SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 9
Baixar para ler offline
ANHANGUERA UNIDERP
THAYARA FERRAZ MARTINS - D12
RA: XXXXXXXXX
REALISMO – MOVIMENTO ARTÍSTICO
CAMPO GRANDE
MAIO/2013
INTRODUÇÃO
Nesse trabalho vou apresentar o realismo, surgiu na época da Segunda
Revolução Industrial e proporcionou um ambiente oportuno para o surgimento do
Realismo, pois houve uma tendência para romper-se com o passado.
Os pintores realistas pintavam as cenas da vida cotidiana e flagrantes
populares, representavam aquilo que estava diante dos olhos. O belo está na
natureza e encontra-se na realidade, sob as mais diversas formas, o maior
expressão do Realismo foi o francês Gustave Courbet, pois ele era muito naturalista.
REALISMO
Realismo foi um
movimento artístico e
literário surgido nas
últimas décadas do século
XIX na Europa, mais
especificamente na
França, em reação ao
Romantismo. Entre 1850 e
1880 o movimento cultural,
chamado Realismo,
predominou na França e
se estendeu pela Europa e
outros continentes. Os
integrantes desse
movimento repudiaram a
artificialidade do
Neoclassicismo e do
Romantismo, pois sentiam a necessidade de retratar a vida, os problemas e
costumes das classes média e baixa não inspirada em modelos do passado. O
movimento manifestou-se também na escultura e, principalmente, na arquitetura.
O REALISMO NAS ARTES
O "Realismo" fundou
uma Escola arte artística que
surge no século XIX se
desenvolveu baseada na
observação da realidade como
contexto social, na razão e na
ciência. O "realismo", como
movimento artístico do século
XIX, que se caracterizava pela
oposição ao "idealismo" Como
Zélie Courbet / por Gustave Courbet
Mulheres peneirando trigo / Gustave Courbet
movimento artístico, surgiu na França, e sua influência se estendeu a numerosos
países. O Realismo denota-se a reação contra as excentricidades românticas e
contra as suas idealizações da paixão amorosa. A passagem do Romantismo para o
Realismo corresponde uma mudança do belo e ideal para o real e objetivo.
O REALISMO NA PINTURA
A pintura do
Realismo começou por
manifestar-se no
tratamento da paisagem,
depois, aos temas do
cotidiano, que tratou de
forma simples e crua.
Foi em França que
a pintura adquiriu uma
particular intensidade,
contado com grandes
nomes como: Camille
Corot, impulsionador do
paisagismo realista; J.-F.
Millet e Honoré Daumier,
que retrataram a vida dura
dos camponeses e do
operariado citadino;
Gustave Courbet, verdadeiro entusiasta da pintura morta; Édouard Manet, pintor
multifacetado que abriu à sua arte novos horizontes.
Os quadros realistas causaram o maior escândalo. Acusaram-nos de agradar
à arte, quer pelos temas banais, por vezes ofensivos, quer pelas cores
excessivamente mortas, de bom gosto, quer pela falta de elaboração e
conceptualização das composições. No entanto, para os seus defensores, a
representação da realidade em sensível era a última palavra em audácia artística.
Gustave Courbet / BonjourMonsieurCourbet
CARACTERÍSTICAS DA PINTURA
 Representação da realidade com a mesma
objetividade com que um cientista estuda
um fenômeno da natureza.
 Ao artista não cabe "melhorar"
artisticamente a natureza, pois a beleza
está na realidade tal qual ela é.
 Revelação dos aspectos mais
característicos e expressivos da realidade
TEMAS DA PINTURA
Politização: Pintura social
denunciando as injustiças e as
imensas desigualdades entre a
miséria dos trabalhadores e a
opulência da burguesia.
INOVAÇÕES DE DAUMIER ( 1808 - 1879 )
Honoré Daumier buscava as inovações relativas
à cor e à luz. Já despreocupado em representar
exatamente a realidade do objeto, Daumier se
preocupa em trazer à pintura uma atmosfera irreal. Há
sempre um espaço aéreo luminoso, mas é como uma
foto desfocada, sem contornos nítidos. A isto,
chamaremos de perspectiva aérea; quanto mais
distante do observador, os detalhes dos objetos
Jean François Millet
Damier
perdem a nitidez.
O REALISMO NA ESCULTURA
Na escultura, o grande representante realista
foi o Auguste Rodin. O escultor não se preocupou
com a idealização da realidade. Ao contrário,
procurou recriar os seres tais como eles são. Além
disso, os escultores preferiam os temas
contemporâneos, assumindo muitas vezes uma
intenção política em suas obras. Sua característica
principal é a fixação do momento significativo de um
gesto humano.
O REALISMO NA ARQUITETURA
Ao adaptar-se ao novo contexto social, tende a tornar-se realista ou científica,
os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas
necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais
ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações ferroviárias, armazéns,
lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para
a nova burguesia.
O REALISMO NO BRASIL
O Realismo no Brasil teve seu início, em
1881, com a publicação de Memórias Póstumas
de Brás Cubas, de seu mais célebre autor,
Machado de Assis.
Com a introdução do estilo realista, assim
como do naturalista, o romance, no Brasil, ganhou
um novo alcance, a observação. Começou-se a
escrever buscando a verdade, Machado de Assis,
O Pensador - Auguste Rodin
Machado de Assis,maior
representante do Realismo no
Brasil.
considerado o maior expoente da literatura brasileira e do Realismo no Brasil,
desenvolve em sua ficção uma análise psicológica e universal e sela, a
independência literária do país.
CONCLUSÃO
Com a apresentação desse trabalho, concluo o assunto Realismo movimento
histórico, todavia esse movimento foi, onde a sociedade começou a realmente
enxergar a realidade, pois seus pintores escancaravam a realidade da época, na
Revolução Industrial.
Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da época, os realistas
desejavam retratar o homem e a sociedade. Não bastava mostrar a face sonhadora
e idealizada da vida como fizeram os românticos; era preciso mostrar a face nunca
antes revelada: a do cotidiano massacrante, do amor adúltero, da falsidade e do
egoísmo humano, da impotência do homem comum diante dos poderosos.
REFERÊNCIAS
 http://pt.wikipedia.org/wiki/Realismo
 http://www.bepeli.com.br/realismo.html
 http://taislc.blogspot.com.br/2008/10/pintura-realista.html
 http://www.coisaetal.maxiweb.com.br/Realismo.htm
 http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/realismo/realismo-4.php
 http://megustahistoriabr.blogspot.com.br/2012/05/jean-francois-millet.html
 http://nossoconceitodearte.blogspot.com.br/2011/08/o-realismo.html

