O slideshow foi denunciado.

Treinamento circulante

2.677 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Treinamento circulante

  1. 1. Normatização de treinamento e conduta • Circulação – Dra. Telma Justa – www.telmajusta.com – Fevereiro 2013
  2. 2. CIRCULAÇÃO
  3. 3. Circulação• Auxiliar, ajudar.• Gentileza• Prestatividade
  4. 4. Circulante• Auxilia diretamente os médicos.• Contato direto com o paciente.• Elemento fundamental na equipe de colaboradores.
  5. 5. Da apresentação Pessoal• Uniforme completo (calça, camisa, jaleco, crachá)• Maquiagem discreta• Cabelo preso• Unhas com esmalte discreto e claro• Sapato baixo ou de salto baixo
  6. 6. Instilando colírios• Antes de instilar o colírio: lave as mãos antes de colocar o colírio nos olhos ou higienize as mãos com álcool gel.
  7. 7. Você sabia?Para termos uma ideia, o número de micróbios emuma mão suja é maior que a quantidade de pessoasem todo o planeta.
  8. 8. Não esqueça!• Higienize suas mãos!
  9. 9. Instilando colirios Passo 1• Solicite ao paciente para olhar para cima.
  10. 10. Instilando colirios Passo 2• Segure o frasco firme em uma das mãos. Com o dedo indicador, puxe levemente a pálpebra inferior para baixo, formando assim uma “bolsa”para receber a gota.
  11. 11. Instilando colirios Passo 3 e 4• Aperte o frasco e faça com que a gota caia na “bolsa”.• Solicite que o paciente feche o olho levemente. Repita o mesmo processo no outro olho, se tiver sido solicitado;
  12. 12. Instilando colirios Passo 5• Para uma melhor absorção do colírio solicite que o paciente permaneça com os olhos fechados por um minuto. Não precisar apertar os olhos com força Basta fechar suavemente os olhos
  13. 13. Curiosidades• o colírio arderá menos se o paciente mantiver o olho fechado.
  14. 14. Curiosidades• O colirio, assim como nosso lágrima, sai do olho pelo canal lacrimal, percorre os canaliculos lacrimais e vai para o nariz e daí para garganta. Por isso muitos pacientes sentem o gosto do colirio na boca. Apertando as vias lacrimais você diminuirá a saída do colírio do olho . Ele terá uma melhor absorção além de evitar o gosto amargo na boca.
  15. 15. Recapitulando
  16. 16. Colírios para DilataçãoMydriacyl, Cicloplegico, Fenilefrina, Atropina
  17. 17. Colírios para Dilatação• Sempre certificar-se do colirio a ser utilizado• Os mais usados são Mydriacyl e Cicloplégico• Normalmente utilizados 2 ou 3 vezes com intervalo de 5 minutos• Efeito de dilatacão atingido para refracão: 20 minutos. Passar no autorefrator após 20 min.• Efeito de dilatação para exames: logo que haja uma boa dilatação paciente pronto para exame. Se a pupila estiver dilatada em 5 minutos o exame já será possível
  18. 18. Colírios para Dilatação• Duração da dilatação: média de 3 horas. Alguns pacientes são mais sensiveis e podem ficar dilatados por até 48 horas. No entanto, esta condição é rara• Atropina: paciente fica dilatado por até 7 dias• Fenilefrina: pouco usada. Pode elevar a pressão arterial, dar sudorese e taquicardia. Sempre solicitar ao paciente para apertar os pontos lacrimais para diminuir a absorção sistêmica ( diminuir os efeitos de aumento de pressão…)• Cicloplégico: pode tar sono, tontura, nâusea.
  19. 19. Colírios para Dilatação• Tomar cuidado• Como foi visto, essas medicações têm efeitos colaterais
  20. 20. Colirio para Miose Pilocarpina Efeito contrário à dilatação Fecha a pupilaPode dar dor de cabeça e desconforto ocular
  21. 21. Dilatação x Miose
  22. 22. Dilatação x Miose (lembrar que estamosdireita esquerda olhando para o paciente) Pupila direita e esquerda normais Pupila direita e esquerda dilatadas Pupila direita e esquerda em miose Pupila direita dilatada e esquerda em miose
  23. 23. PUPILAS
  24. 24. Ciclo da ficha do paciente Ficha sai do arquivo e vai para recepção Arquivo Pegar ficha na recepção Final do expediente pegar Encaminhamen as fichas nas salas to do paciete e e levar para ficcha para telefonia. De lá medições apos digitação Deixar ficha preliminares ficha segue para o aruivo na sala do medico ou de exames e paciente na sala de espera
  25. 25. Ciclo do atendimento Pegar pela manhã agenda dos médicos Encaminhar o paciente . Ficha na recepção Realizar medições preliminares Levar a ficha para a sala do médico Caso solicitado dilatacão identificar se é para exames ou refração Refração Exames Mydriacyil 2x ou Mydriacyl e ciclo Mydriacyl, ciclo Intervalo de 5 minutos entre as vezes Verificar apso 15 minutos se dilatou Pingar mais se necessário15 minutos apos a ultima gota autorefracãoLevar impressão ao médico
