O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.

TDC2016POA | Trilha Games - Construindo uma comunidade: o caso PAIN

102 visualizações

Publicada em

Construindo uma comunidade: o caso PAIN

Publicada em: Educação
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

TDC2016POA | Trilha Games - Construindo uma comunidade: o caso PAIN

  1. 1. Construindo uma Comunidade: O caso PAIN Lucas Molina
  2. 2. Eu consigo fazer um jogo com narrativa emergente? Que expresse sistemas históricos? E venda no Steam?
  3. 3. Comunidades Virtuais
  4. 4. Comunidades Locais ● 2013: SPIN (SP) ● 2013: Indies de POA ● 2014: Inculto ● 2014: DASH ● 2015:
  5. 5. Criação do PAIN
  6. 6. PAIN #0
  7. 7. ● Lends ● Unisinos (Atomic Rocket) ● Uniritter ● PUCRS (?) Parcerias
  8. 8. PAIN #1
  9. 9. Contribuições ● Convites (Vitor Lopes) ● Extensões (Pedro Paiva) ● Talk (Felipe Dal Molin) ● Filmagem (Marcelo Mattar) ● Organização (Marlon Kroth) ● Fotos, etc. (Camila Peres) ● Pitches (muita gente)
  10. 10. PAIN #2
  11. 11. Pilares do PAIN 1. O PAIN é independente 2. O PAIN é humano 3. O PAIN é aberto
  12. 12. PAIN #3
  13. 13. Lições ● Crie algo que VOCÊ queria que existisse. ● Peça AJUDA e deixe os outros ajudarem. ● Construa JUNTO com a comunidade. ● Defina PILARES e valores.
  14. 14. Futuro ● Foco nos playtests. ● Mais talks, mais pitches, outras atividades. ● INDEPENDÊNCIA: Variedade de locais. ● HUMANIDADE: Consolidação da cultura indie. ● ABERTURA: Descentralização da organização.
  15. 15. “Eu não quis jogar.” Outro desenvolvedor (sobre Roguemance)
  16. 16. Lucas Molina www.lucasmolinagames.com lucasgmolina@gmail.com PAIN Facebook: PAIN - Porto Alegre Indie Games

×