Efeitos da Modulação da Dor na Atividade Cerebral em Pacientes com Dor Temporomandibular<br />Aylla Vieira<br />Mª Gerusa ...
INTRODUÇÃO<br />A dor é multi-dimensional:<br />Hipnose x Dor:<br />Moldar a percepção do indivíduo;<br />Influenciar comp...
Hipoalgesia hipnótica<br />↓ desconforto e intensidade de dor;<br />Alívio da dor clínica, durante e após os procedimentos...
Fontes da Dor<br />Córtex somatossensorial primário (S1) e secundário (S2);<br />Tronco cerebral;<br />Tálamo;<br />Ínsula...
Sugestões hipnóticas de maior desagrado:<br />↑das respostas do Cíngulo anterior, sem efeitos sobre a atividade do S1.<br ...
No entanto...<br />A maioria dos estudos têm sido realizados em indivíduos saudáveis;<br />Relativamente poucos estudos tê...
Objetivo<br />Estudo de imagem por ressonância magnética funcional (fMRI)<br />Investigar se pacientes com  DTM são capaze...
O que se esperava?<br />↓ atividade das fontes da dor durante a hipoalgesia induzida hipnoticamente;<br />↑ atividade das ...
Métodos<br />Pacientes<br />19 pacientes:<br />1 homem e 18 mulheres;<br />Idade média / desvio:<br />40,7 / 2,3 anos;<br ...
Métodos<br />Design do experimento<br />Pacientes submetidos a Ressonância Magnética Funcional em três grupos:<br />Hipoal...
Métodos<br />Design do experimento<br />Em cada grupo, um estímulo de alfinetadas foi aplicado à pele que cobre o nervo me...
Métodos<br />Hipnose<br />Uma versão dinamarquesa de uma escala de susceptibilidade hipnótica foi usada para determinar a ...
Métodos<br />Obtenção e análise das imagens<br /> As imagens funcionais  foram obtidas em um Scanner 3.0 T GE Signa HDx(Ge...
Métodos<br />Obtenção e análise das imagens<br />Para observar mudanças entre os grupos, o grupo Controle foi usado como r...
Métodos<br />Estatísticas<br />A dor na escala de intensidade de dor e as pontuações do estímulo durante os três grupos ex...
Resultados<br />Características clínicas<br />Todos os pacientes tinham um longo histórico de dor miofascial (DTM) – 12,4 ...
Resultados<br />Pontuação da dor<br />O estímulo de alfinetadas na região do nervo mentual causou relatos de dor e desconf...
Resultados<br />Atividade  cerebral<br />Hiperalgesia hipnótica:<br />Ativação da Ínsula.<br />Grupo Controle:<br />Ativaç...
Resultados<br />Atividade  cerebral<br />Contraste entre os grupos<br />Hiperalgesia hipnótica e Controle:<br />Não revelo...
Resultados<br />Atividade  cerebral<br />Finalmente, a análise da ativação cerebral relacionada às diferenças na susceptib...
Discussão<br />1º estudo a demonstrar que a modulação hipnótica pode aumentar ou diminuir a percepção de dor e desconforto...
Discussão<br />Considerações metodológicas<br />Para evitar intervenção hipnótica,  o grupo Controle era sempre o primeiro...
Discussão<br />Considerações metodológicas<br />O estudo foi conduzido em pacientes com Dor musculoesquelética em comum e ...
Discussão<br />Efeitos da hipnose<br />No grupo controle, o estímulo foi avaliado como moderadamente doloroso por todos os...
Discussão<br />Efeitos da hipnose<br />Não houveram indicativos para a ativação do Cíngulo e Tálamo.<br />Ativação mais fr...
Discussão<br />Efeitos da hipnose<br />Houveram poucas diferenças entre o grupo Controle e o de hiperalgesia hipnótica;<br...
Conclusões<br />Os presentes achados são os primeiros a descrever a modulação hipnótica de padrões de ativação cerebral as...
“A curiosidade é mais importante do que o conhecimento.”<br />Albert Einstein<br />
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Efeitos da modulação da dor na atividade cerebral em pacientes com dtm

1.186 visualizações

Publicada em

último upload

Publicada em: Saúde e medicina, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.186
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
41
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Efeitos da modulação da dor na atividade cerebral em pacientes com dtm

  1. 1. Efeitos da Modulação da Dor na Atividade Cerebral em Pacientes com Dor Temporomandibular<br />Aylla Vieira<br />Mª Gerusa Brito<br />Marília Brasileiro<br />Isaac Fernandes<br />Thaís Vieira<br />
  2. 2.
