Andréa Calado
Imunocromatografia e Dot-ELISA
IMUNOCROMATOGRAFIA
 A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser
desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada ...
Características
 Qualitativos;
 Teste de triagem;
 Rápido;
 Econômico;
 Fácil interpretação;
 Leitura é feita a olho...
Princípio
 Utilizada uma matriz de membrana de nitrocelulose ligada a uma
tira de acetato transparente;
 Para detectar a...
 Para detecção de antígenos podem ser utilizados anticorpos
fixados na linha de captura e como conjugado um segundo
antic...
IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA
IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA
IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA
NASA
 POSITIVO: Duas linhas são visíveis, sendo uma linha na região
controle (C) e outra na região teste (T).A intensidade de ...
IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA
FIV e FeLV
Kit teste - vírus da cinomose
 Detecção deAg do vírus da cinomose;
 Amostra: mucosa nasal, conjuntiva, saliva, urina, so...
300µL
Soro ou plasma: 2 ou 3 gotas no
diluente
Kit teste - vírus da cinomose
 Quando o teste começar a reagir , deve-se observar uma cor
rosa se movendo através da janela de resultado no centro
do d...
Kit teste - vírus da cinomose
Kit teste - vírus da cinomose
Kit teste - vírus da cinomose
 Reação Cruzada
Kit teste - vírus da cinomose
 Testar a amostra imediatamente após a coleta;
 Se a amostra não for testada imediatamente, manter sob
refrigeração (2 a...
Detectar anticorpos contra o virus da cinomose
Amostras: sangue, plasma ou soro
Kit teste – Anticorpos contra o vírus da
c...
Kit teste – Anticorpos contra o vírus da
cinomose
LIMITAÇÕES
 Resultados falso-positivos Animais recem vacinados;
 Resultados falso-negativos  animais imunossupremidos;...
Kit teste – Vírus da Parvovirose e
Coronavirose
 O teste deve ser realizado utilizando fezes caninas frescas. Se a
amostr...
Detecção de Ac contra o vírus da
dengue
Detecção de GCH
 Pode ser detectado no soro partir do 7º dia de gestação;
 Duplica a concentração a cada 2 dias.
 Qualq...
Detecção de GCH
 DOTDOT--ELISAELISA  reareaççãoão imunoenzimimunoenzimááticatica sobre membranassobre membranas
 Qualitativa ou semiQ...
 Para a realização deste teste, utilizam-se sistemas enzimáticos
com proteína
 A, ligada a corantes específicos, também ...
Imunocromatografia e-imunodot
Imunocromatografia e-imunodot
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Imunocromatografia e-imunodot

630 visualizações

Publicada em

Imunocromatografia e-imunodot

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
630
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
7
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
16
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Imunocromatografia e-imunodot

