SlideShare uma empresa Scribd logo
1 de 63
Comunicação Alternativa
O que é Comunicação




      ?
O que é Comunicação?


“Processo de emissão, transmissão e recepção de mensagens

   por meio de métodos e/ou sistemas convencionados.”



                                   (Mini Dicionário Aurélio)
O que é Comunicação?
O que é Comunicação
    Alternativa




      ?
O que é Comunicação
         Alternativa?

               “É o uso integrado de componentes,

       incluindo símbolos, recursos, estratégias e técnicas

                   utilizadas pelos indivíduos,

a fim de complementar a comunicação”




                                              (ASHA, 1991)
                                       (American Speech-Language-Hearing
                              Association)
Objetivo

  Tornar o indivíduo com distúrbios de comunicação

     o mais independente e competente possível

          em suas situações comunicativas,

podendo assim ampliar suas oportunidades de interação

                 com outras pessoas,

    na família, na escola e na comunidade em geral.
Beneficiados
Crianças e adultos com patologias que comprometem a aquisição e/ou desenvolvimento
          da linguagem, fala e escrita, quer seja temporária ou permanente.




 o sistema de comunicação utilizado precisa ser compreendido não só pelo usuário e
fonoaudiólogo, mas pelos pais e parceiros com que ele se relaciona durante seu dia;



• a equipe multidisciplinar é indispensável para a avaliação e prosseguimento do sistema.
Devem fazer parte da equipe: fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais,
pedagogos, psicólogos e engenheiros de reabilitação;
Comunicação Alternativa
         2 divisões
    Comunicação não Apoiada                         Comunicação Apoiada


Engloba as expressões próprias daquela           Engloba    todas      as        formas      de
pessoa,   tais   como   os   sinais   manuais,   comunicação que possuem expressão
expressões faciais, movimentos corporais,        lingüística fora do corpo do usuário,
gestos, piscar os olhos para indicar “sim” e     como   objetos     reais, miniaturas        de
“não”.                                           objetos, pranchas de comunicação com
                                                 fotografias,   figuras     de    revistas    e
                                                 outros símbolos gráficos, e ainda, os
                                                 sistemas computadorizados.
Comunicação não Apoiada


                     Recursos da própria pessoa

 As expressões são totalmente produzidas pelos usuários, ou seja, ela é
 realizada por meio de ações que a própria criança pode produzir, sem o auxílio
 de outra pessoa ou de equipamentos.
Comunicação Apoiada


                Recursos Adaptados


         Em decorrência das dificuldades motoras,
         certos usuários de comunicação apoiada vão
         também       depender   de   alguém   para
         selecionar     e   indicar   os   estímulos
         necessários para que seja interpretado.
Vários podem ser os
    sistemas alternativos de
          comunicação

    Alta tecnologia:
•   Sistemas computadorizados;

•   Softwares específicos;
Vários podem ser os
    sistemas alternativos de
          comunicação

    Baixa tecnologia:
•   Objetos reais;

•   Miniaturas;

•   Fotografias;

•   Símbolos gráficos;

•   Pranchas de comunicação;
Definindo um Sistema
Pensando em fazer uso de meios alternativos para comunicação, devemos optar por aquele
    que ofereça as condições desejáveis para a criança. Para esse delineamento, devemos
    estabelecer quais os tipos de estímulos que esse sistema deverá conter:


• o sistema utilizará objetos concretos?



  o sistema será composto por fotografias, desenhos ou figuras?



  será composto por sistemas gestuais?



  far-se-á uso de ortografia?



  terá como base um sistema de símbolos gráficos (pictográficos, ideográficos ou aleatórios)?



  o sistema será combinado?
Avaliação
    Para fazer esse delineamento, será necessária uma avaliação da criança, se possível
    feita por uma equipe multidisciplinar:




• fonoaudiologia

• fisioterapia

• terapia ocupacional

• pedagogia

• psicologia



• e também da família,

                     para verificar as possibilidades da criança e da situação.
Avaliação
• as habilidades físicas do usuário: acuidade visual e auditiva, habilidades perceptivas,
fatores de fadiga;

• habilidades motoras do usuário: preensão manual, flexão e extensão de membros
superiores, habilidades para virar páginas;

• habilidades cognitivas do usuário: compreensão, expressão, nível de escolaridade, fase
de alfabetização;

• o local onde o sistema será utilizado: casa, escola, comunidade;

• com quem o sistema será utilizado: pais, professores, amigos, comunidade em geral;

• com qual objetivo o sistema será utilizado: ensino em sala de aula, comunicação entre
amigos;
Avaliação
    Portanto, é importantíssimo fazer um

levantamento das habilidades já existentes e

       das potencialidades da criança.



