Escola Secundária/3º C.E.B. de
Bocage
Actividades Pedagógica em
crianças com NEE (APC)
Docente:
Tânia Silva08/11/2010
Perturbação de Hiperactividade
com Défice de Atenção - PHDA
Definição
Hiperquinésia
Disfunção
cerebral
mínima
Síndrome
hiperquinético
Problemas de
comportamento
Dificuldades
de
Apren...
Critérios de Diagnóstico
Falta de Atenção
Hiperactividade
Impulsividade
Critérios de Diagnóstico
Falta de atenção:
a) Com frequência não presta atenção suficiente aos pormenores
ou comete erros ...
Critérios de Diagnóstico
f) Com frequência evita, sente repugnância ou está relutante em
envolver-se em tarefas que requei...
Critérios de Diagnóstico
Hiperactividade
a) Com frequência movimenta excessivamente as mãos e os pés,
move-se quando está ...
Critérios de Diagnóstico
Impulsividade:
a) Com frequência precipita as respostas antes que as perguntas
tenham acabado;
b)...
Critérios de Diagnóstico
-Alguns sintomas de hiperactividade-impulsividade ou de falta
de atenção que causam défices surge...
Perturbação Neurobiológica
Crianças com PHDA apresentam diferenças no cérebro,
principalmente no módulo cerebral que é res...
Principais características
• Não presta atenção a detalhes e erra por
descuido
• Tem dificuldade de manter a concentração nas
actividades
• Não ouve quando lhe falam directamente
("cabeça no mundo da lua")
• É desorganizado
• Distrai-se facilmente
• Irrequieto com as mãos e os pés quando
sentado
- Não termina o que começa e tem dificuldade de seguir instruções.
- Perde frequentemente os objectos necessários para as ...
• Não pára sentado
• Tem dificuldade de esperar a sua vez
• Está sempre agitado, parece "eléctrico", "a mil
por hora".
• Tem uma sensação de inquietude ("bicho carpinteiro")
• É barulhento para jogar ou se divertir
• Responde mesmo antes que...
Principais características
Nível Comportamental
Nível Emocional
Nível Escolar
Principais característica
A NÍVEL COMPORTAMENTAL
1. Hiperactividade, entendida como movimento corporal
constante, é a pert...
Principais características
2. Défice de atenção e controlo. É outra das características
fundamentais do síndrome. Parece q...
Principais característica
A NÍVEL EMOCIONAL
Irritabilidade
Dado que a criança tem Muito pouco controlo sobre os seus
compo...
Principais características
A NÍVEL ESCOLAR
A criança apresenta dificuldades de aprendizagem. Estas
dificuldades manifestam...
Principais características
De uma forma geral:
-Mexe as mãos ou os pés com frequência ou contorce-se na
cadeira
- Tem difi...
Principais características
De uma forma geral:
- Fala excessivamente;
-Interrompe frequentemente os outros;
-Não parece ou...
Quais são os subtipos da PHDA?
Aceitam-se, principalmente, três subtipos conforme a
importância dos sintomas de défice de ...
Prevalência
Prevalência por sexo e por subtipos:
Raparigas Rapazes Total
PHDA subtipo combinado 1,48 3,01 2,24
PHDA subtip...
Prevalência
Em termos gerais:
• A prevalência da perturbação de hiperactividade com défice de
atenção está estimada em 3% ...
Etiologia
Várias causas confluem para que uma muito pequena parte
do cérebro destas crianças seja diferente: A causa mais
...
Etiologia
- Disfunções neurológicas:
Os factores pré-natais citados com maior frequência são o
alcoolismo materno, as infe...
Etiologia
- Factores ambientais:
O clima familiar;
Problemas graves do casal;
Determinados parâmetros educacionais;
Baixo ...
Etiologia
- Factores comportamentais:
Inexistência de hábitos adequados de comportamento;
Ausência de ensinar à criança ou...
O que “não” causa PHDA
• A PHDA não tem origem em conflitos neuróticos ;
• A PHDA não tem origem em problemas emocionais o...
Comorbilidades
Depressão
11%
Perturbação do
Comportamento
7%
Perturbação
da Ansiedade
11%
6%
4% 5%
9%
Caso Prático de Comorbilidade
Pedro, de 10 anos, com dificuldade de atenção, foi submetido a avaliação porque começou
a te...
Actividades Pedagógicas
1. Teste de Stroop:
Inibir a resposta preponderante (resposta aprendida, previamente
aprendida e r...
Intervenção
verde azul amarelo vermelho
azul vermelho amarelo verde
vermelho amarelo verde azul
amarelo verde azul vermelh...
A tarefa exige que a criança monitorize a sua actividade,
inibindo a reposta prepotente, previamente aprendia, e
responden...
Uma das características mais comuns nas crianças com
Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção é
precisamente a s...
2. Os Ruídos da Noite
Para dar inicio a esta actividade, o educador deve dizer:
- Sentem-se todos . Vamos ver se conseguem...
American Psychiatric Association (2002). DSM-IV-TR. Manual de diagnóstico
e estatística das perturbações mentais. Lisboa: ...
Próximos SlideShares
Carregando em…5
×

