SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 25
Baixar para ler offline
/25
      ESCOLA E.B.2/3 CIDADE DE CASTELO BRANCO




FACTORES ABIÓTICOS
TEMPERATURA


   Prof. Teresa Condeixa Monteiro
   (adaptado de vários autores anónimos)
  http://www.angelfire.com/un/esmm_cn8/fact_abio.pdf
                                                       CIÊNCIAS
                                                       NATURAIS
                                                        8ºANO
                                 2012/2013
2 /25

Factores abióticos
  São fatores físico-químicos que influenciam os diferentes
   seres vivos de um ecossistema, podendo favorecer ou
       dificultar o desenvolvimento de uma espécie.
3 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
     Temperatura é a medida da quantidade de calor
             existente num dado ambiente

  Varia com:




   Altitude ou        Latitude         Estação do ano
  profundidade
4 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
     Variação da taxa de crescimento de uma espécie…


                                       Em A - a taxa de crescimento do ser
                                       vivo aumenta com o aumento do factor
                                       em questão.

               A                   B
                                       Em B - a taxa de crescimento do ser
                                       vivo diminui com o aumento do factor
                                       em questão.
 In Escola virtual -portoeditora




                                                                              4
5 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
  Variação da taxa de crescimento de uma espécie em
  função da temperatura

                          Temperatura óptima valores que
                          levam a espécie a reagir
                          favoravelmente.

                          Temperatura letal temperaturas
                          que levam à morte dos seres
                          vivos.

                          Intervalo de tolerância valores
                          situados entre as temperaturas
                          óptimas e as letais.          5
6 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
  Variação da taxa de crescimento de uma espécie…




                                                       6
7 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
   Classificação dos seres vivos de acordo com a sua
   tolerância perante variações de temperatura

ESTENOTÉRMICOS - não toleram grandes variações de
temperatura
EURITÉRMICOS - toleram grandes variações de temperatura
                                                estenotérmica




                                         euritérmica




                                          Temperatura
8 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
   Classificação dos seres vivos de acordo com a sua
   temperatura corporal:
 HOMEOTÉRMICOS
 animais que mantêm a temperatura
 corporal constante, independentemente da
 temperatura do meio ambiente.

 Ex: aves e mamíferos
 POIQUILOTÉRMICOS
 animais cuja temperatura corporal varia
 consoante varia a temperatura do ambiente
 em que estão inseridos.

Ex: peixes, répteis, anfíbios
9 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA

   Dá exemplos de
   adaptações dos
    seres vivos a
    temperaturas
   desfavoráveis?
Factores abióticos - TEMPERATURA
11 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:

 1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS




 2 - ADAPTAÇÕES CORPORAIS
12 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS

  a) Migração
    No Inverno percorrem as mais variadas distâncias, em
    busca de um local onde o clima seja mais quente, e
    haja abundância de alimentos de forma a garantir a
    sua sobrevivência e reprodução.




    Ex: flamingos, cegonha negra, andorinhas
13 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS
  b) Redução das actividades vitais para
  valores mínimos.
 Hibernação -               Se ocorrer na estação fria
 Estado de sonolência e inactividade.
 O ritmo respiratório e cardíaco reduzem-se e a
 sua temperatura corporal baixa. Consomem
 muito pouca energia.
  Ex.: Ouriço-cacheiro; Urso-
  pardo; Castor; Musaranho;
  Marmota; Doninha; Esquilo;
  Morcego; Hamster; Texugo
14 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS
  b) Redução das actividades vitais para
  valores mínimos.

  Estivação
  Se ocorrer na estação quente
  Ex.: caracóis; crocodilo
15 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS

 c) Abrigam-se durante as horas de maior
  calor.
16 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS

 d) …
17 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
  Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS
  a) Quantidade de gordura subcutânea
  Grande teor de gordura
  subcutânea que contribui
  para que a perda de
  calor seja mínima,
  permitindo assim a
  sobrevivência em regiões
  muito frias.
  A camada de gordura, no pinguim imperador, pode chegar a ter 3 cm de
 espessura antes de uma época de reprodução
18 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS
 b) Densidade das penas.
  As penas do pinguim-
  imperador proporcionam
  de 80 a 90% do seu
  isolamento térmico. Com
  cerca de 100 penas a
  cobrir 6,5 cm², é a
  espécie de ave com maior
  densidade de penas.
19 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS
 c) Tamanho e densidade dos pêlos.
  Pêlos grandes e densos criam uma camada isolante que
  mantém o urso aquecido quando ele está na água.
20 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
 Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis:
  2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS
 d) Maior superfície corporal em contacto
 com o exterior(orelhas grandes).

  Permite um
  arrefecimento do
  corpo.
21 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
  Adaptações que permitem a Raposa feneco resistir
  às temperaturas quentes:

  • Pêlos menos densos e mais curtos
  • Menos gordura
  • Maior superfície corporal em
    contacto com o exterior(orelhas
    grandes)
  • Abrigam-se durante o dia em
    buracos.                                 Raposa feneco


     Estas características facilitam a perda de calor para o
     meio e evitam o sobreaquecimento.
22 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
  Adaptações das plantas às baixas temperaturas:


                                           Plantas anuais




                                           Plantas bienais




                                           Plantas vivazes ou
                                                perenes
23 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
  Adaptações das plantas às baixas temperaturas:



  • Plantas anuais
  • Não conseguem suportar o frio
    deixando as sementes para germinar
    no ano seguinte.
    Ex.: ervilheira, feijoeiro.

 • Plantas bienais
 • Perdem a sua parte aérea mas
   mantêm a parte subterrânea.
   Ex.: lírio, salsa
24 /25

Factores abióticos - TEMPERATURA
     Adaptações das plantas às baixas temperaturas:

    • Plantas vivazes ou perenes
    • Mantêm a sua estrutura todo o ano, apesar de algumas
      serem de folha caduca.