  3. 3. INTRODUÇÃO<br />A dor é multi-dimensional:<br />Hipnose x Dor:<br />Moldar a percepção do indivíduo;<br />Influenciar componentes sensoriais e afetivos.<br />
  4. 4. Hipoalgesia hipnótica<br />↓ desconforto e intensidade de dor;<br />Alívio da dor clínica, durante e após os procedimentos cirúrgicos e em algumas doenças (dor crônica);<br />Estudos com pacientes saudáveis:<br />Associada a alterações nos limiares de dor;<br />Relacionada a dor fisiológica (Atividade cerebral, Potenciais Relacionados a Eventos Somatossensoriais – PRES – e Reflexos espinhais).<br />Indivíduos suscetíveis à hipnose x indivíduos com baixa susceptibilidade hipnótica:<br />Quanto maior a susceptibilidade à hipnose, maior a redução na percepção da dor, nas respostas reflexas e nas amplitudes dos PRES a estímulos dolorosos.<br />
  5. 5. Fontes da Dor<br />Córtex somatossensorial primário (S1) e secundário (S2);<br />Tronco cerebral;<br />Tálamo;<br />Ínsula;<br />Cíngulo anterior.<br />Hipoalgesia hipnótica pode produzir mudanças nas respostas de várias regiões do cérebro:<br />Cíngulo médio;<br />Ínsula;<br />Córtex perigenual;<br />Córtex pré-motor suplementar;<br />Tronco cerebral;<br />Tálamo.<br />
  6. 6. Sugestões hipnóticas de maior desagrado:<br />↑das respostas do Cíngulo anterior, sem efeitos sobre a atividade do S1.<br />Sugestões hipnóticas de intensidade de dor aumentada:<br />Mudanças no S1, sem efeitos sobre a atividade do Cíngulo anterior.<br />
  7. 7. No entanto...<br />A maioria dos estudos têm sido realizados em indivíduos saudáveis;<br />Relativamente poucos estudos têm sido conduzidos em pacientes com dor crônica;<br />Não houve até agora nenhum estudo sobre a modulação hipnótica do processamento nociceptivo em pacientes crônicos de dor orofacial.<br />
  8. 8. Objetivo<br />Estudo de imagem por ressonância magnética funcional (fMRI)<br />Investigar se pacientes com DTM são capazes de modular a sua experiência de dor e as respostas do cérebro associadas por hipoalgesia hipnoticamente induzida ou hiperalgesia.<br />umaquestaodecerebro.blogs.sapo.pt<br />
  9. 9. O que se esperava?<br />↓ atividade das fontes da dor durante a hipoalgesia induzida hipnoticamente;<br />↑ atividade das fontes da dor durante a hiperalgesia induzida hipnoticamente;<br />Comparação com o controle.<br />Variações individuais na susceptibilidade hipnótica;<br />Mudanças de intensidade de dor e desconforto;<br />=<br />Respostas do cérebro durante hipoalgesia ou hiperalgesia hipnótica.<br />georgemckee.com<br />
  10. 10. Métodos<br />Pacientes<br />19 pacientes:<br />1 homem e 18 mulheres;<br />Idade média / desvio:<br />40,7 / 2,3 anos;<br />Faculdade de Odontologia de Aarhus (DK).<br />Critérios de inclusão:<br />Dor miofascial - 6 meses ou mais.<br />Somatização<br />TOC<br />Depressão<br />Ansiedade<br />Intensidade da dor<br />O protocolo do estudo foi conduzido de acordo com a Declaração de Helsinque e foi aprovado pelo comitê de ética local.<br />Todos os pacientes assinaram um termo de consentimento esclarecido.<br /> Semiologia<br /> Escala numérica (0-10)<br />
  11. 11. Métodos<br />Design do experimento<br />Pacientes submetidos a Ressonância Magnética Funcional em três grupos:<br />Hipoalgesia Hipnótica;<br />Hiperalgesia hipnótica;<br />Grupo Controle.<br />Grupo Controle era seguido pelos dois outros grupos em ordem aleatória:<br />Evitar a contaminação sobre efeitos da intervenção hipnótica, de acordo com estudos anteriores sobre hipnose.<br />Estímulo doloroso – alfinetadas<br />Intensidades idênticas.<br />A intensidade da dor e o desconforto foram pontuados de 0-10, em cada condição.<br />
  12. 12. Métodos<br />Design do experimento<br />Em cada grupo, um estímulo de alfinetadas foi aplicado à pele que cobre o nervo mentual esquerdo (um total de 65 estímulos) durante 30s, alternando com 30s de intervalo.<br />5 ciclos de estímulo seguidos por ausência de estímulos.<br />O número de estímulos por ciclo foi determinado por um software e o início foi sincronizado com a execução das imagens da ressonância magnética.<br />Frequência aproximada – Estímulo de 2Hz.<br />A ponta do estimulador foi construída como um cabelo de Von Frey com 1mm de raio.<br />A amplitude foi ajustada no início do experimento para dar um estímulo doloroso correspondente a 5 na escala.<br />
