Estados nacionais e absolutismo

4.034 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
0 comentários
3 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
4.034
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
1.218
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
3
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Estados nacionais e absolutismo

  1. 1. ESTADOS NACIONAIS E ABSOLUTISMO www.thiagohmlopes.blogspot.com
  2. 2. ORIGENS:ORIGENS: ⇒ Dentro do contexto dos Renascimentos Comercial e Urbano (séculos XIII – XIV), a BurguesiaBurguesia modificou parte das relações sociais existentes na Europa, corroendo as velhas relações derelações de suserania e vassalagemsuserania e vassalagem, formando alianças com os nobres mais poderosos (reis). ⇒ Tais relações já estavam comprometidas desde antes, em algumas regiões, como na InglaterraInglaterra (rei João “Sem-Terra” - 1215João “Sem-Terra” - 1215), devido a união do poderio dos vassálico, deixando o rei (suserano) como um nobre comum.
  3. 3. ⇒ As duas partes, burguesia e reis, possuíam interesses diferentes, mas que somente seriam alcançados pelo intermédio da outra parte. ⇒ Os burgueses buscavam a unificação das moedas e dosunificação das moedas e dos impostosimpostos, possibilitando maiores ganhos e lucros nas atividades comerciais. ⇒ Os monarcas buscavam ampliar a quantidade de súditos e oampliar a quantidade de súditos e o recolhimento de impostosrecolhimento de impostos, além da formação de um exércitoformação de um exército permanentepermanente que garantisse sua autoridade no território nacional, suprimindo possíveis vassalos rebeldes e submetendo grupos com mesmo idioma, origens e costumes.
  4. 4. PRIMEIROS ESTADOS NACIONAIS EUROPEUS:PRIMEIROS ESTADOS NACIONAIS EUROPEUS: ⇒ Portugal:Portugal: Separação de Castela por intermédio de D. AfonsoD. Afonso HenriquesHenriques, implantando a dinastia de BorgonhaBorgonha (1139), e aliança burguesa após a Revolução de AvisRevolução de Avis (1383), devido a morte de D. Fernando I e a disputa entre Dona Leonor Teles (viúva) e D. João I (irmão). ⇒ França e Inglaterra:França e Inglaterra: A Guerra dos Cem AnosGuerra dos Cem Anos estabeleceu as fronteiras entre as duas nações, além de enterrar as relações de suserania e vassalagem, devido a disputa pela região dos Flandres. ⇒ Espanha:Espanha: União das coroas de Castela e Aragão com o casamento dos reis Isabel e FernãoIsabel e Fernão, os Reis CatólicosReis Católicos, além de aliança com burgueses para fortalecimento do exército para a reconquista definitiva de GranadaGranada, expulsando os últimos árabes da península ibérica.
  5. 5. Afonso Henriques e D. João I,Afonso Henriques e D. João I, patronos da formação de Portugal.patronos da formação de Portugal. Isabel de Castela e Fernão deIsabel de Castela e Fernão de Aragão, os Reis Católicos daAragão, os Reis Católicos da Espanha.Espanha.
  6. 6. ABSOLUTISMO:ABSOLUTISMO: ⇒ Para os novos modelos estatais criados, uma nova ideologia surgiu, defendendo a concentração de poderes nas mãos dosdefendendo a concentração de poderes nas mãos dos monarcasmonarcas, marcando o período conhecido como Idade Moderna. ⇒ Poder absoluto não é exclusividade da modernidade, pois o despotismo remonta exemplos da Antiguidade, mas tal tipo de concentração coincide com o pré-capitalismo, mercantilismopré-capitalismo, mercantilismo ou capitalismo comercialou capitalismo comercial, garantindo especificidades históricas únicas ao contexto dos séculos XVI e XVIII. ⇒ Tal concentração de poderes é sintetizada na célebre frase do rei francês Luís XIVLuís XIV, sutilmente chamado de o “Rei Sol”“Rei Sol”: “L’État c’est moi”“L’État c’est moi” (O Estado sou eu).
  7. 7. HÁBITOS E RITUAIS DA NOBREZA:HÁBITOS E RITUAIS DA NOBREZA: ⇒As regras de etiquetaregras de etiqueta faziam parte dos rituais das cortes absolutistas, sendo apresentadas como um conhecimento pertencente apenas aos nobres e reis, não acessível aos demais grupos sociais, como os burgueses, camponeses e servos. Estas regras de etiqueta eram necessárias para saber como se comportar em festas e jantares reais, englobando a forma de dançar, como se apresentar em público com os gestos adequados, como se portar à mesa de jantar e como se vestir. ⇒Participar destas cerimônias requintadas era a garantia deParticipar destas cerimônias requintadas era a garantia de prestígio social e de um sentimento de honra.prestígio social e de um sentimento de honra. O estilo de vida, os hábitos, os rituais e os privilégios eram baseados em uma tradição secular e garantiam a superioridade social em relação aos demais grupos sociais do país. Por meio dos códigos de etiqueta, os nobres mostravam o seu poder.
  8. 8. ESTRUTURA ECONÔMICA MERCANTILISTA/ABSOLUTISTA:ESTRUTURA ECONÔMICA MERCANTILISTA/ABSOLUTISTA:
  9. 9. TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO:TEÓRICOS DO ABSOLUTISMO: ⇒ Jean Bodin (1530 – 1596) e Jacques Bossuet (1627 – 1704):Jean Bodin (1530 – 1596) e Jacques Bossuet (1627 – 1704): Indivisibilidade do poder realIndivisibilidade do poder real; o monarca não pode compartilhar sua soberania com ninguém, sendo a autoridade suprema da nação. Teoria do Direito DivinoTeoria do Direito Divino; o monarca era eleito pela providência divina, nenhum súdito poderia desacatar esse autoridade sem desrespeitar Deus conjuntamente. ⇒ Thomas Hobbes (1588 – 1679):Thomas Hobbes (1588 – 1679): Analisa a alma humana como naturalmente má, capaz de promover a auto-destruição (“O homem“O homem é o lobo do homem”é o lobo do homem”). De acordo com esse ponto de vista defende a existência de um Estado forte, autoritário, capaz de controlar seus subordinados afim de evitar a selvageria. ⇒ Nicolau Maquiavel (1469 – 1527):Nicolau Maquiavel (1469 – 1527): Criou manuais para os príncipes florentinos e franceses, orientando um comportamento fora dos velhos padrões morais e religiosos, defendendo o pragmatismo do “melhor ser temido do que amadomelhor ser temido do que amado”.

×