HUMANISMO RENASCENTISTA
Gil Vicente
MUNDÃO
Gutenberg – Revolução da escrita
Copérnico – Heliocentrismo
Galileu Galilei – Leis da Física
Leonardo Da Vinci – O ...
-ANTROPOCENTRISMO
-LIBERDADE INTELECTUAL X ESCOLÁSTICA
-VALORIZAÇÃO DO HOMEM E DA NATUREZA
-ESPECULAÇÃO RACIONAL
-RETORNO ...
PORTUGAL
 Expansões Marítimas (Dinastia de Avis – 1385-1580)
 Fernão Lopes (1380-1460) – Guarda-Mor da Torre do Tombo
– ...
TEATRO VICENTINO
 Gêneros originários na Idade Média, mas com
influências da Antiguidade Clássica.
 Economia nos cenário...
RIDENDO, CASTIGAT MORES (RINDO,
CASTIGA-SE OS COSTUMES)
 Os tipos alegóricos: O clérigo corrupto, a
alcoviteira, o escude...
FARSA DE INÊS PEREIRA
 LIANOR: Não queirais ser tão senhora.
 Casa, filha, que te preste,
 Não percas a ocasião.
 Quer...
FARSA DE INÊS PEREIRA
 Personagens:
 Inês Pereira
 Mãe de Inês
 Leonor Vaz
 Pero Marques
 Latão e Vidal
 Brás da Ma...
FARSA DE INÊS PEREIRA
 ESCUDEIRO Que farei, que o sapateiro
 Não tem solas nem tem pele?
 MOÇO Sapatos me daria ele,
 ...
AUTO DA BARCA DO INFERNO – AUTO DE
MORALIDADE
 Personagens:
 Fidalgo
 Onzeneiro
 Sapateiro
 Joane, o parvo
 Frade
 ...
O AUTO DA BARCA DO INFERNO
 DIABO Em que esperas ter guarida?
 FIDALGO Que leixo na outra vida
 quem reze sempre por mi...
AUTO DA BARCA DO INFERNO
 O parvo como homem do povo e ingênuo.
Alegoricamente representa a volta ao cristianismo
primiti...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

características humanismo e Gil Vicente

537 visualizações

Publicada em

Humanismo/Literatura

Publicada em: Educação
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
537
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
11
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

características humanismo e Gil Vicente

  1. 1. HUMANISMO RENASCENTISTA Gil Vicente
  2. 2. MUNDÃO Gutenberg – Revolução da escrita Copérnico – Heliocentrismo Galileu Galilei – Leis da Física Leonardo Da Vinci – O Homem Vitruviano Na literatura Francesco Petrarca Dante Alighieri Bocaccio
  3. 3. -ANTROPOCENTRISMO -LIBERDADE INTELECTUAL X ESCOLÁSTICA -VALORIZAÇÃO DO HOMEM E DA NATUREZA -ESPECULAÇÃO RACIONAL -RETORNO À ANTIGUIDADE
  4. 4. PORTUGAL  Expansões Marítimas (Dinastia de Avis – 1385-1580)  Fernão Lopes (1380-1460) – Guarda-Mor da Torre do Tombo – Crônicas de Reis (D. Pedro, D. Fenando e D. João)  Garcia de Resende (1470-1536) – Cancioneiro Geral – Poesia Palaciana de gênero lírico e satírico.  Gil Vicente (1465-1537) – Poeta e Teatrólogo – Auto da barca do inferno, Auto da Índia, Monólogo do vaqueiro, Farsa de Inês Pereira...
  5. 5. TEATRO VICENTINO  Gêneros originários na Idade Média, mas com influências da Antiguidade Clássica.  Economia nos cenários e figurinos.  Combate aos homens que fazem a igreja, não à igreja.  Humanismo: pela volta do cristianismo à suas raízes. (Autos Pastoris – Influência de Juan del Encina)  Personagens representados por tipos.  Escrito em Português e Castelhano, em redondilhas menores e maiores.
  6. 6. RIDENDO, CASTIGAT MORES (RINDO, CASTIGA-SE OS COSTUMES)  Os tipos alegóricos: O clérigo corrupto, a alcoviteira, o escudeiro pobre, o sapateiro, o judeu, o fidalgo pobre.  Crítica à burguesia ascendente, às classes decadentes da aristocracia e ao clero corrupto.  Fugere urbem – Busca pela tranquilidade. A procura do catolicismo primitivo remonta ao epicurismo.
  7. 7. FARSA DE INÊS PEREIRA  LIANOR: Não queirais ser tão senhora.  Casa, filha, que te preste,  Não percas a ocasião.  Queres casar a prazer  No tempo d.agora, Inês?  Antes casa, em que te pês,  Que não é tempo d.escolher.  Sempre eu ouvi dizer:  «Ou seja sapo ou sapinho,  Ou marido ou maridinho,  Tenha o que houver mister.»  Este é o certo caminho.  MÃE: Pardeus, amiga, essa é ela!  «Mata o cavalo de sela  E bom é o asno que me leva».
  8. 8. FARSA DE INÊS PEREIRA  Personagens:  Inês Pereira  Mãe de Inês  Leonor Vaz  Pero Marques  Latão e Vidal  Brás da Mata  Moço  Ermitão
  9. 9. FARSA DE INÊS PEREIRA  ESCUDEIRO Que farei, que o sapateiro  Não tem solas nem tem pele?  MOÇO Sapatos me daria ele,  Se me vós désseis dinheiro...  ESCUDEIRO Eu o haverei agora.  E mais calças te prometo.  MOÇO (Homem que não tem nem preto,  (à parte) Casa muito na má hora.)
  10. 10. AUTO DA BARCA DO INFERNO – AUTO DE MORALIDADE  Personagens:  Fidalgo  Onzeneiro  Sapateiro  Joane, o parvo  Frade  Brísida Vaz  Judeu  Corregedor e Procurador  Enforcado  Cavaleiros
  11. 11. O AUTO DA BARCA DO INFERNO  DIABO Em que esperas ter guarida?  FIDALGO Que leixo na outra vida  quem reze sempre por mi.  DIABO Quem reze sempre por ti?!..  Hi, hi, hi, hi, hi, hi, hi!...  E tu viveste a teu prazer,  cuidando cá guarecer  por que rezam lá por ti?!...  Embarca - ou embarcai...  que haveis de ir à derradeira!  Mandai meter a cadeira,  que assi passou vosso pai.  FIDALGO Quê? Quê? Quê? Assi lhe vai?!  DIABO Vai ou vem! Embarcai prestes!  Segundo lá escolhestes,  assi cá vos contentai.  Pois que já a morte passastes,  haveis de passar o rio.
  12. 12. AUTO DA BARCA DO INFERNO  O parvo como homem do povo e ingênuo. Alegoricamente representa a volta ao cristianismo primitivo.  (Fala do parvo ao diabo e ao anjo, pág. 7)

×