2 ecofis 2010_dr_david_lopes_neto

385 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
385
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
2
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
19
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

2 ecofis 2010_dr_david_lopes_neto

  1. 1. PAPEL DO SISTEMA COFEN/ CONSELHOS REGIONAIS NA FISCALIZAÇÃO DE ESCOLAS DE FORMAÇÃO Prof. Dr. David Lopes Neto COREN-AM 41.003
  2. 2. ATRIBUIÇÃO DO SISTEMA COFEN/ CONSELHOS REGIONAIS  Fiscalizar o exercício da profissão de enfermeiros, técnicos e auxiliares de enfermagem  Zelar pela qualidade dos serviços prestados pela Enfermagem  Garantir o cumprimento da Lei do Exercício Profissional (Lei nº 7.498/86) e e demais legislação
  3. 3. A QUEM COMPETE A REGULAÇÃO DO EXERCÍCIO PROFISSIONAL? SISTEMA COFEN/ CONSELHOS REGIONAIS
  4. 4. REGULAÇÃO DA FORMAÇÃO Constituição Federal prevê o ensino ministrado com base nos princípios:  Qualidade  Respeito à Autonomia Universitária  Ensino livre à iniciativa privada, atendidas as seguintes condições: Cumprimento das Normas Gerais da Educação Nacional; Autorização de Cursos de Instituição de Ensino Credenciada
  5. 5. Sistema Nacional de Avaliação do Ensino Superior - SINAES  FUNÇÃO DE REGULAÇÃO – realizada por meio de atos administrativos autorizativos do funcionamento das IES e de cursos de graduação, tecnológicos e sequenciais : Credenciamento/recredenciamento; Autorização de curso; Reconhecimento de curso/renovação; Descredenciamento; Desativação de curso
  6. 6. A QUEM COMPETE A REGULAÇÃO DO ENSINO DA ENFERMAGEM? SUPERIOR - Ministério da Educação - MEC e órgãos a ele ligados; EDUCAÇÃO PROFISSIONAL – Conselho Estadual de Educação
  7. 7. INEPINEP Instituto Nacional de Ensino e PesquisaInstituto Nacional de Ensino e Pesquisa SINAES Sist. Nac. Aval. E. S. DAES Dir. Aval. E. S. CONAES Com. N. Av. Ed. S. BASIS B.Av Sist. Nac. Aval. Ed. Sup. SECRETARIA DE ENSINO SUPERIORSECRETARIA DE ENSINO SUPERIOR - SESu- SESu
  8. 8. COMPETÊNCIA DAS INSTITUÇÕES DE ENSINO FORMAR O PROFISSIONAL TÉCNICO OU GRADUADO SEGUINDO A ORIENTAÇÃO DOS ÓRGÃOS COMPETENTES Solicitar: 1 - Credenciamento da Instituição de Ensino 2 – Autorização/Reconhecimento de Curso
  9. 9. BASES LEGAIS DA REGULAÇÃO DO ENSINO DA ENFERMAGEM  Constituição Federal  LDB – Lei 9394/96  Diretrizes Curriculares Nacionais de Cursos de Graduação em Enfermagem - DCN  Diretrizes Curriculares Nacionais de Cursos da Educação Profissional  Resolução CNE/CES nº 04, de 6 de abril de 2009  Exame Nacional do Desempenho de Estudantes - ENADE  Projeto Pedagógico de Curso – PPC  PPC – articulado com os atos normativos da instituição de ensino (PDI, PPI, Regimento, Estatuto etc)
  10. 10. EDUCAÇÃO SUPERIOR Decreto 5773/06 – MEC Competência do INEP/MEC Operacionalizar as visitas para:  Avaliação in loco nos processos de autorização, reconhecimento e renovação de reconhecimento de cursos de graduação  Avaliação do desempenho de estudantes - ENADE