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Mais procurados (20)

Arte - Romantismo
Arte - RomantismoArte - Romantismo
Arte - Romantismo
 
Dadaismo
DadaismoDadaismo
Dadaismo
 
A arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerraA arte abstrata depois da 2ª guerra
A arte abstrata depois da 2ª guerra
 
História da arte neoclassicismo
História da arte   neoclassicismoHistória da arte   neoclassicismo
História da arte neoclassicismo
 
As artes na atualidade
As artes na atualidadeAs artes na atualidade
As artes na atualidade
 
Impressionismo
ImpressionismoImpressionismo
Impressionismo
 
Romantismo
RomantismoRomantismo
Romantismo
 
05 regresso ao mundo visível
05 regresso ao mundo visível05 regresso ao mundo visível
05 regresso ao mundo visível
 
03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal03 os caminhos da abstração formal
03 os caminhos da abstração formal
 
Dadaísmo
DadaísmoDadaísmo
Dadaísmo
 
História da arte romantismo
História da arte   romantismoHistória da arte   romantismo
História da arte romantismo
 
A cultura do cinema
A cultura do cinema   A cultura do cinema
A cultura do cinema
 
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismoAula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
Aula 08 fauvismo-expressionismo_futurismo_cubismo
 
O romantismo
O romantismoO romantismo
O romantismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Expressionismo
ExpressionismoExpressionismo
Expressionismo
 
Cubismo
CubismoCubismo
Cubismo
 
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
História da Cultura e das Artes - 12.º ano - Módulo 9
 
Arte romantica
Arte romanticaArte romantica
Arte romantica
 

Destaque (20)

Jean françois millet
Jean françois milletJean françois millet
Jean françois millet
 
Apresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre ImpressionismoApresentação sobre Impressionismo
Apresentação sobre Impressionismo
 
Jean Gustave Courbet
Jean Gustave CourbetJean Gustave Courbet
Jean Gustave Courbet
 