Árvores com copa em Δ, folhas pequenas   Árvores que deixam cair as folhas
cobertas por uma cutícula                e ficam em estado latente
25 /25




http://www.angelfire.com/un/esmm_cn8/fact_abio.pdf

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Apresentação eutrofização (VCBGCV)
Apresentação eutrofização (VCBGCV)Apresentação eutrofização (VCBGCV)
Apresentação eutrofização (VCBGCV)Jéssyca Oliveira
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaCatir
 
Factores abióticos - luz
Factores abióticos - luzFactores abióticos - luz
Factores abióticos - luzCatir
 
Fatores limitantes
Fatores limitantesFatores limitantes
Fatores limitantesunesp
 
Fatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperaturaFatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperaturaAna Castro
 
Fatores do meio que influenciam as plantas
Fatores do meio que influenciam as plantasFatores do meio que influenciam as plantas
Fatores do meio que influenciam as plantasnenhuma
 
Fatores abióticos - humidade
  Fatores abióticos - humidade  Fatores abióticos - humidade
Fatores abióticos - humidadeAna Castro
 
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)InesTeixeiraDuarte
 
"Indicadores de Sustentabilidade"
"Indicadores de Sustentabilidade""Indicadores de Sustentabilidade"
"Indicadores de Sustentabilidade"UNDP Policy Centre
 
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentaçãoG5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentaçãosepb
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Bio
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasGabriela Bruno
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosmariacarmoteixeira
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIsandranascimento
 

Mais procurados (20)

Apresentação eutrofização (VCBGCV)
Apresentação eutrofização (VCBGCV)Apresentação eutrofização (VCBGCV)
Apresentação eutrofização (VCBGCV)
 
Fatores abioticos
Fatores abioticosFatores abioticos
Fatores abioticos
 
Factores Abióticos - Água
Factores Abióticos - ÁguaFactores Abióticos - Água
Factores Abióticos - Água
 
Factores abióticos - luz
Factores abióticos - luzFactores abióticos - luz
Factores abióticos - luz
 
Fatores limitantes
Fatores limitantesFatores limitantes
Fatores limitantes
 
Fatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperaturaFatores abióticos: temperatura
Fatores abióticos: temperatura
 
Fatores do meio que influenciam as plantas
Fatores do meio que influenciam as plantasFatores do meio que influenciam as plantas
Fatores do meio que influenciam as plantas
 
Fatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e ventoFatores abióticos - solo e vento
Fatores abióticos - solo e vento
 
Areia
AreiaAreia
Areia
 
Fatores abióticos - humidade
  Fatores abióticos - humidade  Fatores abióticos - humidade
Fatores abióticos - humidade
 
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
Biologia 10º Ano - Obtenção de Matéria (Unidade 1)
 
Instalações de aves
Instalações de avesInstalações de aves
Instalações de aves
 
"Indicadores de Sustentabilidade"
"Indicadores de Sustentabilidade""Indicadores de Sustentabilidade"
"Indicadores de Sustentabilidade"
 
Reprodução assexuada
Reprodução assexuadaReprodução assexuada
Reprodução assexuada
 
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentaçãoG5 influência da luz no comportamento dos animais   apresentação
G5 influência da luz no comportamento dos animais apresentação
 
Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)Aula de Fotossíntese (Power Point)
Aula de Fotossíntese (Power Point)
 
Ciclo do carbono
Ciclo do carbonoCiclo do carbono
Ciclo do carbono
 
Dinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos EcossistemasDinâmica dos Ecossistemas
Dinâmica dos Ecossistemas
 
Ecossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticosEcossistemas - fatores abióticos
Ecossistemas - fatores abióticos
 
III - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS IIIII - FATORES ABIÓTICOS II
III - FATORES ABIÓTICOS II
 

Destaque

Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores AbióticosSérgio Luiz
 
Resposta do vegetal ao estresse
Resposta do vegetal ao estresseResposta do vegetal ao estresse
Resposta do vegetal ao estresseDaiane Moura
 
Vagas de calor
Vagas de calorVagas de calor
Vagas de calorMayjö .
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasAna Carolina Boa
 
Dicas para usar o PowerPoint
Dicas para usar o PowerPointDicas para usar o PowerPoint
Dicas para usar o PowerPointsilvanatsal
 

Destaque (8)

Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Resposta do vegetal ao estresse
Resposta do vegetal ao estresseResposta do vegetal ao estresse
Resposta do vegetal ao estresse
 
Vagas de calor
Vagas de calorVagas de calor
Vagas de calor
 
Fisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantasFisiologia do estresse em plantas
Fisiologia do estresse em plantas
 
4 fatores abioticos-temperatura
4 fatores abioticos-temperatura4 fatores abioticos-temperatura
4 fatores abioticos-temperatura
 
Dicas para usar o PowerPoint
Dicas para usar o PowerPointDicas para usar o PowerPoint
Dicas para usar o PowerPoint
 
I - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRAI - CONDIÇÕES DA TERRA
I - CONDIÇÕES DA TERRA
 
II - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS III - FATORES ABIÓTICOS I
II - FATORES ABIÓTICOS I
 

Semelhante a Adaptações à temperatura

00factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp01
00factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp0100factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp01
00factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp01Pelo Siro
 
Factores abioticos
Factores abioticosFactores abioticos
Factores abioticosRita Pereira
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosJoana Faria
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosMINEDU
 
8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticossilvia_lfr
 
8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticossilvia_lfr
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosTeresa Cardoso
 
Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01Guilherme Acosta
 
Factores abióticos temperatura
Factores abióticos temperaturaFactores abióticos temperatura
Factores abióticos temperaturapedropereiraeu
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptxIsabel Guedes
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticoserbserbs
 
Factores Abióticos: Temperatura
 Factores Abióticos: Temperatura Factores Abióticos: Temperatura
Factores Abióticos: Temperaturaerbserbs
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasInês Mota
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314Sandra Soares
 
Factores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaFactores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaTeresa Monteiro
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptxmariagrave
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosCristina Vitória
 

Semelhante a Adaptações à temperatura (20)

00factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp01
00factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp0100factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp01
00factoresabiticostemperaturatc20102011 110108152154-phpapp01
 
Factores abioticos
Factores abioticosFactores abioticos
Factores abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos8ºano cn ficha factores-abioticos
8ºano cn ficha factores-abioticos
 
8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos8ºano fq ficha factores-abioticos
8ºano fq ficha factores-abioticos
 
Ficha factores-abioticos
Ficha factores-abioticosFicha factores-abioticos
Ficha factores-abioticos
 
Fatores abióticos
Fatores abióticosFatores abióticos
Fatores abióticos
 
Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01Ecologia de insetos 2010 01
Ecologia de insetos 2010 01
 
Factores abióticos temperatura
Factores abióticos temperaturaFactores abióticos temperatura
Factores abióticos temperatura
 
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
8º ano PPT 3 Interações seres vivos - ambiente Fatores abióticos.pptx
 
Factores Abióticos
Factores AbióticosFactores Abióticos
Factores Abióticos
 
Interações biologicas.pptx
Interações biologicas.pptxInterações biologicas.pptx
Interações biologicas.pptx
 
