JEFFERSON SOUZA
GUILHERME DONATO
RUBENS TOMITA
THIAGO ASSUMPÇÃO
ORIENTALISMO
O Oriente como invenção do OcidenteO Oriente ...
Edward Said
• Jerusalém/1935 – New York/2003
• Intelectual palestino, crítico literário e militante da causa Palestina
• P...
ACADÊMICA
ONTOLÓGICA/EPISTEMOLÓGICA
DISCURSO DE DOMINAÇÃO
DIMENSÕES DO CONCEITO
ORIENTALISTA
Seria um erro concluir que o Oriente era
essencialmente um ideia ou uma criação sem
uma realidade correspondente.
1
Não se...
A diferença entre:
CONHECIMENTO
PURO
CONHECIMENTO
POLÍTICO
Como podemos tratar o fenômeno cultural e histórico do orientalismo como
um tipo de obra humana induzida - e não um mero r...
METODOLÓGICA
A QUESTÃO
PESSOAL
A DIMENSÃO
Capa da edição original (1978) de Orientalismo, de Edward Said: detalhe de uma pintura do século XIX, The
Snake Charmer (“...
UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA
Instituto de Humanidades, Artes e Ciências
Estudos das Humanidades
Profª. Paula Gonzaga
Orientalismo
Orientalismo
Orientalismo
Orientalismo
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Orientalismo

428 visualizações

Publicada em

Seminário a partir do livro de Edwar Said - O Orientalismo com uma invenção do Ocidente

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

Orientalismo

  1. 1. JEFFERSON SOUZA GUILHERME DONATO RUBENS TOMITA THIAGO ASSUMPÇÃO ORIENTALISMO O Oriente como invenção do OcidenteO Oriente como invenção do Ocidente
  2. 2. Edward Said • Jerusalém/1935 – New York/2003 • Intelectual palestino, crítico literário e militante da causa Palestina • Professor nas Universidades de Columbia, Harvand, Johns Hopkins e Yale. • Seu texto, considerado um dos fundadores dos estudos pós-coloniais foi publicado inicialmente em 1978 e traduzido para 36 idiomas.
  3. 3. ACADÊMICA ONTOLÓGICA/EPISTEMOLÓGICA DISCURSO DE DOMINAÇÃO DIMENSÕES DO CONCEITO ORIENTALISTA
  4. 4. Seria um erro concluir que o Oriente era essencialmente um ideia ou uma criação sem uma realidade correspondente. 1 Não se deve nunca supor que a estrutura do orientalismo não passa de uma estrutura de mentiras ou de mitos que, caso fosse dita a verdade sobre eles, partiriam com o vento. 3 As ideias, culturas e histórias não podem ser estudadas sem que a sua configuração de poder também seja estudada. 2
  5. 5. A diferença entre: CONHECIMENTO PURO CONHECIMENTO POLÍTICO
  6. 6. Como podemos tratar o fenômeno cultural e histórico do orientalismo como um tipo de obra humana induzida - e não um mero raciocínio incondicionado - em toda a sua complexidade histórica, detalhe e valor sem ao mesmo tempo perder de vista a aliança entre o trabalho cultural, as tendências políticas e o estado, e as realidades específicas da dominação? Como foi que a filologia, a lexicografia, a história, a biologia, a teoria econômica e política, a criação de romances e a poesia lírica entraram para o serviço da visão amplamente imperialista que o orientalismo tem do mundo? Que mudanças, modulações, refinamentos e até revoluções têm lugar no interior do orientalismo? Qual é, neste contexto, o significado da originalidade, da continuidade, da individualidade? Como é que o orientalismo se transmite e reproduz de urna época para outra? Que outros tipos de energias intelectuais, estéticas, eruditas e culturais participaram da formação de urna tradição imperialista como a orientalista?? ? ? ? QUESTÕES POLÍTICAS COLOCADAS PELO ORIENTALISMO
  7. 7. METODOLÓGICA A QUESTÃO
  8. 8. PESSOAL A DIMENSÃO
  9. 9. Capa da edição original (1978) de Orientalismo, de Edward Said: detalhe de uma pintura do século XIX, The Snake Charmer (“O Encantador de Serpentes”, de Jean-Léon Gérôme
  10. 10. UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto de Humanidades, Artes e Ciências Estudos das Humanidades Profª. Paula Gonzaga

×