Rotação de solo e cultivos.
A monocultura ou mesmo o sistema contínuo
de sucessão do tipo trigo-soja ou milho safrinha-
soja, tende a provocar a degra...
A rotação de culturas consiste em
alternar, anualmente, espécies vegetais,
numa mesma área agrícola. As espécies
escolhida...
As vantagens da rotação de culturas são
inúmeras. Além de proporcionar a produção
diversificada de alimentos e outros prod...
Para a obtenção de máxima eficiência, na
melhoria da capacidade produtiva do solo, o
planejamento da rotação de culturas d...
Nesse planejamento, é necessário
considerar que não basta apenas estabelecer
e conduzir a melhor seqüência de culturas,
di...
Planejamento da propriedade
A rotação de culturas envolve o cultivo de
diferentes espécies numa mesma safra e,
portanto, aumenta o número e a
complexi...
A área destinada à implantação
dos sistemas de rotação deve ser
dividida em tantas glebas, ou
piquetes, quantos forem os a...
A execução do planejamento deve ser
gradativa para não causar transtornos
organizacionais ou econômicos ao
produtor, deven...
• Identificação:
• Curso: Mídias na Educação – UFOP
• Aluna: Bruna Garcia Silveira
2° col rotação de solo e cultivos
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

2° col rotação de solo e cultivos

383 visualizações

Publicada em

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
383
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
7
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2° col rotação de solo e cultivos

  1. 1. Rotação de solo e cultivos.
  2. 2. A monocultura ou mesmo o sistema contínuo de sucessão do tipo trigo-soja ou milho safrinha- soja, tende a provocar a degradação física, química e biológica do solo e a queda da produtividade das culturas. Também proporciona condições mais favoráveis para o desenvolvimento de doenças, pragas e plantas daninhas. Nas regiões dos Cerrados predomina a monocultura de soja entre as culturas anuais. Há a necessidade de introduzir, no sistema agrícola, outras espécies, de preferência gramíneas, como milho, pastagem e outras.
  3. 3. A rotação de culturas consiste em alternar, anualmente, espécies vegetais, numa mesma área agrícola. As espécies escolhidas devem ter, ao mesmo tempo, propósitos comercial e de recuperação do solo.
  4. 4. As vantagens da rotação de culturas são inúmeras. Além de proporcionar a produção diversificada de alimentos e outros produtos agrícolas, se adotada e conduzida de modo adequado e por um período suficientemente longo, essa prática melhora as características físicas, químicas e biológicas do solo, repõe matéria orgânica e protege o solo da ação dos agentes climáticos e ajuda a viabilização os seus efeitos benéficos sobre a produção agropecuária e sobre o ambiente como um todo.
  5. 5. Para a obtenção de máxima eficiência, na melhoria da capacidade produtiva do solo, o planejamento da rotação de culturas deve considerar, preferencialmente, plantas comerciais e, sempre que possível, associar espécies que produzam grandes quantidades de biomassa e de rápido desenvolvimento, cultivadas isoladamente ou em consórcio com culturas comerciais.
  6. 6. Nesse planejamento, é necessário considerar que não basta apenas estabelecer e conduzir a melhor seqüência de culturas, dispondo-as nas diferentes glebas da propriedade. É necessário que o agricultor utilize todas as demais tecnologias à sua disposição, entre as quais destacam-se: técnicas específicas para controle de erosão; calagem, adubação; qualidade e tratamento de sementes, época e densidade de semeadura, cultivares adaptadas, controle de plantas daninhas, pragas e doenças.
  7. 7. Planejamento da propriedade
  8. 8. A rotação de culturas envolve o cultivo de diferentes espécies numa mesma safra e, portanto, aumenta o número e a complexidade tarefas na propriedade. Exige o planejamento do uso do solo segundo princípios básicos, onde deve ser considerada a aptidão agrícola de cada gleba.
  9. 9. A área destinada à implantação dos sistemas de rotação deve ser dividida em tantas glebas, ou piquetes, quantos forem os anos de rotação. Após essa definição, estabelecer o processo de implantação sucessivamente, ano após ano, nos diferentes talhões, previamente, determinados.
  10. 10. A execução do planejamento deve ser gradativa para não causar transtornos organizacionais ou econômicos ao produtor, devendo ser iniciada em uma parte da propriedade e ir anexando novas glebas até que toda a área esteja incluída no esquema de rotação.
  11. 11. • Identificação: • Curso: Mídias na Educação – UFOP • Aluna: Bruna Garcia Silveira

×