Aspectos importantes que devemser considerados no controle daHAS em pessoas idosasCurso “Doenças Crônicas nas Redes deCurs...
A hipertensão é uma doença com alta prevalênciaentre os idosos, acometendo cerca de 50% a 70%das pessoas nessa faixa etári...
Alterações próprias do envelhecimentodeterminam aspectos diferenciais na PA como,maior freqüência de “hiato auscultatório”...
A “pseudo-hipertensão”, que está associada aoprocesso aterosclerótico, pode ser detectada pelamanobra de Osler, ou seja, q...
 Também deve-se ter atenção para situaçõescomo:- maior ocorrência de efeito do avental branco;- hipotensão ortostática e ...
A abordagem multiprofissional notratamento da hipertensão O tratamento da hipertensão e a prevenção dascomplicações crôni...
Tratamento não-farmacológicoAs principais estratégias para o tratamento não-farmacológico da HAS incluem: Controle do exc...
Cuidados especiais no tratamento daHAS no idoso: Em algumas pessoas muito idosas é difícilreduzir a pressão abaixo de 140...
Acompanhamento e cuidadocontinuado: A partir da instituição do tratamentomedicamentoso para HAS a equipe deveacompanhar o...
ATENÇÃO!!! A administração de medicamentos em qualquerfaixa etária pode gerar reações indesejadas,entretanto, a incidênci...
 Alguns dos objetivos da assistência à pessoaidosa são: entender as limitações decorrentes doprocesso natural de envelhec...
Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Iniciar sempre com d...
Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Não introduzir nova ...
Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Estimular a medida d...
Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Antes de aumentar ou...
A qualidade de vida da pessoa idosa deveser avaliada antes e durante otratamento, considerando ainda: Participação em gru...
A qualidade de vida da pessoa idosa deveser avaliada antes e durante otratamento, considerando ainda: A orientação e acom...
 A Caderneta de Saúde da Pessoa Idosapossui um espaço para o registro docontrole da Pressão Arterial com oobjetivo de fac...
ReferênciasReferências BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.Departamento de Atenção Básica. Envelhe...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Apresentação 6 aspectos importantes has idoso

870 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
870
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
88
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação 6 aspectos importantes has idoso

