Caminhar é preciso

506 visualizações

Publicada em

Publicada em: Notícias e política
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
506
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Caminhar é preciso

  1. 1. Francisco CunhaAliança Francesa24.05.13Caminharé Preciso
  2. 2. DE QUE LUGAR FALO• Arquiteto e urbanista de formação universitária(UFPE, 1981).• Auditor do Tesouro Estadual (concursado).• Consultor de empresas há 25 anos.• Sócio fundador da TGI Consultoria.• Colunista e presidente (licenciado) do ConselhoEditorial da Algomais, a revista de Pernambuco.• Caminhante regular com mais de 3.000 kmandados dentro do Recife nos últimos 6 anos.• Coautor dos guias “Um Dia em Olinda” e “Um Diano Recife”.• Integrante do Observatório do Recife.• Presidente do Conselho de Administração doInstituto Recife de Gestão.
  3. 3. UM RESULTADO DAS CAMINHADAS
  4. 4. ONE DAY
  5. 5. NA SORVETERIA- Onde fica o lixo reciclável?- Não tem lixo reciclável aqui…- E a gente joga tudonum lugar só?Artur, 4 anosMorou em Toronto por 6 meses
  6. 6. ATRAVESSANDO A RUA- Aonde é a faixa de pedestre?- Aqui não tem faixa de pedestre...- E a gente vai atravessar como?Artur, 4 anosMorou em Toronto por 6 meses
  7. 7. E UM PRESENTE MUITO PREOCUPANTE“Parece que o Recife, cidade tãocheia de personalidade e históriatoma um caminho apressado paratransformar-se numreduto de ‘não lugares’,numa paisagem desses ‘nãolugares’.”Kleber Mendonça Filho,cineasta recifense
  8. 8. SITUAÇÃO HOJEUma cidade beirando perigosamente o colapso,prestes a perder a sua “alma” e tornar-se igual aqualquer outra cidade ruim, sem personalidadeprópria– de fato, um “não lugar”.
  9. 9. “Conheço poucas cidadesque se autodestroemtão rapidamente quanto oRecife.”Circe Monteiroarquiteta, mestre em Planejamento Urbanoe doutora em Sociologia - docente da UFPE
  10. 10. CONCLUSÃO DAS CAMINHADASNão existe cidade semcaminhantes e nãoexistem caminhantessem calçadas.
  11. 11. UM ABSURDO“Tem jovem que morano Recife e conheceOrlando antes deconhecer o centro dacidade.”João Recena
  12. 12. ANTES, CAMINHAR ERA PRECISO.
  13. 13. ABANDONAMOS A RUA PELO “CONFORTO” DO CARRO
  14. 14. ... E PELO DESCONFORTO DOS ENGARRAFAMENTOS%
  15. 15. PENA QUE VOAR AINDA NÃO SEJA TÃO ACESSÍVEL...
  16. 16. POR QUE ENGARRAFAMENTOS?Porque não pode umsistema limitado devias ser ocupado poruma quantidadeilimitada de veículos.
  17. 17. Frota de Carros no Recife
  18. 18. 70%UTILIZAM CALÇADAS30%UTILIZAM CARROSDeslocamentos no Recife
  19. 19. ANDAR A PÉ É MODAL E CALÇADA É VIA
  20. 20. Por que caminhar éimprescindível?
  21. 21. PORQUEÉ O QUE NOS FAZHUMANOS
  22. 22. PÉ - UMA MARAVILHA DA NATUREZA
  23. 23. HOMOS SENTADUS
  24. 24. SENTARESTÁ NOSMATANDO.Fonte: medicalbillingcoding.org
  25. 25. Hoje permanecemossentados por maistempo do que nunca:9,3 h por dia.(mais tempo doque gastamosdormindo: 7.7h)Fonte: medicalbillingcoding.org
  26. 26. Sentar por 6h ou mais ao diaaumenta em 40%as chancesde mortenos próximos 15 anosdo que aqueles quesentam por3h ou menos.Fonte: medicalbillingcoding.org
  27. 27. Como sentardestróiseu corpo
  28. 28. Como sentardestróio seu corpoFonte: medicalbillingcoding.orgAs atividades elétricas dosmúsculos das pernas param.A atuação de enzimasque ajudam na queimade gordura cai 90%.A queima de caloria passaa ser de 1 por minuto.Depois de 2h,o colesterol bom (HDL)cai 20%Depois de 24 h,A eficiência da insulina cai 24% e orisco de diabete aumenta.
  29. 29. Saia da sua cadeira.Para muitos, sentar por 8hdiariamente no trabalho é inevitável.Por isso, interrompa suas atividadessempre que possível!ALONGUE-SE CAMINHE FAÇA POLICHINELOS