Défice de atenção e hiperactividade

7.212 visualizações

Publicada em

0 comentários
1 gostou
Estatísticas
Notas
  • Seja o primeiro a comentar

Sem downloads
Visualizações
Visualizações totais
7.212
No SlideShare
0
A partir de incorporações
0
Número de incorporações
3.560
Ações
Compartilhamentos
0
Downloads
189
Comentários
0
Gostaram
1
Incorporações 0
Nenhuma incorporação

Nenhuma nota no slide

Défice de atenção e hiperactividade

  1. 1. Escola Secundária/3º C.E.B. de Bocage Actividades Pedagógica em crianças com NEE (APC) Docente: Tânia Silva08/11/2010
  2. 2. Perturbação de Hiperactividade com Défice de Atenção - PHDA
  3. 3. Definição Hiperquinésia Disfunção cerebral mínima Síndrome hiperquinético Problemas de comportamento Dificuldades de Aprendizagem Problemas de atenção
  4. 4. Critérios de Diagnóstico Falta de Atenção Hiperactividade Impulsividade
  5. 5. Critérios de Diagnóstico Falta de atenção: a) Com frequência não presta atenção suficiente aos pormenores ou comete erros por descuido nas tarefas escolares, no trabalho ou noutras actividades; b) Com frequência tem dificuldade em manter a atenção em tarefas ou actividades; c) Com frequência parece não ouvir quando se lhe fala directamente; d) Com frequência não segue as instruções e não termina os trabalhos escolares, encargos ou deveres no local de trabalho; e) Com frequência tem dificuldades em organizar tarefas e actividades;
  6. 6. Critérios de Diagnóstico f) Com frequência evita, sente repugnância ou está relutante em envolver-se em tarefas que requeiram um esforço mental mantido; g) Com frequência perde objectos necessários a tarefas ou actividades (por exemplo, brinquedos, exercícios escolares, lápis, livros ou ferramentas); h) Com frequência distrai-se facilmente com estímulos irrelevantes; i) Esquece-se com frequência das actividades quotidianas.
  7. 7. Critérios de Diagnóstico Hiperactividade a) Com frequência movimenta excessivamente as mãos e os pés, move-se quando está sentado; b) Com frequência levanta-se na sala de aula ou noutras situações em que se espera que esteja sentado; c) Com frequência corre ou salta excessivamente em situações que é inadequado fazê-lo (em adolescentes ou adultos pode limitar-se a sentimentos subjectivos de impaciência) d) Com frequência tem dificuldades em jogar ou dedicar-se tranquilamente a actividades de ócio; e) Com frequência «anda» ou só actua como se estivesse «ligado a um motor»; f) Com frequência fala em excesso;
  8. 8. Critérios de Diagnóstico Impulsividade: a) Com frequência precipita as respostas antes que as perguntas tenham acabado; b) Com frequência tem dificuldade em esperar pela sua vez; c) Com frequência interrompe ou interfere nas actividades dos outros (por exemplo, intromete-se nas conversas ou jogos);
  9. 9. Critérios de Diagnóstico -Alguns sintomas de hiperactividade-impulsividade ou de falta de atenção que causam défices surgem antes dos 7 anos de idade. -Alguns défices provocados pelos sintomas estão presentes em 2 ou mais contextos (por exemplo escola ou trabalho e em casa). - Devem existir provas claras de um défice clinicamente significativo do funcionamento social, académico ou laboral.
  10. 10. Perturbação Neurobiológica Crianças com PHDA apresentam diferenças no cérebro, principalmente no módulo cerebral que é responsável pelas funções executivas: Organizar, Planificar, Estabelecer um nível apropriado de alerta, Ter uma memória de trabalho adequada e Regular os estados emocionais em função de um desempenho adequado da tarefa principal do córtex pré-frontal e dos núcleos ligados a ele na base do cérebro.