  11. 11. RESOLUÇÃO CNE/CES Nº 3, DE 7 DE NOVEMBRO DE 2001  Art. 1º A presente Resolução institui as Diretrizes Curriculares Nacionais do Curso de Graduação em Enfermagem, a serem observadas na organização curricular das Instituições do Sistema de Educação Superior do País.  Art. 2º As Diretrizes Curriculares Nacionais para o Ensino de Graduação em Enfermagem definem os princípios, fundamentos, condições e procedimentos da formação de enfermeiros, estabelecidas pela Câmara de Educação Superior do Conselho Nacional de Educação, para aplicação em âmbito nacional na organização, desenvolvimento e avaliação dos projetos pedagógicos dos Cursos de Graduação em Enfermagem das Instituições do Sistema de Ensino Superior.
  12. 12. Resolução CNE/CES nº. 04, de 6 de abril de 2009 Dispõe sobre Carga Horária Mínima e procedimentos relativos à Integralização na modalidade presencial  Enfermagem – 4000 horas no mínimo  Integralização - 5 (cinco) anos
  13. 13. AVALIAÇÃO IN LOCO (da Formação) Quem faz este trabalho? Avaliadores do BASis  BASis - Banco de Avaliadores do Sistema Nacional de Avaliação da Educação Superior - INEP/MEC
  14. 14. AVALIAÇÃO DOS CURSOS Instrumento específico: a) Formulário Eletrônico (e-MEC) b) 3 Dimensões:  Corpo Docente e Técnico-Administrativo  Instalações Físicas Gerais e Específicas (laboratórios e biblioteca)  Organização didático-pedagógica
  15. 15. QUAL É O PAPEL DO SISTEMA COFEN/ CONSELHOS REGIONAIS NAS INSTITUIÇOES DE ENSINO Consultivo Parcerias Colaboração Cooperação Educativo
  16. 16. O saber-fazer da fiscalização do ensino de enfermagem  Existência de convênio da Instituição de ensino com as instituições para a prática e estágio curricular supervisionado  As instituições conveniadas implantaram a SAE?  A Instituição conveniada está registrada no COREN?  Quem é o ResponsávelTécnico da instituição conveniada?  Outros saberes de competência
  17. 17. O saber-fazer da fiscalização do ensino de enfermagem  Enfermeiros preceptores da prática/estágio:  Situação com o COREN  Horas de trabalho na instituição de saúde  Horas de trabalho para instituição de ensino  Regimes de trabalho nas instituições  Quantidade de alunos por preceptoria  Outros saberes de competência
  18. 18. Termo de Colaboração COFEN/SESu/MEC  Contribuir com subsídios para ações de regulação e supervisão da educação superior  Vigência – 24 meses (23.03.2010)
  19. 19. Compromisso do Sistema COFEN/Conselhos Regionais  Elaborar relatório de manifestação técnica de informação dos Cursos de Enfermagem no Sistema e-MEC.  Criar o banco de avaliadores do Cofen junto à SESu/MEC.  Encaminhar à SESu/MEC reflexões sobre as DCN de Enfermagem
  20. 20. Termo de Cooperação Técnica entre Cofen - SESu/MEC  Instrumento de Avaliação 1 – inserção de um novo curso de Enfermagem no contexto estadual, regional 2 – Absorção de um novo profissional de Enfermagem no mercado de trabalho vigente
  21. 21. PARTICIPAÇÃO DOS CONSELHOS REGIONAIS NO ENSINO  Normatizar e fiscalizar o Exercício Profissional da Enfermagem:  Registro de Empresa  Responsável Técnico  Inserir-se como colaborador nos processos decisórios como Determinação das Diretrizes Curriculares Nacionais  Provocar parcerias e acordos com os órgãos responsáveis pela regulação da Educação Profissional e do Ensino Superior
  22. 22. SÍNTESE sobre FORMAÇÃO DE ENFERMAGEM  SISTEMA COFEN/CONSELHOS REGIONAIS REGULAR O EXERCÍCIO PROFISSIONAL  INEP/SESu/MEC e CONSELHOS ESTADUAIS DE EDUCAÇÃO REGULAR O ENSINO SUPERIOR ETÉCNICO
  23. 23. OBRIGADO!! CONTATO Prof. Dr. David Lopes Neto davidnetto@ufam.edu.br ctep@cofen.gov.br

×