Fatores Abióticos
Fatores AbióticosFatores Abióticos
Fatores Abióticos
 
Factores Abióticos: Temperatura
 Factores Abióticos: Temperatura Factores Abióticos: Temperatura
Factores Abióticos: Temperatura
 
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - EcossistemasResumo CN 8º ano - Ecossistemas
Resumo CN 8º ano - Ecossistemas
 
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
Finf 1   fatores abióticos 8º 1314Finf 1   fatores abióticos 8º 1314
Finf 1 fatores abióticos 8º 1314
 
Factores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos TemperaturaFactores Abióticos Temperatura
Factores Abióticos Temperatura
 
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx391929950-7-fatores-abioticos.pptx
391929950-7-fatores-abioticos.pptx
 
Biosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticosBiosfera e factores abióticos
Biosfera e factores abióticos
 

Mais de Teresa Monteiro

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_201203_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012Teresa Monteiro
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012Teresa Monteiro
 
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_201201_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012Teresa Monteiro
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tcTeresa Monteiro
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tcTeresa Monteiro
 
Factores bioticos TC_20102011
Factores  bioticos TC_20102011Factores  bioticos TC_20102011
Factores bioticos TC_20102011Teresa Monteiro
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!Teresa Monteiro
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011Teresa Monteiro
 
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_2010201104 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_20102011Teresa Monteiro
 
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência   namoro relações sexuaisGravidez na adolescência   namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência namoro relações sexuaisTeresa Monteiro
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011Teresa Monteiro
 
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tcTeresa Monteiro
 
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 TcEstrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 TcTeresa Monteiro
 
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TCEstrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TCTeresa Monteiro
 
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc091001 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910Teresa Monteiro
 
03 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 091003 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 0910Teresa Monteiro
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910Teresa Monteiro
 

Mais de Teresa Monteiro (20)

03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_201203_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
03_CN9_saúde individual_comunitária_promoção_saúde_tc_2011_2012
 
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_2011201202_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
02_CN9_indicadores_estado_saúde_tc_20112012
 
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_201201_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
01_CN9_ Noção de saúde e qualidade de vida_TC_2011_2012
 
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
03 fluxo de energia e ciclo de matéria 20102011_tc
 
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
00 cadeias e teias alimentares 2011_20102011_tc
 
Factores bioticos TC_20102011
Factores  bioticos TC_20102011Factores  bioticos TC_20102011
Factores bioticos TC_20102011
 
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!Gravidez na adolescência   Gravidez e agora!
Gravidez na adolescência Gravidez e agora!
 
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_2010201103 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
03 factores abióticos_humidade_pluviosidade_tc_20102011
 
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_2010201104 factores abióticos_solo_tc_20102011
04 factores abióticos_solo_tc_20102011
 
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência   namoro relações sexuaisGravidez na adolescência   namoro relações sexuais
Gravidez na adolescência namoro relações sexuais
 
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_2010201102 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
02 factores abióticos_temperatura_luz_exercicios_tc_20102011
 
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc01 factores abióticos_luz_20102011_tc
01 factores abióticos_luz_20102011_tc
 
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 TcEstrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
Estrutura da Terra_modelos_ 20102011 Tc
 
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TCEstrutura da Terra_metodos_20102011_TC
Estrutura da Terra_metodos_20102011_TC
 
Beleza Verde
Beleza VerdeBeleza Verde
Beleza Verde
 
00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra00 Historia Da Terra
00 Historia Da Terra
 
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc091001 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
01 FormaçãO De SequêNcias De Estratos Tc0910
 
03 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 091003 Fosseis Passeios Pais 0910
03 Fosseis Passeios Pais 0910
 
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 091002 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
02 O Que Nos Dizem Os Fosseis Tc 0910
 
01 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 091001 Fosseis Tc 0910
01 Fosseis Tc 0910
 

Último

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Paula Meyer Piagentini
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxacaciocarmo1
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURADouglasVasconcelosMa
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxGislaineDuresCruz
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoprofleticiasantosbio
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbyasminlarissa371
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas BrasileirosMary Alvarenga
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsxGilbraz Aragão
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...nexocan937
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoCelianeOliveira8
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxHlioMachado1
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaeliana862656
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evoluçãoprofleticiasantosbio
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãodanielagracia9
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.azulassessoria9
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no textoMariaPauladeSouzaTur
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Paula Meyer Piagentini
 

Último (20)

Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
Estudo Dirigido de Literatura / Primeira Série do E.M.
 
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptxBaladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
Baladão sobre Variação Linguistica para o spaece.pptx
 
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURACRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
CRONOGRAMA: AÇÕES DO PROJETO ESTAÇÃO LEITURA
 
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptxAULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
AULA-06---DIZIMA-PERIODICA_9fdc896dbd1d4cce85a9fbd2e670e62f.pptx
 
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumoModelos atômicos: quais são, história, resumo
Modelos atômicos: quais são, história, resumo
 
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbv19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
v19n2s3a25.pdfgcbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbbb
 
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptxSlides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
Slides Lição 3, CPAD, O Céu - o Destino do Cristão, 2Tr24,.pptx
 
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona  - Povos Indigenas BrasileirosMini livro sanfona  - Povos Indigenas Brasileiros
Mini livro sanfona - Povos Indigenas Brasileiros
 
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil  2023.ppsxA área de ciências da religião no brasil  2023.ppsx
A área de ciências da religião no brasil 2023.ppsx
 
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
Minha Luta (Mein Kampf), A História do País que Lutou contra a União Soviétic...
 
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025Os Ratos  -  Dyonelio Machado  FUVEST 2025
Os Ratos - Dyonelio Machado FUVEST 2025
 
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptxSlides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
Slides Lição 01, Central Gospel, Os Sinais do Fim dos Tempos 2Tr24.pptx
 
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e femininoGametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
Gametogênese, formação dos gametas masculino e feminino
 
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptxRevolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
Revolução Industrial - Revolução Industrial .pptx
 
Apreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escritaApreciação crítica -exercícios de escrita
Apreciação crítica -exercícios de escrita
 
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. EvoluçãoAs teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
As teorias de Lamarck e Darwin. Evolução
 
atividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetizaçãoatividades diversas 1° ano alfabetização
atividades diversas 1° ano alfabetização
 
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
c) O crime ocorreu na forma simples ou qualificada? Justifique.
 