  26. 26. Rotinas 1. Verificar as salas no inicio de cada expediente. Deixar a sala em ordem Levar água para a sala Posicionamento na recepçãoSe mais de uma circulante uma na entrada (porta) e outra ao lado do balcão Encaminhamento dos pacientes Realização das medições,exames, dilatações e auxilios Ao final do expediente recolher fichas das salas e levar para a telefonia “desativar “a sala: desligar luz, ar, equipamentos, cobrir os aparelhos Durante a semana ir verificando os materias necessários em cada sala para o setor de compras (verificar colirios, papeis, cotonetes, pilhas…) Fazer a lista e entregar na quinta a tarde no setor comprass. Toda sexta trocar as toalhas das salas.
  27. 27. Exames Exames onde o Exames sob Exames sem efeito da midriase midriase midriase não interfere Mapeamento Retinografia Microscopia Angiografia PAM Tonometria Paquimetria Ecobiometria Campimetria Gonioscopia OCT – Topografia tomografia decoerência óptica
  28. 28. Procedimentos Procedimentos sob mioseProcedimentos sob midriase (pingar pilocarpina+ tartarato de brimonidina(alphagan ou Glaub) Capsulotomia YAG Iridotomia com YAG laser laser Fotocoagulação a Lasertrabeculoplastia laser
  29. 29. AUTOREFRATORServe para fazer a ceratometria (medida do meridiano vertical ehorizontal da córnea)Serve para ter uma idéia aproximadado “grau”do paciente ( “grau”=dioptria)
  30. 30. Ceratometria Diametro horizontal Diâmetro vertical
  31. 31. AutorefratorDioptrias do olho direitoSph +0.50 cyl -1.00 Axis 90Esf +0.50 cil -1.00 Eixo 90Ceratometria do olho direito
  32. 32. Autorefrator• Sph = esf = esférico• Cyl = cil = cilindro• Axis = eixo = E• R = right = direito = OD• L = left = esquerdo = OE = OS
  33. 33. Higienização dos aparelhos Trocar o papel da queixeiraPassar álcool gel na queixeira e testeira testeira Queixeira Papel da queixeira
  34. 34. Posicionamento nos aparelhosTesta encostada na Fenda palpebralqueixeira Nivel da fenda palpebral no mesmo nivel da marcação no aparelho Costas eretas. Paciente não deve ficar muito encurvado ou se esticando. Manter em posição confortável
  35. 35. TonômetroTonômetro de Sopro Tonômetro de Aplanacão – Necessita de coliríoNão toca no olho anestésico e toca o olhoNão necessita de anestésico
  36. 36. Tonometria• Afere a pressão intraocular (PIO)• Não é permitido informar ao paciente o resultado da PIO – “o Dr. irá informá-lo. Não me é permitido informar.• A medida no tonômetro de sopro é praticamente igual ao do tonômetro de aplanação. Se o paciente apertar muito os olhos, a pressão irá aumentar
  37. 37. MICROSCOPIA ESPECULAR• Realiza a celularidade da cornea ( permite a contagem das células da camada endotelial da córnea assim como examinar a morfologia dessas células ( tamanho e forma)
  38. 38. MICROSCOPIA ESPECULAR• A córnea tem 5 camadas, sendo a mais externa o epitélio e a mais interna o endotélio ( camada responsável or bombear água da córnea mantendo-a transparente)
  39. 39. MICROSCOPIA ESPECULAR • Células endoteliais
  40. 40. MICROSCOPIA ESPECULAR Passo 1 • Aperte em Record (gravar) • Aparecerá o olho do paciente • Clique o mouse duas vezes e aparecerá a imagem com as células
  41. 41. MICROSCOPIA ESPECULAR Passo 2• Em seguida clique em count cells.• Clique em uma célula a esquerda superior e outra direita inferior.• Aparecerá então um quadrado que deverá ter tamanho médio. Cada uma das células no interior do quadrado deverá ser contada Count cells
  42. 42. MICROSCOPIA ESPECULARCélulas endotelias normais com Células endotelias alteradas, com baixaboa celularidade celularidade, presença de manchas pretas (ausência de células). Córnea “doente"
  43. 43. MICROSCOPIA ESPECULARCélulas endoteliais com tamanho e formato alterados
  44. 44. Conduta• Identificação e saudação cordial. Bom dia Sr. Por favor me acompanhe para alguns exames preliminares.• Posicionar bem o paciente na cadeira de exame. Segurar a cadeira atrás para que ela não escorregue• Verificar altura do aparelho em relação ao paciente, Fazer os ajustes necessários• Assepsia dos aparelhos
  45. 45. Conduta• Orientação para onde olhar• Saudação final – (tenha um boa dia Sr…)• Orientação de onde aguardar e do que irá acontecer em seguida. ( Gentileza aguardar lá na frente ou aqui nesta sala de espera que o Dr. Irá chamá-la, ou aguardar o próximo exame….)
  46. 46. Conduta• Levar no máximo 2 pacientes ao mesmo tempo para a sala de exames• Verificar por qual médico o paciente será atendido• Encaminhar a ficha a sala correta• Priorizar o atendimento ( verificar horários de atendimento para que as medições sejam feitas nos pacientes em que o horário é mais cedo)

×