  13. 13. Métodos<br />Hipnose<br />Uma versão dinamarquesa de uma escala de susceptibilidade hipnótica foi usada para determinar a susceptibilidade de 0 – 12.<br />Pacientes foram treinados numa sessão de 1h antes do experimento.<br />Indução do relaxamento;<br />Visualização de imagens de um lugar agradável;<br />“Anestesia em luva”<br />Memórias autobiográficas<br />Durante a ressonância, houve a indução do transe hipnótico, baseado na sessão de treinamento, bem como a hipoalgesia hipnótica na área do nervo mentual esquerdo.<br />No grupo Controle, não houve relaxamento ou imagens.<br />
  14. 14. Métodos<br />Obtenção e análise das imagens<br /> As imagens funcionais foram obtidas em um Scanner 3.0 T GE Signa HDx(General Eletric, Milwaukee, USA).<br />As imagens funcionais de cada paciente tiveram seu movimento corrigido.<br />Foi realizada uma análise estatística. Para cada paciente, um modelo foi construído, com ciclos de 30s de estímulo seguidos de 30s de intervalo, como em uma função box-car.<br />Pt-br.wikipedia.org<br />
  15. 15. Métodos<br />Obtenção e análise das imagens<br />Para observar mudanças entre os grupos, o grupo Controle foi usado como referência.<br />Para modelar os efeitos das diferenças individuas entre os indivíduos, foram incluídas diferenças na susceptibilidade à hipnose, intensidade da percepção da dor e desconforto como co-variáveis.<br />Foi aplicada uma análise estatística conservadora da ressonância magnética. <br />Regiões anatômicas e áreas de Brodmann foram localizadas.<br />
  16. 16. Métodos<br />Estatísticas<br />A dor na escala de intensidade de dor e as pontuações do estímulo durante os três grupos experimentais são apresentados como valores médios e comparados usando análise de variância;<br />Mudanças na dor e desconforto foram calculadas para grupos de analgesia e hiperalgesia hipnótica;<br />Foram usados coeficientes para testar associações entre a intensidade da dor e o desconforto causado por estímulo, susceptibilidade hipnótica e intensidade da dor;<br />Um Valor de P < 0.05 foi considerado ser estatisticamente significativo.<br />
  17. 17. Resultados<br />Características clínicas<br />Todos os pacientes tinham um longo histórico de dor miofascial (DTM) – 12,4 / 2.1 anos;<br />Os pacientes apresentaram níveis moderados de dor clínica na região craniofacial incluindo o masseter (4.8 / 2.1);<br />A maioria dos pacientes (14/19) também tinham outros problemas de saúde e dor;<br />Pontuações para somatização (0.8/0.5), TOC (0.9/0.6), depressão (0.8/0.5) e ansiedade (0.6/0.6).<br />A média de susceptibilidade hipnótica para os pacientes com DTM foi de 8.3/0.4.<br />O efeito da hipnose na dor em DTM tinha sido reportado anteriormente.<br />
  18. 18. Resultados<br />Pontuação da dor<br />O estímulo de alfinetadas na região do nervo mentual causou relatos de dor e desconforto em todos os pacientes;<br />Não houve correlações significativas entre as pontuações de dor clínica e os estímulos de alfinetadas ou desconforto. Além disso, não houve correlação entre as pontuações de dor e as de desconforto dos estímulos no grupo Controle.<br />Houve uma moderada correlação entre susceptibilidade hipnótica e mudanças na pontuação de desconforto dos estímulos do grupo Controle e hipoalgesia hipnótica.<br />Valor<br />Desvio<br />
  19. 19. Resultados<br />Atividade cerebral<br />Hiperalgesia hipnótica:<br />Ativação da Ínsula.<br />Grupo Controle:<br />Ativação da Ínsula e S1<br />Hipoalgesia hipnótica:<br />Apenas um pequeno grupo ativado na Ínsula<br />
  20. 20. Resultados<br />Atividade cerebral<br />Contraste entre os grupos<br />Hiperalgesia hipnótica e Controle:<br />Não revelou grupos de ativação relevantes;<br />Hipoalgesia hipnótica e Controle:<br />Não revelou grupos de ativação relevantes;<br />Hiperalgesia e Hipoalgesia hipnótica:<br />Revelou um grupo de ativação no lobo parietal inferior<br />
  21. 21. Resultados<br />Atividade cerebral<br />Finalmente, a análise da ativação cerebral relacionada às diferenças na susceptibilidade hipnótica e as mudanças na escala de dor e desconforto apenas demonstrou um grupo localizado no giro pós-central direito que foi significativamente associado à extensão do decréscimo nas pontuações de desconforto no grupo de hipoalgesia hipnótica.<br />
