Porque as velhas mídias tentam, mas não conseguem entender as novas mídias?

567 visualizações

Publicada em

Palestra da Semana de Tecnologia de Jogos Digitais da PUC-SP.
Dia: 26/10/2010, terça feira.
Tema: Porque as velhas mídias tentam, mas não conseguem entender as novas mídias?
Palestrante: Paulo Silvestre (Grupo Estado).

Publicada em: Tecnologia
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
567
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
8
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Porque as velhas mídias tentam, mas não conseguem entender as novas mídias?

  1. 1. Para onde caminha a mídia? Semana Acadêmica da PUC-SP 26 de outubro de 2010 Paulo Silvestre Gerente de Projetos Digitais O Estado de S.Paulo
  2. 2. Mídia digital: algoz ou salvadora?
  3. 3. Vítimas de uma nova realidade The Cincinnati Post • Primeira edição: 31 de janeiro de 1881 • Última edição: 31 de dezembro de 2007 (depois de 126 anos)
  4. 4. Vítimas de uma nova realidade Rocky Mountain News • Primeira edição: 23 de abril de 1859 • Última edição: 27 de fevereiro de 2009 (depois de 149 anos)
  5. 5. Vítimas de uma nova realidade Seattle Post-Intelligencer • Primeira edição: 10 de dezembro de 1863 • Última edição: 17 de março de 2009 (depois de 145 anos, apenas online)
  6. 6. Vítimas de uma nova realidade The Christian Science Monitor • Primeira edição: 1908 • Misto: desde 27 de março de 2009 (depois de 101 anos, online nos dias úteis e impresso no fim de semana)
  7. 7. Vítimas de uma nova realidade The Philadelphia Inquirer • Primeira edição: 1 de junho de 1829 • Situação atual: concordata
  8. 8. Vítimas de uma nova realidade Los Angeles Times • Primeira edição: 4 de dezembro de 1881 • Situação atual: concordata
  9. 9. Vítimas de uma nova realidade Chicago Tribune • Primeira edição: 10 de junho de 1847 • Situação atual: concordata
  10. 10. Vítimas de uma nova realidade Post-och Inrikes Tidningar • Primeira edição: 1645 • Última edição: 1 de janeiro de 2007 (depois de 361 anos, apenas online)
  11. 11. Vítimas de uma nova realidade Gazeta Mercantil • Primeira edição: 1920 • Última edição: 29 de maio de 2009 (depois de 89 anos)
  12. 12. Vítimas de uma nova realidade Jornal do Brasil • Primeira edição: 9 de abril de 1891 • Última edição: 1 de setembro de 2010 (depois de 119 anos , apenas online)
  13. 13. Vítimas de uma nova realidade The New York Times • Primeira edição: 18 de setembro de 1851 • Situação atual: crise geral Receitas digitais no bolo: 2007: US$ 134M (10%) 2008: US$ 213M (12%) 2009: US$ 306M (15%) 2010: US$ 612M (26%)
  14. 14. Modelo falido “O pior cego é aquele que não quer escutar.” Editorial Despesas Receitas
  15. 15. Queda do “paradigma Gutenberg” Johannes Gutenberg (1398 – 1468)
  16. 16. Queda do “paradigma Gutenberg” poucos para poucos poucos para muitos
  17. 17. Queda do “paradigma Gutenberg” muitos para muitos
  18. 18. Editorial: “não quero ver” “A Internet é má e nossa inimiga!”
  19. 19. Editorial: “não quero ver” Grande imprensa x “jornalismo cidadão” Tamanho não é sinônimo de agilidade, precisão, confiabilidade ou credibilidade.
  20. 20. Editorial: “não quero ver” “As pessoas ainda querem que alguém lhes diga o que ler”
  21. 21. Editorial: “não quero ver” O jornalismo caminha para o mesmo fim da indústria fonográfica?
  22. 22. Despesas: “não quero ouvir” "Bom jornalismo custo caro" é uma meia verdade: alto custo para grandes coberturas. Vantagem de quem está no lugar e na hora certos. Grande imprensa continuará existindo.
  23. 23. Despesas: “não quero ouvir” Complementaridade Grande imprensa + "jornalismo cidadão" Grandes articulistas já possuem seus blogs independentes.
  24. 24. Despesas: “não quero ouvir” Custos "invisíveis" de um jornal Apenas 20% é conteúdo! Afinal, o que as pessoas compram?
  25. 25. Despesas: “não quero ouvir” A necessidade do papel como transmissor deixou de existir: Web, celulares, e-readers, tablets e o que mais surgir.
  26. 26. Despesas: “não quero ouvir” Estudo de Nicholas Carlson, do The Business Insider: um Kindle custa menos que o papel usado pelo The New York Times para cada assinante a cada ano.
  27. 27. Despesas: “não quero ouvir” Alteração nos meios de produção: crossmedia precisa ser mais ágil e barata.
  28. 28. Receitas: “não quero falar” Tiragens crescentes; fatias publicitárias minguantes: •TV nadando de braçada e mantendo 50%; •impresso caindo; •mídias digitais crescendo; •rádio caindo; •mídia externa caindo.
  29. 29. Receitas: “não quero falar” Concorrência entre impressos: o tombo só não foi mais dramático graças aos crescentes títulos gratuitos
  30. 30. Receitas: “não quero falar” Anúncios baratos em mídias digitais: contradição! Questões históricas e lobby das outras mídias.
  31. 31. Receitas: “não quero falar” Cenário até 2015 para impressos: otimistas dizem que receitas apenas acompanharão o IPC; pessimistas preveem uma queda de 40% na receita.
  32. 32. E agora, José? Óbvio ululante: • cortar custos e aumentar receitas. • Para isso, mudança profunda nos produtos.
  33. 33. O que deve ter um jornal do futuro? Noticiário personalizado a partir da reorganização do material segundo critérios de relevância do usuário (informados ou coletado).
  34. 34. O que deve ter um jornal do futuro? Conteúdo realmente multimídia e interativo (concebido assim desde a pauta).
  35. 35. O que deve ter um jornal do futuro? Experiência informativa expandida com recursos de toda a Web, e não apenas com produtos da publicação ou de produtos da mesma empresa.
  36. 36. O que deve ter um jornal do futuro? Possibilidade de participação efetiva do usuário, muito além dos comentários observados hoje em alguns sites.
  37. 37. O que deve ter um jornal do futuro? Fim do “conteúdo fechado a assinantes”, Adotando novos modelos de negócios que privilegiem usuários pagantes sem penalizar os não-pagantes.
  38. 38. O que deve ter um jornal do futuro? Produto jornalístico que transcenda diferentes mídias, tirando proveito do que cada uma tem de melhor, a despeito da mera transposição de conteúdo da “mídia de origem”.
  39. 39. Crise? Que crise? O momento não é de crise: é de oportunidade. Especialmente para vocês!
  40. 40. Obrigado Paulo Silvestre contato@paulosilvestre.com.br www.paulosilvestre.com.br

×