  11. 11. Principais características
  12. 12. • Não presta atenção a detalhes e erra por descuido
  13. 13. • Tem dificuldade de manter a concentração nas actividades
  14. 14. • Não ouve quando lhe falam directamente ("cabeça no mundo da lua")
  15. 15. • É desorganizado
  16. 16. • Distrai-se facilmente
  17. 17. • Irrequieto com as mãos e os pés quando sentado
  18. 18. - Não termina o que começa e tem dificuldade de seguir instruções. - Perde frequentemente os objectos necessários para as actividades. - É esquecido
  19. 19. • Não pára sentado
  20. 20. • Tem dificuldade de esperar a sua vez
  21. 21. • Está sempre agitado, parece "eléctrico", "a mil por hora".
  22. 22. • Tem uma sensação de inquietude ("bicho carpinteiro") • É barulhento para jogar ou se divertir • Responde mesmo antes que a pergunta tenha sido concluída
  23. 23. Principais características Nível Comportamental Nível Emocional Nível Escolar
  24. 24. Principais característica A NÍVEL COMPORTAMENTAL 1. Hiperactividade, entendida como movimento corporal constante, é a perturbação mais evidente. Esta mobilidade quase permanente é manifestada pela criança desde muito cedo. Em consequência, pode apresentar: Hiperactividade verbal (falar muito, mas sem conseguir manter o fio condutor do discurso). Destruição. Agressividade.
  25. 25. Principais características 2. Défice de atenção e controlo. É outra das características fundamentais do síndrome. Parece que a criança se vê forçada a reagir perante estímulos, mostrando-se atraída por pormenores irrelevantes e, por falta de capacidade para os organizar hierarquicamente. 3. Impulsividade. A criança actua sem medir as consequências dos seus actos, dá impressão que não pode inibir os seus impulsos.
  26. 26. Principais característica A NÍVEL EMOCIONAL Irritabilidade Dado que a criança tem Muito pouco controlo sobre os seus comportamentos, torna-se imprevisível, gerando situações de tensão e consequentes birras, convulsões ou ataques fingidos, devido à sua escassa tolerância à frustração. Labilidade afectiva A criança apresenta uma deficiente auto-estima e dificuldade para se relacionar com os colegas.
  27. 27. Principais características A NÍVEL ESCOLAR A criança apresenta dificuldades de aprendizagem. Estas dificuldades manifestam-se fundamentalmente na aritmética, leitura/escrita e memória, grafismo e orientação espacial.
  28. 28. Principais características De uma forma geral: -Mexe as mãos ou os pés com frequência ou contorce-se na cadeira - Tem dificuldade em permanecer sentado - Distrai-se facilmente - Tem dificuldade em esperar pela sua vez; - Dá respostas irreflectidas a perguntas incompletas; - Tem dificuldade em seguir as instruções; - Tem dificuldade em fixar a atenção nas tarefas ou nas actividades; - Muda frequentemente de uma actividade incompleta para outra; - Tem dificuldade em brincar em silêncio.
  29. 29. Principais características De uma forma geral: - Fala excessivamente; -Interrompe frequentemente os outros; -Não parece ouvir o que lhe é dito; -Perde o material necessário na escola ou em casa; -Envolve-se em actividades físicas perigosas, sem considerar as consequências.