As variações do uso da palavra "como" no texto
As variações do uso da palavra "como" no  textoAs variações do uso da palavra "como" no  texto
As variações do uso da palavra "como" no texto
 
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
Jogo de Revisão Segunda Série (Primeiro Trimestre)
 

Adaptações à temperatura

  • 1. /25 ESCOLA E.B.2/3 CIDADE DE CASTELO BRANCO FACTORES ABIÓTICOS TEMPERATURA Prof. Teresa Condeixa Monteiro (adaptado de vários autores anónimos) http://www.angelfire.com/un/esmm_cn8/fact_abio.pdf CIÊNCIAS NATURAIS 8ºANO 2012/2013
  • 2. 2 /25 Factores abióticos São fatores físico-químicos que influenciam os diferentes seres vivos de um ecossistema, podendo favorecer ou dificultar o desenvolvimento de uma espécie.
  • 3. 3 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Temperatura é a medida da quantidade de calor existente num dado ambiente Varia com: Altitude ou Latitude Estação do ano profundidade
  • 4. 4 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Variação da taxa de crescimento de uma espécie… Em A - a taxa de crescimento do ser vivo aumenta com o aumento do factor em questão. A B Em B - a taxa de crescimento do ser vivo diminui com o aumento do factor em questão. In Escola virtual -portoeditora 4
  • 5. 5 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Variação da taxa de crescimento de uma espécie em função da temperatura Temperatura óptima valores que levam a espécie a reagir favoravelmente. Temperatura letal temperaturas que levam à morte dos seres vivos. Intervalo de tolerância valores situados entre as temperaturas óptimas e as letais. 5
  • 6. 6 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Variação da taxa de crescimento de uma espécie… 6
  • 7. 7 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Classificação dos seres vivos de acordo com a sua tolerância perante variações de temperatura ESTENOTÉRMICOS - não toleram grandes variações de temperatura EURITÉRMICOS - toleram grandes variações de temperatura estenotérmica euritérmica Temperatura
  • 8. 8 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Classificação dos seres vivos de acordo com a sua temperatura corporal: HOMEOTÉRMICOS animais que mantêm a temperatura corporal constante, independentemente da temperatura do meio ambiente. Ex: aves e mamíferos POIQUILOTÉRMICOS animais cuja temperatura corporal varia consoante varia a temperatura do ambiente em que estão inseridos. Ex: peixes, répteis, anfíbios
  • 9. 9 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Dá exemplos de adaptações dos seres vivos a temperaturas desfavoráveis?
  • 10. Factores abióticos - TEMPERATURA
  • 11. 11 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS 2 - ADAPTAÇÕES CORPORAIS
  • 12. 12 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS a) Migração No Inverno percorrem as mais variadas distâncias, em busca de um local onde o clima seja mais quente, e haja abundância de alimentos de forma a garantir a sua sobrevivência e reprodução. Ex: flamingos, cegonha negra, andorinhas
  • 13. 13 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS b) Redução das actividades vitais para valores mínimos. Hibernação - Se ocorrer na estação fria Estado de sonolência e inactividade. O ritmo respiratório e cardíaco reduzem-se e a sua temperatura corporal baixa. Consomem muito pouca energia. Ex.: Ouriço-cacheiro; Urso- pardo; Castor; Musaranho; Marmota; Doninha; Esquilo; Morcego; Hamster; Texugo
  • 14. 14 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS b) Redução das actividades vitais para valores mínimos. Estivação Se ocorrer na estação quente Ex.: caracóis; crocodilo
  • 15. 15 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS c) Abrigam-se durante as horas de maior calor.
  • 16. 16 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 1 - ADAPTAÇÕES COMPORTAMENTAIS d) …
  • 17. 17 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS a) Quantidade de gordura subcutânea Grande teor de gordura subcutânea que contribui para que a perda de calor seja mínima, permitindo assim a sobrevivência em regiões muito frias. A camada de gordura, no pinguim imperador, pode chegar a ter 3 cm de espessura antes de uma época de reprodução
  • 18. 18 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS b) Densidade das penas. As penas do pinguim- imperador proporcionam de 80 a 90% do seu isolamento térmico. Com cerca de 100 penas a cobrir 6,5 cm², é a espécie de ave com maior densidade de penas.
  • 19. 19 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS c) Tamanho e densidade dos pêlos. Pêlos grandes e densos criam uma camada isolante que mantém o urso aquecido quando ele está na água.
  • 20. 20 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações dos animais às temperaturas desfavoráveis: 2 - ADAPTAÇÕES MORFOLÓGICAS d) Maior superfície corporal em contacto com o exterior(orelhas grandes). Permite um arrefecimento do corpo.
  • 21. 21 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações que permitem a Raposa feneco resistir às temperaturas quentes: • Pêlos menos densos e mais curtos • Menos gordura • Maior superfície corporal em contacto com o exterior(orelhas grandes) • Abrigam-se durante o dia em buracos. Raposa feneco Estas características facilitam a perda de calor para o meio e evitam o sobreaquecimento.
  • 22. 22 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações das plantas às baixas temperaturas: Plantas anuais Plantas bienais Plantas vivazes ou perenes
  • 23. 23 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações das plantas às baixas temperaturas: • Plantas anuais • Não conseguem suportar o frio deixando as sementes para germinar no ano seguinte. Ex.: ervilheira, feijoeiro. • Plantas bienais • Perdem a sua parte aérea mas mantêm a parte subterrânea. Ex.: lírio, salsa
  • 24. 24 /25 Factores abióticos - TEMPERATURA Adaptações das plantas às baixas temperaturas: • Plantas vivazes ou perenes • Mantêm a sua estrutura todo o ano, apesar de algumas serem de folha caduca. Árvores com copa em Δ, folhas pequenas Árvores que deixam cair as folhas cobertas por uma cutícula e ficam em estado latente