  30. 30. O corpohumanosimplesmentenão foi feitopara permanecersentado pormuito tempo.
  31. 31. PORQUE É O QUE NOS FAZ CIDADÃOS
  32. 32. PORQUE É O EXERCÍCIO MAIS NATURAL QUE EXISTE
  33. 33. PORQUE AJUDA A PENSAR E FACILITA O RACIOCÍNIO
  34. 34. PORQUE É A MELHOR FORMA DECONTATO COM A NATUREZA
  35. 35. ANDAR A PÉ“Vai oiando coisa a granéCoisa que pra mode verO cristão tem que andar a pé.”Luiz Gonzaga e Humberto Teixeira,Estrada de Canindé (1950)
  36. 36. Estrada de CanindéPara visualizar esse vídeo acesse aqui:http://www.youtube.com/watch?v=giCcxsvM4-k
  37. 37. PORQUE É UM MODO EFICAZ DE ESPANTAR A TRISTEZA
  38. 38. PORQUE É UMA FORMA DE EVITAR MORRER DE RAIVA
  39. 39. Pateta no TrânsitoPara visualizar esse vídeo acesse aqui:http://www.youtube.com/watch?v=SByM954NyGg
  40. 40. “Não é preciso gastar umgrande montante de dinheiropara fazer boas caminhadas.Pense em passeios por ondevocê vive, em seu bairro, emtodos os lugares que puder.Eu já andei muito sem gastarnada além de uns trocadospara os sanduíches.”Hamish Fultonwalking artist britânico
  41. 41. Hoje, nos deslocamos em“túneis refrigerados”Para visualizar esse vídeo acesse aqui:http://www.youtube.com/watch?v=IYv6uWIIm1Y
  42. 42. A pé, temos contatocom a cidade (do lado esquerdo)Para visualizar esse vídeo acesse aqui:http://www.youtube.com/watch?v=v4DEoy2hyPQ
  43. 43. A pé, temos contatocom a cidade (do lado direito)Para visualizar esse vídeo acesse aqui:http://www.youtube.com/watch?v=cCjlIwa3P2I
  44. 44. Para visualizar esse vídeo acesse aqui:http://www.youtube.com/watch?v=0Ug1mADSRaU
  45. 45. Se aqueles que tiveram o privilégio e oesforço de uma condição sócio-econômica, educacional e cultural quepermite ser, além de moradores, cidadãosconscientes e reivindicadores da ordem,abandonam as ruas à sua própria sorte,como ter uma cidade cidadã?Impossível.HIPÓTESE
  46. 46. WALKABILITYÉ a medida do quanto amigável éuma área para caminhar.Sendo boa, ela pode trazer vários benefícios para asaúde para o ambiente e para a economia.Os fatores que influenciama walkability ("andabilidade" ou "caminhabilidade",em português) incluem a presença ou ausência decaminhos, calçadas ou outros itens que interferemno direito de ir e vir, condições de tráfego, uso dosolo, acessibilidade a edificações, segurança, entreoutros.
  47. 47. As calçadas do Recife em 2012
  48. 48. ESTADOS INADEQUADOS1 Calçada inexistente.2 Rebaixamento do meio-fio além do permitido pela legislação.3 Ausência do piso (calçada de areia).4 Piso estragado (buracos, rachaduras, etc.).5 Piso inadequado (escorregadio, em material inapropriado).6 Existência de obstáculos (rampas, inclinações excessivas, etc.).
  49. 49. USOS INADEQUADOS1 Estacionamento de veículos.2 Circulação de motos e bicicletas.3 Ocupação por bares e barracas (bancas de revista).4 Ocupação pela construção civil.5 Invasão pelo setor privado (movelarias, oficinas, etc.).6 Equipamentos públicos urbanos(arborização, telefone público, etc.).
  50. 50. COLOCAR FOTOS DA ZONA SUL.
  51. 51. SEM PALAVRAS
  52. 52. O poder desorganizadorda má calçada• A janela quebrada atrai pedras.Base teórica da Tolerância Zeroem Nova York.• O descaso pelo espaço público estimula aviolência e desencoraja a atuação cidadã.
  53. 53. Precisamos voltaràs ruas caminhando seainda quisermos salvara nossa cidade
  54. 54. “Ver apenas, não! Sentir a cidade.Evocar seu passado, partilhar seupresente, sonhar com seu futuro.”Mário Sette, 1948
