Faculdade Pitágoras – Belo Horizonte
Graduação em Enfermagem

SISTEMA SOMESTÉSICO
& A DOR

Luziene Gomes - Marta Regina - ...
SOMESTESIA
Definição
Mecanismo de integração neural responsável pela aquisição de
informações sensoriais que passam pelo corpo.

PADR...
O sistema divide-se em:
• Sistema Epicrítico - é preciso, rápido, discriminativo.
- Tato fino - percepção das característi...
Importância
Regulação homeostática.
- Defesa contra agentes físicos, químicos e infecciosos.
- Regulação da perda e ganho ...
Receptores
Estruturas adaptadas na captação das submodalidades
somestésicas, diferenciando-se na morfologia e na
funcional...
A sensibilidade pode ser superficial (através dos exteroceptores)
ou profunda (através de proprioceptores e interoceptores...
PELE
A pele é nosso maior órgão sensorial. Ela recebe, a todo instante,
diversos tipos de estímulos que são enviados ao en...
Receptores Táteis
Estímulos Detectados
RECEPTORES DE SUPERFÍCIE

SENSAÇÃO PERCEBIDA

Receptores de Krause

Frio

Receptores de Ruffini

Calor

Discos de Merkel

...
MODALIDADE DO
ESTÍMULO

ESTÍMULO

TIPO DE RECEPTOR

RECEPTOR SENSORIAL

Tato

Pressão

Mecanorreceptor

Corpúsculos de Vat...
O que é Dor?
Dor é uma experiência sensorial ou emocional
desagradável que ocorre em diferentes graus de
intensidade – do ...
Porque sentidos Dor ?
A dor é uma das primeiras sensações que
garantem a sobrevivência de todas das espécies.
Se não sentí...
Como acontece a Dor?
Caminhos da Dor
• Estímulo - pressão, perfurações e cortes
(mecânicos) ou queimaduras (provocadas pelo
calor ou por produtos químicos).
• ...
A percepção da dor, ou nocicepção (da palavra
latina para "dor"), é o processo pelo qual um
estímulo doloroso é transmitid...
O sistema nervoso forma uma complexa rede de
vias aferentes e eferentes para transmitir e
reagir aos impulsos que o cérebr...
Processos da Dor
Dor nociceptiva é uma sensação que pode ser
expressa em graus de desconforto provinda dos
receptores espe...
Fibras Sensoriais
Quando os nociceptores são estimulados, impulsos de
dor são levados ao cérebro como um aviso de que a
in...
O fenômeno sensitivo doloroso é a transformação dos
estímulos ambientais em potenciais de ação que, das
fibras nervosas pe...
RECEPTORES
 Mecanoreceptor - Quando ocorre um estímulo mecânico.
(receptor estimulado por meios físicos, tais como, impac...
O que combate a sensação de dor ?
A atividade dos receptores nociceptivos é modulada
pela ação de substâncias químicas den...
A estimulação elétrica em regiões diversas do
cérebro e medula pode reduzir ou ao mesmo
bloquear os impulsos dolorosos tra...
Dentre as substâncias Algogênicas
destacam-se
 Histamina

 Serotonina
 Tromboxana
 Leucotrieno
 Substância P
 Fatos ...
Sistema Endócrino
O sistema endócrino governa as transmissões
químicas dos sinais da dor. Os Hormônios se
dividem em:
Neur...
Tipos de Dor
 Aguda - se manifesta transitoriamente por um período curto e
na maioria das vezes com causas facilmente ide...
Avaliação da Dor
Tratamentos
Além de analgésicos (tratamento medicamentosos), existem
tratamentos suplementares para Dor, especialmente qua...
 Cinesioterapia - A cinesioterapia permite ganho e/ou
manutenção de amplitude dos movimentos articulares,
fortalecimento ...
OBRIGADA !
Sistema Somestésico e a Dor
Sistema Somestésico e a Dor
Sistema Somestésico e a Dor
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Sistema Somestésico e a Dor

31.461 visualizações

Publicada em

Publicada em: Saúde e medicina
0 comentários
17 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
31.461
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
11
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
623
Comentários
0
Gostaram
17
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Sistema Somestésico e a Dor

