Folclore brasileiro s e se

356 visualizações

Publicada em

Bom

0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
356
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
1
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Folclore brasileiro s e se

  1. 1. Folclore IlustradoRegião Sudeste:A Lenda do Saci-PererêHistória ilustrada com a lenda desse personagem símbolo do nosso folclore. Juntocom o Caipora, é sem dúvida o mais famoso personagem do folclore brasileiro.Região Sul :O Negrinho do Pastoreio :É uma lenda meio africana meio cristã. Muito contada no final do século passadopelos brasileiros que defendiam o fim da escravidão. É muito popular no sul doBrasil. . Origem: Fim do Século XIX, Rio Grande do Sul.
  2. 2. O Saci É uma criança, um negrinho de uma perna só que fuma um cachimbo e usa na cabeça uma carapuça vermelha que lhe dá poderes mágicos, como o de desaparecer e aparecer onde quiser. Existem 3 tipos de Sacis: O Pererê, que é pretinho, O Trique, moreno e brincalhão e o Saçurá, que tem olhos vermelhos. Ele também se transforma numa ave chamada Matiaperê cujo assobio melancólico dificilmente se sabe de onde vem.
  3. 3. Ele adora fazerpequenas travessuras,como esconderbrinquedos, soltaranimais dos currais, Ele não atravessaderramar sal nas córregos nemcozinhas, fazer riachos. Alguémtranças nas crinas dos perseguido porcavalos, etc. Diz a ele, deve jogarcrença popular que cordas com nósdentro de todo em sem caminhoredemoinho de vento que ele vai pararexiste um Saci. para desatar os nós, deixando que a pessoa fuja.
  4. 4. Diz a lenda que, sealguém jogar dentro doredemoinho um rosáriode mato bento ou umapeneira, pode captura-lo,e se conseguir suacarapuça, serárecompensado com arealização de um desejo.
  5. 5. Nos tempos da O negrinho do pastoreioescravidão, havia um Pegou o chicote eestancieiro malvado deu uma surra tãocom negros e peões. grande no meninoNum dia de inverno, que ele ficoufazia frio de rachar e sangrando. ‘‘Vocêo fazendeiro vai me dar conta domandou que um baio, ou verá o quemenino negro de acontece’’, disse oquatorze anos fosse malvado patrão.pastorear cavalos e Aflito, ele foi àpotros recém- procura do animal.comprados. No final Em pouco tempo,do tarde, quando o achou ele pastando.menino voltou, o Laçou-o, mas aestancieiro disse que corda se partiu e ofaltava um cavalo cavalo fugiu debaio. novo.
  6. 6. Na volta à estância, o patrão, aindamais irritado, espancou o garoto e oamarrou, nu, sobre um formigueiro.No dia seguinte, quando ele foi vero estado de sua vítima, tomou umsusto. O menino estava lá, mas depé, com a pele lisa, sem nenhumamarca das chicotadas.Ao lado dele, a Virgem Nossa Senhora, e mais adiante o baio e os outroscavalos. O estancieiro se jogou no chão pedindo perdão, mas o negrinhonada respondeu. Apenas beijou a mão da Santa, montou no baio e partiuconduzindo a tropilha.
  7. 7. Glossário•Crina: Pêlos compridos e flexíveis, do pescoço e da cauda do cavalo e deoutros animais.Redemoinho•Córrego: Ribeiro pequeno; riacho.•Carapuça:. . Nome comum a vários objetos de forma cônica.•Desatar: Desfazer, tirar o nó ou laço de.•Pastorear: 1. Guiar ao pasto. 2. Guardar o gado no pasto; pastorar. 3.Governar eclesiasticamente.•Estancieiro: Proprietário de fazenda para criação de gado.•Baio: 1. Da cor do ouro desmaiado. 2. Diz-se do cavalo castanho. S. m.Cavalo baio.•Estância: 1. Morada, residência. 2. Fazenda para criação de gado.•Tropilha.: 1. Lote de cavalos que têm o mesmo pelame e queacompanham uma égua madrinha. .

×