A formação continuada é componente essencial da profissionalização do
docente, visto que a formação inicial é insuficiente...
Resultados e discussões
O estudo mostrou que os professores possuem um conceito definido sobre
formação continuada e sua i...
Referências
BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9394 de 20 de
dezembro de 1996.
PIMENTA, Selma ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Artigo da monografia da jairina

42 visualizações

Publicada em

educação

Publicada em: Ciências
0 comentários
0 gostaram
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
42
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
0
Comentários
0
Gostaram
0
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Artigo da monografia da jairina

  1. 1. A formação continuada é componente essencial da profissionalização do docente, visto que a formação inicial é insuficiente para oferecer todos os elementos imprescindíveis a uma prática pedagógica consistente. Diante das grandes inovações científicas é indispensável que o professor participe de forma ativa de programas de formação continuada. No que se refere ao professor de Química, o mesmo precisa reformular seu trabalho pedagógico, se atualizar diante das tendências, procurar métodos construtivos, que motivem os discentes a estudar a Química de forma significativa contribuindo para o exercício da cidadania, como preconiza a Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, LDBN 9394/96. Nessa perspectiva, pode se ressaltar que a formação continuada é um instrumento necessário para os professores desenvolverem uma ação educativa capaz de preparar os discentes para a compreensão e transformação positiva e crítica da sociedade em que vive. Objetivo  Investigar como vem acontecendo a formação continuada dos professores de Química do Ensino Médio das escolas da rede estadual de ensino de Caxias - MA. Metodologia Trata-se de um estudo descritivo com abordagem quantitativa. A pesquisa foi realizada em 10(dez) escolas da rede pública estadual da cidade de Caxias- MA, tendo como público alvo 10(dez) professores. Para a coleta de dados foi utilizado um questionário com perguntas abertas e fechadas aplicado no mês de junho de 2012, referente a identificação do sujeito, prática cotidiana e formação continuada.
  2. 2. Resultados e discussões O estudo mostrou que os professores possuem um conceito definido sobre formação continuada e sua importância. Alguns interlocutores analisam a educação contínua como uma possibilidade de transformação dessas práticas. Entretanto, outros concebem como instrumento de “capacitação” e “aprimoramento” do fazer docente. Além de compreender erroneamente a formação continuada, tais ações mantêm o professor atrelado ao papel de “simples, não possibilitando resolver os complexos problemas da prática pedagógica (SCHNETZLER, 2000). Referente a participação em encontros de formação relacionados com sua prática educativa, 50% dos entrevistados referiram que participam, sempre que surgi oportunidade, 40% relataram que, às vezes, quando o valor é acessível e viável ao horários e 10% afirmaram que nunca participam. O professor é responsável pela sua formação continuada, mas, precisa de estímulos das instituições e dos responsáveis pela gestão dos serviços educacionais. Na perspectiva de Pimenta (2002), a formação continuada deve ser compreendida não como um custo/despesa, mas como um investimento pessoal, profissional, institucional, público, político, social e econômico. Dentre as dificuldades encontradas para a realização de cursos de formação continuada os sujeito do estudo destacaram: a falta de tempo, decorrente da jornada exaustiva e excesso de trabalho, como empecílhos ao engajamento em atividades de formação continuada. Segundo Ribeiro (2008) o melhor local para a formação continuada é a escola, onde os problemas existem e uma equipe pode unida, buscar alternativas mais adequadas. Conclusão Diante das constatações, pode se afirmar que os professores, possuem uma concepção simplista da educação continuada, ao concebê-la apenas como possibilidade de capacitação. Verificou–se ainda que as formações vem acontecendo de modo pouco eficaz, em razão das precárias oportunidades que os docentes possuem para continuar a sua formação. Dificuldades foram identificadas e precisam ser enfrentados, para que a formação contínua seja algo recorrente no cotidiano desses educadores.
  3. 3. Referências BRASIL. Lei de Diretrizes e Bases da Educação Nacional, Lei nº 9394 de 20 de dezembro de 1996. PIMENTA, Selma Garrido. Professor reflexivo: construindo uma critica. In: PIMENTA, Selma Garrido; GHEDIN, Evandro (orgs.). Professor reflexivo no Brasil: gênese e critica de um conceito. São Paulo: Cortez, 2002. p. 285-329. SCHNETZLER, Roseli Pacheco; ARAGÃO, Rosália Maria Ribeiro. Importância, sentido e contribuições de pesquisa para o ensino de Química. Revista Química Nova na Escola, n.1, p. 27-31, mai. 1995. RIBEIRO, Ana Claudia de Freitas. Escola como tempo e espaço na formação continuada para a inclusão escolar: o instituído e o instituinte. 2008. 68 f. Dissertação (Mestrado) - Universidade Federal De Santa Maria, Santa Maria, 2008.

×