 Tendo em mãos os dados dessa avaliação,

é possível preparar o recurso a ser utilizado

da melhor forma possível para esta criança,

    de acordo com os resultados obtidos.
Ajudas Técnicas
Banco de Idéias
•   Adaptação do formato dos recursos para comunicação alternativa



•   Tipos de estímulos e estratégias utilizados nos recursos para comunicação
    alternativa



•   Quantidade de estímulos utilizados nos recursos para comunicação alternativa



•   Participação do usuário na construção do recurso para comunicação alternativa



•   Ambientes e parceiros de comunicação alternativa
Banco de Idéias
Adaptação do formato dos recursos


•   Pranchas e fichários
Banco de Idéias
Adaptação do formato dos recursos


•   Pranchas com estímulos removíveis
Banco de Idéias
Adaptação do formato dos recursos


•   Pranchas temáticas
Banco de Idéias
Adaptação do formato dos recursos


•   Prancha fixa na parede
Banco de Idéias
Adaptação do formato dos recursos


•   Prancha fixa sobre a carteira
Banco de Idéias
Adaptação do formato dos recursos


•   Prancha frasal
Banco de Idéias
   Tipos de estímulos e estratégias nos recursos


                 •   Objeto concreto e sua representação
Banco de Idéias
   Tipos de estímulos e estratégias nos recursos


                                    •   Miniaturas
Banco de Idéias
   Tipos de estímulos e estratégias nos recursos


                            •   Símbolos Gráficos
Banco de Idéias
   Tipos de estímulos e estratégias nos recursos


                                •   Figura Temática
Banco de Idéias
   Tipos de estímulos e estratégias nos recursos


                •   Fotos e figuras de atividade seqüencial
Banco de Idéias
   Tipos de estímulos e estratégias nos recursos


                •   Símbolos gráficos com fundo diferente
Banco de Idéias
   Tipos de estímulos e estratégias nos recurso




                                      •     Gestos

                             •   Expressões Faciais
Banco de Idéias
Quantidade de estímulos utilizados nos recursos


•   Estímulo Único
Banco de Idéias
Quantidade de estímulos utilizados nos recursos


•   Dois Estímulos
Banco de Idéias
Quantidade de estímulos utilizados nos recursos


•   Vários Estímulos
Banco de Idéias
 Participação do usuário na construção do recurso


                               •    Seleção de Estímulos

                   •   Confecção e organização do recurso
Banco de Idéias
Ambientes e parceiros


•   Parceiros de Comunicação Alternativa
Banco de Idéias

Ambientes e parceiros


•   Participação da família
Sistemas Gráficos


         Existem vários, com símbolos diferentes e logística própria.

Dentre todos os sistemas existentes, destacamos os 3 mais utilizados no Brasil.
Sistemas Gráficos
   PIC – Pictogram Ideogram Communication (Maharaj, 1980)
• é um sistema basicamente pictográfico;

• os símbolos constituem-se de desenhos estilizados em branco sobre um fundo preto;

• é menos versátil e também mais limitado, pois os símbolos não são combináveis;

• os símbolos são organizados semanticamente;
Sistemas Gráficos
   Bliss (Bliss, 1965)
• é um sistema basicamente ideográficos (desenhos que simbolizam a idéia de uma coisa,
criam uma associação gráfica entre o símbolo e o conceito que se representa);

• são compostos de um número pequeno de formas chamadas de “elementos simbólicos”;

• seguem um sistema lógico, sendo que estes elementos básicos são usados em várias
combinações para representar milhares de significados;

•os símbolos são organizados sintaticamente, tendo cada grupo sintático uma cor
específica.
Sistemas Gráficos
   PCS – Picture Communication Symbols (Johnson, 1981)
é um sistema basicamente pictográfico;

• este sistema foi criado para indivíduos com comprometimento em sua comunicação oral e
que não conseguiam compreender um sistema gráfico mais ideográfico;

