realizarem as entrevistas com o corpo docente das Classes de Aceleração, mediou o contato inicial entre a pesquisadora e três das quatro professoras, que aceitaram conceder uma entrevista em grupo. A quarta professora foi entrevistada individualmente em outra ocasião, por estar ausente da escola na data combinada para a entrevista em grupo. Um fato interessante ocorrido na Escola II é que uma das professoras de Classes de Aceleração, ao saber da intenção da pesquisadora em realizar observações nessas classes, aceitou a presença da pesquisadora em sua sala de aula, apesar de sua decisão ter sido vetada pela diretora. Além das professoras das Escolas I e II, duas especialistas educacionais da Diretoria Regional de Ensino foram convidadas para participar do estudo, por serem as principais responsáveis pelo processo de capacitação dos professores e coordenadores pedagógicos envolvidos no projeto e pela supervisão direta das Classes de Aceleração na região. O acesso à Diretoria Regional de Ensino (D.R.E) deu-se sem maiores dificuldades, pois as especialistas procuradas foram solícitas e o processo de coleta de dados realizou-se sem maiores problemas; além disso, a especialista responsável pelo processo de capacitação docente do projeto
  • 6. 86 de Aceleração ofereceu vários documentos à pesquisadora, os quais forneceram dados valiosos que foram analisados e incorporados ao trabalho. 4.2. O processo de coleta de dados Nesta seção, serão descritos os aspectos relacionados ao processo de coleta de dados, partindo-se da caracterização dos participantes e dos instrumentos de pesquisa utilizados. A seguir, explicitamos quais foram os participantes, a que instituições pertenciam, seus nomes fictícios, profissões ou cargos e atribuições gerais Do corpo docente da Escola I participaram duas professoras: ANA, responsável pela Classe de Aceleração II e BIANCA, responsável pela Classe de Aceleração I. Uma ex- professora de Classe de Aceleração I dessa mesma escola, chamada CÉLIA, apesar de não estar em exercício na época da coleta de dados, também foi considerada como participante desse estudo. A inclusão dessa ex - professora como participante do estudo, mesmo estando afastada da Escola I, deveu-se ao fato dela ter atuado no ano primeiro ano de implementação do projeto Classes de Aceleração nessa escola e de ter sido considerada, pela professora Ana, como uma importante interlocutora nesse processo. Na Escola II houve a participação de todo o corpo docente das Classes de Aceleração, composto por quatros professoras: GRAÇA E FERNANDA, das Classes de Aceleração I e ELAINE e HELOÍSA, das Classes de Aceleração II. Além das professoras, também houve a participação da coordenadora pedagógica da Escola II, IRENE que, no decorrer do processo de coleta de dados foi nomeada vice - diretora. As duas especialistas da D.R.E., JÚLIA e LUCIANA, respectivamente Supervisora de Ensino e Auxiliar Técnico - Pedagógica,
  • 7. 87 foram as responsáveis pela implementação do projeto de Aceleração na região e pelo processo de capacitação dos envolvidos nas Classes de Aceleração. Em síntese, participaram desse estudo um total de dez participantes, dentre esses sete professoras de Classes de Aceleração de duas escolas, uma coordenadora pedagógica de uma escola e duas especialistas educacionais da D.R.E. Os principais procedimentos de coleta de dados utilizados neste estudo foram a entrevista, nas modalidades individual e em grupo, a observação participante, o questionário, as conversas informais, além da análise documental. A seguir, serão descritas as principais características de cada procedimento, assim como a maneira pela qual foram escolhidos para serem utilizados no processo de coleta de dados. De acordo com FONTANA & FREY (1994), a entrevista é um dos procedimentos mais comuns e poderosos que podem ser utilizados na tentativa de se compreender o ser humano. Possui uma ampla variedade de formas e uma multiplicidade de usos. O tipo mais comum de entrevista é a individual, que se dá por meio de uma interação verbal face - a - face entre entrevistador e entrevistado e, no caso de pesquisas científicas, entre pesquisador e participante. Segundo os autores, outra modalidade de entrevista, não tão conhecida e freqüente, é a realizada em grupo. Apesar de não ser muito utilizada em pesquisas científicas, as entrevistas em grupo vem ganhando popularidade entre os pesquisadores da área de Ciências Humanas. Carateriza-se pelo questionamento sistemático e simultâneo de vários indivíduos em uma situação formal ou informal e sua utilização substitui o uso das entrevistas individuais; é uma opção que merece consideração, pois oferece ao pesquisador um outro nível de coleta de dados e uma nova perspectiva de análise dos problemas de pesquisa.
