O slideshow foi denunciado.
Utilizamos seu perfil e dados de atividades no LinkedIn para personalizar e exibir anúncios mais relevantes. Altere suas preferências de anúncios quando desejar.
Próximos SlideShares
What to Upload to SlideShare
Avançar

0

Compartilhar

Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo

Palestra ministrada pelo Eng° Otávio Riedel Almeida no evento Workshop de Reúso de Efluentes e Retrofiting organizado pelo Portal Tratamento de Água.

Assita a palestra ao vivo em nossa página do Facebook

  • Seja a primeira pessoa a gostar disto

Workshop - Estudo de Tratabilidade para Definição de Processo

  1. 1. Estudo de Tratabilidade para Definição de Processos Otávio Riedel Almeida
  2. 2. GRUPO EP
  3. 3. Com mais de 40 anos de existência a EP tem experiência comprovada em oferecer desde o projeto básico, a construção, operação e monitoramento para vários processos: • Físico-químico • Biológico • Polimento • Tecnologia de Membranas: – Microfiltração – Ultrafiltração – Nanofiltração/Abrandamento – Osmose Reversa • Troca Iônica por Resinas • Reciclagem de Efluentes • Estações Piloto / Estudos de Tratabilidade EP ENGENHARIA
  4. 4. EP ANALÍTICA – Laboratório de Análises Ambientais
  5. 5. Testes de Tratabilidade Por que fazer um Teste de Tratabilidade? • Redução de riscos! Economia de Tempo! Economia de dinheiro! • Confiança no processo de tratamento escolhido • Solucionar problemas de desempenho em plantas existentes • Identificar potenciais problemas de processo antes de implantar mudanças na ETE • Avaliar o comportamento microbiológico na presença de contaminantes tóxicos • Definição entre Processo Físico-Químico ou Biológico
  6. 6. Industrial X Municipal Cada Efluente Industrial é único • Altas concentrações de Sais • Muitas variações • Fração Biodegradável / Não Biodegradável • Presença de compostos inibidores e tóxicos • Presença de sais inorgânicos e metais pesados • Presença de gordura (O&G) • Processos de CIP Químicos • Substâncias químicas que contribuem para a DQO • Possíveis vazamentos químicos – Carga de choque para o biológico • Deficiência ou excesso de nutrientes
  7. 7. Como escolher o melhor processo? • Tipo de Indústria? • Biodegradabilidade do efluente • Qual é o objetivo do tratamento? • Qual legislação atender? • Vai ter reuso da água tratada?
  8. 8. Guia para Processos
  9. 9. Conduzindo um Estudo de Tratabilidade Entendi mento • Qual é o perfil de geração de efluentes? • Sazonalidades? Coleta • Qual será o plano de coleta de amostras? Envio • Entrada das amostras no Laboratório EP Análise • Definição de parâmetros críticos e análise na EP Analítica Def. Proces. • Análise bibliográfica / Experiência • Definição teórica de rota de tratamento Planeja mento • Como os ensaios serão conduzidos? • O que será avaliado? Por quanto tempo? Start • Operação da unidade • Monitoramento do processo
  10. 10. 1. Definição de Insumos Químicos 2. Realização de Jar Test 3. Avaliação dos Flocos 4. Avaliação da precipitação / flotação 5. Quantificação da Produção de Lodo 6. Deságue de lodo (Filtrabilidade) 7. Caracterização do lodo gerado 8. Adsorção em Carvão Ativo 9. Processos de Oxidação Avançada 10. Análises químicas comprobatórias Processo Físico-Químico
  11. 11. Processo Físico-Químico
  12. 12. 1. Inoculação do lodo de planta existente 2. Dosagem gradativa do efluente bruto 3. Análises químicas da água tratada 4. Avaliação de parâmetros: Idade Lodo / TRH/denitrificação 5. Quantificação e caracterização lodo gerado 6. Monitoramento de geração de biogás (anaeróbio) 7. Tempo de Teste: 45 a 90 dias Tipos de Processos Avaliados: • Aeróbio (LA / MBR / MBBR) • Anóxico • Anaeróbio Processo Biológico
  13. 13. • Jar Test (Bateladas) • Processo Contínuo (ajuste pH/ Coagulação/ Floculação/ Decantação) • Colunas de Adsorção • Plantas Piloto (500 l/h a 10.000 l/h) Unidades de Testes de Tratabilidade