• beneficia indivíduos de qualquer idade, de qualquer patologia, para quem um nível simples
de expressão seja aceitável;

• os símbolos são organizados sintaticamente, tendo cada grupo sintático uma cor
específica, como no Sistema Bliss;
Categorias de Palavras
• Social: palavras comumente usadas em interações sociais;



• Pessoas: incluindo os pronomes pessoais;



• Verbos;



• Descritivo: adjetivos e advérbios;



• Substantivo;



• Miscelânea: basicamente são artigos, conjunções, preposições,

conceito de tempo, cores, alfabeto, números e outras palavras abstratas variadas;
Técnicas de Seleção
               Referem-se à forma pela qual o usuário escolhe os símbolos numa prancha de
                                        comunicação.

                           O método usado para indicar os símbolos

                afetará principalmente a disposição do vocabulário na prancha.

                 É importante determinar a técnica de seleção mais eficiente

                                      para cada usuário.

          Deve ser determinado o posicionamento ideal da prancha e do usuário –

       a precisão, a taxa de fadiga e a velocidade são fatores a serem considerados.



         As técnicas de seleção podem ser divididas em duas grandes categorias:

• Seleção direta;

• Varredura;
Seleção Direta
• Apontar       ou tocar diretamente cada símbolo:
• com o dedo;

• com uma ponteira de cabeça;

• com ponteira de luz sobre a cabeça;

• apontar com outras partes do corpo (dedo do pé, punho ou cotovelo);



• Técnica    de olhar (eye-gaze):
• é geralmente o mais indicado para usuários com comprometimento motor grave;

• os símbolos são dispostos mais distantes um do outro e o interlocutor senta de frente
para o usuário a fim de observar mais facilmente o movimento de seus olhos, que indica
cada símbolo simplesmente olhando para ele;
Varredura
• esta técnica exige somente que a pessoa tenha uma resposta controlável consistente,
como sacudir a cabeça, bater um pé ou fazer um movimento com os olhos;

• os recursos de tecnologia simples (baixa tecnologia) necessitam um facilitador para
apontar os símbolos de maneira sistemática enquanto o usuário sinalizará quando o símbolo
desejado for apontado;

• diferentes estratégias de varredura podem ser utilizadas, dependendo das habilidades
do usuário: linear, circular, colunas lineares e grupos de itens;
Exemplos de Atividades
Exemplos de Atividades
Exemplos de Atividades
Exemplos de Atividades
Conclusão
   Pensando então na interação entre interlocutor e
      criança com deficiência na área da comunicação,
        os sistemas alternativos de comunicação são
  um meio eficaz para garantir a inclusão dessas crianças.
   Assim, a criança que não apresente a comunicação oral
              ou que tenha dificuldades nela
poderá comunicar-se com outras pessoas e expor suas idéias,
               pensamentos e sentimentos,
  se puder utilizar recursos especialmente desenvolvidos e
        adaptados para o meio no qual está inserida.
Lembramos que um
    recurso...
só adquire
 funcionalidade para
comunicar mensagens
quando conseguimos
    identificar
as potencialidades de
    nossos alunos
e adequamos o meio
   para que essas
  potencialidades
possam ser expressas.
Feito isso,
estaremos dando
   voz a nossos
     alunos,
que é uma das
primeiras formas
para a construção de
        uma
Sociedade Inclusiva!”
          Deliberato & Manzini 2004
BIBLIOGRAFIA
-...E se falta a palavra, qual comunicação, qual linguagem?
   Discurso sobre Comunicação Alternativa. Tânia Maria e
   Don Giancarlo Pravettoni. Ed. Memnon, 1999.

- Guia dos símbolos de Comunicação Pictórica. Roxanna M.
  Johnson.Mayer-Johnson Co.