Notas do Editor

  1. Os fatores abióticos afetam a distribuição dos seres vivos (ex. distribuição dos organismos em ambiente com temperaturas e solos – deserto/floresta); influenciam o seu comportamento (ex. deslocação dos caracóis à procura de humidade); e afetam o seu desenvolvimento/crescimento (ex. a germinação e crescimento de sementas na ausência/presença de água/luz). A ação dos fatores abióticos não ocorre isoladamente mas de modo conjunto. Os fatores abióticos determinam os seres vivos que ocupam um dado habitat.
  2. ESPÉCIES ESTENOTÉRMICAS Espécies que sobrevivem entre estreitos limites de temperatura(pequena amplitude térmica). Ex: Lagartixa ESPÉCIES EURITÉRMICAS Espécies que resistem a grandes variações de temperatura(grande amplitude térmica). Ex: Lobo, homem
  3. Os animais poiquilotérmicos são animais de “sangue-frio ”, ou também designados por exotérmicos . Estes não têm mecanismo de controlo da temperatura interna do seu corpo, assim o seu metabolismo dependente do meio externo. Para conseguirem manter a sua temperatura corporal estável adoptam certos mecanismos de comportamento ao longo do dia. Os animais poiquilotérmicos incluem todos os animais excepto as aves e mamíferos. Alguns tipos de comportamentos demonstrados pelos animais poiquilotérmicos são: entrar e sair da água, exposição ao sol ou procura de sombra, mudança de profundidade nas águas, etc. As cobras (e lagartos) que tomam banhos de sol sobre pedras. Os peixes que se colocam a diferentes níveis de profundidade nas colunas de água, de forma a encontrar a temperatura ideal. Animais, no deserto, que se enterram debaixo da areia durante o dia. Insetos que esquentam seus músculos de vôo vibrando-os no mesmo lugar. Os animais endotérmicos são aqueles a que nós chamamos de “ sangue quente ” ou também designados por homeotérmicos . Ao contrário dos poiquilotérmicos, estes animais possuem mecanismos internos que regulam a temperatura corporal. A termorregulação é o nome a que se dá a esta capacidade de regular a temperatura interna. Nos animais poiquilotérmicos, esta termorregulação é efectuada através dos tais padrões de comportamento que permitem absorver ou perder calor, enquanto nos animais endotérmicos, esta já depende da taxa metabólica destes mesmos seres. Os mecanismos internos dos animais endotérmicos funcionam como um termóstato ou seja, o organismo vai corrigir a diferença de temperatura entre o interior e o exterior do corpo através de uma série de processos. O hipotálamo vai ser o centro deste processo, é este que vai comandar o resto do organismo a actuar de forma correcta: os nervos da pele ao sentirem uma variação da temperatura, enviam um estímulo ao hipotálamo; este ao receber o estímulo vai comandar o corpo a activar certas funções, no caso humano, quando é detectado um desvio para baixo do valor normal da temperatura do organismo, os músculos esqueléticos e os capilares sanguíneos contraem-se (daí uma pessoa tremer quando está com muito frio); quando é detectado um desvio para cima do valor normal, as glândulas sudoríparas começam a produzir suor e os capilares sanguíneos dilatam-se. Assim conclui-se que são vários os métodos utilizados para regular a temperatura corporal nos seres endotérmicos: transpiração; dilatação/contracção dos capilares sanguíneos; contracção dos músculos esqueléticos.
  4. Há animais que hibernam durante parte ou todo o Inverno. Trata-se de um sono especial, muito profundo. A temperatura de corpo do animal cai e os seus ritmos cardíacos e respiratório baixam. Consomem  muito pouca energia. Estado de sonolência e inactividade., durante o qual as actividades vitais de um organismo são reduzidas ao mínimo necessário à sua sobrevivência. a sua temperatura corporal baixa, o que lhe permite sobreviver sem se alimentar, utilizando apenas as reservas de gordura que armazenou antes da chegada da estação desfavorável. Muitos animais, como répteis, batráquios e alguns mamíferos, entram num estado de dormência profundo e prolongado, para resistirem às baixas temperaturas do Inverno. Mantêm-se imóveis, alimentando-se das reservas de gordura acumuladas durante o Verão. - Normalmente abrigam-se em tocas ou galerias onde a temperatura é mais estável. - Quando chega a Primavera, voltam à vida activa. - Ex.: Ursos, lagartos, esquilos, ouriços-cacheiros, tartarugas, caracóis. No Outono, estes animais preparam-se para o Inverno ingerindo comida extra e armazenando-a, no corpo, sob a forma de gordura e usam-na para obterem energia enquanto hibernam. Alguns também armazenam comida como nozes ou bolotas para comerem depois durante a estação fria.       Exemplos de animais que hibernam são os ursos, as doninhas fedorentas, os esquilos, e alguns morcegos. Animais de sangue frio como peixes, rãs, serpentes e tartarugas não têm nenhum modo de se manterem quentes durante o Inverno. Serpentes e muitos outros répteis encontram abrigo em buracos ou covas, e passam o Inverno inactivos, ou dormentes. É um estado semelhante à hibernação. A água é um bom refúgio para muitos animais. Quando o tempo se põe frio, eles movem-se para o fundo dos lagos e lagoas. Aí, rãs, tartarugas e muitos peixes escondem-se debaixo de pedras, troncos ou folhas caídas. Até se podem enterrar mesmo na lama. Ficam dormentes. A água fria fixa mais oxigénio do que água morna, e as rãs e tartarugas podem absorvê-lo através da pele. De Inverno, os insectos procuram abrigo em buracos no solo, debaixo da casca de árvores, em troncos apodrecidos ou em qualquer pequena fenda. Muitos passam o Inverno dormentes, que é semelhante à hibernação, em que o crescimento e desenvolvimento param. Os ritmos do coração e da respiração do insecto baixam, assim como a sua temperatura. Alguns insectos passam o Inverno sob a forma de larva. Outros sob a forma de ninfa. (é nesta altura que muitos deles passam de uma forma a outra). Outros morrem, no Outono, depois de porem ovos que, na Primavera dão lugar a novos insectos e então, por todo o lado, tudo começa de novo. Hibernação Quando chega o Inverno evitamos abrir com frequência as janelas de casa, ligamos o aquecimento e vamos buscar ao fundo do armário os camisolões mais quentes. Na Natureza, a vida dos animais não está tão facilitada. Miguel Monteiro Os animais de sangue-frio (poiquilotérmicos) adoptam a temperatura ambiente e quando esta sofre reduções acentuadas vêem-se incapazes de realizar as suas funções básicas. Assim, cobras, lagartos, cágados e rãs hibernam com a chegada do Inverno. A baixas temperaturas, os animais endotérmicos - com capacidade de regular a sua