  14. 14. • Reatores biológicos por bateladas • Sistemas de vazão contínua • Plantas piloto (100 l/h a 1000 l/h) Unidades de Testes de Tratabilidade Piloto Reuso
  15. 15. 1. Remoção de Fluoretos 2. Efluente Oleoso 3. Aterro Mantovani 4. Carretas para Estudo de Reuso - CENPES ESTUDOS DE CASO
  16. 16. – Remoção de Fluoretos e Metais Pesados – Setor: Indústria Fertilizantes – Estudo: Identificar as melhores condições de precipitação – Objetivo: Ampliação da ETE e Reuso da água tratada ESTUDO DE CASO 1 – REMOÇÃO FLUORETOS Parâmetros Unidad e Resultados VMP Artigo 18 Fluoreto mg/L 15.275 10,0 Ferro Solúvel mg/L 187 15,0 Sílica Solúvel mg/L 3.165,06 -- Boro mg/L 5,30 5,0 Cobre mg/L 1,66 1,0 Zinco mg/L 5,11 5,0 Manganês Solúvel mg/L 11,9 1,0 N como Nitratos mg/L 140 -- Cobalto mg/L <0,003 -- Níquel mg/L 0,344 2,0 Sulfato mg/L 6.700 -- Fosfato mg/L 1.928 -- Parâmetros Unidad e Resultados VMP Artigo 18 Fluoreto mg/L < 0,20 10,0 Ferro Solúvel mg/L 0,495 15,0 Sílica Solúvel mg/L 1,90 -- Boro mg/L 0,685 5,0 Cobre mg/L 0,062 1,0 Zinco mg/L 0,049 5,0 Manganês Solúvel mg/L 0,32 1,0 N como Nitratos mg/L 2,6 -- Níquel mg/L 0,010 2,0 Sulfato mg/L 1.650 -- Fosfato mg/L < 0,20 --
  17. 17. • Tratamento de Efluentes Oleosos de Lavadoras de Chapas – Objetivo: concentrar ao máximo o óleo emulsionado com reuso da água tratada – Desenvolvimento dos testes: • Coleta de amostras representativas do efluente • Montagem do sistema com UF – bateladas escala de bancada • Monitoramento de vazão / pressão / O&G • Análise de surfactantes no permeado ESTUDO DE CASO 2 – EFLUENTE OLEOSO Amostra Efluente Bruta Permeado Rejeito Volume Amostra 7000 ml 6.650 ml 350 ml O&G 55 mg/l < 5,0 mg/l 438 mg/l Surfactantes 3,5 mg/l 3,2 mg/l 0,3 mg/l
  18. 18. Parâmetros Un Result VMP – Artigo 15 1,2 – Dicloroetano mg/L 0,160 0,01 Benzeno mg/L 0,160 0,005 Condutividade uS/cm 1427 NA Etilbenzeno mg/L 0,007 0,09 Xilenos mg/L 0,018 0,3 Tolueno mg/L 0,099 0,002 Cádmio mg/L < 0,001 0,001 Chumbo mg/L < 0,010 0,01 Cobre mg/L 0,543 NA Cor PtCo 48 75 Cromo Total mg/L 0,05 0,05 Ferro Dissolvido mg/L 105,6 0,3 Manganês mg/L 63,96 0,1 Níquel mg/L 0,656 0,025 Turbidez NTU 23,9 100 Zinco mg/L 0,507 0,18 - Passivo ambiental com contaminações de orgânicos e metais - Captação da água bruta nas barreiras hidráulicas - Enquadramento Art 15 – CONAMA 357 Físico Químico + Carvão Ativo pó Filtração em Leito Multimeios OZÔNIO Leito de Carvão Ativo DESCARTE ESTUDO DE CASO 3 – ATERRO MANTOVANI
  19. 19. Parâmetros Unidade Resultados VMP – Artigo 15 1,2 – Dicloroetano mg/L < 0,005 0,01 Benzeno mg/L < 0,005 0,005 Condutividade uS/cm 720,2 NA Etilbenzeno mg/L < 0,005 0,09 Xilenos mg/L < 0,005 0,3 Tolueno mg/L < 0,001 0,002 Cádmio mg/L < 0,001 0,001 Chumbo mg/L < 0,01 0,01 Cobre mg/L < 0,01 NA Cor PtCo 1,7 75 Cromo Total mg/L < 0,01 0,05 Ferro Dissolvido mg/L < 0,05 0,3 Manganês mg/L 0,02 0,1 Níquel mg/L < 0,01 0,025 Turbidez NTU 0,60 100 Zinco mg/L < 0,01 0,18 ESTUDO DE CASO 3 – ATERRO MANTOVANI
  20. 20. • Tratamento Físico-Químico • Filtração em Areia, POLARTACK® • Carvão Ativado • Ultrafiltração • Osmose Reversa • Processos Oxidativos: Ozônio, Dióxido de Cloro, Ultravioleta, Fentom • Abrandamento por troca Iônica • Desmineralização por troca Iônica • Polimento por Leito Misto de troca Iônica • Desmineralização por Eletrodiálise Reversa • Polimento por EDI - Eletrodeionização • Remoção de CO2 por Membrana de Transferência de Gases • Torre Descarbonatadora ESTUDO DE CASO 4 – UNIDADES MÓVEIS
  21. 21. EQUIPE EP
  22. 22. OBRIGADO! Dúvidas e Consultas otavio.riedel@epengenharia.com.br Telefone: 11 2463-7700

Palestra ministrada pelo Eng° Otávio Riedel Almeida no evento Workshop de Reúso de Efluentes e Retrofiting organizado pelo Portal Tratamento de Água. Assita a palestra ao vivo em nossa página do Facebook

Vistos

Vistos totais

308

No Slideshare

0

De incorporações

0

Número de incorporações

21

Ações

Baixados

0

Compartilhados

0

Comentários

0

Curtir

0

×