O Dois de Julho em Salvador

218 visualizações

Publicada em

Estudos da Contemporaneidade I

Publicada em: Educação
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
218
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

O Dois de Julho em Salvador

  1. 1. CULTURA e POLÍTICA: UNIVERSIDADE FEDERAL DA BAHIA Instituto de Humanidades, Artes e Ciências HACA01| Estudos da Contemporaneidade Prof. Angela Franco
  2. 2.  DANIELA Nascimento  PAULO Bassan  SARA Lacerda  TATIANE Mainart  THIAGO Assumpção
  3. 3. A RELAÇÃO De acordo com Gilroy (2001, p.129) “ [...] a arte se tornou a espinha dorsal das culturas políticas dos escravos e de sua história cultural. Ela continua a ser o meio pelo qual os militantes culturais ainda hoje se engajam em “resgatar críticas” do presente tanto pela mobilização de recordações do passado como pela intervenção de um estado passado imaginário que possa alimentar suas esperanças utópicas.”
  4. 4. ANTECEDENTES • Transferência da família real para o Brasil; • Revolução do Porto; • Junta Provisória; • Mudança do Comandante das Armas; • Morte de Joana Angélica; • Conflitos na capital e no Recôncavo Baiano - 25 de junho
  5. 5. PERSONAGENS HISTÓRICOS MARIA QUITÉRIA GENERAL LABATUT JOANA ANGÉLICA MARIA FELIPA LORDE COCHRANE JOÃO DAS BOTAS JOSÉ JOAQUIM DE LIMA E SILVA ANTÔNIO JOAQUIM PIRES DE CARVALHO
  6. 6. BATALHAS E EXPULSÃO • 14 de julho: D. Pedro envia Pedro Labatut para comandar o Exército Pacificador/Libertador. • O cerco à Capital de Província. • 7 de setembro: O Grito do Ipiranga. • 8 de novembro: A Batalha de Pirajá. • A Falsificação de moedas. • A ação dos inimigos internos. • Os negros em Salvador.
  7. 7. e a ABOLIÇÃO da ESCRAVATURA Dia 13 de maio em Santo Amaro Na Praça do Mercado Os pretos celebravam (Talvez hoje inda o façam) O fim da escravidão Da escravidão O fim da escravidão Tanta pindoba! Lembro do aluá Lembro da maniçoba Foguetes no ar Pra saudar Isabel Ô Isabé Pra saudar Isabé 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  8. 8. Bailes NO COMEÇO DO SÉCULO XX Festa de São Pedro A ordem das coisas Bando Anunciador Caixeiro Viajante, Operários e cavaleiros Sambas e Festas Elites Baianas, Estudantes de Medicina e o Nacional Enfeites Jogos Higiene Instituto Geográfico e Histórico da Bahia
  9. 9. Nas sociedades tradicionais, o passado é venerado e os símbolos são valorizados porque contêm e perpetuam a experiência de gerações. A tradição é um meio de lidar com o tempo e o espaço, inserindo qualquer atividade ou experiência particular na continuidade do passado, presente e futuro, os quais, por sua vez, são estruturados por práticas sociais recorrentes (Giddens, 1990, pp. 37-38)
  10. 10. O 2 de Julho acontece em cenário de clima junino e de Copa do Mundo 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  11. 11. 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte Tradição de decorar as casas para a passagem do Desfile
  12. 12. Manifestações Culturais Regionais do Recôncavo: Chicana de Saubara, Mulher da Barquinha e Capoeira 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  13. 13. Desfile de Figuras Históricas 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  14. 14. Uma vez que a identidade muda de acordo com a forma como o sujeito é interpelado ou representado, a identificação não é automática, mas pode ser ganhada ou perdida. Ela tornou-se politizada. (Hall,2006, p.21)
  15. 15. A Cabocla e o Caboclo 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  16. 16. Governador e Prefeito 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte Desfile de Políticos e seus Partidos
  17. 17. Os mesmos candidatos de sempre da direita 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  18. 18. Os mesmos candidatos de sempre da esquerda 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  19. 19. E o PT que não sabe o que é 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  20. 20. Deputado Estadual Sargento Pastor Isidoro Ex-Gay, Ex-Drogado, Ex-Bandido, Ex-HIV Positivo e seus pacientes de Candeias.
  21. 21. Militância Política
  22. 22. E hoje um batuque um batuque com a pureza de meninos uniformizados de escola secundária em dia de parada. E a grandeza épica de um povo em formação nos atrai, nos deslumbra e estimula. Não importa nada: Nem o traço do sobrado, nem a lente do fantástico, nem o disco de Paul Simon. Ninguém, ninguém é cidadão. (Haiti Caetano Veloso)
  23. 23. Bandas e Fanfarras
  24. 24. Balizas
  25. 25. Reinvindicação Salarial
  26. 26. O abismo social e a carnavalização da festa 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  27. 27. O Aeroporto é 2 de Julho 13 de Maio Música e Letra | Caetano Veloso CD Noites do Norte
  28. 28. A MARCHA DAS VADIAS • Apropriação de movimentos estrangeiros; • Surgimento Canadá; • Principais reivindicações; • Escolha do 2 de Julho
  29. 29. A MARCHA DAS VADIAS
  30. 30. A MARCHA DAS VADIAS
  31. 31. Então, vimos que a relação entre cultura e política está presente nas festividades do Dois de Julho por ser uma comemoração em constante evolução, que se transforma a cada ano, representa o civismo, enaltece a festa de uma independência que não chegou a todo seu povo. Trata-se de um cortejo extremamente popular e democrático, no qual os políticos se expõem abertamente e a utilizam, a cada dois anos, para lançar suas candidaturas. As manifestações de indignação, as críticas em tom irônico e as ofensas são toleradas nessa festa. Recentes formas de protesto foram incorporadas ao desfile. As particularidades dessa festa e sua dinâmica são uma grande representação do nosso povo festeiro e uma lição de tolerância, o que a torna preciosa e única.
  32. 32. REFERÊNCIAS BIBLIOGRÁFICAS • AMARAL, Bras Hemergenildo do. História da Independência na Bahia. Salvador: Progresso, 1957. • TAVARES, Luis Henrique Dias. História da Bahia. Salvador: EDUFBA, 2001. • CHAUÍ, Marilena. Cidadania cultural: o direito à cultura. São Paulo: Editora Fundação Perseu Abramo, 2006. • http://www1.folha.uol.com.br/cotidiano/ribeiraopreto/2013/09/1349044-marcha-das- vadias-tem-seios-a-mostra-e-protesto-em-igreja-em-ribeirao.shtml acessado em 23/07/14 http://ensopadosdahistoria.blogspot.com.br/2011/05/marcha-das-vadias-o-movimento- anti.html acessado em 23/07/14 • RUBIM, Antônio Albino Canelas. Políticas Culturais: entre o possível e o impossível. Trabalho apresentado no II ENECULT. Encontro de Estudos Multidisciplinares em Cultura, realizado de 03 a 05 de maio de 2006, na Faculdade de Comunicação/UFBa,Salvador- Bahia-Brasil .
  33. 33. OBRIGADO

×