temperatura - precisam de mais energia para manter o seu metabolismo. Os de menores dimensões, com uma taxa metabólica mais elevada, perdem calor corporal mais rapidamente e, em consequência, têm uma maior necessidade de ingerir alimentos. Neste grupo encontram-se, por exemplo, os insectívoros, como o ouriço, e particularmente os morcegos, que com os meses mais frios ficam privados da sua principal fonte de alimento. A hibernação é uma resposta dos indivíduos às condições adversas do ambiente. O momento de hibernar é despoletado através de indicações externas, como a falta de alimento, a temperatura ou o facto de os dias ficarem mais curtos. Ao nível interno, ciclos sazonais de hormonas, aminoácidos e neurotransmissores podem ser os responsáveis pelo despoletar do período de dormência, particularmente nos répteis. Dentro do que geralmente é catalogado de “hibernação” existem diferentes situações a considerar. Na verdadeira hibernação, o metabolismo é drasticamente diminuído. A digestão cessa, a circulação é reduzida, o sistema imunitário deixa de funcionar e as capacidades sensoriais dos indivíduos sofrem uma quebra. Em consequência, há uma diminuição dos gastos energéticos, podendo o animal sobreviver com a gordura que armazenou no período pré-hibernação. A taxa metabólica regista valores até 1% do normal, a temperatura do corpo pode ficar apenas 1ºC acima da temperatura ambiente, os batimentos cardíacos atingem os 5-10 por minuto e a respiração sofre um abrandamento, podendo existir períodos de apneia de cerca de 1 hora. Dois períodos são cruciais para os hibernantes: o “adormecer” e o acordar. O adormecimento é um processo geralmente lento, com episódios espaçados de dormência. Animais que não tenham adquirido reservas de gordura suficiente não sobreviverão ao Inverno. Por outro lado, se estiverem com problemas de saúde (doenças ou feridas), estes irão agravar-se, pois a redução do consumo de oxigénio altera o pH - levando à inactividade de algumas enzimas - e, a curto prazo, o sistema imunitário ficará inoperante. Quando acordam, a maioria dos animais necessita rapidamente de encontrar água (e de excretar). Os que pesam menos de 10 g recuperam a temperatura ao ritmo máximo de 1ºC por minuto, enquanto que os com mais de 5 kg conseguem um máximo de 0,1ºC/min.. O aumento da temperatura é feito à custa da contracção alternada de músculos antagónicos, que permite a produção de calor (e não de movimento). As mitocôndrias da gordura castanha, como não sintetizam ATP, vão dissipar a energia da oxidação sob a forma de calor, contribuindo também para o aquecimento do corpo. Em ambos os períodos o animal move-se meio adormecido, de forma mais ou menos descoordenada, encontrando-se assim mais vulnerável aos seus predadores. Alguns animais passam por um tipo de dormência que pode durar apenas um dia ou umas horas. Neste estado, a temperatura do corpo, a taxa metabólica e outras funções fisiológicas do animal decrescem, mas não atingem os valores da verdadeira hibernação. Este “sono” é despoletado em qualquer altura de escassez de alimento ou quando o nível de reservas de gordura do organismo é baixo. É comum em noitibós, algumas espécies de texugos, répteis e andorinhas. Quando as temperaturas são muito elevadas e a água é escassa, alguns animais têm forçosamente que conservar a água do corpo. Para tal, diminuem o ritmo respiratório e o metabolismo durante os meses mais quentes do Verão (por exemplo, em regiões desérticas). A este tipo de dormência chama-se “estivação” e ocorre nalguns insectos, anfíbios, répteis e gastrópodes. O urso, ao contrário do que se possa pensar, não é um verdadeiro hibernante. A temperatura do corpo desce apenas 5 a 9 ºC em relação ao normal e os batimentos cardíacos descem de 60-90 bpm (batimentos por minuto) para 8-40 bpm. Para resistir ao frio, tem que procurar um abrigo (e.g. buracos em árvores ou cavernas) com temperatura mais amena, dormindo enrolado de forma a conservar o calor. A cabeça e o torso são mantidos a temperaturas altas, de modo a que o animal possa reagir a eventuais perigos e, no caso das fêmeas, permite-lhes inclusive cuidar das crias. Durante a hibernação os ursos podem perder entre 15 e 40% do peso do seu corpo. Outros animais (como o esquilo), que não sofrem as alterações profundas dos verdadeiros hibernantes, além das reservas de gordura que adquirem, acumulam igualmente alimentos no seu abrigo. Estes serão consumidos nos períodos em que o animal desperta, por exemplo, para excretar ou devido a uma subida pontual da temperatura ambiente. Entre os animais de companhia que hibernam, os mais comuns são as tartarugas e os cágados. Depois de confirmada a origem da espécie e que de facto é uma tartaruga hibernante, antes da entrada no período de dormência deve-se examinar os indivíduos e certificar-se que: o nariz está seco; os olhos estão limpos e as pálpebras não estão inchadas; há acumulação de gordura nos ombros e patas; não existem feridas recentes nas patas, cabeça ou pescoço; não há áreas descoloradas ou moles na carapaça nem manchas de outras cores na pele. Caso não se verifique uma destas situações é provável que o animal não esteja em condições de hibernar.
  5. Há animais que hibernam durante parte ou todo o Inverno. Trata-se de um sono especial, muito profundo. A temperatura de corpo do animal cai e os seus ritmos cardíacos e respiratório baixam. Consomem  muito pouca energia. Estado de sonolência e inactividade., durante o qual as actividades vitais de um organismo são reduzidas ao mínimo necessário à sua sobrevivência. a sua temperatura corporal baixa, o que lhe permite sobreviver sem se alimentar, utilizando apenas as reservas de gordura que armazenou antes da chegada da estação desfavorável No Outono, estes animais preparam-se para o Inverno ingerindo comida extra e armazenando-a, no corpo, sob a forma de gordura e usam-na para obterem energia enquanto hibernam. Alguns também armazenam comida como nozes ou bolotas para comerem depois durante a estação fria.       