O Realismo em Portugal
O Realismo em PortugalO Realismo em Portugal
O Realismo em Portugal
 
Aula realismo
Aula realismoAula realismo
Aula realismo
 
Flirting with controversy: Gustave Courbet
Flirting with controversy: Gustave CourbetFlirting with controversy: Gustave Courbet
Flirting with controversy: Gustave Courbet
 
Gustave Courbet by Will
Gustave Courbet by WillGustave Courbet by Will
Gustave Courbet by Will
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Courbet and realism
Courbet and  realismCourbet and  realism
Courbet and realism
 
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
Biografia y obra de Gustave Courbet (figura humana)
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Gustave Courbet
Gustave CourbetGustave Courbet
Gustave Courbet
 
Jean François Millet
Jean François MilletJean François Millet
Jean François Millet
 
Courbet - THE PIONEER OF MODERN ART
Courbet - THE PIONEER OF MODERN ARTCourbet - THE PIONEER OF MODERN ART
Courbet - THE PIONEER OF MODERN ART
 
O realismo na pintura
O realismo na pinturaO realismo na pintura
O realismo na pintura
 
Gustave courbet
Gustave courbetGustave courbet
Gustave courbet
 
Realismo
Realismo Realismo
Realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Gustave Courbet
Gustave CourbetGustave Courbet
Gustave Courbet
 
Aula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismoAula 06 naturalismo e realismo
Aula 06 naturalismo e realismo
 

Semelhante a Realismo

Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoMarcio Duarte
 
Realismo
RealismoRealismo
RealismoCEF16
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo Fabiana Alexandre
 
Realismo
RealismoRealismo
RealismoAuriene
 
Realismo
RealismoRealismo
RealismoCEF16
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismoNeoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismoFabiana Alexandre
 
03 um novo olhar sobre o real
03 um novo olhar sobre o real03 um novo olhar sobre o real
03 um novo olhar sobre o realVítor Santos
 
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 20122c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012www.historiadasartes.com
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03Gabriela Lemos
 
Introdução ao Realismo
Introdução ao RealismoIntrodução ao Realismo
Introdução ao RealismoCrisBiagio
 
2º a literatura 3 bimestre realismo naturalismo
2º a  literatura 3 bimestre realismo naturalismo2º a  literatura 3 bimestre realismo naturalismo
2º a literatura 3 bimestre realismo naturalismoMarileizoletrotta
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismomiovi
 

Semelhante a Realismo (20)

Aula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismoAula 06 naturalismo-realismo
Aula 06 naturalismo-realismo
 
Aula 2 objetivo
Aula 2 objetivoAula 2 objetivo
Aula 2 objetivo
 
Naturalismo e realismo
Naturalismo e realismoNaturalismo e realismo
Naturalismo e realismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
O Realismo
O RealismoO Realismo
O Realismo
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
8ºano
8ºano8ºano
8ºano
 
Realismo
RealismoRealismo
Realismo
 
Neoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismoNeoclassicismo realismo romantismo
Neoclassicismo realismo romantismo
 
03 um novo olhar sobre o real
03 um novo olhar sobre o real03 um novo olhar sobre o real
03 um novo olhar sobre o real
 
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 20122c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
2c16 Realismo e Museu Hermitage, São Petersburgo, Rússia 2012
 
Seminários história da arte 03
Seminários história da arte   03Seminários história da arte   03
Seminários história da arte 03
 
Introdução ao Realismo
Introdução ao RealismoIntrodução ao Realismo
Introdução ao Realismo
 
Realismo.pdf
Realismo.pdfRealismo.pdf
Realismo.pdf
 
HistóRia
HistóRiaHistóRia
HistóRia
 
HistóRia
HistóRiaHistóRia
HistóRia
 
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
HISTÓRIA DA ARTE - REVISÃO 02
 
2º a literatura 3 bimestre realismo naturalismo
2º a  literatura 3 bimestre realismo naturalismo2º a  literatura 3 bimestre realismo naturalismo
2º a literatura 3 bimestre realismo naturalismo
 
O realismo
O realismoO realismo
O realismo
 

Último

atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfceajajacu
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...MANUELJESUSVENTURASA
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfQueleLiberato
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfSandra Pratas
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do BrasilMary Alvarenga
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...azulassessoria9
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e Américawilson778875
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTEJoaquim Colôa
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terraBiblioteca UCS
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...azulassessoria9
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfWALDIRENEPINTODEMACE
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREIVONETETAVARESRAMOS
 

Último (20)

atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdfPARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
PARC 2024 Cadastro de estudante, turma e enturmação - BAHIA (2).pdf
 
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
PROPUESTA DE LOGO PARA EL DISTRITO DE MOCHUMI, LLENO DE HISTORIA 200 AÑOS DE ...
 
