Sexo, amor e outras drogas

1.210 visualizações

Publicada em

  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sexo, amor e outras drogas

  1. 1. SEXO, AMOR E OUTRAS DROGASUniversidade do Vale do Itajaí – UNIVALI Administração Thales Fernandes
  2. 2. Sinopse:Maggie é uma mulher que valorizasua liberdade e acredita que nada ouninguém será capaz de segurá-la.Até o dia em que conhece Jamie,cujo jeitão sedutor costuma serinfalível com as mulheres, que caemnas garras do experiente executivode vendas da área farmacêutica. Oromance acaba pegando os dois desurpresa e os coloca em contatocom uma droga pura, forte e que nãoestá à venda: o amor.
  3. 3. Algumas conclusões prévias:- A forma de amar mudou- Damos mais valor à liberdade (sexo sim, relacionamentosnão)- Temos medo de amar (de sofrer)- Usar remédios virou rotina- A influência da indústria farmacêutica- O culto da indústria do cinema para uma vida livre edesregrada
  4. 4. IntroduçãoQuantas vezes você disse “eu te amo” neste ano?Aposto que, ou você não lembra, ou ainda conseguecontar nos dedos.De onde vem o amor?Como a ciência explica o amor?Os poetas...Então, amor é uma droga?
  5. 5. O papel do amor na evolução das espécies- os cérebros: anfíbio, repteis e mamíferos
  6. 6. O papel do amor na evolução das espécies- Será que os animais amam? (mostrar vídeo de afeto entremacacos)- O papel do amor para a raça humana: - Família (união) - Sociedade (o próximo) - Respeito (diferenças) - Tolerância- O amor na história - Grécia antiga – amor entre os ...guerreiros... - Amor proibido , romeu e julieta; - Amor dos filmes preto e branco até década de 1960 - O amor muda de acordo com a cultura (religiões, costumes, crenças, ..)
  7. 7. O papel do amor na evolução das espécies- E para as outras espécies? - Não há amor, há um sentimento extintivo ( de proteção, de união para garantir força, de garantia de prosperar sua espécie)- Seleção natural – Charles Darwin - “Diferenciação pela falta de predadores” - “A fêmea escolhe!” - Ele vai me proteger, vou ter filhos fortes e saudáveis? (aparência física, cheiro, som, simetria, habilidades manuais – ele consegue matar aquele leão? – extinto de sobrevivência e perpetuação da espécie.
  8. 8. O amor e o cérebro humano- Hemisfério esquerdo – racional, masculino álcool elimina o pensamento lógico“é logico que não sou um príncipe encantado”, “é lógico que aparento ser o caraideal para ela” “é lógico que ela procura alguém melhor do que eu...” )- Hemisfério direito –feminino (chora por tudo filho que vai bem ou mal na prova |a mulher relaciona mais os dois lados do cérebro, lembra mais dos fatos poisprojeta emoções neles)
  9. 9. O amor e o cérebro humanoHomens não somos tarados, são apenashomens... e se... as mulheres fossem taradas como os homens? “Crescei e multiplicai-vos”, o criador não poderia ser mais claro.
  10. 10. O amor e os relacionamentosAntigamente • Mau começam a namorar e a mãe da filha pergunta: “E ae, quando vai casar?” • Sexualidade restringida – pouca informação, • Divórcio – preconceito, pressão da sociedade e da igreja • Romantismo à flor da pele • Homem e mulher com papéis distintos
  11. 11. O amor e os relacionamentosAtualmente • O jogo é o mesmo, mas as regras mudaram • Independência feminina • A síndrome do macho alfa • Vulgarização do feminino • Feminismo • “Homem não tem amigas” • Prostituição – o serviço mais antigo da história da humanidade – sinal do poder feminino
  12. 12. O amor e os relacionamentosAtualmente • Ditadura da beleza (que não seja para se exibir, “o sarado ou a gostosa”, mas para ser um instrumento da alma e poder amar pelo maior tempo possível, o maior número de pessoas possível) • Relacionamento é troféu (“Parabéns hein!”, “minha namorada é gata”) • Quanto vale um curtir? • Na balada – vestindo um personagem prazer da conquista (homens) – provocar o desejo (mulheres) • Geração do individualismo
  13. 13. O amor e os relacionamentosAtualmente • Sem saco para aturar o outro • Relações descartáveis – “provei, não gostei” • Antes, aprendemos a gostar – Hoje, tentamos gostar • Sexo virtual à toda (sem stress, sem custos, sem dores, sem frustrações, sem pessoalidade)