  22. 22. Discussão<br />1º estudo a demonstrar que a modulação hipnótica pode aumentar ou diminuir a percepção de dor e desconforto de estímulos dolorosos na região orofacial;<br />O achado mais marcante foi uma diminuição acentuada na atividade cerebral durante a hipoalgesia hipnótica;<br />Apenas a ativação da ínsula direita;<br />Esses achados ampliam o conhecimento<br /> atual da modulação hipnótica da atividade<br /> cerebral em pacientes com dor crônica.<br />
  23. 23. Discussão<br />Considerações metodológicas<br />Para evitar intervenção hipnótica, o grupo Controle era sempre o primeiro, seguido dos outros dois, aleatoriamente;<br />Os padrões de ativação cerebral observados são mais característicos em mulheres, por terem uma resposta mais forte do córtex pré-frontal a estímulos dolorosos, comparadas a homens;<br />Até agora, nenhum estudo demonstrou diferenças relacionadas ao gênero com efeito hipnótico;<br />Esse estudo difere de pesquisas anteriores:<br />Uso de ressonância magnética funcional - ↑ resolução espacial e temporal;<br />Ajudar o estudo o máximo possível a um contexto clínico de hipnose;<br />
  24. 24. Discussão<br />Considerações metodológicas<br />O estudo foi conduzido em pacientes com Dor musculoesquelética em comum e com susceptibilidades hipnóticas diferentes;<br />A susceptibilidade foi usada como co-variável;<br />Observou-se correlações entre a susceptibilidade hipnótica e diminuição da pontuação de desconforto.<br />Em vez de um grupo Controle de indivíduos saudáveis, foi usado um grupo Controle de indivíduos com mesma enfermidade.<br />
  25. 25. Discussão<br />Efeitos da hipnose<br />No grupo controle, o estímulo foi avaliado como moderadamente doloroso por todos os pacientes com DTM e causou ativação em uma rede de áreas cerebrais.<br />No entanto, existe uma sobreposição entre o <br />padrão de ativação observado no Controle e as<br />fontes da dor, como o S1 e a ínsula;<br />Também notou-se a ativação de áreas pré-motoras e motoras e do lobo parietal, como visto em outros estudos.<br />Percebeu-se que várias áreas de Brodmann foram ativadas, relacionadas à dor muscular, hiperalgesia, tarefas de associação extensivas e estimulação da medula espinhal.<br />
  26. 26. Discussão<br />Efeitos da hipnose<br />Não houveram indicativos para a ativação do Cíngulo e Tálamo.<br />Ativação mais frequente em pesquisas experimentais, menos frequente em pesquisas clínicas.<br />Estudos relacionaram o Cíngulo com aspectos desagradáveis de estímulos dolorosos em pacientes saudáveis.<br />Não foi possível repetir esses achados, talvez por efeitos diferenciais da hipnose na dor aguda e crônica.<br />A diminuição da atividade cerebral devido a hipoalgesia hipnótica foi uma descoberta surpreendente.<br />
  27. 27. Discussão<br />Efeitos da hipnose<br />Houveram poucas diferenças entre o grupo Controle e o de hiperalgesia hipnótica;<br />Apesar de as pontuações de dor e desconforto no grupo de hiperalgesia terem aumentado;<br />O contraste direto entre a Hiperalgesia hipnótica e o grupo Controle revelou decréscimos no S1 durante a hiperalgesia;<br />É possível que mudanças sutis nas regiões cerebrais devido ao efeito geral da hipnose possam explicar pontuações maiores de dor e desconforto.<br />Entretanto, a desconexão observada entre o S1 e as pontuações dos pacientes durante o grupo de Hiperalgesia hipnótica precisa de mais estudos.<br />
  28. 28. Conclusões<br />Os presentes achados são os primeiros a descrever a modulação hipnótica de padrões de ativação cerebral associados a processamentos nociceptivos em pacientes com DTM (dor) crônica e demonstrou convincentemente que a hipoalgesia hipnótica está associada com uma supressão da atividade cortical.<br />Atividade do giro do cíngulo não foi observada, o que sugere que a modulação hipnótica nesses pacientes pode envolver outros mecanismos cerebrais, como placebo ou hipnose em grupos Controle saudáveis.<br />
  29. 29. “A curiosidade é mais importante do que o conhecimento.”<br />Albert Einstein<br />

×