  1. 1. Faculdade Pitágoras – Belo Horizonte Graduação em Enfermagem SISTEMA SOMESTÉSICO & A DOR Luziene Gomes - Marta Regina - Thaís Roberta.
  2. 2. SOMESTESIA
  3. 3. Definição Mecanismo de integração neural responsável pela aquisição de informações sensoriais que passam pelo corpo. PADRÕES SENSORIAIS: I - Especiais - Visão, audição, paladar, olfação e equilíbrio II - Gerias (Somáticas) submodalidades:  Mecanorreceptivos  Termorreceptivos  Nociceptativos
  4. 4. O sistema divide-se em: • Sistema Epicrítico - é preciso, rápido, discriminativo. - Tato fino - percepção das características dos objetos que tocam a pele; - Propriocepção consciente - localizar a posição e movimento das diferentes partes do corpo sem utilizar a visão. • Sistema Protopático - é grosseiro, lento e impreciso. - Termossensibilidade - percepção da temperatura do ambiente e de objeto;
  5. 5. Importância Regulação homeostática. - Defesa contra agentes físicos, químicos e infecciosos. - Regulação da perda e ganho excessivo de água e calor.
  6. 6. Receptores Estruturas adaptadas na captação das submodalidades somestésicas, diferenciando-se na morfologia e na funcionalidade quanto ao estímulo recebido. CLASSIFICAÇÃO ANATÔMICA:  Exteroceptores - Localizados nas partes mais próximas à superfície do corpo, fornecem informações sobre o meio externo (audição, visão, olfato, tato, dor, pressão e temperatura)  Interoceptores ou Viceroceptores – Localizados nos vasos sanguíneos e vísceras, fornecem informações sobre o meio interno. (dor, pressão, fadiga, fome, sede, náusea)  Proprioceptores – Localizados nos músculos, tendões, articulações e ouvido interno. Fornecem informações sobre posição e movimento do corpo.
  7. 7. A sensibilidade pode ser superficial (através dos exteroceptores) ou profunda (através de proprioceptores e interoceptores). Cada tipo de receptor é ALTAMENTE SENSÍVEL a um tipo de estímulo para o qual é especializado e, ao mesmo tempo, insensível a outros. É a chamada SENSIBILIDADE DIFERENCIADA.
  8. 8. PELE A pele é nosso maior órgão sensorial. Ela recebe, a todo instante, diversos tipos de estímulos que são enviados ao encéfalo. Há uma grande área do córtex cerebral responsável pela coordenação das funções sensoriais da pele. Muitos dos receptores sensoriais da pele são terminações nervosas livres. Algumas delas detectam dor, outras detectam frio e outras, calor.
  9. 9. Receptores Táteis Estímulos Detectados
  10. 10. RECEPTORES DE SUPERFÍCIE SENSAÇÃO PERCEBIDA Receptores de Krause Frio Receptores de Ruffini Calor Discos de Merkel Tato e pressão Receptores de Vater-Pacini Pressão Receptores de Meissner Tato Terminações nervosas livres Principalmente dor
  11. 11. MODALIDADE DO ESTÍMULO ESTÍMULO TIPO DE RECEPTOR RECEPTOR SENSORIAL Tato Pressão Mecanorreceptor Corpúsculos de Vater-Pacini, Meissner e Merkel Temperatura Quantidade de calor Termorreceptor Receptores de Krause (frio) e de Ruffini (calor) Dor Estímulos intensos e substâncias químicas Nocirreceptor Terminações nervosas livres
  12. 12. O que é Dor? Dor é uma experiência sensorial ou emocional desagradável que ocorre em diferentes graus de intensidade – do desconforto leve à agonia –, podendo resultar da estimulação do nervo em decorrência de lesão, doença ou distúrbio emocional.
  13. 13. Porque sentidos Dor ? A dor é uma das primeiras sensações que garantem a sobrevivência de todas das espécies. Se não sentíssemos dor, não era possível identificar os estímulos ou sensações que colocam em risco a integridade dos órgãos e do corpo. - Funciona como um ALARME que avisa sempre que há algo errado no nosso corpo.
  14. 14. Como acontece a Dor?
  15. 15. Caminhos da Dor
  16. 16. • Estímulo - pressão, perfurações e cortes (mecânicos) ou queimaduras (provocadas pelo calor ou por produtos químicos). • Recepção - um terminal do nervo recebe a sensação do estímulo. • Transmissão - um nervo envia o sinal ao sistema nervoso central. A transmissão da informação normalmente envolve uma série de neurônios no interior do sistema nervoso central. • Centro da(s) dor(es) - áreas do cérebro recebem a informação para uma ação e/ou processamento posterior.
  17. 17. A percepção da dor, ou nocicepção (da palavra latina para "dor"), é o processo pelo qual um estímulo doloroso é transmitido do local de excitação para o sistema nervoso central.
  18. 18. O sistema nervoso forma uma complexa rede de vias aferentes e eferentes para transmitir e reagir aos impulsos que o cérebro entende como doloroso. Todos os impulsos nocivos são transmitidos pelas vias aferentes para o tálamo , onde o estimulo doloroso, provoca os processos fisiológicos e patológicos.