  • 8. 88 Para FONTANA & FREY (1994), as habilidades requeridas das entrevistadas para realizar uma entrevista em grupo não são muito diferentes das necessárias para empreender a entrevista individual: flexibilidade, objetividade, empatia, persuasão e capacidade de ouvir. No entanto, a entrevista em grupo requer do entrevistador pelo menos três habilidades específicas: cuidar para que uma pessoa ou um pequeno grupo de pessoas não dominem o grupo maior; encorajar os indivíduos mais calados e resistentes a se expressarem e procurar sempre obter respostas da totalidade do grupo, de forma a assegurar a abordagem mais completa possível sobre determinados tópicos abordados. Os autores apontam as vantagens metodológicas do uso da entrevista em grupo: ser flexível, estimular a comunicação e a participação dos participantes; possibilitar a observação da dinâmica do grupo de entrevistados, o que pode auxiliar na compreensão dos dados. Quanto às desvantagens, essas basicamente se referem à interferência que a cultura do grupo pode ter sobre a expressão individual, pois aqueles que apresentam menos facilidade em se expressar oralmente têm a tendência de concordar com a resposta daqueles atuam como lideranças grupais. Neste estudo as entrevistas em grupo ocorreram em momentos diferentes, com os seguintes participantes: - duas professoras da Escola I: Ana da Classe de Aceleração II e Bianca da Classe de Aceleração I; - três professoras da Escola II: Elaine e Heloísa das Classes de Aceleração II, Graça da Classe de Aceleração I; - duas especialistas da D.R.E.: Júlia, Supervisora de Ensino e Luciana, Assistente Técnico - Pedagógico. Além das entrevistas em grupo também foram realizadas duas entrevistas individuais: a primeira com a ex - professora da Escola I, Célia e segunda com a professora Fernanda, da Escola II, ambas responsáveis por Classes de Aceleração I.
  • 9. 89 É necessário enfatizar que, no decorrer do processo de análise de dados decidiu-se realizar uma nova entrevista coletiva, para uma complementação dos dados já coletados nas primeiras entrevistas, com as professoras ELAINE (Classe de Aceleração II) e FERNANDA (Classe de Aceleração I), da Escola II, tanto por terem sido consideradas, pela pesquisadora e pelos seus próprios pares, como bem - sucedidas em sua prática docente, como pela sua disponibilidade em participar do estudo. As entrevistas realizadas, individualmente ou em grupo, foram semi - estruturadas. Dessa forma, apesar da existência de roteiros específicos para cada tipo de entrevista (ver Anexos 1a e 1b), que outras questões puderam ser realizadas no decorrer das entrevistas, de modo a complementar ou elucidar assuntos importantes que emergiam no discurso dos participantes. É necessário ressaltar que a elaboração de roteiros para as entrevistas com os participantes foram subsidiadas pela leitura e pela análise dos dados que já estavam sendo coletados. Dessa maneira, os dados obtidos junto às professoras auxiliaram a elaboração do roteiro de entrevista com as especialistas da D.R.E. No roteiro de entrevista com as professoras, os seguintes aspectos foram elencados: - trajetória acadêmica e profissional da professora; - interesse pela Classe de Aceleração; - avaliação da classe daquele ano; - avaliação do processo de capacitação recebido; - dificuldades para atuar nas Classes de Aceleração; - avaliação da reação dos outros professores da escola, os alunos e os pais sobre o projeto; - avaliação do projeto de Aceleração; - críticas e sugestões para melhorar o projeto.
  • 10. 90 O roteiro da segunda entrevista realizada com as professoras Elaine e Fernanda da Escola II versou, basicamente, sobre: - as razões pelos quais as suas práticas pedagógicas nas Classes de Aceleração haviam sido consideradas bem - sucedidas; - as mudanças que haviam percebido em sua atuação após a experiência nessas classes; - o conceito de sucesso de uma política educacional de superação ao fracasso escolar e os critérios que deveriam ser observados para que uma política educacional de combate ao fracasso escolar obtivesse sucesso na prática docente. O roteiro elaborado para a entrevista com as especialistas abordou, como temas principais: - o processo de implantação do programa de Classes de Aceleração na região e no município e as reações dos envolvidos no processo; - os critérios utilizados para a escolha das escolas, a composição das Classes de Aceleração e a seleção do corpo docente; - o processo de capacitação dos envolvidos no projeto; - as dificuldades encontradas em relação à capacitação dos participantes e à observância das diretrizes pedagógicas e metodológicas na prática docente; - a avaliação sobre o projeto de Aceleração; - o conceito de sucesso e os critérios a serem observados para que um projeto educacional de superação do fracasso escolar seja considerado bem - sucedido na prática docente. Além da realização das entrevistas, foi realizada a observação da prática pedagógica da professora ANA, da Classe de Aceleração II, da Escola I. As observações ocorreram praticamente, todos os dias da semana, por um período de dois meses letivos.