- Recursos para Comunicação Alternativa- Portal de ajudas
  técnicas para educação. Eduardo José Manzini e Débora
  Deliberato. Brasília, 2004.
Apresentação comunicação alternativa

Mais conteúdo relacionado

Mais procurados

Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e PossibilidadesTecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e PossibilidadesSoraia Prietch
 
Jogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientesJogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientesresidencia
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide AutismoUNIME
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoFernandaMars1
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Instituto Consciência GO
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialDirce Cristiane Camilotti
 
Sala de Recursos blog
Sala de Recursos  blogSala de Recursos  blog
Sala de Recursos blogMarli Gomes
 
Características das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiênciasCaracterísticas das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiênciasCristiana Chaves
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialVera Zacharias
 

Mais procurados (20)

AEE
AEEAEE
AEE
 
Comunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidades
Comunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidadesComunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidades
Comunicação Alternativa e possibilidades: construindo possibilidades
 
Autismo aula power point
Autismo aula power pointAutismo aula power point
Autismo aula power point
 
Slides sobre tecnologia assistiva acessibilidade
Slides sobre tecnologia assistiva acessibilidadeSlides sobre tecnologia assistiva acessibilidade
Slides sobre tecnologia assistiva acessibilidade
 
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?Autismo: o que os profissionais precisam saber?
Autismo: o que os profissionais precisam saber?
 
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e PossibilidadesTecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
Tecnologias Assistivas: Conceitos e Possibilidades
 
Tecnologia na Educação
Tecnologia na EducaçãoTecnologia na Educação
Tecnologia na Educação
 
Jogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientesJogos e brincadeiras para deficientes
Jogos e brincadeiras para deficientes
 
Slide Autismo
Slide   AutismoSlide   Autismo
Slide Autismo
 
Autismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do ComportamentoAutismo pela Análise do Comportamento
Autismo pela Análise do Comportamento
 
ApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO AutismoApresentaçãO Autismo
ApresentaçãO Autismo
 
Princípios da Educação Inclusiva
Princípios da Educação InclusivaPrincípios da Educação Inclusiva
Princípios da Educação Inclusiva
 
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
Educação Especial na Perspectiva Inclusiva.
 
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especialSlides educacao inclusiva-e_educacao_especial
Slides educacao inclusiva-e_educacao_especial
 
Palestra Autismo
Palestra AutismoPalestra Autismo
Palestra Autismo
 
Sala de Recursos blog
Sala de Recursos  blogSala de Recursos  blog
Sala de Recursos blog
 
Educação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slidesEducação e novas tecnologias slides
Educação e novas tecnologias slides
 
Características das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiênciasCaracterísticas das pessoas com deficiências
Características das pessoas com deficiências
 
Deficiências
DeficiênciasDeficiências
Deficiências
 
Histórico da Educação Especial
Histórico da Educação EspecialHistórico da Educação Especial
Histórico da Educação Especial
 

Semelhante a Apresentação comunicação alternativa

Insights na geração de conteúdos assertivos - Bruno Honório
Insights na geração de conteúdos assertivos - Bruno HonórioInsights na geração de conteúdos assertivos - Bruno Honório
Insights na geração de conteúdos assertivos - Bruno HonórioMedia Education
 
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdfCatalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdfRenata Duarte
 
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdfCatalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdfRenata Duarte
 
Aula 1 redes sociais - turma 2
Aula  1  redes sociais - turma 2Aula  1  redes sociais - turma 2
Aula 1 redes sociais - turma 2Anelisa Maradei
 
Projetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuárioProjetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuáriotalkitbr
 
Pós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociais
Pós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociaisPós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociais
Pós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociaisRaquel Camargo
 
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.Isa ...
 
Comunicação aumentativa
Comunicação aumentativaComunicação aumentativa
Comunicação aumentativacandidacruz
 
Bncc competencias progressao
Bncc competencias progressaoBncc competencias progressao
Bncc competencias progressaoReginaldo Nobrega
 
05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdf
05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdf05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdf
05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdfRenata Duarte
 
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.Isa ...
 
Plano aula midia_digital_tv_escola_keilens
Plano aula midia_digital_tv_escola_keilensPlano aula midia_digital_tv_escola_keilens
Plano aula midia_digital_tv_escola_keilenskeilens
 

Semelhante a Apresentação comunicação alternativa (20)

Insights na geração de conteúdos assertivos - Bruno Honório
Insights na geração de conteúdos assertivos - Bruno HonórioInsights na geração de conteúdos assertivos - Bruno Honório
Insights na geração de conteúdos assertivos - Bruno Honório
 
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdfCatalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final (1).pdf
 
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdfCatalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdf
Catalogo_Detalhado_dos_Aprofundamentos_Curriculares_final.pdf
 
Monitoramento nas redes sociais
Monitoramento nas redes sociaisMonitoramento nas redes sociais
Monitoramento nas redes sociais
 
