SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 8
Grupo: Thiago Vieira, Matheus Mendes,
Emilcon Neto, Thiago Firmo e Luiz Gustavo
Nós falaremos hoje da importância da mulher na
sociedade moderna, mas antes vamos citar
algumas mulheres, que apesar de viverem em
uma época muito machista, conseguiram fazer
diferença e hoje são exemplos para mulheres
lutarem por seus direitos
Joana Angélica era filha de José Tavares de
Almeida e sua esposa, Catarina Maria da Silva.
Aos vinte anos de idade, dia 21 de abril de 1782,
entrou para o noviciado no Convento de Nossa
Senhora da Conceição da Lapa, em Salvador,
nossa cidade. Ali foi escrivã, mestra de noviças,
conselheira, vigária e, finalmente, abadessa.
Desenho de Joana
Angélica
“Para trás, bandidos. Respeitem a Casa de Deus. Recuai, só penetrareis nesta
Casa passando por sobre o meu cadáver.”
Abrindo os braços, num gesto comovente, tenta impedir que os invasores passem.
É, então, assassinada a golpes de baioneta - penetrando no sagrado recinto, onde
encontram apenas o velho capelão, Padre Daniel da Silva Lisboa - a quem
espancam a golpes de coronhas, deixando-o como morto.
Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela
Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon,
popularmente conhecida como princesa Isabel nasceu
em Rio de Janeiro, 29 de julho de 1846 e morreu em,
Eu, França, 14 de novembro de 1921.
A princesa Isabel foi também a primeira senadora do
Brasil, cargo a que tinha direito como herdeira do
trono a partir dos 25 anos de idade conforme a
Constituição de 1824
Pintura de
Princesa Isabel
Insley Pacheco (1830-1912)
Liberal, a princesa uniu-se aos partidários da abolição da escravidão. Apoiou jovens
políticos e artistas, embora muitos dos chamados abolicionistas estivessem aliados
ao incipiente movimento republicano. Financiava a alforria de ex-escravos com seu
próprio dinheiro e apoiava a comunidade do Quilombo do Leblon.
Em 13 de maio de 1888, num domingo, aconteceram as últimas votações de um
projeto de abolição total. Certa da vitória, a regente desceu de Petrópolis, cidade
serrana, para aguardar no Paço Imperial o momento de assinar a Lei Áurea. Usou
uma pena de ouro especialmente confeccionada para a ocasião.
Annelies Marie Frank, mais conhecida como Anne Frank
nasceu em Frankfurt am Main, 12 de Junho de 1929 e
morreu em Bergen-Belsen, Março de 1945, foi uma
adolescente alemã de origem judaica, vítima do
Holocausto, que morreu aos quinze anos de idade em
um campo de concentração.
Ela se tornou mundialmente famosa com a publicação
póstuma de seu Diário, no qual escrevia as experiências
do período em que sua família se escondeu da
perseguição aos judeus dos Países Baixos.
O conjunto de relatos, que recebeu o nome de Diário de
Anne Frank, foi publicado pela primeira vez em 1947 e é
considerado um dos livros mais importantes do século
XX.
Anne Frank por
S.J de Braye
“Apesar de tudo eu ainda creio na bondade humana”
Permanece o poder patriarcal na família, mas a mulher das
camadas populares foi submetida ao trabalho fabril.
No século XVIII o abandono do lar pela mães que trabalhavam
nas fábricas levou a sérias consequências para a vida das
crianças. A desestruturação dos laços familiar, das camadas
trabalhadoras e os vícios decorrentes do ambiente de trabalho
promíscuo fez crescer os conflitos sociais.
A revolução industrial incorporou o trabalho da mulher no
mundo da fábrica, separou o trabalho doméstico do trabalho
remunerado fora do lar. A mulher foi incorporada
subalternamente ao trabalho fabril. Em fases de ampliação da
produção se incorporava a mão-de-obra feminina junto à
masculina, nas fases de crise substituía-se o trabalho
masculino pelo trabalho da mulher, porque o trabalho da
mulher era mais barato.
Hoje, as mulheres ocupam espaços que antes era
apenas exercido por homens, o trabalho da
mulher continua sendo menor remunerado do
que o dos homens mas, hoje já existem políticas
que proíbem o abuso do trabalho feminino. Hoje
as mulheres tem proteção pela lei e conseguem
“viver sem um marido”, já que podem sustentar.
Só explicando as aspas, é que ninguém vive sem
amor :3

Mais conteúdo relacionado

Destaque

Destaque (9)

Apresentação dia da mulher
Apresentação dia da mulherApresentação dia da mulher
Apresentação dia da mulher
 
Palestra Dia Internacional Mulher
Palestra  Dia Internacional Mulher Palestra  Dia Internacional Mulher
Palestra Dia Internacional Mulher
 
A importancia da auto estima na mulher graça
A importancia da auto estima na mulher  graçaA importancia da auto estima na mulher  graça
A importancia da auto estima na mulher graça
 
Palestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheresPalestras motivacionais para mulheres
Palestras motivacionais para mulheres
 
Palestra dia Internacional da Mulher
Palestra dia Internacional da MulherPalestra dia Internacional da Mulher
Palestra dia Internacional da Mulher
 
A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.A mulher na sociedade.
A mulher na sociedade.
 