  1. 1. Andréa Calado Imunocromatografia e Dot-ELISA
  2. 2. IMUNOCROMATOGRAFIA  A imunocromatografia é uma técnica que começou a ser desenvolvida nos anos 60, sendo primeiro criada para o estudo das proteínas séricas;  Atualmente para a detecção de muitas doenças infecciosas: Dengue, malária, amebíase, peste bubônica, brucelose, giardíase, leishmaniose visceral, hepatite B, infecção por HIV, cinomose, parvovirose, Helicobacter pylori, Streptococcus pneumoniae, entre outras;  De grande valor em situações nas quais os profissionais de saúde necessitem tomar decisões e assumir condutas imediatas.
  3. 3. Características  Qualitativos;  Teste de triagem;  Rápido;  Econômico;  Fácil interpretação;  Leitura é feita a olho nu;  Apresenta sensibilidade e especificidade similares ao ELISA de terceira geração;
  4. 4. Princípio  Utilizada uma matriz de membrana de nitrocelulose ligada a uma tira de acetato transparente;  Para detectar antígeno, emprega-se um anticorpo de captura, ligado à matriz e um anticorpo marcado específico ao antígeno pesquisado;  Para detectar anticorpo, utiliza-se um antígeno específico ligado à matriz e um anticorpo anti-imunoglobulina marcado;
  5. 5.  Para detecção de antígenos podem ser utilizados anticorpos fixados na linha de captura e como conjugado um segundo anticorpo conjugado ao corante. Um dos métodos imunológicos desses testes emprega corante insolúvel, como ouro coloidal (róseo) ou prata coloidal (azul marinho) como revelador da interação antígeno-anticorpo. Princípio
  6. 6. IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA
  7. 7. IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA
  8. 8. IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA NASA
  9. 9.  POSITIVO: Duas linhas são visíveis, sendo uma linha na região controle (C) e outra na região teste (T).A intensidade de cor da linha teste (T) poderá variar de acordo com a concentração presente na amostra. Todavia, qualquer intensidade de cor na linha teste indica resultado positivo.  NEGATIVO:Apenas uma linha é visível na região controle (C), não sendo observada linha na região teste.  INVÁLIDO: Não é evidenciada a linha controle (C).As razões mais comuns de falha são o volume insuficiente de amostra ou falha no procedimento técnico. Neste caso, reler a técnica e repetir o teste com uma nova tira.
  10. 10. IMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDAIMUNOMIGRAÇÃO RÁPIDA
  11. 11. FIV e FeLV
  12. 12. Kit teste - vírus da cinomose  Detecção deAg do vírus da cinomose;  Amostra: mucosa nasal, conjuntiva, saliva, urina, soro e plasma;  Kit: diluente, swab esterilizado, conta-gotas (pipeta) e dispositivo teste;  Materiais necessários não fornecidos: solução salina e cronômetro.
  13. 13. 300µL Soro ou plasma: 2 ou 3 gotas no diluente Kit teste - vírus da cinomose
  14. 14.  Quando o teste começar a reagir , deve-se observar uma cor rosa se movendo através da janela de resultado no centro do dispositivo de teste.  Se esta não for visualizada após 1 minuto, adicionar mais uma gota da amostra + diluente no orifício;  Interpretar o resultado do teste entre 5 e 10 minutos. Não interpretar o resultado em um tempo superior a 12 minutos. Kit teste - vírus da cinomose
  15. 15. Kit teste - vírus da cinomose
  16. 16. Kit teste - vírus da cinomose
  17. 17. Kit teste - vírus da cinomose
  18. 18.  Reação Cruzada Kit teste - vírus da cinomose
  19. 19.  Testar a amostra imediatamente após a coleta;  Se a amostra não for testada imediatamente, manter sob refrigeração (2 a 8º C), por 48 horas;  Se for necessário um armazenamento de vários dias, é recomendado o congelamento (-20ºC). Kit teste - vírus da cinomose Observações
  20. 20. Detectar anticorpos contra o virus da cinomose Amostras: sangue, plasma ou soro Kit teste – Anticorpos contra o vírus da cinomose
  21. 21. Kit teste – Anticorpos contra o vírus da cinomose
  22. 22. LIMITAÇÕES  Resultados falso-positivos Animais recem vacinados;  Resultados falso-negativos  animais imunossupremidos; Kit teste – Anticorpos contra o vírus da cinomose
  23. 23. Kit teste – Vírus da Parvovirose e Coronavirose  O teste deve ser realizado utilizando fezes caninas frescas. Se a amostra não for testada imediatamente, manter sob efrigeração (2 a 8º C) por até 48 horas.
  24. 24. Detecção de Ac contra o vírus da dengue
  25. 25. Detecção de GCH  Pode ser detectado no soro partir do 7º dia de gestação;  Duplica a concentração a cada 2 dias.  Qualquer urina do dia; Princípios: - Conjugado:Ac anti-GCH + corante - Anticorpo de captura
  26. 26. Detecção de GCH
  27. 27.  DOTDOT--ELISAELISA  reareaççãoão imunoenzimimunoenzimááticatica sobre membranassobre membranas  Qualitativa ou semiQualitativa ou semi--quantitativa: rquantitativa: ráápida e simplespida e simples  ProteProteíínas solnas solúúveis, fungos, protozoveis, fungos, protozoáários, bactrios, bactéérias e vrias e víírusrus Stott, 2000 IMMUNO-DOTIMMUNO-DOT
  28. 28.  Para a realização deste teste, utilizam-se sistemas enzimáticos com proteína  A, ligada a corantes específicos, também denominados Dot- ELISA. Ele é realizado  em papéis, o que possibilita sua utilização em áreas endêmicas, pois dispensa  etapas críticas de incubação e leitura ótica (FERREIRA & ÁVILA, 2001; MANCIANTI  et al., 1996)

×