  • 11. 91 Para realizar a observação da prática da professora foi utilizada a observação participante, definida como um processo onde o observador é mantido numa determinada situação social, na qual estabelece uma relação face a face com os observados e, como parte integrante do contexto sob observação, pode modificá-lo e ser modificado por ele. Para que a observação participante seja realizada, é necessário que o pesquisador: coloque-se no mundo do participante da pesquisa, procurando compreender os mecanismos gerais que regem suas experiências cotidianas; mantenha uma visão dinâmica considerando tanto as relevâncias dos atores sociais como as do referencial teórico do pesquisador, permitindo interação com o campo de pesquisa; abandone o papel de “cientista” e se comporte como uma pessoa comum, que partilha do cotidiano e fala a mesma língua dos participantes do contexto pesquisado (MINAYO, 1993). É importante enfatizar que a observação das aulas da professora Ana foi realizada como uma forma de complementar os dados coletados por meio das entrevistas, já que não foi objetivo desse estudo analisar, exclusivamente, a prática docente dos professores de Classes de Aceleração. Na observação da prática pedagógica da professora Ana procurou-se atentar, dentre outros aspectos, à maneira como as atividades pedagógicas eram realizadas, como se dava a abordagem do conteúdo curricular e a utilização do material didático, que procedimentos de avaliação do rendimento dos alunos eram utilizados; as interações entre professora e alunos, além da forma como eram administradas as situações conflituosas e/ou inesperadas que ocorriam em sala de aula. Os dados obtidos a partir das conversas informais com a professora sobre a aula do dia, problemas dos alunos e suas dificuldades e o programa de aceleração da aprendizagem em si, foram considerados. Esses “bate - papos” ocorriam nos intervalos das atividades, no horário do recreio e no final das aulas. Mas essas conversas informais não aconteceram muitas
  • 12. 92 vezes, pois a professora estava sempre com pressa para sair ou, no horário do recreio, preferia ir tomar o seu lanche e com as outras professoras. Quanto ao questionário, a princípio não se previa a sua utilização, mas houve a necessidade de incluí-lo como procedimento de coleta de dados devido à impossibilidade da coordenadora pedagógica Irene (no período da primeira entrevista) da Escola II, conceder uma entrevista. Devido a uma série de afazeres e compromissos (naquele momento ela já ocupava o cargo de vice - diretora), não havia tempo disponível para realizar a entrevista e a própria coordenadora sugeriu à pesquisadora que fosse elaborado um questionário, o qual ela responderia em casa, nos seus momentos livres. O questionário aplicado (ver Anexo 1c) versou sobre: - a trajetória acadêmica e profissional da coordenadora pedagógica; - a caracterização da escola (clientela atendida, perfil do corpo docente e aspectos gerias do projeto político – pedagógico da escola); - o processo de implementação do projeto Classes de Aceleração, aos critérios utilizados para a composição das Classes de Aceleração e para a seleção do corpo docente na Escola II; - a avaliação da coordenadora pedagógica sobre o processo de capacitação dos envolvidos no projeto; - as dificuldades para se colocar em prática as diretrizes pedagógicas e metodológicas do projeto; - a avaliação sobre o projeto Classes de Aceleração; - o conceito de sucesso e os critérios a serem observados para que uma política educacional de superação do fracasso escolar possa ser bem - sucedida na prática docente.
