E book - Consumidores Digitais

924 visualizações

Publicada em

Publicada em: Mídias sociais
  • Seja o primeiro a comentar

E book - Consumidores Digitais

  1. 1. 1
  2. 2. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 2 O que você encontrará neste E-book? Você, enquanto profissional de marketing, empreendedor digital ou estudante já parou para pensar no que as pessoas fazem online? Ou mesmo já procurou reparar em seus próprios hábitos comportamentais em relação à internet? Sim. Eu também! Por isso decidi reunir neste e-book 20 perguntas e respostas que podem ajudá-lo(a) a responder desde as perguntas mais comuns às perguntas jamais feitas no Google... Portanto, é isso o que você verá aqui: TUDO O QUE VOCÊ DEVERIA SABER SOBRE OS CONSUMIDORES DIGITAIS E AINDA NÃO SABE. Para facilitar a compreensão, dividi este e-book em dois capítulos:  Capítulo I – O perfil do usuário da internet;  Capítulo II – O perfil de consumo dos consumidores digitais. Então vamos lá? Boa pesquisa!
  3. 3. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 3 Quem sou Danielle Vieira (contato@consumidoresdigitais.com.br) Bacharel em administração com ênfase em marketing, especialista em Marketing (MBA em Vendas & Trade Marketing), atuo há nove anos na área trabalhando com o desenvolvimento de marcas, produtos e serviços e gerenciamento de projetos on e offline. Fascinada por empreendedorismo e tecnologia, ingressei no universo do empreendedorismo digital há quase cinco anos e desde então não consegui parar mais (e tenho nesta uma das minhas paixões). Escrevo também como convidada em alguns sites e tenho alguns livros publicados pela Câmara Brasileira do Jovem Escritor. Conheça alguns projetos de minha autoria:  Consumidores Digitais  Startup Sorocaba  Dona do Próprio Negócio  Novo Empreendedor Digital
  4. 4. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 4 Sumário O que você encontrará neste E-book?...................................................................................2 Quem sou................................................................................................................................3 CAPÍTULO I – O PERFIL DOS USUÁRIOS DA INTERNET ...........................................................6 1. Quanto tempo as pessoas passam conectadas?............................................................7 2. Como as pessoas gastam seu tempo online?.................................................................9 3. Quais temas são mais pesquisados na internet? .........................................................12 4. Quais os horários preferidos de acesso?......................................................................14 Mídias Sociais ...............................................................................................................16 Ferramentas de automatização/agendamento ...........................................................18 Teste tudo.....................................................................................................................18 5. O que as pessoas veem primeiro ao acessar um site ou perfil nas redes sociais? ......19 Design – Usabilidade ....................................................................................................20 10 princípios básicos de usabilidade ............................................................................21 Para onde as pessoas olham primeiro ou focam mais nas plataformas sociais? ........21 6. Quantos e quem são os usuários das redes sociais hoje?............................................24 As 10 redes sociais mais acessadas no Brasil ...............................................................24 7. Por que as pessoas compartilham informação na internet? .......................................25 8. Quais são as marcas preferidas dos usuários nas redes sociais?.................................27 Quatro componentes do engajamento........................................................................28 CAPÍTULO II – O PERFIL DE CONSUMO DOS CONSUMIDORES DIGITAIS..............................30 9. Quem são e o que pensam os consumidores digitais? ................................................31
  5. 5. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 5 10. Qual é o perfil dos novos e-consumidores?...............................................................33 11. Como os consumidores digitais fazem suas escolhas? ..............................................34 12. Como as cores e o design do site influenciam na decisão de compra? .....................36 Qual cor vende mais? ...................................................................................................39 Design vende? ..............................................................................................................39 13. O que motiva e desmotiva as pessoas a comprarem pela internet?.........................41 14. O que é a internet de todas as coisas?.......................................................................43 De olho no futuro... ......................................................................................................45 15. Você realmente conhece o comportamento do consumidor digital? .......................46 16. Por que você deve de preocupar com o Marketing on-demand? .............................47 17. Quais são os principais hábitos de consumo dos usuários de smartphones? ...........49 18. Quais são as tendências de consumo para 2014?......................................................52 19.Qual é a melhor ferramenta para compreender o comportamento dos consumidores digitais?.............................................................................................................................54 A relevância das informações e o uso das informações ..............................................54 20. Porque você deve saber o que é Netnografia? ..........................................................55 CONCLUSÃO..........................................................................................................................57 Atingindo o alvo................................................................................................................58 BÔNUS ..................................................................................................................................61 Consumer Insights #1 com Tati Tosi.................................................................................62 BIBLIOGRAFIA .......................................................................................................................65
  6. 6. 6 CAPÍTULO I O PERFIL DO USUÁRIO DA INTERNET NO BRASIL
  7. 7. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 7 1. Quanto tempo as pessoas passam conectadas? Você sabia que 57,2 milhões de usuários acessam regularmente a Internet? Confira os dados abaixo:
  8. 8. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 8  38% das pessoas acessam à web diariamente;  10% de quatro a seis vezes por semana;  21% de duas a três vezes por semana;  18% uma vez por semana.  87% pelo menos uma vez por semana. Segundo o estudo Net Insight do Ibope Media apesar do fato do Brasil não ser o país com a maior quantidade de usuários ativos na internet, os brasileiros são os que passam mais tempo conectados, comparado aos usuários dos Estados Unidos, Japão, Alemanha, França, Itália, Espanha e Suíça. Em dezembro de 2012 já gastávamos em média 43 horas e 57 minutos de nossas vidas com a internet, seguido pelos usuários da França e Alemanha. As crianças brasileiras (entre 2 e 11 anos) também são as que passam mais tempo conectadas, permanecendo online em média 17 horas. Na França, a média de tempo gasto pelos pequenos com a internet é de 10 horas e 37 minutos. Em terras francesas, as crianças representam 7,8% dos usuários domiciliares ativos da rede. Já no Brasil, esse percentual sobe para 14,1%. Essa nova realidade se deve também ao aumento do número de acessos à internet por meio de dispositivos móveis. Um recente estudo realizado pela F/Nazca Saatchi & Saatchi em parceria com o Datafolha revelou que 43 milhões de brasileiros acessam a internet por meio do celular. Segundo a pesquisa, cerca de 3,8 milhões de brasileiros tiveram seu primeiro contato com a internet através do celular (veja a pesquisa completa aqui). A facilidade do acesso em “qualquer lugar” faz com que as pessoas permaneçam mais tempo online e esse tempo deverá aumentar consideravelmente, uma vez que até 2016 o Brasil deverá ser o quarto maior mercado de smartphones, segundo estimativas da IDC,
  9. 9. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 9 que aponta ainda que em 2012 o país detinha 2,3% do mercado mundial de smartphones, número que em 2016 deve saltar para 4,4%. Sim, podemos esperar em breve definitivamente a consolidação da tendência mobile. Os computadores darão lugar aos tablets e smartphones. Haverá uma grande multidão convergida à tendência mobile. E o que move essa multidão? Hoje, 1 em cada 5 brasileiros costuma comentar, divulgar ou compartilhar experiências pela internet no exato momento em que elas acontecem. Mas o que isso quer dizer? É muito simples! O acesso à internet aliada ao fator da mobilidade oferecerá inúmeras oportunidades para as empresas que souberem potencializar seu alcance. É preciso, portanto, estar onde os consumidores digitais estão. É preciso conectar-se com o mercado-alvo oferecendo algo que realmente possa ser compreendido como valor, sem esquecer da relevância como veremos mais adiante no Marketing on-demand. 2. Como as pessoas gastam seu tempo online? Um estudo intitulado Wave 6 – The business Of Social (de 2006 a 2012) que reuniu informações de 136 mil usuários ativos, de 64 países revelou o que os internautas mais fazem na internet:  64% deles costumam enviar mensagens para amigos;  62% entram na internet para atualizar seus perfis nas redes sociais;  59% publicam fotos e procuram por velhos amigos;  52% acessam as redes para atualizar seus status.
  10. 10. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 10 A pesquisa também mostrou que, nos últimos seis anos, 21% dos internautas entraram na internet para fazer compras e 38% acessaram a rede para se filiar a algum grupo online ou página de seu interesse. Veja a pesquisa completa aqui. Outra pesquisa interessante é a “How people spend their time online” que aborda o perfil de consumo online dos usuários no Brasil e no mundo. Do tempo médio gasto mundialmente (16 horas), os entrevistados disseram gastar seu tempo com:  22% uso de redes sociais/ network;  21% pesquisando;  20% lendo conteúdos online (acessar sites de notícias, etc.);  19% enviando/recebendo e-mails (se relacionando com sua rede de contatos);  13% acessando conteúdos multimídia (entretenimento);  5% comprando online. Entre as atividades mais comuns estão: acessar e-mails, realizar pesquisas, pesquisar endereços, checar a previsão do tempo, ler notícias, comprar produtos. A título de curiosidade, em 2013 os internautas brasileiros passaram, em média, 10 horas e 26 minutos por mês nas redes sociais (ah, quer saber quanto tempo você já gastou no Facebook? Clique aqui). De acordo com outra pesquisa do ComScore, no Brasil 77,3% dos usuários de internet visitaram sites de varejo em junho de 2013, ficando classificado em segundo lugar entre os BRICs - atrás apenas da China com 84,1% e acima da média mundial de 74,4% - o que demonstra o potencial do comércio eletrônico no país.