Auto Estima
Auto EstimaAuto Estima
Auto Estima
 
Autoestima
AutoestimaAutoestima
Autoestima
 
Homenagem ao dia internacional da mulher apresentação
Homenagem ao dia internacional da mulher   apresentaçãoHomenagem ao dia internacional da mulher   apresentação
Homenagem ao dia internacional da mulher apresentação
 

Semelhante a Trabalho de redação

Preconceito contra a Mulher
Preconceito contra a MulherPreconceito contra a Mulher
Preconceito contra a Mulhercarolpixel
 
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdfAula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdfNomedenome
 
Mulher na sociedade brasileira
Mulher na sociedade brasileiraMulher na sociedade brasileira
Mulher na sociedade brasileiraid080790
 
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURALCONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURALCoordTic
 
2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanas2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanasO Ciclista
 
Texto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembroTexto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembromarinathebaldi
 
Estereótipos de género
Estereótipos de géneroEstereótipos de género
Estereótipos de géneroCarla Teixeira
 
Estereótipos de género
Estereótipos de géneroEstereótipos de género
Estereótipos de géneroCarla Teixeira
 
Estereótipos de género
Estereótipos de géneroEstereótipos de género
Estereótipos de géneroCarla Teixeira
 
O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900)
O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900) O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900)
O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900) Emerson Mathias
 
As novas mulheres (a Era do Império) Eric Hobsbawm
As novas mulheres (a Era do Império) Eric HobsbawmAs novas mulheres (a Era do Império) Eric Hobsbawm
As novas mulheres (a Era do Império) Eric HobsbawmPatricia de Portugal
 
Séculos XIV e XV - Perseguições
Séculos XIV e XV - Perseguições Séculos XIV e XV - Perseguições
Séculos XIV e XV - Perseguições Juliana
 
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilAula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilDarlene Cesar
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiWAGNER OLIVEIRA
 

Semelhante a Trabalho de redação (20)

Preconceito contra a Mulher
Preconceito contra a MulherPreconceito contra a Mulher
Preconceito contra a Mulher
 
A marca do batom
A marca do batomA marca do batom
A marca do batom
 
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdfAula - Protagonismo Feminino na História.pdf
Aula - Protagonismo Feminino na História.pdf
 
Mulher na sociedade brasileira
Mulher na sociedade brasileiraMulher na sociedade brasileira
Mulher na sociedade brasileira
 
Anália franco
Anália francoAnália franco
Anália franco
 
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURALCONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
CONFERÊNCIA SOBRE A MULHER NO CONTEXTO (MULTI)CULTURAL
 
Mary wollstonecraft 11 a
Mary wollstonecraft 11 aMary wollstonecraft 11 a
Mary wollstonecraft 11 a
 
21 mulheres (1)
21 mulheres (1)21 mulheres (1)
21 mulheres (1)
 
2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanas2011 07-27 - mulheres republicanas
2011 07-27 - mulheres republicanas
 
Texto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembroTexto para apresentação seminário 19 de setembro
Texto para apresentação seminário 19 de setembro
 
Estereótipos de género
Estereótipos de géneroEstereótipos de género
Estereótipos de género
 
Estereótipos de género
Estereótipos de géneroEstereótipos de género
Estereótipos de género
 
Estereótipos de género
Estereótipos de géneroEstereótipos de género
Estereótipos de género
 
O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900)
O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900) O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900)
O IMAGINÁRIO NO PROCESSO DE RACIALIZAÇÃO, ESCRAVIDÃO/ABOLIÇÃO (1880 – 1900)
 
Apresentação 12.pdf
Apresentação 12.pdfApresentação 12.pdf
Apresentação 12.pdf
 
As novas mulheres (a Era do Império) Eric Hobsbawm
As novas mulheres (a Era do Império) Eric HobsbawmAs novas mulheres (a Era do Império) Eric Hobsbawm
As novas mulheres (a Era do Império) Eric Hobsbawm
 
Séculos XIV e XV - Perseguições
Séculos XIV e XV - Perseguições Séculos XIV e XV - Perseguições
Séculos XIV e XV - Perseguições
 
Mulher (blog)
Mulher (blog)Mulher (blog)
Mulher (blog)
 
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no BrasilAula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
Aula 19 - Grandes vultos do espiritismo no Brasil
 
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxiMulher do século xx vs mulher do século xxi
Mulher do século xx vs mulher do século xxi
 

Mais de Thiago Vieira

A vida e os ensinamentos de Jesus
A vida e os ensinamentos de JesusA vida e os ensinamentos de Jesus
A vida e os ensinamentos de JesusThiago Vieira
 
Lesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e ContusãoLesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e ContusãoThiago Vieira
 
Lesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e ContusãoLesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e ContusãoThiago Vieira
 
Trabalho de matemática
Trabalho de matemáticaTrabalho de matemática
Trabalho de matemáticaThiago Vieira
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloThiago Vieira
 

Mais de Thiago Vieira (7)