  • 13. 93 Para melhor visualização da relação entre participantes, instituições a que pertencem e procedimentos de pesquisa a que foram submetidos, pode-se recorrer ao quadro explicativo abaixo: Quadro 2: Instituições, participantes e procedimentos de coleta de dados Procedimentos Participantes Instituição Entrevista Observação (nomes e funções) Questionário Individual Em grupo Participante • Ana, professora da Classe de X X Aceleração II; • Bianca, professora da Classe X Escola I de Aceleração I; • Célia, ex - professora da X Classe de Aceleração I • Elaine, professora da Classe X de Aceleração II, posteriormente coordenadora X X pedagógica; • Fernanda, professora da X Escola II Classe de Aceleração I; • Graça, professora da Classe X de Aceleração I; X • Heloísa, professora da Classe de Aceleração II; • Irene, coordenadora pedagógica, posteriormente vice - diretora • Júlia, Supervisora de Ensino; X Diretoria • Luciana, Assistente Técnico - Regional Pedagógico X de Ensino
  • 14. 94 Além das entrevistas e do questionário, utilizou-se a análise documental para que os dados obtidos, a partir de uma série de publicações oficiais relativas ao projeto de Aceleração , fossem analisadas. 15 Além dos documentos oficiais citados também foi possível ter acesso a questionários aplicados pela especialista Luciana da D.R.E, no decorrer do primeiro semestre de 2000, junto a 61 alunos egressos de Classes de Aceleração I e II de escolas da região. Da totalidade de respondentes, 44 alunos (72,13%) estavam cursando as 5 as séries e 17 alunos (27,87%) as 6as séries do Ensino Fundamental. A elaboração e aplicação desses questionários fez parte do processo de avaliação do projeto pela D.R.E. e as respostas dos alunos foram incluídas no conjunto de dados desta pesquisa como resultados do processo de análise documental. O questionário elaborado pela D.R.E. continha as seguintes perguntas: - Como se sentiu na Classe de Aceleração? - O que foi mais importante? - Quais as diferenças que percebe agora? - Neste ano, em qual (ou quais) disciplinas sente dificuldade e por quê? Vale enfatizar que os alunos respondentes são provenientes de diferentes escolas da região e estão identificados apenas pelo seus nomes, pelo nome da escola que freqüentam e pela série a que pertencem. Como não há menção ao nome da escola de onde os alunos são egressos, não é 15 Ensinar pra Valer!, Aprender pra Valer!; Reorganização da Trajetória Escolar no Ensino Fundamental: Classes de Aceleração - proposta pedagógica curricular (SÃO PAULO - Estado, 1997a), Reorganização da Trajetória Escolar no Ensino Fundamental: Classes de Aceleração: documento de implementação (SÃO PAULO - Estado, 1997b), Classes de Aceleração: orientações para capacitação de professores. (SÃO PAULO - Estado, 1999).
  • 15. 95 possível saber se nessa amostra existem alunos oriundos das Classes de Aceleração das Escolas I e II. O acesso às respostas dos alunos foi considerado valioso e a sua inclusão na análise dos dados deve ser considerada como uma oportunidade de se apresentar ao leitor uma visão do tipo de avaliação que alunos egressos de Classes de Aceleração fazem sobre a sua experiência nesse contexto. 4.3. A organização e a análise dos dados De acordo com LÜDKE e ANDRÉ (1986), a análise dos dados implica “trabalhar-se” todo o material obtido no decorrer da pesquisa. Num primeiro momento, todo o material deve ser dividido em partes, que são relacionadas entre si a partir de tendências e padrões relevantes e, num segundo momento, essas tendências e padrões são reavaliados, buscando-se possíveis relações e inferências em um nível de abstração cada vez mais elevado. Dessa forma, a totalidade dos dados, obtidos através das entrevistas e do questionário, das conversas informais e análise documental, foi submetida a um processo de organização e classificação de acordo com focos gerais de análise, os quais foram definidos no início do trabalho, mas que foram sendo complementados por focos mais específicos no decorrer do processo de pesquisa, sempre relacionados aos objetivos e problemas de pesquisa e baseados no referencial teórico. É necessário alertar ao leitor que, na apresentação e análise dos dados coletados por meio de entrevistas, não há a resposta de todas professoras em alguns focos de análise pois, como as entrevistas foram semi - estruturadas, alguns temas surgiram em um entrevista e não necessariamente em outras; no caso das entrevistas em grupo, a interferência da liderança grupal foi observada e também pode explicar o
  • 16. 96 fato de que na descrição e análise das entrevistas, alguns participantes sejam mais citados do que outros. Todas as respostas obtidas por meio das entrevistas junto às professoras das Escolas I e II e às especialistas da D.R.E., além do questionário aplicado à coordenadora da Escola II foram submetidas à Análise de Conteúdo, a qual pressupõe o aprofundamento da leitura dos dados de forma a ultrapassar os significados manifestos através da relação das estruturas semânticas (significantes) com as estruturas sociológicas (significados) dos enunciados (MINAYO, 1993). Nesse sentido, todas as respostas foram analisadas com o cuidado de não se limitar a análise apenas ao que estava aparente ou explícito no material, procurando-se o aprofundamento e o desvelamento das mensagens, das idéias implícitas e dimensões contraditórias dos assuntos discutidos. Foram considerados os termos, conceitos ou expressões mais freqüentemente utilizados. Com relação à observação da prática pedagógica da professora Ana, a determinação dos focos de análise basearam-se no referencial teórico e na classificação utilizada no estudo de SOUZA, VIÉGAS & BONADIO (1999) sobre a prática pedagógica de uma professora de Classe de Aceleração. Em síntese, os dados coletados durante a observação das aulas foram classificados de acordo com os seguintes focos: - caracterização da classe; - organização da rotina diária de trabalho; - metodologia de ensino e abordagem dos conteúdos; - avaliação da aprendizagem dos alunos; - incentivo à participação dos alunos; - clima de trabalho em sala de aula; - resgate da auto - estima dos alunos.