  11. 11. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 11 Figura 1 – Usuários da internet que visitaram sites de varejo (junho 2013) Reprodução: Hytrade Outro dado interessante revela que os consumidores digitais gastaram mais tempo em sites de loja de varejo e leilões online. Figura 2 – Tempo médio gasto em sites e-commerce (março a agosto 2013) Reprodução: Hytrade As redes sociais também se destacam quando o assunto é compras online. Segundo o Social Media Report da Nilsen, 70% dos internautas ativos em redes sociais
  12. 12. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 12 compram online. Aliás, o F-Commerce ou Social Commerce também é uma forte tendência, surgindo como um novo canal de consumo (confira no Consumidores Digitais o post que já publicamos sobre esse assunto). Sem dúvida alguma, o ritmo de crescimento da internet brasileira é intenso e a entrada da classe C para o clube dos internautas, deve continuar a manter esse mesmo compasso forte de aumento no número de usuários e potenciais e-consumidores. E você, já pensou nas possibilidades? Está preparado para atender a essa nova demanda? É importante ressaltar que para aproveitar as oportunidades guiadas pela tecnologia é necessário estar sempre atento para investir: nem muito cedo, nem muito tarde. A internet não deve ser utilizada apenas como mais um canal de publicidade dentro do seu mix de marketing. Ao invés disso é preciso pensar estrategicamente e utilizar os canais online para reduzir custos e oferecer serviços melhores. 3. Quais temas são mais pesquisados na internet? Tem alguma dúvida? Pergunte ao Google. Quer saber em que ano aconteceu aquele fato histórico? Pergunte ao Google. Não sabe onde é, como fazer, onde comprar? É simples: joga no Google! O maior buscador do mundo pode ajudá-lo! Do mais para o menos óbvio. Das coisas e perguntas mais comuns as mais estranhas e inimagináveis... Sim, a internet é uma fonte de informação completa e riquíssima (agora quanto à qualidade e veracidade das informações é outra coisa...). Uma pesquisa recente realizada pela empresa australiana Search Factory (especializada em SEO) listou as coisas mais esquisitas que as pessoas buscam na internet, com base na ferramenta autocompletar do Google (ou Google Instant Search).
  13. 13. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 13 Vamos à lista das 10 perguntas mais coisas mais estranhas que as pessoas procuram na internet: 1. “Como esconder um corpo?” (busca média/mês = 1.000); “Como se livrar de um assassinato?” (busca média/mês = 1.900); 2. “Como fazer meu gato me amar?” (busca média/mês = 390); 3. “A Lady Gaga é homem?” (busca média/mês = 18.100); 4. “Como ganhar na loteria?” (busca média/mês = 40.500); 5. “Como chamar um homem para sair?” (busca média/mês = 14.800); 6. “Como curar um coração partido?” (busca média/mês = 9.900); 7. “Como ter um caso?” (busca média/mês = 5.400); 8. “Por que me casei?” (busca média/mês = 40.500); 9. “Papai Noel existe?” (busca média/mês = 60.500); 10. “Por que homem tem mamilos?” (busca média/mês = 18.000); Outra ferramenta muito interessante é o Google Zeitgeist que revela o que os usuários pesquisaram em determinado período de tempo. Confira os termos mais pesquisados em 2013 no Brasil e no mundo aqui. Então, tem alguma dúvida? Já sabe a quem recorrer? Agora que você já sabe quais foram os temas mais pesquisados ultimamente na internet deve estar se perguntando: qual a influência disso no meu negócio online? Conhecer os hábitos de consumo e comportamentais dos usuários da internet irá ajudá-lo a definir as melhores estratégias para o seu negócio.
  14. 14. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 14 4. Quais os horários preferidos de acesso? Embora não exista uma regra, e realmente cada caso seja um caso específico, algumas pesquisas apontam os “horários nobres” da internet, ou seja, identificam o horário de maior acesso. Portanto, lembre-se que mais importante do que conhecer os horários de maior audiência da rede, é conhecer obviamente os horários de preferência do seu público-alvo, certo? Então vamos lá... Em 2012, uma pesquisa realizada pelas empresas Hi-Midia e pela M.Sense nomeada “Horário Nobre da Internet no Brasil” (pesquisa realizada com 1.265 pessoas do país todo entre 15 e 22 de junho) apontou que o horário nobre da internet durante a semana é a noite, entre 19h e 22h - esse horário pode ser justificado pelo horário de chegada dos usuários em casa após o trabalho. Já no fim de semana, o acesso é menos concentrado e se estende ao longo da tarde e da noite, em média das 14h às 22h. Entre as atividades mais comuns daqueles que acessam a web por um desktop de segunda a sexta-feira, estão:  41% navegar nas redes sociais;  35% ler e enviar e-mails;
  15. 15. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 15  32% ler notícias;  32% ler conteúdo de entretenimento. Um dado interessante é que 30% das pessoas geralmente utilizam o computador pessoal para fazer download de filmes e música após às 22h. No entanto, esse cenário muda nos fins de semana. As pessoas utilizam o computador pessoal para:  28% acesso aos e-mails;  33% acessar redes sociais;  27% ler notícias;  28% acessar conteúdo de entretenimento. A pesquisa também trouxe dados dos acessos de dispositivos móveis. De acordo com o levantamento os usuários de dispositivos móveis utilizam esses equipamentos para realizar atividades rápidas e mais comuns como ler e-mails, acessar as redes sociais e acessar sites de notícias. Embora os acessos não tenham horário fixo (uma vez que as pessoas acessam a qualquer momento), atividades como jogar online e assistir a vídeos são realizadas geralmente após às 22h. Outro dado que a pesquisa revelou (e que talvez hoje tenha mudado um pouco) é que pessoas entre 40 e 49 anos eram as primeiras a iniciarem suas atividades online, seguida pelas pessoas com idade acima de 50 anos. Os mais novos acessavam a internet mais tarde.
  16. 16. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 16 Mídias Sociais Falando em horários nobres, agora vamos ver os horários preferidos de acesso nas redes sociais. Facebook Um estudo realizado pelo Scup, em 2012, revelou que o Facebook atinge seus maiores picos de uso/audiência entre às 20h e 22h, variando conforme os dias da semana. No entanto, o número de posts e interações durante a semana têm volume maior do que durante os finais de semana, ou seja, um momento propício para chamar a atenção do seu público. Outro ponto constatado é o aumento da presença de usuários no período das 11h às 12h, quando geralmente as pessoas se organizam para o almoço e também se descontraem após uma manhã de trabalho. Twitter O horário nobre do microblog, também segundo relatórios do Scup, está no intervalo das 14h às 17h, durante a semana quando a rede atrai maior fluxo de usuários.
  17. 17. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 17 Linkedin Os resultados das pesquisas sugerem que você poste à tarde ou no momento do almoço que é justamente quando os empresários (público de maior concentração na rede) estão em seu “lunch break” e procuram se atualizar nas suas redes sociais, ou no finalzinho da tarde, momento em que os networkers estão para sair do trabalho e querem dar uma rápida checada nas informações mais importantes. Google+ Apesar de ainda pouco explorado aqui no Brasil e por esse motivo sem muitas estatísticas, através do aplicativo Google+Timing você pode ter uma ideia do melhor horário para publicar um post segundo análise do próprio aplicativo que é baseada em seus círculos. Tumblr O melhor horário para publicar nesta plataforma é mesmo à noite (entre 19h e 22h) que é quando geralmente os mais jovens aproveitam para navegar na internet sem compromisso. Pinterest Ao contrário das outras redes sociais o melhor dia e horário para publicar é no sábado pela manhã e durante a semana ao meio dia e das 20h às 01h da madrugada. Das 17h às 19h o índice de participação da audiência baixa notavelmente.