A vida e os ensinamentos de Jesus
A vida e os ensinamentos de JesusA vida e os ensinamentos de Jesus
A vida e os ensinamentos de Jesus
 
Tigres asiaticos
Tigres asiaticosTigres asiaticos
Tigres asiaticos
 
Lesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e ContusãoLesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e Contusão
 
Lesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e ContusãoLesão Entorse Fratura e Contusão
Lesão Entorse Fratura e Contusão
 
Trabalho de matemática
Trabalho de matemáticaTrabalho de matemática
Trabalho de matemática
 
Poema
PoemaPoema
Poema
 
Invertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia MelloInvertebrados - por Fabia Mello
Invertebrados - por Fabia Mello
 

Trabalho de redação

  • 1. Grupo: Thiago Vieira, Matheus Mendes, Emilcon Neto, Thiago Firmo e Luiz Gustavo
  • 2. Nós falaremos hoje da importância da mulher na sociedade moderna, mas antes vamos citar algumas mulheres, que apesar de viverem em uma época muito machista, conseguiram fazer diferença e hoje são exemplos para mulheres lutarem por seus direitos
  • 3. Joana Angélica era filha de José Tavares de Almeida e sua esposa, Catarina Maria da Silva. Aos vinte anos de idade, dia 21 de abril de 1782, entrou para o noviciado no Convento de Nossa Senhora da Conceição da Lapa, em Salvador, nossa cidade. Ali foi escrivã, mestra de noviças, conselheira, vigária e, finalmente, abadessa. Desenho de Joana Angélica “Para trás, bandidos. Respeitem a Casa de Deus. Recuai, só penetrareis nesta Casa passando por sobre o meu cadáver.” Abrindo os braços, num gesto comovente, tenta impedir que os invasores passem. É, então, assassinada a golpes de baioneta - penetrando no sagrado recinto, onde encontram apenas o velho capelão, Padre Daniel da Silva Lisboa - a quem espancam a golpes de coronhas, deixando-o como morto.
  • 4. Isabel Cristina Leopoldina Augusta Micaela Gabriela Rafaela Gonzaga de Bragança e Bourbon, popularmente conhecida como princesa Isabel nasceu em Rio de Janeiro, 29 de julho de 1846 e morreu em, Eu, França, 14 de novembro de 1921. A princesa Isabel foi também a primeira senadora do Brasil, cargo a que tinha direito como herdeira do trono a partir dos 25 anos de idade conforme a Constituição de 1824 Pintura de Princesa Isabel Insley Pacheco (1830-1912) Liberal, a princesa uniu-se aos partidários da abolição da escravidão. Apoiou jovens políticos e artistas, embora muitos dos chamados abolicionistas estivessem aliados ao incipiente movimento republicano. Financiava a alforria de ex-escravos com seu próprio dinheiro e apoiava a comunidade do Quilombo do Leblon. Em 13 de maio de 1888, num domingo, aconteceram as últimas votações de um projeto de abolição total. Certa da vitória, a regente desceu de Petrópolis, cidade serrana, para aguardar no Paço Imperial o momento de assinar a Lei Áurea. Usou uma pena de ouro especialmente confeccionada para a ocasião.
  • 5. Annelies Marie Frank, mais conhecida como Anne Frank nasceu em Frankfurt am Main, 12 de Junho de 1929 e morreu em Bergen-Belsen, Março de 1945, foi uma adolescente alemã de origem judaica, vítima do Holocausto, que morreu aos quinze anos de idade em um campo de concentração. Ela se tornou mundialmente famosa com a publicação póstuma de seu Diário, no qual escrevia as experiências do período em que sua família se escondeu da perseguição aos judeus dos Países Baixos. O conjunto de relatos, que recebeu o nome de Diário de Anne Frank, foi publicado pela primeira vez em 1947 e é considerado um dos livros mais importantes do século XX. Anne Frank por S.J de Braye “Apesar de tudo eu ainda creio na bondade humana”
  • 6. Permanece o poder patriarcal na família, mas a mulher das camadas populares foi submetida ao trabalho fabril. No século XVIII o abandono do lar pela mães que trabalhavam nas fábricas levou a sérias consequências para a vida das crianças. A desestruturação dos laços familiar, das camadas trabalhadoras e os vícios decorrentes do ambiente de trabalho promíscuo fez crescer os conflitos sociais. A revolução industrial incorporou o trabalho da mulher no mundo da fábrica, separou o trabalho doméstico do trabalho remunerado fora do lar. A mulher foi incorporada subalternamente ao trabalho fabril. Em fases de ampliação da produção se incorporava a mão-de-obra feminina junto à masculina, nas fases de crise substituía-se o trabalho masculino pelo trabalho da mulher, porque o trabalho da mulher era mais barato.
  • 7. Hoje, as mulheres ocupam espaços que antes era apenas exercido por homens, o trabalho da mulher continua sendo menor remunerado do que o dos homens mas, hoje já existem políticas que proíbem o abuso do trabalho feminino. Hoje as mulheres tem proteção pela lei e conseguem “viver sem um marido”, já que podem sustentar.
  • 8. Só explicando as aspas, é que ninguém vive sem amor :3