Cap´ıtulo 4Movimento diurno dos astrosO movimento diurno dos astros, de leste para oeste, ´e um reflexo do movi-mento de ro...
estrelas s˜ao arcos perpendiculares ao horizonte. Todas as estrelas doc´eu (dos dois hemisf´erios) podem ser vistas ao lon...
Horizontevisíveisnunca visíveisEstrelasZEstrelas sempre90−φφPEquadorFigura 4.2: Calotas circumpolares.23
24
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Astronomia e astrof´+¢sica parte 001

107 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
107
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Astronomia e astrof´+¢sica parte 001

  1. 1. Cap´ıtulo 4Movimento diurno dos astrosO movimento diurno dos astros, de leste para oeste, ´e um reflexo do movi-mento de rota¸c˜ao da Terra, de oeste para leste. Ao longo do dia, todos osastros descrevem no c´eu arcos paralelos ao Equador. A orienta¸c˜ao dessesarcos em rela¸c˜ao ao horizonte depende da latitude do lugar.Z Z=PSSN NL LOOZoLPSφ= 0latitude = 90latitude= φlatitudeLFigura 4.1: Movimento dos astros em diferentes latitudes.1. Nos p´olos (φ = ± 90◦): todas as estrelas do mesmo hemisf´erio doobservador permanecem 24 h acima do horizonte (n˜ao tˆem nascer nemocaso) e descrevem no c´eu c´ırculos paralelos ao horizonte. As estrelasdo hemisf´erio oposto nunca podem ser vistas.2. No equador (φ = 0◦): todas as estrelas nascem e se po˜em, perma-necendo 12h acima do horizonte e 12h abaixo dele. A trajet´oria das21
  2. 2. estrelas s˜ao arcos perpendiculares ao horizonte. Todas as estrelas doc´eu (dos dois hemisf´erios) podem ser vistas ao longo do ano.3. Em um lugar de latitude intermedi´aria: algumas estrelas tˆemnascer e ocaso, outras permanecem 24h acima do horizonte, outraspermanecem 24h abaixo do horizonte. As estrelas vis´ıveis descrevemno c´eu arcos com uma certa inclina¸c˜ao em rela¸c˜ao ao horizonte, a qualdepende da latitude do lugar.4.1 Fenˆomenos do movimento diurno4.1.1 Nascer e ocaso de um astroO nascer e o ocaso de um astro s˜ao os instantes em que ele aparece e de-saparece no horizonte, respectivamente. Nesses instantes, por defini¸c˜ao, aaltura do astro ´e zero, e sua distˆancia zenital ´e 90◦.4.1.2 Passagem meridiana de um astroChama-se passagem meridiana ao instante em que o astro cruza o meridi-ano local. Durante o seu movimento diurno, o astro realiza duas passagensmeridianas, ou duas culmina¸c˜oes: a culmina¸c˜ao superior, ou passagem meri-diana superior, ou ainda m´axima altura (porque, nesse instante, a altura doastro atinge o maior valor), e a passagem meridiana inferior, ou culmina¸c˜aoinferior. No instante da passagem meridiana superior, cumpre-se a seguinterela¸c˜ao entre z, δ e φ :z = ±(δ − φ)onde o sinal + vale se a culmina¸c˜ao ´e feita ao norte do zˆenite e o sinal − sea culmina¸c˜ao ´e feita ao sul do zˆenite.4.1.3 Estrelas circumpolaresEstrelas circumpolares s˜ao aquelas que n˜ao tˆem nascer nem ocaso, descre-vendo todo seu c´ırculo diurno acima do horizonte. Portanto, as estrelas cir-cumpolares fazem as duas passagens meridianas acima do horizonte. Parauma certa estrela com declina¸c˜ao δ ser circumpolar em um lugar de latitudeφ deve se cumprir a rela¸c˜ao:|δ| ≥ 90◦− |φ|com δ e φ de mesmo sinal. Se tal rela¸c˜ao se cumpre, mas δ e φ tˆem sinaiscontr´arios, a estrela ´e circumpolar num lugar de latitude −φ.22
  3. 3. Horizontevisíveisnunca visíveisEstrelasZEstrelas sempre90−φφPEquadorFigura 4.2: Calotas circumpolares.23
  4. 4. 24

×