Aula 1 redes sociais - turma 2
Aula  1  redes sociais - turma 2Aula  1  redes sociais - turma 2
Aula 1 redes sociais - turma 2
 
Aula 1 - Redes Sociais
Aula 1 - Redes SociaisAula 1 - Redes Sociais
Aula 1 - Redes Sociais
 
Projetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuárioProjetos centrados no usuário
Projetos centrados no usuário
 
Sinalética
SinaléticaSinalética
Sinalética
 
Dia 2018
Dia 2018Dia 2018
Dia 2018
 
Patterns, Padrões e Use Qualities
Patterns, Padrões e Use QualitiesPatterns, Padrões e Use Qualities
Patterns, Padrões e Use Qualities
 
Pós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociais
Pós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociaisPós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociais
Pós Graduação em Marketing Digital :: Aula de redes sociais
 
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
 
06 aee dmu_estrat_comunic
06 aee dmu_estrat_comunic06 aee dmu_estrat_comunic
06 aee dmu_estrat_comunic
 
Comunicação aumentativa
Comunicação aumentativaComunicação aumentativa
Comunicação aumentativa
 
Bncc competencias progressao
Bncc competencias progressaoBncc competencias progressao
Bncc competencias progressao
 
05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdf
05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdf05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdf
05_Areas_de_Linguagens_e_Matematica.pdf
 
Comunicacãƒo
ComunicacãƒoComunicacãƒo
Comunicacãƒo
 
06 aee dmu_estrat_comunic
06 aee dmu_estrat_comunic06 aee dmu_estrat_comunic
06 aee dmu_estrat_comunic
 
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
Estratégias de comunicação para pessoas que não falam.
 
Plano aula midia_digital_tv_escola_keilens
Plano aula midia_digital_tv_escola_keilensPlano aula midia_digital_tv_escola_keilens
Plano aula midia_digital_tv_escola_keilens
 

Mais de Tathiane Cuesta

Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de DownDeficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de DownTathiane Cuesta
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre AutismoTathiane Cuesta
 

Mais de Tathiane Cuesta (7)

Tdc ed especial
Tdc ed especialTdc ed especial
Tdc ed especial
 
Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de DownDeficiência intelectual..&..Síndrome de Down
Deficiência intelectual..&..Síndrome de Down
 
Informações sobre Autismo
Informações sobre AutismoInformações sobre Autismo
Informações sobre Autismo
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditiva Deficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Deficiência auditiva
Deficiência auditivaDeficiência auditiva
Deficiência auditiva
 
Deficiência visual
Deficiência visualDeficiência visual
Deficiência visual
 
Paralisia cerebral
Paralisia cerebralParalisia cerebral
Paralisia cerebral
 

Último

cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfIedaGoethe
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfEditoraEnovus
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundonialb
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024Sandra Pratas
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosAntnyoAllysson
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISVitor Vieira Vasconcelos
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPanandatss1
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxDeyvidBriel
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfIedaGoethe
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxLuizHenriquedeAlmeid6
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfPastor Robson Colaço
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfaulasgege
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASEdinardo Aguiar
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOColégio Santa Teresinha
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxIsabellaGomes58
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxconcelhovdragons
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfAdrianaCunha84
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOBiatrizGomes1
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024Jeanoliveira597523
 

Último (20)

cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdfcartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
cartilha-pdi-plano-de-desenvolvimento-individual-do-estudante.pdf
 
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdfSimulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
Simulado 1 Etapa - 2024 Proximo Passo.pdf
 
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundogeografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
geografia 7 ano - relevo, altitude, topos do mundo
 
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
HORA DO CONTO4_BECRE D. CARLOS I_2023_2024
 
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteirosBingo da potenciação e radiciação de números inteiros
Bingo da potenciação e radiciação de números inteiros
 
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGISPrática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
Prática de interpretação de imagens de satélite no QGIS
 
Educação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SPEducação São Paulo centro de mídias da SP
Educação São Paulo centro de mídias da SP
 
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptxÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
ÁREA DE FIGURAS PLANAS - DESCRITOR DE MATEMATICA D12 ENSINO MEDIO.pptx
 
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdfDIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
DIA DO INDIO - FLIPBOOK PARA IMPRIMIR.pdf
 
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptxSlides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
Slides Lição 2, Central Gospel, A Volta Do Senhor Jesus , 1Tr24.pptx
 