Exemplos de animais que hibernam são os ursos, as doninhas fedorentas, os esquilos, e alguns morcegos. Animais de sangue frio como peixes, rãs, serpentes e tartarugas não têm nenhum modo de se manterem quentes durante o Inverno. Serpentes e muitos outros répteis encontram abrigo em buracos ou covas, e passam o Inverno inactivos, ou dormentes. É um estado semelhante à hibernação. A água é um bom refúgio para muitos animais. Quando o tempo se põe frio, eles movem-se para o fundo dos lagos e lagoas. Aí, rãs, tartarugas e muitos peixes escondem-se debaixo de pedras, troncos ou folhas caídas. Até se podem enterrar mesmo na lama. Ficam dormentes. A água fria fixa mais oxigénio do que água morna, e as rãs e tartarugas podem absorvê-lo através da pele. De Inverno, os insectos procuram abrigo em buracos no solo, debaixo da casca de árvores, em troncos apodrecidos ou em qualquer pequena fenda. Muitos passam o Inverno dormentes, que é semelhante à hibernação, em que o crescimento e desenvolvimento param. Os ritmos do coração e da respiração do insecto baixam, assim como a sua temperatura. Alguns insectos passam o Inverno sob a forma de larva. Outros sob a forma de ninfa. (é nesta altura que muitos deles passam de uma forma a outra). Outros morrem, no Outono, depois de porem ovos que, na Primavera dão lugar a novos insectos e então, por todo o lado, tudo começa de novo. Hibernação Quando chega o Inverno evitamos abrir com frequência as janelas de casa, ligamos o aquecimento e vamos buscar ao fundo do armário os camisolões mais quentes. Na Natureza, a vida dos animais não está tão facilitada. Miguel Monteiro Os animais de sangue-frio (poiquilotérmicos) adoptam a temperatura ambiente e quando esta sofre reduções acentuadas vêem-se incapazes de realizar as suas funções básicas. Assim, cobras, lagartos, cágados e rãs hibernam com a chegada do Inverno. A baixas temperaturas, os animais endotérmicos - com capacidade de regular a sua temperatura - precisam de mais energia para manter o seu metabolismo. Os de menores dimensões, com uma taxa metabólica mais elevada, perdem calor corporal mais rapidamente e, em consequência, têm uma maior necessidade de ingerir alimentos. Neste grupo encontram-se, por exemplo, os insectívoros, como o ouriço, e particularmente os morcegos, que com os meses mais frios ficam privados da sua principal fonte de alimento. A hibernação é uma resposta dos indivíduos às condições adversas do ambiente. O momento de hibernar é despoletado através de indicações externas, como a falta de alimento, a temperatura ou o facto de os dias ficarem mais curtos. Ao nível interno, ciclos sazonais de hormonas, aminoácidos e neurotransmissores podem ser os responsáveis pelo despoletar do período de dormência, particularmente nos répteis. Dentro do que geralmente é catalogado de “hibernação” existem diferentes situações a considerar. Na verdadeira hibernação, o metabolismo é drasticamente diminuído. A digestão cessa, a circulação é reduzida, o sistema imunitário deixa de funcionar e as capacidades sensoriais dos indivíduos sofrem uma quebra. Em consequência, há uma diminuição dos gastos energéticos, podendo o animal sobreviver com a gordura que armazenou no período pré-hibernação. A taxa metabólica regista valores até 1% do normal, a temperatura do corpo pode ficar apenas 1ºC acima da temperatura ambiente, os batimentos cardíacos atingem os 5-10 por minuto e a respiração sofre um abrandamento, podendo existir períodos de apneia de cerca de 1 hora. Dois períodos são cruciais para os hibernantes: o “adormecer” e o acordar. O adormecimento é um processo geralmente lento, com episódios espaçados de dormência. Animais que não tenham adquirido reservas de gordura suficiente não sobreviverão ao Inverno. Por outro lado, se estiverem com problemas de saúde (doenças ou feridas), estes irão agravar-se, pois a redução do consumo de oxigénio altera o pH - levando à inactividade de algumas enzimas - e, a curto prazo, o sistema imunitário ficará inoperante. Quando acordam, a maioria dos animais necessita rapidamente de encontrar água (e de excretar). Os que pesam menos de 10 g recuperam a temperatura ao ritmo máximo de 1ºC por minuto, enquanto que os com mais de 5 kg conseguem um máximo de 0,1ºC/min.. O aumento da temperatura é feito à custa da contracção alternada de músculos antagónicos, que permite a produção de calor (e não de movimento). As mitocôndrias da gordura castanha, como não sintetizam ATP, vão dissipar a energia da oxidação sob a forma de calor, contribuindo também para o aquecimento do corpo. Em ambos os períodos o animal move-se meio adormecido, de forma mais ou menos descoordenada, encontrando-se assim mais vulnerável aos seus predadores. Alguns animais passam por um tipo de dormência que pode durar apenas um dia ou umas horas. Neste estado, a temperatura do corpo, a taxa metabólica e outras funções fisiológicas do animal decrescem, mas não atingem os valores da verdadeira hibernação. Este “sono” é despoletado em qualquer altura de escassez de alimento ou quando o nível de reservas de gordura do organismo é baixo. É comum em noitibós, algumas espécies de texugos, répteis e andorinhas. Quando as temperaturas são muito elevadas e a água é escassa, alguns animais têm forçosamente que conservar a água do corpo. Para tal, diminuem o ritmo respiratório e o metabolismo durante os meses mais quentes do Verão (por exemplo, em regiões desérticas). A este tipo de dormência chama-se “estivação” e ocorre nalguns insectos, anfíbios, répteis e gastrópodes. O urso, ao contrário do que se possa pensar, não é um verdadeiro hibernante. A temperatura do corpo desce apenas 5 a 9 ºC em relação ao normal e os batimentos cardíacos descem de 60-90 bpm (batimentos por minuto) para 8-40 bpm. Para resistir ao frio, tem que procurar um abrigo (e.g. buracos em árvores ou cavernas) com temperatura mais amena, dormindo enrolado de forma a conservar o calor. A cabeça e o torso são mantidos a temperaturas altas, de modo a que o animal possa reagir a eventuais perigos e, no caso das fêmeas, permite-lhes inclusive cuidar das crias. Durante a hibernação os ursos podem perder entre 15 e 40% do peso do seu corpo. Outros animais (como o esquilo), que não sofrem as alterações profundas dos verdadeiros hibernantes, além das reservas de gordura que adquirem, acumulam igualmente alimentos no seu abrigo. Estes serão consumidos nos períodos em que o animal desperta, por exemplo, para excretar ou devido a uma subida pontual da temperatura ambiente. Entre os animais de companhia que hibernam, os mais comuns são as tartarugas e os cágados. Depois de confirmada a origem da espécie e que de facto é uma tartaruga hibernante, antes da entrada no período de dormência deve-se examinar os indivíduos e certificar-se que: o nariz está seco; os olhos estão limpos e as pálpebras não estão inchadas; há acumulação de gordura nos ombros e patas; não existem feridas recentes nas patas, cabeça ou pescoço; não há áreas descoloradas ou moles na carapaça nem manchas de outras cores na pele. Caso não se verifique uma destas situações é provável que o animal não esteja em condições de hibernar.
