Eco 111 - Aula 07

383 visualizações

Publicada em

Apresentação da Aula 07 da disciplina Plano de Negócios da Escola de Extensão do Instituto de Economia da UNICAMP, para os cursos de Estratégia Empresarial e Economia Financeira.
Apresentação preparada pelo Professor Giancarlo Ciola.

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Eco 111 - Aula 07

  1. 1. ANÁLISE DA VIABILIDADE ECONÔMICA E FINANCEIRA DO PROJETO• A demonstração da viabilidade do negócio tem como objetivo principal determinar previamente os resultados que se esperam, os limites e as condições de retorno e de riscos do empreendimento, bem como seu potencial de crescimento no mercado
  2. 2. A análise da viabilidade do projeto deverá basear-se em:• I. Volume de Vendas de Produtos (Bens e/ou Serviços) – Requisitos básicos: i) Projeções de vendas; e ii) Formação de preços unitários.• II. Montantes de Custos Operacionais e Totais – Requisitos básicos: i) Especificações de custos unitários para produção, vendas e distribuição de produtos; e ii) Especificação custos relacionados à estrutura organizacional que sustenta e apóia as atividades diretas.
  3. 3. A análise da viabilidade do projeto deverá basear-se em:• III. Resultados Econômicos Esperados, tendo em vista o volume de operações previsto – Requisito básico: demonstrativos de receitas e custos para os produtos e para o conjunto do projeto.• IV. Montantes e Fontes dos Recursos Financeiros projetados para os Investimentos em Capital Fixo e Capital de Giro – Requisitos básicos: i) Definição dos processos básicos e auxiliares; ii) Definição do padrão tecnológico (da base técnica), do padrão organizacional, especificação das instalações, máquinas, equipamentos, etc., iii) especificação das condições comerciais de compra e venda, etc.
  4. 4. A análise da viabilidade do projeto deverá basear-se em:• V. Montantes de Entradas e Saídas de Caixa – Requisito básico: projeção dos prazos de pagamentos dos custos, dos prazos de desembolso efetivo de investimentos e dos prazos de recebimento das receitas.• Estas cifras permitem a determinação de todos indicadores mais importantes para a avaliação prévia do empreendimento (potencial de crescimento, condições de formação de custos e preços, estrutura de capital, potencial lucrativo, capacidade de geração de caixa)
  5. 5. TAXA DE LUCRO• É o indicador estratégico mais importante de qualquer empreendimento
  6. 6. Como eu chego na Taxa ? de lucro
  7. 7. SIGNIFICADO DAS GRANDEZAS• CUSTOS FIXOS: O montante de gastos com custos fixos está relacionado à decisões quanto ao padrão tecnológico utilizado e à estrutura administrativa da empresa.• CUSTOS VARIÁVEIS UNITÁRIOS: – gastos com insumos materiais e energéticos; – salários e encargos da mão-de-obra direta; – serviços produtivos fornecidos por terceiros. – Estes gastos dizem respeito, portanto, às decisões relativas à engenharia ou ao projeto do produto e dos processos de produção; às relações estabelecidas com fornecedores de insumos materiais e energéticos; às relações estabelecidas com os trabalhadores diretos da empresa, tais como políticas salariais, de qualificação e/ou incentivo ao desenvolvimento das habilidades técnicas produtivas e decisões que afetam outras esferas da gestão empresarial.
  8. 8. SIGNIFICADO DAS GRANDEZAS• QUANTIDADE PRODUZIDA: relacionada diretamente com as políticas e estratégias de produção e políticas e estratégias de estocagem de insumos materiais, componentes, partes, submontagens e produtos acabados, que afetam a dinâmica do sistema de produção utilizado.• QUANTIDADE VENDIDA E PREÇO DE VENDA: relacionam-se com a política de custeio unitário dos produtos, ao grau de autonomia para fixação do preço de venda, que, por sua vez, depende da estrutura de mercado onde atua a empresa, bem como da sua particular forma de inserção neste mercado e do padrão de concorrência que ali vigore.
  9. 9. SIGNIFICADO DAS GRANDEZAS• CAPITAL FIXO: o montante, o padrão e a composição do Capital Fixo utilizado na unidade produtiva têm relação com a capacidade de investimento em inovações técnicas; com o grau de exigência do mercado quanto ao padrão tecnológico e com o ritmo de obsolescência do "mix" tecnológico utilizado.• CAPITAL CIRCULANTE: depende das decisões de políticas e estratégias relacionadas aos prazos de entradas e saídas de caixa, bem como ao volume de recursos aplicados em estoques , resultante ao sistema de produção adotado.
  10. 10. GANHOS EM VOLUME OU GANHOS UNITÁRIOS
  11. 11. DETERMINAÇÃO DA RECEITA TOTAL• Ponto de partida: – Plano Anual de Vendas: previsão do volume vendido de cada produto, no período de planejamento • Em geral, 5 anos, com demonstrativos mensais para o primeiro ano, trimestrais para o segundo e anuais para os demais) – Preços de venda unitários
  12. 12. DETERMINAÇÃO DA RECEITA TOTAL• Expressão da Receita Total: RT = ∑ (Qijk * PVijk)• Onde: produto i, na região j, no cliente k• Quantidade vendida: – Fatores internos: forma de inserção do empreendimento no mercado, curva de utilização da capacidade produtiva instalada – Fatores externos: taxa de crescimento do PIB, do mercado específico, etc.
  13. 13. • Preço unitário de venda – A partir dos custos primários (variáveis ou diretos de produção) e do “mark up” médio do setor de atividade, ou – Estabelecido pela empresa a partir de um sistema de custeio, ou – Definido pelo mercado: valores utilizados para produtos ou serviços semelhantes pelos concorrentes já estabelecidos
  14. 14. DETERMINAÇÃO DOS CUSTOS TOTAIS• Expressão Geral: CT = CFT + CVT
  15. 15. Determinação dos Custos Variáveis unitários
  16. 16. Determinação dos Custos Variáveis unitários
  17. 17. Determinação dos Custos Variáveis unitários
  18. 18. Determinação dos Custos Variáveis unitários
  19. 19. Determinação dos Custos Fixos Totais
  20. 20. Atividade 8• Determinação dos Custos Totais do projeto (custos fixos e variáveis) e das quantidades previstas para venda (para posterior determinação da Receita Total Prevista)

×