Apresentação da Rede de Formação - 2º Seminário Nacional do Programa Telecentros.BR

1.468 visualizações

Publicada em

Publicada em: Educação, Tecnologia
0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
1.468
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
231
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
18
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Apresentação da Rede de Formação - 2º Seminário Nacional do Programa Telecentros.BR

  1. 1. Rede de Formação para Inclusão Digital: formando e ativando redes Julho, 2011 2º Seminário Nacional do Programa Telecentros.BR Brasília
  2. 2. Contexto 1º Semestre de 2010 – edital de convocação do Ministério do Planejamento para a construção da Rede de Formação para Inclusão Digital.
  3. 3. Contexto
  4. 4. Contexto Quem faz parte da Rede de Formação? Instituições Universidade de São Paulo Universidade Federal de Minas Gerais Universidade Federal do Pará Universidade do Estado Da Bahia Universidades Rede Marista Idear Coletivo Digital Programando Futuro Organizações da Sociedade Civil
  5. 5. ? Processos Que visão nos permite criar um comum para a produção de um processo formativo que faça sentido para o projeto? Há uma grande diversidade de visões sobre inclusão digital, telecentros, formação, ensino à distância, redes sociais, etc... ESPAÇO DO PROJETO TELECENTROS.BR ESPAÇO DA FORMAÇÃO TELECENTROS.BR
  6. 6. Como tornar possível a expressão das diversas dimensões que visualizam diferentes projetos e formações? Processo de produção coletiva da formação! Processos
  7. 7. Processos Produção coletiva: - atuar da perspectiva que fazemos parte da mesma rede ; - criar processos efetivos que facilitem evidenciar nossos pressupostos e compreensões implícitas ; - gerar produção a partir de redes de conversação : - compartilhar práticas; - ativação da inteligência coletiva dos sujeitos; - ampliação das possibilidades de articulação e integração Alinhamento prático e conceitual
  8. 8. Como fazer isso considerando a diversidade de instituições presentes? Processos
  9. 9. Metodologia A partir de junho de 2010, iniciamos um trabalho de ativação de produção coletiva da Rede de Formação, através do uso contínuo de dispositivos de ativação -> Tecnologias Sociais. - criação de um Comitê Gestor deliberativo da Rede; - realização contínua de reuniões, encontros e seminários ; - organização dos processos por Grupos de Trabalho ; - construção coletiva da política de formação ; - utilização de tecnologias de conversação presenciais; - utilização de tecnologias de conversação digitais ; - ativação de comunidades /subgrupos dentro da Rede de Formação: - Designers Instrucionais; - Supervisores de Tutoria; - Coordenadores; - construção contínua de analisadores : resultados e métricas de processo
  10. 10. Comitê Gestor Comitê Gestor Rede Polo Ceará (Idear) Polo Sul (Maristas) Polo Sudeste (UFMG) Polo São Paulo (Coletivo Digital) Polo Naciona l (USP) Polo Nordeste (UNEB) Polo Centro Oeste (Programando Futuro) Polo Norte (UFPA) Ministério das Comunicações Comitê Regional Comitê Regional Comitê Regional Comitê Regional Comitê Regional Comitê Regional Comitê Regional Comitê Nacional
  11. 11. Reuniões, encontros e Seminários
  12. 12. Grupos de Trabalho Organização da produção por Gts: -> Tutores; -> Monitores; -> Gestores; -> Projetos; -> Monitoramento e avaliação Cronograma e divisão de tarefas compartilhas entre os Polos: produção coordenada pela dinâmica de reuniões do Comitê Gestor. Polo Nacional tem o papel de facilitador e apoiador ao trabalho da Rede.
  13. 13. Política de formação Produção de novas versões das diretrizes do curso de Formação de Monitores. - atualização de contexto; - atualização de sentidos.
  14. 14. Tecnologias de conversação presenciais World Café Consulta por Rodas de Conversa Aquário Quadrinhos Síntese
  15. 15. Tecnologias de conversação digitais
  16. 16. Tecnologias de conversação digitais
  17. 17. Tecnologias de conversação digitais
  18. 18. Tecnologias de conversação digitais
  19. 19. Ativação de comunidades Ativação de comunidades dentro da Rede de Formação -> Designers Instrucionais; -> Supervisores; -> Coordenadores. Encontros de trabalho e construção de diretrizes em conjunto: operação e estratégia em nível nacional.
  20. 20. Analisadores
  21. 21. Resultados
  22. 22. Programa de Formação 480 horas Monitores Fase 1 80 horas (Turmas de 30) Fase 2 400 horas Tutor Acompanhamento contínuo Certificado Fase 1 Certificado Fase 2 + Projetos Ambientação Vôo Rasante Projeto Comunitário Inclusão Digital Comunicação Comunitária Telecentros Comunidade Redes Cultura Digital Encontro Presencia l
  23. 23. Formação Tutores
  24. 24. 3 eixos de formação: Tutores
  25. 25. Tutores Formados 220
  26. 26. Lista de e-mail nacional dos Tutores Tutores na Lista 220 (100%) + 3000 mensagens + 400 tópicos
  27. 27. Tutores no Orkut 153 (70%) Tutores nas Redes Sociais
  28. 29. Formação Monitores
  29. 30. O que está acontecendo na formação? Ambientação Voo Rasante Introdução ao programa e ao ambiente Moodle Introdução nas zonas temáticas da formação: inclusão digital, telecentros, comunidade, comunicação comunitária, redes, compartilhamento, cultura digital e história. Início da Formação: 15/02/2011 Entrada da 1ª, 2ª, 3ª, 4ª, 5ª e 6ª turma de monitores na formação: fase 1 (80 horas)
  30. 31. Fase 2 (480 horas) início Maio Foco em Projetos Comunitários: - novo layout; - novos recursos Moodle; - novas formas de interatividade; - novas formas de navegação. Incremental: Novos conteúdos serão inseridos/sugeridos.
  31. 32. Dados Gerais Convocação: 1. e-mail de informações gerais; 2. contato por telefone; 3. contato por SMS; 4. contato com coordenadores. 1205 monitores
  32. 34. Distribuição das Cidades dos Monitores 351 cidades Fonte: Perfil do Moodle
  33. 35. Monitoramento e Avaliação <ul><li>Monitoramento: </li><ul><li>Os dados da formação são acompanhados por participação, realização de atividades, visita a conteúdos, participação em ferramentas de interatividade;
  34. 36. São informações que apoiam melhorias e análises do que está acontecendo no programa. </li></ul><li>Avaliação: </li><ul><li>Apoio pedagógico aos tutores, supervisores e coordenadores pedagógicos na realização de suas atividades. </li></ul></ul>
  35. 37. Certificação e Exclusão <ul><li>Certificação </li><ul><li>Por fase: ao concluir fase 1 e fase 2;
  36. 38. Por período: se o monitor sair da formação depois de 7 meses, por exemplo, ele receberá um certificado com a carga horária que participou; </li></ul><li>Exclusão: </li><ul><li>Após 3 meses sem atividades no Moodle E;
  37. 39. Após consulta ao tutor e supervisor E;
  38. 40. Após consulta ao coordenador de bolsa. </li></ul></ul>
  39. 41. Próximos passos <ul><li>Revisão da fase 1 da formação;
  40. 42. Formação de Gestores: criação de um Grupo de Trabalho para dar as diretrizes dessa formação com participação das iniciativas;
  41. 43. Integração com outras ações de formação: programa GESAC, CRCs, Telecentros Comunitários, etc.;
  42. 44. Organização da próxima OID. </li></ul>
  43. 45. Obrigado!

×