  30. 30. Quais são os subtipos da PHDA? Aceitam-se, principalmente, três subtipos conforme a importância dos sintomas de défice de atenção e hiperactividade. Tipo Descrição Predominantemente Desatento Seis ou mais indicadores de défice de atenção e menos de seis de hiperactividade-impulsividade Predominantemente Hiperactivo- Impulsivo Seis ou mais indicadores de hiperactividade-impulsividade e menos de seis de falta de atenção. Combinado Seis ou mais indicadores de hiperactividade-impulsividade e seis ou mais indicadores de défice de atenção
  31. 31. Prevalência Prevalência por sexo e por subtipos: Raparigas Rapazes Total PHDA subtipo combinado 1,48 3,01 2,24 PHDA subtipo predominantemente desatento 1,24 2,01 1,74 PHDA subtipo predominantemente hiperactivo 1,20 1,50 1,37 Total (todos os subtipos) 3,97 6,53 5,24
  32. 32. Prevalência Em termos gerais: • A prevalência da perturbação de hiperactividade com défice de atenção está estimada em 3% a 7% das crianças em idade escolar. • Padrão familiar: A perturbação de hiperactividade com défice de atenção tem sido encontrada mais frequentemente nos familiares biológicos em primeiro grau das crianças com perturbação de hiperactividade com défice de atenção do que na população em geral. Evidências consideráveis demonstram a forte influência de factores genéticos nos níveis de hiperactividade, impulsividade e desatenção medidos dimensionalmente. Contudo, a influência familiar, escolar e dos companheiros é também da maior importância para determinar a extensão dos défices e da co- morbilidade
  33. 33. Etiologia Várias causas confluem para que uma muito pequena parte do cérebro destas crianças seja diferente: A causa mais comum para a existência destas diferenças é genética. •Se um ou ambos os pais têm PHDA não é obrigatório que o filho a tenha, mas existe uma maior probabilidade; •Seguindo uma linha de género: se a mãe tem PHDA não é obrigatório que a transmissão seja à sua filha. Há probabilidades de transmiti-la aos seus filhos, independentemente do seu sexo. •Se a criança tem PHDA, não é obrigatório que os pais a tenham (ainda que as probabilidades sejam altas). Se não encontrarmos PHDA entre os pais de uma criança é pertinente indagar os tios e avós.
  34. 34. Etiologia - Disfunções neurológicas: Os factores pré-natais citados com maior frequência são o alcoolismo materno, as infecções da mãe, a anóxia intra-uterina e a hemorragia cerebral.
  35. 35. Etiologia - Factores ambientais: O clima familiar; Problemas graves do casal; Determinados parâmetros educacionais; Baixo nível socio-económico; Carências educacionais e sociais.
  36. 36. Etiologia - Factores comportamentais: Inexistência de hábitos adequados de comportamento; Ausência de ensinar à criança outra forma de actuar.
  37. 37. O que “não” causa PHDA • A PHDA não tem origem em conflitos neuróticos ; • A PHDA não tem origem em problemas emocionais ou psiquiátricos que os outros familiares possam ter; • Não tem origem numa educação inadequada; • Não se deve ao consumo excessivo de açúcares, aditivos ou corantes artificiais; • Não se deve a processos alérgicos.
  38. 38. Comorbilidades Depressão 11% Perturbação do Comportamento 7% Perturbação da Ansiedade 11% 6% 4% 5% 9%