  18. 18. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 18 Ferramentas de automatização/agendamento Se o seu público-alvo está concentrado em mais de uma rede social e você procura atualizá-los quanto a todas as novidades do seu negócio e com isso acaba gastando muito tempo, agora pode utilizar algumas ferramentas para automatizar o processo de postagens como Postcron, Twitter Ads e de distribuição do conteúdo em diversas mídias de uma única vez como Hootsuite, Dlvr. Outra dica importante em relação à distribuição do conteúdo nas redes sociais é diversificá-lo, já que o perfil do público também é bem diferente. Assim, procure adequar as mensagens conforme a plataforma para não seus perder seguidores, já que pode ocorrer do mesmo interessado segui-lo em mais de um canal de comunicação. Teste tudo É preciso lembrar que você deve adaptar os horários das suas publicações de acordo com a plataforma e com as preferências do seu público-alvo, disponibilizando sempre conteúdo relevante. Essa é uma das maneiras mais eficientes para destacar a sua marca nas redes sociais, onde todos querem chamar a atenção. A dica, portanto, é testar, testar e testar. Faça as postagens e acompanhe o desempenho. Se não for como o esperado, mude o horário e o dia até encontrar o mais favorável para o seu tipo de negócio e público-alvo. Aproveite: afinal a internet é um dos poucos ambientes que permite que você teste alternativas, até encontrar a melhor solução para obter o melhor resultado.
  19. 19. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 19 #ficaadica: por experiência própria, de quem administra páginas próprias e de clientes de vários segmentos, posso dizer que os horários realmente variam muito de acordo com a fanpage (objetivo) e com o público-alvo. Exemplo: para uma página empresarial a audiência é maior no próprio horário comercial, no entanto, para uma página de moda o horário nobre acaba sendo após o horário comercial, que é quando geralmente as pessoas param para avaliar ofertas e promoções. 5. O que as pessoas veem primeiro ao acessar um site ou perfil nas redes sociais? Com o avanço da tecnologia recursos como eye tracking (monitoramento do movimento dos olhos) deixaram de ser ficção. Hoje ferramentas como CrazyEgg e Clickheat permitem saber exatamente para onde os usuários olham e em qual área do site focam mais a sua atenção. Em sua apresentação no Fórum de Marketing Digital de 2013, o especialista Gerson Ribeiro afirmou que o usuário tem exatos 15 segundos para decidir se vai ficar
  20. 20. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 20 ou não em um site. Fatores como design e a própria experiência do usuário ao interagir com o seu site são extremamente relevantes no momento da decisão - e você não precisa ser necessariamente um web designer para se preocupar com esse fato. Sites complexos, de difícil navegação, que demoram demais para carregar, com muitas informações desnecessárias, fazem com que o usuário não conclua o objetivo ou ação propostos (seja comprar um produto, clicar em um banner, etc.), ou seja, fazem com que o efeito seja contrário. Portanto, sua missão é a de facilitar o processo de decisão e não complicá-lo ainda mais! Design – Usabilidade A usabilidade é utilizada para descrever a qualidade da interação de uma interface com seus usuários e está relacionada à eficiência, eficácia e satisfação da interface diante do usuário. Mas por que se preocupar com a usabilidade? Porque como já dissemos, é muito simples de entender: se um site for muito difícil de usar o usuário sai! Se a sua página inicial não disser exatamente o que o internauta irá encontrar no seu site, ele também sai! Se demorar para carregar então... Dessa forma é preciso pensar como o usuário e não como um desenvolvedor e, portanto, mais uma vez, é essencial conhecer o mercado-alvo para adaptar o seu site. Acredite: “pacotes prontos” não apresentam os mesmos resultados. Assim, personalize e customize o seu layout pensando em como se diferenciar até nos mínimos detalhes (detalhes esses que sejam compreendidos como valor pelo seu público-alvo é claro, né?).
  21. 21. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 21 10 princípios básicos de usabilidade 1. Não faça o usuário pensar; 2. Não abuse da paciência do usuário; 3. Mantenha o foco de atenção do usuário; 4. Destaque os recursos e os benefícios que ele deve utilizar; 5. Seja objetivo, claro, preciso; 6. Valorize e priorize a simplicidade; 7. Não tenha medo de espaços em branco (não tente preencher o site com coisas irrelevantes e que vão deixá-lo lento); 8. Mantenha um padrão na comunicação visual; 9. Convenções são convenções (inovar não significa “inventar moda”); 10. Teste sempre: antes, durante e depois. #ficaadica: observe os sites de objetivos e conteúdos similares ao seu e tente identificar as convenções de interação com o intuito de aproveitar o modelo mental criado para beneficiar a curva de aprendizado do usuário. Não existem “fórmulas de sucesso”, mas sim testes de layouts (A/B) até que se descubra o que converte mais, de acordo com o seus objetivos. Para onde as pessoas olham primeiro ou focam mais nas plataformas sociais? Um estudo feito pela Mashable em parceira com a EyeTrackShop, divulgado em 2011 apontou o que atrai a atenção de consumidores na hora em que eles chegam na página de alguma marca.
  22. 22. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 22 O estudo utilizou as webcams de 30 participantes para gravar seus movimentos de olho enquanto foram mostradas páginas de perfil do Facebook, Google+, LinkedIn, Flickr, YouTube, Klout, Reddit, Digg, Tumblr, Twitter, StumbleUpon e Pinterest, em intervalos de 10 segundos. Veja alguns resultados:  A foto do perfil é importante: o que mais atraiu a atenção no Klout, Facebook e StumbleUpon foi a foto do perfil. O título do emprego (ou cargo) atraiu mais a atenção do que a foto do perfil no LinkedIn (aliás, muito mais do que qualquer outro item na página).  Quem são seus amigos? Quem está na sua rede? Essa informação também é muito notada. Ainda que seja pelo posicionamento na página, as pessoas realmente olham para as “fotinhos” dos amigos que aparecem no seu perfil nas redes sociais, sendo mais evidente no Facebook, Google+, Twitter e Klout.  Conteúdo no topo chama mais a atenção. Quanto mais para baixo na página ou da timeline menos as pessoas olham para o conteúdo. Isso vale tanto para perfis com foco no conteúdo (Pinterest e Digg) como em perfis sociais, como o Facebook. No Twitter e YouTube, esse fenômeno aparece com menos força.
  23. 23. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 23 Outro assunto que sempre chama a atenção nas plataformas sociais é o desempenho dos anúncios, especialmente no Facebook - rede mais utilizada atualmente no mundo todo. Será que é mesmo verdade que todo mundo ignora os anúncios nas redes sociais? Segundo outro estudo da EyeTrackShop não. Veja o mapa de calor abaixo: Figura 3 – Heatmap anúncios no Facebook Fonte: Business Insider Os resultados do estudo deixam claro que os anúncios pagos que aparecem no feed de notícias têm probabilidade de 200% de serem vistos – diferente dos anúncios padrão (disponibilizados na lateral da página), até porque, convenhamos, todos os consumidores digitais já estão acostumados com as formas convencionais de publicidade, utilizadas nas redes sociais.