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Primeira  Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Primeira Série (Primeiro Trimestre)
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdfO Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
O Espetaculo das Racas - Cienti - Lilia Moritz Schwarcz capítulo 2.pdf
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdfHORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
HORA DO CONTO_BECRE D. CARLOS I_2023_24pdf
 
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
19 de abril - Dia dos Povos Indígenas do Brasil
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
Com base no excerto acima, escreva um texto explicando como a estrutura socia...
 
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Terceira Série (Primeiro Trimestre)
 
Modernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e AméricaModernidade perspectiva sobre a África e América
Modernidade perspectiva sobre a África e América
 
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTECAMINHOS PARA  A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
CAMINHOS PARA A PROMOÇÃO DA INLUSÃO E VIDA INDEPENDENTE
 
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Terceira Série do E.M.
 
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terraSistema de Bibliotecas UCS  - A descoberta da terra
Sistema de Bibliotecas UCS - A descoberta da terra
 
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
A alimentação na Idade Média era um mosaico de contrastes. Para a elite, banq...
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdfmúsica paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
música paródia cmsp conteúdo 1 bimestre.pdf
 
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTREVACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
VACINAR E DOAR, É SÓ COMEÇAR - - 1º BIMESTRE
 

Realismo

  • 1. ANHANGUERA UNIDERP THAYARA FERRAZ MARTINS - D12 RA: XXXXXXXXX REALISMO – MOVIMENTO ARTÍSTICO CAMPO GRANDE MAIO/2013
  • 2. INTRODUÇÃO Nesse trabalho vou apresentar o realismo, surgiu na época da Segunda Revolução Industrial e proporcionou um ambiente oportuno para o surgimento do Realismo, pois houve uma tendência para romper-se com o passado. Os pintores realistas pintavam as cenas da vida cotidiana e flagrantes populares, representavam aquilo que estava diante dos olhos. O belo está na natureza e encontra-se na realidade, sob as mais diversas formas, o maior expressão do Realismo foi o francês Gustave Courbet, pois ele era muito naturalista.
  • 3. REALISMO Realismo foi um movimento artístico e literário surgido nas últimas décadas do século XIX na Europa, mais especificamente na França, em reação ao Romantismo. Entre 1850 e 1880 o movimento cultural, chamado Realismo, predominou na França e se estendeu pela Europa e outros continentes. Os integrantes desse movimento repudiaram a artificialidade do Neoclassicismo e do Romantismo, pois sentiam a necessidade de retratar a vida, os problemas e costumes das classes média e baixa não inspirada em modelos do passado. O movimento manifestou-se também na escultura e, principalmente, na arquitetura. O REALISMO NAS ARTES O "Realismo" fundou uma Escola arte artística que surge no século XIX se desenvolveu baseada na observação da realidade como contexto social, na razão e na ciência. O "realismo", como movimento artístico do século XIX, que se caracterizava pela oposição ao "idealismo" Como Zélie Courbet / por Gustave Courbet Mulheres peneirando trigo / Gustave Courbet
  • 4. movimento artístico, surgiu na França, e sua influência se estendeu a numerosos países. O Realismo denota-se a reação contra as excentricidades românticas e contra as suas idealizações da paixão amorosa. A passagem do Romantismo para o Realismo corresponde uma mudança do belo e ideal para o real e objetivo. O REALISMO NA PINTURA A pintura do Realismo começou por manifestar-se no tratamento da paisagem, depois, aos temas do cotidiano, que tratou de forma simples e crua. Foi em França que a pintura adquiriu uma particular intensidade, contado com grandes nomes como: Camille Corot, impulsionador do paisagismo realista; J.