  39. 39. Caso Prático de Comorbilidade Pedro, de 10 anos, com dificuldade de atenção, foi submetido a avaliação porque começou a ter problemas de rendimento escolar. Particularmente na área de matemática. Durante a avaliação observou-se que as suas dificuldades de atenção já eram evidentes nos anos anteriores , mas como cumpria com as expectativas que lhe eram exigidas, nem os professores nem os pais decidiram pedir ajuda, até que completou o 5ºano de escolaridade. Por outro lado, todos o descreviam como um rapaz sério que se preocupava com as suas responsabilidades escolares. Interrogada a criança, vimos que na realidade, estava sempre preocupada com algo: a saúde do irmão, se o pai conservaria o trabalho, se a mãe chegaria a tempo a buscá-lo, não desfrutava dos Domingos, pensando que na Segunda-feira teria de ir para a escola. Tudo isto se passou desde sempre mesmo em períodos escolares em que não havia avaliações nem exigências escolares que fossem realmente fonte de stress. Pedro tinha uma perturbação de ansiedade generalizada, e quando o dissemos aos pais, a primeira coisa que nos disseram foi “mas sempre foi assim!” O Pedro estava a sofrer desnecessariamente desde a sua mais tenra infância: um tratamento terapêutico adequado podia ter-lhe poupado 4 ou mais anos de sofrimento. Por outro lado, se tivesse recebido assistência pelos seus problemas de atenção mais precocemente, também tinha passado de um ciclo ao outro com menos dificuldade, evitando o lógico ciclo vicioso que se produziu.
  40. 40. Actividades Pedagógicas 1. Teste de Stroop: Inibir a resposta preponderante (resposta aprendida, previamente aprendida e reforçada) e realizar justamente o contrário.
  41. 41. Intervenção verde azul amarelo vermelho azul vermelho amarelo verde vermelho amarelo verde azul amarelo verde azul vermelho verde azul amarelo vermelho azul vermelho amarelo verde vermelho amarelo verde azul amarelo verde azul vermelho
  42. 42. A tarefa exige que a criança monitorize a sua actividade, inibindo a reposta prepotente, previamente aprendia, e respondendo deforma flexível a partir de uma contingência nova, estabelecida pelo teste. verde azul amarelo vermelho azul vermelho amarelo verde vermelho amarelo verde azul amarelo verde azul vermelho verde azul amarelo vermelho azul vermelho amarelo verde vermelho amarelo verde azul amarelo verde azul vermelho Actividades Pedagógicas
  43. 43. Uma das características mais comuns nas crianças com Perturbação de Hiperactividade e Défice de Atenção é precisamente a sua incapacidade para prestar atenção nas actividades. Desta forma, torna-se fundamental desenvolver e promover actividades que promovam a sua atenção. Actividades Pedagógicas
  44. 44. 2. Os Ruídos da Noite Para dar inicio a esta actividade, o educador deve dizer: - Sentem-se todos . Vamos ver se conseguem manter-se calados e atentos como bons espiões e se têm um ouvido apurado. Para isso vou apagar a luz e, em seguida, provocarei um certo número de barulhos. Depois acenderei a luz e vocês deverão fazer a lista dos sons que ouviram e que reconheceram. Através do jogo a criança com PHDA consegue manter maiores níveis atencionais. Actividades Pedagógicas
  45. 45. American Psychiatric Association (2002). DSM-IV-TR. Manual de diagnóstico e estatística das perturbações mentais. Lisboa: Climepsi Editores. Ferreira, A. & Rainha, M. (2008). Recursos Didácticos: ensino pré-escolar. Carnaxide: Santillana constância Garcia, M. I. (2001). Hiperactividade, Amadora: McGraw-Hill. Knapp, P. Rohde, L. A., Lyszkowski, L. & Johannpeter, J. (2002). Terapia Cognitivo-Comportamental no Transtorno de Déficit de Atenção / Hiperactividade. São Paulo: Artmed Scandar, R. (2007). Inquietos, distraídos, diferentes? – Orientações e conselhos para pais, educadores e professores de crianças com défice de atenção e hiperactividade. Editorial EDIBA SRL. Bibliografia

×