  24. 24. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 24 6. Quantos e quem são os usuários das redes sociais hoje? Embora o número de adesão às redes sociais no Brasil tem aumentado ao longo dos anos, segundo um relatório da Pew Research, o país ocupa o 18º lugar no ranking de países que acessam as redes sociais. A pesquisa foi realizada em 24 países e considerou o uso da internet em países emergentes – especialmente em smartphones. Entre os brasileiros conectados, ou seja, aqueles que têm acesso à internet, 73% usam as redes sociais. Quem ocupa o primeiro lugar na lista é o Egito com 88% dos usuários da internet conectados ao Facebook e Twitter, por exemplo. No Brasil, os maiores adeptos aos sites como Facebook e Twitter são os jovens de 18 a 29 anos (72% dos internautas). Os campeões são os jovens chineses, argentinos e russos, com uma média de acesso a 29 redes sociais. A menor incidência aqui no Brasil ficou por conta dos usuários com mais de 50 anos (18%). Um dado interessante divulgado na pesquisa “Kids of today and tomorrow – um olhar bem próximo dessa geração” aponta que 85% das crianças brasileiras têm e-mail e 86% já utilizam as redes sociais contra 67% e 61% da média mundial, respectivamente. O estudo abordou 6.200 crianças entre 9 e 14 anos de 32 países. As 10 redes sociais mais acessadas no Brasil Um estudo da Hitwise (ferramenta de inteligência em marketing digital da Serasa Experian) mostra que o Facebook ainda é o líder entre as 10 redes sociais mais acessadas no Brasil. Confira a lista (dados de outubro de 2013):
  25. 25. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 25 Rede Social Participação 1 Facebook 73,50% 2 YouTube 16,34% 3 Badoo 1,20% 4 Google+ 1,15% 5 Orkut 0,97% 6 Yahoo! Respostas 0,94% 7 Twitter 0,90% 8 Ask.fm 0,89% 9 Bate-Papo UOL 0,81% 10 LinkedIn 0,31% Tabela 1 – 10 redes sociais mais acessadas no Brasil Fonte: Hotwise Se levarmos em consideração que o Brasil é um dos países pioneiros na adoção de tecnologias sociais (tendo inclusive várias redes nativas como MirtesNet, Namoro Fake, etc.), ainda existe uma grande oportunidade para que os empreendedores brasileiros ampliem o uso das plataformas sociais para agregar valor aos seus negócios. 7. Por que as pessoas compartilham informação na internet? Será que um mesmo post de determinada marca pode chamar a atenção de diferentes públicos, utilizando a mesma mensagem? O que faz com que determinadas publicações tenham mais visualizações e compartilhamos que outras? Então será que existe alguma resposta lógica ou que qualquer ciência poderia explicar porque eu, você e todos nós compartilhamos algo na internet? A resposta é sim e se ainda
  26. 26. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 26 não conhece deveria passar a se interessar sobre a Psicologia do Compartilhamento. Acredite: compartilhar informação faz parte do processo de comunicação e pode revelar o seu perfil na internet. Mas afinal, porque compartilhamos? As pessoas compartilham um conteúdo por terem afinidade com determinada ideia, marca ou produto, para interagir com os demais usuários, para ser uma fonte de informação, como sinônimo de autoexpressão, para se sentirem úteis, para se manterem ativas e conectadas, enfim, se fossemos listar aqui os porquês certamente teríamos um novo e-book só sobre esse tema. (Se você ainda não leu o post Psicologia do compartilhamento, sugiro que leia e descubra a sua persona dentro das seis identificadas em pesquisa realizada pelo The New York Times Company). Sim! O que compartilhamos tem muito a dizer sobre nós... (agora você pode entender, por exemplo, o fato de algumas empresas avaliarem o perfil dos candidatos nas redes sociais, durante os processos para as entrevistas de emprego). Agora, se de um lado estão as pessoas que compartilham, do outro existem os que geram esses conteúdos, geralmente marcas e que logicamente devem se preocupar em gerar conteúdo de qualidade e relevante para se tornarem compartilháveis. E será que existe também alguma regra básica para se tornar mais atrativo, aumentando assim o nível de engajamento dos seguidores e clientes? Podemos dizer que sim. Lembre-se: para engajar, primeiro é preciso gerar uma conexão emocional! Ah, e aqui vale ressaltar que nem sempre fotos de animais e bebês fofos funcionam. É preciso falar a língua do seu público-alvo e estabelecer objetivos para cada publicação. Depois disso, é só acompanhar os resultados!
  27. 27. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 27 8. Quais são as marcas preferidas dos usuários nas redes sociais? Em tempos onde a concorrência para chamar a atenção dos consumidores e dos usuários na internet é extremamente acirrada, gerar conteúdo que crie uma conexão emocional com o público-alvo é um enorme desafio. ‘“Não é apenas ‘marcar presença’. É necessário estabelecer relacionamentos. Se comprometer com os clientes’”. Recém-divulgada pela Socialbakers a quarta edição do Socially Devoted 2013 apontou as 10 marcas nacionais mais comprometidas com seus clientes nas redes sociais (Facebook e Twitter). A título de curiosidade, a maioria das marcas no Facebook optam por publicar fotos (constitui 53% de todo o conteúdo postado), links (21%) e atualizações (15%), o que prova ser essa uma prática eficaz para gerar o maior número de interações (likes, comentários e compartilhamentos). Mas, muito mais do que angariar fãs e estar entre as páginas como maior número de seguidores na rede, é preciso se preocupar também com o engajamento dos admiradores/consumidores que é o que efetivamente pode ser medido em termos de desempenho financeiro. Mas, afinal, o que é engajamento? “Engajamento é o nível de envolvimento, interação, intimidade e influência que um indivíduo tem com uma marca ao longo do tempo”. (Brian Haven - Forrester)
  28. 28. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 28 Quatro componentes do engajamento Confira os quatro componentes indispensáveis do engajamento:  Envolvimento: é o ponto mais básico e reflete aspectos mensuráveis da relação de um indivíduo com uma empresa ou marca. Compreende, por exemplo, número de visitas ao site da companhia, tempo médio gasto por página e número de páginas vistas. Apesar de não serem indicadores suficientes, essas atividades são fundamentais para o cálculo de engajamento porque, muitas vezes, significam o primeiro ponto de interação que uma pessoa tem com uma marca;  Interação: compreende, por exemplo, as contribuições que as pessoas fazem por meio de comentários em blogs ou outros canais de relacionamento da empresa, pedido de informações sobre produtos, conexões nas mídias sociais e discussões em fóruns;  Intimidade: esse componente busca medir o afeto ou sentimento que uma pessoa possui por uma marca. Isso inclui sua opinião, perspectiva ou paixão, representadas pelas palavras que ela usa e pelos conteúdos que cria. De acordo com Haven, a intimidade é um componente crítico que lança luz sobre os sentimentos positivos ou negativos que alguém pode ter por uma empresa – e que são expressos por meio dos serviços tradicionais de atendimento ao cliente ou pelas mídias sociais. Nesse sentido, diz ele, as ferramentas de monitoramento exercem um importante papel na identificação de tais sentimentos; e  Influência: compreende a probabilidade de uma pessoa voltar a comprar um produto de uma empresa ou recomendá-lo a outra pessoa (amigos e familiares).
  29. 29. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 29 Falaremos neste e-book inúmeras vezes sobre o aumento do poder de decisão dos consumidores, que passou de um simples agente passivo para completamente participativo durante todo o processo - mesmo antes de qualquer relação comercial direta com determinada marca. Portanto, número de fãs, seguidores, reetweets, embora importantes, não são suficientes para conquistar a preferência dos consumidores.
  30. 30. 30 CAPÍTULO II O PERFIL DE CONSUMO DOS CONSUMIDORES DIGITAIS
  31. 31. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 31 9. Quem são e o que pensam os consumidores digitais? O mundo mudou. O mercado mudou. As pessoas mudaram. A forma de consumir também.
  32. 32. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 32 Só enquanto você lê essas frases foram vendidos 5 iphones, 50.000 buscas foram realizadas no Google e 500.000 mil posts foram publicados no Facebook. Incrível, não é mesmo? Hoje o mundo é mais dinâmico: existem muitos concorrentes para atender a uma mesma necessidade. Os consumidores estão mais informados, decididos a fazer a melhor escolha. A maneira de consumir foi revolucionada: compramos diferentemente dos nossos avós e certamente das futuras gerações também. Estamos na era da informação, da busca, do social. Portanto, neste contexto, sabemos que o comportamento dos consumidores digitais também já não é mais o mesmo, no entanto, segundo a pesquisa “Perfis Digigráficos” as mudanças trazidas pela era digital pouco ou nada têm relacionado com o sexo, idade ou classe social, mas sim como três novos critérios: a) Quanto e como as pessoas utilizam os recursos e equipamentos de tecnologia em sua vida; b) Quais são as intenções que elas têm ao consumir diversos produtos digitais; e c) Principalmente, quanto os recursos digitais servem para moldar sua própria identidade. Saber quem são e o que pensam os consumidores digitais certamente fará toda diferença – especialmente para aqueles que já atuam na internet, afinal se as necessidades e a forma de consumir mudaram, é imprescindível que a sua empresa tenha também uma nova resposta ou uma nova forma de posicioná-la.
  33. 33. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 33 Não há nenhum segredo: levará vantagens sobre a concorrência, a empresa que mais rapidamente entender os hábitos e anseios dos consumidores. Então, você está preparado? 10. Qual é o perfil dos novos e-consumidores? Com o crescimento da classe média na última década, os esforços do governo para conectar o país resultaram em mais de 100 milhões de brasileiros online. No segundo trimestre de 2013 o número de pessoas com acesso à internet no Brasil chegou a 105,1 milhões (sem considerar o número de acesso pelos dispositivos móveis), apresentando um crescimento de 3% em relação ao trimestre anterior. Estimativas preveem que 80% da população terá acesso à internet até 2016. Portanto, não estamos muito distantes de consequentemente ver também o aumento do número de e-consumidores, afinal quanto mais pessoas online, maior o número de potenciais clientes do e-commerce. Somente no primeiro semestre do ano passado, os e- consumidores já correspondiam a 3,8 milhões de pessoas. Mas, o que essas pessoas compram na internet? Quem são os novos e-consumidores? Qual o perfil dos novos e-consumidores? Com a perspectiva de crescimento do mercado, projetos de inclusão social e digital e com o aumento do consumo das Classes C, D e E, a demanda no comércio eletrônico deverá ter um incremento proporcional e muitas empresas já estão de olho... Portanto, estar atento a informações como essa pode ajudá-lo a identificar tendências e antecipar as novas necessidades dos consumidores digitais.