  19. 19. Processos da Dor Dor nociceptiva é uma sensação que pode ser expressa em graus de desconforto provinda dos receptores específicos. Este tipo de dor está relacionada com o grau de lesão dos tecidos. - Um estimulo nociceptivo causa a ativação das fibras da dor.
  20. 20. Fibras Sensoriais Quando os nociceptores são estimulados, impulsos de dor são levados ao cérebro como um aviso de que a integridade do corpo está em risco. O impulso gerando pelo estímulo é transmitido para a espinha dorsal através das fibras A-delta (esta é a via que produz a sensação da dor aguda e bem localizada) que induzem o impulso doloroso rapidamente e as fibras C (via produz dor mal localizada pelo indivíduo e contínua) que por não ser mielinizadas, conduzem estímulos lentamente.
  21. 21. O fenômeno sensitivo doloroso é a transformação dos estímulos ambientais em potenciais de ação que, das fibras nervosas periféricas, são transmitidas para o SNC. A dor Nociceptiva resulta da ativação de nociceptores Fibras A-delta e C. A-delta: Receptores que respondem a estimulação relacionados á mecânica e/ou térmicas intensas. Fibras C: Respondem á estimulação mecânica, química intensa e/ou térmicas intensas.
  22. 22. RECEPTORES  Mecanoreceptor - Quando ocorre um estímulo mecânico. (receptor estimulado por meios físicos, tais como, impacto, rompimento). Ex: Corte, pancada, perfuração, pressão.  Termoceptor - Quando ocorre um estímulo térmico. (receptor sensível ao calor ou ao frio). Ex: Queimaduras até segundo grau.  Quimioceptor - Quando ocorre estímulo mediado por mecanismo químico. (receptor sensível a alterações químicas). Ex: Na inflamação, ocorre liberação de algumas substâncias que são capazes de estimular terminações nervosas.
  23. 23. O que combate a sensação de dor ? A atividade dos receptores nociceptivos é modulada pela ação de substâncias químicas denominadas algogênicas (são originadas dos mastócitos, leucócitos, plaquetas e de moléculas livres nos vasos), liberadas em elevada concentração no ambiente tecidual em decorrência de processos inflamatório, traumáticos ou isquêmicos.
  24. 24. A estimulação elétrica em regiões diversas do cérebro e medula pode reduzir ou ao mesmo bloquear os impulsos dolorosos transmitidos na medula. Existem dois sistemas de opiáceos (grupo de fármacos que atuam nos receptores neuronais.) no cérebro semelhantes a morfina, as encefalinas e as endorfinas. Elas atuam como transmissores excitadores que ativam porções do sistema analgésico do cérebro.
  25. 25. Dentre as substâncias Algogênicas destacam-se  Histamina  Serotonina  Tromboxana  Leucotrieno  Substância P  Fatos de Ativação Plaquetário.  Íons de Potássio.
  26. 26. Sistema Endócrino O sistema endócrino governa as transmissões químicas dos sinais da dor. Os Hormônios se dividem em: Neurotransmissores: Transmitem impulsos através das sinapses: Epinefrina, dopanina e acetilcolina. Neuromoduladores: são substâncias que atuam junto com os neurotransmissores aumentando ou bloqueando as funções nas transmissões do impulso da dor.
  27. 27. Tipos de Dor  Aguda - se manifesta transitoriamente por um período curto e na maioria das vezes com causas facilmente identificáveis.  Crônica - é aquela que excede seis meses, sendo constante e intermitente. Quase sempre está associada a um processo de doença crônica  Dores cutâneas - quando ocorre lesão de pele. Localizadas e de curta duração.  Dor somática - tem origem nos ligamentos, ossos, tendões, vasos sanguíneos e nervos. (quebra de um braço)  Dor visceral - se origina dentro dos órgãos e cavidades internas do corpo.
  28. 28. Avaliação da Dor
  29. 29. Tratamentos Além de analgésicos (tratamento medicamentosos), existem tratamentos suplementares para Dor, especialmente quando crônica. Algumas clinicas, trata-se de terapias conhecidas como “terapias alternativas”.  Acupuntura - Mais eficiente no tratamento da dor crônica.  Massagem - Atualmente, este é um dos recursos mais utilizados no alivio da dor. Quando bem indicadas e realizada por profissionais habilitados e treinados, podem oferecer alívio temporário não oferecendo riscos.  Exercícios - A prática de uma atividade física é essencial no tratamento da dor aguda e prevenção da dor crônica (Ex: Alongamentos).
  30. 30.  Cinesioterapia - A cinesioterapia permite ganho e/ou manutenção de amplitude dos movimentos articulares, fortalecimento muscular.  Termoterapia - A termoterapia poderá ser de adição (calor) ou de subtração (frio). A termoterapia por adição consiste do emprego de calor superficial ou profundo.  Estimulação Elétrica - Várias modalidades de terapêutica com estimulação elétrica podem ajudar no manejo da dor. Pode-se incluir a estimulação elétrica transcutânea, estimulação elétrica do nervo periférico, estimulação da medula espinal e estimulação intracerebral ou cerebral profunda (casos extremos).
  31. 31. OBRIGADA !

×