  14. 14. O amor e os relacionamentosAfinal... o que a mulher quer? Um homem que a entretenha e lhe proteja... Então.. ela quer umpalhaço faixa preta?!
  15. 15. O amor e os relacionamentosE os homens, o que querem? ...nada que tenha compromisso. “Querida... se não notou ainda, sou uma FRIGIDEIRA DE TEFLON. 1° Por que cada panela tem a sua tampa. E eu não tenho tampa! 2° Por que sou anti-aderente... nem adianta tentar grudar que tu escorrega.”
  16. 16. O mercado virtual do amor e sexoOs segmentos de mercado:• Identidade sexual (sexualidade, expressão sexual, grupos ativistas)• Mercado sexual (filmes, sites de relacionamentos, “acompanhantes” – Bruna Surfistinha, acessórios, ...) e• Conhecimento sexual (saúde, o corpo, sedução, a pornografia passa a ser fone de conhecimento sexual..) Aumentam os sites de relacionamentos e encontros virtuais – “vou, não vou”
  17. 17. O mercado virtual do amor e sexo- O mercado depornografia virtual nuncarendeu tanto- Torna-se virtualmenteperigoso para as crianças– preserva o anonimato e aumenta oacesso a agressores
  18. 18. O mercado virtual do amor e sexo
  19. 19. Amor Próprio vs VaidadeVaidade - É um extremo desejo de semostrar para o outro, é um prazer em seexibir, é um narcisismo. (“eu adoro dançar” – “quer ir num restaurante vazio ?”) Desejo de ser famoso para ser “olhado” – desejo de estar com alguém interessante, bonito, com alto valor social.
  20. 20. Amor Próprio vs Vaidade Vaidade é uma característica pessoal, mas depende de observadores.(“eu quero me mostrar, mas preciso de alguém para me observar, exaltar” – “Tá vendo aquela ali? Tô comendo”) Não existiria vaidade sem o outro
  21. 21. Amor Próprio vs Vaidade Amar a si próprio é umsentimento de se bastar por si só, de plenitude, é aceitar-se o que se é e como se é.
  22. 22. Busca do amor vs Prazer na solidãoHá uma tendência de nos sentirmosincompletos quando estamossozinhos... Por que?! - Querem desesperadamente um parceiro para amar (porque amar é ter paz e harmonia), mas escolhem o parceiro errado, e não conseguem paz e harmonia.
  23. 23. Busca do amor vs Prazer na solidão O Big Bang e o nascimento Ambos estão em paz e equilíbrio e passam para o caos, mudanças aceleradas...mas querem o equilíbrio Então, o nascimento é um trauma, uma ruptura dasensação da paz e harmonia. Temos cada vez mais medo de enfrentar esta ruptura. Preferimos ficar sozinhos para evitar rupturas afetivas, tudo em busca da paz e harmonia.
  24. 24. Busca do amor vs Prazer na solidãoNo final, há o medo de enfrentar o amor, pois omesmo requer enfrentar o medo da felicidade, dosucesso, de superar a inveja dos outros.. (deve-seser feliz por inteiro para ser feliz com o outro), issonos leva a preferirmos a solidão, evitando enfrentaruma possível perda. “Estava tudo bem no relacionamento, de repente ele/ela rompeu” – “O que as pessoas mais querem é o que elas mais temem”.
  25. 25. DrogasO que nos leva a consumir? A estrutura familiar precária? Os amigos? A mídia? Preencher um vazio..autopunição, frustração de não sermos como a maioria é – “normal” - Normal é fazer o que todos fazem Ou um extremo desejo de ser amado.
  26. 26. DrogasQuem não tem um familiar, amigo, vizinhoou mesmo conhecido, que usa ou já usou alguma droga?
  27. 27. DrogasA consequência social O “drogadito” é taxado como inapto às funções cotidianas, perde credibilidade, perde confiança, perde o respeito. E nos achamos no direito de excluí-los, ao invés deA ironia - “não use drogas, tome este tentar compreendê-los e remédio, ele te fará melhor.” amá-los.
  28. 28. Síndrome do Pensamento Acelerdo - SPA- Diagnóstico: muitos estímulos e pouco controle paraselecionar o que lhe faz bem, suas prioridades - Causas: consumismo, status, estética ecompetitividade profissional- Efeitos: ansiedade, falta de foco, quer ser igual aooutro “O ser humano aprendeu a administrar diversos recursos e instrumentos, mas não aprendeu a gerir as suas próprias emoções.” “Ser o 1º, sempre! Uma mania doentia da atualidade.” – E será que não é importante ser o segundo, terceiro, o décimo?
  29. 29. Humor
  30. 30. Texto – Amor que dura

×