  34. 34. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 34 Não devemos esquecer que a premissa do marketing deve ser PERCEBER-RESPONDER (e não produzir-vender). Você só terá sucesso se apresentar melhor desempenho em relação à compreensão a respeito das necessidades dos clientes ao invés de querer simplesmente empurrar com mais “eficácia” os seus produtos no mercado. Lembre-se: o marketing é uma batalha de percepções e não de produtos. 11. Como os consumidores digitais fazem suas escolhas? Uma das maiores mudanças ocorridas no comportamento dos consumidores foi em relação ao seu poder de decisão – que hoje, graças à internet começa muito antes, ou seja, os consumidores já têm uma opinião formada sobre determinada marca, produto ou serviço antes mesmo de pensar em adquiri-lo(a) - o que nos permite concluir também que com a internet, o poder de escolha dos consumidores foi ampliado. Quem nunca recorreu à internet para ler sobre uma marca? Quem nunca procurou recomendações sobre determinado produto no Google, redes sociais, sites de avaliação, etc.? Acredito que todos os leitores. É justamente esse momento de tomada de decisão online que no Google é chamado de Zero Moment of Truth ou ZMOT, traduzindo Momento Zero da Verdade. Não há um modelo de comportamento padrão, no entanto, o ponto de partida para compreender o comportamento dos consumidores digitais é o modelo de estímulo resposta. São exatamente esses estímulos ambientais e de marketing que penetram no consciente do consumidor, como pode ser visto na figura abaixo:
  35. 35. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 35 Figura 4 - O modelo mental tradicional Fonte: Consumidores Digitais Entretanto, atualmente o estímulo e a influência sobre o poder de decisão ocorrem antes do primeiro momento, como podemos ver nesta figura: Figura 5 - Novo modelo mental: o momento zero da verdade Fonte: Consumidores Digitais Portanto, o desafio dos profissionais de marketing e/ou dos empreendedores digitais está em entender o que acontece no consciente do comprador entre a chegada do estímulo externo e a decisão de compra propriamente dita. É neste espaço que os consumidores
  36. 36. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 36 podem dizer uma coisa e decidir fazer outra ou que podem responder a influências que façam com que mudem de ideia no último minuto. Inúmeros fatores influenciam o comportamento de compra dos consumidores, mas agora – antes de tudo, é necessário dar a devida atenção aos grupos de referência (fator social) e à percepção (fator psicológico), uma vez que 88% dos consumidores pesquisam na internet antes de comprar, analisando em média 10,4 fontes (os clientes usam hoje o dobro de fontes para chegar a uma decisão!). Portanto, é necessário marcar presença nos meios digitais e estar ainda mais próximo do seu mercado-alvo. Saber o que as pessoas pensam e falam sobre sua marca pode ajudá-lo a conhecer mais a fundo seu público-alvo, além de ter inúmeros insights (e não conhecer as motivações, necessidades e preferências deles pode ser desastroso!). Ficou em dúvida sobre como ser encontrável? No Consumidores Digitais você encontrará as soluções para posicionar sua empresa nos mecanismos de buscas, se apresentando como a resposta ao que os consumidores buscam. Corre lá para conferir! 12. Como as cores e o design do site influenciam na decisão de compra? Não é de hoje que as cores influenciam diretamente nossas decisões de compra e com tantas opções de produtos e serviços disponíveis no mercado atualmente, o uso eficaz das cores pode fazer com que você consiga a atenção que tanto deseja. De modo geral, você sabia, por exemplo, que:
  37. 37. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 37  A cor pode ser responsável por 60% da aceitação ou rejeição de um produto ou serviço?  Anúncios em cores são vistos mais frequentemente (42%) do que os mesmos anúncios em preto e branco?  2 de 3 consumidores não comprarão um grande produto desejado se não tiver disponível em sua cor preferida? Mas e a influência das cores na decisão de compra online? A Kissmetric fez um infográfico muito interessante para responder a essa pergunta. Confira algumas informações resumidas abaixo:  85% dos consumidores consideram a cor como razão principal para comprar um produto;  As cores aumentam o reconhecimento de uma marca em 80%;  93% dos consumidores dão mais importância ao visual e cor do produto do que outros fatores quando estão fazendo compras. Veja a seguir as cores e o seu efeito no cérebro:
  38. 38. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 38 Figura 6 – O efeito das cores no cérebro
  39. 39. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 39 Qual cor vende mais? Um estudo da University of British Columbia, traz a tona mais uma vez o tema de um debate travado por psicólogos e publicitários que parece estar longe de ser resolvido: que cor torna o cliente mais receptivo à propaganda? Azul ou vermelho? Num primeiro momento, as duas cores podem contribuir para que o consumidor compre. Tudo dependerá efetivamente da mensagem que a propaganda deseja passar. Entre as descobertas, o estudo revela que o vermelho atrai a atenção do consumidor para os detalhes e o azul estimula a criatividade. Os pesquisadores utilizaram também uma série de propagandas e produtos fictícios, coloridos e testaram a reação dos consumidores diante deles. Os resultados, como já era de se esperar, comprovou o que já havia sido concluído nas pesquisas anteriores. O estudo realizou testes cognitivos em 600 voluntários. Se o produto for uma pasta de dente, por exemplo, a cor vermelha na embalagem chama a atenção para a especificação do produto (informações como: combate a cáries, placas, gengivite). Quando o azul era predominante na embalagem os voluntários ficavam mais atentos para questões estéticas (associadas ao clareamento dental e refrescância). Design vende? Quando falamos especificamente dos consumidores digitais não podemos deixar de falar, como já citamos anteriormente neste e-book, sobre a importância do design do seu site.
  40. 40. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 40 Você sabia, por exemplo, que o design e a navegabilidade ruim (usabilidade) são os principais motivadores para que as pessoas desistam de realizar uma compra em determinado site? Preocupante não é mesmo? O tempo de carregamento do site também é, sem dúvida alguma, outro item que garante a sua qualidade. Cerca de 64% dos consumidores online não compram devido à lentidão do site. Faça o teste e veja em quanto o tempo o seu site é carregado. Mas como saber o que funciona e o que não funciona no seu caso? A internet é um dos poucos ambientes onde você pode testar tudo e mudar rapidamente sem que isso implique necessariamente em perder dinheiro. Mas como? Os chamados testes A/B permitem que você identifique o que está e o que não está dando certo no seu caso, ou seja, o que realmente funciona e o que precisa ser mudado. É através deste tipo de teste que você pode analisar quais páginas (A e B) obteve melhor desempenho de acordo com o objetivo que você pré-estabeleceu. Através deste recurso você pode testar desde a cor da página e do texto, cor e posição dos botões (call-to-action), ordem do texto e palavras que convertem mais, posição de vídeos, formulários, etc. Você também pode fazer várias alterações de uma única vez nos chamados testes multivariados. Às vezes uma simples mudança em um único elemento da página A para a página B pode resultar em um aumento de 100% do desempenho do seu site (conversões, leads, vendas). Se você já utiliza o Google Analytics pode criar seus testes em Comportamento > Experiências e com algumas referências iniciá-lo imediatamente (se ainda não utiliza o Google Analytics leia o próximo item deste e-book e saiba porque você deve utilizá-lo).
  41. 41. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 41 Existem várias outras ferramentas pagas como Visual Website Optimizer, Optimizely e outras integradas, geralmente ao software que você utiliza para criação de páginas de lançamento, formulários, etc. #ficaadica: Se você gostou do assunto, não deixe de acessar o infográfico completo da Kissmetric aqui. 13. O que motiva e desmotiva as pessoas a comprarem pela internet? Hoje podemos, sem dúvida alguma, dizer que estamos sempre a um passo (ou simplesmente a um clique) da próxima compra e com a facilidade de comprar direto do celular, por exemplo, o desafio de resistir é, às vezes, muito grande. Mas, sabemos que essa facilidade não é tudo... outros motivos nos levam a comprar ou não comprar pela internet e, geralmente, avaliamos outros fatores antes de fechar ou desistir de uma compra. Portanto, assim como no ambiente offline, o processo de decisão de compra na internet é formado por inúmeras decisões que envolvem mais ou menos envolvimento dos consumidores digitais no momento da compra – dependendo do tipo de compra. Então, qual é a sua motivação para comprar na internet? O que você avalia? Quando falamos de compra pela internet observamos que o comportamento dos e- consumidores mudou muito em função também da maturidade dos próprios clientes, do aumento do nível de segurança, além da participação de lojas tradicionais nesse canal de vendas. O faturamento do e-commerce no país movimentou em 2013, R$28 bilhões e
  42. 42. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 42 a previsão é de que feche este ano com faturamento estimado em R$39 bilhões, segundo a Associação Brasileira de Comércio Eletrônico. Mas ainda há quem resista a esse tipo de compra, principalmente pela barreira formada pelo medo: medo de comprar, medo de não chegar, medo dos transtornos por receber algo diferente do comprado, etc.. Sim. Embora os sites e o próprio ambiente virtual sejam mais seguros e propícios para esse fim, ainda existem aqueles consumidores, em menor número é claro, que preferem comprar pessoalmente nas lojas físicas. O maior desafio está, portanto em compreender mais uma vez as necessidades do seu segmento-alvo e se adequar a elas. Se você realmente quer tornar a internet um canal de vendas, lembre-se de trabalhar para eliminar os principais medos dos consumidores, seja em relação à comprar pela internet, à comprar o tipo de produto ou serviço que você oferece pela internet ou ainda à sua própria marca.