  1. 1. Aspectos importantes que devemser considerados no controle daHAS em pessoas idosasCurso “Doenças Crônicas nas Redes deCurso “Doenças Crônicas nas Redes deAtenção à Saúde”Atenção à Saúde”Ministério da SaúdeMinistério da Saúde
  2. 2. A hipertensão é uma doença com alta prevalênciaentre os idosos, acometendo cerca de 50% a 70%das pessoas nessa faixa etária. É um fatordeterminante de morbidade e mortalidade,entretanto, se adequadamente controlada, reduzsignificativamente as limitações funcionais e aincapacidade nos idosos (BRASIL, 2007).
  3. 3. Alterações próprias do envelhecimentodeterminam aspectos diferenciais na PA como,maior freqüência de “hiato auscultatório”, queconsiste no desaparecimento dos sons durante adeflação do manguito, geralmente entre o final dafase I e o início da fase II dos sons de Korotkoff,resultando em valores falsamente baixos para asistólica ou falsamente altos para a diastólica.Fonte: VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, 2010
  4. 4. A “pseudo-hipertensão”, que está associada aoprocesso aterosclerótico, pode ser detectada pelamanobra de Osler, ou seja, quando a artéria radialpermanece ainda palpável, após a insuflação domanguito pelo menos 30 mmHg acima dodesaparecimento do pulso radial.Neste caso, deverá se investigar melhoros verdadeiros níveis pressóricos do paciente etambém avaliar se há necessidade de alteraçãona terapia medicamentosa.Fonte: VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, 2010
  5. 5.  Também deve-se ter atenção para situaçõescomo:- maior ocorrência de efeito do avental branco;- hipotensão ortostática e pós-prandial;- presença de arritmias, como a fibrilação atrial,podem dificultar a medida da PA nos indivíduosidosos.Fonte: VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão, 2010
  6. 6. A abordagem multiprofissional notratamento da hipertensão O tratamento da hipertensão e a prevenção dascomplicações crônicas exigem uma abordagemampla e multiprofissional. Assim como todas asdoenças crônicas, a hipertensão arterial necessitade um processo contínuo de motivação para quea pessoa não abandone o tratamento.
  7. 7. Tratamento não-farmacológicoAs principais estratégias para o tratamento não-farmacológico da HAS incluem: Controle do excesso de peso; Adoção de hábitos alimentares saudáveis; Redução do consumo de bebidas alcoólicas; Abandono do tabagismo; Realização de uma prática corporal / atividade físicaregular.Fonte: BRASIL, 2007
  8. 8. Cuidados especiais no tratamento daHAS no idoso: Em algumas pessoas muito idosas é difícilreduzir a pressão abaixo de 140 mmHg, mesmocom boa adesão e múltiplos agentes. Nestescasos, afastadas causas secundárias, pode-seaceitar reduções menos acentuadas de pressãoarterial sistólica.Fonte: BRASIL, 2007
  9. 9. Acompanhamento e cuidadocontinuado: A partir da instituição do tratamentomedicamentoso para HAS a equipe deveacompanhar o idoso de forma mais frequentedevido a necessidade de verificar a resposta aotratamento e presença de efeitos colaterais. Fonte: BRASIL, 2007
  10. 10. ATENÇÃO!!! A administração de medicamentos em qualquerfaixa etária pode gerar reações indesejadas,entretanto, a incidência dessas aumentaproporcionalmente com a idade.Fonte: BRASIL, 2007
  11. 11.  Alguns dos objetivos da assistência à pessoaidosa são: entender as limitações decorrentes doprocesso natural de envelhecimento, orientar oscuidadores estabelecendo uma parceria, adotaresquemas terapêuticos simples e maximizar aeficiência terapêutica do medicamento,minimizando o surgimento de eventos adversos.
  12. 12. Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Iniciar sempre com doses menores do que aspreconizadas; Lembrar que determinadas drogas anti-hipertensivas demoram de quatro a seis semanaspara atingir seu efeito máximo, devendo-seevitar modificações do esquema terapêutico,antes do término desse período; Fonte: BRASIL, 2007
  13. 13. Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Não introduzir nova droga, antes que a doseterapêutica seja atingida, evitando efeitoscolaterais; Investigar a ocorrência de hipotensão posturalou pós-prandial antes de iniciar o tratamento;Fonte: BRASIL, 2007
  14. 14. Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Estimular a medida da PA no domicílio, sempreque possível; Orientar quanto ao uso do medicamento,horário mais conveniente, relação comalimentos, sono, diurese e mecanismos de ação;Fonte: BRASIL, 2007
  15. 15. Quando for necessário o uso de drogas anti-hipertensivas, algumas noções básicas devemser lembradas: Antes de aumentar ou modificar a dosagem deum anti-hipertensivo, monitorar a adesão dapessoa ao tratamento (medicamentoso e nãomedicamentoso). A principal causa deA principal causa deHipertensão Arterial resistente é aHipertensão Arterial resistente é adescontinuidade da prescrição estabelecida.descontinuidade da prescrição estabelecida.Fonte: BRASIL, 2007
  16. 16. A qualidade de vida da pessoa idosa deveser avaliada antes e durante otratamento, considerando ainda: Participação em grupos operativos/terapêuticospara conhecer a natureza do problema e seumonitoramento e também para trocarexperiências; Intervenções educativas tanto para o pacientequanto para seus cuidadores favorecendo aadesão ao tratamento;
  17. 17. A qualidade de vida da pessoa idosa deveser avaliada antes e durante otratamento, considerando ainda: A orientação e acompanhamento da família,especialmente, tratando-se de idosos frágeis edependentes, nos quais a probabilidade deefeitos secundários é enorme e a necessidade desupervisão é imperativo; O impacto financeiro do tratamento (quando fornecessário utilizar medicações não disponibilizadas pelo SUS), que édeterminante para a adesão terapêutica.
  18. 18.  A Caderneta de Saúde da Pessoa Idosapossui um espaço para o registro docontrole da Pressão Arterial com oobjetivo de facilitar o acompanhamento econtrole da HAS.
  19. 19. ReferênciasReferências BRASIL. Ministério da Saúde. Secretaria de Atenção à Saúde.Departamento de Atenção Básica. Envelhecimento e Saúde da PessoaIdosa. Série A. Normas e Manuais Técnicos Cadernos de Atenção Básica,n. 19, Brasília, 2007. Sociedade Brasileira de Cardiologia / Sociedade Brasileira de Hipertensão /Sociedade Brasileira de Nefrologia. VI Diretrizes Brasileiras de Hipertensão.Arq Bras Cardiol 95(1 supl.1): 1-51, 2010.

×