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdfO Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
O Universo Cuckold - Compartilhando a Esposas Com Amigo.pdf
 
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdfCultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
Cultura e Sociedade - Texto de Apoio.pdf
 
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNASQUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
QUIZ DE MATEMATICA SHOW DO MILHÃO PREPARAÇÃO ÇPARA AVALIAÇÕES EXTERNAS
 
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃOLEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
LEMBRANDO A MORTE E CELEBRANDO A RESSUREIÇÃO
 
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptxQUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
QUARTA - 1EM SOCIOLOGIA - Aprender a pesquisar.pptx
 
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptxSlide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
Slide de exemplo sobre o Sítio do Pica Pau Amarelo.pptx
 
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
Orientação Técnico-Pedagógica EMBcae Nº 001, de 16 de abril de 2024
 
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdfWilliam J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
William J. Bennett - O livro das virtudes para Crianças.pdf
 
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSOVALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
VALORES HUMANOS NA DISCIPLINA DE ENSINO RELIGIOSO
 
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
ABRIL VERDE.pptx Slide sobre abril ver 2024
 

Apresentação comunicação alternativa

  • 2. O que é Comunicação ?
  • 3. O que é Comunicação? “Processo de emissão, transmissão e recepção de mensagens por meio de métodos e/ou sistemas convencionados.” (Mini Dicionário Aurélio)
  • 4. O que é Comunicação?
  • 5. O que é Comunicação Alternativa ?
  • 6. O que é Comunicação Alternativa? “É o uso integrado de componentes, incluindo símbolos, recursos, estratégias e técnicas utilizadas pelos indivíduos, a fim de complementar a comunicação” (ASHA, 1991) (American Speech-Language-Hearing Association)
  • 7. Objetivo Tornar o indivíduo com distúrbios de comunicação o mais independente e competente possível em suas situações comunicativas, podendo assim ampliar suas oportunidades de interação com outras pessoas, na família, na escola e na comunidade em geral.
  • 8. Beneficiados Crianças e adultos com patologias que comprometem a aquisição e/ou desenvolvimento da linguagem, fala e escrita, quer seja temporária ou permanente.  o sistema de comunicação utilizado precisa ser compreendido não só pelo usuário e fonoaudiólogo, mas pelos pais e parceiros com que ele se relaciona durante seu dia; • a equipe multidisciplinar é indispensável para a avaliação e prosseguimento do sistema. Devem fazer parte da equipe: fonoaudiólogos, fisioterapeutas, terapeutas ocupacionais, pedagogos, psicólogos e engenheiros de reabilitação;
  • 9. Comunicação Alternativa 2 divisões Comunicação não Apoiada Comunicação Apoiada Engloba as expressões próprias daquela Engloba todas as formas de pessoa, tais como os sinais manuais, comunicação que possuem expressão expressões faciais, movimentos corporais, lingüística fora do corpo do usuário, gestos, piscar os olhos para indicar “sim” e como objetos reais, miniaturas de “não”. objetos, pranchas de comunicação com fotografias, figuras de revistas e outros símbolos gráficos, e ainda, os sistemas computadorizados.
  • 10. Comunicação não Apoiada Recursos da própria pessoa As expressões são totalmente produzidas pelos usuários, ou seja, ela é realizada por meio de ações que a própria criança pode produzir, sem o auxílio de outra pessoa ou de equipamentos.
  • 11. Comunicação Apoiada Recursos Adaptados Em decorrência das dificuldades motoras, certos usuários de comunicação apoiada vão também depender de alguém para selecionar e indicar os estímulos necessários para que seja interpretado.
  • 12. Vários podem ser os sistemas alternativos de comunicação Alta tecnologia: • Sistemas computadorizados; • Softwares específicos;
  • 13. Vários podem ser os sistemas alternativos de comunicação Baixa tecnologia: • Objetos reais; • Miniaturas; • Fotografias; • Símbolos gráficos; • Pranchas de comunicação;