  • 17. 97 As respostas dos alunos egressos de Classes de Aceleração foram inicialmente organizadas a partir das questões originais e da classe a que o alunos pertenciam (ver Anexos 3a e 3b), mas no processo de análise foram consideradas em sua totalidade, sem separação por classes; posteriormente, foram submetidas aos preceitos da Análise de Conteúdo. Os resultados do processo de análise de dados serão apresentados nos próximos capítulos obedecendo-se à ordem em que foram coletados. Em primeiro lugar serão apresentados os resultados de análise de dados relativos às professoras da Escola I (capítulo 5); em seguida, os relativos às professoras e coordenadora pedagógica da Escola II (capítulo 6) e, logo após, os relativos às especialistas da Diretoria Regional de Ensino (capítulo 7). A análise das respostas dos questionários dos alunos egressos de Classes de Aceleração (capítulo 8) vêm em último lugar na ordem de apresentação, fechando o ciclo iniciado a partir da apresentação dos dados relativos às professoras da Escola I. Como é inerente à realização de pesquisas qualitativas, cada uma das etapas descritas não ocorreu de forma linear pois, além da necessidade de reformulação do planejamento inicial diante das situações imprevistas que surgiram ao longo do caminho, assim como “idas e vindas” constantes entre a coleta e a organização e análise dos dados. Ao longo deste capítulo deve ter sido possível perceber que o desenvolvimento desse estudo foi marcado por vários contratempos e percalços e que, nem sempre, foi possível realizar-se aquilo que se havia planejado a princípio. Alguns desses contratempos e imprevistos podem e devem ser considerados perfeitamente naturais e inerentes ao processo de desenvolvimento de uma pesquisa qualitativa, a qual envolve seres humanos e relações sociais complexas. No entanto, na opinião da pesquisadora, outros problemas surgiram devido a um possível desgaste existente nas relações entre
  • 18. 98 algumas escolas públicas e determinadas instituições de pesquisa, desgaste esse relacionado, em parte, a uma cultura escolar que busca resultados de curto prazo, o que vêm gerando graves conflitos ou mal – entendidos entre o que lhe interessa, em relação ao desenvolvimento de pesquisas educacionais, e o que efetivamente se pode oferecer, em termos dos achados dessas pesquisas. Mesmo diante de todas as dificuldades encontradas, a pesquisadora procurou-se manter uma atitude favorável à negociação e ao entendimento mútuo e, a todo momento, ponderava sobre aquilo que seria necessário e desejável para a realização da pesquisa nos moldes em que havia sido delineada e o que realmente seria possível realizar-se, em vista dos limites impostos pelas circunstâncias.
  • 19. 98 algumas escolas públicas e determinadas instituições de pesquisa, desgaste esse relacionado, em parte, a uma cultura escolar que busca resultados de curto prazo, o que vêm gerando graves conflitos ou mal – entendidos entre o que lhe interessa, em relação ao desenvolvimento de pesquisas educacionais, e o que efetivamente se pode oferecer, em termos dos achados dessas pesquisas. Mesmo diante de todas as dificuldades encontradas, a pesquisadora procurou-se manter uma atitude favorável à negociação e ao entendimento mútuo e, a todo momento, ponderava sobre aquilo que seria necessário e desejável para a realização da pesquisa nos moldes em que havia sido delineada e o que realmente seria possível realizar-se, em vista dos limites impostos pelas circunstâncias.
  • 20. 98 algumas escolas públicas e determinadas instituições de pesquisa, desgaste esse relacionado, em parte, a uma cultura escolar que busca resultados de curto prazo, o que vêm gerando graves conflitos ou mal – entendidos entre o que lhe interessa, em relação ao desenvolvimento de pesquisas educacionais, e o que efetivamente se pode oferecer, em termos dos achados dessas pesquisas. Mesmo diante de todas as dificuldades encontradas, a pesquisadora procurou-se manter uma atitude favorável à negociação e ao entendimento mútuo e, a todo momento, ponderava sobre aquilo que seria necessário e desejável para a realização da pesquisa nos moldes em que havia sido delineada e o que realmente seria possível realizar-se, em vista dos limites impostos pelas circunstâncias.