  6. O pinguim-imperador é a espécie de ave que se reproduz no ambiente mais frio. As temperaturas do ar podem chegar aos 40 °C negativos, e a velocidade do vento pode atingir os 144 km/h. A temperatura da água é próxima do ponto de congelamento, com cerca de 1,8 °C negativos, que é muito inferior à temperatura média corporal do pinguim-imperador, que é de 39 °C. A espécie adaptou-se de várias formas para evitar a perda de calor.[17] As penas proporcionam de 80 a 90% do seu isolamento térmico, e possuem uma camada subdérmica de gordura que pode chegar a ter 3 cm de espessura antes de uma época de reprodução.[18] As suas penas rígidas são curtas, lanceoladas e formam um conjunto denso ao longo de toda a superfície da pele. Com cerca de 100 penas a cobrir 6,5 cm², é a espécie de ave com maior densidade de penas.[19] Uma camada extra de isolamento é formado por tufos de primeira plumagem, entre as penas e a pele. Os músculos permitem que as penas permaneçam erectas quando as aves estão em terra, reduzindo a perda de calor ao fixarem uma camada de ar junto à pele. Inversamente, a plumagem ajusta-se junto à pele quando a ave está na água, provocando a impermeabilização da pele e da camada de plumagem adjacente.[20] A limpeza das penas é vital para garantir o correcto isolamento térmico e para manter a plumagem oleosa e repelente de água.[21] O pinguim-imperador tem a capacidade de fazer termorregulação (manter constante a sua temperatura corporal) sem alterar o seu metabolismo, num intervalo grande de temperaturas. Conhecido como o intervalo termoneutro, pode estender-se dos –10 aos 20 °C. Abaixo deste intervalo de temperatura, a sua taxa metabólica aumenta significativamente, apesar de o indivíduo poder manter a sua temperatura corporal entre os 37,6 e os 38,0 °C até aos -47 °C de temperatura ambiente.[22] Para aumentarem o metabolismo, podem fazer um conjunto de movimentos: nadar, andar e tremer. Um quarto processo envolve a quebra metabólica de gorduras por enzimas, acção induzida pela hormona glucagon.[23] A temperaturas acima de 20 °C, o pinguim-imperador pode exibir agitação, isto porque o aumento de temperatura e de taxa metabólica leva a um aumento da perda de calor. Levantando as suas asas e expondo a parte inferior do corpo, aumenta a exposição da superfície corporal ao ar em cerca de 16%, facilitando uma maior perda de calor.[24] Nas regiões de climas frios, os animais apresentam pelo comprido e muito espesso; possuem várias camadas de gordura que servem de isolante térmico (razão pela qual os animais que habitam nestas regiões são maiores do que os seus parentes que vivem em zonas temperadas ou zonas quentes); possuem extremidades curtas (evitando-se as perdas de calor e a possibilidade de congelamento)e possuem orelhas e focinho curto.
  7. O pinguim-imperador é a espécie de ave que se reproduz no ambiente mais frio. As temperaturas do ar podem chegar aos 40 °C negativos, e a velocidade do vento pode atingir os 144 km/h. A temperatura da água é próxima do ponto de congelamento, com cerca de 1,8 °C negativos, que é muito inferior à temperatura média corporal do pinguim-imperador, que é de 39 °C. A espécie adaptou-se de várias formas para evitar a perda de calor.[17] As penas proporcionam de 80 a 90% do seu isolamento térmico, e possuem uma camada subdérmica de gordura que pode chegar a ter 3 cm de espessura antes de uma época de reprodução.[18] As suas penas rígidas são curtas, lanceoladas e formam um conjunto denso ao longo de toda a superfície da pele. Com cerca de 100 penas a cobrir 6,5 cm², é a espécie de ave com maior densidade de penas.[19] Uma camada extra de isolamento é formado por tufos de primeira plumagem, entre as penas e a pele. Os músculos permitem que as penas permaneçam erectas quando as aves estão em terra, reduzindo a perda de calor ao fixarem uma camada de ar junto à pele. Inversamente, a plumagem ajusta-se junto à pele quando a ave está na água, provocando a impermeabilização da pele e da camada de plumagem adjacente.[20] A limpeza das penas é vital para garantir o correcto isolamento térmico e para manter a plumagem oleosa e repelente de água.[21] O pinguim-imperador tem a capacidade de fazer termorregulação (manter constante a sua temperatura corporal) sem alterar o seu metabolismo, num intervalo grande de temperaturas. Conhecido como o intervalo termoneutro, pode estender-se dos –10 aos 20 °C. Abaixo deste intervalo de temperatura, a sua taxa metabólica aumenta significativamente, apesar de o indivíduo poder manter a sua temperatura corporal entre os 37,6 e os 38,0 °C até aos -47 °C de temperatura ambiente.[22] Para aumentarem o metabolismo, podem fazer um conjunto de movimentos: nadar, andar e tremer. Um quarto processo envolve a quebra metabólica de gorduras por enzimas, acção induzida pela hormona glucagon.[23] A temperaturas acima de 20 °C, o pinguim-imperador pode exibir agitação, isto porque o aumento de temperatura e de taxa metabólica leva a um aumento da perda de calor. Levantando as suas asas e expondo a parte inferior do corpo, aumenta a exposição da superfície corporal ao ar em cerca de 16%, facilitando uma maior perda de calor.[24]
  8. A VIDA EM UM CLIMA FRIO Em média, a temperatura do inverno no Ártico cai para --34°C (-29°F). Para um urso polar conseguir sobreviver, ele precisa ser capaz de manter o calor. A ponta negra de seu nariz dá uma pista de uma de suas principais adaptações. Por baixo do denso pelo brancoamarelado, a pele do urso polar é negra. Essa cor escura ajuda a absorver o calor do sol. Assim como está adaptado para absorver calor, ele também está adaptado a não deixar o frio entrar em seu organismo. Por baixo da pele, o urso polar tem uma camada adiposa. Essa camada de gordura age como isolante térmico, mantendo a temperatura do corpo e os níveis metabólicos mesmo que a temperatura externa chegue a -34°C (-29°F). O pelo do urso também mantém o frio do lado de fora. O pelo cria uma camada isolante que mantém o urso aquecido quando ele está na água. A raposa ártica é um animal que se adaptou perfeitamente a condições extremas de frio. Seu focinho é curto, suas orelhas são pequenas e arredondadas, o corpo é rechonchudo, possui pêlos longos e lanosos que lhe dão uma aparência pesada de um animal típico do Pólo Norte.
  9. Exemplos de plantas anuais são o milho, a alface, o alho-porro, a couve-flor, o melão, a ervilha, a zínia, a margarida ou o malmequer.
  10. Exemplos de plantas anuais são o milho, a alface, o alho-porro, a couve-flor, o melão, a ervilha, a zínia, a margarida ou o malmequer.