  • 14. Definindo um Sistema Pensando em fazer uso de meios alternativos para comunicação, devemos optar por aquele que ofereça as condições desejáveis para a criança. Para esse delineamento, devemos estabelecer quais os tipos de estímulos que esse sistema deverá conter: • o sistema utilizará objetos concretos? o sistema será composto por fotografias, desenhos ou figuras? será composto por sistemas gestuais? far-se-á uso de ortografia? terá como base um sistema de símbolos gráficos (pictográficos, ideográficos ou aleatórios)? o sistema será combinado?
  • 15. Avaliação Para fazer esse delineamento, será necessária uma avaliação da criança, se possível feita por uma equipe multidisciplinar: • fonoaudiologia • fisioterapia • terapia ocupacional • pedagogia • psicologia • e também da família, para verificar as possibilidades da criança e da situação.
  • 16. Avaliação • as habilidades físicas do usuário: acuidade visual e auditiva, habilidades perceptivas, fatores de fadiga; • habilidades motoras do usuário: preensão manual, flexão e extensão de membros superiores, habilidades para virar páginas; • habilidades cognitivas do usuário: compreensão, expressão, nível de escolaridade, fase de alfabetização; • o local onde o sistema será utilizado: casa, escola, comunidade; • com quem o sistema será utilizado: pais, professores, amigos, comunidade em geral; • com qual objetivo o sistema será utilizado: ensino em sala de aula, comunicação entre amigos;
  • 17. Avaliação Portanto, é importantíssimo fazer um levantamento das habilidades já existentes e das potencialidades da criança. Tendo em mãos os dados dessa avaliação, é possível preparar o recurso a ser utilizado da melhor forma possível para esta criança, de acordo com os resultados obtidos.
  • 19. Banco de Idéias • Adaptação do formato dos recursos para comunicação alternativa • Tipos de estímulos e estratégias utilizados nos recursos para comunicação alternativa • Quantidade de estímulos utilizados nos recursos para comunicação alternativa • Participação do usuário na construção do recurso para comunicação alternativa • Ambientes e parceiros de comunicação alternativa
  • 20. Banco de Idéias Adaptação do formato dos recursos • Pranchas e fichários
  • 21. Banco de Idéias Adaptação do formato dos recursos • Pranchas com estímulos removíveis
  • 22. Banco de Idéias Adaptação do formato dos recursos • Pranchas temáticas
  • 23. Banco de Idéias Adaptação do formato dos recursos • Prancha fixa na parede
  • 24. Banco de Idéias Adaptação do formato dos recursos • Prancha fixa sobre a carteira
  • 25. Banco de Idéias Adaptação do formato dos recursos • Prancha frasal
  • 26. Banco de Idéias Tipos de estímulos e estratégias nos recursos • Objeto concreto e sua representação
  • 27. Banco de Idéias Tipos de estímulos e estratégias nos recursos • Miniaturas
  • 28. Banco de Idéias Tipos de estímulos e estratégias nos recursos • Símbolos Gráficos
  • 29. Banco de Idéias Tipos de estímulos e estratégias nos recursos • Figura Temática
  • 30. Banco de Idéias Tipos de estímulos e estratégias nos recursos • Fotos e figuras de atividade seqüencial
  • 31. Banco de Idéias Tipos de estímulos e estratégias nos recursos • Símbolos gráficos com fundo diferente
  • 32. Banco de Idéias Tipos de estímulos e estratégias nos recurso • Gestos • Expressões Faciais
  • 33. Banco de Idéias Quantidade de estímulos utilizados nos recursos • Estímulo Único
  • 34. Banco de Idéias Quantidade de estímulos utilizados nos recursos • Dois Estímulos
  • 35. Banco de Idéias Quantidade de estímulos utilizados nos recursos • Vários Estímulos
  • 36. Banco de Idéias Participação do usuário na construção do recurso • Seleção de Estímulos • Confecção e organização do recurso
  • 37. Banco de Idéias Ambientes e parceiros • Parceiros de Comunicação Alternativa
  • 38. Banco de Idéias Ambientes e parceiros • Participação da família
  • 39. Sistemas Gráficos Existem vários, com símbolos diferentes e logística própria. Dentre todos os sistemas existentes, destacamos os 3 mais utilizados no Brasil.
  • 40. Sistemas Gráficos PIC – Pictogram Ideogram Communication (Maharaj, 1980) • é um sistema basicamente pictográfico; • os símbolos constituem-se de desenhos estilizados em branco sobre um fundo preto; • é menos versátil e também mais limitado, pois os símbolos não são combináveis; • os símbolos são organizados semanticamente;