  43. 43. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 43 14. O que é a internet de todas as coisas? Conexão sempre foi uma palavra muito utilizada na internet, no entanto, com o conceito da internet das coisas esse conceito deve também conectar definitivamente o mundo virtual com o mundo real, de uma forma nunca vista antes. E depois disso, certamente o mundo jamais será o mesmo... Você já imaginou se os aparelhos eletrodomésticos e os carros “ganhassem” vida? Se você ficou surpreso com tudo o que viu até aqui em relação à tecnologia prepare-se para algo muito maior. Essa é a era da internet de todas as coisas. Internet das coisas transforma objetos do cotidiano em dispositivos inteligentes. A cada dia que passa as grandes empresas investem cada vez mais em dispositivos inteligentes para identificar os hábitos e vontades dos consumidores e e-consumidores, decifrando assim os pensamentos e até mesmo os “desejos mais secretos” e o Google é um dos melhores exemplos disso. Recentemente o Google comprou por 3,2 bilhões de dólares a Nest, especialista no desenvolvimento de dispositivos inteligentes como o termostato que autorregula a temperatura da casa de acordo com os hábitos dos moradores.
  44. 44. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 44 Mas você deve estar se perguntando: o que o Google fará com uma empresa que fabrica termostato? Sim… realmente no primeiro momento essa notícia soa estranho… mas você já vai compreender porque o Google é Google. Conheça as dez empresas do ramo de tecnologia que foram adquiridas pelo Google:  Nest: empresa que desenvolveu um termostato e um alarme de incêndio inteligentes;  Boston Dynamics: uma das empresas de robótica mais avançadas do mundo;  Holomni: fabricantes de rodas de alto desempenho;  Makani Power: empresa que promete reduzir o custo de geração de energia em 50% em relação aos campos de energia eólica tradicionais;  Meka Robotic: especializada no desenvolvimento e design de robôs que se parecem com humanos.  Bot & Dolly: empresa que oferece dois modelos de braços robóticos adaptados para o cinema e ganhou destaque por participar do filme Gravidade;  Schaft: fabrica robôs humanóides para aplicações em áreas que exigem força;  Industrial Perception: desenvolveu um sistema de visão computacional para robôs;  DNN Research: desenvolve pesquisas na área de redes neurais profundas para entender como o cérebro humano processa a linguagem.  Behavio: dedicada a um software para monitorar o ambiente e fazer previsões sobre necessidades das pessoas a partir de dispositivos móveis.
  45. 45. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 45 De olho no futuro... Para George Geis (Professor da Universidade da Califórnia – UCLA) e conceituado autor de um estudo sobre as aquisições do Google, com esses investimentos a companhia comprova que já está em busca de novos formatos e novas plataformas para exibição de seus anúncios, uma vez que a receita da publicidade na web vem diminuindo. “O Google está desenvolvendo um carro sem motorista e por isso investiu em empresas de robótica e GPS. Mas o que as pessoas vão fazer no carro se não será mais necessário dirigir? Elas vão consumir publicidade. E esses anúncios serão personalizados”, explica o professor. Sim. O Google não está interessado em lançar novos produtos, mas sim em utilizar novas plataformas que possam alavancar o retorno sobre seu negócio principal: a venda de espaço publicitário. Para Frank Gillet da Forrester, o Google já está pensando em como a publicidade vai funcionar daqui a cinco ou dez anos. Ao participar de todo o ecossistema em um novo contexto onde todas as coisas estarão conectadas como resultado da internet de todas as coisas (ioe), além de oferecer uma experiência completa ao usuário, a empresa estará anos luz a frente da concorrência no que diz respeito a conhecer o comportamento habitual dos consumidores digitais e ditará novamente novas tendências. Compreendeu a importância da internet de todas as coisas? #ficaadica: se as coisas tivessem uma rede social, como ela seria? Não fique só na curiosidade. Veja aqui.
  46. 46. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 46 15. Você realmente conhece o comportamento do consumidor digital? Conhecer o comportamento do consumidor digital, principalmente se você trabalha com a internet, é indispensável e não apenas para adotar outras estratégias para aumentar o lucro da sua empresa, mas também para antecipar soluções para o atendimento às novas tendências - cumprindo assim o propósito de marketing que é satisfazer as necessidades e desejos dos clientes-alvo. No início deste ano um relatório do Trendwatching identificou cinco tendências cruciais para 2014, revelando importantes mudanças no comportamento dos consumidores, para as quais você obviamente deve se atentar:  Tendência #1: Status- Smart (Inteligência-Status): a inteligência é o novo símbolo de status. Empresas que desenvolverem soluções e modelos de negócios voltados para a promoção da educação e de projetos culturais, de maneira geral, tanto na internet quanto fora dela ganharão destaque.  Tendência #2: Civicsumers (cíviconsumidores): os cidadãos mais conscientes de seus direitos, adotaram novos comportamentos que impulsionam ações e movimentos em busca de mudanças efetivas – e pode-se dizer seguramente que a internet atua como mola propulsora nesse processo.  Tendência #3: Bitter thuths (“verdades cruéis”): como sempre os consumidores buscarão novas formas de se comunicar e se relacionar com as marcas e as empresas se verão praticamente obrigadas a lançar campanhas que utilizem
  47. 47. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 47 elementos que se se aproximem cada vez mais da realidade contextual do seu público-alvo.  Tendência #4: Protective Tech (Tecnologia que protege): novos modelos de negócios que visem combater as ameaças à segurança pessoal serão amplamente aceitos pelo mercado, já que a segurança ainda é uma das maiores preocupações das pessoas hoje em dia e o medo e insegurança comportamentos cada vez mais comuns.  Tendência #5: Life: on demand (“vida sob demanda”): em um mundo onde as jornadas de trabalho são cada vez maiores e em alguns casos demasiadamente estressantes, os consumidores e e-consumidores darão cada vez mais valor a comodidade, a conveniência. Esses novos estilos de vida também revelam a necessidade de soluções tecnológicas que possam ser aplicadas, primordialmente, em benefício das pessoas. 16. Por que você deve de preocupar com o Marketing on- demand? As novas tecnologias aliadas às mudanças no comportamento dos consumidores estão e continuarão a tornar as experiências de compra ainda mais personalizadas. Portanto, já é hora de se preparar para a era do marketing on-demand. Mas você sabe o que é Marketing on-demand? No marketing on-demand a palavra de ordem é relevância. Não basta apenas compreender as necessidades dos consumidores digitais. É preciso apresentar soluções
  48. 48. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 48 relevantes e adequadas para sanar essas necessidades e encurtar definitivamente o caminho entre o desejo e a entrega do produto ou serviço. Acredite: com a era do on-demand o marketing de massa definitivamente dará lugar ao marketing one-to-one. Soluções genéricas perderão cada vez mais espaço. Agora é a hora de proporcionar experiências únicas de consumo. Para saber se você está mesmo preparado para o marketing on-demand responda às quatro necessidades básicas dos consumidores on-demand: 1. AGORA: os consumidores vão querer interagir em qualquer lugar a qualquer momento. 2. EU POSSO: os consumidores vão querer fazer “coisas novas” com todo tipo de informação – de conta corrente a dados sobre atividade física – de maneira que isso agregue valor para eles. 3. PARA MIM: os consumidores vão esperar que todos os dados armazenados sobre eles sejam utilizados para responder precisamente às suas necessidades ou utilizados para personalizar a sua experiência. 4. SIMPLES: os consumidores vão esperar que absolutamente tudo, todas as interações sejam simples. Falamos até aqui sobre as principais mudanças no comportamento de compra dos consumidores digitais e com isso, não devemos esquecer que o nível de expectativas desses em relação à experiência de consumo também tem sido muito valorizada.