-F. Millet e Honoré Daumier, que retrataram a vida dura dos camponeses e do operariado citadino; Gustave Courbet, verdadeiro entusiasta da pintura morta; Édouard Manet, pintor multifacetado que abriu à sua arte novos horizontes. Os quadros realistas causaram o maior escândalo. Acusaram-nos de agradar à arte, quer pelos temas banais, por vezes ofensivos, quer pelas cores excessivamente mortas, de bom gosto, quer pela falta de elaboração e conceptualização das composições. No entanto, para os seus defensores, a representação da realidade em sensível era a última palavra em audácia artística. Gustave Courbet / BonjourMonsieurCourbet
  • 5. CARACTERÍSTICAS DA PINTURA  Representação da realidade com a mesma objetividade com que um cientista estuda um fenômeno da natureza.  Ao artista não cabe "melhorar" artisticamente a natureza, pois a beleza está na realidade tal qual ela é.  Revelação dos aspectos mais característicos e expressivos da realidade TEMAS DA PINTURA Politização: Pintura social denunciando as injustiças e as imensas desigualdades entre a miséria dos trabalhadores e a opulência da burguesia. INOVAÇÕES DE DAUMIER ( 1808 - 1879 ) Honoré Daumier buscava as inovações relativas à cor e à luz. Já despreocupado em representar exatamente a realidade do objeto, Daumier se preocupa em trazer à pintura uma atmosfera irreal. Há sempre um espaço aéreo luminoso, mas é como uma foto desfocada, sem contornos nítidos. A isto, chamaremos de perspectiva aérea; quanto mais distante do observador, os detalhes dos objetos Jean François Millet Damier
  • 6. perdem a nitidez. O REALISMO NA ESCULTURA Na escultura, o grande representante realista foi o Auguste Rodin. O escultor não se preocupou com a idealização da realidade. Ao contrário, procurou recriar os seres tais como eles são. Além disso, os escultores preferiam os temas contemporâneos, assumindo muitas vezes uma intenção política em suas obras. Sua característica principal é a fixação do momento significativo de um gesto humano. O REALISMO NA ARQUITETURA Ao adaptar-se ao novo contexto social, tende a tornar-se realista ou científica, os arquitetos e engenheiros procuram responder adequadamente às novas necessidades urbanas, criadas pela industrialização. As cidades não exigem mais ricos palácios e templos. Elas precisam de fábricas, estações ferroviárias, armazéns, lojas, bibliotecas, escolas, hospitais e moradias, tanto para os operários quanto para a nova burguesia. O REALISMO NO BRASIL O Realismo no Brasil teve seu início, em 1881, com a publicação de Memórias Póstumas de Brás Cubas, de seu mais célebre autor, Machado de Assis. Com a introdução do estilo realista, assim como do naturalista, o romance, no Brasil, ganhou um novo alcance, a observação. Começou-se a escrever buscando a verdade, Machado de Assis, O Pensador - Auguste Rodin Machado de Assis,maior representante do Realismo no Brasil.
  • 7. considerado o maior expoente da literatura brasileira e do Realismo no Brasil, desenvolve em sua ficção uma análise psicológica e universal e sela, a independência literária do país.
  • 8. CONCLUSÃO Com a apresentação desse trabalho, concluo o assunto Realismo movimento histórico, todavia esse movimento foi, onde a sociedade começou a realmente enxergar a realidade, pois seus pintores escancaravam a realidade da época, na Revolução Industrial. Motivados pelas teorias científicas e filosóficas da época, os realistas desejavam retratar o homem e a sociedade. Não bastava mostrar a face sonhadora e idealizada da vida como fizeram os românticos; era preciso mostrar a face nunca antes revelada: a do cotidiano massacrante, do amor adúltero, da falsidade e do egoísmo humano, da impotência do homem comum diante dos poderosos.
  • 9. REFERÊNCIAS  http://pt.wikipedia.org/wiki/Realismo  http://www.bepeli.com.br/realismo.html  http://taislc.blogspot.com.br/2008/10/pintura-realista.html  http://www.coisaetal.maxiweb.com.br/Realismo.htm  http://www.portalsaofrancisco.com.br/alfa/realismo/realismo-4.php  http://megustahistoriabr.blogspot.com.br/2012/05/jean-francois-millet.html  http://nossoconceitodearte.blogspot.com.br/2011/08/o-realismo.html