  • 41. Sistemas Gráficos Bliss (Bliss, 1965) • é um sistema basicamente ideográficos (desenhos que simbolizam a idéia de uma coisa, criam uma associação gráfica entre o símbolo e o conceito que se representa); • são compostos de um número pequeno de formas chamadas de “elementos simbólicos”; • seguem um sistema lógico, sendo que estes elementos básicos são usados em várias combinações para representar milhares de significados; •os símbolos são organizados sintaticamente, tendo cada grupo sintático uma cor específica.
  • 42. Sistemas Gráficos PCS – Picture Communication Symbols (Johnson, 1981) é um sistema basicamente pictográfico; • este sistema foi criado para indivíduos com comprometimento em sua comunicação oral e que não conseguiam compreender um sistema gráfico mais ideográfico; • beneficia indivíduos de qualquer idade, de qualquer patologia, para quem um nível simples de expressão seja aceitável; • os símbolos são organizados sintaticamente, tendo cada grupo sintático uma cor específica, como no Sistema Bliss;
  • 43. Categorias de Palavras • Social: palavras comumente usadas em interações sociais; • Pessoas: incluindo os pronomes pessoais; • Verbos; • Descritivo: adjetivos e advérbios; • Substantivo; • Miscelânea: basicamente são artigos, conjunções, preposições, conceito de tempo, cores, alfabeto, números e outras palavras abstratas variadas;
  • 44. Técnicas de Seleção Referem-se à forma pela qual o usuário escolhe os símbolos numa prancha de comunicação. O método usado para indicar os símbolos afetará principalmente a disposição do vocabulário na prancha. É importante determinar a técnica de seleção mais eficiente para cada usuário. Deve ser determinado o posicionamento ideal da prancha e do usuário – a precisão, a taxa de fadiga e a velocidade são fatores a serem considerados. As técnicas de seleção podem ser divididas em duas grandes categorias: • Seleção direta; • Varredura;
  • 45. Seleção Direta • Apontar ou tocar diretamente cada símbolo: • com o dedo; • com uma ponteira de cabeça; • com ponteira de luz sobre a cabeça; • apontar com outras partes do corpo (dedo do pé, punho ou cotovelo); • Técnica de olhar (eye-gaze): • é geralmente o mais indicado para usuários com comprometimento motor grave; • os símbolos são dispostos mais distantes um do outro e o interlocutor senta de frente para o usuário a fim de observar mais facilmente o movimento de seus olhos, que indica cada símbolo simplesmente olhando para ele;
  • 46. Varredura • esta técnica exige somente que a pessoa tenha uma resposta controlável consistente, como sacudir a cabeça, bater um pé ou fazer um movimento com os olhos; • os recursos de tecnologia simples (baixa tecnologia) necessitam um facilitador para apontar os símbolos de maneira sistemática enquanto o usuário sinalizará quando o símbolo desejado for apontado; • diferentes estratégias de varredura podem ser utilizadas, dependendo das habilidades do usuário: linear, circular, colunas lineares e grupos de itens;
  • 51. Conclusão Pensando então na interação entre interlocutor e criança com deficiência na área da comunicação, os sistemas alternativos de comunicação são um meio eficaz para garantir a inclusão dessas crianças. Assim, a criança que não apresente a comunicação oral ou que tenha dificuldades nela poderá comunicar-se com outras pessoas e expor suas idéias, pensamentos e sentimentos, se puder utilizar recursos especialmente desenvolvidos e adaptados para o meio no qual está inserida.
  • 52. Lembramos que um recurso...
  • 53. só adquire funcionalidade para comunicar mensagens
  • 54. quando conseguimos identificar
  • 55. as potencialidades de nossos alunos
  • 56. e adequamos o meio para que essas potencialidades
  • 59. estaremos dando voz a nossos alunos,
  • 60. que é uma das primeiras formas
  • 61. para a construção de uma Sociedade Inclusiva!” Deliberato & Manzini 2004
  • 62. BIBLIOGRAFIA -...E se falta a palavra, qual comunicação, qual linguagem? Discurso sobre Comunicação Alternativa. Tânia Maria e Don Giancarlo Pravettoni. Ed. Memnon, 1999. - Guia dos símbolos de Comunicação Pictórica. Roxanna M. Johnson.Mayer-Johnson Co. - Recursos para Comunicação Alternativa- Portal de ajudas técnicas para educação. Eduardo José Manzini e Débora Deliberato. Brasília, 2004.