  49. 49. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 49 Para conquistar os clientes da era on-demand as empresas e marcas devem conhecê-los, saber o que eles esperam para ter a capacidade de alcançá-los com o tipo certo de interação. 17. Quais são os principais hábitos de consumo dos usuários de smartphones? A forma como consumimos e interagimos com as marcas ganhou outra esfera graças à convergência mobile e é nesse contexto que muitos novos negócios surgem todos os dias. Se de um lado estão os inúmeros consumidores ávidos por novidades e dispostos a acessá-las a qualquer momento, do outro estão as marcas em busca de cada vez mais proximidade com seu público-alvo e de uma posição de destaque entre as marcas preferida, o que dá real sentido a palavra conexão. O crescente uso dos smartphones tem representado também um aumento no uso de buscas locais que, em breve, deverá superar a de desktops como comprova uma recente pesquisa do Google em parceria com a Nilsen publicada no Consumidores Digitais. Entre vários resultados apontados na pesquisa, alguns chamam mais a atenção como:  Tempo de pesquisa no dispositivo móvel: os consumidores estão gastando mais tempo pesquisando em seus smartphones (em média 15 horas por semana);  Ponto inicial da pesquisa no dispositivo móvel: a pesquisa começa em um motor de busca;  A proximidade do negócio é importante: 69% esperam que as empresas estejam dentro de até cinco quilômetros de sua localização;
  50. 50. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 50  O imediatismo é fundamental: mais da metade (55%) quer comprar dentro de uma hora (após a pesquisa) e 83% querem comprar no mesmo dia. Outro levantamento do Google feito sobre o uso de smartphones nos EUA aponta outros dados muito interessantes. É claro que não podemos comparar ainda a realidade dos EUA com a brasileira, no entanto, se você pretende investir na internet não pode desprezar essas estatísticas - e tão pouco os hábitos de consumo dos usuários de smartphones. Veja alguns dados:  39% usam o smartphone enquanto estão no banheiro;  33% enquanto assistem TV;  22% enquanto leem jornal;  1 em cada 3 abririam mão de comer chocolate só para continuar usando seus smartphones;  79% usam o smartphone como auxílio na hora de fazer compras (70% dentro da loja);  49% para comparar preços;  54% para procurar o endereço de uma loja;  71% dos que buscam algo em um smartphone o fazem após verem um anúncio;  74% tomam a decisão de compra baseados em informações obtidas no smartphone;  44% para ler reviews de produtos;  35% dos que pesquisam no smartphone compram o produto no smartphone;  88% que encontram informações no smartphone tomam a iniciativa no mesmo dia;
  51. 51. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 51  79% dos anunciantes ainda não têm um site otimizado para mobile (preocupante não é mesmo?). O movimento mobile já não deveria ser mais novidade para ninguém. Portanto, o maior desafio não está apenas em compreender as necessidades e os hábitos do consumidor mobile, mas em otimizar toda experiência, seja do usuário, seja do comprador. #ficaadica: Acompanhe as novidades e os próximos posts do Consumidores Digitais onde traremos outras pesquisas recentes sobre o uso de smartphones no Brasil.
  52. 52. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 52 18. Quais são as tendências de consumo para 2014? As empresas bem sucedidas acompanham frequentemente o ambiente interno e o ambiente externo de seus negócios. Elas reconhecem que o ambiente de marketing está em constante mudança, apresentando novas oportunidades e ameaças e compreendem a importância de se adaptar rapidamente. As maiores revoluções estiveram ligadas à tecnologia e as próximas tendências não estão distante disso segundo a TrendWatching que apresentou 7 tendências de consumo para 2014:  Tendência #1 – Guilt-free status (status sem culpa): essa tendência aponta para o fato de que “não sentir culpar” será o novo símbolo de 2014. E baseada nela, talvez seja a hora de criar produtos e serviços que forneçam uma certa dose de status sem culpa;  Tendência #2 – Crowd Shaped (formatado por multidões): 2014 será o ano da conexão. A tecnologia será onipresente e veremos cada vez mais o uso da internet e das redes sociais em qualquer lugar e momento. Os consumidores se habituarão a falar de suas preferências de consumo, revelando valiosos insights para as empresas;  Tendência #3 – Made greener by/ for China (feito mais verde pela/para China): no próximo ano, as percepções da China mudarão na medida em que os consumidores se derem conta de que o país rapidamente está se transformando em um epicentro de inovações ecológicas (verdadeiramente inovadoras e superiores aos dos demais países);
  53. 53. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 53  Tendência #4 – Mychiatry (“Minha-Psico”): a mente será o novo corpo. O interesse dos consumidores por produtos e serviços “Quantified Self” (veja o vídeo para compreender o conceito) vai continuar a crescer na medida em que os produtos altamente tecnológicos se tornarem mais acessíveis ou os aplicativos se tornarem mais habituais;  Tendência #5 – No data (sem dados): em contrapartida a tendência de Crow Shaped (formatado pela multidão), essa tendência por “n” motivos recentes como o vazamento de informações e espionagem na rede, visualiza uma oportunidade para aquelas empresas que em 2014 oferecerem ótimos serviços ao mesmo tempo em que deixarem de coletar dados pessoais dos consumidores e clientes;  Tendência #6 – The internet of care things (A internet das coisas que cuidam): a internet das coisas veio para ficar, sem dúvida alguma. Mas muito além disso, as inovações darão destaque às coisas que cuidam. Tudo que os objetos conectados possam fazer pelos consumidores (seja monitorar ou aprimorar a saúde, ajudá-los a economizar dinheiro ou executar tarefas) será muito bem-vindo;  Tendência #7 – Global Brain (cérebro global): este ano a arena do consumo ficará ainda mais global e local. Não se assuste ao receber centenas de notícias de lançamento de produtos e serviços e de inovações atraentes para os consumidores de todo o mundo. Embora ainda possa parecer que essas tendências tragam produtos e serviços muito futuristas (daqueles vistos apenas em cenas de filmes), os recursos disponíveis hoje não nos deixam mentir sobre a onipresença da tecnologia.
  54. 54. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 54 Independente de você trabalhar diretamente com tecnologia deve passar a pensar em como se beneficiar dela para facilitar a vida do seu público-alvo, adotando estratégias que permitam de fato responder às dores dos consumidores. 19.Qual é a melhor ferramenta para compreender o comportamento dos consumidores digitais? Hoje praticamente TUDO pode ser monitorado e mensurado na internet. Tudo o que as pessoas fazem na internet gera um “rastro digital” que rende importantes informações e insights, especialmente para as empresas de publicidade, mas você também pode se beneficiar das informações obtidas para compreender melhor o seu público-alvo e o comportamento dos consumidores digitais. As ferramentas de web analytics, sendo o Google Analytics a mais conhecida, em sua maioria permitem identificar além do perfil demográfico e geográfico dos consumidores digitais, seu comportamento (preferências de conteúdo e dispositivos de navegação), sua dinâmica de interação com o site (qual a sequência de páginas que visualizou e por quanto tempo) e até mesmo suas dificuldades ou bounce rate (em qual momento deixou o site, etc.). Não é exatamente isso que você precisava? Se você ainda não está convencido do porque deve passar a monitorar o comportamento dos usuários do seu site leia esse post no Consumidores Digitais. A relevância das informações e o uso das informações
  55. 55. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 55 Como em todos os casos de monitoramento, seja no site ou nas mídias sociais, você também deve estabelecer objetivos em função do uso que dará aos dados obtidos. Como assim? É preciso determinar um período de pesquisa (monitoramento) e avaliar a relevância da informação para a tomada de decisão estratégica. Tomar decisões precipitadas e baseadas em informações errôneas ou irrelevantes para o seu negócio pode levá-lo(a) rapidamente ao fracasso. É justamente o uso de inteligência estratégica sobre os dados levantados que fará com que você tenha os melhores insights e consequentemente os melhores resultados. Vale a pena tentar! 20. Porque você deve saber o que é Netnografia? Porque estudar o comportamento dos consumidores digitais? Resposta óbvia tanto quanto 2+2=4. Será? Estamos vivenciando um novo contexto em um mundo extremamente digital - e diga-se de passagem, isso modificou completamente nossas relações sociais – e a netnografia é, sem dúvida alguma, um dos principais métodos para identificar os consumer insights nesta nova realidade, além de acompanhar e antecipar as tendências nos hábitos e preferências de compra dos consumidores, gerando valor e inovação estratégica. Aposto que você também já ouviu falar em netnografia, mas provavelmente em função do termo ainda não ter se tornado tão popular ainda têm dúvidas sobre o assunto. Mas não se preocupe. Pensando nisso, o Consumidores Digitais trouxe as respostas.
  56. 56. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 56 Pronto, agora que você já sabe o que é netnografia e como aplicá-la, pode construir estratégias baseadas nas tendências do mercado, atendendo assim, realmente às expectativas reais dos consumidores. Sim, já é possível utilizar a netnografia como ferramenta para explorar com segurança metodológica o enorme potencial de compreensão do consumidor, através das redes sociais e comunidades digitais.
  57. 57. 57 CONCLUSÃO
  58. 58. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 58 Atingindo o alvo MARK-eting é a capacidade de atingir o alvo (mark). Portanto, compreender o comportamento dos consumidores ou mercado-alvo, identificando as necessidades e desejos não satisfeitos dos consumidores é a maior missão do marketing - e no marketing digital não é diferente.