  55. 55. “Aparentemente despretensiosos,despropositados e aleatórios,os contatos nas ruas constituema pequena mudança a partir da qualpode florescer a vida públicaexuberante da cidade.”Jane JacobsMorte e Vida das Grandes Cidades
  56. 56. • A violência não permite.• O clima não permite.• As calçadas não permitem.OBJEÇÕES
  57. 57. CORREDORES DE PENITENCIÁRIA“O tráfego e a violência nãosão desculpas paratransformar nossas ruas emcorredores de penitenciária,com guaritas, holofotes,arames farpados e agentesarmados.”José Eduardo de Assis LefèvreArquiteto, professor de Urbanismo da USP
  58. 58. Exemplosde calçadas civilizadas
  59. 59. Praça na Avenida Paulista, projeto de Benedito Abbud, criador do conceito de calçada viva.
  60. 60. Sobram leis efaltam calçadas
  61. 61. A legislação atualobjetiva garantir o usoprioritário das calçadaspara a circulação daspessoas.
  62. 62. No Nível Federal• Código de Trânsito Brasileiro | Lei nº 9.503/1997No Nível Municipal• Lei orgânica do Recife• Plano Diretor da Cidade do Recife| Lei nº 17.511/2008• Lei de Uso e Ocupação do Solo do Recife| Lei nº 16.176/1996• Lei dos sete bairros | Lei nº 16.719/2001• Lei de Edificações e Instalações
  63. 63. Quem deve ser oresponsável pelascalçadas?
  64. 64. As melhores Calçadas do País1º Fortaleza2º Belo Horizonte3º Curitiba4º Porto Alegre5º São Paulo6º Goiânia7º Brasília8º Natal9º Recife10º Salvador11º Rio de Janeiro12º Manaus
  65. 65. O problema das calçadas está,na verdade, relacionado àfalta de vontade políticados governantes, à ausência dedispositivos eficazes decontrole, bem como à falta deconsciência de muitos cidadãos.
  66. 66. Roteiro para umacalçada cidadãno Recife
  67. 67. 1. As necessidades dos pedestres.2. A outras necessidades sociais, especialmente dosciclistas e de transporte público de passageiros.3. As de transporte de mercadorias, normalmentecompatibilizadas com as anteriores por meio derestrições de horários e de itinerários.4. Finalmente, as necessidades de circulação deautomóveis particulares.Prioridades da política de transportesegundo a Carta do Pedestre
  68. 68. Prioridades de umamobilidade cidadã
  69. 69. “Devemos pensar em cidadespara os mais vulneráveis.Para as crianças, os idosos, os que semovimentam em cadeiras de rodas,para os mais pobres. Se a cidade forboa para eles, será também para osdemais.”Henrique Peñalosa,ex-prefeito de Bogotá.
  70. 70. Passo 1 Consciência e EngajamentoPasso 2 Coordenação UnificadaPasso 3 Complemento da LegislaçãoPasso 4 Padrão para as Calçadas
  71. 71. Passo 5 Cartilha para OrientaçãoPasso 6 Controle RígidoPasso 7 Fiscalização RigorosaPasso 8 Plano de Adaptação à Legislação
  72. 72. Passo 9 Programa de ConscientizaçãoPasso 10 Participação Cidadã
  73. 73. O RioCapibaribereintegrado
  74. 74. UM RIO VIVO E INTEGRADO À CIDADE
  75. 75. Foto: Projeto do arquiteto Luiz Vieira para o Açude de ApipucosParque Lineardo Capibaribe
  76. 76. Foto: Projeto do arquiteto Luiz Vieira para o Açude de Apipucos
  77. 77. Comece fazendoo que é necessário,depois o que é possível,de repente, você estaráfazendo oImpossível.São Francisco de Assis
  78. 78. 1. Fazer o Necessário é tirarimediatamente o carros das calcadas.2. Fazer o Possível é, no médio prazo,implantar uma política de calçadas quetorne irreversível o caminho daqualidade (cartilha, fiscalização,intervenções pontuais etc.).3. Fazer o que parece Impossível é, até ofinal da gestão, ter calçadas decentes eimplantado o respeito ao cidadão-pedestre no Recife (70% da população).ATINGINDO O QUE PARECE IMPOSSÍVEL
  79. 79. “A viagem de descobertaconsiste não em acharnovas paisagens, mas emver com novos olhos.”Marcel Proust

×