  59. 59. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 59 Se analisarmos bem, a competitividade na internet é ainda mais acirrada do que nos mercados tradicionais, tendo em vista que os mercados não são limitados geograficamente e que as barreiras de entrada são mais baixas, comparadas a outros mercados, onde é necessário fazer altos investimentos iniciais. Esse inclusive é um dos grandes atrativos na internet, o que faz com que diariamente nasçam novos negócios. Entretanto, com a mesma velocidade com que os novos negócios surgem, outros deixam de existir e sabe por quê? Porque essencialmente por não criarem valor genuíno para os clientes e como você viu neste e-book, os consumidores de hoje são muito mais exigentes em relação à qualidade, atendimento e inovação. O “mesmo sapato” já não calça vários pés. O marketing de massa definitivamente deu lugar ao one-to-one marketing e as empresas que ainda não compreenderam isso, certamente ficarão para trás e muito rapidamente. Mas como inovar em um mercado onde tudo muda constantemente? Como garantir um posicionamento em um ambiente tão competitivo? Para inovar e para criar diferenciais competitivos que garantam um posicionamento, será preciso acompanhar de perto as tendências relacionadas ao mercado e aos consumidores. Satisfazer as necessidades e proporcionar valor e satisfação aos consumidores já não é o bastante. É preciso superar as expectativas (que serão novamente reajustadas) e isso só será possível se você realmente souber que são e o que querem os novos consumidores. Então, você conhece bem os seu público-alvo?  O que incita uma necessidade? Em quais ocasiões?  Quais são as medidas que os consumidores tomam para satisfazer suas necessidades? Quando começam a pensar na solução e quando deixam de pensar?
  60. 60. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 60  Onde os consumidores buscam soluções? Atualmente eles podem achá-las nos lugares onde procuram?  Como os consumidores descobrem os produtos? Como eles comprar e comparam alternativas?  O que eles estão buscando? O que eles não têm? Quais são as trocas que eles estão fazendo? Como os novos benefícios que você está oferecendo podem se tornar importantes para os consumidores? Lembre-se: Marketing não é a arte de descobrir maneiras inteligentes de descartar-se do que foi produzido. O Marketing é o departamento de fabricação de clientes da empresa.
  61. 61. 61BÔNUS
  62. 62. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 62 Consumer Insights #1 com Tati Tosi Entrevista com a Tatiana Melani Tosi, pesquisadora de tendências e comportamentos sociais digitais, com ênfase em netnografia. É também pós-graduada em Marketing pela ESPM/SP. Especialista em Inteligência Competitiva nas Redes Sociais pela Fundação Getúlio Vargas (SP) e é Membro do Grupo de Pesquisa Cidade do Conhecimento ECA USP. Conecte-se a Tati Tosi: Site, Facebook, Twitter. CD – O que é netnografia? Como as empresas, especialmente as pequenas empresas, podem se beneficiar da aplicação da netnografia? A importância da netnografia reside na pesquisa sócio-comportamental do consumidor entendendo toda a sua jornada de consumo desde seus hábitos e rituais até os seus desejos inspiracionais no ambiente online. O principal benefício para as pequenas e médias empresas ao aplicar a Netnografia será o conhecimento dos códigos e símbolos comportamentais de cada público-alvo para cada produto ou serviço. CD – De acordo com todas as pesquisas disponíveis e suas observações, é possível traçar um perfil dos consumidores online no Brasil? O que querem os consumidores digitais hoje? Hoje , os consumidores brasileiros têm um perfil híbrido combinando maior uso de e- commerce de varejo e especializados, ao mesmo tempo, há um avanço importante no uso de smartphones e, portanto, um alto crescimento em relação aos aplicativos móveis variando desde compras até financeiros.
  63. 63. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 63 Tendo este cenário como pano de fundo, os consumidores brasileiros estão evoluindo gradativamente e com isso aptos a novas inovações no setor de produtor e serviços personalizados. CD – Com fenômenos como o BIGDATA como podemos selecionar informações que auxiliem na tomada de decisão estratégica? Há algum método simplificado de pesquisa ou ferramenta que você indicaria? Neste novo cenário de Big Data os dados serão provenientes de diversos banco de informações desde o tradicional banco de dados, dados sociais, dados transacionais, dados midiáticos e metadados provenientes de smartphones. No momento, somente grandes empresas como IBM, CSC e SAP estão fornecendo ferramentas em conjunto com visualização de dados, ao mesmo tempo, há um movimento internacional e nacional de startups focadas na extração e mineração dos dados provenientes de Big Data, como a Tuilux e Vortio. CD – Como as empresas podem valorizar seu capital social e gerenciar o fluxo das informações? Você acredita que as empresas podem se apropriar dos códigos de linguagem para estabelecer empatia e um relacionamento com os consumidores? Atualmente todas as empresas devem valorizar o seu capital social através de conteúdo e ações segmentadas para cada público-alvo, o gerenciamento de informações deverá ser feito utilizando como ferramenta o monitoramento da marca aliados ao núcleo de pesquisa e inovação, trabalhando em conjunto com o cientista de dados para assim predizer novos modelos de consumo.
  64. 64. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 64 CD – Quais as suas dicas pra colocar a netnografia em prática? (Cursos, sugestão de leitura, etc). O próximo curso ministrado pela Tati Tosi será em Março no Keenlab (Recife). As inscrições podem ser feitas aqui. Sugestões de livros:  HAKKEN,D. Cyborgs @ Cyberspace: An Ethnographer Looks for the Future. New York: Routledge, 1999.  HINE, C. Virtual Ethnography.London:Sage,2000.  KOZINETS, R.Netnography: Doing Ethnographic Research Online. London: Sage Publications,2010.  LEVY, P. A Inteligência Coletiva : por uma antropologia do ciberespaço. São Paulo: Loyola, 1998.  POYNTER, R. The Handbook of Online and Social Media Research – Tools and Techniques for Market Researchers. West Sussex: John Wiley & Sons Ltd, 2010.  WOOD, N. et SOLOMON, R. Virtual Social Identity and Consumer Behavior. New York: Society for Consumer Psychology, 2009.
  65. 65. 65BIBLIOGRAFIA
  66. 66. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 66 Livros  MARTIN, Neale. Hábitos de consumo: o comportamento do consumidor que a maioria dos profissionais de marketing ignora. Rio de Janeiro: Elsevier, 2009.  KOTLER, Philip. Administração de Marketing. São Paulo: Prentice Hall, 2000.  RIES, Al e TROUT Jack. As 22 consagradas leis do Marketing. São Paulo: Makron Books, 1993.  SILVERSTEIN, Michael J. e JUNIOR George Stalk. Rompendo hábitos de consumo. Rio de Janeiro: Campus, 2001. Sites  http://www.consumidoresdigitais.com.br  http://www.ibope.com.br/pt-br/noticias/Paginas/Internauta-gasta-em-media-10- horas-e-26-minutos-em-redes-sociais.aspx  http://super.abril.com.br/blogs/tendencias/por-que-as-pessoas-usam-as-redes- sociais/  http://tobeguarany.com/internet-no-brasil/  http://www.hi-midia.com/pesquisas/pesquisa-aponta-o-horario-nobre-da- internet-no-brasil/  http://exame.abril.com.br/pme/noticias/como-definir-os-melhores-horarios-para- postar-no-facebook  http://smallbusiness.chron.com/times-publish-linkedin-31109.html  http://mashable.com/2011/11/30/social-profile-eye-tracking/  http://www.businessinsider.com/heatmap-most-facebook-users-see-ads-2013- 1?0=advertising
  67. 67. www.consumidoresdigitais.com.br Tudo o que você deveria saber sobre os consumidores digitais e ainda NÃO sabe © Danielle Vieira – versão 1 67  http://www.abcomm.org/  http://info.abril.com.br/noticias/internet/fotonoticias/as-coisas-mais-estranhas- que-as-pessoas-procuram-no-google.shtml  http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/brasil-e-superado-por-17-paises- em-uso-de-redes-sociais  http://exame.abril.com.br/tecnologia/noticias/facebook-e-youtube-dominam- redes-sociais-no-brasil  http://www1.folha.uol.com.br/folhinha/2014/05/1460751-86-das-criancas- brasileiras-usam-redes-sociais-diz-pesquisa.shtml  http://www.scup.com/pt/blog/o-que-e-de-fato-engajamento-nas-midias-sociais  http://pt.slideshare.net/felipefernand3s/praa-webdesignaula09  http://viverdeblog.com/psicologia-das-cores/  http://www.sciencedaily.com/releases/2009/02/090205142143.htm Imagens:  Designed by Freepik.com

×